sexta-feira, dezembro 21, 2012

Vaga de frio continua a provocar dezenas de vítimas mortais na Rússia e Ucrânia



Mais de 150 pessoas foram, nas últimas 24 horas, hospitalizadas devido a ferimentos provocados pelo frio na Rússia, tendo morrido duas, informam fontes médicas citadas pela Ria-Novosti.
Desde o início da onda de frio gélido que atinge o país, 722 sofreram ferimentos, 371 foram internadas em hospitais e 56 morreram, precisou a mesma fonte.
A onda de frio, uma das mais rigorosas dos últimos 50 anos, mantém-se na Rússia há já duas semanas. As temperaturas variam entre 18 graus centígrados negativos em Moscovo e 50 na Sibéria.
Em numerosas regiões da Rússia, as autoridades viram-se obrigadas a encerrar as escolas.
Segundo as previsões meteorológicas, o mercúrio nos termómetros ainda poderá baixar mais durante o fim-de-semana em Moscovo, até aos -28 graus e a onda de frio só enfraquecerá a partir de quarta-feira.
A situação é também muito grave na Ucrânia, onde, segundo o Ministério da Saúde, o frio já provocou a morte de pelo menos 83.

6 comentários:

RioD'oiro disse...

Há um boa meia dúzia de anos o caro Milhazes andava preocupado com o aquecimento global.

Entretanto, há já 16 anos que a temperatura media não sobe. Continua preocupado com o aquecimento?

Anónimo disse...

Ouvi agora mesmo que na Ucrânia estão a dar alimento aos "Sem-Abrigo".
Será que na época soviética também havia os "Sem-Abrigo"?. Creio que não.
JM

José Milhazes disse...

Caro Rio D'Oiro, actualmente tenho outras preocupações. É a crise.

José Milhazes disse...

CaroJM, havia sem-abrigo e não eram poucos.

Anónimo disse...


Doutor Milhazes, talvez fosse melhor quantificar se havia mais ou menos sem abrigo na URSS, que atualmente.

Quase que adivinho a sua resposta.

Se tiver algum tempo disponivel, informe quem o lê, qual a situação social e economica no Quirguizistão.

Francisco Lucrecio.

Guimber-Lai Baía disse...

Diante desta situação, poderíamos até dizer que, é um privilegio ser sem abrigo nos países africanos. http://guimber-lai.com/2016/01/25/quarentena-na-coreia-do-sul/