sábado, setembro 27, 2008

Dmitri Medvedev anuncia plano de modernização militar do país


Dmitri Medvedev, Presidente da Rússia, declarou que a guerra na Ossétia do Sul mostrou a necessidade do seu país modernizar as suas Forças Armadas.
Num encontro realizado com os comandantes das regiões militares da Rússia, realizado na cidade de Orenburgo, o dirigente russo anunciou que, até ao fim do ano, deverá ser elaborado um plano de acções com vista à reorganização das Forças Armadas do país.
Medvedev defendeu “a necessidade de, até 2020, resolver o problema da dissuasão nuclear”.
“Até 2020 deverá ser garantida a solução da dissuasão nuclear em diferentes situações político-militares, bem como o fornecimento complexo de novos tipos de armamentos e de meios de reconhecimento”, precisou.
Medvedev anunciou que o seu país tenciona criar um sistema de defesa aéreo-espacial.
Além disso, revelou que a Rússia vai começar a construir em série submarinos nucleares que portarão mísseis de cruzeiro.
“Está planeada a construção em série de vasos de guerra, em primeiro lugar cruzeiros submarinos atómicos com mísseis de cruzeiro e submarinos multifuncionais”, acrescentou.

153 comentários:

MSantos disse...

Lamentável. Mais uma vez a modernização e desenvolvimento da sociedade civil russa vai ficar adiada. Deveria ser a dimensão dessa sociedade a ditar o tamanho das FAs e não o contrário. A tradição russo-soviética mantém-se. Á modernização militar da Rússia bastava um investimento comedido nos seus pontos fracos: treino, logística, centralização de informação, controlo e comando e alerta avançado. São estes os pontos fracos revelados desde há muito, e evidenciados na recente campanha da Georgia. Com estes multiplicadores de força, aplicados aos grandes números das forças russas, teriam umas FAs formidáveis. Mas infelizmente continua a política dos grandes números e força bruta. De salientar também o já anunciado plano megalómano de construção de 6 porta-aviões e respectivas frotas de escolta (para a Rússia, que é uma potência continental).

Anónimo disse...

Não tinha outra foto? o homem parece um tolinho. Quem diria que este blog é pró-russo.

Anónimo disse...

Queres a paz, prepara a guerra, disse César. Apoiado. O que os yankees queriam era que os russos continuassem hibernados. ora, o urso acordou. E ainda bem.

Pippo disse...

Estava a ler a notícia e já estava a pensar no meu comentário quando o MSantos antecipou-se-me! Malandro!
E ele tem toda a razão. Absoluta!
A Rússia não precisa de grandes investimentos em termos de hardware, quanto muito em software no âmbito da detecção, sistemas de armas, etc.
Outra reorganização que deve fazer é no âmbito do treino ao nível de pelotão, formação de subalternos,
C3I, logística...
Note-se, contudo, que a Rússia evoluiu bastante com as duas guerras da Chechénia, nomeadamente ao nível das operações inter-armas, cooperação aero-terrestre, operações conjuntas entre vários Ministérios, etc. Mas muito ainda resta para fazer.

Mas presumo que subsista um certo complexo da força bruta. É pena. Com bom treino e o equipamento que já têm, as FA Russas seriam, de facto, fantásticas.

Anónimo disse...

Mas de onde vem esta ideia da força bruta? O que li em Moscovo foi o oposto: o Presidente quer mobilidade, dinamização, profissionalismo, prontidão, eficiência. Quer uma revolução e deu prazos. Que raio de propaganda anti-russa que aqui vai. Mas, os cães ladram e a caravana passa, como também se diz em Moscovo.Tome juízo, Sr. Milhazes.

Gilberto Mucio disse...

Concordo com o amigo MSantos.

A meu ver, a Rússia – um país com um PIB menor do que o de países como Espanha e Brasil -- não pode se dar a certos "luxos", como entrar numa aventura armamentista. Quem sofrerá com uma aventura dessas é sua população, que será privada de investimentos que proporcionariam uma melhor qualidade de vida.

Tudo indica que a Rússia já atingiu oseu pico de crescimento, crescendo 6-7% ao ano. Com o "esfriamento" da economia, que está por vir, encerrando mais um ciclo mundial de crescimento(o que é comum no capitalismo) e entrando num ciclo de estagnação – que pode durar anos -- a demanda por energia tende a cair um pouco. Atingindo assim, em cheio, a economia nada dinâmica da Rússia, totalmente dependente da venda de commodities(hidrocarbonetos) para o mercado europeu.

Esse ano o país ainda crescerá na casa dos 6% , pelo menos. Mas tudo indica que esse crescimento tende a cair nos próximos anos.

Sem falar no plano de câmbio da matriz energética européia, que reduzirá a dependência de gás/petróleo -- mas isso, em sí, só atingirá a Rùssia a médio prazo. Mas atingirá.

A Rússia é um caso clássico de “síndrome holandessa”.

Eu temo que a Rùssia tenha perdido o bonde da história, e perdido uma oportunidade única para se modernizar.

A gerações vindóuras de russófilos(conscientes) hão de amaldiçoar Vladimir Putin .

Jose Milhazes disse...

Caro leitor anónimo, quer dizer que eu alterei as palavras de Dmitri Medvedev? Prove. Se sabe russo, vá ler o que publicaram agências oficiais como Ria-Novosti, Interfax, Itar-Tass. Não fui eu que disse, foi o Presidente da Rússia, ou acha-me com poder de construir subamrinos nucleares. As acusações devem ser acompanhadas de factos.
No post eu fiz referência a força bruta. Talvez seja você que esteja na altura de tomar juízo.
Quanto aos cães, é verdade o que diz. Talvez por isso tenha ficado no anonimato para que não lhe conheçam a raça.
Quem vier para este blog insultar quem quer que seja, não ficará sem resposta. Não se esconda debaixo do anonimato quando insulta. Isso é muito feio...
Outro leitor anónimo queixou-se da foto publicada. Trata-se de um ar original de um político. Acho uma fotografia curiosa e não vejo que a sua publicação ofenda o próprio.

Anónimo disse...

Poderiam muda o nome desse Blogo para: " Do Ocidente"

rouxinol de Bernardim disse...

É triste constatar a escalada belicista seja onde for. Mas como a ONU é uma figura decorativa (para não dizer pior...) o rearmamento nuclear que desponta no horizonte é o reflexo de uma nova «guerra fria» (talvez não tão «fria» como a anterior...) que se julgava enterrada.

Os EUA também têm a sua quota-parte de responsabilidade neste recrudescimento, ninguém tenha dúvidas.

O «imperio do mal» está tão diversificado que nada de bom augura...

GOD SAVE THE PLANET!

Anónimo disse...

A rússia parece um traficante favelado do rio, o cara é bem armado mas vive na merda...o patético ainda é que se orgulha disso

Anónimo disse...

esse lambedor de botas do Putin deveria gastar a maior parte desse dinheiro na melhora da qualidade de vida do seu povo, por exemplo em tentar reverter a expectativa de vida mais baixa da Europa, que hoje só se compara aos países africanos. Pasmem mas um francês vive hoje 20 anos a mais que um russo, isto que é vergonha!!!


pergunto para o JM
Será que o povo russo é tão cego que não vê isso? Se contenta em ver seu governo gastando quase todo dinheiro da nação na compra de "brinquedinhos bélicos" pra assustar os vizinhos?

zé carlos

Jose Milhazes disse...

Anónimo com medo de revelar o nome. Este blog tem o nome que tem e não é você que o vai rebaptizar. Não está contente, crie o seu e dê-lhe o nome que quiser.

Anónimo disse...

Não existe a minima de imparcialidade na maior parte dos comentarios expostos neste blogue pelos leitores/comentadores, são na maior parte irracionais, colocar em causa tudo de novo que vem do kremlin ou o contrário é totalmente inaceitavel.

Em portugal continental, o regime em lisboa está sempre a criticar Alberto João Jardim, presidente da região autonoma da madeira, tudo fazem para o tirar do poder, mas não conseguem, por uma rasão muito simples, tem obra feita e é um facto que a madeira passou de região mais atrasada da europa para uma das mais desenvolvidas..
O mesmo se passa com a russia, desde que Putin chegou ao poder foi sempre atacado, foi acusado de assassino, anti-cristo etc, o que importa ao povo russo é que a russia está muito, mas muito melhor, em todos os niveis desde que ele se tornou presidente.
Os profetas da verdade podem berrar, caluniar o homem,fazer acusações(muitas sem o minimo fundamento), porem, existe obra feita, e o povo russo sabe isso, vão ter de engolir, por mais frustante e dificil que seja aceitar.

ps: a ultima acusação é de a russia se estar a transformar num estado armamentista, haja paciência!!!

carlos rodrigues.

Nano disse...

Essa é a Rússia, Um país que tem o segundo maior numero de bilhonarios do mundo, Mas que ainda a pessoas que vivem em vilarejos espalhados na Rùssia como se tivesse no Século XIX.

Anónimo disse...

tanto sabem da riqueza da Rússia e nada sabem. A Rússia é o maior e o mais rico país do mundo. Nem se sabe até onde vai a riqueza que ainda está por catalogar. essa de misérias, PIBs baicxos e outras tretas é mesmo só para papalvos que tem uma dor de cotovelo que não acaba mais.
Putin é bom. Medvedev é melhor. Liderará o mundo nos próximos anos. Estamos cá para ver.
E Sr. milhazes, não se enerve. Se há comentadores que vêm para aqui dar tacada nos russos também deve haver outros que possam atacá-los. Ou não? Por mim lamento muito que não haja no Ocidente ninguém a divulgar a verdadeira Rússia, sem preconceitos. Mas a maré está a virar...

Anónimo disse...

a Russia foi e será sempre uma das maiores potências industrial, tecnologica cientifica demográfica economica.
A russia em condiçoes normais atinge o estatudo de 4/5 economia do planeta, só não sobe mais no ranquing porque tem pouca população quando comparada com a china, india, EUA.
Há que ter em conta que, mesmo sabendo a insuficiencia do sistema economico estatal na era soviética, a URSS era um país practicamente auto-suficiente em tudo.. para um país ser auto-suficiente tem de ter um vasto desenvolvimento economico de todo tipo.Isto significa que a russia herdou uma estrutura industrial muito solida

É ridiculo virem pessoas o desenvolvimento industrial de paises como o brasil/espanha com a russia, simplesmente porque, esses países não tiveram um desenvolvimento industrial de base, a russia nunca se desenvolveu com base em auxilios economicos.Comparar a dimensão da economia russa com esses dois países revela ignorancia profunda.
Passo a explicar;

(vou usar dados da wikipedia que muitos gostam de usar para fazer copy past de links, daso do FMI...)

PIB( termos nominais),2007

1-Espanha- 1,44 triliões
2-Brasil - 1,31 triliões
3-Russia - 1,29 triliões

*Este ranquing disponivel na wikipedia refere-se a 2007, nesta data o rublo estava subvalorizado, o euro sobvalorizado e o real tambem.O que significa que no ano que decorre 2008, em termos nominais, a russia é SEM DUVIDA a maior economia dos 3 em termos nominais.
quando falarem de PIB-nominal, reportem por favor o ano fiscal actual e actualizem o valor da moeda.
A economia de espanha está escudada com o euro e a moeda do brasil apesar do progresso continua a ser pouco fiavel.

PIB( termos PPC),2007

1-Rússia -2088 biliões
2-Brasil -1835 biliões
3-Espanha -1351 biliões

*Com este metodo de avaliação que elimina variações regionais de preços, a russia é a maior, e a diferença é muito mais substancial já para este ano, e mais ainda para o proximo.
A economia não contabilizada(mercado negro) é ainda muito maior para a russia, isto significa que a economia russa está subavaliada.

resumo;já em 2007, a economia russa (segundo o sistema PPC) era a 6º maior economia do planeta
Para 2009 é irrefutavel que essa posição foi reforçada.


espero ter ajudado alguma spessoas que andam com problemas a fazer contas.

bruno.

Felipe disse...

Caro Gilberto Mucio, aprenda com o bruno.

Anónimo disse...

Todo mundo que vê uma Rússia Quebrada, Sucateada que abaixe a cabeça pros EUA é pra UE.

Gilberto Mucio disse...

Caros Bruno e Felipe.

Se for usar o PIB(Paridade do poder de compra)-- o que é BEM DIFERENTE de PIB nominal-- a Rússia fica na frente da FRANÇA.

7 Rússia 2.087.815
8 França 2.046.899
9 Brasil 1.835.642
10 Itália 1.786.429
11 Espanha 1.351.608

Eu quero saber qual é o maníaco que vai falar que a Rússia é mais rica que a França(essa com quase o dobro do PIB da primeira)?

Gilberto Mucio disse...

Errata:

Quase o dobro nao, MAIS QUE O DOBRO(França sobre a Rússia).

Gilberto Mucio disse...

PIB("PIB nominal" é redundância)

2007, claro. 2008 ainda não acabou.

1 Estados Unidos da América 16.843.825
2 Japão 4.383.762
3 Alemanha 3.322.147
4 China 3.250.827
5 Reino Unido 2.772.570
6 França 2.560.255
7 Itália 2.104.666
8 Canadá 1.932.140
9 Espanha 1.438.959
10 Brasil 1.313.590
11 Rússia 1.289.582

>>Reparem que a França tem quase o dobro da riquesa da Rússia.

>>E países como o Brasil -- não sei a a Espanha -- tem expectativa de crescimento de 6% esse ano.

Anónimo disse...

A Rússia é o maior e mais rico país do planeta. Disse, repito e torno a repetir.

Anónimo disse...

sr gilbero mucio


_____
| |
\ /
\ /
|
|
---

Leve a taça!


bruno.

sérgio disse...

Não gosto da politica seguida pelos dirigentes Russos. Não gosto da posição prepotente e sobranceira que a Rússia quer assumir sobre os países vizinhos e mesmo sobre a UE coagindo-a com o fornecimento energético. Não consigo compreender quem apesar de viver neste canto do planeta, defende com unhas e dentes, apesar do que referi anteriormente, os interesses Russos. Compreendo o fascinio que o maior país do mundo exerce sobre muitos de nós, eu incluido, não consigo compreender porque isso leva muitos a fechar os olhos aquilo que de pior a Rússia tem, como se do novo paraíso terreno se tratasse. Não consigo compreender os raciocinios de quem pretende por a economia Russa como uma das maiores do mundo, quando como alguem muito bem disso, faltar-lhe-á sempre um elemento essencial, o elemento demográfico para a por ao nível dos EUA, UE, China e daqui a uns anos India. A Rússia se tudo correr normalmente, pode aspirar a ser a maior economia Europeia, ultrapassando a Alemanha, mas nada mais para além disso. Será que esse factor será o suficiente para a por ao nivel economico, das potencias que eu referi anteriormente? Nem nos melhores sonhos Russos. A Rússia nesta ansia pelo poder, já mostrou que está disposta a fazer acordos com qualquer um... Conclusão, esta Rússia que agora se forma perde um pouco, cada dia que passa, da minha empatia e respeito.

Anónimo disse...

se o problema é população basta irem à ásia. Até é bom que vão, com tanta miséria e gente a mais que por lá há. e não me admiram que convidem imigrantes de países superpopulados, como a Indonésia, as Filipinas e a China a mudarem-se para as estepes russas.Quem tem um grande líder dá cartas, como se verá.

Anónimo disse...

A qualidade de vida russa é hoje melhor que a de Portugal, só não vê quem não quer.

juca

Anónimo disse...

Do que adianta ser "o maior e mais rico país do planeta" se todo esse potencial não é direcionado para a sua população?
Parem de analisar só os dados econômicos e vejam os dados sociais em que a Rússia decaiu muito nos últimos anos.

Prefiro muito mais viver num país sem uma grande importância economica (ou militar) mundial mas com uma ótima qualidade de vida (como a Noruega) do que uma dita potência economica/militar mas com uma péssima qualidade de vida como a Rússia. Mas tem muita gente que acha o contrário.

zé carlos

Anónimo disse...

Os russos estão a resolver o seu problema demográfico da forma correcta, através de politicas natalistas, incentivos fiscais, ao sentimento nacional, ao icentivo a imigração de "eslavos".
Os russos não vão começar a importar imigrantes como os ocidentais, sabem bem o perigo e a perigosa ameaça a sobrevivencia da russia que isso representa.
A russia é a ultima hipotese para a sobrevivencia dos europeus. No meu entender, a europa ocidental já se condenou ao aceitar emigração de forma descontrolada.
Se viajarem para londres, amesterdão etc, vão compreender o que quero dizer.

luis

Anónimo disse...

O país do futuro é o brasil.
Um pais com quase 200 milhões de habitantes.8,5 milhoes de km2 area.
a maior economia e mais diversificada da america latina.
Um potêncial incrivel.
É um país cristão, de matriz europeia, a população é 55% branca, e a restaante multi-etnica, no entanto, os genes brancos são em maior percentagem na parcela misturada.
O brasil tem um enorme potêncial se mantiver o dominio branco e isto não é racismo é pragmatismo.

rogerio silva.

Anónimo disse...

A Rússia para se consolidar deveria recuperar colônias como a
Estônia e Letônia que apresentam uma enorme população russa, 26% e 30%, respectivamente. Seria legítimo o interesse e proteção de seus cidadãos.
Deveria começar colocando pressão sobre os governos desses países sobre a discriminaçao em relaçao à minoria russa, até que a única alternativa fosse a invasão (a exemplo da Geórgia) e futura anexação. Mesmo sendo da NATO, dúvido muito que algum país se levantaria contra a Rússia nessa hora.
Seria um belo tapa na cara do Ocidente.
E a Ucrânia seria a próxima etapa.

bruno t.

Pippo disse...

