domingo, maio 31, 2009

Medvedev e Putin lutam pela opinião pública


Peço desculpa a um dos leitores que me pediu, há uns dias atrás, para reagir à notícia de que o primeiro-ministro Vladimir Putin começou a ter uma coluna permanente na revista Pioneiro Russo, mas estive ocupado com outras questões importantes.

O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, terá uma coluna permanente na revista mensal Russkii Pioner (Pioneiro Russo) a partir desta sexta-feira (29). Segundo o editor da revista, Andrei Kolesnikov, não será feita nenhuma correção no texto escrito em "um excelente russo".

No primeiro artigo, intitulado "Por que é difícil demitir pessoas", ele admite, pela primeira vez, os conflitos que ocorreram no Kremlin durante os oito anos que foi presidente.

"Surgem sempre conflitos numa equipa, especialmente numa grande equipa. Isso acontece a cada minuto, a cada segundo - simplesmente porque há sempre disputa de interesses entre as pessoas", escreveu Putin.
Ele cita ainda as maneiras que usava para demitir as pessoas: "Em contraste com governantes soviéticos anteriores, eu sempre faço isso pessoalmente. Eu, geralmente, chamo a pessoa ao meu escritório, olho nos olhos e digo: 'Há reclamações concretas. Se você acredita que não são verdadeiras, então, por favor, você pode lutar contra elas, defenda-se".
"Às vezes, do lado de fora, parece que uma pessoa deveria simplesmente ser varrida com uma vassoura. Mas posso assegurar a vocês que não é sempre assim. Nunca se deve falar mal de alguém pelas costas e não é permissível demitir alguém e colocá-la de lado só porque alguém lhe falou mal dela", conclui o primeiro-ministro.

É curioso assinalar que esta decisão de Putin escrever a coluna surgiu após o Presidente Medvedev ter criado o seu blogue na Internet.

Segundo alguns analistas russos, parece tratar-se de uma luta entre Dmitri Medvedev e Vladimir Putin pelo apoio da opinião pública russa. O primeiro-ministro russo, no primeiro artigo, tenta fugir à sua imagem de político rígido, frio, mostrar que é uma pessoa com sentimentos, resumindo, tenta "aproximar-se do povo", o que Medvedev tem feito ao criar o blog, dar entrevistas a órgãos de informação da oposição, etc.

As eleições presidenciais na Rússia ainda estão longe, mas é importante ganhar o apoio dos eleitores, tanto mais que a crise económica e social no país se agudiza e a situação pode complicar-se.

Para quem quiser ler o texto em russo: www.ruspioner.ru/news/557.html

35 comentários:

Anónimo disse...

Obrigado por ter aceite a minha sugestão de falar em algo importante, porque novo. Cada um encontrará razões para a novidade de Putin colunista, mas a luta pela opinião pública é rsível. Porquê? Porque a maioria dos russos sabe bem que votou no representante de Putin para Presidente porque não podia votar nele. Medvedev não interessa a ninguém do povo. Nem que se pinte de ouro e se perfume de rosas chegará algum dia aos calcanhares de Putin. Pergunte a quem queira. Czar do povo só há um. Quem tiver olhos, que veja; quem tiver ouvidos que ouça! E a foto em black-tie está perfeita também. Podre de chique, como diria o Eça!

Jest nas Wielu disse...

Nazismo na Rússia actual, reportagem da Focus TV (Alemanha). Claro, que pippo vai dizer, que os nazis estão presentes em todas as sociedades, por exemplo em Portugal ou no Brasil. Mas nas sociedades ocidentais, eles estão na cadeia, caso do amigo ariano do pippo, Sr. Mário Machado. Na Rússia nem por isso...

http://www.youtube.com/
watch?v=7ROe-Ohh89s
http://www.youtube.com/
watch?v=TtQXwVAjxis

Jest nas Wielu disse...

