quarta-feira, setembro 16, 2009

Considerações amargas

Caros leitores, em momentos como este apetece abandonar tudo e desistir. Um blog sobre Rússia é transformado, por alguns leitores, numa arena de insultos pessoais, racistas, etc., etc. !!!! Que tem a ver a Rússia com as relações entre alguns brasileiros e portugueses que não se entendem sem ser através de insultos? Nada!!!!
Será que esses leitores apenas deixam comentários neste blog para o destuir? Eu sei que há muita gente que não está de acordo com as minhas ideias, que detesta este blog, mas tudo tem limites...
Não, eu não vou desistir, porque sei que a maioria dos leitores quer ver este blog a funcionar e porque eu sou teimoso. Mas não duvidem os que tentam destruir e desacreditar este blog que vou tomar medidas com vista a neutralizar o seu "trabalho".
Até agora, perco horas a limpar comentários insultuosos, o que não pode continuar, pois não tenho tempo a perder. Trata-se de um luxo demasiadamente caro para mim.
Por isso, se continuarem a provocar através da publicação de comentários insultuosos, eu simplesmente não permirei a publicação directa de comentários e só colocarei os que achar por bem.
Se querem tratar de outros problemas que não os relacionados com os temas deste blog, criem o vosso espaço e insultem-se à vontade.
E só mais um pormenor: leitores anónimos, não sejam cobardes quando insultam, dêem a cara.

72 comentários:

lol disse...

que frescura

nidia disse...

Parabens pelo seu trabalho.

Anónimo disse...

Não desista. O seu espaço tem comentadores muito bons e não é por de vez em quando aparecerem os netterroristas que se deve deixar vencer.

Eu não concordo consigo. Você só apresenta a face negativa e ameaçadora da Rússia esquecendo o outro tanto por vezes tão positivo que consegue prevalecer sobre o mal.

Mas o blogue é seu e os bons comentadores contribuem para que seja muito rico. Estou a lembrar-me de alguns:

Pippo
António campos
PortugueseMan
Wandard
MSantos
Cristina Mestre

Desculpem os outros que me esqueci.

Cumprimentos a todos

Anónimo disse...

Para já posso dizer que foi tudo fruto da propria politica. Caro JM tem tolerancia de certas coisas e deixa algums individos insultar e no mesmo tempo esta fazer censura em relação aos outros. Este blog permite Jest insultar o Putin diariamente com unica explicação que JM e amiginho dos nazis ucranianos.

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, eu permito a publicação de vozes críticas, muito críticas e a favor de Putin, não admito insultos em relação a quem quer que seja. Se deixei escapar algum insulto a qualquer dirigente russo, peço desculpa.

Nuno disse...

As pessoas sensatas estão de saco cheio do seu ódio contra a Rússia.
Eu por exemplo fico muito nervoso quando você ataca o Putin e defende o Império.

Nuno disse...

e deculpe- me, mas se eu tiver que destruir esse blog pra defender a Rússia, eu farei, sem pensar duas vezes

Jose Milhazes disse...

Caro Nuno, Rússia e dirigentes russos são coisas muito diferentes. Dê um exemplo do meu ódio à Rússia ou aos povos que habitam este país. Também não odeio os dirigentes russos, mas não poupo críticas. Quando há motivos para elogio, também o faço.

Anónimo disse...

Milhazes, desculpe, acho que houve realmente exagero da minha parte e de outros em discussões que realmente nada têm a ver com o conteúdo aqui exposto. Não desista do blog. Acho que é o único em língua portuguesa com esse tipo de profundidade acerca dos temas desse país.


Não se repetirá. Voltemos aos temas excelentes tratados no blog.


Um abraço!

Ítalo Almeida

Pippo disse...

"se continuarem a provocar através da publicação de comentários insultuosos, eu simplesmente não permirei a publicação directa de comentários e só colocarei os que achar por bem"

FINALMENTE, CARAÇAS!!!!