Só conheço o nível de vida russo em 2002/2003, que foi quando lá vivi. Era mau, e eu via muito aposentado a vender o que tinha em casa nas saídas do Metro para poder sobreviver. Mas como sabemos, na década de '90 a Rússia tinha atingido o fundo do poço, do qual estava prestes a sair. A subida deu-se com o início da era Putin.
Segundo sei, as coisas melhoraram substancialmente desde a minha estada lá.
Tem havido bastante construção em Moscovo (normalmente isso é representante de vitalidade económica). O Putin soube vergar os oligarcas e "civilizar" as máfias, e fez grandes investimentos no sector energético.
Pelo que me é dado a entender, nomeadamente pelo que me dizem os meus amigos que ficaram por lá, as condições de vida melhoraram substancialmente nestes últimos anos. É verdade, na Rússia "não há democracia" (é o que se diz), mas aqui em Portugal também não sei que democracia é que temos [parece que a Constituição Europea ia a referendo, mas afinal não foi porque foi rebatizada como Tratado de Lisboa (e alem disso era um documento demasiado impostante para ser posto em causa por um voto popular...)].

Por fim, o rearmamento é sempre bom por duas razões: revitaliza a economia (a "Iniciativa de Defesa Estratégica" foi um boom incrível na indústria e investigação técnológica norte-americanas) e restaura um certo orgulho nacional, o que é muito importante numa nação com orgulo ferido (os EUA, com o orgulho nacional em pantanas depois do Vietname e do Irão, fizeram o mesmo com a brilhante vitória em Granada, em 1983).

Gilberto Mucio disse...

Coisa ridícula ver fascistóides, tanto lusitanos como brasileiros.

Gente complexada é uma desgraça. Complexo de vira-lata.

Portugal, se nao fosse a Uniao Européia e imigraçao seja de onde for, para a força de trabalho, estaria na merda até hoje. Estao a cuspir no prato que comem. Nao sejam ridículos. Se enxergem!

Tenham humildade.

Engraçado, também, ver gente dando pitaco sobre a qualidade de vida na Rússia sem nunca ter botado os pés aqui.

Pippo, a qualidade de vida na Rússia nao mudou tanto de 2003 prá cá. Aliás, o IDH só fez piorar, e a espectativa de vida cair.

Sobre a imigraçao: É fundamental, se o crescimento economico é maior que o populaciaonal.

E a Rússia é o país do mundo que mais recebe imigrantes, a maioria de países miseráveis da Ásia Central. É esse pessoal que leva a Rússia nas costas, nao Putin. Se eles sairem o país para em menos de 24 hs.

Ps.: Quando Putin assumiu, o barril de petróleo estava na casa dos USD 10, hoje está perto de USD 100, e já esteve a 120.

Pippo disse...

Não é o que eu vi (e eu estive lá, como já o disse) e que os meus amigos que ainda lá estão me reportam. Mas se o Gilberto viu mais do que eu, e sabe mais que eles...
É como a discussão em torno do PIB: já lhe provámos que está enganado, mas o Gilberto continua a insistir. Pois bem, fique-se na sua.

PS - insultar o outros de forma gratuita, para além de deselegante, revela falta de capacidade intelectual para contra-argumentar. Eu não uso esse estilo, e olhe que faço-me ouvir na mesma...

Gilberto Mucio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gilberto Mucio disse...

Ora, camarada. Vivo aqui há 6 anos. Opino pelo que eu vejo e vivo. Nao pela opiniao de terceiros.

A discussao sobre o PIB, já está superada. Segundo voce, o PIB da Rússia é maior que o da Franca, o que é uma sandice afirmar.

E, se nao percebeu, os "insultos" nao foram dirigidos a sua pessoa(e sim aos nazi-fascistóides, tanto brasileiros como portugueses). Desculpe-me se entedeu errado.

Sobre os supostos insultos a eles dirigidos: Há pessoas com o qual nao se pode debater "elegantemente". Eu nao vou debater "elegantemente" com um sujeito nazista, caso contrário eu estaria deixando a entender que suas idéia sao "respeitavéis" e passíveis de um debate civilizado. E nao é.

Minha divergencia com esse tipo de gente nao é "ideológica" e nem de "opinioes", mas sim uma divergencia MORAL.

Passar bem.

Anónimo disse...

Só faltava um Louçã agora para o blogue do sr josé milhazes, refiro-me claro está ao sr. Mucio.
Quem é voçê para ter a ousadia de ivocar superioridade moral sobre alguem que nem sequer conheçe?
Limite-se a discutir ideias se as tiver..

bruno.

Gilberto Mucio disse...

Senhor Bruno,

Se nao percebeu, os "insultos" também nao foram dirigidos a vossa senhoria. Mas, sim, aos senhores que assinam como Luís e Rogério Silva e a quem porventura tenha pensamentos iguais aos deles. Nao sei se é o seu caso, mas se é, sinta-se insultado também. Se nao é, peço desculpas.

Muitas vezes nao é necessário conhecer uma pessoa para se fazer um julgamento da moral dela. Ás vezes, em meia frase escrita já é basta para se ter uma idéia do seu(da pessoa) carácter...

Anónimo disse...

admiro o povo russo por se estarem a conseguir erguer com honra.
Outro qualquer estado de grande dimensão já teria colapsado se tivesse passado pelos que os russos passaram, é defacto, admiravel a resistência dos russos.

É revoltante por exemplo, a atitude dos polacos em relação aos russos, ora, o plano de hitler era pura e simplesmente exterminar os polacos, os russos podem ter cometido erros nessa altura, e cometeram muitos, mas ha que recordar que foi uma guerra total, batalhas titanicas, milhões de mortos, o resultado foi que devido ao sacrificio dos russos, a polonia permaneceu um estado integro, povoado por polacos e com as melhores areas da europa.
No final da II guerra, os polacos tambem se aliaram aos russos, muito por causa da defesa destes em relação as fronteiras da polonia( os americanos e ingleses consideravam as fronteiras injustas para a alemanha) e tambem aos fundos que os russos transferiram para a polonia para a reconstrução do país.

Anónimo disse...

sr mucio, o sr. não tem o legitimidade e o direito de insultar ninguem, mesmo que considere as ideias dessa pessoa inaceitaveis. A liberdade em democracia é isso mesmo, todos são livres de exprimir a sua opinião e a maioria escolhe a melhor(ou pior) ideia.

bruno.

Gilberto Mucio disse...

Senhor Bruno,

Mas, ora, chama-los de "ridículo" nao é um insulto, e sim um elogio.(risos)

De qulquer forma -- se me excedi --peço desculpas ao dono do blog.

Anónimo disse...

anônimo

vc é totalmente ignorante em relação à Polónia...esqueceu que a URSS e a Alemanha Nazista dividiram esse país no início da Guerra? esqueceu é?

zé carlos

Anónimo disse...

A ignorância é tamanha de quem não conhece nem de longe o que a populaçao desses países sofreram nas mãos dos russos....agradecer aos russos por terem salvos eles dos alemães é o mesmo que uma mulher agradecer ao seu estuprador de tê-la salvado de um assassino.
Outra coisa, a Polónia se ergueu por seus próprios meios, nunca dependeu da Rússia pra isso, vá se informar melhor antes de falar besteira.

zé carlos

Anónimo disse...

A ignorância é tamanha de quem não conhece nem de longe o que a populaçao desses países sofreram nas mãos dos russos....agradecer aos russos por terem salvos eles dos alemães é o mesmo que uma mulher agradecer ao seu estuprador de tê-la salvo de um assassino.
Outra coisa, a Polónia se ergueu por seus próprios meios, nunca dependeu da Rússia pra isso, vá se informar melhor antes de falar besteira.

zé carlos

Pippo disse...

O facto de acharmos que uma pessoa é nazi ou fascista (que são ideologias bem diferentes, como certamente sabe) não nos dá o direito de a insultarmos, do mesmo modo que não termos o direito de insultar uma pessoa só por esta ser comunista ou anarquista (ideologias igualmente bem diferentes).

Fala de ideologias "não respeitáveis". Mas todas elas são, pois são ideias, e podem ser debatidas, desde que a argumentação seja lógica. Eu tanto debato com nazis como com comunistas, e nalguns pontos ambos têm razão, e noutros não. Mas para tal é preciso saber-se daquilo que se fala, ultrapassar-se os chavões e as ideias feitas, etc.

A questão da abordagem insultuosa não é, portanto, uma questão de moral, é sim uma questão de boa educação. Passo a exemplificar:
Imagine que eu achava que o Gilberto era comunista, ou pró-imigrante, ou gay-friendly, ou algo dessas coisas "de esquerda". Gostaria que eu o insultasse por isso? Claro que não. Nem eu o faria. Mas contudo, poderia alegar "fundamentos morais" para o fazer. Mas não o faço.
Do mesmo modo posso usar o insulto gratuito contra pro-russos, pro-americanos, pro-isto ou pro-aquilo. É fácil, pois todos têm telhados de vidro.

Em suma, uma coisa é não se concordar ou gostar de algo, outra coisa é ser-se insultuoso. A concordância/gosto é uma questão de opinião; o insulto é que é, isso sim, uma questão de moral.

Enfim, propunha voltarmos para o assunto em questão, que é a "Modernização militar da Rússia". Talvez seja mais saudável, não acham?

Anónimo disse...

anônimo

A tranferência da população alemã desses territórios não foi idéia somente de Stalin, mas da Inglaterra e EUA também. Ou esqueceu as palavras de Sir Winston Churchill: "Expulsion is the method which, in so far as we have been able to see, will be the most satisfactory and lasting. There will be no mixture of populations to cause endless trouble. A clean sweep will be made."

maria h.

Anónimo disse...

sr ze carlos quando estudar a historia tente ver as coisas de uma perspectiva a longo prazo, se o fizer, irá concluir que os polacos podem dar graças a sua existencia aos russos.
A história ensina que todos os caminhos são espinhosos, mas o destino da polonia teria sido muito pior se os alemães ganhassem a guerra, e isso não aconteceu devido ao sacrificio russo.
É um facto.
Eu conheço os polacos, e muitos com uma conversa franca chegam a conclusão que é imoral ter-se odio a um povo que os salvou, e o maior cumulo é que, se existiram russos que fizeram mal a polacos, esses já morreram ha muitos anos.

Anónimo disse...

e o Massacre de Katyn?

Anónimo disse...

Se pensarmos assim, os portugueses podem dar graças a deus da sua existência aos americanos, talvez? Imagine a Alemanha Nazista tomando conta de tudo, eliminando tudo que é latino da Europa...é, a história pode ser relativizada o quanto você quiser.

tony

Anónimo disse...

concordo em absoluto com o sr. pippo, temos de ouvir todas as ideias e manter a mente sempre em aberto, não existe nada pior que uma mente com aversão a mudança.
Apesar de não concordar com muitas coisas que os nacionalistas defendem, penso que de uma forma geral são pessoas cultas e inteligentes, é dificil ter uma opinião diferente nos dias de hoje devido a forte pressão da sociedade no sentido de criar o pensamento unico.

lembrem-se dos cartazes dinamarqueses de maomé, e a reacção mundial. A liberdade de imprensa tem de ser sempre defendida para quem preza a liberdade.

bruno.

Anónimo disse...

Acho engraçado, algumas pessoas acharem que os russos se sacrificaram por outros povos durante a Guerra. Eles só defenderam seus interesses, se fosse ao contrário libertariam esses povos em nome da FRATERNIDADE ESLAVÔNICA e deixariam esses países decidirem seus destinos. A ingenuidade é uma coisa tao linda!!

max klein

Anónimo disse...

Por que os benfeitores russos ao final da guerra não permitiram que os países bálticos fossem independentes como eram antes da mesma começar?


max k.

Anónimo disse...

hitler não pretendia eliminar os italianos, franceses, portugueses,
(não iventem factos)
O plano dele era simples,
Expandir o Reich Alemão para leste, ocupando o espaço deixado vazio pelos eslavos que seriam expulsos ou exterminados.
Hitler admirava os portugueses e sobretudo os ingleses.
No fundo o que ele queria fazer, era o que os portugueses e ingleses tinham feito, mas á força!

Em relação aos crimes praticados na era soviética, eram na maior parte deles, ordenados directamente por estaline e o seu grupo de carrascos, tentar imputar essa responsabilidade ao povo russo que tambem sofria opressão é quase insolito. Os russos nos primeiros anos da era soviética estavam em minoria na maior parte da maquina soviética, apesar de serem a maioria da população. Se querem culpar soviéticos por crimes de guerra, apontem para georgianos-soviéticos, judeus-soviéticos, tartaros-soviéticos... tem mais sentido

luis.

Anónimo disse...

Em 16 de Outubro de 1940, Serrano Suñer é nomeado Ministro dos negócios estrangeiros de Espanha, levando a facção germanófila ao triunfo total neste país. Suñer não esconde os seus desejos de anexação de Portugal, chegando mesmo a dizer a Ribbentrop (o ministro dos negócios estrangeiros alemão) que geograficamente falando, Portugal não tem qualquer direito de existência [22] (16 de Setembro de 1940), e a Francesco Laquio (embaixador italiano em Madrid) que Portugal deveria fazer parte de uma grande Espanha.

http://pt.worldwar-two.net/paises/96/

que admiração hehehe

max

Anónimo disse...

é luis, a culpa acaba sendo sempre dos judeus e de outros
patético...


max

Anónimo disse...

deve dar muito orgulho ser admirado por Hitler :D

carlos

Anónimo disse...

Que eu saiba os portugueses não são o melhor exemplo de "raça ariana superior" de Hitler. Se o plano não era exterminá-los, possivelmente seriam submissos à raça ariana para todo o sempre

sandra

Anónimo disse...

é impressionante,

quando os judeus são acusados de alguma coisa, de emediato surge logo a luz vermelha da censura e acusações de anti-semitismo.
Não sou anti-semita, tambem não sou tapado, os judeus já fizeram muita asneira sim!

Quanto a esse dados que refeiu em relação a portugal, na generalidadem os nazis não pretendiam destruir portugal, claro que certamente haveriam alguns que assim o desejavam, como tambem havia muitos que pretendiam destruir a inglaterra.
So lhe digo o seguinte, se a espanha sonhasse invadir portugal iam ser derrotados como sempre aconteceu, o que lhes ia acontecer é que a espanha como é hoje não existiria, seria um conjunto de estados tais como o pais basco, catalunha etc.
Os governantes espanhois fizeram a escolha acertada.
luis.

Anónimo disse...

Já ouvi falar de uma tal de Plano Félix.

O plano seria invadir Portugal e oferece-lo à Espanha e a esse fantoche do Franco como recompensa pela vassalagem prestada.


gal

Anónimo disse...

aonde é que quer chegar com a sua insinuação sobre os portugueses sandra?

apesar de a opinião dos nazis acerca de portugal ser irrelevante para mim, informo-a que os portugueses eram considerados arianos, numa escala acima por exemplo, dos franceses e italianos.

luis.

Anónimo disse...

portugueses arianos hahahahaha

a maior piada que já ouvi

Conheço vários portugueses pela televisão e vários deles me parecem relativamente morenos e estão, no geral, longe de terem um tipo "ariano"

Gilberto Mucio disse...

Senhor Pippo.

voce nao está compreendendo. Eu nao sou contra a uma pessoa ser nacionalista ou comunistas ou qualquer ideologia que seja. o problema nao é esse. O problema está nos argumentos que esses indivíduos usam.

Argumentos xenófobos e recistas nao sao respeitáveis me hipótese alguma. Sou totalmente a favor da liberade de expressao, inclusive para argumentos desse tipo. Mas me reservo o direito de nao só discordar, como de nao respeitar o "irrespeitável".

Esse tipo de postura, na melhor das hipóteses, é patética e ridícula.

Vale lembrar que seu país teve quase 40 anos de uma ridídula(redundancia para qualquer ditadura) ditadura, que até os anos 70 havia fluxos emigratórios, e que até pouco tempo uma das maiores fontes de renda do país era o dinheiro enviado de fora pelos seus imigrantes, dado o atraso do país.

Mais uma vez, tenham humildade e pés no chao.

E coitado dos meus queridos amigos portugueses se Hitler tivesse triunfado. Na melhor das hipoteses seriam anexados pela Espanha, essa também sub-julgada.. Mas como nao gosto de "se" em história... deixo por conta da imaginaçao fértil de voces.

De minha parte, encerro essa digressao do tema do tópico por aqui.

Gilberto Mucio disse...

Portugues "ariano"...(risos)

Deve ser por isso que sao todos loiros(ou ruivos) de olhos azuis. hehe

Mas eu tive em Portugal a pouco tempo e nao vi esse povo lá. Acho que estavam de férias viajando(risos).

Que tolice, meu Deus.

Complexo de inferioridade é uma coisa triste.

Anónimo disse...

Ao anonimo que viu portugueses morenos na tv, deve andar a ver o canal rtp-africa por isso ta desculpado.
Quanto ao ultimo comentário, certamente que não foi ao norte do país(que é aonde se encontra a maioria da população), se sim, irá constatar que a população é extremamente branca, com olhos claros, ariana. mas o sr. deve ter andado por lisboa ou algarve a visitar os seus amigos, por isso é que ficou com essa impressão.
pare de afirmar que os outros são complexados, notoriamente o senhor é um frustado.
Eu sou sinsero, tenho orgulho em ser português, tenho orgulho no meu sangue puro português que é o melhor do mundo, o senhor pode dizer o mesmo?
Boa noite a todos.

luis.

Anónimo disse...

sangue puro português?

adoro essas piadas de portugueses, vcs nos dão muita alegria no Brasil

carlos

Rogerio Henrique disse...

Ora, Ora.... cuspir no prato que come???

Caro Munício... se acha a Rússia tão ruim não sei pq ainda mora aí... Depois, não gostei de seus comentários "racistas"... não entendo porquê se referiu ao povo poruguês e brasileiro como "uma desgraça inferior"...

