domingo, março 22, 2009

Contributo para História (Angola)


A União Soviética viu com bons olhos a audiência que o Papa Paulo VI concedeu aos dirigentes dos movimentos de guerrilha em Angola, Guiné e Moçambique, em Junho de 1970, considerando a iniciativa um duro golpe no regime salazarista.
“Tratou-se de um duríssimo golpe no ditador de Portugal, Salazar, e no ramo português da igreja católica que apoia a guerra dos colonizadores nas colónias”, escreveu nas suas memórias Piotr Evsiukov, antigo alto funcionário da Secção Internacional do Partido Comunista da União Soviética e um dos responsáveis pela política soviética em relação às colónias portuguesas.
Piotr Evsiukov, que foi também embaixador soviético em Moçambique após 1975, considerou que essa audiência foi um dos factores fundamentais do êxito da Conferência Internacional de Apoio aos Povos das Colónias Portuguesas, realizada em Roma entre 27 e 29 de Junho de 1970.
“Primeiro, a política de Portugal, país-membro da NATO, foi sujeita a uma dura crítica. Segundo, na conferência participaram Agostinho Neto do MPLA, Amílcar Cabral do PAIGC e Marcelino dos Santos da FRELIMO, que também foram recebidos pelo Papa Paulo VI no Vaticano”, escreveu o diplomata soviético nas suas memórias.
A Conferência de Roma foi fulcral para o processo de reconhecimento dos movimentos de libertação nacional pela comunidade internacional.
“Estamos convencidos de que a Conferência de Roma abre uma nova etapa na prestação de apoio material, político e moral de que o nosso povo necessita”, declarou, então, Agostinho Neto.
A delegação soviética nessa conferência era constituída pelo professor Igor Blischenko, mais conhecido por “camarada Pedro” entre os dirigentes do MPLA, pelo historiador Vladimir Chubin e por Vassili Solodovnikov, director do Instituto de África da Academia das Ciências da URSS e vice-presidente do Comité Soviético da Organização de Solidariedade com os Países da Ásia e da África.
Após a Conferência de Roma e a audiência do Vaticano, Solodovnikov recebeu autorização dos dirigentes soviéticos de tornar público, através de uma entrevista ao jornal “Pravda”, órgão do Comité Central do Partido Comunista da União Soviética, o facto de Moscovo fornecer armamentos e prestar outra ajuda aos movimentos de libertação nas colónias portuguesas de África.
Nessa entrevista, Solodovnikov revelou também que a URSS preparava quadros militares e civis para esses movimentos.
Segundo dados dos arquivos soviéticos, em 1963, a URSS prestou ao MPLA uma ajuda no valor de 50 mil dólares norte-americanos, quantia que subiu até 220 mil em 1973. Nesse mesmo ano, o PAIGC recebeu apoios no valor de 150 mil dólares e a Frelimo, 85 mil.
A ajuda material e financeira era canalizada através do Fundo Sindical Internacional de Ajuda às Organizações Operárias de Esquerda, com sede na Roménia.

32 comentários:

Jest nas Wielu disse...

Os números representam apenas o apoio directo em armamento, outros bens materiais (calculados muitíssimo por baixo), naquela altura o Centro de Formação Militar na aldeia de Perevalne (nas arredores da cidade ucraniana de Simferopol), já recebia os primeiros recrutas da Guiné e mais tarde de Moçambique.

Inácio Cristiano disse...

Caro Milhazes
Por lapso refere o ano de 1979, quando esse evento deveria-se ter dado talvez 10anos antes.
Quanto ao choque na sociedade católica portuguesa, foi de facto um "um murro no estomago"
Não tenho a certeza, mas quando posteriormente o Papa visitou Portugal, Salazar não o recepcionou no aeroporto, empolando mais ainda o contencioso com a Curia Romana criada anos antes com o estatuto de "Persona non gratea" que resultou na prática com a expulsão do país de D.António Alves, Bispo do Porto.

Jorge disse...

