sábado, agosto 29, 2009

O que irá dizer Vladimir Putin na Polónia?



A visita do primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, à Polónia, marcada para 01 de Setembro, está envolta numa forte polémica devido à diferença de posições dos dirigentes dos dois países face aos acontecimentos que antecederam a Segunda Guerra Mundial.
Vladimir Putin estará em Gdansk, no norte da Polónia, para participar nas cerimónias dedicadas ao início da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Aí estarão também presentes dirigentes de Estado e Governo de vários países, incluindo de países vizinhos da Rússia, com quem Moscovo tem fortes divergências no campo da história.
Por altura da celebração do 70º aniversário do pacto Ribbentrop-Molotov, no passado 23 de Agosto, assistiu-se na Rússia a uma reabilitação da política externa de José Estaline, ditador que governou a URSS na altura.
o Serviço de Reconhecimento Externo (SVR, ex-KGB) da Rússia anunciou a publicação de documentos que provam que José Estaline aprovou a conclusão desse pacto como “a única medida de autodefesa nessas circunstâncias”.
“Os Governos britânico e francês, ao assinaram o Acordo de Munique de 1938, apostaram num conluio com Hitler. Em Agosto de 1939, as delegações desse país fizeram gorar as conversações de Moscovo sobre a criação de uma coligação anti-hitleriana”, lê-se num comunicado do SVR a propósito do lançamento da colectânea de documentos “Báltico e Geopolítica”.
O SVR informa que os materiais conseguidos pela espionagem soviética entre 1935 e 1945 revelam as verdadeiras intenções dos principais países europeus.
“Por isso, a única medida acessível de autodefesa para a União Soviética foi a assinatura do Tratado com a Alemanha de Não Agressão de 23 de Agosto de 1939. Esse documento permitiu impedir a conquista dos países do Báltico (Letónia, Lituânia e Estónia) pelos nazis e a sua transformação num trampolin para a invasão do território soviético”, dublinha o SVR.
Além disso, são publicados artigos na imprensa e filmes na televisão que atiram para cima da Polónia a culpa do início da Segunda Guerra Mundial. O Governo de Varsóvia chegou mesmo a pedir esclarecimentos pela exibição de um documentário, exibido no canal estatal Vesti, onde se justifica a assinatura do pacto entre Hitler e Estaline e se acusa a Polónia de ser aliada da Alemanha nazi antes da Segunda Guerra.
Os dirigentes polacos, pelo seu lado, exigem que a Rússia condene inequivocamente o pacto Ribbentrop-Molotov e entregue à Polónia toda a documentação relativa ao “caso de Katin”, lugar onde foram fuzilados milhares de soldados e oficiais polacos. Durante muitos anos, a União Soviética atribuiu esse crime aos nazis alemães, embora ele tenha sido cometido por soviéticos.
Hoje, o Governo de Varsóvia concedeu asilo político ao jornalista russo Evgueni Novogilov, autor de vários artigos sobre a violações dos direitos humanos na Tchetchénia, que, em 2001, esteve internado num hospital psiquiátrico durante sete meses.
Este tipo de acções é mal recebido pelo Kremlin, que nega todas as acusações de censura ou de limitação da liberdade de expressão.
“Não excluo surpresas durante a visita. Ela foi preparada durante muito tempo e Vladimir Putin deve dizer alguma coisa”, considera Fiodor Lukianov, director da revista “Rússia na Política Global”.
Porém, Lukianov espera declarações ponderadas e cuidadosas.
“Ele poderá dizer que o pacto Ribbentrop-Molotov e o início da Segunda Guerra Mundial foram resultado de uma política monstruosa de todos, ninguém tem razão, foi uma tragédia e é preciso tirar conclusões”, acrescenta.

52 comentários:

Anónimo disse...

dependerá das polacas...(risos)
------------
entretanto uma fonte militar anonima admitiu que o navio levava S-300 para o Irão por obra de uma importante mafia e por isso Medvedev se lhes lançou no alcanço

OK Já estamos todos mais descansados ao sabermos que uma importante mafia manda na Rússia.De mal a pior, digo eu.

Anónimo disse...

quero saber que mafia e essa que dizem que controlam a Russia,

pois a Mafia que controla o Ocidente e inclusive os Estados Unidos eu sei o Nome.

Anónimo disse...

Putin é um grande líder

Concerteza fará boas propostas à Polónia

Anónimo disse...

anónimo:
veja site do jornal publico. Quem falou, falou oficiosamente pelo Kremlin, isto é pelo Presidente. A hipotese de que alguem tenha acesso a S-300 para traficância é de arrepiar.Que raio de Estado é a Rússia afinal?