Fascitóides... são seus argumentos que cheiram à fascismo(para não dizer nazismo) e não sei a razão da russofobia...

Defato, dos países emergentes, que são Brasil, Rússia, Índia e China.... é Moscou que se destaca.... é respeitada exatamente pela força de barganha e por sua postura destemida...

Gostei do comentário de um amigo carioca (do Rio de Janeiro)... a Rússia é exatamente como um traficante armado até os dentes... é por isso que é respeitada... faz parte da ONU e sempre está na reunião do G7!!!

Ora, se o Brasil também fosse assim, não ficasse lambendo o saco da UE e EUA, estaríamos bem melhor...

Gosto da atitude do Kremlim.... bota a cara pra bater... é petulante sim... enfrenta eagora quer se reorganizar militarmente... tá certíssimo... melhor do que ser uma nação com território gigante como o Brasil e uma força armada de merda...

Por outro lado, também partilho da opinião de que deveria haver maior investimento em infra-estrutura para a população... todavia ter força bélica é essencial...

Aí do mundo se não houvesse uma Rússia pra fazer frente à OTAN!!!

Gilberto Mucio disse...

(presumindo que foi para mim, pois meu nome é Mucio)

Caro, Rogério.

Voce tem certeza que leu todos as minhas e as demais postagens?

Em primeiro lugar, mostre-me onde escrevi "desgraça inferior" me referindo a portugues, a brasileiro ou a quem quer que seja!

Escrevi -- me referindo aos racista, xenófobos e intolerantes -- que acho "gente complexada uma desgraça".

Eu me refiro a pobres coitados que fazem esse tipo de comentarios:

""Eu sou sinsero, tenho orgulho em ser português, tenho orgulho no meu sangue puro português que é o melhor do mundo, o senhor pode dizer o mesmo?""

E sobre a Rússia:

É um pais que tenho grande apreço, afinidade e respeito muito seu povo, mesmo com todos os defeitos(quem nao os tem?), e tenho pessoas muito queridas aqui.

Porém, critico e sempre irei criticar os desmandos de seus governantes, quando achar necessário, assim como sou um crítico contumáz das mazelas do Brasil e dos seus dirigentes.

Isso para voce agora é russofobia?

É justamente ao contrário. Se eu critico, é porque eu gosto dele e quero seu bem(o bem do seu povo). Senao seria indiferente.

Rogerio Henrique disse...

Quanto à militazrizaão russa... bom, particularmente considero superimportante pra um País ser respeitado, mas tenho que reconhecer que atualmente há o entendimento de que deve-se não só existir investimento em maquinarias, antes, e o mais importante, é o investimento em capital humano... capital intelectual... por isso também é de muito bom gosto a aplicação em treinamentos táticos e profisionalização dos militares...

UM AVISO: isso não tem nada a ver com a capacidade de economia russa, se a França é superior, ou a Rússia não é melhor do que a China... o que importa aqui é destacar que o Kremlim está interessado em continuar a mostrar que "tá botando a cara pra bater", "tá entrando no jogo"...

Sabe mais... depois da queda da URSS e a crise econômica de 1998, parece-me que a Rússia está até muito bem... duvido muito que quaquer outro país como ìndia, China ou Brasil passasse pelo mesmo conseguisse superar como Moscou o fez...

fato principal é que a China e a Índia não tÊm equipamento bélico próprio, ambos compram da Rússia... o Brasil está sucateado, possui apenas alguns Mirage 2000 franceses, A4-Thunderbold e uns teco-tecos que protegem a Amazônia...

Bom, isto me revolta porque pois SOU BRASLEIRO, COM ORGULHO, E NÃO ME ACHO INFERIOR A NENHUMA OUTRA ETNIA OU RAÇA, mas queria que meus governantes tivessem tanta coragem como a dos russos...

Por fim, toda democracia é uma exteriorização de aristocracia ou oligarquia... não há democracia!!! Quem manda é quem possui poder para tanto... esses são os membros da alta burguesia, empresários que fazem lobbys para aprovar leis para sí mesmos... querem falar memo em democracia???

Viva o capitalismo, viva o neoliebralismo.... mas tudo com moderaão.. não vejo, em país algum, nem nos EUA, pura democracia... as classes dominantes são quem governam... "HOMEM PRIMATA, CAPITALISMO SELVAGEM"!!!!!!!!!

Rogerio Henrique disse...

GILBERTO.... FALO PORTUGUÊS... NÃO SOU EUROPEU... SEI MUITO BEM INTERPRETAR...

SEGUE SEU COEMNTÁRIO, TALVEZ... MAL COLACADO!!!

---------------------------------
Coisa ridícula ver fascistóides, tanto lusitanos como brasileiros.

Gente complexada é uma desgraça. Complexo de vira-lata.
-----------------------------------

Rogerio Henrique disse...

MAS TUDO BEM.... VC EXPLICOU MELHOR, EU ENTENDI!!!!

Gilberto Mucio disse...

Entao, colega...

Ficou bem claro a quem eu estava me referindo, nao?

Aos fascistóides(seja de que lugar foi, mas aqui participam portugueses e brasileiros)!

Ficou claro agora?

Rogerio Henrique disse...

CONSIDERO TODAS AS CRÍTICAS UM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO!!!!

MUITO IMPORTANTE ATÉ!!! É ATRAVÉS DE CRÍTICAS QUE PODEMOS EVOLUIR... CRITICO A TUDO TAMBÉM... ATÉ MESMO AO MEU PAÍS!!!!

CONSIDERO ISTO AQUI UM HORROR.... GOVERNANTES APLICANDO LEIS ABSURDAS AO POVO E QUANDO ELES VÃO SOFRER AS PENAS DA MESMA LEI SOCORREM-SE À SUAS PRERROGATIVAS LEGAIS.. É UM POUCA VERGONHA... CONCORDO....

MAS NUNCA TEREI VERGONHA DE MEU PAÍS... MAS SEMPRE O TEREI DE SEUS POLÍTICOS PORCOS E VENDIDOS PARA EMPRESÁRIOS....

Gilberto Mucio disse...

A bom... voltemos a temas mais agradáveis agora.

Bem como disse anteriormente, a Rússia nao pode investir grande parte do seu PIB em armamentos.

A Rússia nao será invadida. Precisa ser muito paranóico para crer nisso.

Investiomentos pontuais, ja seriam necessarios para a manutençao do seu contingente e armamentos.

Creio que o pais tem coisas mais urgentes:

Como investimento em habitaçao(problema SERÍSSIMO); numa reformulaçao do ensino que já está precisando(ainda vive da inécia soviética); Melhorias de infra-instrutura(onde estudo --apesar de ser um grande instituto -- tem coisas caindo aos pedaços)...

...em políticas sociais; construçao de creches; e jardins de infancia ( tenho amigos com criancas e se nao pagar uma fortuna é impossível conseguir uma vaga -- há que se apelar para a corrupçao); aumento para os aposentados/inválidos/veteranos de guerra(que passam fome)...

...sem falar na parte economica, que nao há diversificaçao do parque industrial, a industria russa praticamente inexiste. O que existe aqui é apenas um resquício da industria pesada soviética.

Mas mesmo no auge da pujança soviética, a vida do povo era sofrida. Enquanto o país mandava gente para o espaço, o povo nao tinha nem um papel-higienico decente para usar(exemplo bem prosáico, hein)...

Eu vivo aqui, sinto o país na minha pele e critíco e estou falndo como um russo -- que já me sinto um pouco!

Com todos esses problemas que listei, e isso é só uma ínfima fraçao, pode acreditar, eu vejo o país entrando em aventuras megalomaniacas, além de aumentar a cada dia o numero de oligarcas exurpadores do povo russo, bilionários... isso me dá um pouco de revolta.

Sem falar na corrupçao aqui que continua de vento em popa. Na última listagem da "tranparencia internacional" o pais esta em 155 lugar, atras de vários países africanos. Alguma açao efetiva do execultivo, lesgislativo ou juduciario para combater isso? NAO. Sao todos controlados pela mesma máfia.

É por essas e outras que critico continuarei a criticar, e também aqui nesse blog, se o sr. Milharez permitir.

Um abraço. Estou de saída.

Jose Milhazes disse...

Caros leitores, dada a grande quantidade de comentários, já tenho dificuldade em acompanhar tudo. Por isso, lanço um apelo para que os leitores se respeitem uns aos outros. Estou aberto a toda a argumentação, mas sem insultos pessoais ou racismo. Por favor, esta casa é vossa e, por isso,peço-vos que a respeitem.

Jest nas Wielu disse...

Adorei este comentário!!!

A rússia parece um traficante favelado do rio, o cara é bem armado mas vive na merda... o patético ainda é que se orgulha disso.
-------
O anónimo tem toda a razão, o mais patético é que eles se orgulham mesmo! Como explica o autor ucraniano Les Podervyanskiy:

"Quando mais o Estado russo f.de os cidadãos, incluíndo os seus próprios, mais o cidadão respeita o Estado".

Comparem: Ivan o Terrivél e Stalin são os líderes bem respeitados na Rússia, e pouca gente gosta de Yeltsin ou de Hruschev...

sérgio disse...

Gostaria de acrescentar o seguinte:
Primeiro - Os EUA também combateram o regime Nazi, mas este argumento é sempre usado apenas a favor da Rússia;
Segundo - A URSS, foi mesmo colaborante na fase inicial da II Guerra Mundial com a Alemanha, até que os calculos saíram errados a Estaline;
Terceiro - Será que alguem acredita, que alguma vez houve uma intenção de invadir a Rússia por parte do Ocidente ou subjuga-la militarmente. Cito duas oportunidades para o fazer, após a II Guerra Mundial, quando apenas os EUA detinham a bomba nuclear e houve mesmo alguns Americanos que sugeriram a sua utilização contra a URSS e após a Guerra Fria;
Quarto - Quem vê na NATO e no Ocidente um perigo constante para o mundo, que se refugia no pensamento confortavel que a Russia existe para defender os desprotegidos deste mundo e se opor á NATO, que sonha com um mundo em que irão existir potencias dominantes e pacificas como a China, que continuem, talvez lhes aconteça como a Estaline.
Quinto - A Rússia só se chateia com o Ocidente quando este não tem em consideração os seus interesses, o que verdadeiramente se passa na maior parte do tempo, mas não quer dizer que a Rússia não queira uma maior coordenação com este, apenas não lhe é permitido.
Sexto - A quem tenta defender a supremacia económica da Rússia, sem dúvida um factor determinante do poder que esse pais poderá exercer, veja-se o caso da economia Japonesa e do Japão, um país que quase sempre é esquecido nesta conversa de potencias emergentes e futuros poderes globais, e garanto que a Rússia economicamente muito dificilmente ultrapassará o Japão.
Setimo - Fui solidário com a situação que a Rússia viveu logo após a desintegração da URSS, mas o que é verdade é que foram eles que se meteram nessa mesma situação.
Oitavo - Mais importante que o comportamento nas derrotas é o comportamento nas vitórias, porque se quem sofre as derrotas ve-se com uma situação que lhe é imposta sem qualquer alternativa, quem ganha impõe as condições. Neste ponto chamava a atençao para o comportamento da URSS e dos EUA em relação aos países que ficaram debaixo da esfera de influencia de cada um. Sei que a Rússia não é a URSS, mas outros virão no futuro.
Nono - O Brasil, com todo o respeito que me merece um país irmão, não consegue nem sequer tomar conta do seu quintal, veja-se o caso da Venezuela e do Chavez.

Anónimo disse...

Estes comentários dão vontade de rir e chorar ao mesmo tempo. A imbecilidade da discussão do grau de arianismo lusitano foi o topo, mas outras pérolas como "O brasil tem um enorme potêncial se mantiver o dominio branco e isto não é racismo é pragmatismo" ficaram lá perto.(e isto não é racismo - uma leitura rápida de um dicionário ou encicolpédia poderá ajudar a clarificar conceitos)
Eu por norma até tenho um espírito tolerante mas frases destas só me merecem adjectivos como idiotas, imbecis.
E já agora, o ódio anti-semita (que também aparece aí pelo meio) é ainda mais ridiculo neste caso, tendo em conta a forma como Stalin perseguiu os judeus.
Assinado- Nortenho de olhos e cabelos escuros que sempre viveu num país em que as pessoas são (pelo menos fisicamente)bem mais parecidas com turcos ou marroquinos do que com alemães

Anónimo disse...

O melhor comentário:

A rússia parece um traficante favelado do rio, o cara é bem armado mas vive na merda... o patético ainda é que se orgulha disso


Muito verdade!

Pippo disse...

Gilberto, só uma curiosidade pessoal: onde é que estuda? É na Universidade "Amizade dos Povos" (acho que era esse o nome)? É que eu estive no Instituto Pushkin, não muito longe dali... enfim, não muito longe à escala moscovita, é claro :o)

Parece-me que os EUA não atacaram a URSS pelos seguintes motivos: porque, apesar de terem armas atómica, o seu potencial terrestre e aero-táctico era muito inferior ao soviético (basta comparar em termos de qualidade de armamento e quantidade de homens e meios); porque se se lançassem nessa aventura não seriam acompanhados por nenhum dos seus aliados; e porque não havia razões políticas pois a URSS era uma aliada contra o nazismo, e só deixou oficialmente de o ser com a crise de Berlim... no ano seguinte os soviéticos detonaram a sua primeira bomba atómica...

sérgio disse...

Pippo até podia rebater os seus argumentos, mas não o vou fazer, porque só confirma aquilo que eu disse. O Ocidente nunca pretendeu envolver-se militarmente com a Rússia, nem nessa altura, nem agora, nem num futuro próximo, a menos é claro que eles sejam tolos suficientes para se convencerem disto e desfiram o primeiro golpe. Cumprimentos

Anonimo Nuno disse...

Eu achei piada à foto. Mas depois de ler alguns comentários tive a curiosidade de olhar mais atentamente. So quando reparei no fundo da foto é que percebi. O Medvedev faz aquela cara de espanto porque está numa sessão de autógrafos da "RU"te Marlene!! Bem visto Sr. Milhazes ;)

Gilberto Mucio disse...

Pippo,

Estudei na RUDN(Amizade dos Povos) por quase 3 anos, visinho ao Pushkin, na rua Miklukho-Maklaya (M. Bilyaevo) . Lá terminei a faculdade preparatória e fiz o primeiro ano do curso. Depois me transferi para o o Primeiro Instituto de Medicina de Moscou. Mas ainda tenho vários amigos na RUDN, e de vez em quando apareço por lá.

Abraço

Pippo disse...

A estação de Bilyaevo... ainda me lembro de parar na roulote que estava mesmo à saída da estação para comer uma shuarma preparada pelo dono do estabelecimento, que era sírio, ou conversar com a empregada, que era norte-caucasiana... e depois passava pelo mercado e a meio parava para comprar pão uzebeque, o qual colocava dentro do meu casaco para ficarmos (eu e o pão) bem quentes!

Enfim, bons tempos em que estudava introdução ao russo, vivia descontraidamente numa residência de estudantes onde conhecia gente do Mundo inteiro, e não tinha grandes preocupações...

Abraço

Anónimo disse...

é Rogerio Henrique

Enquanto vc admira a petulancia do Putin o povo russo está vivendo cada vez mais em condições piores,
esse é o ideal de país pra vc? um país que mete a cara que enfrenta mas que esquece seu próprio povo?

max

Vasco disse...

Infelizmente não tenho em meu poder a informação relativa ao plano alemão de divisão de Portugal em 3 zonas, pois de bom grado a partilharia. O leitor Luis (e outros) ficaria concerteza esclarecido em relação à "limpeza" que se teria verificado no nosso país às mãos dos alemães e dos seus esbirros franquistas aqui do lado.

O plano Félix, já aqui referido tinha como objectivo o controlo efectivo da Peninsula Ibérica e a conquista de Gibraltar. Felizmente a incapacidade dos Italianos de conquistarem os Balcãs e a Grécia fez com que os alemãos desviassem os recursos a postos para a invasão da P.I para o Leste.

Dizer que o austriaco complexado e maníaco admirava os portugueses e que os considerava ...arianos ...é no minimo uma piada de mau gosto. Se calhar a seguir vai-nos dizer que or portugueses têm medidas cranianas diferentes dos outros não?

Acho muito bem que admire, exalte e defenda Portugal mas acredite que nos nossos 800 e tal anos de História enquanto Nação encontrará gente de muito mais valor que esse tal de Hitler.

Não escreva asneiras....e mais importante ainda....não leia asneiras.


V.

Rogerio Henrique disse...

Bom,

em réplcia ao Max (anônimo) faço o seguinte... reporto-me às minhas alegações e as ratifico por completo....

Admiro sim a atitude de Putin e Medvedev... aliás, tenho que esclarecer o seguinte:

"considero que por um lado o povo sofre todo o sacrifício para uma militarização, por isso é melhor, do ponto de vista econômico e social que em vez de investir-se em armas se aplique o dinheiro em infra-estrutura, educação e saúde, que fazem o capital humano e intelectual!"

Mas isso eu já havia dito...

Por outro lado é de suma importância quer um país soberano, verdadeiramente, tenha suas Forças Armadas bem equipadas e desenvolvidas, sob pena de ter que se submeter à outras nações...

Maior exemplo disso é o que o Sérgio disse... basta ver o meu país, o Brasil.... "UM PAÍS MAL EQUIPADO NÃO PODE CUIDAR NEM DE SEU QUINTAL", o que concordo por inteiro...

De fato, se os bolivianos ou venezuelanos quiserem invadir o meu país (do qual tenho muito orgulho) o fará com facilidade. Isto porque os overnantes brasileiros não impõem respeito...

O que seu país faria se algum dia outro país tomasse as instalações de uma indústria estatal pertencente ao seu país???

