segunda-feira, abril 27, 2009

Contributo para a História (Portugal)

"Ditador" para os soviéticos, "exemplo" para os russos

António de Oliveira Salazar era, na época soviética, um símbolo da opressão fascista, colocado ao lado de ditadores como Franco, Hitler ou Mussolini, mas, na Rússia actual, é visto por alguns como um político exemplar para os actuais dirigentes do país.
Em 1950, Salazar “teve a honra” de figurar numa canção de protesto contra o imperialismo norte-americano, com música do grande compositor Serguei Prokofiev. No poema heróico sobre os operários americanos que afundavam os navios com bombas enviadas “para Angola e para Seul, para a Escócia e Saigão”, lê-se: “Não conseguirão transportar mais bombas/ com as mãos operárias/ Levai-as vós, com Salazar e Franco!”
Num cartaz soviético podia-se ver um mapa de Portugal com pessoas pequenas martirizadas por um falcão com um rosto humano tenebroso. E uma quadra, que alguns dizem ser da autoria de Serguei Mikhailkov, o autor da letra do hino soviético: “Sob um Sol tórrido, meridional/Tremendo de medo jovens e velhos/Transformou tudo em morte/ O carrasco e déspota Salazar”.
Depois do fim do comunismo, em 1991, as discussões sobre a figura e obra de Salazar em Portugal surgem nos momentos em que a Rússia escolhe a sua via de desenvolvimento.
Em 1993, Eduard Limonov, dirigente do Partido Nacional-Bolchevique da Rússia, um dos líderes da actual oposição radical ao Kremlin, defendia o corporativismo do “Estado Novo” como melhor regime político.
“...O corporativismo, a meu ver, é o melhor modelo. Ele permite a existência do patrão, do trabalhador e do engenheiro. Todos eles se encontram em diferentes níveis da hierarquia social, mas unidos pelos interesses da corporação. Este é um sistema ideal. Para um país como a Rússia, é a variante mais aceitável”, declarou Limonov.
“Sem criar um Estado fascista, mas, utilizando a ideia do nacional-sindicalismo, o Governo de Salazar conseguiu resultados significativos nas esferas económica, política e social. A utilização inteligente, ponderada e sábia das ideias populares na sociedade portuguesa distinguia favoravelmente o Governo “académico” de Salazar dos governos de outros regimes ditatioriais”, considera o historiador Dmitri Loguinov.
Segundo ele, “não obstante todas as consequências do regime, a conservação dos seus traços sensatos permitiu a Portugal tornar-se de forma suficientemente rápida uma parte moderna da Europa.
A figura de Salazar voltou a ser abordada quando Vladimir Putin entregou o cargo de Presidente da Rússia a Dmitri Medvedev (Março de 2008) e alguns viram nisso uma tentativa da transformação do primeiro em “pai da nação”.
Iúri Karguniuk escrevia então no jornal electrónico gazeta.ru: “Putin parece mesmo considerar-se um criador da história, pai dos povos e criador de um novo Estado, alguém semelhante a Den Xiao Ping na China e a Salazar em Portugal, estadistas cuja influência não estava de forma alguma ligada ao seu estatuto formal”.
“Aos olhos não só da população atascada de propaganda, mas também da élite cínica, Den Xiao Ping e Salazar eram Hércules que souberam mover montanhas: Den Xiao Ping, pai reconhecido das reformas chinesas que limpou os estábulos das consequências da experiência socialista. Salazar, que conseguiu para si poderes extraordinários no controlo do cumprimento do Orçamento, arrancou, em dois anos, de 1928 a 1930, a economia de Portugal de uma crise profundíssima. E isso quando a crise mundial estava a ganhar força”, conclui.

46 comentários:

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Este artigo seu surgiu porque o tema foi referido algures?

Vejo partes do texto que tem aqui em órgãos de informação, onde não compreendo bem porque se diz que a Rússia considera Salazar um exemplo.

RTP

'"Opressor" para os soviéticos, "exemplar" para os russos'

"...o ditador português Oliveira Salazar é agora visto na Rússia como um político exemplar para os actuais dirigentes do país..."

http://tv1.rtp.pt/noticias/index.php?t=Opressor-para-os-sovieticos-exemplar-para-os-russos.rtp&article=216015&visual=3&layout=10&tm=7

DN
'Russos acham que Salazar é um exemplo'

"...o ditador português Oliveira Salazar é agora visto na Rússia como um político exemplar para os actuais dirigentes do país..."

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1213271

Global Notícias
'Rússia muda opinião sobre Salazar'

"...o ditador
português Oliveira Salazar é agora visto na Rússia como um político exemplar para os actuais dirigentes do país..."


Podia esclarecer-me se a posição dos actuais dirigentes do país consideram realmente Salazar como exemplo?

Existe alguma posição oficial onde possa consultar?

Jose Milhazes disse...

Caro PM, preste atenção ao facto de "exemplar" está escrito entre aspas. Se você ler com atenção, verá que há sectores na Rússia que consideram que a política de Salazar pode ser um exemplo para a Rússia. Eu apenas citei alguns pensadores, mas se consultar o arquivo do meu blog, encontrará outros.
No texto está escrito "exemplar para os dirigentes russos", ou seja, existem vários políticos e historiadores que assim assim o consideram. Eu não escrevi que Putin, Medvedev ou outro tenham dito publicamente que Salazar é um exemplo para eles. Se isso tivesse acontecido, claro que teria citado.
O artigo foi publicado pela Agência Lusa por ocasião do 120º aniversário do nascimento de Salazar e parcialmente publicado nos órgãos de informação citados. O texto completo pode ter sido publicado por outras edições, mas você pode ler no blog o texto completo e leio-o não como uma apologia, mas como e apenas um artigo de história.

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Eu reparei que no caso da RTP até estava com aspas.

Mas onde eu vi primeiro esta notícia foi no Global na edição em papel.

Nesse não existe aspas e tem como título 'Rússia muda opinião sobre Salazar'

Achei curioso, depois vi na net o do DN e de seguida descobri o seu artigo.

Fiquei com a ideia de que todos partiram da mesma fonte e que até essa fonte é este seu artigo.