JM, o que eu vivamente recomendaria era uma "filtragem" prévia. Penso que este gerador de blogs deverá ter uma opção para só publicar comentários aprovados. Assim, as pessoas comentam, os comentários ficam numa "pool", e só os que valem a pena, os que preenchem critérios mínimos, serão publicados. Quanto aos outros: lixo!

Um abraço, e bom trabalho.

PortugueseMan disse...

Pippo,

Isso também acarreta muito trabalho a quem cuida do blogue, neste caso o JM.

Não existe solução fácil.

Braga disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Oblonsky disse...

Hei, sr. Braga! sou brasileiro, amo a Rússia, tenho muitos amigos portugueses e já dei bons tragos no largo do café chinês lendo O crime do padre Amaro. Não generalize. A única vez que fui descortes neste sítio foi perdendo meu tempo ao rebater as gentilezas do sr. Ítalo. Fato que não se repetirá, posto que, doravante, este será categoricamente ignorado.

e tenho ouvido...

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Fica aqui uma outra sugestão:

Permitir comentários apenas a pessoas que façam parte da sua lista.

Quem quiser participar que lhe mande um mail e você acresenta à sua lista, se fôr incorrecto, retira-a da lista.

Talvez assim se consiga acalmar isto um pouco.

Anónimo disse...

"Os Cães Ladram e a Caravana Passa"...

Não desista José Milhazes os comentários insultuosos e pouco contextuais não são mais do que o grande feedback que o seu Blog provoca.

Um Abraço das Caxinas!

José Mendes

Anónimo disse...

Tem toda a razão. Há muito que os opmentários deviam ser filtrados. Porém há discriminações. Com a desculpa dos palavrões foram eliminados certos comentários, quando outros continuam online. A defesa constante do JEST mete nojo. Pois, o Milhazes não é isento, mas tem direito de não o ser, pois o blog é seu. Portanto, deixe-se de lamurias e tome medidas.

Nuno Bento disse...

Hoje é um dia excelente!

Finalmente
vamos poder respirar um ar mais saudável quando lermos os comentários.

Vamos em frente, JM!

Melhores cumprimentos,

Nuno Bento.

otília gradim reisinho. disse...

Caro José Milhazes,

Venho quase diariamente ler o seu blogue e deixei de ler os comentários há muito tempo... muitos não tem interesse nenhum!

O valor deste blogue é dado pelo que o José Milhazes escreve e seria uma pena perder-se esta fonte de informação.

um abraço
Otília

Teresa disse...

Boa noite!

Quem não gosta e quem não quer ler, será, concerteza, livre de o fazer.
Não se condicione, JM! O espaço é seu, as ideias são suas e, quem não gosta, só terá de criar o seu próprio blog e falar do que quiser e como entender!
Mais uma vez, parabéns pelo seu trabalho!

Teresa

António Campos disse...

Concorde-se ou não com o que aqui se escreve, o blog do José Milhazes tem um mérito inestimável que está acima de qualquer crítica: é um modelo para uma coisa que a Rússia, das bases ao topo, ainda não se apercebeu da importância fundamental para o seu progresso: uma sociedade civil. Aqui debatem-se livremente factos e opiniões, troca-se informação e aponta-se para pontos de vista adicionais noutros quadrantes. Em todas as discussões construtivas que aqui ocorrem, a nossa “pequena sociedade”, ao final do dia, sai a ganhar.

Uma sociedade verdadeiramente democrática baseia-se, em maior escala, numa experiência semelhante à nossa. É minha convicção que se a sociedade russa funcionasse como o darussia, teríamos muito menos desgraças quotidianas para dissecar e estaríamos aqui a debater temas como o Yevgeny Kissin, a última temporada do Bolshoi ou a melhor receita de pelmeni. Francamente, teria muito mais graça.

