sexta-feira, junho 19, 2009

Dois bombardeiros despenham-se em três dias


O Ministério da Defesa da Rússia suspendou os voos dos bombardeiros militares Su-24 devido ao despenhamento do segundo aparelho que teve lugar hoje no Distrito de Rostov no Don (sul do país).
“Um avião Su-24 chocou com o solo ao aterrar num aeródromo militar depois de ter realizado exercícios, tendo os dois pilotos conseguido ejectar-se e salvar as suas vidas2, informa a agência Ria-Novosti citando fonte da Força Aérea da Rússia.
A fonte acrescentou que a queda do aparelho não ptovocou vítimas, nem estragos materiais em terra.
Trata-se da segunda catástrofe de aparelhos Su-24 em três dias. Na quarta-feira, um bombardeiro chocou com o solo ao aterrar no aeródromo, no distrito de Murmansk (norte da Rússia). Os seus pilotos também conseguiram ejectar-se e salvar as suas vidas.
As autoridades investigam a causa dos sinistros. O bombardeiro Su-24 é um dos aparelhos mais utilizados na Força Aérea da Rússia.
Segundo dados preliminares, a causa da queda foi uma falha técnica num sistema de bordo.
O Su-24 é um bombardeiro táctico com asas de geometria varável destinado a atacar com mísseis e bombas em quaisquer condições atmosféricas, de dia ou de noite, a pepequenas alturas. É um dos aviões de combate mais popular na Força Aérea da Rússia.

31 comentários:

Pippo disse...

Estes Sukhoi, apesar de ainda estarem ao serviço, já são aparelhos antigos. A sua concepção data dos anos 60, os primeiros voaram nos princípios dos 70.

Já agora (não tenho prestado atenção ao caso), os Su-25 já estão operacionais? Ficaram parados depois de uns acidentes...

Anónimo disse...

Isso é reflexo do descaso do governo russo em relação ao seu material militar.

Anónimo disse...

até sei o que o PM vai comentar sobre esse fato:

"Na verdade esse exercício militar comprova a excepcional capacidade de ejetamento dos Su-24. Os americanos e europeus devem estar apavorados vendo isso"

Anónimo disse...

Acho que são os americanos com um radar a dar neles (risos)

Anónimo disse...

"Isso é reflexo do descaso do governo russo em relação ao seu material militar."

quando é que as pessoas vão começar a entender que a Rússia é uma versão MUITO REDUZIDA sa ex-URSS em area, população e economia...?

A rússia era apenas a répulica mais poderosa, bem, coitados, tiveram que herdar a divida soviética e o sentimento de culpa para que as restantes répulicas estupidamente e ironicamente acusem agora os rússos de terem sido os culpados dos erros do passado.Mas até onde chega a hipocrisia dos politicos desses "paísecos"


A Rússia jamais será de novo uma super potência e nem deve o deve ser, a rússia está a procurar o seu "lugar ao sol",apenas isso,então deixem-se fantasias...

alguns números para ajudar algumas cabeças pensadoras:

PIB soviético(base 100,1989)

Rússia, cerca de 55% do PIB soviético em 89'

recessão de 1990-1998 na rússia cerca de -45%

em 1998 a russia tinha cerca de 30% da capacidade económica da URSS em 1989!

por outras palavras, a rússia em 1998 estava practicamente a funcionar a 1/4 do que era em 1989 a URSS.

entretanto as restante potências ocidentais e china continuaram a crescer...

será bom recordar que a ex-URSS gastava cerca de 15-20% do produto nas forças armadas.

por isso, para que a rússia consiga ter o mesmo nivel de poderio militar ao nivel de 89', a rússia teria de gastar cerca de 30-40% do PIB nas forças armadas..

e não os actuais 3% do PIB

seria uma loucura impossivel de alcançar e ainda por cima sem aliados!


já agora sr. Milhazes, desde a dissolução da URSS já sairam os números reais do PIB soviético ou continua a ser um mistério?

luis.

Anónimo disse...

19 DE JUNHO DE 2009 - 16h47

Rússia perde 50 mil habitantes em quatro meses


A população da Rússia se reduziu em 50,4 mil pessoas (0,04%) desde o início do ano atual, e no dia 1° de maio totalizou 141,9 milhões de habitantes, revelou nesta sexta-feira o Comitê de Estatísticas da Rússia.


