quinta-feira, agosto 14, 2008

Quem vai ganhar com um novo confronto entre a Rússia e os Estados Unidos ?



Comentário escrito por mim para Sic.pt

Mikhail Saakachvili, Presidente da Geórgia, assinou o plano de paz Medvedev-Sarkozy - que os órgãos de informação russos pró-Kremlin afirmam ter sido “elaborado por Dmitri Medvedev com a contribuição de Nicolas Sarkozy” -, exemplo que deverá seguido pelo dirigente do Kremlin.
O documento poderá, no máximo, voltar a congelar o conflito entre a Geórgia e a Rússia pelo controlo da Abkházia e da Ossétia do Sul, mas não servirá de base para resolver os problemas acumulados no “barril de pólvora” em que se transformou o Cáucaso.
Por isso, o combate entre os Estados Unidos e a Rússia vai continuar, desconhecendo-se, por enquanto, até onde poderá chegar. A julgar pela História, o despique poderá ir até ao ponto em que chegou durante a Crise das Caraíbas, em 1961. Na altura, Washington e Moscovo decidiram dar “marcha atrás” nas ameaças quando só faltava recorrer a armas nucleares, o que ameaçava por um ponto final na Humanidade.
Partindo do princípio, cada vez mais evidente, de que os Estados Unidos não conseguem realizar a sua política de “unipolaridade”, o confronto com a Rússia poderá não só dar origem a uma “multipolaridade”, mas também esgotar a força dos participantes da contenda, permitindo assim o reforço de outros “jogadores no xadrez mundial”.
Isto traz à memória a política do presidente chinês Mao, que era representada por uma luta entre dois tigres, enquanto que o macaco esperava, no cimo de uma árvore, o resultado do combate.
Salvo a guerra entre a China e o Vietname, nos anos 80 do século passado, Pequim não se envolveu em confrontos militares que a desviasse do objectivo da modernização do país. Ao contrário de Moscovo na Tchetchénia, os dirigentes chineses não esmagaram pela força das armas Taiwan, Macau e Hong-Kong, antes esperou (nos casos de Macau e Hong-Kong) e espera pacientemente (no que respeita ao Taiwan) do momento em que os problemas tenham solução pacífica.
Porém, os problemas étnicos no interior da China e a capacidade do Partido Comunista Chinês de controlar “a construção do capitalismo sob a capa do comunismo” são duas ameaças ao reforço desse país no campo internacional.
Um parêntesis em tempo de Jogos Olímpicos: a União Soviética ruiu cinco anos depois das Olímpiadas de Moscovo, mas isso pode não ter passado de uma coincidência.
Quanto à União Europeia, não se pode esperar muito dela, pois faz lembrar cada vez mais uma velha nobre, com as mãos carregadas de anéis cada vez menos valiosos, que pretende gozar uma “reforma calma e feliz”.
Só um forte abanão externo ou as “garotices” dos novos países da UE, ou seja, aquelas que estiveram na órbita soviética, poderão fazer a velha voltar à cruel realidade.
Moscovo volta a olhar o Velho Continente como mais um campo de batalha com os Estados Unidos, considerando que a velha nobre não pode viver sem gás para se aquecer e sem petróleo para o seu carro .
“Hoje, tem lugar uma pressão monstruosa, louca dos EUA nos governos da Europa e na direcção da União Europeia. A Rússia, no fundo, combate contra a América pela Europa”, considera Gleb Pavlovski, politólogo pró-Kremlin.
Esperemos só que o Kremlin não comece a distribuir passaportes russos entre os cidadãos da UE, como fez na Abkházia e na Ossétia do Sul, e depois envie tropas para os proteger.
Delírio louco! Talvez, mas o mundo dá cada volta...

33 comentários:

Fernanda Valente disse...

Esta é uma óptima análise do que se está a passar na região do Cáucaso.

Dalila disse...

Ninguem pode ganhar com um confronto destas duas potencias nucleares,nem eles nem os restantes seres humanos deste Mundo.Os paises da UE tem de ter uma politica própria e não alinhar com qualquer dos lados,e tentar resolver pela via diplomática os diferendos e nunca apoiar este despique que não tras nenhum beneficio aos povos europeus,russos e americano.A pretensão de um Mundo unipolar só pode caber na cabecinha de gente incapaz de perceber que no Mundo de hoje vão surgindo potencias regionais que tem de ser levadas em linha de conta,temos a China,a India,o Brasil.

Anónimo disse...

Lá que é um confronto absurdo é, mas quem começou foi o Presidente da Geórgia. Quanto à piadinha da distribuição de passaportes russos aos cidadão europeus, é de tão baixo nível que nem parece vinda do José Milhazes. Como o José sabe muito bem, esses passaportes são facultados aos cidadãos das ex républicas da URSS e são os cidadãos que os solicitam, tenho vários amigos de diversas nacionalidades da ex URSS que têm dupla nacionalidade sendo que, uma é a da républica de origem e a outra é Russa, todos eles pediram essa dupla nacionalidade e foi-lhes concedida. Por outro lado, tenho uma amiga Ucraniana que também pediu a nacionalidade russa mas esta não lhe foi concedida. Há varias pessoas que graças à sua dupla nacionalidade conseguiram fugir à máfia na Ucrânia, uma dessas pessoas viu o pai e a mãe morrerem às mãos da máfia e foi graças à sua dupla nacionalidade que consegiu sobreviver.

Diana Patricia disse...