Moscovo, hoje, cerca de 17h00, um grupo de activistas do Partido Nacional – Bolchevique tentava usar o seu direito constitucional (liberdade de manifestação), quando foi impedido de faze-lo pela polícia de choque (OMON). Os manifestantes seguravam o banner “Demissão para Putin!”
http://www.nazbol.ru/rubr1/4148.html

Paulo Varela disse...

Pensei que eles fossem "amigos" :)

Por favor, alguém que perceba russo pode comentar este artigo: http://www.expert.ru/columns/2009/06/01/naulitsepravdy/ pois a tradução automática fica um pouco "distorcida"?

Pelo que percebi o autor fala em realismo crítico não é verdade? Mas infelismente eu não consegui perceber o que o autor quer dizer verdadeiramente com o artigo.

Pippo disse...

JM, sabe dizer-nos como está a situação na Geórgia? Já chegaram a algum acordo ou Saakashvili e oposição continuam em confronto directo?

Sérgio disse...

http://www.mwglobal.org/ipsbrasil.net/nota.php?idnews=4804

Anónimo disse...

Paulo: Bruto também era o melhor amigo de César, aliás até erra filho adoptivo.

Pippo disse...

Sérgio, esse artigo é interessante.
Aliás, tinha lido algo similar numa revista, já não me lembro se na The Economist ou se numa revista de economia e política portuguesa (não me lembro do nome).

Mas o que interessa é que reflete uma série de problemas. Como a UE coloca a política (democracia, boa governação, luta contra a corrupção, Direitos Humanos, etc.) como condição a priori para os investimentos, vêm os chineses, que não se importam com isso, oferecem "ajudas" aos governantes e obtêm contratos sob condições muito liberais. Usam muita mão de obra própria, são mais baratos e não chateiam.

Quem fica a perder são os trabalhadores e os europeus.

Sérgio disse...

Pois é Pippo, por vezes precisamos de ter uma visão mais alargada da realidade para não nos perdermos em pequeninas questões que em nada resolvem os grandes problemas. Se a Russia tivesse isto em mente talvez não considerasse ser tão necessário hostilizar e afirmar-se perante as Instituições Ocidentais.

MSantos disse...

Sérgio sinceramente não vejo o que é que o seu artigo demonstra a malevolência da Rússia.

Pode me estar a escapar algo.

Vejo-o mais como o demonstrar da destruição do modo de vida ocidental onde até então a força de trabalho tinha o mínimo de protecção e havia mais preocupação com a destribuição da riqueza.

O que eu vi foi a vida de um escravo com o qual agora temos que competir em nome da "irreversibilidade" do liberalismo económico.

E aos competirmos com escravos...a Quimonda e até a GM que o digam, embora no último caso haja mais factores.

Cumpts
Manuel Santos

MSantos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
MSantos disse...

distribuição

Jest nas Wielu disse...

2 Paulo Varela

O artigo do Maxim Soloviov defende a tese do que: “embora os familiares da Zarubina bebem e a sua aldeia não é nenhum Portugal, que a menina fica na Rússia, pois os interesses superiores de uma criança é algo abstracto, é difícil defini-los, etc.”

Rashni Baboushka: recomendo uma nova canção, buê da fixe mesmo!
http://www.youtube.com/watch?v=u0sLpp9cHhQ

Sérgio disse...

MSantos que malevolencia? Eu apenas queria dizer que a paranoia Russa em relação ao Ocidente fa-la fechar os olhos a perigos maiores para ela. Mais do que fechar os olhos, a abraça-los.

Sérgio disse...

Quanto ao declinio do estilo de vida do Ocidente e da sua perda de influencia global já aqui me referi a esse assunto e qual a minha perspectiva sobre esse assunto, portanto se me permite não me irei repetir.

Sérgio disse...

Quanto ao liberalismo económico pensava que esta crise teria elucidado todos sobre a importancia da economia de mercado e ao mesmo tempo a regulação e intervenção do estado. Não há razão para irmos copiar maus exemplos como o da China só porque as coisas não correm bem por aqui. E não vale a pena estarmos com fatalismos que o alegado perigo de nivelarmos tudo por baixo é ultrapassavel com vontade politica. A China é que tem de mudar para melhorar as condições dos seus trabalhadores e não o contrário.