Tirando os insultos, que nem vale a pena comentar, e as rotulagens baratas, que até são divertidas de ler (para um ferrenho nazi agente da CIA como eu), tenho pena que ainda surjam associações antipatrióticas (sim, porque metade das costelas do José Milhazes já são russas) contra quem ousa apontar o dedo às muitas falhas da actual administração. Chamar anti-portuguesa à Manuela Ferreira Leite, líder da oposição parlamentar portuguesa e que diz todos os dias cobras e lagartos do primeiro-ministro, daria azo a uma vaga de ultraje nos media de todas as cores políticas no dia seguinte. Pode-se chamar-lhe muitas coisas, mas anti-patriota é coisa que não vem à cabeça de ninguém. É lamentável que muitos dos comentadores aqui, sejam eles russos ou não russos, não entendam isto.

Tal é especialmente importante no caso dos cidadãos russos, que têm forçosamente que compreender, mais cedo ou mais tarde, que a velocidade do seu progresso depende da forma como observam e responsabilizam os seus governantes, em vez de se deixarem embalar pela cantiga de que criticar o governo é um crime de lesa-majestade e um ultraje ao povo.

Abusar do poder é humano. E acontece sempre, se deixarmos. É por isso que democracia é protesto e protesto é democracia.

José Milhazes: como disse Dolores Ibárrui Gómez, “No pasarán!”

António Campos

Anónimo disse...

E o António Campos pode vir com mil lições de moral tentando pôr no saco do lixo ideológico todos os que não pensam da sua maneira.

Mas mesmo assim muita gente tem coragem de levantar a voz pelo que defende.

É lamentável que o António Campos não entenda isto

Ítalo Tavares disse...

Sociedade civil...


Base sacra para o progresso da democracia.


Mas a Rússia tem progredido, mesmo que a passos lentos.


Um país de tanta gente inteligente e culta não pode e não merece continuar na situação política em que se estabeleceu na maior parte de sua história.

Anónimo disse...

mude de blog zé, vá falar mal de outro país.

Ainda bem que existe idéias discordantes.

Luis Ruano disse...

Não desista, o seu blog é do melhor que se escreve neste país, dentro e fora da internet.
Basta obrigar os comentadores a ter uma conta do blogger para metade dos que cá vem provocar se vá embora. Isto acontece em todos os blogs que se tornam visíveis, por isso por favor continue!

Anónimo disse...

Para o anónimo das 23:40. E para o Zé Milhazes.
Como diz o povo; de boas intenções está o inferno cheio. Ainda melhor; quem semeia ventos colhe tempestades.
Se os comentários do Zé Milhazes têm objectivamente um único sentido, denegrir a imagem da Rússia do passada e do presente. O que era de esperar?
Este espaço, poderia ser um bom lugar para se discutir a história e os acontecimentos da Rússia, com o mais diversificado leque de opiniões.
Mas se é o próprio administrador do blog que manipula a informação, dá o mote e injecta o veneno. Depois o resultado esperado não pode ser outro senão os participantes extremarem posições em vez de procurarem consensos. Quando se não descamba para o insulto, sem qualquer conexão com o que se está a discutir, o que sucede a maioria das vezes. Se o debate tivesse qualidade esses elementos medíocres que por aqui aparecem, não tinham lugar.
Em tempos um participante colocou aqui esta opinião que considerei muito acertada.
O Zé Milhazes, fabrica os foguetes, lança-os ao ar, faz a festa e apanha as canas.
Face ao que tenho observado acrescento.
Este blog parece-se mais com um tribunal da Inquisição contra a Rússia. Em que o Zé Milhazes como Inquiridor Mor profere a sentença, os adjuntos fazem a pira para imolar a vitima.
Todos temos a liberdade de escolher, não temos é o direito de trair.
Mas ao que parece o Zé Milhazes é daqueles que cospem no prato onde se alimentaram.
Cada um tem aquilo que merece!
Um abraço.

Wandard disse...

Sr. Milhazes,

"Não concordo com uma palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte o vosso direito de dizê-lo"

François-Marie Arouet (Voltaire).

