quarta-feira, agosto 26, 2009

Moscovo não permitirá desforras no Cáucaso

A Rússia não permitirá quaisquer tentativas de desforra e a repetição de aventuras militares no Cáucaso, declarou o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, numa conferência de imprensa com o Presidente da Ossétia do Sul, Eduard Kokoiti.
Putin e Kokoiti realizaram esse encontro no primeiro aniversário do reconhecimento pela Rússia da Abkházia e da Ossétia do Sul, regiões separatistas da Geórgia.
“A Rússia tenciona continuar a prestar apoio político e económico tanto à Ossétia do Sul, como à Abkházia. Gostaria também de declarar uma vez mais, de forma clara e inequívoca: a Rússia não permitirá quaisquer tentativas de desforra, a repetição de novas aventuras militares na região. Iremos acompanhar com atenção e reagir de forma adequada a todos esses acontecimentos”, frisou.
Segundo Putin, o reconhecimento da independência das regiões separatistas foi necessário apenas para “legalizar os esforços com vista à manutenção da paz”.
“A Rússia nunca empurrou, nem pediu a ninguém para reconhecer a independência da Abkházia e Ossétia do Sul”, frisou o primeiro-ministro russo.
A independência dessas duas regiões separatistas da Geórgia foi reconhecida apenas pela Rússia e Nicarágua.
Antes, Dmitri Medvedev, Presidente da Rússia, declarou que a decisão de reconhecimento da independência da Abkházia e Ossétia do Sul “foi absolutamente correcta”, sublinhando que ela é “irreversível”.
Temur Ikobachvili, ministro para a Reintegração da Geórgia, declarou que a Rússia “cometeu um erro” ao reconhecer a independência daqueles territórios, acrescentando que “ela mostrou que é um país imprevisível” e “deteriorou seriamente as relações com os vizinhos”.
Iakobachvili sublinhou que a Geórgia irá continuar a lutar pela sua integridade territorial não por via militar, mas diplomática.
A Rússia reconheceu a independência da Abkházia e da Ossétia do Sul depois de uma guerra, em Agosto de 2008, com a Geórgia a pretexto da protecção da população russa residente na segunda região separatista georgiana.

9 comentários:

Jest nas Wielu disse...

/Segundo Putin, o reconhecimento da independência das regiões separatistas foi necessário apenas para “legalizar os esforços com vista à manutenção da paz”./

Se perceber a frase do Lili(putin) na sua plenitude, podemos considerar, que antes do reconhecimento formal dos separatistas, todos os actor da Rússia naquela região eram ilegais. E essa?

off top:
Uma das maiores bandeiras da Ucrânia:
http://www.youtube.com/watch?v=u1DxbnSdrrY

Anónimo disse...

Jest, não sejas liliputiano mental, já não há pachorra para aturar os teus insultos. Que tal ires chatear a Dona Julia das trancinhas, que é das tuas?

J.BRASIL disse...

Ai dos vizinhos ex-soviéticos próximos da Rússia. O rufião vai ser sempre galo do terreiro. Direto do czarismo expansionista dos séculos XVIII e XIX, passando por Stálin até aos anos 2000 e alguma coisa.

Por lá o espiríto da lei é outro.

Anónimo disse...

Pelo comportamento do Jest, ele só pode ter sido deportado da Rússia :)

Anónimo disse...

A Rússia, como sempre, isolada, desprezada, SEM RECONHECIMENTO DE SEUS ATOS, e o principal, CADA VEZ MAIS IRRELEVANTE...



Até a China comunista se comporta de forma mais digna.

Mas n há com que se preocupar. Em 2050 os russos serão só 100 milhões, e se continuarem assim, nessa mistura de abortos e vodka, em breve a Sibéria vai terminar sendo tomada pela China e Índia. É o justo.


Ítalo

Jest nas Wielu disse...

aos adoradores do medved.ru

As vossas reacções nervosas me divertem sempre lol

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Admiradores de quem?
Vai-te tratar, Jest.

Anónimo disse...

Quem e esse homem barbudo em frente da mapa?