sexta-feira, abril 11, 2008

Ecrãs escuros devido a falha de satélites


A Rússia tem, nos últimos anos, ganho muito dinheiro com a exportação de petróleo e gás.

Esses meios poderiam e deveriam ser canalizados para a modernização das infraestruturas do país e da economia. No entanto, os factos mostram que eles estão a ser canalizados para os bolsos da nova elite. Segundo a revista Forbes, em 2000, ou seja, quando Vladimir Putin chegou ao Kremlin, na Rússia havia sete pessoas com uma fortuna de mil milhões de dólares, númer que subiu paea mais de 70 no ano corrente. Mas que grande combate contra os oligarcas!

Por outro lado, hoje, quase todo o território da Rússia deixou de receber as transmissões dos cinco canais de televisão nacionais durante 17 minutos, o que trouxe à memória dos habitantes alguns dos maus momentos da história do país.
“Entre as 11.08 e as 11.25 horas de Moscovo, o sinal dos satélites “Express-AM1”, “Express AM2” e “Express AM3” não chegou às estações de retransmissão” – anunciou Andrei Pautov, assessor do director da empresa Rede de Televisão e Rádio da Rússia (RTSR).
Anna Nesterova, outra gestora desta empresa, reconheceu que semelhante incidente não é uma novidade.
“Algo semelhante ocorreu há dois anos atrás” – declarou ela, acrescentando que se trata de um problema ligado ao estado de funcionamento dos satélites televisivos russos.
Nos finais de 2006, Alexandre Sokolov, ministro da Cultura e dos Órgãos de Informação, tinha previsto semelhantes avarias, que se deviam à falta de financiamento da RTSR.
“De facto, a RTSR encontra-se no limiar da falência e os satélites que transmitem o sinal para a Sibéria e Extremo Oriente podem deixar de funcionar por falta de financiamento” – declarou então Sokolov.
Segundo o jornal electrónico russo newsru.com, esta avaria “trouxe à memória maus momentos”. Falhas na transmissão televisiva registaram-se a 19 de Agosto de 1991, quando um grupo de dirigentes comunistas ortodoxos tentaram derrubar o Presidente soviético Mikhail Gorbatchov e, a 02 de Outubro de 1993, quando manifestantes comunistas e nacionalistas tentaram tomar de assalto o edifício da televisão em Moscovo.
Esta avaria ocorreu na véspera do Dia do Cosmonauta, que celebra a primeira viagem de um homem, Iúri Gagarin, ao Espaço, e no dia em que o Presidente Putin exigiu das autoridades competentes a modernização e desenvolvimento da indústtia espacial.
O dirigente russo lançou um apelo ao restabelecimento dos quadros na indústria espacial, bem como dos programas científicos interdisciplinares, sublinhando que “a Rússia deve garantir o acesso ao Espaço a partir do seu território”.
“Caso contrário, mesmo investimentos financeiros significativos não darão o efeito desejado e esperado” – acrescentou ele ao discursar numa sessão do Conselho de Segurança da Rússia para o desenvolvimento da indústria espacial.
Logo a seguir, Anatoli Perminov, director da Agência Espacial Russa “Roskomos”, anunciou que um novo cosmódromo será construído da região de Amur (extremo-oriente) até 2015 e, cinco anos depois, todas as naves espaciais pilotadas russas partirão daí.
O Presidente Putin considerou que o capital privad russo deve ter acesso à indústria espacial.
“Devemos pensar seriamente em como utilizar na esfera da actividade espacial não só as novas possibilidades do Estado, mas também as potencialidades crescentes do mundo de negócios” – frisou.
O dirigente russo defendeu também que seu país deve aumentar a sua actividade no mercado mundial dos serviços espaciais.
“É preciso aumentar muitas vezes a quota da Rússia nesse mercado com perspectivas e altamente rentável” – considerou, mas acrescentou que o país “deve não só propor os seus mísseis portadores para o transporte de mercadorias e aparelhos espaciais estrangeiros, mas fazer avançar cada vez mais as suas descobertas e serviços no campo das altas tecnologias ligadas à exploração do Espaço”.

3 comentários:

rouxinol de Bernardim disse...

Talvez faça falta actualmente na rússia um «Velho do Restelo» para refrear um pouco as aventuras espaciais e atentar melhor na qualidade de vida do povo...

Um «V do R» prudente e sensato...

Jose Milhazes disse...

Caro leitor, "Velhos do Restelo" não valem nada, porque ninguém lhes dá ouvidos. São necessários homens e mulheres que pensem no amanhã da Rússia.

Almir disse...

Em uma país com as dimensões continentais da Rússia, transmissões por satélite são uma questão de segurança nacional. Absurdo imaginar que se comemore o aniversário do heróico lançamento do primeiro "sputnik" e relega-se à sorte o sistema de satélites russos! São coisas da Rússia de Putin!