Mesmo discordando de muito do que o Sr. escreve, defendendo um ponto de vista completamente diferente e dificilmente obtendo respostas do que lhes pergunto, ao contrário do que acontece com outros leitores, os quais tem seus comentários, questionamentos e observações respondidas com brevidade, só tenho a dizer que deves continuar a realizar o seu trabalho, independente das críticas de outrem. Considero que não escreve de forma imparcial, mas a grande verdade é que jornalistas, comentaristas e analistas nunca o são, por mais que procurem seguir uma linha de isenção, possuem suas preferências ou tendências ideológicas.

Mantendo a linha que sempre procurei manter, continuarei por aqui, equanto me for permitido, debatendo e rebatendo opiniões e comentários dentro da linha de civilidade e educação que é a forma correta se discutir.

Grande abraço,

Anónimo disse...

José Milhazes

Quero avisar-te para diminuir o tom de críticas ao governo russo. Pois não esqueça que você não está em Portugal ou Brasil. Ao menos que você não queira aproveitar a sua existência por mais algum tempo...

Ítalo Tavares disse...

Esses anônimos, se não fossem tão covardes, pois nunca mostram a cra, serviriam pelo menos pra nos fazer rir.

Que piada de mau gosto.

Anónimo disse...

Todos nós divergimos em algo com amigos, familiares, professores, trabalho etc

Creio que por este blog não seria diferente...

O trabalho do Sr Milhazes é excelente e devemos respeitá-lo.

Mas cá estamos a ver discussões muito apaixonadas, não exactamente sobre a Rússia mas sobre ideologias... pró-putin x anti-putin, directamente ou indirectmente... desentendimentos à respeito da actual política na Rússia, naturalmente haverão.

Infelizmente há leitores que estão a entender o blog como propaganda anti-Rússia... fortes embates sempre existirão em acaloradas discussões, mas não se pode acabar em arengas infantis entre países e povos.

Sinceros Cumprimentos



J.Carlos

Gilberto Mucio disse...

Quero expressar minha solidariedade ao Milhazes.

Um blog de tamanha excelencia nao pode se perder por causa de picuinhas de quinta categoria.

Eh lamentavel que tenha que se chagar ao ponto de submeter os comentarios a aprovacao. O blog perderia muito o dinamismo, ja que aqui tambem eh um excelente espaco para debates.

Gostaria de pedir ao Italo que ignore as provocacoes dos portugueses, e aos portugueses que ignorem provocacoes de brasielrios.

Eu faco aqui um mea-culpa, pois antigamente, eu caia na provocacao de uns individuos(geralemnte anonimos) e tambem partia para insultos. Mas vi que com isso o blog so tem a perder, a consequentemente todos nos que gostamos dele.

Mantenhamos a compostura, por**! =)

Fica a dica.

Abraco a todos.

Ps.: Espero nao chegar a esse extremo, mas se for para submeter os comentarios a aprovacao, talvez seria melhor, antes, fazer uma experiencia nao permitindo postagens de anonimos.

Zélia disse...

Bom dia

JM continue assim, parabéns pelo seu excelente trabalho, quem não gosta que não venha ao blog.

Parabéns

Zélia

FG disse...

Prof. José Milhazes, em tempos advoguei a ideia de submeter TODOS os comentários a uma aprovação prévia. Chamem-lhe censura, chamem-lhe o que quiserem, mas é a única maneira de acabar com os insultos pessoais que nada têm a ver com o conteúdo do Blogue, deste ou de qualquer outro porque infelizmente existe na Net uma espécie rara que apenas se dá ao gozo de insultar gratuitamente o trabalho dos outros. Quem não gosta dos artigos ou dos comentários do Prof. JM parta para outra, não insulte, não provoque. Não conheço o Prof. JM nem sou seu advogado de defesa, nem tão pouco tenho qualquer ideologia política que me relacione estreitamente com a Rússia ou com os seus problemas sociais e ideológicos. Neste momento, apenas me interessam os graves problemas do meu País que está de rastos por culpa da vagabundagem política que por aqui grassa. Mas tal como sou livre de escrever o que quiser, também tenho a mesma liberdade para não ler a chafurdice que se publica. Cheguei a este Blogue há tempos em virtude de notícias sobre aquela menina que foi deportada para a Rússia, a Alexandra, mas também me despertam interesse certos artigos que o Prof. JM escreve, ignorando em absoluto os comentários dado que a partir de uma certa altura, chamar comentários ao lixo que aqui se escreve, é insultar quem pretende manter uma conversação séria sobre o tema deste Blogue. Para quem não nasceu e viveu na ditadura, como eu, nunca poderá saber dar o valor à Liberdade! A Liberdade, para muitos, caiu-lhes do Céu sem terem conhecido a tenebrosa noite do fascismo e já nasceram a poderem insultar quem não seja da sua cor política ou com as mesmas ideias.
Prof. José Milhazes, tem a minha inteira solidariedade baseada nos princípios estritos da Liberdade de Expressão. A continuação do trabalho que tem vindo a desenvolver, são os meus votos e não se deixe abater pelos insultos e pelas provocações. Um abraço.