Fala da Europa mais precisamente da UE como se fosse uma entidade que como diz o povo é uma Maria vai com as outras.As suas desconfianças em relação á Rússia parece não ser compartilhada pelos Dirigentes da UE.Não sei se gostaria que a UE e os EUA pegassem em armas para combater a temivel Rússia.A UE não está á venda nem em leilão portanto tem a sua posição própia sobre este conflito.Talvez que esta posição não seja do agrado do Presidente da Geórgia,mas eles nem a UE pertencem e se alguem lhes fez promessas de apoio nesta aventura que levou a cabo não foi a UE de certeza.Não lhe parece estranho que os dirigentes europeus e até o 1º ministro da Turquia tenham ido a Moscovo e á Geórgia e que a enviada dos EUA só tenha ido á Geórgia.

Jose Milhazes disse...

Caro leitor anónimo, a Rússia distribui a molhos passaportes na Ossétia do Sul e da Abkházia, mas vá perguntar aos russos que vivem na Turcoménia e passaram e passam por grandes dificuldades se a eles lhes foi concedida a cidadania russa. Pergunte a muitos outros russos que vivem fora da Rússia se é fácil ou não receber a cidadania russa.

Nuno Bento disse...

Em tempo de paz, a Rússia dos negócios pôs um pé no mercado energético europeu, açambarcou a industria da siderurgia americana, fez projectos de fabricas de GNL para fornecer os EUA, ameaçava encaminhar o gás para a China e para o Japão para limitar a diversificação energética da UE ... Ao mesmo tempo, o mundo politico perdia influência com a CEI e via a ameaça dos misseis e das tropas da NATO mais perto de Moscovo. Um pé atrás nos negócios, dois à frente no poder? (Parabéns ao J.Milhazes pelo esforço continuado para nos dar as novas mais frescas "Da Russia".)

Pippo disse...

Caro José, é natural que os russos da Turcoménia não recebessem passaportes russos. O regime do Saparmurat Niazov era dos mais fechados do mundo, só comparável ao da Coreia do Norte, e o programa de "turcomenização" da população do país impunha, entre outras coisas, uma educação turcomena para todos, independentemente da sua origem étnica. Até as crianças russas eram obrigadas a ir para a escola vestidas com trajes tradicionais turcomanos.
Quanto à comparação entre a actuação da Rússia e da China no que diz respeito aos movimentos separatistas, tem razão, de facto a Chechénia foi destruída, ao passo que Hong Kong e Macau não o foram. Mas as situações nem sequer são comparáveis, e o José sabe disso.
Mas temos mais: Taiwan ainda é independente, com o apoio norte-americano, e não se sabe como a situação acabará. Se calhar ainda teremos uma bela guerra no Estreito da Formosa. E já agora, digo-lhe que a população taiwanesa original já quase não existe, foi devidamente "limpa" pelos chineses do continente.
Mas agora vamos ao outro grande termo de comparação com a Chechénia: o Tibete. No Tibete, ao conrário da Chechénia, não vivem guerrilheiros fanáticos que decapitam prisioneiros de guerra em frente a câmaras de vídeo (lembra-lhe algo?); no Tibete não há criminalidade ligada ao tráfico de droga; do Tibete não saem terroristas que vão para o Afeganistão ou para o Iraque. E contudo, no Tibete assiste-se a um genocídio que dura desde 1959.
A autora do morticínio? Não, não é a malandra da Rússia, é a pacífica China, que pacificamente caminha para o progresso.
E por fim, posso dizer-lhe que ainda não começamos a assistir à novela do Xinjiang Uigur. Aí a coisas irão aquecer. Os conflitos étnico-religiosos já têm mais de um século e mais cedo ou mais tarde os chineses Han irão tratar da saúde aos turcos uigures, com o Cazaquistão e a Rússia a assistirem de bancada.

Pippo disse...

Mas quanto aos ganhadores deste e dos outros confrontos EUA vs Rússia, sem dúvida que o principal beneficiário vai ser a China, que sem se envolver em confrontos sérios (pelo menos para já) se atarefa a construir o seu império económico, apesar de já estar a enfrentar dificuldades ao nível energético, ambiental e social.
A China já controla todo o comércio do SE asiático, e a Ásia está a consumir cada vez mais hidrocarbonetos. A China já tem vários consórcios de exploração e transporte de petróleo na Ásia Central e não me expantaria que ela conseguisse arrancar um pedaço do bolo no Cáspio.

A intervenção norte-americana na Geórgia tornou este país numa ameaça, e só a sua neutralização a pode defender. Ora, a UE, que poderia ser a principal beneficiária do conflito osseto-georgiano, não tem capacidade para preencher o vácuo de apoio e confiança deixado pelos EUA e tornar a Geórgia num país neutral relativamente à Rússia, tomando desta forma o controlo do petróleo que passa pelo país. Isto deve-se, entre outras coisas, ao facto da UE ser formada por vários países, ao contrário da Rússia ou dos EUA, e pelo acto da UE ainda não se ter sequer definido no plano interno. A UE não sabe se é uma união económica ou política; se uma nião, uma federação ou uma confederação; se um "clube cristão" ou um clube "for all"... Com tais indefinições, como pode ela ter uma política extarna comum e consequente?

sérgio disse...