A propaganda ideológica da esquerda mundial do século XX adotou o anticolonialismo como instrumento de dominação. Ele era um dos aspectos do famigerado imperalismo; mas não importava muito com a zona de dominação soviética, na Europa e Ásia, onde imperavam a mais brutal colonização.

Entrando de gaiato no navio as colônias africanas ouviram e dormiram aos sons da sereia vermelhona e se deram muito mal. Antes tivesse ficado sob a administração européia do que sob o marxismo negrão.

Autodeterminação só pode dar resultado em pacto político marcado pelo equilíbrio, boas qualidades morais, intelectuais e administrativas dos partícipes gestores. No lugar do funcionário público inglês, por exemplo, ficou quem? No lugar do sistema de ensino português ficou qual?

A maior sorte da África negra foi migrar, na marra, para às Américas. Nos EUA sua turma tem a melhor qualidade de vida no planeta.

francisco disse...

Sabemos que a URSS ajudou o terrorismo, mas os imperialistas da NATO também, sendo assim entende-se o Orgulhosamente sós.

A lógica é sai de lá para eu entrar.

Francisco filho do pai e da mãe.

Francisco disse...

****A maior sorte da África negra foi migrar, na marra, para às Américas. Nos EUA sua turma tem a melhor qualidade de vida no planeta.*****


E prisões cheias!

****Antes tivesse ficado sob a administração européia****

Talvez por esta logica o Brazil hoje estivesse melhor se continua-se colonia portuguesa.
As minhas desculpas aos brasileiros sensatos.
cin.naroda

Anónimo disse...

«o contencioso com a Curia Romana criada anos antes com o estatuto de "Persona non gratea" que resultou na prática com a expulsão do país de D.António Alves, Bispo do Porto.»
O Bispo do Porto que se tornou 'persona non grata' para o salazarismo foi D. António Ferreira Gomes.

Jose Milhazes disse...

Leitor Inácio, peço desculpa pelo lapso

Jorge disse...

O problema da dominação ibérica foi ela ter ficado na periferia no surgimento e formação da Revolução Industrial, embora influenciasse com tudo a formação econômica e social das colônias e ex-colônias.

O Brasil foi bem português com D. Pedro II, enquanto os EUA, no mesmo tempo, eram bem liberais em economia e política.

Tome essa portuga. A etnia negrona no Brasil é um legado português.

Dan Schneider B. disse...

Olá, José Milhazes.
Estou fazendo um trabalho sobre os russos e seu blog tem me ajudado muito. Se não for muito abuso, te escrevo pra perdir uma ajudinha. É que meu trabalho enfoca basicamente as colônias russas e os imigrantes russos no Brasil (se eles se integraram, se eles se misturaram etc), só que comparando as fotos do seu blog com as dos colonos no Brasil, vejo que os russos aqui são muitíssimo diferentes dos daí.

Por exemplo. Veja esses russos brasileiros de um fórum que encontrei em minha pesquisa (tem até uma reportagem do youtube quase no meio da página sobre uma colônia russa do estado de Goiás - coment: 490)

http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=318014&page=25

Acho os descendentes de russos no Brasil muito mais parecidos com os descendentes de alemães e pomeranos brasileiros:

http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=318014&page=11

http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=318014&page=20

http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=318014&page=23

e até lembram mais os descendentes de italianos do que os russos que vejo em seu blog.

http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=318014&page=19

Daí eu queria te perguntar se os descendentes de russos no Brasil se parecem com os russos da Rússia. Talvez as fotos de seu blog e os outros sites que visitei tenham me passado uma visão diferente da aparência dos russos, ou quem sabe os descendentes de russos no Brasil se misturaram mesmo. (Apesar de achar pouco provável no caso dos russos brancos). Eu sei que os portugueses odeiam os brasileiros pelo que li aqui, mas não tenho mais a quem recorrer. :)

[Sei tbm que meu comentário está fora de lugar, se quiser apagá-lo e me mandar um e-mail: danschneider@terra.com (Decidi colocar aqui porque pensei que algum leitor talvez viva ou conheça a Rússia e possa me ajudar)]

Desde já agradeço.