Sérgio disse...

A minha solidariedade para com o sr. Milhazes, continue que o seu trabalho faz muita falta. Quanto aos insulto eu cá sou da opinião que esse tipo de argumentos são quem mais condenam quem os profere,não conseguindo qualquer resultado senão a própria descredibilização de quem não tem mais argumentos para usar. Portanto quanto a isso, eu cá não me preocuparia muito.

Anónimo disse...

Caro Jose,

Para alguem que esta por aqui, este e um "porto" obrigatorio. Posso nao comentar, mas passo por aqui todos os dias para saber novidades do pais em que resido, mas na minha lingua materna. Diria mesmo que e um privilegio. Sinceramente, ha algum tempo que deixei de ler os comentarios aos seus posts, precisamente pelo que refere. Portanto, compreendo perfeitamente que cancele essa opcao.

So espero que continue a a ser os nossos olhos e ouvidos neste grande pais.

Abraco,
Nuno Pinto, Moscovo.

anonimo russo disse...

Antonio Campos

Tal é especialmente importante no caso dos cidadãos russos, que têm forçosamente que compreender, mais cedo ou mais tarde, que a velocidade do seu progresso depende da forma como observam e responsabilizam os seus governantes, em vez de se deixarem embalar pela cantiga de que criticar o governo é um crime de lesa-majestade e um ultraje ao povo."


Nao se preocupe, quando e preciso criticar, criticamos. Mas o senhor deve compreender, que, infelizmente, a maior parte daquilo que aparece hoje nos muitos e muitos media ocidentais, nao sao criticas ao governo russo, mas, pelos vistos, e uma parte da politica em relaçao a Russia, cujo objetivo e mostrar a Russia como um pais selvagem, agressivo, que so pensa em se expandir etc. para criar essa opiniao na consciencia da sociedade ocidental. Voce nao admite que a posiçao de muitos russos em relaçao a esses "criticas" e negativa exatamente porque eles compreendem melhor o que se passa e nao porque nao teem consciencia democratica etc?

P.S. Dizem, que administraçao norte-americana desistiu dos planos de instalar os elementos da defesa anti-missil na Polonia e na Republica Checa. Entao, de repente o Irao e a Coreia do Norte ja nao sao ameaças para aqueles quem queria construir o sistema na Europa de Leste?:) Ou nunca foram, na verdade?

PortugueseMan disse...

Dizem, que administraçao norte-americana desistiu dos planos de instalar os elementos da defesa anti-missil na Polonia e na Republica Checa.

Estou à espera duma confirmação oficial disto, a ser verdade vai dar muito mas muito que falar.

António Campos disse...

A resposta é não. É verdade que há muitas críticas internas, mas a esmagadora maioria é ignorada, abafada ou cai em saco roto. Prova disso são os relatórios de Nemtsov e Milov, com acusações gravíssimas à administração e que nunca foram desmentidas, cuja divulgação, em qualquer outro país civilizado, desencadearia tempestades políticas e faria cair governos. Na Rússia, passaram praticamente despercebidos.