Anónimo disse...

como sempre, vai dizer babelas.
Se fosse um homem honrado, deveria pedir desculpa em nome do estado russo, pelo horrendo massacre de Kaytin.

Anónimo disse...

o link do Jornal "O Público" é este:

LINK: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1398265&idCanal=11

Algo estranho que não se tenha seguido o caminho mais curto, a rota aérea Rússia Irão.
Pode porém, suceder que essa rota, por ter muito mais visibilidade e ser de controle mais fácil, leve a vias alternativas.

Anónimo disse...

O Jornal "O Público" não é sério.

Anónimo disse...

"como sempre, vai dizer babelas.
Se fosse um homem honrado, deveria pedir desculpa em nome do estado russo, pelo horrendo massacre de Kaytin."

...e por-se de joelhos

Anónimo disse...

de joelhos ou de que modo fosse, não importa muito, o que consta é o jesto, isto é, o pedido em sí.

Qual a justificação do massacre de katin, senão a de decapitar a nação polaca da sua elite dirigente (militar, etc.)?
Alguém que tenha argumentos para apresentar, no sentido de justificar que havia motivos para o massacre, faça favor de apresentar os argumentos.

Como é sabido, é apanágio dos criminosos de Guerra, encobrirem os actos dos "colegas". Eles (os colegas) cobrem-se com a mesma manta.

E indubitavelmente, o czar Putine, é um criminosos de guerra (Chechénia, etc.) tal como o seu patrício e antecessor, Stalin, um dos maiores monstros da História.

Ricardo disse...

Um jornal polaco públicou a alguns dias que os EUA desistiram de instalar seu sistema de defesa na Polonia e R. Tcheca, será?

António Campos disse...

José Milhazes,

Continuo extremamente curioso sobre a forma como a publicação aborda as razões do fracasso das negociações triparitdas e o pacto económico nazi-soviético, que levou à exportação maciça soviética de matérias-primas para a Alemanha, fundamental para o esforço de guerra nazi até ao início da operação Barbarossa.

alguma ideia?

António Campos

MSantos disse...

A História não está a ser mais do que uma frente da batalha que está a opôr os líderes destas nações.

Cumpts
Manuels Santos

Jose Milhazes disse...

Leitor António Campos, eu ainda não consegui ver os documentos todos, mas sobre isso não deve ser publicado alguma coisa, embora esse seja um aspecto importante. No dia em que começou a guerra entre Hitler e Estaline, 22 de Junho de 1941, comboios de carga soviéticos atravessaram a fronteira com matérias-primas para a Alemanha.
Outro aspecto que merece atenção é a cooperação soviético-alemã na altura em que, segundo o Tratado de Versalhes, a Alemanha não podia dispor de determinado tipo de armamentos, nomeadamente aviões de guerra. Os pilotos alemães que depois bombardearam a URSS foram treinados em escolas soviéticas.
E para os actuais comunistas defensores de Estaline, eles não deviam esquecer que o ditador soviético entregou muitos antifascistas e comunistas alemães à Gestapo.
Ainda há mesmo muita coisa para estudar se os arquivos forem abertos.

Anónimo disse...

Putin criminoso, Putin de joelhos, Putin sem honra. e eles a darem-lhe, irra! Arranjem melhor!

Wandard disse...

Tão importante quanto discutir o pacto Molotov-Ribbentrop, seria também se colocar na mesa o acordo secreto entre Churchill e Stalin, que envolvia a questão da Polonia (Linha Cruzon) e o interêsse da Inglaterra na Grécia, bem como os demais acordos que foram fechados no Palácio de Livádia entre Roosevelt e Stalin, onde o Presidente americano ofereceu ao ditador soviético teritórios da China e japão. Se por um lado a Polônia enfrentou uma dura situação durante a segunda-guerra tendo como culpados a Rússia e os Estados Unidos, após a guerra seu destino foi selado pelos interêsses dos Estados Unidos e da Inglaterra, o primeiro queria que a União Soviética fizesse o trabalho sujo de eliminar 3/4 das forças nazistas no lado pobre da europa, enquanto a europa ficaria para os Estados Unidos ganharem muito dinheiro no pós-guerra , fincar suas bases e estabelecer o seu domínio, quanto a Inglaterra, Churchill vivia o sonho de ainda manter o combalido império, e os poloneses foram a moeda de troca.

António Campos disse...

