sexta-feira, julho 02, 2010

Resultados da TAP na Rússia cima das expectativas

 Os resultados da Transportadora Aérea Portuguesa na linha Moscovo-Lisboa ficaram acima das expetativas no primeiro ano de operações, o que levou a aumentar o número de voos de seis para sete por semana.
A TAP deu início a voos regulares entre as capitais portuguesa e russa a 10 de Junho de 2009.
Segundo dados revelados pela representação da TAP na capital russa, a companhia aérea transportou, no ano passado, 15 291 passageiros, sendo a ocupação média no Verão de 68 por cento e, no Inverno, 47 por cento.
Não obstante a crise mundial e financeira, a operadora aérea nacional diz que esses números ficaram “acima dos planos iniciais” e as perspetivas são boas.
Nos primeiros três meses de 2010, o número de russos que visitaram ou passaram por Portugal aumentou em 24 por cento se comparado com igual período do ano anterior, o que levou a TAP a abrir um sétimo voo por semana entre 14 de Julho e 15 de Setembro.
A Lusa sabe que 75 por cento dos lugares nesse voo já estão vendidos.
Operadores turísticos contatados pela Lusa consideram que a TAP tem boas perspetivas no mercado russo não só por não ter concorrentes na linha que liga Moscovo a Lisboa, mas por possuir “um bom e moderno parque de aviões”.
Além disso, num momento em que o Brasil e a Rússia aboliram entre si o sistema de vistos e não existir uma ligação direta entre os dois país, a TAP aparece como um meio cómodo de ligação entre Moscovo e várias cidades brasileiras.
No entanto, os operadores turísticos russos chamam a atenção para a morosidade na passagem da fronteira no Aeroporto de Lisboa.
“Não se pode fazer com que os turistas estejam uma hora e mais à espera numa fila só porque o número de funcionários do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras é insuficente. Trata-se do primeiro contato com o país...”, disse à Lusa um operador turístico que decidiu ficar no anonimato.
Esta morosidade está a causar sérios prejuízos à TAP não só nas ligações com o Brasil, mas também com a Madeira, destino turístico muito apreciado pelos russos.
“Os nossos turistas chegam a Lisboa ao princípio da noite e, devido às longas filas de espera na fronteira, perdem as ligações para a Madeira e outros destinos. Claro que a TAP os aloja em hotéis de Lisboa uma noite e, no dia seguinte, eles partem, mas já com o plano de férias estragado”, acrescentou o operador.
“Além do mais, isso provoca também sérios prejuízos à transportadora portuguesa”, sublinhou.
Em geral, os turistas russos elogiam o serviço de bordo da TAP, mas chamam a atenção para o fato das instruções de segurança e outros anúncios não serem feitos também em russo.
“Não compreendo. Será que a TAP não pode fazer uma gravação em russo e passá-la depois das instruções em português e inglês? É estranho que num país onde os russos são recebidos de forma cordial, a transportadora aérea não faça um gesto tão pequeno de simpatia, tanto mais que o serviço de bordo em si é bom”, disse à Lusa Vladimir, turista russo que frequentemente passa férias em Portugal.

12 comentários:

Jorge Almeida disse...

Porque é que a TAP iria fazer essa tradução?

Os russos que viajam não sabem inglês?

Ambas as línguas em que foram dadas as instruções de segurança são 2 línguas mais faladas no mundo que o russo ...

Ainda há pouco tempo, fui de avião do Sá Carneiro para Barajas através da Ibéria, num avião composto na sua maioria por portugueses. Julgam que houve direito a instruções de segurança em Português? Quem entendia o Castelhano, traduziu para os outros.

Em Barajas, embarquei para Fiumicino (Roma), e, aí, os falantes de italiano (língua com muito menos falantes no mundo que a língua portuguesa) tiveram direito a instruções de segurança na sua língua.

Será que a Aeroflot (e as outras companhias de aviação russas), quando partem de aeroportos de países não anglófonos, têm instruções de segurança tirando o russo e, eventualmente, o inglês?