"A população fixa da Federação Russa foi de 141,9 milhões em 1° de maio de 2009. Como resultado da redução natural, diminuiu em 50,4 mil pessoas, ou 0,04% desde o começo do ano. Em comparação, no dia 1° de maio de 2008 a população russa tinha caído, nos quatro meses, 96 mil pessoas, ou 0,07%", diz um relatório difundido pelo comitê.


De janeiro a abril de 2009, foram registrados no país 17,6 mil nascimentos a mais que no mesmo período do ano anterior. O número de mortos se reduziu em 29 mil. O incremento da população de imigrantes em 61,7% compensou as perdas numéricas da população.



RIA - Novosti

bola disse...

A economia russa sofreu contração de 9,8% no primeiro trimestre deste ano, segundo informou recentemente o Comitê Nacional de Estatísticas (CNE) da Rússia.



O Ministério da Economia russo prevê que a economia encolherá entre 6% e 8% em 2009.



Já o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) preveem uma contração da economia russa de 6,5% e 4,5%, respectivamente.



O vice-primeiro-ministro russo, Igor Shuvalov, afirmou que a Rússia precisa de um novo modelo econômico, diferente ao anterior à crise, baseado fundamentalmente na exportação de matérias-primas.



Shuvalov reconheceu que as autoridades russas não previram a queda dos preços do petróleo, principal fonte de divisas do país. EFE

Wandard disse...

"Na verdade esse exercício militar comprova a excepcional capacidade de ejetamento dos Su-24. Os americanos e europeus devem estar apavorados vendo isso"

Um caça F-22, o mais avançado avião de combate do mundo, caiu no deserto do sul da Califórnia nesta quarta-feira, indicou um porta-voz da Força Aérea americana, informando não saber se o piloto sobreviveu ao acidente.

'Um F-22 da Força Aérea caiu por volta das 10H00 da manhã (17H00 GMT), a aproximadamente 35 milhas (pouco mais de 56 km) a norte da base aérea Edwards, na Califórnia', indicou o porta-voz Richard Johnson.

Segundo Johnson, o jato havia decolado da base aérea Edwards para uma missão de testes.

'Havia um piloto a bordo. Sua situação é desconhecida', acrescentou.

Esta notícia foi de março, mas existem muitas outras recentes além de dezenas no decorrer dos anos e os Estados Unidos, a poderosa e venerada nação não sofreu nenhum processo de desintegração e possui o maior PIB e maior orçamento militar do planeta.

Wandard disse...

Já que o Sr. Milhazes não comenta peço licença para postar a notícia abaixo:

Tropas americanas começaram a desocupar a base aérea de Manas (Quirguistão), crucial para a operação aliada no Afeganistão. "Começamos a enviar algumas tropas para casa. A saída total deve terminar antes de 18 de agosto", disse Kristopher Bens, o comandante da base. A data é o prazo limite imposto pelas autoridades locais.

Bens explicou que todas as instalações e a infraestrutura existente na base serão cedidas ao aeroporto internacional da capital Biskek. Manas esteve à disposição da coalizão aliada desde 2001. Esta é a última base dos Estados Unidos na Ásia Central.

Mesmo com a decisão de fechar a base, o presidente Barack Obama enviou na semana passada uma carta ao colega quirguiz, Kurmanbek Bakiev, agradecendo pela contribuição à estabilidade do Afeganistão. Mas o ministro de Assuntos Exteriores local, Kadirbek Sarbayev, garantiu que a decisão, tomada em 20 de fevereiro passado, é "irreversível".

Em abril passado, o presidente do Quirguistão promulgou outra lei que revogava os acordos assinados com países que têm tropas destacadas na base, incluindo Espanha, França, Itália, Holanda e Austrália. Além de um contingente de mil soldados americanos e aliados, Manas recebe diversos aviões cisterna e de transporte militar, vitais para as tropas no Afeganistão.

Após o anunciado fechamento da base, que fica a poucos quilômetros de Biskek, o governo americano teve de pedir permissão a Rússia, Cazaquistão, Uzbequistão e Tadjiquistão para ter um corredor através de seus territórios, a fim de abastecer as forças no Afeganistão.

PortugueseMan disse...

Pippo,

Eu acho que este ano não houve problemas com os SU-25, tenho ideia disso no ano passado.