Independentemente da relevância de tentar minar a discussão com os habituais relativismos morais (o que está a ser discutido aqui neste post não é Yalta, mas sim as intenções e consequências associadas à cooperação entre a URSS e a Alemanha Nazi), há uma diferença fundamental entre estes dois tópicos: as acções dos aliados foram já alvo de exaustiva investigação histórica e discutidos ad nauseam.

Pelo contrário, documentação fundamental para o total esclarecimento da natureza da cooperação entre a União Soviética e os Nazis continua a ser ocultada do público, por alegadamente conter “segredos de estado”. Isto 70 anos após os acontecimentos, o que continua a impedir análises imparciais e a fomentar a criação de mitos com objectivos políticos, através da publicação selectiva de informação que serve uma determinada finalidade.

Já agora, a linha de demarcação referida é designada por “Curzon”, e não “Cruzon”.

António Campos

Ralf disse...

Acredito na fraternidade dos povos eslavos. Há 1000 anos, russos e polacos falavam praticamente um mesmo idioma!!!Além de geneticamente serem o mesmo povo!!!

Os dois países mais importantes da Europa Oriental poderiam começar uma nova etapa em suas histórias.

Anónimo disse...

se pensar que no século XV esses dois países quase se uniram em uma única federação.

http://en.wikipedia.org/wiki/Polish
-Lithuanian-Muscovite_Commonwealth

Raul disse...

O que eu espero é que exista um debate histórico baseado em arquivos abertos, não seria a hora de Moscou nos revelar o arquivo secreto em relação aos acotnecimentos de Katyn?
Porque, o que se vê hoje na Rússia é uma história baseada em suposições, teorias conspiratórias, "achismos", etc etc...com poucas comprovações físicas e documentais. Gostaria de ver um debate aberto, envolvendo especialistas em vez da cabeça tacanha e ideológicos como hoje está ocorrendo na Rússia. Uma história construída conforme à imagem e semelhança dos dirigentes russos.
Pergunto: por que a Alemanha conseguiu fazer isso e a Rússia até hoje não?

Anónimo disse...

Por que a Rússia não felicitou a Ucrânia (24 de agosto) pelo seu aniversário de independência? Foi o único país do mundo que não fez isso!!!

Anónimo disse...

Talvez por a Ucrânia estar a usar a sua independência para tentar colocar bases americanas junto à fronteira russa

kakaroto disse...

essa que Roosevelt na epoca que era vivo e ter assinado um acordo com os Sovieticos em Governar o Japão e China era verdade tudo isso.

mais no Final da uera Henrry Turman, assumiu, e passou por cima desses acordas e iniciando a Guerra Fria.

kakaroto disse...

sendo que por causa do episodio das 2 Bombas atomicas a corrida amarmentistas dessas 2 superpotencias começavam ali, e sem Falar da Guerras da Coreia e Vietnã que tiveram o Japão como base trampolim das operações nessas 2 grandes guerras

Anónimo disse...

15: 32
deve estar a referir-se ao presidente, que tem andado estupidamente assanhado com a Ucrania. Quem interessa, ou seja, Putin, felicitou a PM ucraniana nesse dia e vai encontrar-se com ela na Polónia. Embora a senhora não me agrade nadinha, o facto é que Putin é profissional e justo.

Jest nas Wielu disse...

Na realidade a Rússia felicitou a Independência da Ucrânia pelo voz do Lili(putin). Não há crise.

Anónimo disse...

Isso de meter várias feras numa mesma jaula... vamos a ver o que eles dizem em Gdansk (na altura Danzig). Oxalá o bom senso predomine.

Pois é, o Putin está a honrar a memória do avô que foi cozinheiro de Estaline. Nada de admirar por aqueles lados! JP

Jest nas Wielu disse...

Sobre a Polónia:

1. O jornal polaco Rzeczpospolitа encomendou à agência de estudos de opinião GfK Polónia um estudo sobre a opinião dos polacos relacionada com a visita do Putin ao país:

76% acreditam que Putin tem que pedir desculpa pala participação na ocupação da Polónia em 1939
18% acham que não deve pedir a desculpa
6% não formaram nenhuma opinião sobre o assunto.

Fonte:
http://tsn.ua/svit/polyaki-vvazhayut-shcho-putin-povinen-priyihati-i-vibachitisya-pered-nimi.html
2. Igreja católica na cidade de Dniprodzerzhynsk, foi construída mais de 11º anos atrás pelos polacos, que vieram trabalhar na fábrica metalúrgica local. No tempo soviético, a igreja servia de sede ao comité militar.
http://community.livejournal.com/ua_travels/1087724.html

Jest nas Wielu disse...