Quanto às formalidades de entrada dos russos cá em Portugal, elas seriam bem diferentes caso não houvesse imigração ilegal de russos para Portugal, caso as máfias russas não se tentassem estabelecer cá, etc ... Será que as autoridades russas conseguem, em boa verdade, garantir isso? Para além disso, será que a entrada de nacionais portugueses em território russo será burocraticamente fácil?

Quanto aos russos que passam pela Portela para outros destinos fora de Portugal, isso sim, dou razão às queixas russas, pois não percebo porque é que os controlam, bastaria impedi-los de sair do terminal internacional até à partida para o seu destino.

Se a Rússia é assim tão grande como os Russos querem fazer parecer, porque é que os Russos não são os 1ºs a dar o exemplo?

Jose Milhazes disse...

Caro Jorge Almeida, se queremos turistas, temos de ser hospitaleiros e simpáticos.
Os imigrantes ilegais russos em Portugal são muito poucos, devem você estar a fazer confusão com ucranianos e outros povos que falam russo. Quanto às máfias, elas já andam por aqui há muito, não obstante o dito rigor do controlo.
Eu considero que as autoridades russas deviam seguir o exemplo das ucranianas e eliminar os vistos para os cidadãos da UE, mas isso é uma decisão soberana delas. Parece não pretenderem fazer figura de fracas.

Cristina disse...

De facto, acho que a TAP poderia dar as informações também em russo, para além do inglês. Não nos esqueçamos que, ao contrário dos portugueses que vivem num país de turismo, muitos russos não falam inglês.
Nas escolas o inglês é ensinado mas os resultados em geral não são famosos: muitos amigos russos disseram que não conseguiram aprender línguas na escola, o sistema de ensino é um bocado antiquado. Naturalmente que as pessoas com formação superior, empresários, artistas, bancários, etc. falam bem inglês. Só que os turistas são muito variados. Por isso, o nosso sector do turismo deveria ter esse aspecto em atenção e formar especialistas (guias-intérpretes, tradutores) em língua russa, apostando no possível aumento dos turistas provenientes desta região.

ALONE HUNTER disse...

A TAP tem um centro de Manutenção e Engenharia aqui no Brasil, e atualmente é a maior empresa de manutenção, Reparo e Modernização de aviões civís do Brasil!

A TAP adquiriu todo o centro de MANUTENÇÃO E REPARO da VARIG e agora possui um dos mais bem equipados centros de manutenção do mundo, e atende aeronaves AIRBUS, BOEING e EMBRAER.

A Força-Aérea Brasileira entrega á TAP suas aeronaves C-130, R-99,os aviões da linha EMB-170 e 190 e os C-99.

Jorge Almeida disse...

Caro Doutor Milhazes,

o comentário que deixei a esta mensagem serviu, meramente, para, baseado na minha própria experiência, expor as minhas dúvidas face aos comentários que vinham na mensagem.

Espero que não a tenha entendido como algo mais do que isso.

Um cidadão, de qualquer nacionalidade, que viaja para o estrangeiro, sabe que, ou sabe um mínimo de inglês (ou da língua oficial do país de destino), ou está lixado no país de destino, pois não se consegue fazer entender. Mesmo que vá em grupo, e se não souber inglês, está sujeito a ser "levado".

Esta situação dos aviões, e das línguas faladas nesses aviões pelas tripulações, fez-me lembrar outro exemplo, numa viagem de turismo que fiz, integrado numa excursão, à Tunísia, num avião só com portugueses. Levantei vôo do Sá Carneiro, e, qual não foi o meu espanto, que, na tripulação, só falavam árabe. Nem francês, nem inglês, árabe! E partiam do Sá Carneiro! Claro que só lá nos entendemos com recurso à linguagem gestual.

Nestas coisas, e dado que as restantes transportadoras aéreas não respeitam os seus clientes portugueses quando embarcam de aeroportos nacionais (sabem que a maioria dos transportados são portugueses, e não lhes comunicam nada na sua língua?!), acho que a TAP tem de funcionar com o princípio da reciprocidade.

Esse Vladimir está é mal habituado. Queria vê-lo a ter de entender-se com árabes no avião!

