terça-feira, maio 19, 2009

Como irá viver a menima entregue à mãe biológica russa?

A julgar pelas reacções da imprensa russa abaixo citadas, os russos não esperavam que os tribunais de um país estrangeiro, neste caso Portugal, dessem razão a uma estrangeira (russa) na luta pela custódia da sua filha biológica.
No entanto, sublinho desde já que a reacção não é festiva, mas, pelo contrário, ponderada e até apreensiva face à decisão do Tribunal português.
A imprensa russa destaca hoje a notícia da entrega de uma criança à mãe biológica, a russa Natália Zarubina, após quatro anos numa família de acolhimento em Barcelos, considerando que Portugal trata o caso como tragédia pessoal.
“Portugal recebeu como uma tragédia pessoal a decisão do tribunal que retirou a filha da russa Natália Zarubina à família portuguesa que a educava”, escreve hoje a agência noticiosa russa Ria-Novosti.
A agência sublinha que “muitos canais de televisão mostram a criança a chorar convulsivamente durante a entrega à mãe biológica”.
Os órgãos de informação russos dão várias versões de como a criança foi ter à família de João Pinheiro e Florinda Vieira.
O canal televisivo de informação Vesti noticia que “portugueses conhecidos da russa tomaram conta da criança enquanto Natália, que alugava um apartamento na cidade de Braga, trabalhava longe de casa”.
O Quinto Canal, porém, informa que, “segundo as palavras do pai afectivo da criança, a mãe biológica de Alexandra bebia muito e o pai tentou mesmo vender a filha”.
O conselheiro da Embaixada da Rússia em Portugal, que esteve presente no acto de entrega de Alexandra, recusou-se a revelar a versão oficial do sucedido, mas Oleg Sotnikov, vice-consul da Embaixada russa em Lisboa, declarou que “existiram circunstâncias que levaram a criança a ser educada numa família de acolhimento, cidadãos portugueses”.
“Uma série de peritagens realizadas durante o julgamento no tribunal não confirmaram que a mãe da criança sofre de dependência alcolólica ou outra”, declara o diplomata, citado pela imprensa russa.
“Agora, a mãe russa e a sua filha, que nem sequer fala russo, encontram-se na embaixada da Rússia em Lisboa, mas já amanhã partem para Moscovo e, depois, para casa, para a Região de Iaroslavl, onde a criança é esperada pelos avô e avó 'verdadeiros', bem como irmã mais velha Valéria, fruto de um casamento anterior da mãe”, escreve a Ria-Novosti.
Segundo a Rádio Rossia, “a decisão do tribunal, dizem testemunhas, fez entrar em estado de choque os pais de acolhimento e a própria filha. Pois só na véspera é que ela soube que tinha outra mãe e outra família”.
Os órgãos de informação russos citam as palavras dos pais de acolhimento de que irão continuar a lutar pela custódia da criança nos tribunais europeus.
Dito isto, mas antes de continuar, quero dizer que respeito a decisão do tribunal português, porque o juiz deve ter tido fortes argumentos para ditar a sentença que ditou. Mas gostaria de deixar apenas duas perguntas: a Justiça ou a Segurança Social portuguesas preocuparam-se em saber em que condições irá viver a menina antes de decidirem o destino dela? Ou estão à espera que a Embaixada de Portugal na Rússia os venha a substituir depois?

Para que não seja acusado de violar os direitos de autor, deixo aqui o sítio electrónico onde poderão ver fotografias da família Zarubina e da sua casa perto da cidade de Iaroslavl: http://yar.kp.ru/online/news/488125/



14 comentários:

Pippo disse...

É um "Caso Esmeralda", com a diferença que a miúde nem sequer fala russo e se calhar nem conhece a mãe biológica.

Enfim, espero que tudo lhe corra bem.

Anónimo disse...

O Estado português devia era preocupar-se com os cidadãos portugueses e deixar os estrangeiros resolverem as suas diferenças conforma as respectivas leis. Se a miuda é russa, é problema dos russos.

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, a menina nasceu em Portugal, fala português e, acima de tudo, é uma criança.

PortugueseMan disse...

"acima de tudo, é uma criança."

Pobre da criança. Não tem culpa da situação, mas é ela que vai pagar.

Só de imaginar ela ser arrancada dos seus pais, pois é assim que ela os vê e ir para longe para não mais viver com eles, fico de coração completamente apertado.

Um autêntico filme de terror para a criança.

Jest nas Wielu disse...

Coitada da miúda, nem quero imaginar que futuro lhe foi preparado pela mãe, apenas o facto de ter filhos de pais diferentes já diz muita coisa sobre a mãe, para qualquer pessoa que entende a situação (má vida, etc.).

Jest nas Wielu disse...

p.s.

Vale a pena ler o artigo em russo, quanto ódio parvo contra Portugal, a jornalista pensa que em Portugal, tal como na Rússia os juízes se compram, as análises se compram. A casa da família é algo realmente bem russo...

Mas a melhor passagem é essa:

Quando a Florinda (mãe adoptiva) batia na porta, a menina começava a chorar, agarrar-se a mãe:

- Vai embora, babá! Minha mãe é melhor!

Os pais adoptivos assustavam a menina:

— Na Rússia faz frio, faz fome, se comem apenas as conservas, os ursos andam nas ruas...

Enfim, os adoradores da Rússia, isso é o tipo de país, que vocês adoram, vejam lá para não se arrepender em grande. Do GULAG não haverá o caminho de volta.

Ítalo disse...

Jest nas Wielu, concordo totalmente contigo. Geralmente os adoradores da Rússia nessa comunidadesão são os comunas (como sempre, sem comentários), e alguns neonazis que acham que seriam considerados "arianos" pelas ruas de Moscou...