A China será em poucos anos a primeira potencia economica mundial, se conseguir criar à sua volta uma esfera de influencia constituida por países que fazem parte da ASEAN, Coreia e Japão, estarão reunidas todas as condições para que o dominio mundial em todos os aspectos passe a ser daquela parte do mundo. O Ocidente só terá uma alternativa, se quiser manter o seu status quo, terá de reforçar ainda mais a sua interligação e cooperação, constituindo-se como o primeiro pilar do Ocidente a UE, em segundo a América do Norte e poderá a América Latina vir a constituir o terceiro, se lhe derem oportunidade para isso. A Rússia em termos de dimensão não conseguirá competir com nenhuma destas potencias, nem sequer a própria CEI. Será interessante ver qual vai ser a solução que irá procurar encontrar para evitar a perda de influencia. Como é um país euro-asiatico à partida nehuma das alianças referidas lhe estará vedada. No entanto a aproximação á UE e ao bloco Ocidental poderá significar o ter uma menor influencia sobre os países da Asia Central, para além de poder existir uma certa oposição por parte dos EUA. A preferencia pelo Bloco Asiático para além de lhe permitir manter a influencia sobre esses países, será mais fácil, e não lhe serão levantados tantos problemas como o respeito pela democracia, etc. No entanto penso que a própria Rússia terá receio desta opção ao ficar tão dependente de um gigante como a China e com apetites tão vorazes, capazes de devorar a imensidão das estepes Russas se assim lhe permitissem. Poderá ainda existir uma terceira alternativa que é a zona de influencia da India, oferecendo esta no entanto menores garantias já que a SAARC tem-se revelado muito incipiente e muito mais atrasada no seu desenvolvimento, mas não deixa de ser uma alternativa. Acho que com a globalização da economia a tendencia será o concentrar das energias e esforços e surgirem players com uma dimensão maior, até porque será necessário adquirir dimensão para partir para a próxima etapa da humanidade, a aventura espacial.

Luis S disse...

Caro José Milhazes: não terão sido os EUA com o seu cerco, que montaram desde os 90s (escudo anti-míssil, Kosovo, etc) que terão criado a ameaçadora Rússia de hoje? Se o cerco não tivesse sido feito, não haveria uma Rússia menos paranóica e mais colaborante? O José Milhazes deve saber isso melhor que ninguém. Deve ser um inferno para si, ser tão anti-Rússia e viver lá grandes períodos de tempo. Cumpts

Luis S disse...

Esqueci-me do principal: Ganham a China, o Irão e Shaakasvili(neste caso concreto), que como qualquer arruaceiro, vive de ter as atenções focadas em si próprio

Anónimo disse...

Sem duvida nenhuma que os EUA ganharam este confronto nao so conseguiram isolar a Russia internacionalmente como ainda ja assinaram o acordo com a Polonia para a instalaçao dos misseis interceptores. So lamento que a UE nao tenha uma resposta firme na situaçao do Caucaso e tenham que vir os Americanos, que em vez de pacificarem a situaçao mandam mais achas para a fogueira. P.S porque nao foi a senhora Rice aos dois países em conflito???

José disse...

Boas!
Pode ter havido um "erro de avaliação" por parte de Saakashvili - chamemos-lhe assim, eufemisticamente - ao atacar a Geórgia, mas não terá ele sido iludido e mordido um isco?! É que a reacção mostra nitidamente que havia plano para ir mais além do que simples protecção de concidadãos russos...
Quanto a alguém ganhar, se chegarmos a vias de facto, perdem os dois, mas creio que isso não acontecerá por duas razões: (i) os EUA estão a contar espingardas e já se deram conta que estas estão curtas; (ii) Obama vai entrar em cena em Nov. próximo daí que creio que os ânimos irão arrefecer.
Como não chegam a vias de facto, a China vai amealhando pontos... Mas não subestimemos o efeito JO Pequim, pois depois de saborear esta abertura - ainda que "musculada" - ao ocidente, a estrutura é capaz de tremer...
PS - É imperioso alcançar alternativas energéticas credíveis e limpas pra ontem!!! É que quando colocamos uma montanha de dinheiro nas mãos de um individuo novo-rico, os efeitos podem não os mais desejados! Transportemos isso para nações e temos uma mistura explosiva!!

Range-o-Dente disse...

"Quanto à União Europeia, não se pode esperar muito dela, pois faz lembrar cada vez mais uma velha nobre, com as mãos carregadas de anéis cada vez menos valiosos, que pretende gozar uma “reforma calma e feliz”.
Só um forte abanão externo ou as “garotices” dos novos países da UE, ou seja, aquelas que estiveram na órbita soviética, poderão fazer a velha voltar à cruel realidade."

Muito bem.

"mas vá perguntar aos russos que vivem na Turcoménia e passaram e passam por grandes dificuldades se a eles lhes foi concedida a cidadania russa."

Explique um pouco mais, por favor.

"PS - É imperioso alcançar alternativas energéticas credíveis e limpas pra ontem!!!"

Não conte com isso.

Talvez por aqui ...
http://en.wikipedia.org/wiki/Tokamak

Chapelada,

.

Anónimo disse...

é extremamente, mas extremamente interessante a análise que faz deste caso. revela uma argucia incrivel da sua parte mui respeitável José milhazes. observação tão sintética, objectiva e até premonitória.
concordo plenamente que a china é o macaco em cima da arvore, á espera que a russia e a américa se consumam no seu afã insano de querer comandar o mundo.
é muito importante dizer que a tradição chinesa é muito paciente e cinica por natureza. não está no adn chinês, responder a desafios de uma forma imprudente. antes esperar com a infinita paciência confuciana, o melhor momento de agir.
Na minha opinião a china vai agir, mas agirá quando souber totalmente da certeza do sucesso absoluto dessa mesma acção.
os chineses até psicológicamente pertencem a uma outra estirpe: refinada, calculista, sobria e oportunista.
dizem até que o grande dragão irá acordar, mas isso veremos.
Talvez o mundo devesse preocupar-se muito mais com a china do que aquilo que se preocupa com a Russia.
tenho dito.