Alone, tudo isso resulta do presidente da TAP ser o Eng. Fernando Pinto, brasileiro que, antes da TAP, que tinha feito um bom exercício na sua passagem como presidente da VARIG. Já está como presidente da TAP há quase 10 anos. Para além, claro está, dos entendimentos entre o Palácio do Planalto e o Terreiro do Paço, que envolvem, também, a relação EMBRAER / OGMA.

Nuno B. disse...

Caro Dr Milhazes,

O tempo veio dar razão aqueles que defendiam que a TAP já há muito que deveria ter posto esta linha em funcionamento.

E isto prova também que a privatização a 100% não é o modo mais inteligente de gerir as transportadoras aéreas. Se o único critério de decisão tivesse sido o custo-beneficio, provavelmente que estas linhas regulares para Moscovo nunca teriam sido criadas (por causa do risco de negocio, essencialmente).

Quem ficou a ganhar foi o turismo em Portugal. Qual seria o privado que iria incluir isso na analise de investimentos?

No entanto, falta fazer algo mais...

Do lado russo, gostaríamos de ver um gesto para com os camaradas portugueses. Tornem mais fácil a entrada no V. país e eu serei um dos primeiros a visitar mais vezes S. Petersburgo!

Cumprimentos.

JTS disse...

Caro Jorge Almeida,
com o devido respeito, parece-me que os argumentos contra aquilo que diz se encontram nos seus proprios textos. Apresenta varios casos de companhias que nao funcionam bem (ao nivel da comunicacao com os passageiros) para depois defender que tambem a TAP deve funcionar assim....
A TAP nao tem obrigacao de passar os avisos em russos, mas se o fizer sera uma vantagem! Sera um sinal de cortesia. Isso e' importante sobretudo no caso dos russos, que adoram que se fale a lingua deles. (que alias nao fazia mal nenhum se mais gente em portugal falasse. E' uma lingua riquissima!)
Nao adianta entrar em guerras inuteis com os russos sobre se eles devem aprender ingles, ou se o sistema de vistos deve ser mais simples. O que me parece que a TAP deve fazer e' adaptar-se as circunstancias. Neste caso concreto, nem custa nada fazer uma gravacao em russo! E' so passa-la em cada voo. Depois de gravada nao tem nenhum custo adicional.
Posso dar-lhe o exemplo de companhias como a KLM que para contornar a questao das pessoas terem receio de nao receber vistos a tempo e por isso nao comprarem bilhetes, cancelarem viagens planeadas, agora faz a devolucao do montante dos bilhetes se o passageiro nao conseguir obter visto a tempo. E' uma solucao inteligente para contornar dentro do possivel a burocracia.

Alem do mais nao se esqueca que as informacoes dadas nas comunicacoes com os passageiros sao importantes ao nivel da seguranca durante o voo. Nao se trata de um braco de ferro de idiomas concorrentes. Trata-se de seguranca a bordo. Se nao acredita, posso por exemplo contar-lhe que na esmagadora maioria dos muitos voos que fiz dentro da russia em companhias russas nos ultimos 6 anos, houve sempre algum passageiro a fumar no WC. (Nisso os russos sao parecidos com os portugueses, nao sao muito dados a cumprir regras.) Acho que seria importante a TAP informar EM RUSSO, que nao so e' proibido fumar durante a viagem, como existem detectores de fumo e que os infractores sao punidos de acordo com a lei portuguesa.
Quanto as demoras no controlo de fronteira, uma vez mais o mesmo caso. Nos nao temos de seguir maus exemplos. Se eles funcionam mal, problema deles. (E eu sei bem do que falo que o controlo em S.Petersburgo e pela fronteira com a Finlandia e' um desespero).

E' caso para perguntar se nao sai mais barato pagar mais uns quantos funcionarios para estarem no controlo de fronteira, do que estar sistematicamente a pagar noites de hotel ao turistas que perdem os seus voos???

Mas segundo percebi, o problema entre Moscovo e Funchal e' outro. E' que parece ser recorrente o voo que faz a ligacao entre Moscovo e Lisboa chegar ja atrasado a Moscovo, atrasando todo o processo e tornando quase inevitavel a perda do voo de ligacao para o Funchal.
Penso que a TAP deveria analisar porque e' que esse voo chega tarde a Moscovo.

JTS disse...

