domingo, abril 21, 2013

O que leva os jovens a tornarem-se terroristas?



 


O governo pró-russo da Chechénia, bem como as autoridades russas competentes demarcaram-se de qualquer ligação com os irmãos Tamerlão e Djokhar Tzanaiev, chechenos acusados da organização e execução de vários atos terroristas na cidade norte-americana de Boston.
O número um da Chechénia, Ramzan Kadirov, afirmou que os alegados autores do atentado não tinham quaisquer relações com a Chechénia, que os dois homens viviam e estudavam nos Estados.
“Nós não conhecíamos os Tsarnaiev, eles não viviam na Chechénia, eles viviam e estudavam na América. O que se passou em Boston foi uma falta do sistema educativo americano”, comentou ele.
Os serviços secretos russos também fizeram saber que pouco ou nada sabiam sobre eles.
“Visto que os irmãos Tsarnaiev não residiam na Rússia, os nossos serviços especiais não puderam fornecer informação operacional aos nossos parceiros estrangeiros”, declarou uma fonte desses serviços à Ria-Novosti.
Porém, essas declarações parecem estar em contradição com a notícia sobre a conversa telefónica entre Vladimir Putin e Barack Obama, que teve lugar a pedido do Kremlin.
O Presidente russo exprimiu novamente as suas condolências e as duas partes “sublinharam a sua vontade de reforçar a coordenação de serviços especiais russos e americanos na luta contra o terrorismo internacional”.
Além disso, é difícil acreditar que os serviços secretos russos não tenham dado conta da viagem de Tamerlão ao Daguestão no início de 2012.
Ao nível do senso comum, a reação dos russos não foi inesperada: “quem semeia ventos, colhe tempestades”, tendo em vista o apoio dado pelo chamado Ocidente à guerrilha separatista chechena.
Mas, agora, é necessário tirar conclusões sérias e profundas dos acontecimentos de Boston.
É de assinalar que, se se vierem a confirmar as suposições da polícia norte-americana, trata-se do primeiro atentado terrorista realizado por originários da Chechénia no estrangeiro.
Porém, é precipitado concluir que se trata de uma operação terrorista realizada apenas pelos dois irmãos, sem o apoio de algum grupo minimamente organizado.
Os pais e parentes de Tamerlão e Djokhar afirmam que os jovens eram “uns anjos”, acusando mesmo a polícia norte-americana de ter “organizado uma provocação”. Os vizinhos deles em Boston também não notaram nada de suspeito nas ações destes jovens originários de uma região para eles desconhecida.
O embaixador da República Checa nos Estados Unidos já veio lançar um apelo aos norte-americanos que não confundam a “Chechénia” com a “Checa”.
Mas, quando se entra nas redes sociais e se analisa o que Tamerlão e Djokhar escreveram sobre a vida, a religião, etc., constatámos que se tratava de duas pessoas que estavam sob a influência de correntes extremistas islâmicas.
Não se pode esquecer que os dois irmãos nasceram e cresceram numa época em que tinha lugar uma devastadora guerra entre independentistas chechenos e tropas russas. E se, no início, o movimento separatista não tinha traços religiosos claros, muitos dos seus comandantes eram pessoas educadas no ateísmo soviético, ele vai-se radicalizando à medida que estreita relações com correntes islâmicas extremistas, nomeadamente com o wahabismo.
Os comandantes da atual guerrilha independentista no Cáucaso do Norte russo, pouco ativa na Chechénia, mas forte no Daguestão e noutras regiões, difundem, através da Internet, apelos de “guerra aos infiéis”.
Nós, europeus, não temos dúvida de que são terroristas e bandidos aqueles que fizeram reféns crianças na cidade osseta de Beslan ou espetadores do Teatro na Dubrovka de Moscovo, mas muitos dos jovens chechenos dispersos pelo mundo devido à guerra veem neles “heróis” a imitar.
Compreendo que seja impossível evitar todos os atos terroristas, mas isso não deve servir para justificar as falhas graves no trabalho da polícia e dos serviços secretos norte-americanos no caso dos acontecimentos de Boston.
E como considero não existir terroristas “bons” e “maus”, é preciso coordenar ações internacionais no combate a essa praga.    

17 comentários:

Raphael Tsavkko Garcia disse...

Os atentados não aparecem, ainda, ter relação com a Chechênia em si, mas com o islamismo dos jovens ou com a visão deturpada de ambos de sua religião. É fato que os islâmicos radicais chechenos teriam muito mais interesse em um ataque contra seu opressor imediato, a Rússia, que os EUA, muito distantes, o que reforça ainda mais a tese do ataque isolado, perpetrado por dois jovens amadores, mas que resoltou, infelizmente, na perda de vidas inocentes e que fará com que o ódio dos EUA contra os islâmicos e mesmo os Árabes cresça, por mais que os Chechenos sejam caucasianos e não tenham qualquer relação além da proximidade com os países árabes.