Mas o que você diz e o que sai nas notícias é uma coisa completamente diferente.

Nas notícias o que sai é que a Rússia e seus dirigentes vêm com bons olhos Salazar.

PortugueseMan disse...

Este é o artigo integral que li em edição de papel no Global:

História

Rússia muda
opinião sobre
Salazar

Na época soviética um
símbolo da opressão fascista,
comparado a Franco,
Hitler ou Mussolini, o ditador
português Oliveira Salazar
é agora visto na Rússia
como um político exemplar
para os actuais
dirigentes do país.
O regime corporativista
do EstadoNovo já mereceu
elogios deEduard Limonov,
dirigente doPartido Nacional-
Bolchevique da Rússia,
um dos líderes da actual
oposição radical ao Kremlin,
e do historiador Dmitri
Loguinov.
A figura de Salazar voltou
a ser abordada quando
Vladimir Putin entregou o
cargo dePresidente da Rússia
a DmitriMedvedev.
Oconhecido académico
Iúri Karguniuk escreveu
que “Putin parece mesmo
considerar-se criador de um
novo Estado,alguém semelhante
aDeng XiaoPing na
China e a Salazar em Portugal.”


- Quem lê este artigo, o que fica retido na memória é que a Rússia vê Salazar como um político exemplar.

Se estes artigos são baseados no seu, é incrível como é que estas coisas são feitas por órgãos de informação.

Jose Milhazes disse...

Caro PM, que lhe posso dizer, leia o meu texto e guie-se por ele.
Mas se quiser saber mais sobre o tema, consulte o arquivo do meu blog.

Anónimo disse...

Salazar não era fascista. Era um ditador de direita paroquial e retrógada. O fascismo é uma ideologia de massas, não de missas.

Anónimo disse...

Milhazes, estou boquiaberto com esta sua comparação entre Putin e Salazar e Medvedev e quem? Marcelo?Que devemos esperar, continuando a analogia, um 25 de abril russo? Lamento, mas esta não a pesco. Não consigo ver semelhanças nas figuras, talvez porque tenha pelos dirigentes russos um apreço que nunca tive pelos portugueses. Será engano meu?

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, eu não fiz comparação, mas alguns autores russos, alguns dos quais citei, fazem. O meio falecido amigo Rachid Kaplanov, um dos maiores especialistas em Estado Novo na Rússia, chamava-me a atenção para o facto de Putin recorrer cada vez mais a traços do corporativismo na sua política interna, ideia com quem concordo. Mas isso leva-nos a uma longa discussão.
Ao outro leitor anónimo apenas posso dizer que se pode discutir se Salazar era fascista ou não, mas não há dúvidas de que se tratava de um regime antidemocrático e repressivo, que travou seriamente o desenvolvimento de Portugal.

Anónimo disse...

Milhazes:
O regime de Salazar era horroroso, mas não era fascista. Há muitas coisas más, sem serem fascistas.
Quanto ao corporativismo de Putin, não tenho conhecimentos sufientes para dizer se é verdade ou não. Nunca me passaria pela cabeça comparar Salazar a Putin, mas eu não vivo aí.O cheiro a bolor do salazarismo é a memória que tenho desse regime, e não consigo ver isso em Putin. Quanto a Medvedev, vejo-lhe uma vontade que nunca vi no sonso Marcelo, que foi fraco e caiu por não ter vontade de governar.Mas isto é a minha visão. Vale o que vale.

Inácio Cristiano disse...

Os inventores da istória andam num vertiginoso movimento de plasmar e tentar criar uma "Imagem" das reais capacidades de salazar.
Para mim, ele está á muito defenido e presente naquilo que foi o 1º Parque Temático do mundo.
Qual parque e onde ?
O Portugal dos Pequeninos em "Coimbra" e ele não passa do "Velho" da gabardine, que por lá persegue as crianças sem que estas notem, mas desejoso de lhes mostrar o santo Graal, sem nunca o fazer!
um eunuco nunca fará mal às criancinhas, tal como Goebels ou Estaline.
O farsante não passava as noites com a Soraya Chaves, como os cretinos palermoides querem-no vender, mas sorria diariamente para o seu amado Mussolini, e quanto muito rezava a S.Nuno de Santa Maria! pela gélida noite do obscurantismo!

MSantos disse...

Quando se fala nos actuais políticos medíocres, nos tachos, na corrupção, no nosso sentido de miséria de ter e aparentar mais do que aquilo que podemos, todo esse portugalzinho de letra pequenina que nos está presente ainda hoje e provavelmente vai perdurar por anos futuros não é mais do que a factura dos anos de governo do velho "Botas" que gostemos ou não está-nos inscrito no tutano até á medula por muito modernaços que nos queiramos aparentar.

Cumpts
Manuel Santos

Francisco disse...

Perante a historia, os factos e a realidade Salazarista, não posso ficar indiferente a comentários deste tipo, por muito esforço que faça para me conter. Já tenho uns aninhos encima deste lombo, por isso sei contar algumas coisinhas do que foi o comportamento dessa besta e da forma como tratou o povo deste miserável país. Pouco; mas ainda fui brindado nos meus primórdios com a brutalidade desse regime.
O mais interessante que encontro neste artigo é partir de alguém que diz não tolerar ditaduras, no entanto aliar-se alegremente a quem faz a apologia de um tirano de direita que foi um carrasco para os povos que dominava. Além da repressão, fez uso do atraso e ignorância para melhor exercer a governação.
Nada serve alegar que foi A ou B que disse ou escreveu. Isso só pode ser interpretado como uma falta de coragem para assumir os nossos pontos de vista ou as posições que se defendem. Não se diz; mas faz-se eco das palavras dos outros!
Não é mais que o cair da máscara da tão citada pseudo-farsa de defesa da democracia, que já se vê sabe a bolor velho. Deduz-se daqui que essa promessa de penicilina democrática (contida no bolor) tem origem na atracção fatal deste embuste.
Eu conheci um certo Almirante aqui em Portugal que até foi candidato a presidente da republica (morreu coitado) dizia que era um homem de esquerda usando as tácticas da direita. No entanto é do conhecimento geral que não foi uma coisa nem outra. Vagueava ao sabor dos acontecimentos. Talvez por oportunismo

Anónimo disse...