No tempo soviético, a igreja católica servia de sede ao comité militar.
http://community.livejournal.com/
ua_travels/1087724.html

Anónimo disse...

Antigamente na Rússia os filhos bastardos tinham o nome de família do pai, mas sem a primeira sílaba. Experimentem agora com Rasputin! :-D ...e logo veem o que dá!

Anónimo disse...

Quem tem de pedir desculpa pela invasão da Polónia é a URSS ou, na sua falta, os georgianos, terra-natal de Estaline.

Anónimo disse...

Jest
Lili só Marlene.
Desista, já chega, ninguém lhe liga.

Anónimo disse...

20:28
olhe que Rasputin tem mais pinta de ser o outro...

Anónimo disse...

Anónimo das 20:34

Não diga parvoíces. A Rússia actual é admiradora de Estaline, por isso, está tudo dito.

Jest nas Wielu disse...

2 Anónimo 20:46

O facto de você se esconder no anonimato significa que ligas sim, senhora! LOL

Mais uma versão da canção finlandesa “Njet, Molotoff”
http://www.youtube.com/watch?v=wAxLAzHTuj8

Foto incrível da destruição na barragem Sayano – Shushenskaya
http://drugoi.livejournal.com/3031739.html

Anónimo disse...

Anónimo das 20:50

A Geórgia também é admiradora de Estaline, por isso está tudo dito.

Anónimo disse...

espero que aproveite, ao menos, a bela cidade de Gdansk

Jacob disse...

A mídia ocidental ainda não tem interesse em restabelecer os fatos da Revolução Russa e seus desdobramentos conforme eles realmente aconteceram. Procura-se satanizar Stálin e inculpá-lo sempre, é a mentira produzida pela guerra ideológica.

Com relação ao pacto Ribbentrop-Molotov, Stálin agiu corretamente. Quem humilhou a Alemanha no Tratado de Versalhes foram as potencias ocidentais, as mesmas que combateram a Revolução Russa desde o seu início, assim, Stálin procurava apenas manter-se neutro na disputa, uma posição correta para a defesa do estado soviético.

Anónimo disse...

concordo com vc Jacob, Stalin foi um homem injustiçado...se a URSS estive de pé ainda hoje viveriamos num mundo melhor. A melhor experiência de uma sociedade justa e igualitária foi a velha e boa União Sovietica

Anónimo disse...

"A melhor experiência de uma sociedade justa e igualitária foi a velha e boa União Sovietica"


Concordo!

1.30 milhões de seres humanos fuzilados, massacrados, executados, enterrados vivos e esmagados!!!!!

2. Milhões internados em campos de concentração ou em instituições psiquiátricas por serem contra a DITADURA BRUTAL COMUNISTA.

3. Eleições? Partidos? Nenhuns!!!!

4. Liberdade de sair do país? só com muita sorte ou dentro de um caixão.

5. Países anexados à força e grupos étnicos literalmente e propositalmente riscados do mapa!!!!


ESSA É A URSS E O COMUNISMO.


A imbecilidade humana n tem limites...


Ítalo

Anónimo disse...

Stalin é e sempre será um genocida, uma besta fera que só não foi pior que Mao Tse - Tung, mas que conseguiu superar seu amiguinho e discípulo: Hiter.


Medalha de prata pra Stálin...

Anónimo disse...

Corrigindo: Hitler

Anónimo disse...

Acho que aqui muita gente tem saudades da bandalheira do palhaço Ieltsine em que qualquer um podia ir a um arquivo histórico russo dar meia dúzia de dólares ao empregado e tinha acesso a tudo podendo até vir com histórias fabricadas à sua maneira.

Os senhores historiadores hão-de exprimentar ir aos arquivos históricos americanos nas matérias sensíveis da história deste país e vão ver o que vos acontece.

Até são "entrevistados" por uns senhores altos de gravatinha com tom inquisidor e o vosso processo passa a constar de determinados arquivos.

Mas é a Rússia que é tão má!

Anónimo disse...

Putin deu uma entrevista a um media polaco. Lá se diz o que há a dizer. Vejam RT, RIA, VESTI, TAAR, etc.

Anónimo disse...

Aqui está:
http://premier.gov.ru/eng/events/3514.html

Pippo disse...

Quanto aos arquivos históricos norte-americanos não sei, mas sei que, por exemplo, os arquivos históricos turcos, mesmo os relativos à História otomana, estão basicamente vedados a todos os não-turcos.
E parece que disso ninguém de queixa...

Wandard disse...