Pippo disse...

Sérgio, faço minhas as palavras do MSantos.

Esse artigo só serve de alerta para africanos e europeus, nada tem a ver com a Rússia. Não é por a China investir em África e usar de neo-escravatura que a Rússia ficará
em perigo.

Mas o Sérgio aponta uma verdade, ainda que ao reverso: o Ocidente deveria deixar de hostilizar a Rússia, cercando-a com inimigos, concentrando-se ao invés em medidas que vergassem a China, forçando-a a mudar as condições dos seus trabalhadores.
Mas do modo como anda a economia; do modo como Pequim controla a comunicação e a opinião pública; e dada a incapacidade que o Ocidente tem para forçar a China a o que quer que seja, esta minha pretensão parece-me totalmente utópica.

Já agora, o artigo a que eu me referia é "Quando a China descobriu África" da Revista Foreign Policy (ed. portuguesa) Agosto/Setembro 2008. É capaz de estar online, e recomendo a leitura.

Ab,

MSantos disse...

Pippo

Ainda acrescento o facto de apesar da China utilizar o capitalismo como sistema económico,é ainda um regime comunista.

A Rússia mesmo assim, está bem mais próxima do liberalismo económico ocidental.

Mas pelos vistos isso não incomoda os neo-liberais, que até importam artigos feitos com a escravatura chinesa, e direitos humanos...ora isso só é bom para Cuba e Coreia do Norte.

No que respeita á Foreign Policy, achei-a demasiadamente pró-americana, em particular numa das últimas edições em que num artigo descrevia a tradicional ameaça russa de uma forma muito primária enquanto desculpabilizava e vitimizava as novas "democracias" como é o caso da Georgia.

Cumpts
Manuel Santos

MSantos disse...

e Pippo

Relativamente á sua afirmação:

"ao invés em medidas que vergassem a China, forçando-a a mudar as condições dos seus trabalhadores"

O poder económico que nos controla hoje em dia é o primeiro interessado na manutenção deste status quo. Muitas multinacionais deslocaram as suas produções para países como a China pois com isso, aumentaram grandemente as margens de lucro.

E hoje em dia são essas forças que têm o domínio absoluto, em particular aquela sacrossanta classe conhecida como "accionistas".

Cumpts
Manuel Santos

Paulo Varela disse...

obrigado Jest,

Não percebo é como se sacrifica uma criança apenas porque um conceito que foi criado por adultos, para proteger a propria criança, é difícil de definir...

Sérgio disse...

Pippo quando citei o artigo da China foi apenas para ilustrar a forma como este país está a espalhar a sua influencia pelo mundo, não é só em Africa repare, até no quintal sagrado da impoluta Russia se verifica isso e ali com a anuencia desta. E isto acontece porque os Russos só se concentram no Ocidente esquecendo-se de uma forma deliberada ou não do que tem do lado de lá, se calhar pensam que podem controlar a situação, até acordarem e ai ser tarde de mais. Quanto a quem circunscreve quem, fiquemos por aqui senão nunca mais saimos daqui e eu não tenho tempo para esta nossa discussão do costume, neste momento. Não me admira nada que o MSantos classifique todas as minhas intervenções como anti-Russia, e olhe que eu até me tinha por moderado nestas questões, mas desde que tomei aqui contacto com algumas opiniões de alguns Russos e atendendo ao evoluir dos acontecimentos politicos na Russia e declarações prestadas por Politicos Russos, esta minha moderação vai diminuindo cada vez mais.

Wandard disse...

Sérgio,

Também concordo com o Pippo e o MSantos, a preocupação não tem que ser da Rússia e sim da Europa e da África. A China busca adquirir independência nas relações econômicas, dominar novosa mercados contornando a Europa e acesso a recursos naturais que lhes são necessários. A prática do regime quase escravo se repete ao que ocorre na própria China e os governos africanos buscam aquilo que os europeus e americanos lhes negaram. Quem deve deixar de continuar sua eterna política associada aos Estados Unidos é a Europa e observar o que começa a se mover a sua volta.

