sábado, março 28, 2009

Moeda universal: utopia ou realidade

 1059 ¤RARISSIMA¤ ESPERANTO 1 Stelo 1959 Veja descriçăo!!!! A delegação russa à cimeira do G20 em Londres, dirigida pelo Presidente russo, leva um extenso pacote de medidas para edificar "uma nova arquitectura financeira mundial”, que inclui a proposta de criação de uma “moeda supranacional única”.
A “criação de uma moeda de reserva supranacional, cuja emissão será feita por institutos financeiros internacionais. Consideramos necessário analisar o papel do FMI (Fundo Monetário Internacional) nesse processo, bem como determinar a possibilidade e necessidade de tomada de medidas que permitam a essa moeda tornar-se uma moeda 'de super-reserva' por toda a comunidade mundial”, lê-se num documento aprovado pelo governo russo para a cimeira de Londres a 02 de Abril.
Segundo o Kremlin, a base da futura moeda supranacional única poderá ser os Special Drawing Rights (SDR) do FMI. Como fase intermédia, a Rússia defende o aumento do número de divisas de reserva e a criação de vários centros financeiros.
A ideia de criação de uma “moeda supranacional única” foi avançada, entre outros, pelo Presidente do Cazaquistão, Nursultan Nazarbaev, em Fevereiro passado, proposta que foi imediatamente apoiada pela Rússia, que decidiu colocar essa questão na Cimeira de Londres.
A ideia recebeu um novo impulso quando a China anunciou também o apoio à criação de uma “moeda supranacional única”.
“Uma das tarefas estratégicas é a criação de uma moeda de reserva que não esteja ligada à economia de um país definido. Essa moeda deve ser estável a longo prazo. O Fundo Monetário Mundial deve controlar o novo sistema financeiro”, de acordo com um relatório do Banco Central da China, citado pelas agências noticiosas russas.
Moscovo reconhece que se trata de um projecto a longo prazo tendo em conta a oposição dos Estados Unidos a essa ideia.
"Acredito na economia americana e no dólar... Estou convencido de que não há necessidade nenhuma de uma nova moeda internacional”, declarou o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, numa conferência de imprensa a 24 de Março.
Quinta-feira, o Kremlin propôs a convocação de uma conferência internacional sobre a moeda supranacional única em Moscovo.
“Consideramos que o obstáculo fulcral à criação da nova moeda de reserva não é a impossibilidade técnica, nem futuras divergências entre os participantes da nova união monetária, mas a existência de uma potente vontade política da parte dos Estados Unidos de não permitir o aparecimento de uma nova moeda”, declarou à agência Lusa o economista russo Pavel Pikulev.
“Ontem (quinta-feira), a favor da criação da nova moeda de reserva com base no SDR manifestou-se George Soros. O facto de a favor dessa ideia se manifestarem pessoas tão competentes mostra que não vale a pena considerá-la logo utópica, como fizeram muitos dos nossos colegas”, frisou.

15 comentários:

Hugo Albuquerque disse...

Delicioso o título desse post: utopia ou realidade. A boa e velha ilha de Utopia de Thomas More. O termo significa "não-lugar", mas obviamente se tratava da ilha da Grã-Bretanha - ou ao menos da ilha elevada ao seu ideal de perfeição - disfarçada por um artifício de fina ironia que séculos mais tarde veríamos Montesquieu utilizar - ainda que lá, fosse no tom de crítica, enquanto aqui no de se elaborar um projeto.

Curiosamente, "utopia" tornou-se sinônimo de algo irrealizável, enquanto, se era para redefinir pelo espírito da obra seguramente seria muito mais a ideia de um projeto ou de algo que nos faz seguir adiante.

A realidade, por sua vez, nada mais é que a compreensão do concreto que extraímos por meio de nossa experiência sensível e intelectual; é, sobretudo, algo firmemente subjetivo.

Do ponto de vista prático, a questão da moeda universal já não é uma ideia nova; em Breton Woods algo do genêro foi debatido - era ideia de Lord Keynes elaborar uma moeda mundial, mas, claro, os EUA enquanto vitoriosos da guerra queriam se utilizar do dólar enquanto falsa moeda de reserva, na verdade, moeda hegemônica para se favorecerem.

Hoje, por mais que os americanos ainda defendam a hegemonia do dólar, ficará claro que isso se tornará muito mais um problema para eles do que uma vantagem. No entanto, por ora Obama precisa defender o dólar como forma de defender os EUA das consequências de seu endividamento - o que pode se mostrar falso muito em breve.

Nesse sentido, a proposta sino-russa é perfeita tecnicamente; não faz sentido ter como reserva uma moeda que o seu emissor é incapaz de garantir a estabilidade e que pela qual ele repassa as perdas decorrentes de seus ajustes internos - ação que não terá a mesma efetividade que teve na crise dos anos 80.

Ademais, os EUA são incapazes de garantir a estabilidade de sua moeda caso a percepção de descrédito em relação a ela se alastre mais ainda - como deve ocorrer nos próximos meses - na medida em que sua produção interna e suas reservas são irrisórias comparadas ao montante de dolares a vagar pelo mundo.

Mário Nunes disse...

E prontos está dado mais um passo para a nova ordem mundial, há muito almejada pelos bilderbergers deste planeta.

rouxinol de Bernardim disse...

Sim, é necessário: o GLOBAL!

Jest nas Wielu disse...

Que coisa estranha, o Soros afinal já não é um financiador das “revoluções coloridas” e a ponta da lança da CIA – NATO na Europa Central, é um profissional “competente”. Mais um exemplo de como é fácil ser a pessoa “competente” na Rússia actual, basta apoiar / pelo menos não se opor às ideias do Kremlin.

