quinta-feira, fevereiro 12, 2009

Quem assassinou o general azeri?


O Presidente azeri, Ilham Aliev, realizou, na quarta-feira à noite, uma reunião urgente com dirigentes dos órgãos de segurança e defesa do Azerbaijão para discutir o assassinato do general Rail Rzaev.
Rezaev foi assassinado com um tiro na cabeça quando saída, de manhã, da sua residência, no centro de Baku, capital do Azerbaijão. O general, de 64 anos, ocupava o cargo de Comandante da Força Aérea e da Defesa Anti-Aérea do Ministério da Defesa do Azerbaijão desde 1992.
O Procurador Militar do Azerbaijão, Handar Veliev, declarou que Rzaev foi assassinado no momento em que o seu condutor parou o automóvel junto aos contendores, situados perto da residência do general, para despejar o lixo.
Aliev condenou o crime, sublinhando tratar-se de um crime que visa desestabilizar a situação no país.
“Condeno firmemente a morte. Os que cometeram e dirigiram este crime horrível devem ser rapidamente encontrados e detidos”, declarou o Presidente.
“Houve tentativas de desestabilizar a situação política no país (...) mas as forças da ordem conseguiram sempre fazer frente a essas tentativas, acrescentou.
Segundo ele, a polícia já tem as primeiras pistas.
“Sei que foram formados grupos operativos, que já se trabalha, que há as primeiras pistas”, precisou.
Aliev não excluiu a possibilidade de o crime ter sido organizado por forças estrangeiras, sublinhando que o Azerbaijão, país rico em petróleo e gás, tomará todas as medidas para chamar os criminosos à responsabilidade.
“As possibilidades do Estado azeri são muito grandes e cada autor de crimes contra nós - contra o povo, a população civil- deve e irá responder. Quero sublinhar mais um uma vez que o Estado azeri é capaz de se proteger a si próprio”, frisou.
O Azerbaijão mantém relações tensas com a vizinha Arménia, cujas tropas ocupam o enclave de Nagorno-Karabach, território azeri com a maior da população arménia. O conflito em torno desse território começou em 1989 e ainda está por resolver.
Recentemente, o Azerbaijão “protestou vivamente” contra supostas vendas de armas pela Rússia à Arménia, o principal aliado de Moscovo na região da Transcaucásia. O Presidente Aliev baseia a sua política externa no reforço dos laços com os Estados Unidos e Europa.
Porém, alguns analistas consideram que o crime poderá estar ligado ao papel desempenhado pelo general na aquisição de armamentos de vários tipos para o Azerbaijão. Nos últimos cinco anos, as despesas militares azeris quadriplicaram.
No relatório publicado em 2008, a organização internacional Crisis Group, com sede em Bruxelas, afirma-se que as forças armadas azeria estás minadas por “uma vasta corrupção”, apelando a um controlo maior das despesas militares.

2 comentários:

Pippo disse...

JM, na sua opinião, quais serão os motivos por detrás desta morte? Poderá ter a ver com dinheiros?

Jose Milhazes disse...

Caro Pippo, acho que a versão da corrupção e venda de armas é a mais provável. Falei com colegas que conhecem bem a situação no Azerbaijão e eles são da mesma opinião.