terça-feira, junho 08, 2010

Matemático russo recusa-se a receber prémio de um milhão de dólares


O Instituto de Matemática Clay, baseado nos Estados Unidos, tencionava hoje entregar, em Paris, uma estatueta e um cheque de um milhão de dólares a Grigori Perelman por ter demonstrado a hipótese de Poincaré, um dos mais difíceis problemas da Matemática, mas o matemático russo não compareceu à cerimónia.

“Não posso explicar a escolha dele, mas respeitámo-la. Ele (Perelman) não quer que se ingiram na sua vida privada”, declarou James Carlson, director do instituto.

Carlson ainda espera que o matemático russo de origem judaica altere a sua decisão, mas, caso contrário, o dinheiro será entregue a instituições de caridade.

Grigori Pelerman, que nasceu em 1966, tornou-se conhecido por ter resolver um dos sete desafios do milénio na Matemática. O desafio criado pelo matemático francês Jules Henri Poincaré (1854-1912) estimou que, de forma simplificada, qualquer espaço tridimensional sem furos seria equivalente a uma esfera esticada..

Poincaré e os matemáticos que vieram depois dele acreditavam que a proposta estaria correta, mas não conseguiram uma prova algébrica sólida para elevar a hipótese à categoria de teorema.

A complexidade do assunto levou o Instituto de Matemática de Clay a incluir o problema entre os “sete desafios do milênio”. Para cada desafio que fosse solucionado, o instituto prometeu pagar um prêmio de um milhão de dólares.

Em 22 de Agosto de 2006, no Congresso Internacional de Matemáticos, realizado em Madrid, Perelman foi contemplado com a Medalha Fields, o equivalente a Prémio Nobel, tendo-a no entanto recusado.

O matemático, que vive em condições muito humildes em São Petersburgo, é conhecido por se recusar categoricamente a falar com a imprensa e a partitcipar em sessões públicas.

8 comentários:

Vladimiro disse...

É bom saber que ainda existe alguém assim!

Anónimo disse...

De novo?


Esse cara já tinha recusado uns dois prêmios anteriormente (se não me engano);

Anónimo disse...

Esse gênio teria um lugar garantido em quaquer grande Universidade americana ou europeia, com salário milionário e tratamento condigno aos seus dons.


Mas não... fica passando necessidades num país que não é conhecido por tratar bem os judeus.

Vai ver que é masoquista.


E não me venham com a conversa mole de "patriotismo". A Rússia não considera que minorias étnicas estejam em pé de igualdade aos eslavos; quanto aos judeus, o tratamento é ainda mais brutal.



esse tem um parafuso a menos. eu já teria saído corrido daí faz tempo.

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, trata-se apenas de uma forma de vida, livremente optada.

Sergei Korolev disse...

Meu heroi,merece minha admiração, serve pras pessoas lembrarem quem nem todo judeu (a maioria,na verdade)é ruim(os sionistas fazem parecer que sim...)
Parabéns amigo, deus o abençoe

Anónimo disse...

Respeite-se o valor inquestionável deste indivíduo,com estas tomadas de atitude.
Na sociedade de hoje estes princípios, na sua maioria, estão completamente invertidos.
Vida só há uma, e a História reza destes "pequenos" pormenores.
Louvável.

Jest nas Wielu disse...

sobre a Rússia actual:

Padre Pyotr (Mesherinov):

“Vivemos em um Estado, completamente encharcado pela mentira e pelo o não amor às pessoas”:
http://tapirr.livejournal.com/2430987.html

Os bandidos / insurgentes / robins dos bosques (riscar o que está a mais) que atacam o Estado russo na região de Amur / Primorye são procurados com auxílio de blindados e helicópteros (a população local auxilia os bons rapazes):
http://dv.kp.ru/online/news/682384
http://community.livejournal.com/
ru_politics/30822596.html

Anónimo disse...

A MINHA CONJECTURA É MAIS SÉRIA E MAIS DIFICIL DE RESOLVER QUE ESSA, COMO UM ILETRADO GOVERNA UM PAIS TÃO BELO (Brasil)E TEM 80% DE APROVAÇÃO E PODE CONSEGUIR ELEGER UMA TERRORISTA QUE JA ESTA COM 37% DE INTENÇÕES DE VOTO.




ACHO QUE VOU PERGUNTAR PARA O GRIGORY...