Inácio: que culpa tem um Condestável medieval dos atavismos salazarentos? Alhos com bugalhos, não obrigada.
MSantos: tem razão em muito, mas não em tudo. Lembra-se o que levou o Botas ao poder? Já nem dinheiro nos emprestavam nessa altura.
Francisco: a quem se refere? ao Milhazes? á comparação? é contra ou a favor?

Desculpem , senhores, deve ser da hora tardia, mas custa-me a entender o que querem dizer.É sempre esta confusão quando se fala do velho.

Jose Milhazes disse...

Leitor Francisco, eu escrevi um artigo sobre a forma como na URSS e Rússia se olha para a figura de Salazar. Embora eu num comentário anterior já tenha dito que se trata de uma análise histórica, você vem com a acusação de simpatizante de Salazar. Tenha dó de mim, Francisco. Já me chamaram tantos nomes, mas você acrescentou mais um à lista... Venham mais!!!

Jose Milhazes disse...

Leitor MSantos, se formos por esse raciocínio, os males portugueses têm origem muito anterior a Salazar: corrupção, compadrio, cunhas, etc., etc. Há períodos em que eles males ganham maior terreno e criam situações propícias ao aparecimento de salazares.

Jose Milhazes disse...

Comentário recebido por mail:
"Caro Milhazes,

Tenho seguido, sempre que posso, o darussia.blogspot.com.

Alguns comentários a três emas/comentários divulgados:
1) Venezuela - submarinos.
quando o interesse surgiu, o preço do barril de petróleo não era o dehoje. além disso, as perspectivas de crise estavam num horizonte mais distante.
Por outro lado, Chavez gosta de protagonismo e, em política, significa ser notícia, mesmo que seja para emitir disparates.

2) México - a cidade do México (e toda a metrópole que a envolve) é densamente povoada e possui enormes disparidades de desenvolvimento (social, educativo, sanitário,...).
aliás, é uma das metrópoles em que a percentagem de pessoas que vivem no limiar de pobreza é substancial. A disseminação de epidemias tem (infelizmente) um vasto meio de se propagar.
3) Contributo para a História de Portugal

Apesar da minha idade, ouço, frequentemente, que uma das virtudes de Salazar foi ter evitado a presença de Portugal nos conflitos que então se viviam na Europa (II GG; Gueera Civil Espanhola).
Reconheço-lhe essa virtude, através de uma "neutralidade" questionável ( a inclinação foi sempre de acordo com os melhores interesses nacionais, seja o colonial; seja o de deixar a Espanha decidir; seja o de permitir a exploração dos minérios; seja o de ser um centro de espionagem;...)
No fundo, a resposta aquelas questões, bem lusas: "então, como tem passado ? Como está ?" - "olhe, nem para cá nem para lá !"

Sem mais demoras, o Estado Novo cometeu, para além de outros, dois erros que se repercutiram no atraso nacional, nas relações internacionais e no ostracismo a que o País foi votado.

1) Ter recusado ao auxílio ao desenvolvimento queo Plano Marshall teria proporcionado. Um País "pobre" que no deambular do século XX não tinha sofrido as amarguras da guerra , teria tido possibilidades de se afirmar como Nação;
2) O de não ter acompanhado, em devido tempo, a descolonização, que outros foram fazendo. Os movimentos independentistas estavam receptivos a aberturas parciais e a descolonização poderia ter sido feita de modo faseada (já na época do sucessor).

Estes dois factos colocaram o País for da locomotiva europeia. Ficámos num apeadeiro, a aguardar por um nova oportunidade... que, finalmente, chegou, primeiro há 35 anos, num regional, e, posteriormente, num rápido.

João Moreira"

PortugueseMan disse...

"Venezuela - submarinos.
quando o interesse surgiu, o preço do barril de petróleo não era o dehoje..."

Uns reparos sobre isto.

Quando se começou a ouvir falar dos submarinos o preço do barril estava muito parecido com o de hoje.

Chavez em 2005 estava a mostrar interesse em mais armamento, sendo um dos itens a adquirir era submarinos. O que Chavez começou a fazer foi o que todos os produtores de energia começaram a fazer, adquirir armas para aumentar a segurança nacional.

Dado que Chavez tem uma relação conflituosa com os EUA e tendo como planos, começar a fornecer a China desviando a sua produção destinada os EUA, principal importador de petróleo venezuelano, passou a ser olhado com mais atenção pela administração Bush.

Dizer que Chavez desviou dinheiro para armas também não é correcto de se dizer. Chavez foi buscar mais dinheiro para o país e parte foi/está a ser usado para adquirir armas. Isto só foi possível porque em 2004 Chavez alterou a taxa às empresas estrangeiras que retiravam petróleo na Venezuela. Estas tinham que pagar apenas 1% ao país, sendo os restantes 99% lucro das companhias principalmente americanas. A nova taxa era de perto de 15%, passando a entrar muito dinheiro para os cofres da Venezuela e abrindo um sério conflito entre Chavez e os EUA. É errado dizer que Chavez desviou dinheiro para armas, ele foi obter esse dinheiro que estava nas mãos das companhias de petróleo estrangeiras.

O processo de aquisição de armas aumentou de tom em 2006, quando os EUA puseram um embargo à Venezuela. Com destaque para os F-16, que ficaram no chão por falta de peças/manutenção. Chavez virou-se para a Rússia, que rápidamente lhes forneceu os SU-30, passando a ser o país da América Latina com os mais modernos aviões, coisa inesperada pois este papel estava "destinado" ao Brasil com o seu programa FX de aquisição de novos aviões e que ainda hoje está para ser concluido.

De notar que Chavez tentou comprar armamento a Espanha, navios e aviões, mas tudo o que tivesse componentes americanos não pode ser vendido e a coisa esteve complicada entre os EUA e Espanha, acho que apenas puderam vender os barcos.

Aconteceram situações semelhantes com outras empresas europeias, levantando na Europa uma outra situação, a dependência da Europa de componentes americanos em alguns produtos, que obrigam a seguir a política americana, quer queiram quer não.