Caro Jorge Almeida,
com o devido respeito, parece-me que os argumentos contra aquilo que diz se encontram nos seus proprios textos. Apresenta varios casos de companhias que nao funcionam bem (ao nivel da comunicacao com os passageiros) para depois defender que tambem a TAP deve funcionar assim....
A TAP nao tem obrigacao de passar os avisos em russos, mas se o fizer sera uma vantagem! Sera um sinal de cortesia. Isso e' importante sobretudo no caso dos russos, que adoram que se fale a lingua deles. (que alias nao fazia mal nenhum se mais gente em portugal falasse. E' uma lingua riquissima!)
Nao adianta entrar em guerras inuteis com os russos sobre se eles devem aprender ingles, ou se o sistema de vistos deve ser mais simples. O que me parece que a TAP deve fazer e' adaptar-se as circunstancias. Neste caso concreto, nem custa nada fazer uma gravacao em russo! E' so passa-la em cada voo. Depois de gravada nao tem nenhum custo adicional.
Posso dar-lhe o exemplo de companhias como a KLM que para contornar a questao das pessoas terem receio de nao receber vistos a tempo e por isso nao comprarem bilhetes, cancelarem viagens planeadas, agora faz a devolucao do montante dos bilhetes se o passageiro nao conseguir obter visto a tempo. E' uma solucao inteligente para contornar dentro do possivel a burocracia.

Alem do mais nao se esqueca que as informacoes dadas nas comunicacoes com os passageiros sao importantes ao nivel da seguranca durante o voo. Nao se trata de um braco de ferro de idiomas concorrentes. Trata-se de seguranca a bordo. Se nao acredita, posso por exemplo contar-lhe que na esmagadora maioria dos muitos voos que fiz dentro da russia em companhias russas nos ultimos 6 anos, houve sempre algum passageiro a fumar no WC. (Nisso os russos sao parecidos com os portugueses, nao sao muito dados a cumprir regras.) Acho que seria importante a TAP informar EM RUSSO, que nao so e' proibido fumar durante a viagem, como existem detectores de fumo e que os infractores sao punidos de acordo com a lei portuguesa.
Quanto as demoras no controlo de fronteira, uma vez mais o mesmo caso. Nos nao temos de seguir maus exemplos. Se eles funcionam mal, problema deles. (E eu sei bem do que falo que o controlo em S.Petersburgo e pela fronteira com a Finlandia e' um desespero).

E' caso para perguntar se nao sai mais barato pagar mais uns quantos funcionarios para estarem no controlo de fronteira, do que estar sistematicamente a pagar noites de hotel ao turistas que perdem os seus voos???

Mas segundo percebi, o problema entre Moscovo e Funchal e' outro. E' que parece ser recorrente o voo que faz a ligacao entre Moscovo e Lisboa chegar ja atrasado a Moscovo, atrasando todo o processo e tornando quase inevitavel a perda do voo de ligacao para o Funchal.
Penso que a TAP deveria analisar porque e' que esse voo chega tarde a Moscovo.

JTS disse...

Caro Jorge Almeida,
com o devido respeito, parece-me que os argumentos contra aquilo que diz se encontram nos seus proprios textos. Apresenta varios casos de companhias que nao funcionam bem (ao nivel da comunicacao com os passageiros) para depois defender que tambem a TAP deve funcionar assim....
A TAP nao tem obrigacao de passar os avisos em russos, mas se o fizer sera uma vantagem! Sera um sinal de cortesia. Isso e' importante sobretudo no caso dos russos, que adoram que se fale a lingua deles. (que alias nao fazia mal nenhum se mais gente em portugal falasse. E' uma lingua riquissima!)
Nao adianta entrar em guerras inuteis com os russos sobre se eles devem aprender ingles, ou se o sistema de vistos deve ser mais simples. O que me parece que a TAP deve fazer e' adaptar-se as circunstancias. Neste caso concreto, nem custa nada fazer uma gravacao em russo! E' so passa-la em cada voo. Depois de gravada nao tem nenhum custo adicional.
Posso dar-lhe o exemplo de companhias como a KLM que para contornar a questao das pessoas terem receio de nao receber vistos a tempo e por isso nao comprarem bilhetes, cancelarem viagens planeadas, agora faz a devolucao do montante dos bilhetes se o passageiro nao conseguir obter visto a tempo. E' uma solucao inteligente para contornar dentro do possivel a burocracia.