Aqui aconteceu por duas vezes... os bolivianos tomaram e estatizaram as instalações da petrobrás e agora o equador o fez também...

Oras, aqui a diferença social é na verdade um abismo... é um país de notória diferença... vivemos uma guerra civil não declarada pelo governo, mas se você tiver curiosidade sr. Max poderá ver que nas favelas cariocas e paulistas o índice de morte é superior à de países africanos em guerra...

Concordo, em termos, que a melhor aplicação seria na infra-estrutura, mas não se iluda caro amigo... meu país não investe em armas, mas mesmo assim o povo é tão sofredor quanto o da Rússia... qual a diferença????

A RÚSSIA TEM RESPEITO!!!!!!!

"É O TRAFICANTE BEM ARMADO"...

MAS AINDA ASSIM TEM O RESPEITO QUE OUTROS PAÍSES EMERGENTES, DESPROVIDOS DE ARMAMENTO BÉLICO, NÃO TEM!!!!

POR ISSO... admiro sim... é botar a cara pra bater... é enfrentar e ser corajoso... é possuir o temor de que se mexerem contigo sem uma razão razoável vão ter resposta à altura...

Rogerio Henrique disse...

só uma pequena emenda ao que eu disse...

só pra ilustrar... os EUA não fizeram com o Irã, com a Coréia do Norte e com a Venezuela ou a Bolívia o que fizeram com o Iraque...

sabe porquê?

A atitude forte e determinada de seus líderes... todos já sabem que esses países que não fora invadidos possuem um regime não democrático de governo... ora, Venezuela, Bolívia, Irã, Coréia do Norte, etc, são países onde há uma imensa concentração de poderes nas mãos de um governante que mais se aproxima de um ditador do que de um presidente....

Mas são países que assim como a Rússia botam a cara e deixam bem claro que estão sim se armando, que querem sim ter um programa nuclear...

O que aconteceu com eles??? EXPULSÃO DE DIPLOMATAS, CORTE DE POLÍTICA EXTERNA... faça-me rir... nãda foi feito... a não ser ameças... diferente do Iraque onde há poucos dias antes da invasão da Coligação do Ocidente tivemos imagens nítidas dos agentes da ONU desativando diversos mísseis iraquianos...

UM PAÍS PARA SER RESPEITADO COMO SOBERANO TEM DE O SER DE VERDADE, NÃO PODE DEPENDER DA BOA-FÉ ALHEIA...

Democracia no mundo??? isso é demagogia... seja qual país for sempre há oligarquia... sempre haverá imensas diferenças sociais... até em países "desenvolvidos" como os EUA ou a França... todo país tem suas mazelas... infelizmente os subdesenvolvidos e os emergentes possui uma maioria miserável... mas isso é algo pro cidadão lutar... o Governo faz a parte dele... "DIREITO INTERNACIONAL, POLÍTICA EXTERNA"... é disso que se trata!!!

rogerio henrique disse...

Sacrifícios hão de haver... os desejos e necessidades são muitos e os recursos limitados!!!

Mas antes ter uma país respeirtado e miserável, do que ter um país miserável e sem respeito...

BRASIL, ARGENTINA, COLÔMBIA, VENEZUELA, BOLÍVIA, TODA A ÁFRICA...

Jest nas Wielu disse...

Achei engraçada a discussão sobre o PIB. Na Rússia o PIB não tem correlação directa com o bem – estar das pessoas. Os russos continuam a emigrar para a França (outros países da UE), EUA, etc. E não conheço nenhum movimento dos franceses ou americanos que pretendem emigrar para a Rússia.

No início de 2008 lembro me de história de uns emigrantes russos na França, onde o adolescente fugia da migração francesa, saltava às varandas do prédio, escorregou e partiu qualquer coisa (originou a indignação geral dos emigrantes, a “desumanidade” da migração francesa). Minha pergunta: até que ponto a vida é boa na Rússia, que era preciso saltar da varanda para a varanda, para não voltar a “mãe – Pátria”?

Exército russo: aqui aparecem uns patriotas da Rússia que nós contam como é moderno o exército russo. Esquecem de contar que os soldados russos continuam trabalhar como semi – escravos na construção civil, na agricultura, etc. Os soldados recém – alistados são maltratados por soldados que já lá estão um ano e meio, etc.

Escreve o soldado russo, gramática é preservada:

Jurar fidelidade à pátria f.dida

A frase militar “TU ÉS F.DIDO, NÃO?” esta(va) na minha cabeça duas semanas, depois foi internado no hospital de campanha: pneumonia, gaimorite (doença otorrino), dificuldade respiratória aguda, aclimatização, temperatura +40ºC, lavar as casas de banho, varrer o território, destripar o peixe podre, ouvir sobre os métodos coercivos de celebração do contracto (com o exército), ficar internado com as pessoas (animais estúpidos), que tem visitas dos familiares que lhes trazem a comida, quando estou esfomeado, quero o açúcar.

[...]

Foi transferido (de volta) para o quartel. Isso é um inferno. Me disseram que eu vou morrer. Porque? Porquê? Porque fiquei doente. Exercício físico. Corrida, flexões, as dentes rangem, sentar – levantar-se (até que as pernas caem). Para o quartel! Levantar a cama, gritam comigo! Posso ir à casa de banho? NÃO! Trabalhar todo o dia! O que fazemos? Cortamos a relva com a pá.

[...]

O dinheiro é arrancado, trazer de licença 4 maços de cigarros “Kent”, garrafa de vodka, torneirinha, 2 litros de coca – cola, senão eu vou morrer. Mas não sou eu, eu, TODOS! Odeio os cabrões de colegas, sargentos, exército da f(ederação) r(ussa).

[...]

Não quero mais escrever isso. Deveria chorar, fazem de mi homem. Adeus! Odeio. Vivem este mês por mi! Exército.

Fonte em russo:
http://ideotequeboy.livejournal.com/24981.html

Anónimo disse...

para alguns leitores,

Não distorçam o que escrevi..
Não tenho admiração nenhuma por hitler, nem acho que alguem decente possa ter. O que eu disse é que as politicas raciais do III Reich consideravam os portugueses arianos. Dizer isto não significa defender a raça ariana, só estava a divulgar um facto historico, tenho a firme convicção que se algum dia existiu uma raça superior, facto discutivel, ela tera sido a dos povos do sul da europa, com uma analise simples da historia se entenderá porquê.
O que sucede, é que não acredito em divisões de povos europeus, estudos ciêntificos já provaram que os portugueses, espanhois, ingleses, irlandeses e em menor grau, os alemães têm uma origem ancestral comum.
Hitler foi uma das piores desgraças que aconteceu a europa, acabou com a possibilidade da defesa da existência fisica dos europeus, foi o responsavel pelo sentimento de aversão a politicas de apoio aos europeus que ainda vigora hoje na maioria dos países europeus.
Ainda ontem estive a ver um debate de euro-deputados(portugueses) em que defendem a solução da imigração para o problema demografico europeu.
Para quem conheçe as diferenças de fecundidade entre povos, saberá que isso significa que os brancos na europa ficarão extintos num periodo de tempo curto.
tenho a convicção que isso será a total destruição da europa. Muita gente encara a defesa da sobrevivencia dos europeus no continete europeu tal como ele é como xenofobia, racismo, não concordo, mas respeito a opinião dessas pessoas se for feita em termos civilizados, e tal não aconteceu com alguns comentarios.

luis.

Pippo disse...

Jest Nas Wielu (ou Afric Dymon, como preferir), terá de nos dizer quem é que escreveu esta história. De qualquer modo, não me parece muito diferente das histórias que o pessoal daqui conta acerca das recrutas. A diefrença é que por cá não há praxes violentas, como ainda acontece no exército russo, mas também, aqui em Portugal não existe uma arte marcial, como existe na Rússia, que consiste em levar tareia até ao limite... mentalidades diferentes, apenas isso.

Pippo disse...

Vou agora divergir um bocado do tema da conversa para fazer uma apologia.
O que o Luís diz não é totalmente desprovido de razão. O Hitler e o nazismo foram os principais responsáveis pela criação de uma mentalidade de auto-culpabilização do homem branco, neste caso europeu, e pela impossibilidade de, nos dias de hoje, se pretender defender a existância de uma raça e de uma cultura.
Quando falamos de "proteger a raça branca" chovem logo as acusações de racimo, xenofobia, do "pecado colonial", etc. O Homem Branco (europeus e afins) é culpado de todas as degraças do Mundo (escravatura, colonialismo, capitalismo, genocídio, racismo, etc.). Agora, para carpir esse mal, deve aceitar, sem restrições, a imigração de outros povos para a Europa , como forma de compensar e de se auto-punir pelos desmandos passados.
Qualquer afirmação da cultura e História europeia é sempre contestada usando-se a acusação verdadeiramente fatal de que aquela atitude é "racista", "xenofoba", "anti-semita" ou "islamofoba". E sob tal acusação os autores vergam-se de imediato e os interessados espectadores afastam-se, receosos de serem conotados com tal pensamento excomungado (e como sabemos, quem contactava com excomungados passava, automaticamente, à excomunhão. Assim era ontem, assim é hoje em dia).
A linha de pensamento desse deputados europeus (tais como o António Vitorino) é uma atitude, talvez humanitarenga (por um lado, pensam que a Humanidade é toda a mesma, o que não é verdade - basta abrir-se os olhos para se constatar essa verdade - e por outro lado dão o exemplo da história de emigração portuguesa, dizendo que agora é a nossa ez de aceitarmos imigrantes) e sem dúvida economicista (pensam que com o afluxo de imigrantes a economia europeia sobreviverá, bem como a segurança social).

Esta visão é falaciosa por vários motivos:
Em primeiro lugar, a maioria desses imigrantes trabalha em sectores mal pagos que só beneficiam os patrões, esses grandes eploradores; a maioria para IVA (óbviamente) mas quase não paga IRS por via dos seus baixos rendimentos; muito do dinheiro qye ganham vai como remessas para os seus países de origem (ou seja, o dinheiro não fica cá). Mas isto é apenas a questão económica. Bem mais grave é a questão social.
Qal é o interesse em alterar a composição étnica da Europa? Actualmente, falamos de uma verdadeira colonização, em que massas de imigrantes invadem (literalmente) o continente e não se integram, pois a par da sua raça (e não é racismo dizer isto, pois basta ter olhos e ver o óbvio), não absorvem na íntegra a cultura do país receptor, isto é, estão em Roma mas não se tornam romanos. Vivem em comunidades, mantém a sua cultura e tradições, e destroem o tecido social europeu, pois é sabido que uma sociedade multi-cultural é mais instável e mais propensa a conflitos que uma sociedade mono-cultural. A História não mente a este respeito, nem a actualidade.

Por isso, atenção com a classificação de "racista" (que pressupõe um "ataque", verbal ou físico, a alguém de outra raça, seja ela qual for) e "xenófobo" (que pressupõe apenas não se gostar de estrangeiros, sejam eles de que origem forem).
Quando alguém diz que a sua comunidade está ameaçada, ou a sua raça (sim, elas existem, até sob o ponto de vista legal, veja-se o candidato "negro" Obama!) está em extinção, isto não pode ser encarado, sob nenhum ponto de vista, como racismo. Fosse esse o caso, então por exemplo os índios da Amazónia, ou os africanos, etc., seriam racistas, nacionalistas e xenófobos de primeira ordem, pois querem defender o que é seu.

Pippo disse...

Só para complementar, recomendava a leitura d' "O Remorso do Homem Branco" de Pascal Bruckner (Dom Quixote). O estilo é um pouco fastidioso mas o conteúdo é muito esclarecedor.

Anónimo disse...

Tenho esperança que os europeus "acordem" a tempo antes de se concretizar o tragico destino que se reserva á europa.
A europa esta a morrer, cada familia de um europeu tipico tem 1,4 filhos, isto significa que o nivel de sustentação populacional não é suficiente.
Mais grave do que isto é que a população de europeus diminui e a de não europeus aumenta exponencialmente, é alarmante, estamos a assistir a um genocidio silencioso, muita gente tem a culpa, incluindo os próprios cidadãos europeus que compactuam com o silêncio, no entanto penso que a culpa principal será sempre a dos politicos que se julgam no direito de impor os seus ideais ás massas, muitos politicos europeus lidam com a europa como se do quital deles se tratasse, não respeitam os europeus.
Algumas pessoas conseguem compreender o triste destino da europa, mas infelizmente não são a maioria.
Em muitos paises eurpeus, os naturais serão uma minoria já no final deste seculo.

Marco .coimbra.

Wandard disse...

Pippo,

Cada povo procura defender os seus interesses. Quanto à Xenofobia, Russofobia, Islamofobia, são realidades recorrentes tanto na Europa como nos Estados Unidos. No caso que você citou dos estrangeiros que trabalham em países Europeus(no caso foi Portugal), que remetem para seus países de origem boa parte do que ganham, me desculpe mas os estrangeiros (Europeus), Portugueses, Espanhois, Ingleses, Alemães e Asiáticos(Árabes e Chineses) .....Também são costumazes desta prática em países como o Brasil por exemplo, afinal foi um prática apreendida nos processos de colonização Inglesa, Espanhola, Portuguesa, Holandesa e Francesa, ou seja foi isso que os Europeus fizeram nos territórios/colônias que hoje representam as nações destes imigrantes. Quanto à formação de comunidades e a não assimilação da cultura dos países para aonde emigraram, o comportamento dos Europeus é o mesmo.

As colocações do Rogério Henrique quanto ao Brasil são pertinentes, hoje o Brasil vive uma grande demagogia enfeitada pela ilusão de uma democracia. Ao fim do Governo Militar em 1985, o país passou a ser governado por civis que alcançaram o poder através dos militares(Demagogia). Até 1985 o país possuía Forças Armadas, que no mínimo garantia a sua soberania e permitia o respeito de suas fronteiras e espaço aéreo, além de uma indústria militar que ocupava a 5ª posição mundial na década de 80. Apesar de toda a proximidade com os Estados Unidos os militares do Brasil impediram que estes possuissem bases (pós segunda-guerra)até o fim da ditadura no ano referenciado(1985). Com o advento do governo civil e posteriormente por eleições directas a estrutura militar do país foi sendo desmantelada e sucateada, empresas respeitadas no fabrico de armamentos foram fechadas e até uma campanha de desarmamento muito parecida com a que os Nazistas realizaram em 1939, foi desenvolvida com a realização até de um plebiscito. A última interceptação de invasão de espaço aéreo ocorreu durante a Guerra das Malvinas e foi a de um Bombardeiro Vulcan Inglês, nesta é poca o Brasil sofria no máximo 3 invasões por ano, sendo geralmente aviões pequenos, poucos se atreviam, hoje são mais de 3000 com frequência quase que na região amazônica. Em resumos o país não tem condições reais de defesa e consequentemente não tem força em questões internacionais, vide a briga com os EUA na questão da ALCA. Um bom exemplo é a Base de Alcântara, veja abaixo um recorte retirado de uma revista Brasileira:

FHC entrega Base de Alcântara a Tio Sam

Imagine a seguinte situação: um sujeito quer alugar um quarto da sua casa, onde você mora e vive. Propõe, como pagamento pelo aluguel, uma ninharia, alguns trocados. Exige, em troca, que você se mantenha bem longe do quarto; que renuncie até mesmo ao direito de sequer perguntar para quê servem algumas misteriosas caixas lacradas que o sujeito já diz, de antemão, que pretende levar para o quarto; proíbe, além disso, que você use o dinheiro do aluguel como bem entenda, ou que, finalmente, alugue outros quartos para outros inquilinos sem autorização prévia do tal fulano. Você toparia?
Parece piada, mas estes são os termos do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas que o governo Fernando Henrique Cardoso assinou com Washington, em maio de 2000, assegurando aos Estados Unidos o direito de usar a base espacial de Alcântara, no Maranhão, estrategicamente situada na entrada da Amazônia. A posição geográfica da base – situada a dois graus da linha do Equador - é perfeita para o lançamento de foguetes. O preço do “aluguel”: 34 milhões de dólares anuais, bem menos do que um mísero cafezinho para os padrões de gastos e investimentos da indústria aeroespacial dos Estados Unidos.

Tudo por um “cafezinho”
Em troca de um cafezinho, FHC garante a Tio Sam o controle total sobre a base de lançamentos, permite aos Estados Unidos desenvolver programas sigilosos, além de realizar operações sem o conhecimento das autoridades brasileiras. Nos termos do acordo, só as pessoas ligadas ao programa aeroespacial estadunidense poderão circular em Alcântara.
Fica expressamente proibido o acesso e a circulação de brasileiros na base, mesmo que sejam parlamentares ou membros do Executivo (isto é, sequer o presidente da república poderá circular pela área sem autorização de Washington!). Além disso, nenhum material que chegar ou sair da base, de qualquer origem ou destinação, poderá ser sequer tocado por brasileiros.
O acordo também garante a Tio Sam o direito de não comunicar às autoridades brasileiras a natureza ou a data exata em que serão realizadas operações ligadas ao programa aeroespacial norte-americano. E mais: Tio Sam exige que o dinheiro do aluguel não seja investido no programa aeroespacial brasileiro, e que o Brasil não estabeleça parcerias no setor aeroespacial com nenhum outro país sem a sua autorização prévia!
Primeira base militar no Brasil
“Na prática, o governo está permitindo que os Estados Unidos montem sua primeira base militar no país. Desconfiamos - e temos razões de sobra para isto -, que a base será utilizada para fins militares, com o objetivo de controlar estrategicamente a floresta amazônica. Com suas bases na Bolívia, Colômbia e Equador, eles já monitoram toda a parte oeste e sudoeste da Amazônia. Se controlarem Alcântara, terão monitoramento total”, afirma João Pedro Stedile, dirigente nacional do MST.
As implicações são óbvias. Tio Sam já promove operações militares de grande porte na Amazônia, usando como pretexto a “guerra ao narcoterrorismo” (isto é, os grupos guerrilheiros colombianos que não aceitam ocupar o papel de criados servis de Washington). Em Manta, no Equador, pleno coração da floresta, os Estados Unidos estão construindo o maior aeroporto da América do Sul. Para desalojar nações indígenas daquela região, despejam agrotóxicos altamente nocivos à saúde (um fungo transgênico produzido pela Monsanto, chamado “gás verde”). Está em curso a ocupação da maior reserva mundial de água, biodiversidade e recursos naturais do planeta. Só isso.