Inácio Cristiano disse...

Ao
Caro Anónimo das 23.57

"Inácio: que culpa tem um Condestável medieval dos atavismos salazarentos? Alhos com bugalhos, não obrigada. "

Quem confunde o Condestável Alvares Pereira (ou deixa-se confundir) com São Nuno de Santa Maria são aqueles que exploram a ignorância obscurantista do povo, convencendo-o (ao povo)que ambas as entidades são a mesma pessoa, por "decreto divino".
Para mim São Nuno de Santa Maria nunca existiu, ao contrário de Alvares Pereira existiu, e que trespassou pelo fio da sua espada algumas cabeças que se lhe opunham, fossem castelhanas ou portuguesas !
Portanto, faça o favor de não confundir alhos com bugalhos.
Com os melhores cumprimentos.

MSantos disse...

José Milhazes e Anónimo

Plenamente de acordo. Temos defeitos "estruturais" que moram conosco há séculos, no entanto o Estado Novo foi catalizador desses defeitos amplificando-os e prolongando-os no tempo com as consequências que hoje estamos a viver.

Um dos paradoxos dos apoiantes do salazarismo é criticarem a situação actual alegando que não seria permitida no Estado Novo mas esquecendo-se que foi o Estado Novo que foi provocar as mentalidades e situações que temos hoje em dia.

O mais perturbante no seu último parágrafo, José Milhazes, é que estamos precisamente a viver um desses períodos que propiciam o aparecimento de salazares.

Cumpts
Manuel Santos

Anónimo disse...

Inácio:
lamento, mas não tem razão. Ser santo é uma coisa em que se acredita ou não. Que o homem foi monge é histórico. Que o salazarismo usou as grandes figuras da história a seu favor é verdade, e o mito do Condestável ajudou muito ao incentivo às armas na guerra colonial. Até aqui estamos de acordo. Agora atacar o Condestável em si não me parece certo, e é isso que você fez e eu objectei e continuo a objectar. Mas não se amofine: a minha opinião vale apenas tanto quanto a sua.

CJJG disse...

Caro Milhazes, depois de ler este seu artigo constato que se deixou influenciar pelo programa televisivo que elegeu o personagem mais importante da historia de Portugal. Não acredito que tenha passado a ser apoiante do regime do Estado Novo, contudo, que lhe presta um optimo serviço publicitario, esta à vista!!! Deixe a apologia do "maravilhoso" Estado Novo para outros, acho que consegue ser jornalista sensacionalista com outro tipo de textos.

Inácio Cristiano disse...

Caro Anónimo 23.57/13.35

Desculpe dizê-lo, mas o sr. é um mau manipulador das frases que lhe não convêm, pois distorse e falseia para de seguida baralhar os argumentos, por favor não turve as àguas respeite a razão e encontre a verdade, onde esta possa ser visivel!não o queria desmentir mas...

1-"Ser santo é uma coisa em que se acredita ou não. Que o homem foi monge é histórico. "

A mim parece-me que a Igreja Romana canonizou o Nuno Alvares Pereira, não por este ser monge, mas por alguem em algures ter queimado um olho enquanto fritava peixe, como explicado e atendendo como o arcebispo Saraiva Martins estivesse na posse das suas (dele)faculdades mentais.

2-"o mito do Condestável ajudou muito ao incentivo às armas na guerra colonial. Até aqui estamos de acordo. "

A mim parece-me que isso não teve relevância nenhuma no espirito dos combatentes da guerra colonial (e eu estive lá)e por essa razão não concordo consigo.
Quanto a "bravura" a combater pelas Quinas de Portugal, e considerando que Aljubarrota não demorou duas horas, que adjectivos usariamos então para classificar um "combatente português" como Marcelino da Mata? pela forma e pelo tempo como o fez, nas bolanhas da Guiné, embora este não acabasse arrependido num convento!

3-"Agora atacar o Condestável em si não me parece certo, e é isso que você fez e eu objectei e continuo a objectar."

A mim parece-me que quem renega " o Condestável em Sí" são precisamente aqueles que querem branquear os seus feitos militares, por via do peixe frito..
Ele, coitado dele...não teve culpa nenhuma do que se passa no sec.XXI
Passe bem

Jose Milhazes disse...

Leitor CJJG, eu não vi esse programa. Leia o artigo com atenção.

Anónimo disse...

Inácio Cristiano.
definitivamente as palavras não têm o mesmo significado para nós. Acontece.Manipulador é que não admite que me chame. Passe bem também.

Francisco disse...

O Senhor Cristiano não tem outro nome para quem possa atribuir-lhe o titulo de herói a não ser a esse tal Marcelino da Mata (lagarto, lagarto)? Esqueceu o Robles, o Maçanita, o Durão, o Serrão que comandou a Companhia Derrubante 2 na Guiné, posso citar o Shung que era Macaense um grande oficial dos comandos. De acordo que todos eles fizeram coisas reprováveis, mas cumpriram a sua missão como militares.
Esse Marcelino da mata foi um criminoso sanguinário do seu próprio povo, é o titulo mais benemérito que se lhes deve atribuir.

Cristina Mestre disse...

Aos leitores Francisco e CJJG

Os senhores acusam injustamente o JM de ser apoiante de Salazar, coisa absurda para quem acompanha regularmente o seu blogue.
A meu ver, nesta discussão repercute-se um fenómeno muito provavelmente invisível para os leitores. Passo a explicar: Para a mentalidade de um português, falar de Salazar, mesmo numa perspectiva histórica, é fazer a sua apologia: ele é um personagem "culturalmente proibido", cuja mera citação nos faz evocar um sentimento difuso de medo e clausura.
Já para a mentalidade russa a figura de Salazar não evoca nada disso: pelo contrário, está em consonância com a longa história de autoritarismo no país, que o Governo de Putin tem sido mais um exemplo. Para eles, Salazar é uma figura muito mais positiva do que para nós, devido à nossa diferença de mentalidades.Um outro exemplo clássico dessa diferença é quando se utiliza a palavra "liberdade". Em Portugal, é um termo positivo, louvável. Em russo a palavra "Svoboda" muitas vezes tem um sentido negativo, associando-se ao termo "Volia", ou seja, à possibilidade de não obedecer, de abandonar as obrigações, de se fazer tudo o que se deseja, à anarquia.

