quarta-feira, outubro 13, 2010

Partido do presidente deposto mais votado no Quirguistão

O partido Ata-Jurt, movimento leal ao antigo presidente Kurmanbek Bakiev deposto pela revolução de abril passado, obteve o melhor resultado nas legislativas de domingo, anunciou a Comissão Eleitoral Central do Quirguistão.
O Ata-Jurt (Caminho do Pai) obteve 8,88 por cento dos votos e 28 lugares no parlamento.
O segundo partido mais votado foi o Partido Social-Democrata com 8,04 por cento (26 lugares), sendo seguido pelos partidos Ar-Manis (Dignidade) com 7,74 por cento (25 lugares), República, 7,24 por cento (23) e Ata Meken com 5,60 por cento (18).
De fora do parlamento ficaram 24 partidos e organizações políticas que não superaram a barreira dos 05 por cento, condição necessária para eleger os 120 deputados.
A presidente do Quirguistão, Rosa Otunbaieva, está «chocada» com à vitória nas eleições de domingo do movimento leal ao antigo líder do país, deposto na revolução de abril passado, declarou hoje à agência noticiosa francesa AFP fonte próxima da chefe de Estado.
Apesar da vitória, o Ata-Jurt poderá ser excluído do próximo governo, que deverá ser apoiado por uma coligação de partidos que se enquadre no atual regime, indicaram analistas políticos.
Kurmanbek Bakiev foi derrubado por um levantamento popular em Abril passado e refugiou-se na Bielorrússia. Rosa Otunbaeva, sucessora à frente dos destinos do país mais pobre da Ásia Central, teve de enfrentar uma onda de confrontos étnicos entre quirguizes e uzbeques, que provocaram milhares de mortos e desalojados.
Em junho entre 400 e duas mil pessoas morreram nos confrontos, principalmente uzebeques no sul do país.
O bom resultado do Ata-Jurt, que integra vários responsáveis do regime de Bakiev e rejeita as aspirações políticas das minorias, em particular dos uzbeques, pode reavivar as tensões.
Após uma reforma constitucional, que transformou o Quirguistão numa república parlamentar, foi decidido realizar eleições legislativas livres.
Nem todos aceitaram os resultados de escrutínio, que os observadores internacionais afirmam ter decorrido de forma livre e democrática. Partidários da organização Quirguistão Unido, que obteve 4,84 por cento dos votos, cortaram uma importante estrada do sul do país para exigir a recontagem de votos.
As legislativas contaram com uma afluência às urnas de 55,9 por cento dos eleitores inscritos.
O Quirguistão é ponto nevrálgico na operação da NATO contra os talibãs no Afeganistão, tendo os Estados Unidos aí instalado uma base militar. Por outro lado, a Rússia possui também bases militares nesse país, receando o reforço da zona de influência norte-americana na Ásia Central, região rica em hidrocarbonetos.



4 comentários:

Nuno B. disse...

Com tantos partidos na corrida, o resultado já se estava mesmo a ver..

José Manuel disse...

Pelas contas apresentadas os partidos que obteram representação não atingem 50% dos votantes. Assim o Parlamento não tem legitimidade.

Jose Milhazes disse...

Leitor José Manuel, segundo a lei local tem, porque os votos dos restantes partidos que não superaram a barreira dos 5% irão ser substituídos proporcionalmente pelos partidos vencedores.

Jorge Almeida disse...

O governo será formado com o apoio de quantos partidos? Se a soma do 1º ao quinto partido não chega aos 40% dos votos dos eleitores, estamos conversados quanto a isso e quanto à duração do novo governo ...