Capitulação tecnológica
“O acordo é uma capitulação de soberania e de interesses. Impede, em suas cláusulas, o desenvolvimento tecnológico do país. Interdita, a rigor, nossa relação científica, imediata ou futura, que tanto nos convém, com os países tecnologicamente mais avançados do setor, como a Rússia, a China, a França, a Ucrânia e a Índia”, diz Waldir Pires.
“O Brasil investiu mais de 500 milhões de dólares no setor aeroespacial nos últimos vinte anos. Com o desenvolvimento do projeto VLS (Veículo Lançador de Satélites), entrou para o rol das nações que têm algo a dizer em termos de tecnologia para o setor. Além das implicações políticas e militares, seria muito interessante para os Estados Unidos afastar um país com o potencial do Brasil deste mercado”, afirma o deputado.


Breve histórico

1980 - O governo brasileiro cria o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão. Com esse objetivo, desapropria por decreto uma área de 52 mil hectares, onde viviam cerca de 500 famílias, a maioria descendentes de quilombolas que sobreviviam de pesca e de agricultura de subsistência.
1990 – A área da base é ampliada para 62 mil hectares.
Maio de 2000 - O governo assina o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas com Washington, que garante aos Estados Unidos o direito de usar a base. Por força da Constituição nacional, o acordo precisa da aprovação do Congresso.
2001 - A Comissão de Relações Exteriores da Câmara de Deputados rejeita o acordo por unanimidade, a partir de um relatório do deputado Waldir Pires (PT-BA), que considera os seus termos lesivos à soberania nacional. Apesar disso, o acordo é aprovado pela Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara, com base em parecer favorável do deputado José Rocha (PFL-PA). Cria-se um impasse.
Março de 2002 - O acordo é encaminhado à Comissão de Constituição e Justiça, tendo como relator o Deputado Zenaldo Coutinho (PSDB-PA). Após o parecer da comissão, que deverá ser concluído até o final do ano, o acordo vai a votação no plenário da Câmara.


Em defesa da soberania nacional

Em 24 de junho, um público de quase 3.000 pessoas lotou o teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, no histórico ato que lançou o manifesto nacional contra o acordo que cede aos Estados Unidos o direito de usar a base de Alcântara. Participaram, entre outros, Dorinete Cerejo (Alcântara), João Pedro Stedile (MST), Waldir Pires (PT), Leonel Brizola (PDT) e o brigadeiro Rui Moreira Lima. Reproduzimos, em seguida, a íntegra do manifesto:

“O mais antigo e legítimo princípio do exercício da soberania dos povos é a defesa da integridade do seu território. Princípio que lhe garante ação soberana inquestionável para desenvolvê-lo de maneira sustentável e oferecê-lo às gerações futuras.
O Governo Fernando Henrique Cardoso está ferindo este princípio, ao acatar as inaceitáveis condições impostas pelo governo dos Estados Unidos da América, para utilização da Base de Alcântara, no Maranhão. O Acordo de Salvaguardas Tecnológicas, assinado entre os dois governos, em maio de 2000, constitui-se numa peça que envergonha a diplomacia brasileira e num insulto à nossa soberania e inteligência.
É inaceitável para um país soberano, sob qualquer ponto de vista, admitir que a área da Base de Alcântara seja privativa da autoridade do governo dos Estados Unidos, garantindo-lhe total privacidade na circulação de pessoas e equipamentos.
O teor do acordo não nos deixa dúvida sobre as reais motivações geopolíticas e militares do governo dos Estados Unidos, ao exigir autonomia total em nosso território, justamente na entrada da Amazônia. E, sorrateiramente, este Acordo sepulta a possibilidade da Aeronáutica brasileira desenvolver um programa espacial autônomo e soberano.
Além disso, coloca em risco as comunidades de remanescentes de Quilombos que há mais de duzentos anos vivem na região.
É indispensável um gesto de altivez do Congresso Nacional, ao apreciar os termos deste malfadado Acordo, visando restabelecer o pressuposto da Soberania Nacional
Nós, cidadãos e cidadãs, atento(a)s aos princípios e a defesa da soberania nacional e conscientes do exercício da soberania popular assegurada pela Constituição da República, nos manifestamos, exigindo:
· Que o Congresso Nacional rejeite o Acordo.
· Que se busque uma solução justa e duradoura para que todos os brasileiros que vivem no município de Alcântara tenham seus direitos assegurados e possam trabalhar e melhorar suas condições de vida.
· Que seja assegurado o direito de nosso povo à investigação, à pesquisa, ao acesso e desenvolvimento de novas tecnologias pacíficas de exploração espacial.

Estaremos sempre dispostos a lutar contra os que, atendendo a interesses de grupos nacionais e estrangeiros, buscam fragilizar o primado da nossa soberania sobre o território nacional. Lutaremos, sempre e incansavelmente, por um Brasil socialmente justo, soberano e democrático.”

(Teatro João Caetano, Praça Tiradentes, Rio de Janeiro, 24 de junho de 2002)

Despejo dos quilombolas

Ao criar o Centro de Lançamento de Alcântara, em 1980, o governo desapropriou por decreto uma área de 52 mil hectares, o que implicou desalojar e transferir cerca de 500 famílias, descendentes de quilombolas, para agrovilas no interior do Estado. Em 1990, Fernando Collor de Mello destinou outros 10 mil hectares para a base. Resultado: outras 200 famílias foram para as agrovilas.
Essas “transferências” são de uma violência brutal, não só por terem mudado radicalmente a vida de comunidades inteiras – que viviam de pesca típica daquela região específica -, mas também pela destruição de patrimônio histórico e cultural preservado pelos quilombolas.
“O governo amontoou nas mesmas agrovilas grupos distintos de pessoas, não respeitando as diferenças culturais”, diz Dorinete Serejo Moraes, do MAB (Movimento dos Atingidos pela Base de Alcântara). João Pedro Stedile resume adequadamente o significado social de tudo isso: “Do jeito que está, a única solução econômica para essas famílias será suas filhas se tornarem prostitutas para atender aos soldados norte-americanos”.

È Rogério, infelizmente você está certo "Mas antes ter uma país respeitado e miserável, do que ter um país miserável e sem respeito"

Ao chegar ao fundo do posso a Rússia achou que poderia contar com os Estados Unidos e a União Européia e o país foi aberto a uma devassa sem precedentes na História, foi como se houvesse ocorrido uma capitulação incondicional após um conflito mundial, toda sua estrutura sendo desmantelada com um grande número de autoridades da NATO, decidindo os caminhos da Rússia com a permissividade de Ieltsin. Felizmente ou Infelizmente depende o lado assumido na Geopolítica, a Rússia não é o Brasil. Seria ideal que as coisas tivessem ocorrido de forma diferente, que os Americanos tivessem retirado suas bases, recolhido suas forças de volta ao seu país e a NATO fosse absolutamente Européia tendo a Rússia com sua formidável máquina militar como integrante, e que juntos Europeus e isto inclui os Russos e os Americanos, adotassem uma política menos protecionista e e enxergassem que o centro do mundo não se localiza apenas nos seus interesses, que existem outros seres humanos que passam fome, tem necessidades básicas e direito a uma vida digna.

Pode ser que alguém queira divergir, e isto é direito de cada um, mas esta provável nova corrida armamentista não foi iniciada pela Rússia.

Abraço a todos.

Pippo disse...

Boas!

Não queria continuar a divergir no assunto, mas as conversas são como as cerejas. A questão do Brasil interessou-me por causa de um artigo que recebi por email. Contactei depois um "russo", ou seja, um amigo meu, brasileiro, que conheci em Moscovo. Ele é Capitão de Mar e Guerra e sabe umas coisas. Aqui vai o artigo:

"A PRÓXIMA GUERRA???

Segue abaixo o relato de uma pessoa conhecida e séria, que passou recentemente em um concurso público federal e foi trabalhar em Roraima. Trata-se de um Brasil que a gente não conhece.

As duas semanas em Manaus foram interessantes para conhecer um Brasil um pouco diferente, mas chegando em Boa Vista (RR) não pude resistir a fazer um relato das coisas que tenho visto e escutado por aqui.

Conversei com algumas pessoas nesses três dias, desde engenheiros até pessoas com um mínimo de instrução.

Para começar o mais difícil de encontrar por aqui é roraimense, pra falar a verdade, acho que a proporção é de um roraimense para cada 10 pessoas é bem razoável, tem gaúcho, carioca, cearense, amazonense, piauiense, maranhense e por aí vai. Portanto falta uma identidade com a terra. Aqui não existem muitos meios de sobrevivência, ou a pessoa é funcionária pública, e aqui quase todo mundo é, pois em Boa Vista se concentram todos os órgãos federais e estaduais de Roraima, além da prefeitura é claro. Se não for funcionário público a pessoa trabalha no comércio local ou recebe ajuda de Programas do governo. Não existe indústria de qualquer tipo. Pouco mais de 70% do Território roraimense é demarcado como reserva indígena, portanto restam apenas 30%, descontando-se os rios e as terras improdutivas que são muitas, para se cultivar a terra ou para a localização das próprias cidades. (Na única rodovia que existe em direção ao Brasil (liga Boa Vista a Manaus, cerca de 800 km) existe um trecho de aproximadamente 200 km reserva indígena Waimiri Atroari) por onde você só passa entre 6:00 da manhã e 6:00 da tarde, nas outras 12 horas a rodovia é fechada pelos índios (com autorização da FUNAI e dos americanos) para que os mesmos não sejam incomodados.

Detalhe: Você não passa se for brasileiro, o acesso é livre aos americanos, europeus e japoneses. Desses 70% de território indígena, diria que em 90% dele ninguém entra sem uma grande burocracia e autorização da FUNAI.

Detalhe: Americanos entram na hora que quiserem, se você não tem uma autorização da FUNAI mas tem dos americanos então você pode entrar. A maioria dos índios fala a língua nativa além do inglês ou francês, mas a maioria não sabe falar português. Dizem que é comum na entrada de algumas reservas encontrarem-se hasteadas bandeiras americanas ou inglesas. É comum se encontrar por aqui americano tipo nerds com cara de quem não quer nada, que veio caçar borboleta e joaninha e catalogá-las, mas no final das contas pasme, se você quiser montar um empresa para exportar plantas e frutas típicas como cupuaçu, açaí camu-camu etc., medicinais, ou componentes naturais para fabricação de remédios, pode se preparar para pagar 'royalties' para empresas japonesas e americanas que já patentearam a maioria dos produtos típicos da Amazônia...

Por três vezes repeti a seguinte frase após ouvir tais relatos: É os americanos vão acabar tomando a Amazônia e em todas elas ouvi a mesma resposta em palavras diferentes. Vou reproduzir a resposta de uma senhora simples que vendia suco e água na rodovia próximo de Mucajaí:

'Irão não minha filha, tu não sabe, mas tudo aqui já é deles, eles comandam tudo, você não entra em lugar nenhum porque eles não deixam. Quando acabar essa guerra aí eles virão pra cá, e vão fazer o que fizeram no Iraque quando determinaram uma faixa para os curdos onde iraquiano não entra, aqui vai ser a mesma coisa'.

A dona é bem informada não? O pior é que segundo a ONU o conceito de nação é um conceito de soberania e as áreas demarcadas têm o nome de nação indígena. O que pode levar os americanos a alegarem que estarão libertando os povos indígenas. Fiquei sabendo que os americanos já estão construindo uma grande base militar na Colômbia, bem próximo da fronteira com o Brasil numa parceria com o governo colombiano com o pseudo objetivos de combater o narcotráfico. Por falar em narcotráfico, aqui é rota de distribuição, pois essa mãe chamada Brasil mantém suas fronteiras abertas e aqui tem Estrada para as Guianas e Venezuela. Nenhuma bagagem de estrangeiro é fiscalizada, principalmente se for americano, europeu ou japonês, (isso pode causar um incidente diplomático)... Dizem que tem muito colombiano traficante virando venezuelano, pois na Venezuela é muito fácil comprar a cidadania venezuelana por cerca de 200 dólares.
Pergunto inocentemente às pessoas; porque os americanos querem tanto proteger os índios. A resposta é absolutamente a mesma, porque as terras indígenas além das riquezas animais e vegetais, da abundância de água são extremamente ricas em ouro (encontram-se pepitas que chegam a ser pesadas em quilos), diamante, outras pedras preciosas, minério e nas reservas norte de Roraima e Amazonas, ricas em PETRÓLEO.
Parece que as pessoas contam essas coisas como que num grito de Socorro a alguém que é do sul, como se eu pudesse dizer isso ao presidente ou a alguma autoridade do sul que vá fazer alguma coisa. É pessoal, saio daqui com a quase certeza de que em breve o Brasil irá diminuir de tamanho. Um grande abraço a todos. Será que podemos fazer alguma coisa???
Acho que sim."

Perguntei-lhe se era assim ou se era invenção, e eis a resposta do meu amigo:

"Oi,

Lá as coisas são realmente complicadas, é mais ou menos como diz o e-mail. Para melhor se compreender a situação, é melhor saber o seguinte:

- Os índios realmente restringem a passagem dos brasileiros. isso também acontece em outras reservas indígenas do Brasil. Eles aprenderam isso com as ONGs que lá se encontram como uma maneira de caracterizar sua soberania sobre as terras;

- O Exército Brasileiro (EB) não é alvo dessas restrições pois além de serem respeitados, eles trazem escola, saúde e apoio às populações indígenas. Mesmo porque os soldados são recrutados entre os indígenas;

- sobre o assunto acima, convém comentar que o EB tem sido alvo de algumas campanhas da mídia internacional acusando os militares de traçarem as índias menores de idade. Ocorre que se esquecem de mencionar que os soldados também são índios e da mesma tribo, além do que a vida sexual das indias começe por volta dos 12 ou 13 anos, quando têem a primeira menstruação. dessa forma os soldados fazem fora do quartel (em suas casas) o que fazem normalmente enquanto os valores ocidentais não chega em suas tribos;

- Roraima também é uma das mais ricas províncias minerais do Brasil. p. ex. possui 80% das reservas de nióbio conhecidas no mundo. Interessante não?;

- Outro ponto peculiar, os índios que lá habitam vieram da Venezuela, onde estavam sendo exterminados, no começo do séc. XX e não há 30 mil anos como é comentado. Foi um acordo para evitar o extermínio dos índios;

- outro ponto importante é que os caciques possuem carros 4x4 e aviões enquanto a tribo ainda passa fome (aprenderam rápido esses índios não?).

Abraço"

Ou seja, temos numa só situação xenofobia índia (ah, mas isso não é racismo pois eles são "indígenas não-brancos!) e interesses geopolíticos norte-americanos um tanto ou quanto escuros.
Interessante, não acham?

Wandard disse...

Pippo,

O relato do seu amigo é verdadeiro, já fazem anos que ONGS Americanas se instalam na região, não é preciso dizer que tratam-se de disfarces do Governo dos Estados Unidos para não figurar como presença oficial, sem falar que existe um lobby fortíssimo junto aos deputados e senadores na capital federal, cujo objetivo é obter a demarcação da reserva Raposa Serra do Sol, tornando-a uma área controlada pelos índios e sem nenhuma presença do Governo do Brasil. Quanto a Xenofobia dos índios, não é recente, pelos registros históricos datam de 1500, a partir de quando foram contactados, escravizados e massacrados, daquela época até os dias atuais foi piorando com a redução de seu espaço tomado pelos brancos, engandados, roubados.....A história não é diferente da de nenhum povo que tenha sido dominado na História Humana. Há sim, foi interessante o texto ter referenciado o nióbio, cujo Brasil é detentor de 98% das reservas mundiais, mineral extremamente importante para indústria aeronáutica e aeroespacial, bem como para construção de dutos para transporte entre grandes distâncias de petróleo e água. Só que além das utilizações corriqueiras o nióbio é um elemento fundamental no desenvolvimento da enérgia de plasma.

Pippo disse...

Plasma? isso é muuuito interessante... Basicamente, vocês detém as reservas minerais do futuro...
Lamento dizer-vos, mas mais dia menos dia os brasileiros serão acusados de crimes contra a Humanidade (ou roubar doces a crianças, ou algo assim de grave) e levarão com uma Task Force norte-americana em cima, just in case.
Não tratem dos vossos senadores "patriotas" não, não corram com essas ONG não, e logo verão se estou a ser alarmista.

Abraço, e boa sorte

PS - já agora, uma vez que a notícia sobre o Roraima é credível e o comentário veio de uma fonte seguríssima (como disse, o meu amigo é militar de alta patente), convidava-o, Wanard, e aos outros todos que se preocupam com isto, a retransmitir a notícia + comentário. SE vocês não forem alertados, quem é que vos defenderá?

Jest nas Wielu disse...

Para o Pippo (ou Filipe, como preferir):

1. No fim da história do soldado (que apenas vós transcrevi), aparece o endereço do Live Journal (blog) do seu autor.

2. /...aqui em Portugal não existe uma arte marcial, como existe na Rússia.../
Penso que a questão não passa pela a existéncia da tal "arte marcial" (sic!), mas antes pelo total e absoluto desrespeito que na Rússia merece qualquer vida humana. Desde o Ivan o terrível até a Sr. Medved. É a tal alma russa que nunca mede nem 08 nem 80...