Por isso, o JM como jornalista limitou-se a transmitir-nos uma realidade existente na Rússia, para nós, se calhar, incompreensível ou difícil de compreender.

P.S.
Eu própria, convicta adversária do Salazarismo, o primeiro livro que tive nas mãos sobre Salazar foi-me oferecido na Rússia há uns 3 anos por um amigo local, que muito surpreendido ficou por eu não ter gostado.

Inácio Cristiano disse...

Caro Francisco

Embora escolhesse uma parte acessória do debate, para se referir (de forma inviezada) a um meu comentário, devo dizer o seguinte:

-Nunca me referi a "herois" pois na minha optica semelhantes protagonistas não detêm os quesitos necessários para que se atribua esse titulo.

Comparei a "bravura" de Alvares Pereira versus Marcelino da Mata (que eu conheci pessoalmente) e quanto a mim, este seria ainda mais bravo do que aquele.

Ambos lutaram por aquilo que seria o designio intangivel nacional.
Tanto um como o outro (!)provavelmente apenas contrarearam o "vento" da História.
(Num caso já está confirmado)

-Quanto aos outros nomes que menciona por estarem muito abaixo do "ranking" de condecorações por feitos militares, não passam de "cromos" para atroca dos protagonistas da história militar.

Apenas um traço em comum a todos eles: sofridas e vís existências que adviram directamente da cínica
politica das incompetentes elites que governaram Portugal 48 anos no execravel "Corporativismo Salazarista" de costas voltadas para a Europa reformadora, e orgulhosamente sós!

Francisco disse...

Caro Cristiano:
Sem querer apresentar os meus pontos de vista ou partes da história que nos é comum de esguelha ou de forma enviesada, «Como preferir».
Pretendo apenas desmistificar o seu fascínio por um criminoso psicopata, que se limitava a fazer o trabalho sujo encomendado por os brancos contra o seu próprio povo.
Citei-lhe aqueles nomes, como se poderiam citar muitos mais, não é porque simpatize com eles ou com algumas das suas acções. Concordo que como militares cumpriam com dignidade as obrigações que lhe foram impostas.
___ «Comparei a "bravura" de Alvares Pereira versus Marcelino da Mata (que eu conheci pessoalmente) e quanto a mim, este seria ainda mais bravo do que aquele» _____
Senhor Cristiano idolatria, mas por favor não exagere! D. Nuno foi um herói que sabia por o que se estava a bater. O seu ídolo foi uma marioneta que se lhe atribuíram medalhas como quem dá rebuçados a uma criança para cumprir os seus deveres.
Essa do seu “Corporativismo Salazarista” deixou-me confuso. Afinal o Senhor chora a perda das colónias que eram a insígnia máxima de Salazar, depois ataca-o por se isolar do resto do mundo, até parece que não sabe que uma coisa é o complemento da outra.
Cumprimentos

Francisco disse...

Cristina desculpe mas é com alguma estupefacção que me apercebo da forma como tenta analisar a mentalidade Russa actual, mas mais estranho ainda é como pretende transmitir a quem está fora dessa realidade o que se passa ai no que concerne à informação que é transmita ao povo Russo.
Cristina por favor seja justa. Até parece que desconhece que tudo quanto cheire a Soviético é maldito.
Porque a partir dos anos 90 os dirigentes Russos esforçaram-se por reescrever a História como ela tivesse feito apenas parte da Rússia e do povo Russo.
Cristina para que fique ciente do grau de desinformação propalada, já ouvi (especialistas independentes) em debates televisivos defenderam se a URSS tivesse sido derrotada pelos Nazis, teria sido melhor para o desenvolvimento do país.
Ou noutra ocasião que mostraram uma reportagem de uma fábrica subterrânea de armamento nos Urais, em que o locutor dizia, por este túnel saíram armas para matar gente em todo o mundo.
Mais: se ainda não leu A Rússia de Putin, de Ana Politovskaia, veja o que diz na pagina 37__ Após um breve interregno no tempo de Ieltsin, a Rússia amputada das «Repúblicas irmãs» da antiga URSS, sentiu-se incapaz de viver em harmonia sem voltar às suas tradições imperiais. Na página 181___ sobre a visita que fez a uma base militar “ neste local encontra-se a mais avançada tecnologia para roubar a vida a seres humanos.
Também deve saber melhor que eu, já que aí vive que no tempo a URSS o povo era ostracizado com a propaganda do regime sobre os males do capitalismo, mas hoje é bombardeado com as suas virtudes.
Por isso não sei qual é a sua admiração quando os Russos manifestam simpatia por figuras de direita mundiais, inclusivamente o surgimento de grupos de índole Nazi.
Tem o exemplo da Irina Kakamada, o pai um exilado politico Japonês, no entanto veja o lugar que se posicionou. Cristina tem que entender que para desmantelarem o sistema então vigente a propaganda foi pesada e feroz, se assim não fosse como é que o Putinismo conseguia obter vitórias tão expressivas, se eles não são mais que uma das muitas facções mafiosas que se apoderaram das riquezas do país.
Eu costumo dizer à minha mulher, vocês estão a comer o prato que confeccionaram. Antes tinham dinheiro não tinham os produtos, hoje têm os produtos mas não têm dinheiro.
A Cristina se está em Moscovo, faça um esforço e dê um salto até Arzamas ou Murom duas pequenas cidades que ficam relativamente perto de Nijni Nogorod, para se inteirar bem da realidade Russa actual.
Quanto aos cognominativos de alguns participantes, que tanto a incomodaram sobre os artigos expostos por o Doutor Milhazes. Não é o que se disse que a deve incomodar devia mais incomoda-la o conteúdo dos mesmos. Certamente que haverá outras opiniões sobre figuras que estão do lado oposto de Salazar e o Doutor Milhazes simplesmente omiti essas opiniões, segundo as regras politicas dizem que para vencer os adversários por vezes basta omiti-los.
Não sei se reparou num artigo anterior do Doutor Milhazes sobre Samora Machel.
Como refere que acompanha regularmente o seu blog, estranho que sendo inteligente como demonstra, lhe escapar que os artigos do Doutor Milhazes trazem por vezes uma mensagem a cavalgar no dorso.
Com isto não pretendo minimamente associar as tendências politicas do Doutor Milhazes ao Salazarismo como a Cristina dá a entender, é sim a forma como se pretende fazer eco de vozes que apoiam o comportamento dessa personagem sinistra.
Até porque tal como o Doutor Milhazes passei parte da minha adolescência junto a uma comunidade piscatória, no regime de Salazar, sei muito bem quanto dura era a vida dessas pessoas, tal como o Doutor Milhazes também sabe.
Por isso acredito que o Doutor Milhazes por um sentido de humanismo e solidariedade nunca irá esquecer esses factos que o deveriam ter marcado tal como me marcaram a mim.
Cumprimentos

Jose Milhazes disse...