Anónimo disse...

acho que a unica possiblidade é que a moeda universal seja o rublo...e a capital do mundo: moscovo

Anónimo disse...

Voto pelo rublo como moeda universal. Ou pelo menos em substituição ao euro.










"mario"

Jest nas Wielu disse...

Acho que anónimo “mario” pensa à pobre, Moscovo – capital do mundo?.. Eu acho que temos que votar no Moscovo como capital do nosso sistema solar, da Galáxia ou mesmo do Universo. E o rublo como a moeda universal em todos os lares da terceira idade de Portugal, seria bem lindo.

PortugueseMan disse...

Não é utopia.

Isto é mais um rude golpe à posição dominante do dólar.

Não vamos ver surgir agora uma nova moeda, mas vamos ver um dólar cada vez mais enfraquecido.

Um dólar fraco é contra os interesses dos EUA, pois é um importador por excelência, principalmente energia, a economia americana não tem capacidade de lidar com um dólar fraco e energia cara.

E isto é bom para os seus adversários, principalmente a Rússia e China.

O poderio dos EUA não é militar, melhor dizendo o poderio é militar, graças a uma economia capaz de sustentar uma estrutura daquelas dimensões.

Se não podemos enfrentar a componente militar, podemos minar o que a alimenta, a economia.

Para mim o grande passo que colocou em xeque o dólar foi o aparecimento do euro.

O euro começou a ser visto como uma moeda credível e como tal perfeitamente aceite.

Mas apesar disso o dólar permaneceu a moeda mundial.

Saddam quis penalizar os EUA, optando por vender o seu petróleo em euros.

Isso abriu um precedente que poderia ser seguido por todos aqueles que tivessem problemas com os EUA e colocava o dólar em perigo como moeda de referência.

Com o fortalecimento do euro, a maturidade da moeda, e enfraquecimento do dólar, muitos bancos centrais começaram a diversificar as suas reservas, diminuindo a percentagem de dólares guardados e trocando por euros, acentuando mais o declínio da moeda, com o excesso desta no mercado.

A consequência mais directa é a necessidade de mais dólares para comprar energia, o que é péssimo para o maior importador de energia, os EUA.

Não apareceram mais produtores de petróleo a vender em euros por razões óbvias, mas a ideia já estava instalada em muitos.

A Mercosul pensa na criação de uma moeda regional, o Irão a criar uma bolsa de petróleo em euros, e a Rússia em criar uma bolsa em rublos.

De todos estes o mais perigoso é exactamente a Rússia.

Enquanto que no Irão ainda se poderia equacionar uma eventual intervenção militar, no caso da Rússia isso não é possível.

A Rússia está proceder a um ataque directo ao dólar, visando a economia americana de modo a enfraquecer a formidável estrutura militar sem disparar um tiro.

E isto está a ser feito na pior altura para os EUA, ou melhor dizendo na altura mais eficaz numa perspectiva russa, de modo a atingir os seus objectivos.

Nova moeda mundial? não é importante. o importante é que se fala nisso e isso é mortal para o dólar.

Recomendo a leitura de uma análise recente sobre o assunto.

Analysis: Russia and Iran oil exchanges may compete with New York and London

http://www.upi.com/Energy_Resources/2009/03/11/Analysis_Russia_and_Iran_oil_exchanges_may_compete_with_New_York_and_London/UPI-66671236800887/


E chamo a atenção sobre o que está a ser feito a nível da ONU.

UN proposes new global currency reserve

A United Nations panel of economists has proposed a new global currency reserve that would take over the US dollar-based system used for decades by international banks...


http://www.thewest.com.au/default.aspx?MenuId=3&ContentID=132747

Gilberto Mucio disse...

Seria interessante, uma moeda internacional para transações, indexada a uma cesta de commodities.


Mas é pouquíssimo improvável, a não ser num futuro muito distante.

Gilberto Mucio disse...

ERRATA

Eu quis dizer: "É pouquíssimo provável(...)"

MSantos disse...

Esta ideia que se está a implementar cada vez mais, de criar uma alternativa ao dólar como divisa de câmbio e transacções internacional representa tão somente a maior ameaça á hegemonia económica mundial que os EUA têm garantido até agora e poderá vir a representar um enorme desgaste económico da mesma forma que a corrida aos armamentos de alta tecnologia precipitou o colapso económico da URSS nos anos 80.

Até alternativa melhor, o Euro apresenta-se como o mais sério candidato e isto beneficiaria todos os países da moeda única e em última análise poderia acordar defenitivamente as consciências europeias para o facto de que a UE terá mais a ganhar em se libertar da influência norte-americana de vez e prosseguir sozinha como bloco.

PortugueseMan: obrigado pelos links. Não conhecia o UPI quem tem análises muito interessantes

Cumpts
Manuel Santos

MSantos disse...

Apenas mais um ponto: os EUA apresentam este assunto como notícia de rodapé, pouco importante não dando muita relevância porque querem esconder o verdaeiro pânico que esta eventualidade lhes está a causar.

Cumpts
Manuel Santos

Anónimo disse...

Se os russos fossem inteligentes já teriam substituido nas suas transacções o dolar pelo euro.
Esta proposta é só para chatear, não tem estruturas que a aguentem.

Anónimo disse...

meu caro, em breve o rublo vai substituir o euro na UE...espere e verá

aaaa disse...

Concordo com o Anônimo e com o Jest nas Wielu.Kremlin-Praça Vermelha,Torre Spasskaya e catedral de São Basilio são o centro do mundo.o Rublo vai ser a mais nova moeda mundial!