Pippo disse...

A Rússia "só se concentra no Ocidente"??? "Esquece-se do que tem do lado de lá"???

Sérgio, acho que não está a ver bem a coisa.
A Rússia está a investir, e bem, na China. Testemunha disso são os inúmeros contratos bilionários entre os dois países (e que aqui neste blog são tão criticados por alguns personagens). Em que é que o "quintal sagrado" é usado em prejuízo de Moscovo? A Rússia continua a ter soberania sobre o seu território. É por causa dos imigrantes chineses? Pior estamos nós com os imigrantes não-europeus, que causam conflitos étnicos (vide França há uns dois anos atrás, por ex.), e nem por isso achamos que "é tarde de mais" (quem acha é prontamente classificado como nazi).

Mas olhe agora noutra perspectiva. Sabia que a dívida pública norte-americana está a ser violentamente comprada por bancos estatais chineses? Pois é. Enquanto os EUA semeiam a confusão fora das suas fronteiras com fins geopolíticos, a China já lhe controla os créditos, já os tem agarrados "by tha balls".
Financeiramente os EUA estão falidos, estão envolvidos em duas guerras intermináveis e ruinosas no estrangeiro mas não são capazes de reconstruir a sua cidade de Nova Orleans; são incapazes de concorrer com o Oriente, têm megaempresas a ir à falência e precisam de discursos encorajadores do Obama a dizer que "nós temos de conseguir voltar a produzir cá em casa, nós conseguiremos voltar a ser uma grande nação".

Mas enquanto isto acontece, o Sérgio acha que, por a China investir em África, deveria ser a Rússia a colocar-se de cócoras ante Estados falidos...

Oh Well, Okay. disse...

Jest:

"Nazismo na Rússia actual, reportagem da Focus TV (Alemanha)."

A Rússia tem a maior rede nazi actual.
É realmente chocante.

PS: acredite que há muitos neo-nazis em Portugal e não estão presos, como o Machadinho...

Jest nas Wielu disse...

Oh, Well Ok,

Sim, cerca de metade dos skins europeus vivem na Rússia e cerca de metade dos skins russos vivem em São Patersburgo e arredores.

Claro, que nem todos os skins portugueses estão atrás das grades, mas também é impossível comparar o comportamento dos neo-nazis portugueses e russos. Na Rússia actual, para entrar num bando dos skins é preciso ter a sangue dos “p..tos” nas mãos, literalmente. Skin é obrigado esfaquear alguém (não é exigível a morta do inimigo), mas exige-se a sangue. A façanha “ariana” tem que ser testemunhada por outros dois outros elementos do bando, por isso toda a gente dentro do grupo fica ligada entre si com as teias do crime e da sangue.

Veja o livro da autora brasileira sobre a Rússia: “A Rússia começa aqui”

“A Rússia Começa Aqui” retrata uma triste e preocupante realidade do chauvinismo e ódio racial russo, situação abafada pelo poder e apoiada por grande parte da sociedade do grande urso adormecido.

Alice Schmidt, expatriada de elite, e Sandór Molnár, estudante leste – europeu, são testemunhas do ódio racial, da indiferença das autoridades, dos terrores e das humilhações que muitos estrangeiros vivem diariamente no pátio do exercício da violência.

A indignação e a luta por justiça parecem ser em vão, mas ainda sim Alice e Sandór não desistem de combater o racismo, sempre acreditando no renascimento do respeito universal, por mais inalcançável que ele pudesse parecer.

ISBN: 978-3-00-025898-5
Autora: Luciana B. Veit / www.lucianabveit.com

Anónimo disse...

Jest, você é doente. Devia tratar-se.

Jose Milhazes disse...

Anonimo medico, e o que estou a fazer. Nao se preocupe e olhe por si. Desculpe a falta de acentos.

Wandard disse...

"Sim, cerca de metade dos skins europeus vivem na Rússia e cerca de metade dos skins russos vivem em São Patersburgo e arredores."