Jose Milhazes disse...

Caro Dan Schneider, começo por lhe dizer que está muito enganado quando considera que os portugueses não gostam de brasileiros.
Quanto à sua pergunta, temos de separar duas coisas: russos e cidadãos da Federação da Rússia, porque, neste país, vivem mais de cem povos e etnias. Quanto aos russos propriamente ditos, eles são diferentes, dependendo da região de onde são originários ou dos cruzamentos de raças e povos dos seus antepassados. Há um provérbio russo que diz mais ou menos isto "quando se raspa um bocado um russo, encontramos um tártaro".

Inácio Cristiano disse...

Caro Dan Schneider B.

"Eu sei que os portugueses odeiam os brasileiros pelo que li aqui, mas não tenho mais aquem recorrer."

Tamanha falsidade demonstra o esteriótipo criado no seio dalguns brasileiros sem sangue lusitano.

Contudo é por demais evidente que a colonização do Brasil foi uma das muitas sagas positivas na história do povo português, da qual não nos envergonhamos nunca.

O Brasil e os brasileiros foi uma das melhores criações de Portugal, e isso orgulha-nos muito.

Sabe quando nasceu o primeiro brasileiro?
Há 508 anos, filho de um dos marinheiros deixados em terra para reconhecer melhor o povo eo local!

Agora compare esse procedimento com as colónias de"outroseuropeus" ainda existentes no Brasil...

Anónimo disse...

Eu nem sabia que odiávamos alguém

Pippo disse...

Odiamos os brasileiros??? Desde quando???
A bem dizer, noto mais animosidade da parte de lá do Atlantico, quando alguns ignorantes nos acusam, a nós portugueses, de todo o tipo de ignomínias.
Talvez isso justifique o facto de termos tantas novelas brasileiras sobre os italianos (apresentando estes de uma forma laudatória), mas poucas ou nenhumas sobre os portugueses (e se as há, estes são sempre apresentados como esclavagistas ou como o ocasional dono da tasca local, que é sempre um tipo meio pacóvio).

Por isso, aqui fica a questão: de onde é que vem essa sua impressão? É que ela em nada condiz com a realidade.

Sobre o tema em apreço, é curioso que nas últimas tenho estado, precisamente, a ler sobre a presença dos especialistas militares soviéticos em Angola, aquando da luta contra a UNITA/Africa do Sul. São experiências pessoais interessantes as quais, combinadas com os relatos dos cubanos, permite aferir bem o nível de intervenção destes dois países (URSS e Cuba) no conflito angolano.

Abraço,

Herculano disse...

Os portugueses são o povo mais amoroso do mundo. Amamos todos os povos e participamos ne criação de todos e misturamo-nos com todos.O melhor de ser português é nascer já com o dom do amor. Só quem nada sabe de nós pode dizer tal ignomínia. Que tal conhecer portugueses e opinar depois, sr. Dan?

Herculano disse...

E aí está um grande português:
http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Desporto/Interior.aspx?content_id=129971

Francisco disse...

***** O Brasil foi bem português com D. Pedro II, enquanto os EUA, no mesmo tempo, eram bem liberais em economia e política.

Tome essa portuga. A etnia negrona no Brasil é um legado português****

Senhor Jorge as minhas sinceras desculpas. Interpretei mal as suas palavras. Por o que dizia julguei que era Caucasiano (branco) daí o seu ódio ao (Negrão). Afinal é Brasileiro genuíno; quer dizer Índio. Já agora qual a sua etnia?
Cin.naroda

Francisco disse...

Perdão; Qual a sua tribo?
cin.naroda

Jorge disse...

Descendo de alguma tribo germânica que tomou a penísula Ibérica nos fins da hegemonia romana na região. Dizem, que duma região entre o norte de Portugal e sul da Espanha. Mas não faz nenhuma diferença. Nem quero saber.

