sábado, agosto 30, 2008

Assassinato com consequências imprevisíveis para o Cáucaso


Magomed Evloev, proprietário do jornal electrónico independente Inguchétia.ru, foi assassinado depois de ter sido detido pela polícia no aeroporto de Margas, Inguchétia, noticiou a rádio Eco de Moscovo citando fontes da redacção do jornal.

Segundo a Eco de Moscovo, Evloev, um dos mais fortes e influentes adversários de Murat Ziazikov, Presidente da Inguchétia, república caucasiana da Federação da Rússia, voou no mesmo avião do dirigente inguche e foi detido após o aparelho ter aterrado no aeroporto de Margas, capital dessa república.

“Murat Ziazikov foi recebido pela sua comitiva e, depois, um grupo dirigido pelo ministro do Interior da Inguchétia, deteve Evloev quando este descia as escadas do avião”, relatou a fonte da Eco de Moscovo.

Segundo essa fonte, “foram feitos disparos de aviso na direcção das pernas”.

A agência Ria-Novosti informou que Evloev foi transportado em estado grave para um dos hospitais da capital inguche, mas os médicos nada puderam fazer.

Segundo essa agência, uma das balas disparadas atingiu-o na cabeça.

Evloev era um dos adversários políticos mais fortes do presidente da Inguchétia, Murat Ziazikov, antigo general dos serviços secretos soviéticos e russos.

O sítio electrónico Inguchétia.ru era praticamente o único órgão de informação independente dessa república vizinha da Tchetchénia e acusava Ziazikov de “estar por detrás do rapto e desaparecimento de adversários políticos” e de “estar a empurrar a Inguchétia para a guerra civil”.

O Tribunal da Cidade de Moscovo ordenou o encerramento do jornal electrónico, acusando-o de “publicar matérias de cariz extremista”.

A redactora-chefe, Rosa Malsagova, viu-se obrigada a fugir da Rússia e a pedir refúgio político em França.

O assassinato de Evloev pode desestabilizar ainda mais a situação na Inguchétia, onde actua uma forte guerrilha independentista, muito activa nos últimos meses.

7 comentários:

Anónimo disse...

Acho engraçado alguns que falam que as repúblicas bálticas e outras ex-repúblicas soviéticas como a Ucrânia deveriam agradecer à Rússia.

É como se uma mulher(essas repúblicas) que foi salva de ser assassinada(pela Alemanha Nazista) por um "herói"(a Rússia)devesse aceitar o estupro sistemático por 50 anos (os anos de dominação soviética) com agradecimento ao ato heróico.

GLÓRIA

sérgio disse...

O Regime Russo está mesmo a endurecer a sua forma de manter o controlo das coisa. Se dúvidas ainda haviam, como continuar a acreditar na Rússia ao comportar-se desta forma.

Catarina Costa disse...

Sobre este assunto o que tenho a dizer já foi expresso em relação ao post sobre a jornalista,opinião que se aplica a todos sejam jornalistas,adversários politicos,ou cidadãos descontentes.

mentesã disse...

O KGB em actividade. A russia está a trilhar o caminho que sempre foi o seu. ASSASSINAR tudo que mexa nos seus interesses.
Este povo pelo seu passado e historio nunca irá mudar. Arrogante, prepotente,complexado e rude.Aqui a democracia ocidental não funciona. O povo gosta de mão pesado e de andar acorrentado.É o seu destino.

Anónimo disse...

Mentesã

Com o devido respeito, isso são frases feitas que se aplicam a qualquer sítio no mundo.

Lotz

Pippo disse...

Aqui mata-se, noutros países conduzem-se os indesejados ao desemprego e à miséria...

Maquiavel disse...

Pippo, mas eis aí o cerne da questäo!

Ainda há pouco vi um documentário acerca dos "boca na botija" das agências governamentais canadianas e americanas que foram a tribunal denunciar as tentativas de corrupçäo aberta da Monsanto para fazer passar legislaçäo pro-transgénicos (assunto muito mais importante que pseudo-estados)... após prova de que tinham razäo, foram todos *corridos*, assim como professores universitários que lideravam investigaçäo que descobriu os efeitos perniciosos dos trangénicos.
Qual é a diferença entre isto e um tiro na tola?

Hipocrisia... zinha!