Estará a pensar no protótipo SU-35, que ficou destruido este ano?

MSantos disse...

Isto é um acontecimento normal está sempre a acontecer, em qualquer parte do mundo e com qualquer fabricante.

Há pouco tempo atrás toda a frota de F-15 Eagle esteve impedida de voar (grounded) inclusivé os Eagle sauditas e japoneses devido a acidentes.

Também já aconteceu com os F-18 e os bombardeiros estratégicos B-1B.

Cumpts
Manuel Santos

Anónimo disse...

Tb não comentam que a OPEL foi comprada pelo GRUPO MAGNA,o negócio contou com o apoio do banco estatal russo Sberbank e da montadora russa de caminhões GAZ.

VIVA À GRANDE RÚSSIA!!!

Wandard disse...

Manuel,

Foi bom lembrar o caso dos F-15, assim como os F-18 qu envolveram tant caças lotados na USAF como na Fuerza Aérea Espanhola. Já comentei que são muitos casos sendo que a grande maioria os Estados Unidos e a Otan não divulgam, só escapando o que a imprensa ou algum amador teha fotografado ou filmado com foi o caso do B2 em setembro do ao passado na ilha de Gwan.

Wandard disse...

Para quem fala em demografa na Rússa aqui vai mas uma reaidade das forças americanas.

Porta-aviões George Washington:28/04), o almirante Phil Cullon, o comandante da frota americana, só admitiu um “significado político” da presença do George Washington no Atlântico Sul na sua abrangência mais ampla./ blogs e colunas / william waackRSS william waack O porta-aviões e a influência dos EUA
Postado por William Waack em 29 de abril de 2008 às 18:31
Poucos militares gostam de dizer que sua atividade tem fins políticos -e os americanos que comandam o porta-aviões George Washington não são exceção. Numa breve visita ao navio principal das manobras Unitas, nesta segunda feira (28/04), o almirante Phil Cullon, o comandante da frota americana, só admitiu um “significado político” da presença do George Washington no Atlântico Sul na sua abrangência mais ampla.

Na verdade, a vinda do poderoso navio de guerra –o centro de uma força de ataque conhecida como Strike Group 8– para manobras conjuntas com as marinhas da Argentina e Brasil tem um precedente político importante.Entre oficiais da Marinha de Guerra do Brasil causou enorme descontentamento o fato de a Unitas (o nome oficial dessas manobras conjuntas) não terem sido realizadas três anos atrás por interferência política atribuída por oficiais brasileiros a Hugo Chávez.Outra experiência foi bastante interessante a bordo desse porta-aviões americano. Entre os 4 mil e tantos tripulantes havia vários brasileiros. É bom insistir na palavra brasileiros pois esses marinheiros e marinheiras, embora trajando o uniforme de uma Força Armada de um país estrangeiro, continuam se sentindo…brasileiros. Em outras palavras: consideram-se militares americanos de profissão e brasileiros de alma e coração.

Os nomes pintados nas fuselagens dos modernos aviões de combate, as tarjas com os nomes nos uniformes dos técnicos e marinheiros e grande parte dos oficiais a bordo são latinos. Ouve-se muito espanhol a bordo do George Washington, que é considerado um padrão em termos de treinamento e capacidade de combate. Obviamente essa capacidade é função da “mão-de-obra”, digamos assim, e não do hardware ou software de sistemas bélicos.

É o mesmo que acontece com a construção civil: um mexicano ou brasileiro com 7 a 8 meses de permanência numa grande cidade americana alcança, em média, nesse mesmo espaço de tempo, a produtividade de um trabalhador americano. Ou seja, esses imigrantes ou filhos de imigrantes a bordo de uma arma de primeiro mundo demonstram o mesmo padrão de eficiência e capacidade técnicas de “soldados” de primeiro mundo.

Recorte deum artigo Postado por William Waack em 29 de abril de 2008 às 18:31

Esta é a realidade das forças americanas atualmente, que tendo de descontar os 50% de sua obesa juventude está tendo cada vez mais que recorrer às minorias de "latinos e afro-americanos" para compsuas forças armadas.

Wandard disse...

'Tb não comentam que a OPEL foi comprada pelo GRUPO MAGNA,o negócio contou com o apoio do banco estatal russo Sberbank e da montadora russa de caminhões GAZ."