Anónimo disse...

o sr. milhazes está sempre a repetir a cassete, cito:"quando se raspa um bocado um russo, encontramos um tártaro", ó homem! não era melhor assumir logo que não percebe nada de genética nem de biologia humana!!

o termo certo para si não é desconhecimento, é mais ignorancia, medo e estupidez

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, medo de quê ou de quem? de si? Quanto às restantes "qualidades", é uma questão de gosto. A inveja é má conselheira!

Pippo disse...

Também conheço esse provérbio. Atendendo ao passado da terra russa, nada tem de extraordinário.

Dan Schneider B. disse...

Obrigado pela resposta, José Milhazes.

Consegui marcar uma "entrevista" com um russo de verdade, ele é pai do vizinho do amigo de minha colega :), daí vou levar seu comentário pra ver o que ele diz. Eu achava que a população da Rússia fosse mais homogênea.

Sobre meu comentário de que os portugueses odeiam os brasileiros, ué, isso não é segredo pra ninguém. E nem precisa procurar muito pela net pra encontrar milhões de exemplos.

Aqui a opinião isenta de um inglês em um fórum de expatriados no Brasil:

(...)unfortunately Brazilians are very badly recieved here in Portugal and not treated very well the majority of the time.

http://www.gringoes.com/forum/forum_posts.asp?TID=6919&PN=2

Em relação às novelas de imigrantes, tbm nunca foi feita nenhuma sobre os alemães e eles são mais antigos, tão importantes e numerosos quanto os italianos. Li na net que a novela italiana foi uma homenagem a São Paulo, em ocasião da inauguração dos estúdios Globo na capital paulista. Como a maioria da população de São Paulo é descendente de italianos, foi uma justa homenagem. E também esse negócio de dizer que o primeiro brasileiro era um português, isso não é verdade, antes dos portugueses existiam os indígenas, e como aqui vale o Jus soli, todo mundo que nasce no Brasil é tão brasileiro quanto qualquer índio.

Anónimo disse...

Estes dados só demonstram que a "independência" das colónias portuguesas foi uma treta, passaram a ser colónias soviéticas com o horror de guerra civil, genocídios, roubos das riquezas naturais que se sabe.

A HISTÒRIA não vai perdoar a quem colaborou nestas genocídios, sejam africanos ou portugueses!!!

Anónimo disse...

O gesto de Paulo VI fez parte da ilusão pós-Vaticano II que assaltou a ICAR.
As relações amigáveis com os países comunistas tb faziam parte dessa ilusão.
Quando a ICAR descobriu que as perseguições e assassínios de católicos continuavam, que a liberdade religiosa continuava mentira, mudou completamente- Fátima teve aí um papel preponderante!

Com JPII, em 1978, a ICAR voltou à sua mensagem-direitos humanos, dignidade humana, igualdade de todos os seres humanos- e o sistema concentracionário ateu soviético ruíu!

Qto à viagem de Paulo VI a Portugal:
foi em 1966 (cinquenta anos de Fátima).
Salazar recebeu o Papa em Monte Real.
Aliás, os Papas sempre foram recebidos pelos P.R portugueses, até pelos confessos ateus.

Anónimo disse...

Dan Schneider voçe tem cá uma imaginação..

portugal chegou à américa do sul em 1500.

Nessa altura no actual território brasileiro não existia um estado organizado, por isso, não tem fundamento afirmar que existiam lá brasileiros.
O que existia eram tribos primitivas sem organização politica.
A nacionalidade brasileira foi sendo criada a partir da colonização 1500-1822, durante este peridodo entraram perto de 1 milhão de colonos que formaram a base da população branca do brasil.
Após a independencia 1822-1975 entraram no país mais de 2 milhões de portugueses e continuaram a ser a principal fonte de imigração.
Os portugueses são a principal etnia do brasil, a esmagadora maioria da população branca do brasil é de origem portuguêsa e a quase totalidade da população mista do brasil é tambem lusa.
Se os brasileiros são quase todos de origem portuguesa é logico que os portugueses não podem odiar os brasileiros, quem diz isso está a agir de má fé.
O que acontece é que deste lado do atlantico existe muito receio face à imigração.Portugal tem 11 milhões de imigrantes e muitos dos imigrantes que vêm para portugal do brasil criam uma imagem negativa da comunidade brasileira.
Em geral, os brasileiros brancos e que vêm para cá contribuir positivamente para portugal são muito bem vindos e a sua presença é desejada(são muito mais desejados cá os brasileiros de origem lusa do que os alemães que só vêm para cá apanhar sol no rabinho e gosar a 3ªidade)

