sexta-feira, abril 29, 2011

Rússia anuncia abertamente apoio ao regime de Bashar al-Assad


O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia manifestou  o seu apoio ao regime do Presidente sírio Bashar al-Assad e sublinha que a violência vem também da parte da oposição.
Num comunicado publicado a propósito da sessão especial do Conselho para Direitos Humanos das Nações, convocada para 29 de abril para Genebra por iniciativa dos Estados Unidos, União Europeia e outros estados, Moscovo chama a atenção para o facto da violência vir também do lado dos que contestam o atual regime sírio.
“Em Moscovo continuamos a seguir com preocupação a agudização da situação na Síria”, lê-se no comunicado, onde se sublinha que “a violência, no contexto dos acontecimentos na Síria, parte também dos que protestam”.
“Deve-se pôr fim a quaisquer manifestações de violência. Partimos do princípio de que as autoridades sírias cumprem plenamente os seus compromissos em matéria de defesa da sociedade civil no território do país”, considera a diplomacia russa.
Segunda ela, “a saída da situação criada é apenas possível no quadro legal, na base da concórdia civil na Síria”.
As críticas de Moscovo vão também contra as organizações de defesa dos direitos humanos.
“A Rússia considera antiprodutivas as tentativas de politização da atividade dos mais importantes órgãos de defesa dos direitos humanos, incluindo o Conselho para os Direitos Humanos”, lê-se no comunicado.
“Iremos orientar-nos consequentemente por essa abordagem no âmbito da preparação da sessão especial e da discussão do projeto de resolução do Conselho para os Direitos Humanos, apresentado pela delegação norte-americana”, conclui a diplomacia russa.

5 comentários:

Gilberto Mucio disse...

Não são bobos. Ele é um ótimo cliente de armas russas.

Jose Milhazes disse...

Gilberto, ora uma boa explicação!

Wandard disse...

Bem,

Se a situação piorar a Otan pode dar um pulinho lá para "proteger os civis", já que a Aliança Atlântica se converteu agora em uma "Instituição Beneficente" vide suas ações humanitárias no Iraque, Afeganistão e agora na Líbia aonde além da "eficiência" pois declararam nos primeiros 5 dias de ataque que as forças de Kadhafi estavam deterioradas:)))e até o momento ele continua ativo. A diferença é que na Síria podem se deparar com a presença russa e aí fica difícil de atacar, afinal a Otan só tem coragem mesmo de enfrentar nações como as acima citadas.

Francisco Lucrecio disse...

A lição da Líbia serviu?

Jest nas Wielu disse...

E também é um bom rapaz, faz as “operações anti-terroristas” no seu próprio território, não é nada parecido com o Presidente Saakashvili, que tudo que faz é de maneira errada, prejudicando os interesses russos e não pode ser, claro...