Alem do mais nao se esqueca que as informacoes dadas nas comunicacoes com os passageiros sao importantes ao nivel da seguranca durante o voo. Nao se trata de um braco de ferro de idiomas concorrentes. Trata-se de seguranca a bordo. Se nao acredita, posso por exemplo contar-lhe que na esmagadora maioria dos muitos voos que fiz dentro da russia em companhias russas nos ultimos 6 anos, houve sempre algum passageiro a fumar no WC. (Nisso os russos sao parecidos com os portugueses, nao sao muito dados a cumprir regras.) Acho que seria importante a TAP informar EM RUSSO, que nao so e' proibido fumar durante a viagem, como existem detectores de fumo e que os infractores sao punidos de acordo com a lei portuguesa.
Quanto as demoras no controlo de fronteira, uma vez mais o mesmo caso. Nos nao temos de seguir maus exemplos. Se eles funcionam mal, problema deles. (E eu sei bem do que falo que o controlo em S.Petersburgo e pela fronteira com a Finlandia e' um desespero).

E' caso para perguntar se nao sai mais barato pagar mais uns quantos funcionarios para estarem no controlo de fronteira, do que estar sistematicamente a pagar noites de hotel ao turistas que perdem os seus voos???

Mas segundo percebi, o problema entre Moscovo e Funchal e' outro. E' que parece ser recorrente o voo que faz a ligacao entre Moscovo e Lisboa chegar ja atrasado a Moscovo, atrasando todo o processo e tornando quase inevitavel a perda do voo de ligacao para o Funchal.
Penso que a TAP deveria analisar porque e' que esse voo chega tarde a Moscovo.

Anónimo disse...

Caro Jorge Almeida,
com o devido respeito, parece-me que os argumentos contra aquilo que diz se encontram nos seus proprios textos. Apresenta varios casos de companhias que nao funcionam bem (ao nivel da comunicacao com os passageiros) para depois defender que tambem a TAP deve funcionar assim....
A TAP nao tem obrigacao de passar os avisos em russos, mas se o fizer sera uma vantagem! Sera um sinal de cortesia. Isso e' importante sobretudo no caso dos russos, que adoram que se fale a lingua deles. (que alias nao fazia mal nenhum se mais gente em portugal falasse. E' uma lingua riquissima!)
Nao adianta entrar em guerras inuteis com os russos sobre se eles devem aprender ingles, ou se o sistema de vistos deve ser mais simples. O que me parece que a TAP deve fazer e' adaptar-se as circunstancias. Neste caso concreto, nem custa nada fazer uma gravacao em russo! E' so passa-la em cada voo. Depois de gravada nao tem nenhum custo adicional.
Posso dar-lhe o exemplo de companhias como a KLM que para contornar a questao das pessoas terem receio de nao receber vistos a tempo e por isso nao comprarem bilhetes, cancelarem viagens planeadas, agora faz a devolucao do montante dos bilhetes se o passageiro nao conseguir obter visto a tempo. E' uma solucao inteligente para contornar dentro do possivel a burocracia.

Alem do mais nao se esqueca que as informacoes dadas nas comunicacoes com os passageiros sao importantes ao nivel da seguranca durante o voo. Nao se trata de um braco de ferro de idiomas concorrentes. Trata-se de seguranca a bordo. Se nao acredita, posso por exemplo contar-lhe que na esmagadora maioria dos muitos voos que fiz dentro da russia em companhias russas nos ultimos 6 anos, houve sempre algum passageiro a fumar no WC. (Nisso os russos sao parecidos com os portugueses, nao sao muito dados a cumprir regras.) Acho que seria importante a TAP informar EM RUSSO, que nao so e' proibido fumar durante a viagem, como existem detectores de fumo e que os infractores sao punidos de acordo com a lei portuguesa.
Quanto as demoras no controlo de fronteira, uma vez mais o mesmo caso. Nos nao temos de seguir maus exemplos. Se eles funcionam mal, problema deles. (E eu sei bem do que falo que o controlo em S.Petersburgo e pela fronteira com a Finlandia e' um desespero).

