sexta-feira, agosto 27, 2010

Primeiro-ministro Putin defende construção de auto-estrada entre Moscovo e Petersburgo


O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, voltou a defender a necessidade da construção da auto-estrada entre Moscovo e São Petersburgo, suspendida na véspera pelo Presidente Dmitri Medvedev.
“É preciso construir a estrada entre os principais centros da Rússia: Moscovo e São Petersburgo”, declarou Putin aos jornalistas, sublinhando que “há sempre problemas entre o desenvolvimento e a conservação da natureza”.
O primeiro-ministro russo chamou a atenção dos jornalistas para o fato de o seu Governo ter sempre analisado atentamente os problemas de proteção da natureza.
Putin apresentou vários exemplos em que as autoridades foram ao encontro das opiniões dos ecólogos, mas acrescentou que podem estar outros interesses por detrás das reivindicações ecológicas.
“Infelizmente, nós, às vezes, vemos a utilização dos problemas ecológicos na luta de concorrência. Tivemos e temos todas as razões para supor que a campanha lançada durante a construção de um porto no noroeste da Rússia foi paga pelos concorrentes”, precisou.
“Segundo ele, os problemas ecológicos são utilizados também com fins políticos, como, por exemplo, com a Corrente do Norte (gasoduto que irá ligar a Rússia à Alemanha pelo Mar Báltico). É preciso ter paciência, tentar afastar-se ao máximo de quaisquer ambições, antes de tudo, ambições da parte do poder, mas devo dizer que os representantes das organizações ecológicas também têm ambições. Isso é um pecado comum”.
Concretamente em relação à discussão em torno da Floresta de Khimki, que já foi parcialmente destruída para permitir a construção da auto-estrada, Putin disse que “isso é normal, isso está correto”.
“Eu abordei essa questão com Dmitri Medvedev. Repito uma vez mais, isso corresponde completamente à lógica e prática do nosso comportamento”, frisou.
Em Novembro de 2009, Putin assim uma decreto que prevê a passagem da auto-estrada através da Floresta de Khimki, nos arredores da capital russa. Os ecólogos contestaram, mas perderam em todas as instâncias judiciais, incluindo o Supremo Tribunal.
Os trabalhos começaram sob fortes protestos dos ecologistas e foram suspensos ontem por Dmitri Medvedev.
O diário económico Vedomosti chama a atenção para o fato de Medvedev ter ordenado suspender os trabalhos “quando já não tem sentido, porque o espaço para a estrada já foi desflorestado quase até ao fim”.
Segundo este jornal, “os peritos suspeitam que as forças políticas simplesmente querem ganhar pontos com o problema da Floresta de Khimki”.

10 comentários:

MSantos disse...

O que seria deveras interessante era uma autoestrada trans-siberiana, do género Moscovo-Vladivostoque mas provavelmente não será nem física nem económicamente praticável.

Cumpts
Manuel Santos

Jose Milhazes disse...

Só este ano passou a existir uma estrada de alcatrão entre essas duas cidades. Isso é lá para o século XXII.

ALONE HUNTER disse...

Eu sempre detestei, minha vida toda, estes movimentos ecológicos...

O que vem em primeiro lugar? O progresso ou a preservação da natureza???

Esta estrada tem que sair, a Rússia não é um Parque Nacional. Quer preservar a natureza, que faça em lugares próprios. Nunca e ninguem deve atrapalhar o progresso da humanidade!!!

José da Crimeia disse...

Foi pena o génio Estaline não se ter lembrado de fazer uma estrada Moscovo-Vladivostock (trans-siberiana) pois naquele tempo não havia problemas com mão-de-obra....

Agora com essa rapaziada que está no Kreminlim nunca chegarão a fazer um miléssimo do que os soviéticos fizeram!

Cristina disse...

Claro, nesse tempo não havia de facto problemas com mão-de-obra. Os presos de Gulag costumavam até trabalhar de graça, até construíram o canal Belomorsk, que ainda hoje garante a passagem dos barcos para o Mar Branco.
Estaline foi de facto um "génio" de tal ordem que toda a população estava disposta ajoelhar-se perante ele só para evitar que alguém de fato negro chegasse a casa a meio da noite com a ordem "Vista-se a acompanhe-nos!".
Como deve saber, até havia aqueles cidadãos que, por voltarem contra a parede o retrato do "grande líder" quando contavam anedotas, acabaram presos, como aconteceu a um membro da minha família, por sinal da "classe proletária".

Jest nas Wielu disse...

A velha e ilógica confiança dos russos em um “bom czar”, que é sempre enganado pelos boyardes, pelo pessoal da casa real, pela Bureão Político, agora talvez pelos oligarcas (embora já tinha os vencido anteriormente, mas não faz mal)…

Pippo disse...

O progresso não pode estar dependente da preservação integral da Natureza, caso contrário nem casas contruiriamos, nem sequer faríamos agricultura.

Contudo, temos de perceber de uma vez por todas, que o Homem vive na Natureza e dela depende. Como os tempos de recuperação na Natureza são lentos, qualquer acção destructiva demorará décadas ou séculos a ser sanada. Nalguns casos nem isso, pois a adaptabilidade de plantas e animais, no geral, é muito inferior à nossa (o ser humano é dos poucos seres a viver em todas as latitudes).
Por isso, devemos medir bem as nossas acções sempre que as mesmas impliquem destruição da Natureza. Será que "aquela" estrada ou "aquela" barragem, ou "aquela" isto ou aquilo são realmente esenciais e têm de ser construídas ali?

É esta a questão, independentemente de oportunismos políticos ou não o quel existe, existiu e existirá sempre, em todos os lugares e com todos os governantes, pelo menos enquanto existir política e relações humanas.

Maquiavel disse...

O progresso só o é se houver também preservação da natureza.
Ou o Alone Hunter come alcaträo? Eu näo, por isso penso que por cada estrada deve-se plantar pelo menos uma fiada de árvores na mesma distäncia!

Progresso sem respeito pela Natureza é... olhem, Portugal, alcatroado de lés a lés, e florestas la väo ardendo... e com isso limpa-se espaço para mais estradas!

Querem progresso real? Linhas ferroviárias de alta velocidade entre Moscovo e Peterburgo! Na Alemanha cobrem a mesma distäncia em 5 horas ou menos!

Cristina disse...

A política russa está cheia de momentos interessantes, nalguns casos verdadeiramente hilariantes. Ontem, o partido governante Rússia Unida, que tem como símbolo um urso, começou as audições sobre a construção da auto-estrada e o corte de árvores da floresta de Khimki. Um dos líderes do partido, Andrei Issaev, no calor da discussão, disse o seguinte: “Ninguém põe em dúvida a necessidade de construção da auto-estrada, a não ser os ambientalistas fundamentalistas. Por isso, podemos passar sem eles. Eles que vão viver para a floresta juntamente com os ursos”. Depois desta frase, o político percebeu que tinha cometido uma gaffe e explicou que se referia aos ursos verdadeiros.
Não se sabe ao certo se o comentário tinha a ver com o apelido do chefe de Estado, Medvedev, que curiosamente também se traduz como "urso".
Nada melhor para descontrair os deputados e ajudar a promover as espécies em extinção.

Jose Milhazes disse...

Cara Cristina, momentos hilariantes como esses temos vários por dia. Nesse sentido, estamos bem servidos.