Gostar da literatura, da arquitetura, da beleza das mulheres, da música, tudo bem... eu tb gosto!

Mas não me engano quanto ao caráter desse povo.


Pobre menina. É portuguesa, então devia ficar em Portugal, que é Estado democrático de direito e país sério.

Jest nas Wielu disse...

2 Italo

Pois é, acreditam nisso, mas quando alguns destes “arianos” viviam em Moscovo, constantemente ficavam trancados nas casas dos estudantes, quando chegavam as certas datas nazis e os seus homólogos russos saiam às ruas da cidade a caça dos estrangeiros.

E o bom povo russo (que não tem a culpa, como dizem), pura e simplesmente assiste implacavelmente. Parcialmente porque não quer saber e parcialmente porque sabe que entre as polícias também há muitos racistas. Veja só uma das mais antigas organizações racistas em São Petersburgo (White Patrol) foi fundada pelo oficial da polícia, Sr. Beliaev.

Anónimo disse...

Jest


Concordo plenamente consigo.
O artigo em russo sobre a menina é muito tendencioso. A jornalista nem sequer se preocupa em saber como vivia a criança em Portugal, nem se diz que ela não fala russo...
É um exemplo entre muitos do nacionalismo populista e xenofobia que se vive na Rússia desde que Putin chegou ao poder.

sncpress disse...

Outros links sobre a Rússia

http://www.vz.ru/society/2009/5/19/288060.html

http://www.radiomayak.ru/doc.html?id=129572&cid=

http://www.1tv.ru/news/social/143987

traduzir usando o Google

Anónimo disse...

parece que os leitores aqui estão mais preocupados como humilhar e ofender os russos e não com a própria pequenina Alexandra...é pena...

muita gente aqui está repleta de ódio contra os russos. pois a maioria dos portuguses é mesmo assim

Alexandra na Rússia nunca ficará sem ajuda ou apoio ou cuidado. Segurança Social russa prometeu que ia tomar conta dela. E a sua avó - ela realmente adora a neta e nunca vai deixá-la.

Anónimo disse...

para quem é minimamente inteligênte de certo encontra neste processo contradições e incoerencias.....

aqui os defençores do assimilação como o pippo devem perguntar-se se as suas "teorias" estarão certas.

então a menina europeia BRANCA nasceu em portugal, fala português, está desde o nascimento numa familia de acolhimento (e de certeza que pelo que vi na comunicação social são pessoas formidaveis) E NÂO É SUFICIÊNTE? agora o estado português entrega a menina a outro estado, á mãe bebada e para viver num barraco no gelo???? porque será?!


então, o direito de paternidade é aplicado segundo uma lógica de direito de sangue e a imigração é regulada segundo o direito jus-solis?!?

é esta a diferença FUNDAMENTAL entre um nacionalista europeu e um actual governante\politico do sistema. Para nós o povo é a continuação da nossa familia, é isto que os nossos inimigos não entendem,

Vamos colocar as coisas de outra forma, um individuo NEGRO pobre sem educação imigra para portugal da africa com uma cultura tribal e pode ter acesso á nacionalidade portuguêsa, tem todas as condições e o estado português acolhe este individuou, mas esta menina já não valia a péna lutar por ela!....

este é mais um exemplo do regime podre e traidor que está implantado em portugal, era do interesse do estado português manter esta criança em portugal, ela era desejada cá, os portuguêses desejam e acarinham estes novos nacionais.

mas não!! vamos antes assimilar gente que não tem os mesmos genes, cultura, aspecto fisico..!

vamos antes assimilar brasileiros que acusam os portuguêses de serem os maiores fdp** á face da terra!(duvidam?? vejam no youtube um video qualquer que contenha a palavra portugal e vejam o que eles dizem de nós)

vamos assimilar negros que têm odio contra os brancos que os fizeram escravos e agora dizem eles que é a vez deles reinarem!


a preferência da "assimilação" para este regime será para africanos e brasileiros, isto diz tudo da gente que está a frente dos destinos da nação!

estamos a ser governados por gente da pior especie que existe, gente que não respeita a história, cultura e o PRINCIPO BÁSICO DE COESÂO NACIONAL que é a unidade RACIAL.

Essa menina será sempre para mim e para muitos outros muito mais portuguêsa que qualquer africano, brasileiro asiático ou nao europeu que possa reevindicar ser português.

e se este país fosse governado por nacionalistas, o estado português NUNCA abdicaria dessa criança.

Querem destruir-nos com recurso á arma da imigração, essa autentica arma dos inimigos da europa, mas isso só vai ser conseguido se nós o permitirmos,

por isso, nestas eleições europeias, os europeus em geral podem por um travão a esta loucura e cada um de nós pode fazer a diferênça e votar numa mudança de regime, em portugal isso pode ser conseguido votando no PNR!!..

está na hora de todos os portuguêses assumirem alguma coragem, sempre fomos capazes de vencer inimigos externos, desta vez o inimigo é interno, abram os olhos.

vasco,

Caetano disse...

Tinha de vir o aproveitamento da situação para questões políticas(?) que nada têm a ver com o caso... Enfim...

Anónimo disse...

Nada que pague a felecidade de uma ALEXANDRA como muitas outras crianças!! meus Deus!! vamos fazer um apagao, um bozinao um boicote!! vamos por essa linda cara com o seu sorriso de o estar de bem com a vida!Caros compatriotas! esta será a nossa derrota para sempre se a ALEXANDRA nao voltar para quem a ama e sempre lhe deu qualidade de vida, só entao vamos poder levantar a nossa bandeira com as nossas quinas que tanto respeita mos. Força ALEXANDRA Portugal está contigo!!!!!!!