E' caso para perguntar se nao sai mais barato pagar mais uns quantos funcionarios para estarem no controlo de fronteira, do que estar sistematicamente a pagar noites de hotel ao turistas que perdem os seus voos???

Mas segundo percebi, o problema entre Moscovo e Funchal e' outro. E' que parece ser recorrente o voo que faz a ligacao entre Moscovo e Lisboa chegar ja atrasado a Moscovo, atrasando todo o processo e tornando quase inevitavel a perda do voo de ligacao para o Funchal.
Penso que a TAP deveria analisar porque e' que esse voo chega tarde a Moscovo.
Joao Santos

Anónimo disse...

Caro Jorge Almeida,
com o devido respeito, parece-me que os argumentos contra aquilo que diz se encontram nos seus proprios textos. Apresenta varios casos de companhias que nao funcionam bem (ao nivel da comunicacao com os passageiros) para depois defender que tambem a TAP deve funcionar assim....
A TAP nao tem obrigacao de passar os avisos em russos, mas se o fizer sera uma vantagem! Sera um sinal de cortesia. Isso e' importante sobretudo no caso dos russos, que adoram que se fale a lingua deles. (que alias nao fazia mal nenhum se mais gente em portugal falasse. E' uma lingua riquissima!)
Nao adianta entrar em guerras inuteis com os russos sobre se eles devem aprender ingles, ou se o sistema de vistos deve ser mais simples. O que me parece que a TAP deve fazer e' adaptar-se as circunstancias. Neste caso concreto, nem custa nada fazer uma gravacao em russo! E' so passa-la em cada voo. Depois de gravada nao tem nenhum custo adicional.
Posso dar-lhe o exemplo de companhias como a KLM que para contornar a questao das pessoas terem receio de nao receber vistos a tempo e por isso nao comprarem bilhetes, cancelarem viagens planeadas, agora faz a devolucao do montante dos bilhetes se o passageiro nao conseguir obter visto a tempo. E' uma solucao inteligente para contornar dentro do possivel a burocracia.

Alem do mais nao se esqueca que as informacoes dadas nas comunicacoes com os passageiros sao importantes ao nivel da seguranca durante o voo. Nao se trata de um braco de ferro de idiomas concorrentes. Trata-se de seguranca a bordo. Se nao acredita, posso por exemplo contar-lhe que na esmagadora maioria dos muitos voos que fiz dentro da russia em companhias russas nos ultimos 6 anos, houve sempre algum passageiro a fumar no WC. (Nisso os russos sao parecidos com os portugueses, nao sao muito dados a cumprir regras.) Acho que seria importante a TAP informar EM RUSSO, que nao so e' proibido fumar durante a viagem, como existem detectores de fumo e que os infractores sao punidos de acordo com a lei portuguesa.
Quanto as demoras no controlo de fronteira, uma vez mais o mesmo caso. Nos nao temos de seguir maus exemplos. Se eles funcionam mal, problema deles. (E eu sei bem do que falo que o controlo em S.Petersburgo e pela fronteira com a Finlandia e' um desespero).

E' caso para perguntar se nao sai mais barato pagar mais uns quantos funcionarios para estarem no controlo de fronteira, do que estar sistematicamente a pagar noites de hotel ao turistas que perdem os seus voos???

Mas segundo percebi, o problema entre Moscovo e Funchal e' outro. E' que parece ser recorrente o voo que faz a ligacao entre Moscovo e Lisboa chegar ja atrasado a Moscovo, atrasando todo o processo e tornando quase inevitavel a perda do voo de ligacao para o Funchal.
Penso que a TAP deveria analisar porque e' que esse voo chega tarde a Moscovo.
Joao Santos

Cristina disse...

Completamente de acordo com o JTS. Não é por os russos terem filas intermináveis na sua fronteira que nós também temos que ter. O serviço tem que ser rápido e, mantendo o controlo, eficiente, porque esse é o melhor cartão de visita de um país (para o bem ou para o mal).
Parabéns à TAP e Deus queira que nunca desista desta rota porque é uma óptima forma de ligação entre os dois países, entre as duas economias e com isso ficaremos todos a ganhar.