terça-feira, julho 08, 2014

Opinião pública russa começa a mudar face à situação na Ucrânia?



Quando da ocupação da Crimeia pela Rússia, 70% dos russos apoiaram a política externa do Presidente Putin, mas a opinião dos russos começa a mudar.
Segundo uma sondagem do Centro de Estudo da Opinião Pública da Rússia (VtzIOM), dois terços (66%) dos russos estão contra o envio de tropas russas para o sudeste da Ucrânia. Esta opinião é mais frequente entre idosos e habitantes das cidades grandes e médias.
27% dos inquiridos apoiam a intervenção das tropas russas no país vizinho.
Seria bom se o Kremlin tivesse em linha de conta essas disposições antes de tomar decisões e obrigasse os separatistas no sudeste da Ucrânia a sentarem-se à mesa das conversações.
Parece que é o que está a acontecer. Não obstante os insistentes apelos dos dirigentes separatistas e dos nacionalistas russos à intervenção militar de Moscovo, Vladimir Putin, por enquanto, não lhes deu uma resposta positiva. Por isso, os radicais e ortodoxos sentem-se traídos pelo Kremlin. Basta ouvir o que dizem teóricos nacional-comunistas russos como Alexandre Duguin e Alexandre Prokhanov para se compreender essa desilusão.
“Esperemos que Putin se ingira e mude o desenrolar dos acontecimentos no Leste da Ucrânia. Caso contrário, é o fim dele”, ameaça Duguin.
As forças armadas ucranianas estão a ganhar terreno, embora ainda seja cedo falar em vitória militar, se é que será possível falar dela numa guerra civil como a que tem lugar na Ucrânia.
Talvez por isso, hoje mesmo, o Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, propôs conversações de paz a realizar no Leste do seu país, com a participação de representantes da Rússia e dos separatistas.
Nem Moscovo, nem Kiev devem perder a oportunidade de diálogo, pois os custos serão muito grandes para ambas as partes.

Enquanto o Kremlin, directa ou indirectamente, apoiar os separatistas com homens e armas, dificilmente as forças armadas ucranianas poderão controlar completamente a situação. Mas, por outro lado, o envolvimento de Moscovo no conflito é cada vez maior e terá consequências negativas tanto no aspecto externo, como no aspecto interno. 

10 comentários:

PortugueseMan disse...


Quando da ocupação da Crimeia pela Rússia, 70% dos russos apoiaram a política externa do Presidente Putin, mas a opinião dos russos começa a mudar.

Segundo uma sondagem do Centro de Estudo da Opinião Pública da Rússia (VtzIOM), dois terços (66%) dos russos estão contra o envio de tropas russas para o sudeste da Ucrânia. Esta opinião é mais frequente entre idosos e habitantes das cidades grandes e médias...


Não concordo com esta perspectiva. Não me parece que a opinião dos russos esteja a mudar. Os russos fazem é distinção entre a Crimeia e as regiões separatistas.

Seja como fôr é interessante ver que a maioria dos russos, está de acordo com o que o governo russo está a fazer, ou seja, uma não intervenção militar na Ucrânia. Que também acho que é de evitar.

A Rússia continua a ter bastantes meios de pressão para obter o que quer. O South Stream vai andar para a frente, mesmo que vá andando aos soluços, a Ucrânia necessita de energia a preços que só a Rússia pode fornecer e os políticos ucranianos não vão ter vida fácil.

Tem que responder às exisgências do FMI e têm que agradar aos ucranianos. Não sei como poderá ser possível.

Ou seja, na minha opinião a vantagem e o tempo estão do lado da Rússia. E o Inverno está a poucos meses de distância. Não vai haver muito tempo para "brincar".

Infelizmente, serão os ucranianos (seja de que lado forem) a sofrer na pele, com os desejos de terceiros.

Nunca se deveriam ter permitido ser um joguete nas mãos de grandes potências.

PortugueseMan disse...

A pressão aumenta...

Ucrânia não pagou pelo gás fornecido em junho, diz Gazprom

Moscou - A dívida da Ucrânia com a Gazprom pelo fornecimento de gás ultrapassou o valor de US$ 5,2 milhões, já que as autoridades de Kiev não teriam pago pelo combustível recebido na primeira quinzena de junho, denunciou nesta terça-feira o presidente da companhia energética russa, Alexei Miller.

"A Ucrânia segue sem pagar por 11,53 bilhões de metros cúbicos. É um volume enorme, comparável às provisões anuais de gás à Polônia", assegurou Miller...

...Durante a negociação, a Rússia ofereceu à Ucrânia um desconto de US$ 100 por cada mil metros cúbicos de gás, o que deixaria o preço atual em US$ 385, sendo que Kiev insiste em não pagar mais de US$ 326 como alternativa temporária ao preço que as autoridades ucranianas consideram justo, de US$ 268,5 por mil metros cúbicos...


http://exame.abril.com.br/economia/noticias/ucrania-nao-pagou-pelo-gas-fornecido-em-junho-diz-gazprom

PortugueseMan disse...