Aqui pode-se ler a versão integral da história do soldado russo, que sofre com o SMO em 2008. Apreciam o texto e dão graças ao Deus que vivem na UE e não na Rússia :-)
http://ideotequeboy.livejournal.com/24981.html

Anónimo disse...

o brasil tem de desenvolver armamento nuclear se quer preservar a sua sobrania no futuro.

bruno

Pippo disse...

O Brasil não precisa de armas nucleares para ser soberano, precisa somente de boas FA convencionais e de boas unidades de Op. Esp., para mover uma guerra de guerrilha e contra-guerrilha em caso de necessidade.
Bom equipamento táctico (aviões, helicópteros, blindados s/ rodas) e sobretudo muito treino serão um excelente dissuasor, quer para os seus vizinhos, quer para outros vizinhos mais distantes.

Por fim terá de vir o programa militar (convencional) mais caro, que é o programa naval. Nesse caso o Brasil terá de investir fortemente na construção, do mesmo modo que o faz o Japão ou a China, de forma a garantir uma boa frota mercante e a obter tecnologia e know-how para construir navios de guerra, a começar pelos patrulhas costeiros e a terminar nas fragates e contra-torpedeiros (destroyers), passando, evidentemnte, pelos subs (aqui convém conversar com os parceiros europeus, nomeadamente a França).
E perguntarão vocês "E cadê os porta-aviões?). Bem, na minha opinião, uma vez que o Brasil não deseja efectuar projecção de forças, pois não pretende dominar outros países, o porta-aviões não será muito necessário. E além disso é caro.

Assim, sem se tornar uma ameaça nuclear, o Brasil garante a sua soberania e dissuade apetites indesejáveis.

Pippo disse...

Jest Nas Wielu (ou Afric Dymon, como preferir), pode tratar-me por Pippo ou Filipe, pois é tudo o mesmo (Pippo em italiano, Filipe em Português). Evidentemente, ao contrário de outras pessoas, não escondo grande coisa acerca do meu nome, mas gosto da sonoridade do Pippo...

De volta ao tema, tal como disse, a história desse rapaz em pouco difere das histórias que todos nós (os que têm 30 anos ou mais) ouviram do pessoal que aqui fez a tropa. Não demonstra rigorosamente nada a não ser o desgosto que a maioria dos mancebos tem em fazer o SMO. Só aqueles que gostavam daquela vida é que não reclamavam em fazer dezenas de flexões na lama às 5 da manhã... mas claro, isso era a brutalidade do exército português, que já vem desde os tempos do Afonso Henriques (o tal que capturou Lisboa, que tinha sido fundada pelos mouros, segundo você disse...) ;o)

E para completar (e voltando assim ao tema deste artigo), o facto é que a FA russa são cada fez mais eficazes, as sub-unidades são cada vez mai profissionais, os subalternos têm cada vez mais capacidade de decisão (ao contrários do que acontecia sob a velha Rússia e a URSS) e há cada vez melhor capacidade ao nível de comandos integrados, operações combinadas, coloaboração inter-armas, etc.
muito resta por fazer, como o MSantos e eu referimos, mas muito já foi feito. Os melhores investimentos serão os humanos e os tecnológicos, mas é igualmente verdade que até o investimento em hardwhare pode revitalizar a economia, como a História nos demonstra á saciedade)

Abr,

Anónimo disse...

A exemplo da Rússia em relação à Geórgia, o Brasil tem de invadir países em que tem uma grande minoria oprimida como o Paraguai se quer preservar a sua sobrania no futuro.

bruno t.

Anónimo disse...

Bom, já foi previsto que a Europa do Século XXI será dominada pelos povos eslavos. Enquanto, os países latinos e germânicos se enchem de imigrantes e estão com as economias estagnadas, os países eslavos estão em uma profunda modernização e mantendo suas populações homogêneas. A Rússia será em breve a maior potência européia e em algumas décadas a Polônia e Ucrânia estarão nos primeiros lugares.
E não haverá outro destino para a Europa a não ser se curvar aos 300 milhões de eslavos existentes.

Carlos Bambini
São Paulo, BR

Anónimo disse...

pippo penso que todos reconheçemos que é uma pessoa inteligente, mas neste caso, não tem rasão.
Mesmo que o brasil possui-se as melhores forças convencionais do mundo, essas forças seriam anuladas numa questão de horas por forças( mesmo que minusculas) nucleares.

Bruno.

Anónimo disse...

Sou britanico vivo em portugal, gosto de portugal, aqui ainda pode-se dizer que os portugueses são uma familia, mas na Grã-Bretanha já não é assim, existem muitos estrangeiros e perdeu-se a noção de povo ingles, criou-se um novo tipo de cidadão, os britanicos, uma criação artificial, já não existem ingleses, existem britanicos. É incrivel como uma das nações mais antigas e magnificas da historia, a inglaterra desapareceu, o mesmo vai acontecer com as restantes nações europeias, se seguirem o exemplo ingles.
Cromwell no seculo XVII disse que o nome de inglaterra iria ser eterno.. nem sabia ele o quanto estava enganado.
O desaparecimento da nação inglesa é um aviso para todos os europeus.

Harry S.

Pippo disse...

Amigo Bruno, teria razão quanto à possibilidade das FA brasileiras serem anuladas por forças nucleares se a sua utilização fosse táctica corrente. Mas não é.

As armas nucleares não foram utilizadas no Iraque ou no Afeganistão (e da maneira como as coisas estavam, politicamente falando, poderiam ter sido usadas nukes, pelo menos no Afeganistão).

A utilização de tais armas tem carácter meramente reactivo contra ataques ou perspectivas de ataque de igual natureza:

"The U.S. must establish a strong link between deterrence, both nuclear and non-nuclear, and a positive duty on the part of all nation-states to prevent WMD attacks against the U.S. from being facilitated, planned, financed, or launched from their territory. Regimes which harbor or support Islamist terrorist organizations contemplating WMD attacks on the U.S., as well as rogue states such as Iran and Syria, must receive unequivocal warning that any degree of culpability in a terrorist WMD attack against the U.S. will result in devastating U.S. retaliation. (...) While remaining consistent with the long-standing preference for “strategic ambiguity,” the U.S. must stress that this retaliation may well include the use of nuclear weapons."
http://www.unc.edu/depts/diplomat/item/2007/0709/warb/warburg_strat.html

Assim, salvo situações de terrorismo nuclear ou de "último recurso" (por exemplo, a ameaça da "queda do "Terceiro Templo"" aquando da guerra do Yom Kippur e a eventualidade de se utilizarem armas nucleares contra os sírios), a utilização de tais armas é altamente improvável.

O futuro nos próximos, digamos, 20 anos, serão as guerras assimétricas, isto até que estale um grande conflito, eventualmente envolvendo a China, um conflito aero-naval com alguma componente terrestre. Mas para já tratar-se-ão de conflitos de "baixa intensidade" onde se utilizarão armas convencionais juntamente com tácticas e estratégias não convencionais.

Olhe, já agora, permita-me que lhe recomende, a título meramente lúdico-informativo, a leitura da revista RAIDS (em francês, é muito boa!) e a revista Fuerza Terrestre (espanhola, com excelentes reportagens e análises).
Na net há uma míriade de páginas sobre assuntos político-militares. Consulte, por exemplo, a da RAND Corporation.
o Le Monde Diplo é obrigatório para a análise geoestratégica.

Em todo o caso, e quero frisar isto muito bem, apenas reflicto sobre as tendências actuais, não só militares mas também sociais. Não invento nada nem vivo na lua. Tento ser apenas realista.
Por isso digo que os EUA não usarão nuckes para atacar o Brasil, mas se atacarem (da forma convencional, que é que se poderia esperar), poderão ser repelidos ou ser detidos numa guerra prolongada se este país tiver FA convencionais bem treinadas e equipadas.
Abraço,

Ricardo disse...

Claro que a Rússia nao pode ficar de braços cruzados a ver o mundo a ser devorado pelos banqueiros de Manhattan, e os os GI Joe a policiar meio-mundo. Já era hora. A Alemanha e a França que se aproximem a Moscovo, e Portugal que reveja a sua política exterior também.

Pippo disse...

A política estratégica portuguesa deve dar prioridade ao mar.

Rogerio Henrique disse...

Olha amigos Wandard e Pippo... depois do que voês dois comentaram não é preciso mais nenhum acréscimo meu....

Aliás, se eu o fizer estarei estragando a Vossa cultura e saber com minha visão pequena e meramente crítica, minhas opiniões...

Por isso me reservo, com todo o respeito, ao silêncio e reporto-me a Vossas declarações, que são a pura, nua e crua realidade dos países emergentes como o Brasil e a Rússia!!!

Agora, gostei muito das reportagens trazidas por vocês... Ambas são maravilhosas (sobre a Base de Alcântara, o acordo e a soberania e sobre os índios, os estrangeiros e Roraima).

Achei tão interessante que irei enviar pra minha lista de email inteira!!!

Parabéns aos dois que em 2 tempos trouxeram à luz os reais interesses da OTAN!!!

Rogerio Henrique disse...

Bom, meu amigo Pippo... Quanto às acusações de crime contra a humanidade... acho que já começaram.... há muito, principalmente depois da criação do Tribunal Penal Internacional - Pacto de Roma, o Brasil vem sendo acusado de cometer (por meio de seus agentes públicos) ou permitir que se cometa (quando o ato é feito por qualquer um do povo), crimes que ofendam a dignidade humana... é o chamado direitos humanos, aqui interiorizado e conhecido como Pacto de São José da Costa Rica ou Pacto Internacional dos Direitos Humanos...

Pois bem, O Brasil vem sofrendo severas acusações da Comissão Internacionalde Direitos Humanos de ferir tais direitos... ou pela força da polícia ou pelos crimes comuns cometidos e não punidos...

Agora te pergunto... Alguém já parou para reivindicar o direito humano da família do policial ou inocente assassinado???

Porque nos EUA a pena de morte é permitida e não se fala em ofensa aos direitos humanos???

Será tudo isso mera coincidência ou apenas interpretação subjetiva e soberana de cada país???

Bom... deixo para os leitores pensarem!!!

Jest nas Wielu disse...

Para: Pippo - Filipe

A Rússia está em guerras locais desde 1994 (a 1ª Chechena), será estranho se a sua prontidão combativa não melhorar um pouco.

Já que o Filipe estudou na Rússia (a sua mãe é russa e o pai é (era) do PCP? Pergunto sem maldade), entende o significado da expressão russa “A vida (vale) um cêntimo” ( cêntimo = kopeyka). É o valor que o cidadão russo dá quer à sua própria vida, quer à vida dos outros.

Claro, que em todos os países onde existia SMO, existiam as relações pouco saudáveis entre soldados “nabos” e os “veteranos”, mas só na Rússia os novatos são violados sexualmente, limpam o chão da caserna com a sua própria escova de dentes, são obrigados comprar a vodka & lavar as meias dos “veteranos”, etc. Tudo isso tem a ver com a predisposição mental dos cidadãos de infringir e consentir o desrespeito.

Não sei se Filipe & outros leram o romance do Boris Akunin (G. Chkhartishvili) http://en.wikipedia.org/wiki/Altyn_Tolobas, lá um empresário (vilão) diz ao herói (russo, nascido na Grã Bretanha):

- Desde a creche nós (crianças russas), habituamos a lutar até ficarmos moribundos ...

Essa é a mais bela definição daquilo que é a desumanidade das relações interpessoais na Rússia. A vida vale mesmo menos que um cêntimo e como dizia Stalin “não há pessoas insubstituíveis”...

p.s.
Artigo do filósofo francês André Gluksman “Perigo do niilismo russo”, quem não sabe ler em ucraniano, pode traduzi-lo com ajuda da nova ferramenta do Google:
http://translate.google.com/translate_t#

Pippo disse...

Amigo Rogério, a defesa dos direitos humanos do agressor sobrepôs-se há muito aos direitos humanos da vítima. É inacreditável mas é assim. Se eu levar um tiro para ser assaltado ninguém acusa o meu agressor de violar os meus DH; mas se ao ser assaltado eu reagir e lhe der uma paulada na cabeça ainda posso ser obrigado a pagar-lhe uma indemnização. E se ele for menor arrisco-me a ser preso!

É pá, e é melhor é ficarmo-nos por aqui! Eu normlmente sou calmo e racional, mas quando me começam a falar neste tipo de injustiças, ou de trabalhadores a serem explorados ou a serem despedidos enquanto os patrões andam de Mercedes, e ese tipo de afrontas, o meu sangue ferve! A sério.

Falemos em coisas mais suaves, do estilo "rearmamento da China" ou "Educação extremista islâmica nas madrassas paquistanesas". ;o)

Abraço,

Pippo disse...

Para Afric Dymon - Jest nas Wielu

Em primeiro lugar, a minha ascendênca nã é para aqui chamada nem sei qual é o seu interesse, a não ser que já estejamos numa fase de discurso nacionalista. Mas só ara sua informação, os meus antepassados até à 5ª geração são portugueses nascidos em Portugal (depois já consta um galego, mas isso também é português). Politicamente só posso falar até aos meus avós, e são todos do PS/PSD. Actualmente, como sabe, não é preciso ser-se comunista para se estudar na Rússia (isso era dantes). Portanto, agora que é detentor desta importante e relevante informação, já pode fazer a sua análise psudo-psicilógica da minha pessoa. Mas como não é dos bloggers, mas sim de política que estamos a falar, passemos à fase seguinte.

A expressão russa “A vida (vale) um cêntimo” ( cêntimo = kopeyka) é similar á expressão "A vida não vale um chavo". Não é o valor que o cidadão russo dá à vida, é mesmo o valor que ela tem. E isso é transversal a várias culturas e situações. Veja os filmes de cowboys e verá como a vida ds homens do Oeste não valia um chavo (e se a vida de um homem valia pouco, a vida de índios, mexicanos e outros coiotes valia ainda menos)

Reconhece, por fim, que na tropa os mancebos levam sempre na ripa. Violações provavelmente have-las-á em todas a FA, e não serão apanágio exclusivo das FA Russas. O mesmo se passará com a intimidação, coacção sexual, etc. Quanto a limpar o chão da caserna, e já que aparentemente gosta de filmes, veja "An Officer and a Gentleman", com o Richard Gere, Debra Winger e Louis Gossett Jr.. Passa-se numa recruta da US Navy e lá está o recruta Zack Mayo (Richard Gere) a... limpar o chão da caserna com a sua própria escova de dentes!

Tud o resto que se refere são as praxes normais, os abusos típicos de quem tem autoridade sobre os subordinados. Conte-nos pois algo de verdadeiramente novo, de exclusivo, uma vez que esse exemplos são demasiado comuns.

(...) como dizia Stalin “não há pessoas insubstituíveis”...

Isso era o que dizia uma sub-chefe minha! SErá que ela era russa? Olha, não, afinal era açoreana...


p.s.
O niilismo russo foi um movimento de rebelião contra a ordem estabelecida, o atraso, o imobilismo da sociedade e os seus valores. Mas foi sob Nietzsche que o niilismo alcança o seu mais alto grau filosófico no qual, diagnosticada a doença (o modernismo), o niilismo passa a ser o seu remédio.

Jest nas Wielu disse...

2 Filipe aka Pippo

Ao pedido do Filipe, "Conte-nos pois algo de verdadeiramente novo, de exclusivo", eis a anedota histórica:

Federação Russa - único país no mundo que defende os seus cidadãos apenas e exclusivamente no estrangeiro!

@popular...

Rogerio Henrique disse...

Bom Pippo,voltemos ent~~ao ao assunto, pois realmente tais reflexões filosóficas que abordamos é de revoltar!!!!

Então melhor falar em política mundial...

Bom, a despeito do rearmamento russo, que está bastante avançado (para isso bastamos ver que a Rússia já criou mísseis intercoontinentais de ogivas múltiplas, bem como criou o que chamaram de "pai de todas as bombas"), temos que observar as possíveis coligações internacionais...

Ao meu ver os países que chamo de "os renegados", países excluídos da OTAN, tais como Venezuela, Bolívia, Cuba, Índia, Irão, Coréia do Norte, entre outros, futuramente devem se juntar à Rússia para formar uma organização similar à Norte-Atlântica... isso é claro por motivos óbvios... defesa mútua e proteção de interesse de "minorias"...

Espero que os futuros dirigentes tenham a cabeça no lugar,tanto o da UE quanto da OTAN, porque seforem imoderados darão brecha para criação desses tipos de organização que poderá dar azo a uma crise mundial!!!

Deus olhe pra nós e que as profecias, maias ou cristãs, não começem a se cumprir... sinceramente... abçs!!!

Pippo disse...

Ahah! A profecia maia... pois se for verdadeira estaremos a dar os últimos estertores! É lá para 2012, não é?

Bem, o que se está a passar na América do Sul é o "indigenismo", ou seja, as populações indígenas estão a obter o poder, tirando-o da população branca. Uma vez que o "poder branco" se alicerçava no liberalismo económico e na aliança com os EUA, para se sair desse buraco negro social as políticas foram invertidas, o mesmo acontecendo com as alianças políticas.
Note-se que a revolução cubana, saídas das experiências do Fidel e do Ernesto Guevara (que são brancos, não "indígenas"), resultam da observação destas assimetrias sociais na América do Sul (lá voltamos nós ao mesmo :o) ).

Não é viável a criação de uma organização tipo NATO associando a Rússia aos oaíses latino-americanos. O que pode acontecer, aliás já está a ocorrer, é a associação destes países americanos, sendo o seu motor o personagem Hugo Chávez.