Não só isso como a compra de participação acionária na Pratt Whitney, assim como em outras empresas canadenses e acordos com a Austrália também na aquisição da produção de urânio.

Manuel,

Achei o registro do acidente de um dos Hornet em 2006:

Um avião de combate norte-americano caiu no sábado durante exercícios de treinamento nas
águas do estado australiano de Queensland.
O Hornet FA-18, avaliado em US$ 27 milhões, sofreu o acidente cerca de 400 quilômetros ao
sudeste da cidade costeira de Brisbane, em Queensland, quando tentava aterrissar no
porta-aviões Ronald Reagan.
O piloto não sofreu danos. Ele conseguiu sair do avião e foi resgatado por um helicóptero. De
acordo com oficiais dos Estados Unidos, é pouco provável que a nave possa ser recuperada.
Fonte: AGÊNCIA EFE


Abraço,

Wandard disse...

Dois aviões de combate F-18 americanos do porta-aviões "USS Harry S. Truman" caíram nesta segunda-feira no Golfo, mas seus tripulantes passam bem, informou um funcionário do Pentágono.

O funcionário, que pediu para não ser identificado, disse que "não há, em nenhum caso, conexão" entre este acidente e o episódio de domingo, no qual lanchas iranianas cercaram navios de guerra americanos.



"Um era de dois lugares e o outro, de um. Todos estão bem. Não houve feridos entre o pessoal", completou o funcionário.



"Ambos os aparelhos foram perdidos. Os três pilotos estão sãos e salvos a bordo do 'USS Harry S. Truman'", disse o vice-almirante Kevin Cosgriff, comandante da Quinta Frota dos Estados Unidos.



Segundo Cosgriff, os caças F-18 Super Hornets se chocaram no ar durante operações no norte do Golfo.

Os Russos devem ter se apavorado com o retorno dos Kamikase, afinal fora este incidente a USAF coleciona outros idênticos desde 2006, este que recortei foi noticiado em janeiro de 2008.

Wandard disse...

Um avião militar de treinamento com dois soldados a bordo caiu nesta quinta feira 14 km ao norte da Base Edwards da Força Aérea dos Estados Unidos, no deserto do Mojave, na Califórnia, informou o Departamento de Defesa.

O acidente aconteceu por volta das 13h15 (17h15, Brasília) e ainda não foram divulgadas informações sobre a situação dos pilotos.

"No momento do acidente, se tratava de um voo de teste em uma missão de treinamento. Dois tripulantes estavam a bordo. Sua condição ainda é desconhecida. Uma equipe de oficiais investigará o ocorrido", informou um comunicado militar.

A aeronave acidentada era um T-38 Talon, um avião de dois lugares de velocidade supersônica que entrou em serviço em 1961 e desde então serviu para treinar milhares de pilotos de combate americanos.

A Força Aérea adquiriu mais de 1.100 aviões desse modelo até que a produção dele foi suspensa em 1972. Mais da metade ainda está voando, segundo o fabricante. O modelo é também usado pela Nasa (agência espacial americana) para treinamento de astronautas.

Em 6 de maio, dois marines morreram na queda do helicóptero em que viajavam em San Diego, no sul da Califórnia.

Em 25 de março, um caça F-22 se acidentou no deserto do Mojave, perto da base Edwards, em outra missão de treinamento.

Folha Online
22/05/2009 00:14h

Jose Milhazes disse...

Caro Wandard, se uma pessoa está com problemas em casa, tem que os resolver e não deixar as coisas andar na mesma sob o prextexto de que o mesmo ou pior acontece na casa do vizinho.

Wandard disse...

Sr. Milhazes,

É ceto que os problemas em casa têm de ser resolvidos e não justifcados com o do vizinho, mas não estamos tratando de um problema referenciado a questões domésticas de um cidadão ou de seu respectivo imóvel, e sim de comentários que procuram mostrar feridas ou fraquezas de uma nação que incomoda muitas outras exatamente por representar uma oposição, mesmo que por interesses próprios, ao domínio que os Estados Unidos e seu aliados buscaram estabelecer no mundo após o colapso da União Soviética. Na discussão da geopolítica e dos assuntos militares as deficiências, fraquezas, falhas, superiordades etc...não podem ser analisadas isoladamente. Rússia tem tudo isso, mas os EUA e aliados também. Assim como o Sr. expõe o caso dos Fencer, citei outros, relacionados aos EU e aliados, mostrando que a situação de países desenvolvidos e com as maiores economias do mundo não são diferentes da sempre execrada, decrépita e mal governada Rússia.

