domingo, fevereiro 15, 2009

Música portuguesa em São Petersburgo



A Orquestra Sinfónica Kapella de São Petersburgo, sob a direcção do jovem maestro português João Tiago Santos (na foto), interpretou, ontem à noite, obras de compositores lusos para uma sala quase cheia, com mais de 700 espectadores.
“É uma experiência única. Um público exigente quase enche uma sala de espectáculos de São Petersburgo num concerto onde são intrerpretadas obras de compositores de um país tão pouco conhecido como Portugal”, declarou por telefone à Lusa o maestro João Tiago Santos.
A orquestra interpretou “Modos de Expressão Ilimitada”, de Eurico Carrapatoso; “Abertura D.Inês de Castro”, de Viana da Motta, e “Sinfonia n.1 em ré menor, op. 08, “Aos heróis e másrtires da última guerra mundial””, de Joly Braga Santos.
“Foi um excelente concerto. A sala de espectáculos estava quase cheia, tinha mais de setecentas pessoas, o que é muito bom”, considerou João Mendonça, leitor do Instituto de Camões em Moscovo, que se deslocou a São Petersburgo especialmente para assistir ao concerto.
Depois de cantar durante oito anos no Coro da Gulbenkian e de ocupar o cargo de maestro-assistente da Orquestra do Algarve, o maestro João Tiago ingressou, em 2004, na Faculdade de Direcção de Orquestra do Conservatório de São Petersburgo.Dirigiu a Orquestra do Teatro de Ópera do Conservatório de São Petersburgo e a Orquestra Sinfónica de Tomsk, na Sibéria.
“No início, quando comecei a ensaiar as obras, os músicos da orquestra, que são mais de 80, olhavam com desconfiança, porque não tinham ideia do que iam tocar, mas foram gostando à medida que ensaiavamos”, acrescentou o maestro.
“Eles não estavam à espera que em Portugal se compusesse música clássica de tão alto valor. Foi uma surpresa muito agradável”, frisou João Tiago Santos.
“Todas as três composições foram recebidas muito bem pelo público, que não poupou aplausos”, acrescentou João Mendonça.
O concerto da Orquestra Sinfónica Kapella de São Petersburgo foi patrocionado pelo Instituto de Camões.
Nos próximos dias 21 e 22 de Fevereiro, em Moscovo, a soprano portuguesa Lara Martins interpretará a “Ária de Nicea” da Ópera Testoride Argonauta, de João de Sousa Carvalho, bem como obras de Anton Arensky e Franz Schubert.

6 comentários:

Ralf disse...

Visitei Lara´s profile no YouTube.
Que pena! Lara não menciona Portugal como terra dela mas Great Britain e Irlanda do Norte.
Espero que ela vá me escrever um dia porquê.
Ralf

Jose Milhazes disse...

Caro Ralf, deve estar a fazer alguma confusão. Nos sítios electrónicos portuguesas, ela aparece como soprano portuguesa que estudou em Inglaterra. Como o concerto em Moscovo é patrocionado pelo Instituto Camões do MNE de Portugal, estou convencido de que se trata de uma portuguesa. Mas, como pretendo assistir ao concerto, irei esclarecer essa questão.
O que eu escrevi não significa que eu tenha algo contra ingleses ou irlandeses, mas as coisas querem-se sempre claras.

MSantos disse...

O facto das nossas obras terem sido aceites, apreciadas e valorizadas pelos músicos russos e respectivo público que têm tanta tradição, gosto e arte em música erudita, é um atestado mais que comprovadíssimo do nosso património musical e dos nossos compositores (além da consequente e merecida consagração do nosso jovem maestro).

Seria interessante saber se a assistência era composta por lusos aí residentes ou locais interessados em conhecer a nossa música.

Cumpts
Manuel Santos

Mendonca Joao disse...

Na assitencia estava uma grande variedade de publico, desde eruditos, musicologos, criancas e jovens aperaltados de todas as idades,e pessoas de idade, que vao religiosamente a concertos de musica classica, como quem vai a missa ao domingo. Havia sim lusos residentes, mas poucos, pois como se sabe a "comunidade portuguesa" na Russia e pouco numerosa.
Queria referir um episodio engracado. Ao sair da sala Kapella, ja junto a praca Dvortsovaia, o Maestro foi abordado por uma senhora de idade, que se pos de joelhos, e que o abencoou pela actuacao, convicta da santidade do jovem maestro, e do povo portugues.

MSantos disse...

Caro Mendonça

Obrigado pela informação.
É sempre gratificante saber que a nossa cultura é acolhida tão calorosamente por outro povo, e neste caso por um povo conhecedor e exigente nestas matérias.

Por nos últimos anos estar a apoiar os meus pais dado a sua velhice e problemas de saúde, aprendi a dar outro valor á terceira idade e o episódio da velhinha é pura e simplesmente enternecedor.

Cumpts
Manuel Santos

Ralf disse...

Remember Luisa Todi !
A voz da Luisa -com este timbre suave- fez Russia e Europa louca.
Onde está a pedra tumular da Luisa agora?
Luisa Todi jaz abaixo da Rua do Alecrim.
Ralf