Anónimo disse...

"estamos agindo desta maneira a fim de proteger cidadãos falantes de nossa língua que residem em território estrangeiro". Medvedev para justificar a invasão da Geórgia? Não, Adolf Hitler para justificar as invasões da Tchecoslováquia em 1938 e da Polônia em 1939.

Anónimo disse...

Coitada da UE, rica e sem voz nesse mundo. Foi patético a interferência do Sarko e da Merkel nesse conflito. Por isso que alguns de seus países, como a Polonia, estão buscando outros aliados. Porque se é para depender dos aliados europeus para ajuda em caso de conflito militar...bye bye

Tânia

Anónimo disse...

Acho sinceramente que tudo é culpa dos USA, tem imensos problemas em casa e vai andar pela rua a arranjar problema na casa dos outros vizinhos, que estende-se pelo bairro a fora! se o Bush sossegar o rabo em casa, o mundo cresce e desenvolve muito bem! a russia tava quieta! já o Bush, com a mania do mundo livre! fica arranjando guerra aqui e ali e depois tem que ser a UE a enviar tropinhas pra aqui e pra ali! ou seja ele inventa o problema e depois temos que ir lá resolver! e o unico que tem coragem pra mandar os USA calarem a boca é e Russia! acho muito bem! se os USA tratassem da casa deles! mas.... querem se meter no mundo inteiro! não podemos ser nós próprios, nem a frança, nem alemanha, nem Ukrania, nem georgia! se ela resolveu invadir ela que resolva! ja reparou que quando há um conflito em qualquer parte do mundo; se não tiver petroleo os USA fingem que nem conhecem e não sabiam de nada! mas... quando há Pipeline lá estão eles e defender o "mundo livre"! será que niguem percebeu que o Bush inventa guerra! olha o Irak, até hoje não resolveu nada! Todos o dias estoura um carro ou uma coisa qualquer! Osama Bim Laden, virou lenda! e agora quer confusão onde não ha! a Europa finalemnte esta em paz e unida! e o Bush vai trazer a guerra pro centro da europa! Lógigo! o euro vem a valorizar-se perante ao dolar a china em 10 anos terá o PIB dos USA. se criar instabilidade na europa os USA conseguem manter a supeioridade! basta abrir os olhos e verão que o Bush não Vale nada!

Rogerio disse...

Vamos lá reflitamos, pensemos bem e façamos uma análise real da situação global!!!! O mundo tem sido palco de políticas "expansionistas" seja por força ou dominação branca... Nesse cenário temos o G7, reconhecidamente os países mais desenvolvidos e industrializados, mais um (+ 1), a temida Rússia. Ora, este Estado não está envolvido nas relações com aqueles à toa... convenhamos, a Rússia, integrante inquestionavelmente do famoso BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), apenas possui tamanhconsideração nesse palco por sua infuência política, advinda especialmente dos "petrodólares" e depois por adotar uma postura arrojada frente às verdaeiras potências, diferentemente do Brasil... Portanto, se temos ainda um equilíbrio internacional isto dá-se somente por conta da Rússia com sua postura internacional, principalmente frente aos EUA que, "cá entre nós", bem que queria o fim desse poderio bélico e econômico russo, só para poder, de fato, "dominar o mundo com sua onipotência", como queiram os americanos... Basta ver o conflito do Iraque a pouco tempo atrás, antecedido pela ofensiva no Afeganistão, em Kosovo, etc... Os americanos gostam muito de sua política de força e dominação e obviamente não é nada confortável ter alguém que venha a se opor, com a mesma força, à suas pretensões... No linguajar popular dizemos: "A Rússia dá dentro com os EUA", afinal é a única potência que realmente "BOTA A CARA"... e os EUA "TÊM MÓ CAGAÇO DOS RUSSOS"... Concluindo, realmente na situação mundial temos de ter a Rússia como um mal necessário... EUA x RÚSSIA... lembrem-se... "todo super-herói precisa de um super-vilão"... e quem é quem nessa história???

Rogerio disse...

Quanto à história do macaco na árvore... acho que o argumento é procedente!!!

Realmente é imperioso reconhecer que países como China, que assim como a Rússia, já adotou discursos contra os Escudos Antimísseis e radares, e outros como Índia, Coréia do Norte entre outros inimigos ocultos dos EUA, venham a esperar uma boa oportunidade para "dar o bote"...

Analisemos o cenário mundial mais uma vez... O governo americano adota uma política ofensiva sob argumento de "proteção da democracia", almejando criar um mundo único, mas não gosta que ninguém venha a se meter na tendenciosa "american life", hoje decadente!!!

Acho que o quer devemos evitar são governos, quaisquer sejam, que mascarem-se sob falsos pretextos... tanto Rússia, como EUA, etc...

O Nazismo se fundou na purificação humana!!! Hitler queria um mundo melhor por isso fez o que fez... para suas leis, como vigorava o positivismo,não fez nada ilegal...

Não podemos é admitir isso... a realidade é que não podemos legitimar "ações humanitárias evolutivas" que se fundem em "purificação pelo fogo"!!!!