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Um reparo: Isto não são problemas própriamente ditos.

Toda a gente tem situações destas nas forças armadas. Podiamos estar aqui o dia inteiro a reportar situações semelhantes um pouco por todo o mundo.

Na Rússia e em como todo o lado, procede-se à analise de modo a identificar o(s) problema(s)

Estas duas quedas podem nem estar relacionadas ou motivadas pelo o mesmo problema.

Isto são coisas que acontecem, é necessário perceber as causas de modo a não se repetirem no futuro.

Cumprimentos

Anónimo disse...

é a crise russa, meu velho

MSantos disse...

Wandard

Focou um ponto importante relativamente ao aumento das comunidades negra e hispânica nas FAs norte-americanas.

Efectivamente os EUA tornaram-se o único lugar no mundo e isto é um ponto muito positivo, onde povos que até então eram vistos como "preguiçosos, calões", diminuídos, inferiores etc" a tornarem-se cidadãos trabalhadores dignos e muito competentes pondo de lado a tradicional imagem que são os brancos, em especial os lourinhos de olho azul que levam avante o progresso da humanidade.

Os EUA são únicos nesta questão, pois muitos negros vêem-se ostracizados e marginalizados pela sua côr de pele e devido a isso, estudam trabalham, especializam-se, procuram superar-se continuamente, tornando-se em ótimos profissionais, militares, etc contribuindo em muito para o progresso e desenvolvimento do seu país, sendo uns autênticos heróis.
Infelizmente é desta gente de alta qualidade que tomba às centenas nos desertos do Iraque e nas montanhas do Afeganistão.

Eles são o exemplo para as suas comunidades e para toda a gente destruindo os mitos dos medidores de crâneos (prefraseando JM) e dos politicamente correctos que acham que devem haver cotas e condescendância para alimentar turbas de parasitas sociais a viverem continuamente da vitimização e do complexo de culpa do Homem branco.

Isto acontece porque vivem continuamente sob uma sociedade muito crítica, o que acaba por se tornar positivo, não havendo lugar para comiserações, culpa dos colonizadores etc.

Talvez eles representem o que de melhor a América tem para oferecer nas suas mais nobres tradições.

Esperemos também que o seu Presidente pertença a esta classe.

Abraço
Manuel Santos

Anónimo disse...

sou leitor e nunca intervi, mas quero deixar claro aqui que existem pessoas mentirosas que nada conheçem da realidade americana e escrevem artigos totalmente desfasados da realidade.

Manuel santos eu sou loirinho e de olhos azuis por isso isso que diz sobre a "minorias" é verdade na sua casa, no mundo real, nos EUA os loirinhos de olhos azuis fundaram a américa e até bem recentemente era a maioria da população, continuam a ser os principais financiadores dos subsidios e programas de auxilio ás "minorias" que você tanto defende . Hipocrita, deve ser um idoso já com a vidinha feita, se morasse perto de guetos de pretos, ciganos ou hispanicos não dizia essa mostruosidade.

O sr. não sabe o que é o mundo real, eu já vivi em guetos e posso assegurar que os EUA só não estão em guerra civil porque existe muito dinheiro que vai evitando o inevitavel.

Eu vivi nos EUA, o país atravessa uma grave crise de identidade e é possivel a desintegração do país, o barack obama entretanto vai distraindo os cidadãos contando anedotas, dançando uns raps, mais tarde ou mais cedo a bomba vai rebentar.
Nos suburbios de chicago(conheço bem) aquilo está em guerra civil desde 1992, nesta altura a policia matou alguns negros e nunca mais parou desde então as vinganças raciais, são pretos contra hispanicos e grupos de supremacistas brancos em luta constante.
Wandard, os pretos e hispanicos e asiaticos são neste momento 36% da população americana e como são anti-sociais seguem carreira nas forças armadas, sendo menos inteligentes que a maioria branca, vêm-se obrigados a seguir carreira militar.
O tema é tão sensivel que já não se pode chamar pretos aos pretos nos EUA, agora são afro-americanos.
Já foram Black-americans, negroes, blacks, niggers.
É um sitio horrivel para se viver essas zonas mistas e só pode falar disto quem sabe.
Não tem nada a ver com as teorias do ancião mSantos.

john sequeira

Anónimo disse...