Quanto à Rússia, o atentado em Boston pode servir como desculpa para mais repressão na Chechênia, apesar de não existir nenhuma relação direita entre guerrilheiros chechenos e os dois rapazes de Boston. Mas esta pode ser uma oportunidade muito boa para ampliar a luta contra a insurgência islâmica.

http://www.brasildefato.com.br/node/12718#.UXQlGTbi88Q.twitter

Pippo disse...

Querem-me ver que estes dois irmãos, que tinham um bom nível de vida nos EUA, fumavam, bebiam e tinham umas gajas, afinal andavam era mortinhos (salvo seja) para punir os cristãos "tout court", e não apenas os malandros dos russos que "destroem o Cáucaso", que são "imperialistas", etc?

Querem-me ver que, afinal, esta coisa do terrorismo checheno/caucasiano nada tem a ver com desemprego e más condições de vida mas sim, COMO EU JÁ O HAVIA DITO VÁRIAS VEZES, com o islamismo militante?

Pois é.

Anónimo disse...

O mais estranho nisso tudo é que os chechenos não são antiamericanos, o problema deles é contra Moscou e não os EUA. Foi um tremendo erro esttratégico deles atacar os EUA!

José Milhazes disse...

Caro Pipo, cuidado com a demagogia. Uma coisa é a vida de jovens no Cáucaso, outra nos EUA. Eles caem sob a influência de correntes extremistas islãmicas por razões diferentes.

Pedro Lopes disse...


Passaram de Heróis a Vilões.
Só mudou o palco de actuação.

Na Rússia eles são tratados como "combatentes", "Rebeldes", "libertários" pela imprensa subserviente aos senhores do mundo.

Agora já são terroristas?

Ai ai....

Pippo disse...

Nada de demagogia, caro JM!

O que se passa é que você passa a vida a justificar o terrorismo checheno com razões de ordem política e socio-económica, ao passo que eu aponto, como razões principais, o facto religioso. E pelos vistos, não me enganei! Esta parelha actuou, não por motivos sociais ou outros, mas porque são muçulmanos radicais, tal como os de Londres, Madrid, Bombaim e Nova Deli, Casablanca, etc, etc, etc...

E por mais que se "melhorem" as suas condições de vida, eles continuarão a ser radicais, sejam desempregados, operários, médicos ou engenheiros; refugiados ou nascidos na terra onde cometem os atentados; integrados ou discriminados; etc., pois para muitos deles, só há dois mundos: o da Paz (o islâmico, ou Dar al-Islam) e o da Guerra (o não islâmico, ou Dar al-Harb). E o Dar al-Islam tem de se impor ao Dar al-Harb, nem que seja pela guerra.

José Milhazes disse...

Caro Pippo, eu nunca justifiquei o terrorismo checheno com qualquer argumento, pois o terrorismo não tem justificações razoáveis e sensatas. Eu defendo que os fatores socioeconómicos são fundamentais para reduzir a base do terrorismo, o que é bem diferente. Apenas com repressões e medidas militares não pode ser resolvida a questão da integração dos jovens na sociedade de forma a não optarem pelo terrorismo. Pelo contrário. Veja o exemplo do Daguestão.
Além disso, não queira comparar o movimento separatista checheno do início dos anos 90 do séc. passado com o que veio depois. Volto a frisar, no início, o fundamentalismo islâmico não tinha influência na Chechénia.

Pedro Lopes disse...

o fundamentalismo islâmico é e sempre foi apoiado e financiado pelos senhores do grande dinheiro.
Desliguem a TV e façam pesquisa.

O que se passa na Síria? São combatentes pela liberdade? Afinal a Alqueda é um movimento humanista é?
O que passou na Líbia? Eu pelo menos ví várias vezes a bandeira da Alquaeda entre os "Rebeldes".

O que se passou na bosnia?
No Kosovo?
Na guerra na Tchechénia, lembro-me bem que a imprensa ocidental só demonizava a Rússia.
E até mais atrás no Afeganistão(Anos 80).

E as politica de imigração Europeia que é "Venham todos"? Ah e tal são extremistas, mas deixam entrar ao milhões. Já há mais mesquitas em alguns países Europeus do que Igrejas(E eu nem ligo muito á igreja católica).

O 11/9 de 2001 foi a maior banhada de todos os tempos a seguir ao Holoconto. E por aqui me fico.

Pippo disse...

A língua portuguesa é traiçoeira... quando eu referi "justificação", não era, nem a apologia, nem a desculpabilização, mas sim a racionalização do terrorismo caucasiano.