Enquanto isso não mudar sempre haverá um EUA e uma RÚSSIA... Uma China... um Hitler....

Lembremos que o Nazismo se difundiu muito devido às atrocidades da 1ª guerra e às fortes sanções de toda espécie que a Alemanha sofreu por conta da derrota!!! Tempos depois... 2ª Guerra...

Políticas imperialistas só geram reações revolucionárias e sangrentas....

Anónimo disse...

Não é possível! será que niguem percebeu ainda que os USA querem tudo a maneira deles! e usam os países mais fracos pra isso! o problema é que niguem tem coragem de peitar os USA e dizem para se meterm na própria vida! e ainda bem que a RUSSIA assim o faz! o Kosovo era do interesse dos USA e rapidamente é reconhecido! a Ossétia ja esta nesta luta a mais de 10 anos e os USA faz de tudo para não ser reconhecida! Isso é birra dos USA, que ainda não engoliu os mísseis terem estado em cuba até hoje! Os USA com a ídéia de mundo livre tira aliberdade de todos, há base militar americana no mundo inteiro! As pessoas ja estão a ver que aonde se metem os USA acabam em guerra e nunca terminam, enquanto houver petróleo claro! Sem contar que a Europa tava quieta e o Bush quer trazer a guerra pro centro da europa! desestabilizar a europa é uma golpe de mestre! mas precisamos é de algum lider que diga pros USA voltarem pra casa e cuidar da vida deles!!

MARCELO cpmarcelo@msn.com

Anónimo disse...

Milhazes,
Passa-me o endereço da "parikhmaterskaya" onde você corta os cabelos. Ou é segredo?
sds
ALMIR

Anónimo disse...

Acho que os Americanos podem tudo, e sempre recebem o apoio de todos. Muito interessante. Os Estados unidos promoveram 178 guerras ou invasões de nações soberanas, possui bases militares em 130 países. Só na África incentivou 11 guerras, resultando na morte de 14 milhões de pessoas. Até hoje foi o único país a utilizar armas nucleares contra outra nação, e o motivo não foi para por fim à guerra com o Japão, mas sim para intimidar a União Soviética. Desde o desmantelamento da União Soviética os Estados Unidos vem pressionando a Rússia, com o consentimento do então Presidente Boris Ieltsin, começaram a desmontar e destruir equipamentos, aviões, veículos militares etc... É inacreditável que o Presidente de uma nação do calibre da Rússia tenha se prestado a este papel. Tenho absoluta certeza que qualquer um dos presentes neste blog se sentiria extremamente ofendido se isto ocorresse em seu país, caso já tenha ocorrido sabe qual é a sensação. Mas vamos agir com justiça, pois independente dos motivos e das manipulações o certo é que a Geórgia atacou primeiro e violou um acordo que já existia, se os Russos responderam imediatamente e pegou Saakashvili com as calças na mão, isto é problema dele que contou com cartas que achou que tinha na manga. Provavelmente achava que teria apoio da NATO e não teve. Portanto em uma análise singular o culpado pelo conflito em questão é o Presidente da Geórgia, mas o grande culpado para a situação ter se desdobrado em uma guerra, é o Estados Unidos que a dezoito anos vem promovendo um cerco à Rússia, avançando a presença da NATO, cada vez mais perto das fronteiras Russas no leste Europeu, Ásia Central e agora no Cáucaso; ora senhores isso é bastante claro, não precisa ser cientista político ou observador militar para enxergar este cerco e consequentemente o seu objetivo primordial que é sufocar e isolar a Rússia. Agora se ficarmos revivendo no século XXI, todos os sentimentos em relação às atrocidades cometidas por diversos governos de diversas nações no passado século XX ou XIX, então vamos convocar os Judeus contra a Alemanha, pois o Holocausto ocorreu a apenas 63 anos, vamos lutar pela independência da Irlanda e sua reunificação, ou o massacre em 1916 ficou esquecido pelos Irlandeses? E os anos de dominação sobre a Escócia? E o Tibete? Os japoneses já se desculparam pela Mandchuria? E Granada? E o Panamá? E Mailai no Vietnã? E o bombardeio de Beirute pela Marinha Americana em 1982. E invasão do Iraque sob falsas acusações? E o Afeganistão? Tenho um a boa solução para tudo isso. Basta os Estados Unidos retirarem suas 130 bases espalhadas pelo mundo, sairem dos países que ocupam, deixarem de querer impor seus subsídios e protecionismos comerciais no mercado internacional, permitindo que muitos países saiam da linha da pobreza e consigam viver com dignidade que provavelmente teremos um mundo melhor. Agora se eles continuarem achando que podem interferir e mandar aonde quiserem, sinceramente prefiro que a Rússia continue sendo uma potência com condições de enfrentá-lo, porque a Humanidade não precisa de outra Roma em sua História.

Rogerio disse...

Primeiramente venho aqui mostrar minha real exultação por este debate tão gsotoso que estamos aqui desenvolvendo... tenho lido outrops comentários e gostaria de parabeniza-los... Fico bastante feliz por saber que ainda temos exímios pensadores e formadores de opinião aqui!!! A galera tá de parabéns.. são verdadeiros multiplicadores!!!!

Então... Gostei bastante dos comentários de nossos amigops anônimos!!! Estão desenvolvendo mutio bem a argumentação... mas vamos lá!!!