Leitor Francisco, não se faça de vitimizado. Não lhe fica bem. Você não consegue distinguir um artigo de História de um artigo de opinião. Nos artigos sobre Salazar e Machel, eu não dei opinião, mas citei opiniões e memórias de outros. Será que sou eu o culpado pelo que os embaixadores soviéticos escreveram sobre Samora Machel? Esses diplomatas eram comunistas, mas tinham uma opinião diferente dos textos elogiosos de uma certa esquerda sobre o antigo Presidente moçambicano. Não leu o que se dizia de Salazar na URSS, está no artigo, embora em versos?
Apenas lhe digo que há muito mais para publicar e irei fazê-lo para que a história seja escrita tendo em conta factos e opiniões diferentes e não uma cartilha ortodoxa.
Um exemplo, recentemente, o Presidente russo, Dmitri Medvedev, foi em visita à Finlândia e depositou uma coroa de flores no túmulo de Carl Gustaf Emil Mannerheim, general e dirigente político finlandês que colaborou com Hitler, a pretexto de que, como afirmou um dos canais de televisão russa, Estaline o tinha retirado da lista dos criminosos de guerra porque não tinha bombardeado Leninegrado.
Se o Kremlin se acha com direito de rever a história, porque é que esse direito não é dado aos outros povos?
Leitor Francisco, está a imaginar o governo espanhol a dizer aos portugueses para escreverem a sua história de outra maneira? Ou a protestar contra a santificação de Nuno Álvares Pereira?

Inácio Cristiano disse...

Sr. Francisco

Pelos exemplos que descreve, em função daquilo que apreendeu no conteudo que eu escrevi, é fácil concluir que você processa mal a informação "lida"!

-Depois distorce o conteúdo em função da sua própria matriz cultural e conclúi ignobimente o que deseja "encontrar" naquilo que previamente lhe ditaram as sinapses
intelectualmente desprovidas de método rigoroso.

Francisco disse:
"...posso citar o Shung que era Macaense um grande oficial dos comandos. De acordo que todos eles fizeram coisas reprováveis, mas cumpriram a sua missão como militares. "

-Sr.Francisco, seja mais exigente com os seus modelos de "grandes oficiais". Um Militar de Honra não faz coisas reprovaveis.

Francisco disse:
"Pretendo apenas desmistificar o seu fascínio por um criminoso psicopata, que se limitava a fazer o trabalho sujo encomendado por os brancos contra o seu próprio povo.

-Sr.Francisco, afinal o seu argumento, próprio de um racista primário e de um ignorante da história recente, para além de ofender directamente cerca de 10% da população nacional que se reveem das etnias africanas.
Quando abusivamente utiliza o termo "seu fascinio" apenas está a fazer o que faria quaisquer agentes de 2ª da extinta policia politica, para dar credibilidade à denuncia.

Francisco disse:
"Afinal o Senhor chora a perda das colónias que eram a insígnia máxima de Salazar, depois ataca-o por se isolar do resto do mundo,"

-Sr.Francisco, o que se passará no seu cerebro para concluir que eu lamento a perda das colónias? Pelo contrário, nunca o fiz, assim como nunca farei propositadamente Uma mentira, passar por verdade, como parece ser a sua especialidade. Desafio a que transcreva aquilo que fundamentou a sua "criação"

Portanto, ao seu chorrilho de aleivosias respondo-lhe com a transcrição do ultimo paragrafo do meu anterior comentário:

"Apenas um traço em comum a todos eles: sofridas e vís existências(leião-se Marcelino e os modelos do Francisco) que adviram directamente da cínica politica das incompetentes elites que governaram Portugal 48 anos no execravel "Corporativismo Salazarista" de costas voltadas para a Europa reformadora, e orgulhosamente sós!

Leia mais de vagar, e se necessário repita a leitura antes de concluir algo.

Francisco disse...

O Senhor Cristiano escreveu no seu post anterior:

«««««««««Comparei a "bravura" de Alvares Pereira versus Marcelino da Mata (que eu conheci pessoalmente) e quanto a mim, este seria ainda mais bravo do que aquele.