Há uns dias, Evgeny Gontmakher, do Instituto de Desenvolvimento Contemporâneo de Moscovo, ao comentar a criação da badalada “Câmara Social”, afirmava que a mesma acabou por se transformar no que os críticos predisseram quando da sua criação. O que se esperava ser um fórum de debate para melhorar a eficácia da sociedade civil e confrontar o governo com os resultados das suas políticas, envolvendo activistas sociais com extensos conhecimentos no terreno, acabou por se transformar numa “talk shop” vazia de pessoas que não estão interessadas em promover debates relevantes ou que papagueiam a versão oficial das questões. A gravidade é tal que este senhor chega a sugerir que a Câmara Social não será mais do que a mais recente “operação especial” do governo para fingir que existe um fórum de opinião pública. Note-se, mais uma vez, que esta análise não partiu de um russófobo ferrenho, mas sim de uma pessoa respeitada, que faz parte dessa mesma sociedade.

Também não é verdade que os media ocidentais tenham enveredado por uma campanha de calúnia contra a Rússia. Na verdade, é nisso que o governo russo quer que as pessoas acreditem, à antiga moda estalinista da fábula dos inimigos externos. Normalmente, os meios de comunicação respeitados apontam factos e fazem a sua análise. Basta ler publicações como o Economist, que aliás é bastante crítica do Kremlin, para entender isso.

Não percebo como é tão difícil de entender que a maioria dos ocidentais (tal como eu) compreende que uma Rússia próspera estável é no interesse de todo o mundo, mesmo para o grande capital, que vê no país um mercado potencial fabuloso.

Por outro lado, a esmagadora maioria dos comentadores que cito são russos e, a menos que comecemos a achar que são todos agentes da CIA ou que têm contas bancárias chorudas estofadas pelo George Soros, isso já dará que pensar. O problema é que, na Rússia, o acesso aos meios de comunicação de todas as cores está extremamente limitado (é notória a “inspecção” à publicação para expatriados “The Exile”, na altura extremamente crítica do Kremlin, que obrigou a cancelar a edição impressa, e que resultou na surpreendente operação de “vira casacas” do seu mentor, Mark Ames, que agora (pasme-se!) trabalha para o canal Russia Today a falar mal dos críticos do Kremlin).

Para além do facto de apenas uma minoria de cidadãos terem acesso à internet e falarem outras línguas que não o russo. Muitos dos que conseguem estar online, fazem-no através de ligações de baixa qualidade.

Quanto à questão dos mísseis, poderei comentar quando souber alguma coisa mais concreta.

António Campos

PortugueseMan disse...

António Campos,

...Também não é verdade que os media ocidentais tenham enveredado por uma campanha de calúnia contra a Rússia. Na verdade, é nisso que o governo russo quer que as pessoas acreditem, à antiga moda estalinista da fábula dos inimigos externos...

Não é uma questão de campanha de calúnia, mas existe de uma forma geral um tom negativo na imprensa ocidental em relação à Rússia.

...Normalmente, os meios de comunicação respeitados apontam factos e fazem a sua análise...

Além do Economist, que outros meios de comunicação considera respeitados?

...Para além do facto de apenas uma minoria de cidadãos terem acesso à internet e falarem outras línguas que não o russo. Muitos dos que conseguem estar online, fazem-no através de ligações de baixa qualidade...

Estamos a falar de que números e o que quer dizer "baixa qualidade"?

Oh Well, Okay. disse...

Há comentários e discussões muito boas e interessantes.
Tal como comentadores sério que postam artigos e textos, estatísticas e coisas do género. Às vezes valem mais os comentários do que o próprio artigo (não desfazendo do trabalho do autor do blog).

O problema é que há gente mal educada, como em todo o lado. Por isso, é apagar os comentários insultuosos e pronto.

António Campos disse...

Estive agora a consultar outros meios de comunicação respeitados, tais como o Guardian, o Telegraph, a BBC, O Times of London e a Newsweek e na maioria dos casos, e exceptuando artigos de opinião, o que aparece são informações e análises de notícias. Tom negativo em relação “à Rússia” não encontrei absolutamente nenhum. Encontrei sim diversas críticas ao governo russo, tanto na imprensa online ocidental como da parte de muitos comentadores russos.