O conflito entre a Rússia e a OTAN está cada vez mais evidente. O ataque à Geórgia é uma maneira dos russos mostrarem aos membros daquele organismo internacional que está falando sério quanto à sua insatisfação no que tange os radares e escudos anti-mísseis que supostamente os EUA venham a instalar nos países fronteiríços ao Kremlim. Não é pra menos não é? Os americanos adotam uma política de força, um neo-expansionismo, quase um imperialismo sob o argumento de proteção à Democracia mundial, mas é notório que suas reais intenções não são nada daquilo que pregam.
Querem sim, serem os únicos a influenciar e dominar o mundo... o Bush até parece o "cérebro" e a OTAN, nada menos que o Pink (daquele desenho da Waner Bros)!!! Ora, realmente deve ser muito desconfortável ser uma super-potência, arrogante e prepotente com seu orgulho patriótico, vendo a realidade surgir como uma ilha no meio do oceano e pondo em xeque todas suas expectativas... Os EUA estão em mais uma recessão e sua política ofensiva é a maior prova de que nem eles mesmos estão acreditando no próprio potencial... Estão desesperados, Washington mais do que ninguém sabe que a situação tem ficado estreita, os russos não aceitam interferência em sua política interna, não é pra menos, é um país soberano... E pior, agora vem a Rússia, uma espécie de "traficante temido", por isso respeitado, mostrar que aquilo que os americanos fizeram no Iraque, também são capazes de fazer, aliás aidna mais... Não temem os EUA, a UE ou mesmo a OTAN... A ex-républica soviética tem o poder de barganha, possui material bélico suficiente, a Europa precisa de sua ajuda como fonte de energia... Bom, acho melhor os EUA pararem por aí suas ofensas e seu expansionismo... melhor olhar pra casa porque aqui perto temos o Chaves e os Castros!!!

Bom é lembra que a Rússia avisou e ninguém escutou... o que aconteceu? Moscou denunciou o pacto da FCE (Forças Convencionais da Europa), antes assinado por Gobachov!!! Quer mais??? Avsou que não toleraria que a Geórgia viesse a utilizar de força para submeter a região do Cáucaso!!!

Os americanos fizeram muitas atrocidades com o Iraque, afeganistão, etc... ninguém lembra!!! Chega a ser irônico... a política de força e imposição americana parece até brincadeira!!! Eles é que tem gerado as maiores instabilidades políticas no mundo... agora jogam a culpa em Moscou... Tenho que re-citar o que já disse e concordar com o nobre colega anônimo... prefiro a Rússia como uma potência da maneira que é para fazer frente aos EUA!!! Isso é uma forma natural de equilíbrio político internacional... se acabasse viraríamos todos colônias americanas!!!

Quero lembrar também que a Rússia tem se aproximado demais do governo venezuelano e cubano, ademais acaba de fechar um acordo de desenvolvimento de aviões caças de 5ª geração com o Brasil...

A QUESTÃO É: a relação entre o Ocidente e a Rússia é interdependente, ambos precisam de cada um!!! Mas a Rússia demonstrou certeza e convicção em suas atitudes... Seu apoio à Ossétia do Sul e Abkházia se funda na mesma atitude do Ocidente para com o Kosovo quando houve o conflito da Sérvia!!!

Quer saber mais??? Na minha opinião quem sai ganhando mais não é EUA, RÚSSIA ou CHINA (o macaco na árvore)... Creio que a Ídia (integrante do BRIC) é quem deve sair na melhor em questão de tempo... digo não imediatamente, mas no futuro... A China não irá suportar sua economia desenfreadamente crescente... não possui estrutura para tanto e acabará como os EUA, porque sua economia se baseia em investimentos de empresas não nacionais e principalmente porque se mascaram em um falso comunismo, que na verdade é capitalismo centralizado nas mãos do Estado... e como se sabe... o Estado não deve se interferir demasiadamente em algumas questões... o Estado não é um bom administrador e a concentração de poder nas mãos de uma pessoa é por demais perigoso!!! Creio que se , de fato, os EUA sucumbirem a China seguirá seu destino... afinal, o aceório segue o principal!!! Já a Índia... possui uma das maiores democracias mundiais, possui armamento bélico e o apoio Russo, já que estes vendem armas para aqueles!!!! vamos esperar para ver, mas acho que o macaco que vai ganhar não é o que tá esperando na árvore...

Jose Milhazes disse...

Caro leitor Almir,não faço segredo do meu barbeiro. Na Rússia, não corto cabelo, nem barba. Por isso, às vezes, atingem dimensões pouco normais.
Aproveito as idas a Portugal para cortar cabelo e barba. O barbeiro disponível da Barbearia Machado, situada perto da minha residência em Oeiras, é que faz o trabalho.
Mais perguntas?

Anónimo disse...

Bom dia!
Com tantas perguntas interessantes e vai logo responder a uma pergunta idiota sobre cabeleireiros?
Alexandra Figueiredo
PS- Eu por acaso tb estou a precisar de cortar o meu mas o guito não chega, de qualquer maneira acho que o cabelo e barba compridos lhe ficam muito bem, Zé Milhazes.

Jose Milhazes disse...

Cara Leitora Alexandra, tem toda a razão e peço desculpa pelo facto, mas começo a ficar farto das tentativas de olhar para a minha alcova. Eu sou a pessoa mais normal deste mundo e a minha biografia está na net. Por isso, não irei responder a mais perguntas pessoais.
Prometo-lhe que irei tentar responder a todas as perguntas, embora seja difícil.

Wandard disse...