Quanto aos outros nomes que menciona por estarem muito abaixo do "ranking" de condecorações por feitos militares, não passam de "cromos" para atroca dos protagonistas da história militar.»»»»»»»
Senhor Cristiano isto foi escrito por o si. Afinal quem torce os factos? Ou será preciso alguma chave especial para descodificar o raciocínio destes comentários? Pois se até se atreve a alvitrar o seu símbolo de bravura guerreira, em detrimento de D. Nuno! Este fê-lo por o seu país contra ocupantes, o seu fê-lo por ocupantes contra o seu próprio povo.
Depois vem acusar-me de ter uma matriz cultural ignóbil (desprezível, vil, baixa) com as sinapses (neurónios) desprovidos de intelectualidade. Quereria dizer estúpido?
Mais: onde foi o Senhor desencantar essa sua mixórdia verborreica, conectando-me como um racismo primário ignorante? Eu refiro-me a brancos, não a negros, mas se o Senhor Cristiano fizesse aquilo que me aconselha em prestar mais atenção ao que leio, tinha-me poupado a este esforço de esclarece-lo em pormenor porque pelos vistos se os meus neurónios estão desligados, ao que parece o Senhor é desprovido deles, absorve apenas uma parte do que lhe comunicam e mesmo essa é deficientemente interpretada. Ao mesmo tempo evitava ter-me contemplado não digo como cita (um chorrilho de aleivosias) mas com uma rima de asnadas.
Não lhe disse anteriormente, mas para que entenda melhor vou ser mais claro agora. O seu abnegado ídolo pôs-se ao serviço de colonizadores que durante séculos espoliaram, roubaram e escravizaram o seu próprio povo. São traidores desta piara que não permito a ninguém que hipocritamente defenda! Entendeu?
Para que não lhe restem dúvidas de qualquer espécie, ainda acrescento mais; de todos os participantes nas guerras Coloniais, unicamente aqueles que se bateram pela liberdade da sua terra, merecem o título que o Senhor Cristiano grotescamente pretende atribuir a esse canalha.
Afinal o que eram as Colónias senão uma coutada dos grandes interesses económicos do regime e um paraíso da maioria dos brancos que lá viviam? Não digo de todos!
Portanto está redondamente enganado quando me associa a um qualquer agente de 2ª da extinta policia politica. O seu ídolo, o seu amado e muito venerado Marcelino da Mata é que foi um servidor dessa instituição tenebrosa.
Ou julga que foi o Senhor apenas que teve a distinta honra de ter servir a pátria no Ultramar? Muitos mais tiveram a infelicidade de serem enviados forçosamente para combater nas Colónias!
Quanto ao resto as palavras ficam para quem as profere, não alinho com discursos recheados de palavras empolgantes vazias de conteúdo.
Porque o que está em causa é a luta de um povo pela sua liberdade.

Inácio Cristiano disse...

Caro Francisco

Como tropeçou logo no 1º Paragrafo, nem me vou dar ao trabalho de ler o resto do provavel "mais do mesmo"

Eu escrevi:
"Depois distorce o conteúdo em função da sua própria matriz cultural e conclúi ignobimente o que deseja "encontrar" naquilo que previamente lhe ditaram as sinapses
intelectualmente desprovidas de método rigoroso."

Como você lê (interpreta):
"Depois vem acusar-me de ter uma matriz cultural ignóbil (desprezível, vil, baixa) com as sinapses (neurónios) desprovidos de intelectualidade. Quereria dizer estúpido?"

Passe um bom fim de semana

Oh Well, Okay. disse...

“Sem criar um Estado fascista, mas, utilizando a ideia do nacional-sindicalismo, o Governo de Salazar conseguiu resultados significativos nas esferas económica, política e social."

Não, não, não.
Salazar era fascista sim. O Estado Novo era fascista sim.
Resultados significativos? Não é isso que ouço da boca da minha mãe, dos meus tios ou dos meus avós.

"não obstante todas as consequências do regime, a conservação dos seus traços sensatos permitiu a Portugal tornar-se de forma suficientemente rápida uma parte moderna da Europa."


Traços sensatos? 'Tá bem, tá.

Quem pensa desta forma está tão errado...e é tão ignorante...

Oh Well, Okay. disse...

“Sem criar um Estado fascista, mas, utilizando a ideia do nacional-sindicalismo, o Governo de Salazar conseguiu resultados significativos nas esferas económica, política e social."

Não, não, não.
Salazar era fascista sim. O Estado Novo era fascista sim.
Resultados significativos? Não é isso que ouço da boca da minha mãe, dos meus tios ou dos meus avós.

"não obstante todas as consequências do regime, a conservação dos seus traços sensatos permitiu a Portugal tornar-se de forma suficientemente rápida uma parte moderna da Europa."


Traços sensatos? 'Tá bem, tá.

Quem pensa desta forma está tão errado...e é tão ignorante...

Francisco disse...

Quem pretende ligar Salazar ao fascismo está acometer um crime de lesa pátria.
Pois se o homem até conseguiu equilibrar as finanças em dois. Mas a que custos? Ainda sou do tempo em que os alunos nas escolas eram todos obrigados a usar bata branca, mas não tinham direito a andar calçados, era uma vergonha centenas de crianças com a batinha branca mas tudo descalço quer fosse de verão ou de inverno. Se apoio Franco certamente foi porque o governo legitimo de Espanha (Republicano) se esqueceu de lhe pedir ajuda. Se decretou três dias de luto nacional pela morte de Hitler, pois teve condescendência por a perda da vida de um ser humano. Até porque o rapaz era muito humano.
Deixemo-nos de tretas, há muitas formas de matar pulgas. Até porque sempre ouvi dizer que o OMO lava mais branco.

Francisco disse...