Jest meu amigo,

Isto não é verdade, as maiores organizações neo-nazistas se concentram na Alemanha com 34 organizações, França 41, Bélgica 30, Espanha 37, Itália 21, na Rússia existem 16 organizações conhecidas a mesma quantidade da Polônia, a Suíça que é um país neutro e ilibado possui 17, Ucrania 3 e Portugal 6.

Abraço,

Pippo disse...

Wandard, creio que o Jest estaria a referir-se a número de membros neo-nazis (?).

Por exemplo, em Portugal conheço os HammerSkins e... e mais nada! Não são muito activos, ou pelo menos não nos apercebemos muito das suas acções. Há muito tempo que nem se falava deles até que surgiu o caso Mário Machado.

Wandard disse...

Pode ser Pippo, mas uma recente manisfestação em Dresden reuniu nove mil e o número de afiliados das organizações que citei, segundo as listagem que possuo, são assustadores e de forma alguma pela quantidade, poderia a metade estar localizada na Rússia pois os números dos afiliados russos não possuem percentual representativo em relação ao total europeu e piorou para serem 50%.

Pippo disse...

Pois, é como lhe digo, não conheço muito essa realidade em termos numéricos, se são muitos, se são poucos... conheço as suas ideias, até já participei em "fora" ("fóruns", para o povo) de nacionalistas onde apareciam bastantes neo-nazis.
E aquilo era só rir!

Boa parte deles tinha opiniões absurdas, de partir o côco!
Chegou ao ponto de um amigo meu gozar com esses neo-nazis e as suas teorias da conspiração judaico-maçónica! A ironia suprema, pois esse meu amigo é racista mas ao menos tem dois dedos de testa!

Depois havia um idiota que era "nacionalista-racista-pagão"! O tipo achava que nós, os europeus, tínhamos de abandonar a nossa matriz cristã - porque era judaica (mais uma vez a conspiração judaica!!!) - e readoptar o paganismo ancestral, do qual nada se sabe (mas ele sabia, qual iluminado!).
Entrámos em longas discussões históricas até que eu desmascarei-o como intelectualmente desonesto, pois o rapaz distorcia, quando não inventava, factos para sustentar as suas posições anti-cristãs.

Aprendi muito nessas lides, e noutros blogs de extrema-esquerda, tendo chegado à conclusão que ambos são extremistas, racistas, intolerantes e, em última análise, perigosos.

Wandard disse...

Pippo, Acredito que essas ideologias estão retornando com força, embutidas no nacionalismo que começa a explodir em vários países.

O futuro repete o passado em um museu de grandes novidades.

Abraço,

Anónimo disse...

Putin está tão bem nesta foto. Devia publicar mais, JM. Ele tem fotos espantosas, é muito fotogénico.Também gostei muito do artigo. É de quem sabe liderar, e há tão pouca gente que saiba.

Jest nas Wielu disse...

2 Wandard

Evidentemente, eu me referia ao número dos membros que as organizações têm e não ao número das organizações. Por exemplo, “Bulldogs do Piter” (Sao Petersburgo) possui cerca de 10.000 membros. Ai tens toda a sua manifestação alemã... Alem disso, 16 organizações na Rússia, é um número ridículo, só em Piter – Moscovo há mais.

Wandard, penca comigo: na Rússia existem muito mais que 16 cidades, em muitas cidades existem mais que uma organização dos skins, ai poderás ter o seu número, veja os dados do centro SOVA, neste momento ano tenho o tempo de procurar pelos skins.

Por exemplo, aqui vais encontrar a lista das manifestações racistas – fascistas – neo – nazis na Rússia, desde os desenhos da suástica até os assassinatos dos emigrantes:
http://xeno.sova-center.ru/45A29F2

Wandard disse...

Jest,

Vou verificar o site, porém a relação em que citei as 16 organizações russas, lista as organizações potencialmente pergiosas e que vivem sobre constante vigilância do estado. No caso da Alemanha são todas, incluindo a Sociedade Thule que nada tem haver com os Neo e ainda é distante da Thule original de Sebotendorf.

Abraço,