e já agora, não ivente numeros sobre a imigração alemã no brasil, genéticamente, os suiços tiveram mais importância na colonização e povoamento do brasil do que a imigração alemã. os alemães ou no seu caso, pseudo-alemães têm tendencia para reescrever a história, sabemos todos que a alemanha tem um passado dificil, mas não venha tentar afastar os 2 povos irmãos com mentiras hipocritas.

bruno.

Anónimo disse...

11 milhões de imigrantes , erro.

11 milhões de habitantes

bruno.

Dan Schneider B. disse...

Não estou tentando criar nenhuma rixa e nem afastar ninguém. Só disse o que é de conhecimento de todos, não inventei nada. Agora é falso que os portugueses são a principal etnia do Brasil. Também é falso dizer que a maioria da população branca do país é de origem portuguesa, já que os brancos estão concentrados em sua maioria no Sul, São Paulo e Espírito Santo, região e estados que estão longe, mas muito longe de ter uma população expressiva de origem portuguesa. A esmagadora maioria desses estados é composta por descendentes de alemães, italianos e eslavos. Isso pode ser comprovado em uma pesquisa rápida no google. Os portugueses se concentraram no nordeste, Rio de Janeiro e Minas, regiões e estados que também possuem a maior população negra do país. Acho que talvez os portugueses componham a maioria dos pardos mas não são a maioria dos brancos do Brasil. A presença indígena, africana e dos outros povos (somados) e asiáticos sempre ultrapassaram a quantidade de lusos. Li que o número de portugueses e seus descendentes não passam de 32 milhões no Brasil atualmente.

Aqui tem uma discussão bem bacana entre portugueses e brasileiros sobre isso:

http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=775832&page=17

"em 1800, estima-se que os negros eram cerca de 47% da população, contra 30% de mulatos e 23% de brancos"

"o mais engraçado é que muitas das cidades que foram fundadas por portugueses, os mesmos são minoria pq traziam muito mais escravos e por isso a maioria da população desses lugares hj é negra (exemplo: Rio, Salvador, Ouro Preto, São Luis) no entanto nas cidades que foram colonizadas por outros povos os portugueses acham que são a a maioria"

"Sinceramente, achei que os portugueses não tivessem complexos com o fato de que o Brasil é um país multicultural, onde a cultura portuguesa está presente, sim, mas ao lado de muitas outras. Mas pelo jeito têm. E começam a inventar dados, a falar do que não sabem, a delirarem, enfim, baseados num país que não conhecem ou que só conhecem muito superficialmente.(...) Blumenau é tão brasileira quanto Salvador e Caxias do Sul é tão brasileira quanto Ouro Preto. Ponto final."

Inácio Cristiano disse...

Caro Dan Schneider B.

«Blumenau é tão brasileira quanto Salvador e Caxias do Sul é tão brasileira quanto Ouro Preto. Ponto final.»

-Sem dúvida, tão brasileiras umas como outras, mas...Salvador ou Ouro Preto por alguma razão são reconhecidas como património da humanidade e herança a perservar, enquanto as outras são simples locais de aglomeração de"Jus Soli" de expatriados politicos que felizmente para eles encontraram no Brasil o "seu" paraíso.