Mais uma vez (e francamente, já estou um bocadinho cansado de repetir o mesmo não sei quantas vezes), convém não misturar alhos com bugalhos, porque senão não se chega a conclusão nenguma e fica a parecer aquela discussão imbecil dos portugas versus brasucas.

Quanto à internet, de acordo com o site Internet World Stats (http://www.internetworldstats.com/europa2.htm), a taxa de penetração da internet na Rússia é de cerca de 27%, sendo a de banda larga cerca de 2,8%. A Rússia não faz parte dos 47 países em que pelo menos metade da população está ligada à net. Nesse top 47, temos países como a Bielorrússia, Eslovénia, Estónia, Bulgária, Roménia, e República Checa (http://www.internetworldstats.com/top25.htm)

Já agora, em Portugal, é fácil corroborar a minha interpretação da natureza noticiosa nos tais meios de comunicação respeitados que enumerei acima (e muitos outros), uma vez que todos estão online e a taxa de penetração portuguesa da internet é de 72,9%, ou seja, 2,7 vezes maior do que na Rússia.

Relativamente à língua, existem estimativas, baseadas no Censo populacional da Rússia, efectuado em 2002 (http://www.perepis2002.ru/index.html?id=87), que indicam que cerca de 4,9% da população fala e entende inglês. Este número é comparável ao de países como o México, a Suazilândia, a Gâmbia, e o Bangladesh. Em contraste e a título de comparação, na Croácia, na Hungria e na República Checa, as percentagens são, respectivamente, de 49%, 23% e 24%.

António Campos

anonimo russo disse...

António Campos disse...

A resposta é não. É verdade que há muitas críticas internas, mas a esmagadora maioria é ignorada, abafada ou cai em saco roto. Prova disso são os relatórios de Nemtsov e Milov, com acusações gravíssimas à administração e que nunca foram desmentidas, cuja divulgação, em qualquer outro país civilizado, desencadearia tempestades políticas e faria cair governos."


Nemtsov, se voce nao sabe, e um tagarelo e populista que ha poucos. Ja foi vice-primeiro ministro na epoca dos oligarcas e lambeu bastante certos partes do corpo a estes, por isso tem pouca popularidade na Russia, mas, pelos vistos, quer parecer um dos "grandes oposicionistas".


Há uns dias, Evgeny Gontmakher, do Instituto de Desenvolvimento Contemporâneo de Moscovo, ao comentar a criação da badalada “Câmara Social”, afirmava que a mesma acabou por se transformar no que os críticos predisseram quando da sua criação. O que se esperava ser um fórum de debate para melhorar a eficácia da sociedade civil e confrontar o governo com os resultados das suas políticas, envolvendo activistas sociais com extensos conhecimentos no terreno, acabou por se transformar numa “talk shop” vazia de pessoas que não estão interessadas em promover debates relevantes ou que papagueiam a versão oficial das questões. A gravidade é tal que este senhor chega a sugerir que a Câmara Social não será mais do que a mais recente “operação especial” do governo para fingir que existe um fórum de opinião pública. Note-se, mais uma vez, que esta análise não partiu de um russófobo ferrenho, mas sim de uma pessoa respeitada, que faz parte dessa mesma sociedade.
E a opiniao pessoal desse Gontmakher. E depois? Se o progeto na verdade falhou (nao me interesso por esse tema, por isso nao sei se falhou), seria melhor nao tentar nada?

"Também não é verdade que os media ocidentais tenham enveredado por uma campanha de calúnia contra a Rússia. Na verdade, é nisso que o governo russo quer que as pessoas acreditem, à antiga moda estalinista da fábula dos inimigos externos. "


Quem falou em calunia? Apenas a maneira de apresentar o pais.

"Na verdade, é nisso que o governo russo quer que as pessoas acreditem, à antiga moda estalinista da fábula dos inimigos externos"

Desculpe ,a maior bobagem eu nao podia imaginar. Entao, esse blog e um projeto do governo russo? (Que o sr. Milhazes me perdoa, mas e um belo exemplo do que eu tinha dito).

