sexta-feira, outubro 03, 2008

Aos leitores do Blog

Caros leitores, peço-vos desculpa por deixar de ter sido tão frequente na publicação de postagens, mas a razão é que me encontro em Portugal e tenho de resolver uma enorme quantidade de problemas. Mas irei estar atento à situação e deverei regressar nos próximos dias. Um abraço. José Milhazes

14 comentários:

Pippo disse...

Que os problemas lhe pesem pouco. Cá o esperamos.
Um abraço,

Nuno Bento disse...

Ja há algum tempo que estávamos a notar a sua "ausência".
Se me permite, volte rápido à blogosfera. é que os acontecimentos "da Russia" não param de se suceder e falta-nos um "fio condutor" da historia. Por exemplo, o que estará por detrás da visita de Julia a Putin? Ou o é que fez ir Alexei Miller tão rapidamente à Coreia?. Cumprimentos, Nuno.

Lsbarbosa disse...

Que volte em breve.
Abraço

Anónimo disse...

Ah...
e parabéns por mais um aniversário!
FM

Jose Milhazes disse...

Caro FM, obrigado pelos parabéns, mas espero-te pessoalmente

Pippo disse...

A Korea Gas assinou um acordo preliminar com a Gazprom para o qual necessitará de um gasoduto que passe através da Coreia do Norte. O acordo foi assinado esta semana e terá sido esse o motivo da visita do presidente da Gazprom a Pyongyang.

http://www.sptimes.ru/index.php?action_id=2&story_id=27248

kremlino disse...

Julia foi beijar a mão a VP. Pediu-lhe ajuda pessoalmente porque a Ucrania está falida. É verdade verdadeira. Agora, as condições que ele impôs, vou deixá-las ainda no segredo.

MSantos disse...

Será muito bem vindo á República Independente do Bugio (já mandei estender o tapete vermelho á entrada do farol, perdão do Palácio)
:)

Pippo disse...

Um aparte (ainda a Ossétia do Sul):

"Seis mortos em explosão na capital da Ossétia do Sul
03.10.2008 - 16h08 PÚBLICO, Agências
Seis pessoas morreram e quatro ficaram feridas numa explosão, aparentemente provocada por um carro armadilhado que estava estacionado junto ao quartel das forças russas em Tskhinvali, capital da região separatista da Ossétia do Sul. As autoridades locais já atribuíram o atentado aos serviços secretos georgianos.

Segundo as autoridades locais, o veículo estava estacionado junto a um dos muros da base militar, depois de ter sido confiscado em Disevi, uma aldeia maioritariamente georgiana, por transporte ilegal de armas – informação que não pode ser confirmada por fontes independentes.

O Ministério da Defesa russo já confirmou a explosão, mas não adianta se há soldados russos entre as vítimas.

“Tudo nos leva a crer que se tratou de um atentado”, afirmou Irina Gagloieva, porta-voz do governo autónomo da Ossétia do Sul, entidade reconhecida apenas pela Rússia.

Por seu lado, o líder separatista, Eduard Kokoiti, apressou-se a responsabilizar os serviços de segurança da Geórgia pela explosão. “O automóvel estava carregado de explosivos. Este foi um atentado levado a cabo pelos [serviços da] Segurança Nacional da Geórgia”, afirmou o dirigente separatista, adiantando que entre as vítimas há “civis e militares”.

Depois de meses de escaramuças entre as forças separatistas da Ossétia e os militares georgianos, Tbilissi lançou a 4 de Agosto uma ofensiva contra Tskhinvali, destinada a reassumir o controlo de uma província que não reconhecia a autoridade há mais de uma década.

Na resposta, a Rússia, que mantinha uma força de manutenção de paz na zona, enviou milhares de soldados para a frente, expulsando o Exército georgiano da região e ocupando uma vasta área na zona de fronteira, com a justificação de impedir novos ataques contra a Ossétia.

O Ocidente, aliado do Presidente georgiano, condenou a “reacção desproporcionada” de Moscovo, mas acabaria por mediar um acordo de cessar-fogo que, ao mesmo tempo que prevê a retirada dos soldados russos da Geórgia, acaba por legitimar a presença russa na Ossétia do Sul e na vizinha Abkházia.

Esta semana, chegaram à Geórgia os primeiros observadores europeus que vão monitorizar a retirada russa das chamadas “zonas tampão”, uma manobra que Moscovo se comprometeu a concluir até ao próximo dia 10."

Ora, tendo em conta que os russos não precisam de denotar carros armadilhados junto às suas instalações para justificar a sua presença na Ossétia do Sul (a invasão Georgiana de 7/8 de Agosto é mais que suficiente para tal), a quem é que pode interessar este acto terrorista?

De qualquer modo, devemos deixar em aberto a possibilidade deste acontecimento dever-se a incúria. Infelizmente muitos soldados russos ainda são propensos a estacionar um carro carregado de armas à frente do quartel e ir beber uma vodka para matar a sede...

raving woman disse...

Incúria? your ass!Os Yankees têm uma data de vasos de guerra por ali e os Bush boys vão armar uma treta para tentarem que o pessoal se acagasse e vote neles.Nada há de mais perigoso do que um império em queda.

eslava disse...

kremlino disse
"Julia foi beijar a mão a VP. Pediu-lhe ajuda pessoalmente porque a Ucrania está falida."

O Sr. kremlino segurou a vela?

kremlino disse...

Eslava espertinha:
Não preciso de segurar a vela. Conheço o Putin.

Nuno Bento disse...

Pippo:
obrigado pela info.
Cumprimentos,
Nuno.

Naguib disse...

É verdade sim senhor. Ainda a semana passado o vi passeando no Rossio.
Apesar das dificuldades este país tem um sol outonal/primaveril inigualável.