Mais pressão...

Doadores da Ucrânia exigem reformas em troca de ajuda

Os doadores internacionais da Ucrânia pediram nesta terça-feira a Kiev que aprove profundas reformas, em particular nos setores econômico e judicial, em troca de um plano de ajuda...

...abertura em Bruxelas da primeira reunião de coordenação dos doadores da Ucrânia, que inclui os países da União Europeia, Estados Unidos e Japão, assim como organizações internacionais como o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Fulle insistiu na necessidade para Kiev de "tomar todas as medidas sobre as reformas constitucionais, judiciais", mas também "em economia e no setor da energia"...


https://br.noticias.yahoo.com/doadores-ucr%C3%A2nia-exigem-reformas-troca-ajuda-115509230--finance.html

Anónimo disse...

Em Moscovo se despedem dos militares/terroristas russos que foram abatidos na Ucrânia no decorrer da Operação Anti-terrorista (OAT). Onde, nas palavras dos dirigentes russos, estes mesmos militares nunca estavam presentes:
http://zloy-odessit.livejournal.com/559758.html

PortugueseMan disse...

O dinheiro não chega, queremos mais...

Pois é, a Ucrânia, vai ser um autêntico sorvedouro de dinheiro...

IMF package for Ukraine "not enough", minister says

Ukraine's deputy prime minister told international donors on Tuesday that a $17 billion International Monetary Fund bailout was "not enough" because of "unprecedented Russian-inspired aggression"...

...He appealed for international help to diversify Ukraine's energy sources, reducing its reliance on Russian gas...

...The EU, which has promised Ukraine 11 billion euros ($15 billion) of loans and grants over the next seven years, has so far handed over 850 million euros...


http://uk.reuters.com/article/2014/07/08/ukraine-crisis-donors-idUKL6N0PJ3GY20140708

Quem serão as alminhas que estão desejosos de enterrar dinheiro ali... devem ser às dezenas...

Jonatan Souza disse...

http://conscienciah.blogspot.com/2014/07/a-shell-e-limpeza-etnica-no-dombass.html?m=1

Viriatus disse...

Caro José Milhazes, lembro que a Rússia neste momento está a "promover" o diálogo no conflito... ou não fosse esse diálogo no seu próprio interesse. A presença de Viktor Medvedchuk (amigo íntimo de Putin) nas conversações foi saudada por Moscovo, e no site da EuroMaidan já se denuncia o facto de se estar a preparar a entrega do Donbass a Medvedchuk, que ficaria a governar a região, um pouco a exemplo de Kolomoisky em Dnepropetrovsk. Mais: Kolomoisky, ele próprio, numa entrevista, teria saudado essa solução, dizendo que só Medvedchuk poderia manter a Ucrânia unida. Mas ao que parece Andryi Parubyi, Avakov e os restantes falcões do governo ucraniano teriam encostado Poroshenko à parede. E a solução, "desenhada" por Ângela Merkel, poderia gorar-se. E Merkel estaria furiosa com Poroshenko por deitar por terra as hipóteses de paz. Os EUA, neste campo, apoiam a solução militar, e o Ocidente está dividido na solução a encontrar. JM, neste momento a Rússia apoia uma solução de paz... mais que não seja para poder manter algum controlo sobre a Ucrânia. Medvedchuk e o seu partido (Escolha da Ucrânia) garante-lhe esse controlo

Jonatan Souza disse...

http://apaginavermelha.blogspot.com/2014/07/mundo-quem-abandona-novorrussia-tambem.html?m=1

Pippo disse...

Pormenores da "libertação de Slavyansk:

Note-se a cena em que um soldado diz a um habitante que "espere mais uns dias" pelo reabastecimento de água (que havia sido cortada pelo exército ucraniano), tendo ainda a lata de lhe atirar à cara que "perdeu amigos" pela captura da cidade da qual é agora um ocupante;
Note-se também a cena em que soldados, em pleno gozo, dizem que os habitantes "agradeceram a sua libertação" e depois riem-se que nem uns perdidos;
E note-se a forma como a cidade foi "libertada": a tiros de artilharia.

https://www.youtube.com/watch?v=sMBvMuuTOWU

Astromac disse...

Para os fanáticos como o Jonatan Souza e outros que acreditam em toda a propaganda russa e debitam links duvidosos, o Examiner publicou várias listas das maiores mentiras russas na crise da Ucrânia. Com provas gráficas da manipulação de imagens. Bastante esclarecedor:

http://www.examiner.com/list/russia-s-top-20-lies-about-ukraine

http://www.examiner.com/list/russia-s-top-40-lies-about-ukraine

http://www.examiner.com/list/russia-s-top-60-lies-about-ukraine

Talvez os ajude a mudar de opinião (embora, tendo em conta as provas dadas até agora, duvido muito).

O irónico da situação é que muitas das imagens gráficas usadas pelos media russos para impressionar, na verdade não originaram na Ucrânia mas sim em regiões da Rússia ou antiga URSS, o grande paraíso na Terra.