"Independentemente da relevância de tentar minar a discussão com os habituais relativismos morais (o que está a ser discutido aqui neste post não é Yalta, mas sim as intenções e consequências associadas à cooperação entre a URSS e a Alemanha Nazi), há uma diferença fundamental entre estes dois tópicos: as acções dos aliados foram já alvo de exaustiva investigação histórica e discutidos ad nauseam."

Não se tenta minar a discussão em relação ao tópico e sim mostrar que existem outros fatores e acordos que custaram não só vidas como a independência, que apesar da sua colocação de extremamente analisados ad nauseam, na verdade não o foram por liberalidade dos Estados Unidos ou da Inglaterra, o que se sabe e ainda muito pouco ocorreu pela investigação exaustiva de pesquisadores e não pela colcaboração dos governos ocidentais.

Agradeço a correção referente à Linha Curzon, mas saliento que não foi por não conhecer a palavra corretamente e sim erro de digitação, em virtude de escrever quase que constantemente de um smartphone.

Assim como os documentos referentes ao Pacto, continuam a serem ocultados do público, pasados 70 anos, os acordos das potências aliadas com um certo número de oficiais nazistas, que nunca foram presos e muito menos julgados, alguns ainda vivos continua a ser um segredo de estado.

Wandard disse...

Peço desculpas pelos erros de digitação.

Abraço a todos

Jest nas Wielu disse...

Sobre os arquivos russos:

De facto, tenho saudades do tempo, quando os arquivos russos eram abertos aos historiadores e não se faziam escolhas do tipo: “historiador bom” vs “historiador anti - russo”. Pois o que importa, que os factos sejam certos, a interpretação é o direito de cada um.

Agora, não sei se é boa ideia comparar a Turquia com a Rússia, pois a última diz que também é favorável aos valores da Europa…

p.s.
já agora, artigo sobre as tenções inter – étnicas nas FA russas:
http://versia.ru/articles/2009/aug/31/kriminal_v_armii

Jest nas Wielu disse...

artigo sobre as tenções inter – étnicas nas FA russas:
http://versia.ru/articles/2009/aug/
31/kriminal_v_armii

Pippo disse...

"Agora, não sei se é boa ideia comparar a Turquia com a Rússia, pois a última diz que também é favorável aos valores da Europa…"

Palavras, palavras... leva-as o vento!
Quem conhece a Turquia sabe que de europeia ela não tem nada. Os senhores vestem-se de fato e gravata e fazem legislação para Bruxelas ver, mas a realidade é que é um país com uma cultura e valores sociais totalmente diferentes dos nossos.
Os senhores que mandam na EU-ropa bem que nos tentam enganar. Conseguem-no com os néscios, mas não se safam com quem conhece a realidade.

Oh Well, Okay. disse...

António Campos:

"há uma diferença fundamental entre estes dois tópicos: as acções dos aliados foram já alvo de exaustiva investigação histórica e discutidos ad nauseam."

Ou talvez não. Talvez os Aliados tenham sido investigados, dentro daquilo que convém ser investigado/discutido.
Raramente vejo alguém falar dos investimentos americanos na Alemanha Nazi, que usavam nas fábricas trabalho escravo dos campos de concentração, com real conhecimento das empresas-mãe americanas. Mas isto são conspirações e nunca aconteceram, claro... :)

Raul:

"Pergunto: por que a Alemanha conseguiu fazer isso e a Rússia até hoje não?"

Isto é um mito, mas pronto. É fácil responder. Porque a Alemanha foi ajudada pelo Ocidente e a Rússia é vista como se fosse ainda a URSS, a grande inimiga do sistema capitalista. Tudo o que se descobrir será interpretado erradamente e não será imparcial, vai fazer com que a imagem da Rússia seja ainda mais negativa, do que seria naturalmente.
A Alemanha foi "desculpada" e aceite, porque o bicho papão nazi foi "destruindo", o Ocidente venceu porque ocupou e desnazificou, julgou e condenou os grandes culpados pelas políticas (ainda que depois tenha metido nos cargos mais importantes, tanto a nível governamental, como industrial, bancário, comercial, etc., os nazis fieis à ideologia). Foi tudo muito bonito, quase como se a Alemanha tivesse sido possuída por um demónio e depois a sua alma purificada. Como a URSS caiu sem ocupação, sem "guerra" e sem o Ocidente ser encarado como o grande salvador, as coisas são mais complexas.

Oh Well, Okay. disse...

PS: agora não tenho a certeza absoluta se seriam empresas americanas ou inglesas, sendo que o governo inglês tinha total conhecimento do plano anti-semita. Bem, mas a ideia geral acaba por ser a mesma.