-Quando diz:«esse negócio de dizer que o primeiro brasileiro era um português, isso não é verdade, antes dos portugueses existiam os indígenas»
Ninguem lhe disse, como interpertou
O que lhe disse foi que nasceu há 508 anos o primeiro brasileiro, pois tinha sangue europeu e amerindio, era filho do português Diogo Alvares, natural de Viana do Castelo e de Paraguaçu filha do morubixaba da tribo dos Tupinambá das terras de Vera Cruz.
Antes disto não havia Brasil, nem sequer a Alemanha ou a Itália existia.

LEONEL disse...

Agora os anónimos russos e brasileiros pró russos estão convertidos nesse Scheneider que vem para aqui provocar.Não vai resultar porque a vossa agenda aqui não pega. Os portugueses não detestam ninguém, muito menos os seus netos brasileiros. Na net há de tudo e para todos os gostos. Isso não prova nada. O que prova é o quotidiano no comércio, na restauração, na estética, cheio de brasileiros sem queixas, o carinho pelos desportistas e actores, a quantidade de férias no Brasil. E o Brasil foi uma criação portuguesa, como já se reconheceu este ano com as comemorações de D. João VI.
Dan Schneider,à brasileira:não vem que não tem. Nem há portugueses a perseguir brasileiros nem o inverso. Aqui não fazemos o que Putin quer. Pensamos pelas nossas cabeças.
Caro Milhazes: este FSB que não o larga. Que raio! Terá o seu blog íman?Acho que a CIA devia contra-atacar!

Dan Schneider B. disse...

LEONEL, não fui eu quem começou a provocar ou diminuir os outros povos que formaram o Brasil, aliás, eu nem tinha dito nada sobre a história do meu país. Pra não criar caso este será o meu último comentário e não voltarei mais aqui. Tchau e agradeço novamente ao Milhazes pela resposta educada. Valeu!

LEONEL disse...

Pois, DS, vai pra outra, que aqui não pega. Quem veio para aqui afirmar que os portugueses odiavam os brasileiros foste tu. Se as respostas de outros foram menos delicadas, foram respostas a uma provocação que as merece.Este blog é um blog português de um jornalista e erudito português sobre a Rússia, não é um blog de estrangeiros que vêm para aqui dizer mal dos portugueses, porque são pró Ucrânia ou pró Rússia. O sr. Milhazes que me desminta se assim não for. Ele tem acolhido toda a gente e os brasileiros são sempre bem-vindos, presumo. Mas vir para aqui com outras intenções e manobras obscuras, essa não, até porque o sr. Milhazes nada tem a ver com elas, presumo também.
Passa muito bem e cumprimentos lá em casa.

Carlos T. disse...

"
-Sem dúvida, tão brasileiras umas como outras, mas...Salvador ou Ouro Preto por alguma razão são reconhecidas como património da humanidade e herança a perservar, enquanto as outras são simples locais de aglomeração de"Jus Soli" de expatriados politicos que felizmente para eles encontraram no Brasil o "seu" paraíso."

Esse Inácio Cristiano é um ignorante de marca maior.

Em primeiro lugar, nada menos do que 30% dos municípios brasileiros foram fundados por imigrantes europeus e seus descendentes.

Em segundo lugar, nenhum dos seus fundadores é expatriado político. Os alemães passaram a chegar em 1824, ou seja, bem antes de qualque tensão "política", se é que me faço
entender :D

Em terceiro lugar, essas cidades congregam brasileiros de todas as origens, inclusive portuguesa. E têm, sim, herança a preservar. O casario colonial italiano de Antonio Prado, na serra Gaúcha, é preservado pelo Patrimonio Histórico Nacional, assim como Ouro Preto.

E em quarto lugar, a típica obsessão portuguesa pelo Brasil produz esse tipo de estupidez. Sugiro ao dito cidadão que vá estudar um pouco a história do Brasil antes de sair por aí falando asneiras. Ou deixar para lá o típico complexo de inferioridade luso ante povos da Europa do centro e do Norte e reconhecer a diversidade do Brasil - um país que, aliás, não está minimamente interessado em Portugal.