terça-feira, julho 07, 2009

Obama prometeu a Putin ter em conta preocupações da Rússia


O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu ter em conta em maior medida as preocupações da Rússia face ao sistema de defesa antimíssil e os interesses russos no espaço post-soviético, declarou Iúri Uchakov, vice-chefe da chancelaria do Governo russo.
“Os americanos não fizeram nenhuma promessa clara, mas o processo de análise da situação geral continua, terminará dentro de algumas semanas ou meses. Obama disse que, durante essa análise, terá em conta, em maior medida, as preocupações russas”, precisou Uchakov, que participou nas conversações entre Obama e o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin.
Os Estados Unidos tencionam instalar até 2013 dez mísseis interceptores na Polónia e um radar na República Checa sobre o pretexto da defesa contra a ameaça de um ataque do Irão. Moscovo receia que esse escudo ameace a sua segurança.
Barack Obama terá prometido também ter em conta os interesses russos no espaço post-soviético.
“Falou-se do espaço post-soviético, incluindo a Geórgia e a Ucrânia, da importância desses dois países e de todo o espaço post-soviético para a Rússia”, revelou Uchakov.
Segundo ele, “Todas as considerações de Vladimir Vladimirovitch (Putin) foram ouvidas com especial atenção e o Presidente Obama prometeu ter em conta as particularidades da nossa vizinhança com esses países”.
Iúri Uchakov informou igualmente que Putin “fez uma avaliação da situação nas relações entre os dois países e analisou as causas de alguns obstáculos na cooperação, bem como fez considerações de como desenvolver as relações com vista a mudar qualitativamente o seu carácter”.
“As conversações decorreram numa atmosfera muito aberta, livre e amiga”, acrescentou Uchakov.
“Não foram discutidos os direitos humanos. Não foram abordadas questões internas em geral”, concluiu.

5 comentários:

Anónimo disse...

Bullshit, bullshit. bullshit... ou, em português, conversa da treta.

Francisco disse...

A Rússia foi posta de cócoras; não tem outra saída senão aceitar do mal o menos.
Os equipamentos militares estão obsoletos, as despesas para a sua manutenção são insuportáveis para a economia Russa. Lá vão de vez em quando fazendo uma operação de charme apresentando um ou outro apetrecho novo mas isso não dá para suprir as necessidades ou repor o material que vai sendo retirado.
Os mísseis Bulavá (moca ou maça) que contavam colocar ao serviço são de um projecto com mais de 20 anos e os ensaios têm-se manifestado um verdadeiro fracasso.
O conflito no Cáucaso reacendeu-se, está a tornar-se num sorvedouro de dinheiro e de homens.
A Rússia na cena internacional é um país isolado, não tem aliados. O ultimo com que poderia contar era Lukashenko, mas já lhe virou as costas, os vizinhos lá vão trocando alguns contactos mas sempre com uma mão estendida e a outra segurando o punhal atrás das costas, na medida em que não se fiam nas promessas dos dirigentes Russos.
A Rússia o muito que pode ter são parceiros comerciais.
Atrás destes acordos que foram assinados há mais qualquer coisa que não foi revelado. Só o tempo o dirá.
Portanto o urso está encurralado.

Wandard disse...

"A Rússia foi posta de cócoras; não tem outra saída senão aceitar do mal o menos.
Os equipamentos militares estão obsoletos, as despesas para a sua manutenção são insuportáveis para a economia Russa. Lá vão de vez em quando fazendo uma operação de charme apresentando um ou outro apetrecho novo mas isso não dá para suprir as necessidades ou repor o material que vai sendo retirado.
Os mísseis Bulavá (moca ou maça) que contavam colocar ao serviço são de um projecto com mais de 20 anos e os ensaios têm-se manifestado um verdadeiro fracasso."

Caro Francisco,

Perdoe-me entrar no seu comentário, mas suas colocações fogem à realidade. Primeiro a obsolescência dos equipamentos da forma que o senhor se refere é válida tanto para os russos quanto para os americanos, pois os projetos de ambos países, colocação em operação, comissionamentos etc... dos artefatos militares países possuem tempo similar, os americanos possuem alguns mais recentes e os russos também. A busca pelo acordo de limitação de armas nucleares hoje é mais dos Estados Unidos que apostaram eliminar a Rússia desmontando-a nos anos 90 e o tiro saiu pela culatra, gastaram milhões de dólares em projetos como o "Guerra nas Estrelas", que hoje não servem para nada, seus caríssimos bombardeiros Stealth hoje já não representam um elemento estratégico surpresa, pois sua característica furtiva, já não tem eficiência contra a Rússia, além de serem lentos em manobra e terem capacidade de carga limitada. Não é por acaso que os B1 estão sendo modernizados e vários B-52 sendo recolocados em operação.

Por fim as conversações não terminaram em nenhum acordo conclusivo, a Rússia não arredou o pé em nenhuma de suas posições e os americanos também não. De resto, como sempre são só declarações para a mídia vender seus jornais e rolar muitos dias com comentários de "analistas", repetindo o mesmo assunto de diferentes formas.

Anónimo disse...

GOLPE DE GÊNIO DO OBAMA.

Anónimo disse...

Tal como o Anonimo das 23:21 e o Wandard dizem:

Tudo bullshit.