sexta-feira, junho 24, 2011

Carta aberta ao Sr. Paulo Portas, Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Exmo. Sr. Paulo Portas, acredito que as suas tarefas não lhe deixem tempo para ler este blog e, por conseguinte, esta carta aberta, mas pode ser que algum leitor deste blog ou amigo do Facebook faça chegar esta missiva às mãos de Vossa Excelência ou de algum dos seus assessores.
Hoje, por razões pessoais, tive de ir à Embaixada de Portugal em Moscovo e deparei com um grande número de pessoas à porta do nosso Consulado na capital russa. 
Trata-se de um bom sinal em tempos de crise económica, pois, como é do conhecimento geral, Portugal é um destino turístico cada vez mais popular entre os russos. Assim seja por muito tempo!
Porém, fico incomodado, enquanto português, quando entro no Consulado, pois a julgar pelo estado do interior do edifício e pela falta de espaço, parece tratar-se da representação consular de um país do Terceiro Mundo, e não de um membro da União Europeia. 
Peço desculpa por descer a alguns pormenores, mas a casa de banho parece não ter sido alvo de obras desde abertura desse Consulado no longínquo ano de 1974. Não sei se vou revelar algum segredo de Estado, mas os 400 m2 de área são claramente insuficientes para responder à procura de vistos.
Poderão dizer-me que o nosso país está em crise, não tem meios para outras tarefas mais urgentes, etc., etc., mas não aceito essas explicações porque o Consulado é uma instituição que dá lucros diretos e indiretos. Quanto aos indiretos, quanto mais turistas forem a Portugal, mais a nossa economia ganha.
Quanto aos diretos, apenas alguns exemplos. No ano passado, o Consulado de Portugal em Moscovo passou cerca de 23 mil vistos, mas o número de russos que visitaram Portugal (segundo estatísticas do Turismo de Portugal) foi superior a 80 mil. Como cada visto custa 30 euros, pode-se constatar que quase 50 mil vistos foram tirados noutros consulados de países de Schengen e, por conseguinte, perdemos uma quantia significativa de euros (1.500.000 euros).
Este ano, o número de turistas russos para Portugal está a aumentar significativamente e, graças aos esforços dos funcionários, o Consulado concederá mais vistos, mas o dinheiro de muitos mais  continuarão a entrar nos cofres de outros países que sabem reagir operativamente à conjuntura.
Resumindo, o dinheiro que é perdido neste processo chegaria, e sobraria, para alugar ou comprar um edifício maior e mais moderno para o Consulado Português na Rússia, bem como para aumentar o número de funcionários. 
Gostaria de lembrar que este consulado luso é o que mais vistos concede anualmente depois da representação consular portuguesa em Luanda.
Acredite que um investimento financeiro na modernização dos serviços consulares terá um retorno rápido. Não sendo tão grande como aquele que é necessário para construir o TGV, dará um retorno muito mais rápido do que o mais veloz dos comboios. Trata-se apenas de contas de matemática.
Este problema coloca-se há muitos anos, mas ficou sempre por resolver. Talvez tenha funcionado o princípio: os russos visitarão Portugal de qualquer forma, o que é pernicioso e prejudicial. 
Receba esta missiva como uma proposta para melhorar as finanças nacionais. Eu tenho consciência de que se trata de uma gota no Oceano, mas, como diz o nosso povo, "grão a grão enche a galinha o papo".
Obrigado pela atenção e desejo-lhe as melhores felicidades e êxitos à frente da nossa diplomacia. José Milhazes

13 comentários:

Anónimo disse...

Bom, não sou português, mas acho que o Sr. tem razão...

Anónimo disse...

Excelente carta. Sou casado com uma cidadã da Federação da Rússia e sempre me perguntei porque é que para receber a visita de um casal amigo (ex-professores dela) tive que ir a um notário português assinar uma declaração na qual me responsabilizei pela sua estadia de 15 dias em Portugal. Por outro lado, com a diferença de preços dos vistos para Portugal Vs. para Espanha, é natural que os cidadãos russos prefiram ir para Espanha... Coisas menores? Parecem coisas de outros tempos.

Anónimo disse...

Sugiro que o Prof. Doutor José Milhazes seja nomeado Embaixador da República Portuguesa em Moscovo !

Anónimo disse...

Desculpe a frontalidade da sugestão, ainda por cima no seu próprio blogue, mas o facto é que para mim e para muita gente atenta já o é. E há bastante tempo. Não que seja um reconhecimento, mas não vejo nenhum Português que possa desempenhar melhor esse cargo na defesa dos interesses de Portugal em harmonia com os de uma cultura que tem mais em comum com a nossa História do que se pensa. Boa noite.

Jose Milhazes disse...

Caros leitores, eu sou jornalista e historiador. Se eu fosse nomeado consul, não conseguiria trabalhar melhor com as condições existentes. Mas esse não é meu desejo, nem sonho. Apenas fiz uma proposta de como o nosso país pode melhorar a sua imagem na Rússia e ainda ganhar dinheiro.
Não quero fazer publicidade do meu livro "A Saga dos Portugueses na Rússia", mas se o lerem, verão como grandes russos olhavam com simpatia para com o nosso país e povo.

Cristina disse...

Apoio totalmente esta carta aberta ao nosso novo MNE.
Lá por não sermos um país rico, não se pode deixar de ter uma representação condigna num país que envia tantos turistas para Portugal. A primeira impressão que um turista estrangeiro tem do nosso país é a sua embaixada, o espaço físico onde se encontra, a forma como está organizada, a simpatia dos seus funcionários.
Temos que melhorar todos estes aspectos na embaixada em Moscovo...
E já agora, aproveitava para sugerir a quem de direito que se deve evitar ter funcionários russos na embaixada em cargos que têm acesso a informação confidencial....Não sei qual é a situação agora, mas há uns tempos atrás, a própria secretária do Embaixador (que tem acesso a toda a informação) era russa... Julgo que todos entendem as implicações desta situação e que não vale a pena explicar....

Cristina disse...

Vamos lá apoiar o José Milhazes a cônsul!

Zhirinovsky disse...

Excelente carta! Um desabafo sobre as condições da Embaixada de Portugal na Rússia...

Obrigado por ter publicado o meu post anterior, sr José Milhazes!

Jorge Almeida disse...

Apoiado. Pelo menos a cônsul honorário.

Jose Milhazes disse...

Leitor dito Zhirinovski, o blog é meu e tenho o direito a impedir a publicação de comentários insultuosos. Quando você escreve comentários normais, eu publico, mesmo que tenha escolhido esse pseudónimo.

Nazaré Oliveira disse...

Boa!

Anónimo disse...

mas quem apoia qualquer coisa que paulo portas faz?ele não quer saber de embaixadas nem de coisissima nenhuma só quer saber da sua imagem, caso contrario não estava a apoiar um GOVERNO QUE MAIS NÃO É QUE UMA DITADURA DISFARÇADA.

Anónimo disse...

Epa

Relativamente a antiguidade do sitio nao posso comentar porque nunca estive la.
Mas, sempre que precisei de tratar de alguma coisa com o consulado Portugues em Moscovo, fiquei bem surpreendido com a falta de burocracia e sairem da zona de conforto deles para ajudar.
Agora, experimentem ir ao consulado de Londres, ui, ai sim vao ver o que e dor. Tive de ir la duas vezes por incompetencia porque se enganaram nos papeis(170 kms ida + 170kms volta) e nem um pedido de desculpa.
Agora que deviam investir mais no turismo e estabelecer mais consulados na russia, sim, sem duvida.
Portugal perde milhoes de euros anualmente por falta de investimento.