É verdade que o separatismo checheno do inicio dos anos 90 era nacionalista, mas rapidamente foi convertido em islamita. Quais as razões? Não terão nada a ver com razões de ordem socioeconómica, pois se assim fosse, por todo o lado onde há separatismo e pobreza, o extremismo religioso seria vertiginoso o que, como sabe, não costuma ocorrer excepto... entre os povos separatistas de religião islâmica.
É triste mas é verdade.

Pippo disse...

"Muitas das questões relacionadas com o atentado da maratona de Boston continuam em aberto e o próprio Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu num breve discurso, feito desde a Casa Branca pouco depois da detenção, procurar respostas. Foram também encontrados indícios de que os irmãos tinham material para mais atentados. Por agora crescem as acusações contra o FBI, por ter desvalorizado algumas informações sobre Tarmelan Tsarnaev, o irmão mais velho, adianta a Reuters.

Isto porque os serviços secretos russos terão contactado as autoridades norte-americanas, ainda em 2011, para falar da possível simpatia que Tarmelan Tsarnaev tinha por movimentos radicais islâmicos da república do Daguestão. Tarmelan passou seis meses na antiga república soviética, onde há forte presença de movimentos islâmicos radicais, e os russos queriam que os Estados Unidos monitorizassem os seus passos."

in
http://www.publico.pt/mundo/noticia/tamerlan-tsarnaev-estava-alarmado-na-ultima-chamada-para-a-mae-1592098#/0

Não se trata, portanto, de terrorismo separatista fomentado por problemas sociais ou económicos, mas sim por razões religiosas.

Pippo disse...

Outro atentado que estava em preparação, certamente também ele motivado por razões de ordem sócio-económica... ;)

"Dois homens, de 30 e 35 anos, foram detidos nesta segunda-feira pela polícia canadiana por suspeita de estarem a preparar um atentado na linha ferroviária que liga o Canadá aos Estados Unidos.

Segundo as autoridades canadianas, os detidos (Chiheb Esseghaier e Raed Jaser) estariam a receber apoio da célula da Al-Qaeda no Irão. Os dois homens são residentes no Canadá, mas não são canadianos. As respectivas nacionalidades não foram divulgadas."

http://www.publico.pt/mundo/noticia/canada-anuncia-detencao-de-dois-homens-que-preparavam-ataque-terrorista-1592173

Pippo disse...

Izvinitye, mas eis outro exemplo do que quero dizer (e como este há mais de uma dezena):

http://www.publico.pt/mundo/noticia/-dezenas-de-mortos-em-combates-entre-exercito-nigeriano-e-islamistas-1592104

Repare: na Nigéria, muçulmanos ou cristãos são igualmente pobres e "deserdados". Aliás, os Igbos, QUE SÃO CRISTÃOS, até são mais deserdados do que os outros todos. Lembra-se do Biafra? Os igbos são os que morreram à fome... cerca de um milhão!.
Pergunta: há terroristas cristãos na Nigéria, prontos a decretar uma secessão ou a criar um "Império Cristão" na região? Não, não há.
E há terroristas muçulmanos, dispostos a matar para criar um Califado norte-africano? É só ler a notícia...

NunoBento disse...

Obrigado pelo post!

NB

Anónimo disse...

A verdade é que o JM tem 2 religiões, é cristão e aderente à igreja universal multiculturalista dos ultimos dias.

Ele não tem país
Ele não tem raça
Ele nã0 tem honra
Ele não tem inteligência
Ele é um péssimo jornalista
Ele não tem carácter
Ele é pobre
Ele é um que vale pouco e estraga muito.

Por estas e por outras é que tem de ter uma religião universalista porque sem essas ilusões dava-se ao desespero

Anónimo disse...

Mk ultra, alguém?

Manuel Goncalves disse...

Penso que infelizmente nao passa tudo de convicoes religiosas, vejamos estes do atentado de Boston eram muculmanos, os do atentado de Londres eram muculmanos os do atentado do 11 de Setembro eram muculmanos, infelizmente as coisas sao como sao e temos que aceitar isso, e de lamentar que ainda aja povos, gente e crentes de certas religioes que acreditam na guerra santa, que aceitam ser martires de uma causa assim, alguns viveram uma vida a espera de serem os escolhidos e no fim ao chegar ao ceu como e bom ver 100 virgens a sua espera.

Manuel Goncalves disse...

Penso que infelizmente nao passa tudo de convicoes religiosas, vejamos estes do atentado de Boston eram muculmanos, os do atentado de Londres eram muculmanos os do atentado do 11 de Setembro eram muculmanos, infelizmente as coisas sao como sao e temos que aceitar isso, e de lamentar que ainda aja povos, gente e crentes de certas religioes que acreditam na guerra santa, que aceitam ser martires de uma causa assim, alguns viveram uma vida a espera de serem os escolhidos e no fim ao chegar ao ceu como e bom ver 100 virgens a sua espera.