segunda-feira, dezembro 18, 2006

Centenário do nascimento de Leonid Brejnev



Amanhã, "toda a Humanidade progressista" (como se dizia nos anos 80 do séc. XX) celebra o centenário do nascimento de Leonid Brejnev, Secretário-Geral do Partido Comunista da União Soviética e Presidente do Presidium do Soviete Supremo da URSS, cavaleiro da Ordem da Vitória, três vezes Herói do Trabalho Socialista, duas vezes Herói da URSS, etc., etc., etc.
Publico abaixo um texto sobre o acontecimento, mas não seria mau que alguns leitores do blog, que viveram na época de Brejnev, enviassem memórias e recordações sobre a sua experiência na URSS durante esse período...
"Na véspera do centenário de Leonid Brejnev, antigo Secretário-Geral do Partido Comunista e Presidente do Soviete Supremo da União Soviética, um estudo da Fundação Opinião Pública mostra que a maioria dos russos considera essa época (1964-1982) “tempos de bem estar”.
Essa é a opinião de 61% dos respondentes e apenas 17% recordam-na como “negativa”. Entre pessoas com idades compreendidas entre 36 e 54 anos, a avaliação positiva da época de Brejnev sobe para 75%.
Mesmo entre os jovens russos (até aos 35 anos), a maioria (35%) dá nota positiva a esse período do regime comunista, enquanto 20% o consideram negativo.
Quanto ao papel desempenhado pelo antigo dirigente comunista na história da URSS, 50% consideram que “Brejnev desempenhou um papel”, enquanto que 16% têm opinião contrária.
Porém, a maioria (42%) responde negativamente à pergunta : “Gostaria de fazer regressar o país ao período histórico em que ele foi dirigido por Brejnev, com todos os aspectos e particularidades distintivas da vida desse período?”, enquanto que 36% se mostraram dispostos a entrar na “máquina do tempo”.
Segundo este estudo, a maioria dos saudosistas da “época de Brejnev” vive na província russa.
O centenário do nascimento de Leonid Brejnev, que se assinala a 19 de Novembro na Ucrânia (onde nasceu) e na Rússia (onde governou), está a ser marcado pela publicação de numerosos artigos e filmes documentários sobre a vida e a obra desse dirigente comunista.
Por um lado, sublinha-se que, nessa época, a URSS atingiu o auge do seu poderio a nível global, conseguiu a paridade militar com os Estados Unidos, a supremacia no desbravamento do Espaço.
Por outro lado, chama-se a atenção para o facto de Brejnev não ter sabido utilizar esses factores, bem como as divisas ganhas com a exportação de petróleo soviético nos anos 70 do séc. XX, para dar um grande salto na modernização da economia e indústria soviéticas.
“Os tempos de Brejnev foram a idade do ouro se não de toda a história russa, pelo menos do seu período soviético” – considera Vitali Tretiakov, redactor principal do semanário Moskovskie Novosti, assinalando, porém, que “ele não foi capaz de fazer avançar bruscamente o país ou de fazer uma manobra civilizacional e ideológica brusca, nem de voltar para trás”.
“Líder sem consciência do passado e muito menos sem visão do futuro, ou seja, não tinha nada de líder” – conclui Tretiakov.

3 comentários:

Miguel Borges disse...

Caro José, não tenho consciência formada pois nasci em 74, mas acho que foi final do consulado de Brejnev que se deu a agonização das condições socio-economicas da população soviética? Não foi com ele que se invadiu o Afeganistão no dia de natal de 1979? contribuindo para o isolamento internacional da US? Não foi por essa altura que reapareceram as filas e o racionamento nas lojas?

Jose Milhazes disse...

Caro Miguel, foi efectivamente na "era Brejnev" que a URSS se meteu na aventura do Afeganistão, que não soube aproveitar correctamente os dólares ganhos com o petróleo, não soube fazer a revolução tecnológica. Pode parecer um pouco paradoxal ou até absurda a seguinte afirmação, mas considero que, em grande parte, o comunismo ruiu porque sabia fazer foguetões e naves espaciais, quebra-gelos e mísseis, etc., mas não conseguia produzir fraldas de papel para crianças, pensos higiénicos para senhoras, pílulas... Quanto às filas e o racionamento nas lojas, esses fenómenos foram uma constante do regime comunista (1917-1991). Na "era de Brejnev" apareceu alguma coisinha mais, principalmente em Moscovo e durante acontecimentos como os Jogos Olímpicos de 1980.
A nostalgia por essa época (penso eu)talvez se deva ao facto de ela coincidir com a juventude de muita gente, e também com a minha. Eu cheguei a Moscovo em 1977, no auge do "brejnevismo"...

Sofocleto disse...

«foi efectivamente na "era Brejnev" que a URSS se meteu na aventura do Afeganistão»

Nas palavras de Zbigniew Brzezinski, no seu livro The Grand Chessboard:

"... pode considerar-se mais difícil moldar um consenso [na América] sobre questões de política externa, excepto nas circunstâncias de uma ameaça externa directa verdadeiramente maciça e amplamente percebida".

Zbigniew Brzezinski, que foi Conselheiro de Segurança Nacional do presidente Jimmy Carter, foi um dos arquitectos chave da rede Al-Qaeda, criada pela CIA para o assalto aos soviéticos na guerra afegã (1979-1989).