Lamentavelmente parece que os brasileiros e os argentinos não morrem de amores uns pelos outros, mas deviam. A massa intelectual dos dois países é excelente; os recursos são enormes e complementares.,.. juntos seriam uma super-potência económica e cultural. Com algum investimento militar, como aquele que já foi referido aqui, ninguém se meteria convosco.
Abraço,

Ricardo disse...

M Santos, a Rússia nao é exclusivamente uma potência continental. É uma potência euroasiática, mas nao esqueçamos que no tempo da URSS, alimentado pelo sonho comunista, o nacionalismo russo extendeu-se à frota maríritima, que aliás já tinha sido armada no final do czarismo, em Sao Petersburgo. A Rússia pretende equilibrar as forças com os EUA, tanto a nivel convencional terrestre, aéreo e marítimo, como energético nuclear e a nivel tecnológico.

É compreensível. Sabem que é desta forma que podem dar futuro a um país que começa a ter uma classe média por primeira vez na sua história.

Anónimo disse...

Sinceramente só otários acreditam que comprando tanques, navios, etc o seu páis será mais respeitado. Tudo isso é besteira, a única coisa nesse planeta que impede alguém de ser invadido são armas nucleares. Se a Rússia não tivesse essas armas e a NATO quisesse invadir, faria facilmente. O que impede isso é o temor de uma catástrofe nuclear.
Por que um país fraco militarmente como a Coréia do Norte não foi invadida pelos EUA (e nem vai), enquanto um país com uma força militar mais forte como o Iraque foi? Ter armas nucleares é a chave para ninguém se meter contigo.
E parem essa prosopopéia flácida para ninar bovinos


zé carlos

Anónimo disse...

Concordo com o zé

Bastaria o Brasil ter umas 50 ogivas nucleares suficientes para destruir uma cidade do tamanho de Nova York. Assim não precisaria gastar o nosso dinheiro com brinquedinhos militares como faz a Rússia e Venezuela.
Alguém tem a ilusão que modernizando as FA brasileiras os EUA pensarão 2x em invadir?hahahaha
Quem quer ser bobo que seja.


GOTH

Anónimo disse...

Na Rússia, 70% do orçamento é constituído por receitas provenientes da venda de petróleo e gás. Para fazer isso, não precisa ter mais de 2% da população envolvidas neste campo. Uma vez que estamos a falar de um país, a indústria não está muito desenvolvida, o proletariado russo e os camponeses não tem nada a ver com isso. E nas grandes cidades, onde a burguesia vende petróleo e gás e compra quase tudo do Ocidente, incluindo morangos.

Mais da metade da população russa não tem serventia ao Kremlin.

Sara

Anónimo disse...

O Brasil com sua economia diversificada será muito mais forte e dinâmico que uma país dependente de praticamente uma só riqueza como a Rússia. Se fosse apostar entre Brasil e Rússia, ficaria com o primeiro com toda a certeza.

adonis

Pippo disse...

Parece que o Zé Carlos e o Goth não compreenderam. Não é pelo facto de ser terem armas nucleares que um país fica a salvo. Um país pode continuar a salvo mesmo não as tendo.

Vou dar um exemplo: vocês referiram a Coreia do Norte a qual, por ter armas nucleares, não é atacada. Mas o Irão, que não as tem, não é atacado pelos EUA. Qual é a razão?

A viabilidade de se atacar ou não um país depende de vários factores, nomeadamente a projecção de forças, as alianças e a capaciadde do atacante em rapidamente destruir a capacidade de resistência do atacado, ou, por inversão, a capadidade do defensor em resistir e manter o atacante num "atoleiro" ou anular-lhe as proposições políticas que deram origem à guerra.

Foi o que se passou no Vietname, ou em Angola (nos casos das intervenções de Cuba e da RAS); ou no Afeganistão (1979-1989), ou no Líbano (Israel 1982 - 2001), ou na Chechenia, ou no Afeganistão (2001 - ) ou no Iraque (2003 - ) ou no Líbano (2006)

Outro caso: Israel poderia ter eliminado o Hizbollah em 2006, ou o Iraque em 1991, quando as cidades israelitas foram atacadas por mísseis. Israel poderia ter respondido nuclearmente, eliminando a ameaça. Porque é que não o fez? Porque é políticamente inaceitável.

No Afeganistão, depois de uma vitória inicial, a coligação não foi capaz de destruir a resistência, baseada no povo pashtun e abrigada no Paquistão. Ora, com base nas vossas presunções, os norte-americanos poderiam facilmente acabar com o problema, bastando-lhes mandar umas nukes para a NWFrontier. matava-se o problema de raíz.

"Ah, mas o Paquistão tem armas nucleares e poderia retaliar" diriam vocês. Pois é, o problema é que o Paquitão não tem vectores capazes de atingir os EUA, pelo que não teria capacidade de resposta. Para além do mais, estes poderiam ser destruídos, bem com as ditas armas, atrafés de operações de SOF.
Posto isto, o ataque nuclear norte-americano seria plausível, com um pequeno senão: políticamente, é insustentável, pu seja, NÃO é políticamente aceitável realizar-se um ataque nuclear.

A utilização de tais armas será aceitável (talvez) em caso de defesa extrema, mas nunca em caso de ataque ou de defesa contra um mero ataque, de uma guerra "normal" em que a viabilidade do Estado não é posta em risco. Ou seja, em caso algum o Brasil seria atacado pelos EUA com recurso a armas nucleares. Mas caso o Brasil, sendo alvo de um ataque convencional, recorresse a armas nucleares, então sem dúvida que levaria a resposta merecida.

Pelo que teremos invariavelmente de voltar à componente convencional. No Líbano, o melhor exército do Mundo teve dificuldades em vencer uma resistência bem posicionada, armada e treinada; no Afeganistão, a resistência, armada com AK-47 "made in Peshawar", RPG-7V e IED, consegue matar dezenas de soldados inimigos por mês, deitar abaixo helicópteros e atacar FOB's norte-americanas. Está a ganhar, e até o Gen. David Petraeus, comandante militar da região, admite que "estão a perder a guerra" e que "têm de entrar em conversações com os insurgentes". Isto no Afeganistão, onde só há montanhas e se lida com uma resistência mal treinada.

Agora pensem como seria num gigantesco Brasil com boas FA, com treino de guerrilha e contra-insurgência, bem equipadas, a operarem num país com montanhas, selva impenetrável, etc.

Não, não é preciso ter armas nucleares. Basta terem bom equipamento e usarem o vosso material humano e orográfico. É o suficiente para porem qualquer adversário de joelhos.

PS - e já agora, como me parece que ninguém aqui insultou quem tem opiniões diferentes, agradecia que guardassem expressões do tipo "bobo" ou "otário" para vocês mesmo ou para quem vos dá confiança.
E aproveito também para vos dizer que se não vos agrada "prosopopéia flácida para ninar bovinos", há mais blogs na no curral da internet. Ide pastar para aí, se isso for do vosso agrado.

Anónimo disse...

Este regime em portugal não é uma democracia, o país vive uma ditadura.

Acompanhem a prisão de Mario Machado e vejam a vergonha e injustiça que se passa neste país que se diz democrático.

Bruno.

Wandard disse...

Caros Amigos,

Zé Carlos, Pippo, Bruno, Rogério Henrique e demais participantes do blog, cito estes porque são os que possuo maior interação e falta aqui a Fernanda Valente que também possui boas participações. Existe sempre um equívoco quando se faz digamos assim a medição do poder convencional da Rússia em comparativos com a NATO(OTAN) e Estados Unidos, pois bem as várias fontes existentes na Internet tem informações variadas e muidas delas não são fidedignas à realidade do poder da Rússia atual e se baseiam em informações de propaganda ocidental. No comparativo da Marinha Russa com a americana existe uma diferença numérica considerável quanto aos cruzadores( os americanos possuem mais entre 35 ou 40 e os Russos apenas 3. Entre Fragatas, Corvetas e Destroyeres existe um certo equilíbrio entre os dois. Porta
Aviões os americanos possuem 12 os Russos apenas 1, mas tem de se considerar a necessidade em virtude da posição geográfica Americana. Submarinos Nucleares os Americanos possuem 12 a mais, porém os Russos possuem mais submarinos com a capacidade de lançamento de mísseis nucleares. O Efetivo total das Forças Armadas dá aos Estados Unidos no momento 180 mil homens a mais, aquela conta de 840 mil para a Rússia trata-se de informação da década de 90. O efetivo de tanques pesados é práticamente empatado em 7000 para cada um, porém as reservas Russas ativas e reservas operacionais de outros modelos ultrapassa 20000. Os blindados de diversos tipos(transporte, reconhecimento e combate urbano), são de quantidades assombrosas tanto para a Rússia quanto para os Estados Unidos, sendo que os Americanos possuem maior quantidade de veículos M113(Aproximadamente 15000) Os Russos possuem cerca de 12000 blindados de combate fora os de transporte. A aviação de combate é pareada assim como a aviação estratégica também o é, portanto os Estados Unidos nunca atacaram a Rússia, não é só pela capacidade Nuclear, na verdade os Estados Unidos em toda a sua História nunca enfrentou ninguém do seu tamanho, nem na Segunda Guerra, pois o grosso das forças Alemãs, ou seja 3/4 se concentraram no Leste Europeu, muitos erros de informação histórica existiram durante a Guerra Fria, muita informação foi ocidentalizada(Americanizada) e hoje o grande trabalho de nós historiadores é corrigir estas informações. Quanto à questão do Brasil e o comentário quanto à necessidade de possuir armas nucleares ou não, é uma questão bem complicada pois Fernando Collor encerrou o programa nuclear Brasileiro e assinou o famigerado acordo que geram imposições dos donos do mundo, decidindo quem somente pode ter estas armas. Acordo interessante pois da poder a quem já tem e impede quem não tem, fora alguns países como Israel que já possuem mas negam, e neste caso não assistimos a pressões internacionais nem envio de representantes da Comissão infame que pressiona o Irã e a Coréia. Quando ao Brasil ter somente forças convencionais, concordo com o Bruno que não são suficientes, por mais bem equipadas que fossem. Somente a musculatura nuclear impõe respeito. Desculpem-me não ter sido mais técnico e detalhado quanto às informações posso fazer isso depois, pois no momento estou com algumas atribuições urgentes.

Grande abraço

Jest nas Wielu disse...

Quem quizer ler sobre a Ucrânia em inglês, poderá faze-lo aqui:

http://blog.kievukraine.info

Anónimo disse...

Amigo Wanard, espero que se desembarace dos seus problemas rapidamente. Ficamos à espera da sua (boa) participação.

Um Abraço,

Pippo

Pippo disse...

Abro aqui um pequeno parêntesis para dizer que o Governo português está prestes a reconhecer a independência do Kosovo (o que aliás já era de se esperar).

Contudo, os constitucionalistas Vital Moreira e Fausto Quadros opõe-se a tal decisão, sendo que Vital Moreira critica a contradição do Executivo português dizendo que «Se a questão é o reconhecimento de uma situação de facto, então o Governo deve também reconhecer, entre outras, a separação da Ossétia do Sul, que não é mais ilegítima do que a do Kosovo e que aliás até tem mais credenciais, desde logo maior antiguidade».

Anónimo disse...

O pippo fala, fala, e não diz nada, típico homem da retórica on line. Tão comum no mundo de hoje.
Bom, os EUA tinham todo um projeto de invasão do Irã pronto, só não aconteceu devido à situação política ruim do Bush e também porque segundo a imensa maioria dos analistas e estrategistas sérios acreditam que nenhum dos lados arriscaria um ataque com tantos
potenciais danos colaterais em jogo: a religiosidade extrema do
atual governo, os movimentos táticos já iniciados, o ultranacionalismo
persa, e a crença generalizada (entre os iranianos) de que o Grande Satã será derrotado.
Mas também não dá pra dizer ainda que não haverá uma invasão e muitos especialistas europeus já afirmam que o Irã possui ao redor de 60 ogivas nucleares com capacidade de alcançar Israel, por exemplo.
Quanto à Israel, se o país fosse de fato atacado (não em distúrbios de fronteiras como aconteceu) e também fosse um outro PAÍS e não grupos terroristas, pode ter certeza que esse país iria responder com tudo, incluindo suas armas nucleares.
E o Brasil, estamos falando de um país imenso, com uma população que pode rivalizar com a americana...o Brasil não seria facilmente invadido como qualquer republiqueta, é uma situação totalmente diferente. Uma guerra desse tipo abalaria o planeta inteiro. E mesmo se o Brasil tivesse as FA bem equipadas e modernas e num conflito com os EUA, o Brasil se saísse melhor, pode apostar que os americanos terminariam com tudo usando armas atômicas (vide Japão). Eu tenho dois parentes militares americanos que confirmam isso e se quiser pergunte para qualquer militar desse país que eles vão falar da tal Iniciativa Vermelha.
Claro, que tudo isso se não levarmos em conta a opinião pública americana que decide praticamente o destino de todos os conflitos americanos.
Te pergunto, me diga um só país que possui armas nucleares e que já foi atacado? Te digo vários que posssuíam as FA modernas e bem equipadas e que foram invadidos.


Goth

Pippo disse...

E eu é que falo, falo e não digo nada...

1 - "Te pergunto, me diga um só país que possui armas nucleares e que já foi atacado?"

- Israel, durante a guerra do Yom Kippur, em 1973. Esteva à beira do colapso e mesmo assim não as utilizou;
- Israel, novamente, desta vez atacada pelo Iraque, em 1991. Sofreu ataques com mísseis Scud e nem sequer retaliou;
- O Reino Unido, que foi atacado pela Argentina e apenas precisou de uma Task Force para derrotar os argentinos e levar à derrocada do governo militar de Buenos Aires;
- A Índia (que tem armas nucleares), pelo Paquistão, na chamada "Guerra de Kargil".

2- "Te digo vários que posssuíam as FA modernas e bem equipadas e que foram invadidos."

- Quais? O Iraque, que tem material soviético dos anos 60/70?; O Irão, pelo Iraque, em 1980? Já sei, Granada, em 1983!... Assim de repente não estou a ver mais nenhum...

Quanto à utilização de armas atómicas, o McArthur propôs a sua utilização durante a Guerra da Coreia contra a China Comunista (que não as tinha). Resultado: foi demitido do cargo.
Acha mesmo que se os EUA se vissem derrotados no Brasil utilizariam nukes? Seria pior a emenda que o soneto.
Mas ao menos parece que jácomeçou a perceber que os factores impeditivos de uma invasão não se situam ao nível dos armamentos estratégicos mas ao nível dos outros factores (capacidade de mobilização, determinação, atrito, prolongamento da acção por mais tempo do que é aceitável, etc.). Já é um começo. Mas ainda há muito por fazer.

Posto isto, já disse o que tinha a dizer. Se entendeu, muito bem, se não, paciência, fique-se na sua.
Neste assunto, e a não ser com pessoas devidamente esclarecidas, encerro a discussão.

;o)

Anónimo disse...

Concordo plenamente com o Goth, são pessoas como você que deixam esse blog mais legal.


Sara

Anónimo disse...

Você ainda não entendeu o que o Goth disse, ele falou ataque DE FATO, na capital de um país, por exemplo. Exemplos como as Malvinas são ridículos.


Sara

Anónimo disse...

O que estou querendo dizer desde o início, e você nao entende que Armas nucleares são "meios profiláticos", ninguém ousaria invadir (eu disse invadir, não mandar um míssel ou dois ou conflitos de fronteiras) uma país com armas atômicas. Ou você ainda discorda?

Bom, você é muito cabeça-dura mesmo...não dá pra discutir mais



Goth

Anónimo disse...

Por que a Rússia não ajuda a Armênia (seu tradicional aliado) em relação ao Azerbaidjão que oprimime uma minoria armênia significativa (95%)na região de Nagorno-Karabakh?
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nagorno-Karabakh
Esse país já pediu inúmeras vezes ajuda de Putin e nada...


Santos

Pippo disse...

A Arménia está numa situação geográfica complicada, pois é verdadeiramente um "landlocked country". É vizinha do Azerbeijão e da Turquia, países com quem não tem tido relações saudáveis. Com a Geórgia as relações são estáveis e Poti é o principal local de escoamento das exportações arménias. Tanto quanto sei, as minorias arménias da Djvakétia não causam problemas a Tbilissi. E depois temos o Irão. Curiosamente, em parte devido a questões étnicas (oposição persas vs turco; forte minoria azeri no norte do Irão), o Irão apoia a Arménia contra o Azerbeijão e contra a Turquia, como forma de manter o equilíbrio regional.

Na verdade, o Nagorno-Karabakh (ou Alto Karabakh) é inteiramente dominado pelos arménios, que igualmente conquistaram as regiões adjacentes que ligam a Arménia a esta ex-região autónoma, agora auto-proclamado Estado independente (o qual, certamente, também virá a ser reconhecido pelo nosso Governo, agora que se vai reconhecer a independência do Kosovo...). Portanto, os azeris não oprimem a minoria arménia do Nagorno-Karabakh, aliás, até foram expulsos de lá, do mesmo modo que dezenas de milhares de arménios foram expulsos de Baku.

Quanto ao papel da Rússia, esta fornece treino nas suas academias militares a militares arménios (os quais também recebem formação norte-americana), tem uma base militar em Gumri, vende material à Arménia... há cooperação, portanto.

Rogerio Henrique disse...

Bom sobre o uso de armar nucleares ou armas convencionais sou da opinião de que ama nuclear gera sim um certo temor nos países mais fortes, entretanto não adianta pensar que ter armas atômicas farão de um país seguro se ele não possuir armas convencionais suficientes para se defender!!!

Isto é porque não se faz armas nucleares de uma hora para a outra, com exceção das "armas nculeares sujas" como a Norte Corenana!!!!

Então, concordo com o Pippo... a primeira coisa a se fazer é fortalecer as FA!!! Depois sim poderia um país pensar em criar bombas atômicas...