Rogério,

parabéns por seus comentários, mostram as características de um pensamento centrado e principalmente fora da alienação, que tenho encontrado em muitos blogs e artigos em geral pela internet, como Historiador por vezes sinto vergonha de mesu colegas, muitos tão renomados que não conseguem sair da verborágia e indescritível posicionamento Russofobo. Existe uma verdade clara e tanto os Americanos quanto a UE tem de aceitar, a Rússia está de volta, ainda enfrenta vários problemas e não tem o gigantismo da União Soviética, mas ainda é uma Superpotência. Quanto ao Pink, acho que a Inglaterra funciona bem com a carapuça, subserviente e dependente, se os americanos mandam se ajoelhar se ajoelham, é triste e vergonhoso ver uma nação que outrora foi o império onde o sol nunca se põe, se transformar neste espantalho. Sinceramente gostaria de saber porque todo este sentimento contra a Rússia na Europa, até parece que os Russos não são Europeus, chegam a comparar Putin a Hitler, mas parece que no pensamento são os Europeus que acabam por tratar os povos eslavos e principalmente os Russos como inferiores, pois era assim que Hitler os considerava, como povos para serem escravizados. Então vale lembrar só alguns detalhes étnicos, os Russos tem origem Escandinava, os primeiros assentamentos na atual Ucrania foram os Vickings e de lá partiram para Belarus e na Rússia Européia.

Abraço

Ex anônimo

Rogerio disse...

Obrigado pelo elogio Wandard, achei que você também possui uma visão bastante crítica (no sentido positivo) e imparcial (sem alienação)...

Foi bom mesmo estar nesse blog e obrigado por trazer mais cultura, como historiador, realmente não tinha parado para pensar ou pesquisar a origem russa... história é interessante e cultura muito importante, afinal se não sabemos dos fatos acabamos perdidos e desinformados, podendo ser facilmente manipulados... E fazendo isso acabamos deixando de pensar nas causas dos problemas, assim não poderemos entender os efeitos... saber a história é importante para não cometer antigos erros!!!

Quanto a especificação do Pink, realmente foi muito bem colocado... uahauhuahuahuahauaaa... realmente se olharmos bem para a cara do Bush(baixo e de cara fechada e enrrugada), veremos o pink!!!! Se olharmos para p primeiro-ministro da Inglaterra, Gordon Brown.... cai como uma luva!!! Rss*

Agora, quanto à UE e etc, de fato tratam os russos e os povos afins com certo desprezo... a Rússia só é respeitada por possuir poder de barganha, o resto é tratado como tal!!!

Hoje vemos a OTAN se aproximar de alguns países, mas é evidente que trata-se apenas de mero interesse em aproximar-se das fronteiras russas, afinal sabemos que muitos desses países, inclusive a Geórgia, sofreu muito para ter admitida a sua possibilidade de adesão à UE!!!

Ao meu ver os EUA, a OTAN e a UE tem utilizado muito da guerra de informação para criar um clima tenso e de desconfiança em relação a Moscou!!!

Fico preocupado também com o que chamamos de dominação branca e seus famosos enlatados... Os americanos principalmente utilizam desses recursos... por exemplo: vemos uma cultura americana maçante e abusiva em muitos comerciais, músicas, etc... para alguns trataria apenas de patriotismo, mas vejo isso como dominação por aculturação... é o que temos por "enlatado", compramos certos produtos que só tem pleno funcionamento quando adquirimos os acessórios... e quem os tem???

Outro exemplo de dominação branca, ao meu ver, é o que acontece em filmes, principalmente de Hollywood... sempre os EUA possui um papel de guardião, super-herói... quando existe um inimigo em potencial tem de ser um espião russo!!! Até hoje eles continuam com esta espécie de propaganda ... agora pelos filmes que é uma maneira mais tênue de tendenciar as pessoas... se não pararmos para refletir não perceberemos certas atitudes, não só americanas, é lógico, que tem como pretensão a manipulação de informações a fim de criar uma espécie de atitude coletiva (positiva ou negativa) capaz de gerar os efeitos desejados!

De qualque maneira é bom rezarmos para que os conliftos acabem por aqui... precisamos sim dos EUA e da RÚSSIA (Yin-Yang) ou outra nação qualquer que faça frente a uma outra potência pois assim mantemos as coisas no lugar... se desequilibar será o fim!!!!

Agora o que eu queria saber mesmo é o que rola por trás dos panos... que tipo de conversa Moscou teve com Sarkozy que fez com que o Kremlim mudasse de posicionamento e aceitasse a recuar...

Não me parece que os russos fossem aceitar cumprir os termos e cessar fogo apenas porque a UE ameaçou a tomar medidas drásticas e punitivas... acho que a Rússia deve ter ganhado alguma vantagem para tanto... basta saber qual!!!

Boa noite!

Jose Milhazes disse...

Caro leitor Wandard, desculpe, mas tenho de o corrigir. Os eslavos (incluindo os russos) não vieram da Escandiánia, daí vieram, sim, os primeiros homens que governaram os eslavos orientais.
Mas isso não significa que os eslavos sejam inferiores ou superiores aos outros.

Marco the all seing disse...

