domingo, julho 05, 2009

Medvedev e Obama assinarão um acordo sobre armas estratégicas nucleares


Os Presidentes da Rúsia e dos Estados Unidos, Dmitri Medvedev e Barack Obama, assinarão um acordo sobre armas estratégicas nucleares (START) no fim das conversações no Kremlin, declarou hoje Serguei Prikhodko, assessor de Medvedev.
“O documento que assinarão os dirigentes russo e norte-americano não será juridicamente vinculante e só estabelecerá os pontos de referência para a elaboração de um novo tratado de armas ofensivas estratégicas que substitua o Tratado START-1 que expira a 05 de Dezembro de 2009”, explicou.
O Tratado START-1 foi assinado pela URSS e os Estados Unidos a 31 de Julho de 1991. Ele obriga cada uma das partes a limitar até 6.000 unidades o número de ogivas nucleares e até 1.600 o dos vectores. Ele prevê também inspecções recíprocas dos lugares de armazenamento e destruição das armas, trocas de informação.
Em 1993, a Rússia e os Estados Unidos assinaram o Tratado START-2 que previa uma redução importante de mísseis balísticos intercontinentais e de ogivas nucleares, mas a Rússia retirou-se desse tratado em 2002 em sinal de protesto contra o abandono pelos Estados Unidos do Acordo de 1972 que proibia a criação de sistemas de defesa antimíssil.
A 24 de Maio de 2002, a Rússia e os Estados Unidos assinaram um acordo sobre a redução dos seus potenciais estratégicos ofensivos até 1700-2.200 cargas nucleares de cada parte até 31 de Dezembro de 2012.
A 1 de Abril de 2009, os Presidentes russo e americano acordaram em Londres relançar as negociações sobre um novo Tratado START.
O assessor de Medvedev reconheceu desconhecer os números que podem figurar no acordo-marco, mas assinalou que Moscovo está disposto a aceitar reduções que possam ser controladas eficazmente e sejam mais radicais que as fixadas no START-1.
“Mas a Rússia deseja abordar o tema da redução de armas ofensivas estratégicas em ligação com o plano de defesa antimíssil dos Estados Unidos na Europa e pretende também incluir no documento a proibição de instalar armamento estratégico ofensivo fora dos territórios nacionais”, precisou.
Prikhodko assinalou que, em geral, a Rússia e os Estados Unidos têm divergências que continuam a ser objecto de discussão. Por exemplo, Washington projecta instalar ogivas não nucleares em vectores estratégicos.
“A execução de tais planos incidirá negativamente na segurança e previsibilidade estratégica”, defendeu o assessor de Medvedev.
Os dirigentes russo e norte-americano assinarão também uma declaração sobre a cooperação em matéria nuclear.
“Medvedev e Obama acordarão desenvolver a cooperação bilateral no sector nuclear e também cooperar com terceiros países nesse terreno e fortalecer o regime de não proliferação de armas nucleares”, precisou o assessor do Kremlin.
Segundo ele, Moscovo espera que Washington desenvolva os esforços necessários para que volte a ser apresentado para ratificação no Congresso dos EUA o Acordo de cooperação no uso pacífico da energia nuclear assinado em Maio de 2008.
Neste contexto, os presidentes irão analisar a situação criada em torno da Coreia do Norte e Irão.

13 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

onde o sr. menciona vector, diga antes MIRV.

MIRV=Multiple independently targetable reentry vehicle.

em Português:

Mísseis de Reentrada Múltipla Independentemente Direccionados

e não confundir armas nucleares tacticas e armas nucleares estratégicas.

___

.v.

Anónimo disse...

não diga vector sr. jornalista, diga MIRV.

Anónimo disse...

Meu caro senhor,
neste Verão marquei 10 dias de férias em S.Petersburgo e Moscovo e vou com a minha filha, que já é grande. O avião deixa-nos em S. Petersburgo, depois fazemos uma noite de combóio para Moscovo e regressamos daí para Lisboa.
Hoje estive na FNAC e comprei os livros sobre essas cidades. Estive a ler do fim para o princípio e os livros-guia falam em pequenos roubos e para não oferecer resistência aos assaltantes e para termos cuidado com os ciganos e que há pouca utilização de cartões de créditos,que a assistência médica é cara ou de fugir. Enfim, fiquei um bocadinho assustada porque queria ir descansada e andar à vontade.
Agradecia que, se não fosse maçá-lo muito, me falasse um pouco sobre isto. OBRIGADA

Jose Milhazes disse...

Começo por responder ao leitos anónimo v, chamo vector porque foi o termo que encontrei noutros textos escritos em português sobre a matéria. Também encontrei o termo "portador", que utilizo mesmo. Além diso, tento não confundir as armas pois essá é uma das questões importantes nas conversações.
A sua observação, pela qual fico grato, apenas bem mostrar uma vez mais que é necessário criar uma Academia da Língua Portuguesa, que se pronuncie sobre essas e outras questões.

Jose Milhazes disse...

Cara leitora anónima, não receie e venha à Rússia, desde que tome os cuidados necessários.
Certamente que em Portugal você tem algum cuidado quando anda por Lisboa à noite ou noutras situações. Tendo em conta o aumento da criminalidade em Portugal, pode vir à Rússia se tiver igual atenção e cuidado.
Não se recomenda utilizar indiscriminadamente cartões de crédito, pois podem ser clonados, mas podfem ser empregues com segurança em restaurantes, hoteis, etc.
Quanto à assistência médica, faça um seguro em Portugal e visite São Petersburgo e Moscovo. Não irá ficar arrependida, desde que tome as devidas precauções.

Anónimo disse...

Obrigada, e já tenho a viagem paga, logo vou, se Deus quiser. Fui a vários países de Leste antes da queda do Muro, quando passei a fronteira das Alemanhas de combóio, lembro-me de entraram dois polícias e dois cães pela carruagem, estava eu a dormir, levaram-me as bolachas, pelo que percebi que não se podia entrar com comida.
A América faz mais o meu estilo, mas com estes calores e na brincadeira surgiu a ideia de ir à Rússia. OBRIGADA, obrigada pela informação.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
rouxinol de Bernardim disse...

Parecem os «padrinhos» do mundo...

Será que o mundo aceita essa paraninfação?!

Anónimo disse...

E também desaparecem muitos jornalistas na Rússia, mas isso é sabido. Talvez o melhor seja comprarem um cão ou pagarem a um polícia ou a um cigano para se protegerem.

Anónimo disse...

A anónima a andar de "combóio" e a ler do "fim para o princípio" talvez seja... árabe, judia? Cheira a espia. A ver se não acaba como a Mata Hari, que os franceses são lixados nestas coisas.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.