O Brasil, do debate, tem um exército obsoleto tecnologicamente...se criasse uma bomba nuclear seria invadido e destruído em 2 tempos... mesmo porque não possui sequer submarinos ou equipamentos adequados e capazes de lançar mísseis com tais ogivas...

Desse modo um país militarmente fraco ao utilizar criar "nukes" acabam se tornando um alvo fácil...

Então porque não o fizeram com a Coréia do Norte???

BOM É SÓ PROCURAR NO GOOGLE, mas salvo engano a Coréia do Norte é um dos países mais bem equipados e um dos maiores do mundo!!!

Agora, ao amigo Wandard... Obrigado pelo esclarecimento sobre os reais números de efetivos Russos e da OTAN... contamos com sua ajuda para atualizarmos nossos bancos pessoais de informações... ;)

Jest nas Wielu disse...

Olá, fofos!

Acho que toda a gente (especialmente os pró - Kremlim cá do sítio) vão adorar saber dessa:

Dia Europeu da Memória das Vítimas do Estalinismo e do Nazismo

No dia 15 de Setembro o Parlamento Europeu aprovou a proposta de instituição do Dia Europeu da Memória das Vítimas do Estalinismo e do Nazismo. A efeméride será comemorada no dia 23 de Agosto, evocando a assinatura do Pacto Germano – Soviético em 23 de Agosto de 1939.

Fontes:
http://www.europarl.europa.eu/news/expert/infopress_page/017-37663-266-09-39-902-20080919IPR37662-22-09-2008-2008-false/default_pt.htm

http://www.europarl.europa.eu/pdfs/news/expert/infopress/20080919IPR37662/20080919IPR37662_pt.pdf

Anónimo disse...

O brasil nunca precisou de desenvolver armas nucleares porque não sofre ameças internacionais, é um (há pouquissimos) exemplo mundial de estabilidade nacional.As fronteiras do brasil actual são practicamente as mesmas do que as fronteiras do brasil-colonia.
O brasil precisa de desenvolver armas nucleares porque DEVE ter acesso a essa tecnologia para se precaver de ameaças futuras e ter acesso a essa tecnologia.
A tecnologia, seja ela qual for, não pode ser controladada por determinadas potências que se julgam detentoras da ordem mundial.
O brasil, ao contrário dos restantes paises da america latina é realmente uma grande potência mundial e não tem de andar a mostrar poder bélico para "mostar musculos", o brasil tem consciência do seu potêncial e poder, de qualquer forma, considero que, apesar do brasil não ter de provar nada e de nada temer a curto prazo, o país deveria ter acesso a tecnologia nucleare se quer ter uma palavra a dizer no seculo XXI.

bruno.

Jest nas Wielu disse...

Oi,
já que estamos falar sobre as forças armadas russas, então vejam lá essa:

O jovem oficial russo Vitaly, compilou uma música rap, descrevendo as condições deploráveis em que vivem os militares russos. A canção é feita em forma de uma carta, que este oficial escreveu para o ministro de defesa russo Sergei Ivanov. Pelos vistos, o ministro acabou de receber a carta, pois Vitaly foi transferido para a Sibéria (cidade de Ussuriysk).

Versão integral em russo (8´.30´´):
http://www.youtube.com/watch?v=HbZ5UxTo6H0

Reportagem da CNN (em inglês, 2´.01´´):
http://www.youtube.com/watch?v=5sR9SPBzAzg

Tradução italiana (8´.30´´):
http://www.youtube.com/watch?v=Vs6VUr1vMYQ

E só para perceber o contraste, vejam as casernas do exército georgiano e ai poderão entender o sentimento de inveja doentia, que os soldados russos sentiam, partindo e estragando o bem estar dos outros. Pois eles, coitados, vivem na completa miséria...
http://www.youtube.com/watch?v=1dy1b34Ehdg

Anónimo disse...

sr Jest nas Wielu,

Já deu para perceber que a russia não é o seu país favorito...
Siga em frente homem!
Essa obcessão em querer mostar todo o mal que a russia tem já parece doença.

bruno.

Pippo disse...

As casernas russas foram construídas com dinheiro russo, as georgianas foram construídas com dinheiros norte-americanos...

MSantos disse...

Os dirigentes russos já sabemos que são maus. O lamentável é a Georgia estar a ser vendida como país com "valores" ocidentais. Relembro há umas semanas, o post de um fotógrafo que viajou pela Geórgia e mostrou como eram os hospitais. País estranho, não ter dinheiro para instalações hospitalares decentes e ter tão boas casernas militares. É gente desta que os EUA nos querem impor na UE e na Nato.

Jest nas Wielu disse...

Para Bruno

Obrigado pelo reconhecimento do meu trabalho, ainda tenho muito mais para mostrar do que já mostrei, com o tempo vamos chegar até lá... :-)

Para Filipe aka Pippo

As casernas russas foram construídas com o dinheiro soviético, as casernas georgianas foram reconstruídas com o dinheiro alheio. O que interessa é quem vive melhor.

No ano passado em Moçambique estive um major do exército russo que a noite trabalha em Moscovo como vendedor dos flores para os ricos. Um único arranjo floral que ele vende custa à partir dos 100 USD, as vezes ale apanha os arranjos pouco usados para revende-los... Acredito que nem em Portugal, nem na Geórgia os majores de exército não precisam de ganhar o dinheiro dessa maneira.

Wandard disse...

Jest Nas Wielu,

Tenho centenas de relatos, músicas, poemas, cartas, histórias etc... de militares de diversas patentes das diversas Forças Armadas dos países desenvolvidos que podem relatar as mais escabrosas situações tanto quanto estes relatos da Rússia, piores são dos países Africanos, Asiáticos e da América do Sul. Sou também militar da reserva e tenho muitos amigos militares na Rússia de patentes variadas, estes relatos não representam e não servem para descrever a face de um país, senão vamos entrevistar os prisioneiros por corte marcial nos Estados Unidos, ou que tal ouvir algumas declarações dos ex-legionários Franceses? Garanto que seria tão chocante quanto.

Abraços

Pippo disse...

Na Geórgia certamente que não, têm USD para os sustentar, a eles e às suas FA (mas os hospitais, pelos vistos, são abaixo de cão);
Em Portugal também não, nem lhes seria permitido. Mas também, aqui não se vendem arranjos florais por 100 USD. Se se vendessem, se calhar teríamos majores do exército a vendê-los nas Docas (eu, que não sou major, de certeza que os venderia!)...

Jest nas Wielu disse...

Para Wandard

Concordo, com pequena diferença, aquilo que no Ocidente são ocidentes chocantes (e geralmente estes terminaram após Vietname / Indochina), na Rússia são vivências diárias nos dias de hoje, mesmo quando nós trocamos essas linhas...

2 Filipe aka Pippo

/Mas também, aqui não se vendem arranjos florais por 100 USD/

Pois é, essa é a diferença entre a Rússia e UE, os russos investem em show off e UE em pessoas, é por isso que os russos emigram para a UE e não ao contrário. Por exemplo, o Filipe, após os seus estudos na Rússia retornou à Portugal, por alguma razão não quis ficar viver naquele país maravilhoso, onde, a titulo de exemplo, só no ano passado 24.000 pessoas morreram de tuberculose (para comparar, nos EUA com a população 50% maior, morreram do mesmo apenas 163 pessoas)...

Wandard disse...

Jest Nas Wielu,

Infelizmente a realidade no ocidente e também nos Estados Unidos não é bem essa, além de ser militar tenho muitas amizades militares também lá e os conflitos continuam ocorrendo. Acredite se não existissem os constantes bloqueios de imigrantes e as dificuldades impostas para se entrar nos países europeus(Ricos) ou nos Estados Unidos, o volume de Russos na Europa seria o de percentual mais baixo entre os Brasileiros e Latino Americanos, todos querem os excelentes salários pagos em Euro ou Dólar, não é exclusividade da Rússia. Quanto à questão de doenças, no Brasil se morre de dengue, tuberculose, sarampo.... Na África de tudo e o principal "De Fome". As vezes penso se o Brasil estivesse adotando a política da Venezuela, ou se por acaso nos anos da Ditadura Militar, houvesse ocorrido uma corrida armamentista e o Brasil hoje fosse visto pelos vizinhos Sul Americanos como a Rússia o é pelos vizinhos Europeus, o tratamento, as críticas, a descofiança em fim a fobia seria a mesma.

Abraços

Anónimo disse...

sr.Jest nas Wielu,compreenda o seguinte: Muitas pessoas que aqui mostram simpatia pela russia( eu incluido) não vão mudar de opinião por argumentos(alguns auto-destrutivos) de alguem que é insensivel aos motivos do porquê dessa admiração.
É um país que tem um povo que se consegue erguer de calamidades que a maioria dos restantes ja se tinham evaporado.
A grandesa da russia não é o seu vasto territorio e riquezas, é sim o seu grande povo.
Compreendo toda essa frustação for não conseguir que todos detestem a russia, continue tentando, pode ser que convença alguem,
So acho que se fosse possivel analisar a sua arvore geneologica, sendo ucraniano, ficariamos todos a rir quando descobrissemos que tem antepassados russos.

bruno

Rogerio Henrique disse...

Quando alguém não possui argumentos fáticos capazes de derrubar uma linhagem de pensamento ou filosofia, acaba adotando discursos com objetivos de desmoralizar o alvo das críticas!!!

Toda a manifestação aqui dita e toda defesa erguida possuem apenas o intuito de estimular as reflexões acera da Rússia, páis muito respeitado por todos nós, exatamente por sua capacidade de superar adversidades, conforme mencionou o "amigo" Bruno.

Por isso "Jest Nas Wielu" aqui aqueles que são a favor da Rússia no mudarão suas opiniões somente porque V.Sa "apelou" para o "ataque pessoal" contra o Kremlim.

Nossa admiração irá continuar...

Este Blog, o qual o Ilmo José Milhazes muito se esforça para enriquecer, apesar de possuírem críticas de seu Autor e outros adeptos contra a Rússia, aqueles que o fazem possuem a finalidade de criticar para melhorar.

Comentários pejorativos, com o único fito de rebaixar uma nação ou causar um impacto negativo é contrário às aspirações de muitos dos participantes, que levantam questões sócio-pólíticas e econômicas do relacionamento internacional da Rússia com a OTAN, etc.

O objetivo jamais foi ser "pró Moscou" ou "contra Moscou"!!!

Então sugiro que voltemos aos debates fáticos e às nossas retóricas, porque CONVENCER é "vencer junto", é conseguir fazer com que os outros se alihem à seu raciocínio... Todavia o que tem ocorrido, por vezes, é que alguns não respeitam as opiniões alheias e tentam "forçar a barra" e "endemonizar" alguns adeptos de determinadas teorias.

Olha, já houve pessoas aqui chamndo outras de "idiota", etc.

Tudo bem que temos a liberdade para fazer o que bem entender, mas o respeito é importante... liberdade sem ordem é libertinagem... afinal nenhum direito é absoluto, nem a vida!!!

Por conseguinte, acho que devemos, sim, voltar aos debates...

Boas reflexões à todos!!!

Jest nas Wielu disse...

2 Wandard

Concordo, é claro que o tuberculose não é uma exclusividade russa, simplesmente a Rússia não conseguiu superar o complexo imperial, algo que outras potências coloniais já superaram, casos de França, GB, Portugal. Ou seja, em Portugal o povo não chora por Lourenço Marques e os russos ainda acham que a Crimeia “é nossa”...

Além disso, veja lá a linha dos países, à qual pertence a Rússia:
Rússia = Brasil = África, etc. Enfim, velha piada soviética continua ter sentido: “URSS é uma Alta Volta com a bomba atómica”!

2 Bruno

Não pretendo mudar a opinião do Bruno T. / Filipe aka Pippo e outros. Vocês só vão acordar no GULAG. A vossa ingenuidade só me lembra a ingenuidade dos comunistas dos anos 30 que morriam pelos interesses da URSS e depois muitos deles acabaram na Sibéria. A até gritavam “Viva, Stalin”, quando as “troicas” lhes ditavam a pena de fuzilamento.

p.s. não é preciso pesquisar o meu arvore genealógico, pois já disse publicamente neste blog que não sou ucraniano de sangue e tenho vários antepassados russos. A nacionalidade não vem da sangue, mas das convicções, pesquisa o Google para saber quem eram Dmytro Dontsov ou Vyacheslav Lypynskiy e se calhar vai compreender um pouco melhor a Ucrânia, país sobre qual gosta de dar as suas "esclarecidas" opiniões.

2 Rogerio Henrique

Há gente neste blogue que confunde o respeito pelos russos com a adoração dos Chefes e "Grandes Líderes" do império, só isso.

Wandard disse...

Jest nas Wielu,

A Rússia talvez possa ser alinhada com o Brasil ou a África se o objetivo for o comparativo entre condições econômicas e determinadas necessidades de desenvolvimento social. Quanto as características étnicas, personalidade da população, desenvolvimento educacional, representatividade no plano internacional e contexto histórico é muito diferente. Quando se fala da Rússia e querem realizar comparativos com países da União Européia por exemplo a discrepancia é um exemplo fora da vertente lógica, 1º toda a Europa cabe dentro da Rússia, 2º as economias Européias hoje desenvolvidas e de certa forma estabilizadas quando comparadas com as chamadas potências emergentes ou países pobres, foram constituídas em sua grande maioria da exploração da maioria destes países, exceto Rússia. Basta voltarmos à História: Grandes Navegações, Colonialismo na África, América e Ásia, Cruzadas, Guerra dos Boxers etc.... Talvez seja hoje em dia fácil, para as nações Européias, condenarem atrocidades, clamarem por direitos humanos, ou criticarem outros países que vivem um verdadeiro caos, mas o interessante é que estes países estão assim como resultado da exploração da Inglaterra, França, Alemanha, Espanha, Itália, Portugal, Japão e o endeusado Estados Unidos. Se critica tanto a Rússia pela sua ânsia de poder ou sua corrida armamentista, mas o mais engraçado é que a nação que promoveu mais de 130 guerras desde o fim da 2ª Guerra Mundial foi os Estados Unidos. Crítica-se as atitudes Russas de envio de navios de guerra para a Venezuela ou os vôos da sua aviação estratégica, mas parece que vendam os olhos para os porta aviões e forças militares americanas americanos espalhadas em mais de 142 bases pelo mundo. Quando ao conformismo dos países Europeus como potência ou como Impérios, isto não é conformação e sim consequência de todas as atidudes das potências Européias no decorrer da História, causado pelos confrontos, desgastes e ambições de uns contra os outros pelo poder, tiveram seu tempo, seu auge e hoje não tem mais volta, se deixaram ser substituídos e dominados por outra nação.

Abraço

MSantos disse...

Caro Jest Nas Wielu: voçês querem a base russa de Sevastopol fora do vosso país, mas não entendem que a Russia não queira bases NATO junto ás suas fronteiras. E já agora o que sugere? Continuarem a hostilizar e a tentar humilhar a Rússia o mais possível, até, qual cão num beco fechado, esta invista? Ou até, indo ao absurdo, provocar um casus belli de modo a todo o ocidente atacar a Rússia, na ânsia de a por de joelhos? Já agora, não seria mais prático e mais frutuoso (mesmo odiando os russos), virarem-se para o Ocidente, do ponto de vista económico e cultural, sem alianças militares pelo meio, mantendo o diálogo e parcerias existentes com a Rússia, incutindo confiança na própria Rússia? Todo esse ódio e ressentimento em relação ao passado, há que lembrar que também os próprios russos foram vítimas desse passado. Por último: por acaso vê algum país do mundo que tendo prestado vassalagem aos EUA tenha enriquecido dum dia para o outro ou resolvido os seus problemas? A história está lá toda. Assim queiramos nós aprender com ela.

Cumpts

Anónimo disse...

O Jest nas Wielu tenta provar que o perfil de quem gosta da russia é alguem comunista com ideias retrogadas e adepto de regimes totalitários, garanto-lhe que está a cometer um grande erro ao pensar assim.
Tinha 9 anos quando a URSS acabou por isso não posso ter "saudades" do comunismo.
Nunca fui adepto do comunismo, socialismo, nazismo nem sequer gosto de ideologias que terminem em ismo, tenho a convicção que são ideiais que devem ser vividos por quem acredita neles e não devem ser impostos ás massas.
A russia é verdadeiramente uma nação, a maior da europa, como sou europeu e defendo os intresses europeus e a sobrevivência da europa simpatizo muito com a russia, é sem duvida, a ultima esperança da europa como potência mundial.
Quando um pais europeu, que partilha com portugal, o mesmo continente, a mesma origem racial/étnica, linguistica, cultural, etc, como a russia, no momento em que fica mais forte, alguns europeus acham isso mal, fico sériamente preocupado e decepcionado com a fraca inteligência de alguns europeus.
Era incapaz apoiar os EUA contra a russia, penso que tal seria estupido da minha parte..
A escolha aqui é simples.. quem pretende preservar a europa tal como ela é e fortalece-la tem de compreender que a russia é fundamental para esse fim, mas, para quem pretender fazer da europa uma copia dos EUA, ou seja, um continente multicultural, multiétnico então está melhor alinhado com os EUA.
O sr acha que a nacionalidade é uma questão de escolha e não de sangue, não vou querer convence-lo que está errado, mas lembre-se que numa familia com filhos adoptivos, quase sempre estes vão procurar encontrar os pais biologicos.

Bruno.

Pippo disse...

Jest Nas Wielu/Afric Dymon:

Eu não fiquei viver na Rússia porque para ficar lá teria de abdicar do meu emprego e da minha vida aqui. Fui bolseiro, não imigrante.
Do mesmo modo, o Jest vive em Mocambique. Se aparentemente gosta tanto da Ucrânia e é tão apegadamente nacionalista, porque é que não volta para a sua pátria?