Caro José partilho da opinião que a distribuição de passaportes pelos "russos" da Ossétia e da Abkházia foi tudo menos inocente, tendo em conta o que se passa em outras repúblicas que fazem parte da federação russa, algo que estes dois mini territórios não são. Há logo aqui um desfasamento, que aliado às rápidas movimentações militares russas próximo da fronteira georgiana, indiciam pelo menos uma anterior predisposição de intervir na geórgia, algo que nos é comprovado diariamente pelas sucessivas retiradas das tropas russas.
Era de todo necessário nesta altura uma EU forte com uma voz forte e uma resposta convicente a tempo e horas. Começarão a ver agora os diferentes estados europeus e o seus cidadãos o que significa ser um poder sem poder neste novo balanço que se cria entre EUA e Rússia? Significa pouca influência, significa até caricaturalmente uma inoperância numa comunidade a 27 onde todos opinam e projectam mundos e fundos.
O combóio europeu não pode passar mais tempo parado o impulso é necessário, cabe a todos a responsabilidade de o impulsionar num cenário que se apresenta presentemente muito sensível.

Wandard disse...

Caro José Milhazes,

Obrigado por ter respondido. Concordo com sua colocação quanto aos Eslavos que tiveram seus primeiros assentamentos onde hoje se situa a atual Ucrania, terem acabado controlando os eslavos da porção oriental ou mais precisamente da região do Cáucaso. Só para relembrar que os atuais Ossetas, são descendentes de tribos Sarmatas, sendo portanto boa parte das atuais populações das repúblicas do Cáucaso formadas por não eslavos. Porém quanto à colocação da origem escandinava, ela é procedente sim, não só de escavações arqueológicas que revelaram artefatos e armas Vickings, quanto à propria expressão antiga encontrada em velhos manuscritos, nas quais os Vickings eram também chamados de Rushs ou Roshs. Os estudos são bastante profundos, além das características dos Russos Europeus(Belarus)e também os Ucraniamos serem bastante similares aos antigos Escandinavos, sendo que hoje os que apresentam os traços menos miscigenados são os Finlandeses. A teoria Geopolítica de karl Haushofer "O Leabestraum" que moldaram as idéias de domínio de Adolf Hitler, para o leste Europeu não eram baseadas apenas nos infindáveis recursos naturais da União Soviética, mas principalmente no desespero de que informações arqueológicas futuras pudessem revelar que os alemães não tinham as tão propagadas ligações étnicas com os Escandinavos, conforme haviam pregado Dietrich Eckart e Rudolf Von Sebotendorf.

luiz pinelli neto disse...

Lêdo Engano !!


A pressão política e outras não confessáveis acabou vencendo o patriotismo brasileiro frouxo, a partir da edição do Plano Estratégico de Rearmamento das forças armadas do Brasil.
-- “Que Triste vergonha !!!
No dia 2 /junho/09 foi assinado uma acordo de cooperação militar Brasil/EEUU, para nossas FAs começarem a receber material bélico vencido, inservível, defasado tecnicamente, de uso inútil e muito deficiente, total lixo que os americanos não querem. E mais o Brasil se obriga a abrir os quartéis para vistoria periódica pelos oficiais americanos. Eu servi numa Unidade de Artilharia, organizada com obuses 155mm rebocados por tratores blindados, oriundos do final da guerra da Coréia / EEUU, acordo este, denunciado, sabiamente, pelo Ex- Presidente Ernesto Geisel. O mais humilhante do acordo é que freqüentemente, este lixo norte americano, era inspecionado pelo governo americano.
Agora se repetiu o mesmo erro lamentável e humilhante do governo JK !!!
Eu sempre achei que este Plano Estratégico de Defesa Militar, era uma farsa do governo brasileiro, uma forma legal de “calar” as vozes dos militares brasileiros que amam o Brasil.
Este acordo é o fim de tudo !! De todos os sonhos de alguns brasileiros de verem ressurgir a indústria bélica nacional, e mais que isso, viam neste Plano de Defesa, a manutenção brasileira da Amazônia e da garantia da propriedade do Pré-Sal, embora, “hoje, lemos no jornal VALOR que 32% dos poços descobertos são poucos viáveis economicamente”.
É a triste realidade de sermos brasileiros e de termos nascidos no Brasil, capacho servil dos EEUU. A juventude norte americana se prepara para administrar a Região Amazônica !!!
Pode ser que os eleitores petistas estejam contentes com isto, pois, vai sobrar mais dinheiro para ser usados nos PACs, PECs, POCs e PUCs do Lula e seu bando sindicalista. Infelizmente, pela minha idade, provavelmente, não verei o final desta história triste.
Esta na hora do Jobim arrumar a mesa e dar o fora, urgentemente; levando junto os chefes militares das forças.
O serviço secreto norte-americano com um único golpe certeiro desmanchou por completo, todo o entusiasmo de alguns bons brasileiros, que acreditavam nas ações deste governo burro, anti-brasil e corrupto.
Esta nova geração de brasileiros “ otários” não sabe o que este acordo militar significa para a Soberania do País e para a Segurança Nacional. Esta ingerência norte americana em nossos assuntos estratégicos é de suma gravidade. É exatamente igual a uma invasão militar em nosso território. Todos nós, estávamos, preocupados com o CHAVEZ da Venezuela !!! É para rir e chorar ao mesmo tempo !!! Quem quiser saber o por que do alto grau de minha indignação, por favor, leia com atenção todos os comentários feitos nos diversos BLOGs anteriores de defesa.
Aonde estão os verdadeiros militares brasileiros que isto permitem acontecer de forma acintosa, cínica e vergonhosa para nossos brios patrióticos ????
Não é absolutamente possível que este passado( do acordo militar Brasil/EEUU) volte com as mesmas cores de alta traição para com os interesses nacionais.


De qualquer forma, agradeço sinceramente, todo o espaço que me foi permitido nos diversos BLOGs de defesa. Luiz