O Senhor Cristiano alega que não se deu ao trabalho de ler o resto do meu comentário? Nem tem necessidade disso! Na medida em que já sabe da forma com que se enredou nas malhas das ignominias que teceu, como não tendo escapadela possível, inventou esta inaudita presunção (como inventou alguns vocábulos) para esquivar-se airosamente à salgalhada que se meteu.
Não tendo capacidade para manter um dialogo culto e respeitador da equidade moral, recorre quando tem necessidade à provocação pessoal directa, com a agravante de não saber aquilo que está a escrever. Tem a ousadia de fazer a defesa de um mercenário em detrimento de uma figura de vulto da nossa história (minha tenho a certeza). Quando é confrontado com opiniões divergentes, usa como troca o insulto.
O Senhor não me conhece pessoalmente de parte qualquer para me colocar carimbos ou rótulos pessoais, assim como eu não conheço o Senhor. Os nossos contactos restringem-se unicamente ao debate politico/ideológico e é ai que se devem centrar.
Não usei qualquer palavra ou termo depreciativo contra a sua pessoa. Também não o liguei absolutamente em nada quer politica quer pessoalmente a esse títere (Marcelino da Mata) que o Senhor na sua grandiloquência com sacrossanta exaltação de “desígnio inatingível nacional” (estas palavras são suas) já estava a colocar num patamar superior ao D. Nuno Alvares Pereira , isto quando tem o desaforo de defender que esse corifeu é mais bravo que o homem que em muito contribuiu para nós estarmos aqui hoje a dialogar na língua de Camões.
Sobre essa triste personagem (M.M.)não retiro nada àquilo que já disse, se encontrar mais epítetos com que o possa agraciar acrescento-os aos outros.
O Senhor tem que compreender (se quiser) e aceitar com humildade (se possuir) que faz parte da boa educação, mesmo que não estejamos de acordo com os nossos oponentes, devemos ter moderação nas palavras, nos termos e o sentido dos mesmos, que lhes dirigimos pessoalmente. Pode dizer-se a mesma coisa de várias formas sem ofender a dignidade das pessoas. Afinal caminhamos para a civilização ou para a barbárie? Não é por alguém se considerar protegido atrás de um monitor que tem o direito em adjectivar o seu interlocutor como lhe apetece !
Neste ponto o Senhor tem por hábito recorrer às injurias gratuitas para defender os seus pontos de vista, além de ser muito fraco em gramática, porque já deu provas de não compreender as citações de que faz uso.
Então diga-me por favor qual foi o vocabulário arcaico-provinciano de onde retirou a palavra ignobimente? Qual a sua etimologia? Para si qual é o significado deste vocábulo? Quando o tentei corrigir com ignóbil, o Senhor voltou a repeti-lo. Fantástico! Quantas voltas não teria já dado o pobre do Camões na tumba? Isto é uma invenção sua, esta palavra não existe na língua Portuguesa! Tentou provocar mas não sabia como, inventou um meio termo.
Repito; quanto à sua finória-intelectualidade de adjectivar-me de estúpido, quando eloquentemente afirma e volta a repetir mais tarde .««««« Depois distorce o conteúdo em função da sua própria matriz cultural e conclui ignobimente (eu pergunto-lhe se é comestível?) o que deseja “encontrar” naquilo que previamente lhe ditaram as sipnases intelectualmente desprovidas de método rigoroso»»»»» O Senhor tem consciência do que escreveu? Afinal qual é o sentido desta terminologia? Por ventura já se agarrou a um dicionário para ver o que são sipnases? E mais desprovidas intelectualmente? Até porque o intelecto não se encontra aí. As sipnases têm outra função. Mas a função do seu recado é bem perceptível. Embora não perceba patavina do que está a dizer.
Segundo rezam os manuais de relações humanas, para se conhecer a etiologia do individuo, basta apenas que se analisem as suas opiniões e a forma como se expressa.
Como diz o povo e com razão. Quem diz o que não deve, sujeita-se a ouvir o que não deseja!
Mais: para além de brindar-me com o corolário de Pidesco, e para saciar a sua senda de ofensas tratou-me por racista primário e ignorante.
Infelizmente não é apenas o Senhor que quando se vê em apuros, recorre a este tipo de linguagem abusiva da falta de respeito pelos outros.
É muito diferente quando me refiro ao Senhor e ao “seu fascínio por um criminoso psicopata.” Faltei à verdade? Não! Porque o Senhor já aqui o elogiou colocando-o nos píncaros da glória. Se o elogia é porque tem fascínio por ele.
Além do mais se depreciei essa figura pelo comportamento que teve em relação ao seu próprio povo, mas que Senhor tanto admira, não cometi nenhuma heresia.
Na medida em que o Senhor aqui neste mesmo espaço quando se referiu a Sekou Torué não o tratou de forma menos amistosa. No entanto este homem sim, é reconhecido internacionalmente como um grande Pan-Africanista e um dos grandes líderes do Movimento dos Não Alinhados.
Não desejo estabelecer regras, não é a mim que compete essa tarefa, assim como nunca fiz uso barato e grosseiro para impor a verdade, jamais o irei fazer. Mas também não irei usar luvas na defesa da moral e da justiça social e política.

Francisco disse...

Corrijo: quando digo pessoalmente de parte qualquer, queria dizer pessoalmente de qualquer parte

Francisco disse...

As pressas têm estas coisas. Sinapses e não Sipnases.

Jest nas Wielu disse...

General (já falecido) Alexander Lebed era o admirador declarado do Le Penn e Augusto Pinochet e Putin já tinha dito que pretende instalar no país a “Junta molhe”, em alusão à junta militar no Chile. Como é possível que os leitores que pretendem ser especialistas em questões russas, não sabem disso? Paradoxo....

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Manuel Santos disse...

Acho mto pertinente a noticia de Milhazes e de facto hoje estuda-se a fundo o corporativismo de Salazar na Russia.
Percebo a aflição dos detractores de Salazar ao verem que mesmo tentendo reescrever a história e dizendo mal de Salazar, afinal ele subsiste e já é visto como exemplo, que na minha opinião de facto foi!
O Corporativismo, é de facto uma alternativa à Democracia qeu temos

Francisco disse...

Para mim “passado” só bife e tem que o ser muito bem.
Até porque o fascismo Zalazarento não provocou apenas vitimas, também engordou alguns oportunistas amantes, lacaios e defensores desse sistema, desrespeitadores dos direitos da maioria da população que estava subjugada aos seus ditames.

atoleiros disse...

Estimado Sr.José Milhazes, gostei deste seu artigo, é interessante e parece chocar com muitos "pensantes" portugueses, que têm um TREMENDO desconhecimento da História de Portugal, e não fazem a mínima ideia do que era Portugal em 1926 ! Miséria, desemprego,fome, falta de todo o tipo de infraestruturas e etc., etc., que levaram à Revolução Militar do 28 de Maio ! Foram esses motivos que levaram os militares a ir buscar Salazar à Universidade de Coimbra, e dar-lhe plenos poderes endireitar o país ! E conseguiu-o, e é isso que devem APRECIAR os historiadores e políticos russos actuais !.

Anónimo disse...

Pois sr.milhazes marcelino da mata combateu em Angola nos anos 1990, contratado poara formar comandos em caboledo mouro dos veados.Sabe onde fica? porque sera?se calhar por ser cobarde ou criminoso'? nao certamente por ser um guerreiro , olhe que eu sei do que falo porque estive la.Passe bem.

Anónimo disse...

Tem toda a razao,MM COMBATEU EM aNGOLA, eu estive la.Sr.Milhazes ,o sr sabe que no terminalaereo de Luanda havia militares sovieticos, lançdores de carga aerea para as linhas do MPLA? nao fale de coisas de que nao sabe.