Sr. Milhazes,
Sou um leitor atento deste blog de altíssima qualidade. Permita-me um pequeno reparo na linguagem (técnica):
...a pequenas alturas/voos de baixa altitude...
Muitos parabéns e continue.

Jose Milhazes disse...

Caro leitor, obrigado pela observação sobre a escrita. Isto acontece a quem trabalha muito tempo fora de Portugal, é um dos muitos russismos... Mas vou ter em atenção.

MSantos disse...

Relativamente ao deplorável comentário do sr sequeira, fico na dúvida se o facto do sr nem sequer ter lido o que escrevi se deveu ao seu ódio compulsivo ou a limitações da sua própria compreensão.

Fico também sem saber se todo esse ódio destilado vai mais para o facto da não aceitação de que possam existir pessoas de outras raças, válidas para a sociedade ou por simplesmente não conseguir aceitar que existam outras pessoas com opiniões, ideias e ideologias diferentes da sua ou ambas, que eu suspeito que é o caso.

Infelizmente visões como a do sr são cada vez mais comuns e recorrentes e o dito sr nem sequer tem a coragem e hombridade de expôr abertamente o que defende nem qual seria a sua "solução final".

Sobre o que eu sou ou que deixo de ser, se estou bem na vida ou não e sobre o meu conhecimento da realidade seja americana ou portuguesa estou-me pura e simplesmente a marimbar para o que o dito sr pensa ou directamente atribui e generaliza sem sequer se dar ao trabalho de tentar decorrer das informações que tem.

Somente me interessa dialogar com as pessoas válidas que participam neste blog,que revelem honestidade no que defendem, que respeitem as e saibam aceitar as opiniões dos outros e queiram manter diálogos construtivos e elucidativos independentemente do seu nível social, cultural e indedependentemente do facto de concordarem comigo ou não.

Fica feito o aviso a todos os sequeiras que andam por aqui.

MSantos disse...

...e as minhas desculpas da minha parte por este lamentável episódio a todos os outros leitores e ao José Milhazes.

Cumpts
Manuel Santos

Anónimo disse...

esse blog se divida em dois tipos de pessoas bem diferentes: os que querem se entregar para os russos e os que não querem

Paulo disse...

A russia tem muitos aparelhos obsoletos, sem manutenção durante a década de 90 e início deste milénio. Se os SU-25 são recuperáveis, superiores ao A-10, já outras aeronaves só podem ir para o lixo, estando nós a falar de uma superpotência militar, que a russia é.
A recuperação anda de mão-dada com a economia, e aí os projectos podem sofrer recuos e atrasos. Mas com o know-how dos tipos tudo é possível...

MSantos disse...

Caro Paulo

Permita-me discordar mas o SU-25 por muito bom que seja não consegue ser superior na mesma função ao A-10 que não é mais que um canhão voador de elevada cadência.

A cablagem interna do A-10 capacita-o a levar armas de elevada precisão como são as bombas guidas por GPS além de mísseis anti-carro como os TOW e Hellfire além dos de maior alcance como é o caso dos Maverick.

O A-10 possui um alcance maior e além disso tem uma capacidade que foi desde sempre negligenciada pela Rússia/URSS: o reabastecimento em vôo.

Houve um modelo de SU-25 modernizado, quando já a URSS tinha derrocado que se aproximava pois era a fuselagem da versão bi-lugar mas com o posto traseiro ocupado por aviónica e tanques de combustível além de ter uma blindagem maior, mas nunca entrou em serviço.

As versões das FAs Russas e outras são compostas pela célula básica SU-25 que mesmo assim, é um bom avião de ataque ao solo.

Cumpts
Manuel Santos

Wandard disse...

F-16 Falcon - entrou em operação em 1979- 30 anos de serviço.

A-10 Thunderbolt - entrou em operação 1976 - 34 anos de serviço.

F-15 Eagle entrou em operação em 1974 - 35 anos de serviço.

Su-25 - entrou em serviço em 1978

Su-24 - entrou em serviço em 1974

Su-27 - 1º protótipo voou em 1977 e a primeira unidade entrou em serviço na VA em 1984.

Assim como ocorre com a marinha e o exército o tempo de projeto e serviço dos equipamentos é similar.