"O problema é que, na Rússia, o acesso aos meios de comunicação de todas as cores está extremamente limitado"

Primeiro que falar, faça o favor de estudar a imprença russa.

(é notória a “inspecção” à publicação para expatriados “The Exile”, na altura extremamente crítica do Kremlin, que obrigou a cancelar a edição impressa, e que resultou na surpreendente operação de “vira casacas” do seu mentor, Mark Ames, que agora (pasme-se!) trabalha para o canal Russia Today a falar mal dos críticos do Kremlin).
Nao ouvi nada disso, e admito que nem tudo pode ser tao tragico. Onde encontrou essa informaçao? No Washington Post?:)

"Para além do facto de apenas uma minoria de cidadãos terem acesso à internet e falarem outras línguas que não o russo. Muitos dos que conseguem estar online, fazem-no através de ligações de baixa qualidade."

Voce nao entende do que fala. Examine os numeros de utilizadores da Internet, primeiro (praticamente cada familia, a internet esta em cada escola tambem). Sobre as "ligaçoes de baixa qualidade" eu, no seu lugar, nem ousaria falar: o que sabe disso? Pode ficar tranquilo, hoje, acho, a qualidade nao e mais baixa que em Portugal.

"falarem outras línguas que não o russo."

Na internet russa tem dois grandes sites, dedicados a traduçao da imprensa estrangeira sobre a Russia. Foi exatamente de um destes sites que encontrei este blog exatamente para ver se nao havia realmente uma propaganda. Garanto-lhe: o que encontrei aqui, ultrapassou todas as minhas expectativas.

anonimo russo disse...

António Campos disse...

A resposta é não. É verdade que há muitas críticas internas, mas a esmagadora maioria é ignorada, abafada ou cai em saco roto. Prova disso são os relatórios de Nemtsov e Milov, com acusações gravíssimas à administração e que nunca foram desmentidas, cuja divulgação, em qualquer outro país civilizado, desencadearia tempestades políticas e faria cair governos."


Nemtsov, se voce nao sabe, e um tagarelo e populista que ha poucos. Ja foi vice-primeiro ministro na epoca dos oligarcas e lambeu bastante certos partes do corpo a estes, por isso tem pouca popularidade na Russia, mas, pelos vistos, quer parecer um dos "grandes oposicionistas".


«Há uns dias, Evgeny Gontmakher, do Instituto de Desenvolvimento Contemporâneo de Moscovo, ao comentar a criação da badalada “Câmara Social”, afirmava que a mesma acabou por se transformar no que os críticos predisseram quando da sua criação. O que se esperava ser um fórum de debate para melhorar a eficácia da sociedade civil e confrontar o governo com os resultados das suas políticas, envolvendo activistas sociais com extensos conhecimentos no terreno, acabou por se transformar numa “talk shop” vazia de pessoas que não estão interessadas em promover debates relevantes ou que papagueiam a versão oficial das questões. A gravidade é tal que este senhor chega a sugerir que a Câmara Social não será mais do que a mais recente “operação especial” do governo para fingir que existe um fórum de opinião pública. Note-se, mais uma vez, que esta análise não partiu de um russófobo ferrenho, mas sim de uma pessoa respeitada, que faz parte dessa mesma sociedade.»


E a opiniao pessoal desse Gontmakher. E depois? Se o progeto na verdade falhou (nao me interesso por esse tema, por isso nao sei se falhou), seria melhor nao tentar nada?

"Também não é verdade que os media ocidentais tenham enveredado por uma campanha de calúnia contra a Rússia. Na verdade, é nisso que o governo russo quer que as pessoas acreditem, à antiga moda estalinista da fábula dos inimigos externos. "


Quem falou em calunia? Apenas a maneira de apresentar o pais.

"Na verdade, é nisso que o governo russo quer que as pessoas acreditem, à antiga moda estalinista da fábula dos inimigos externos"

Desculpe ,a maior bobagem eu nao podia imaginar. Entao, esse blog e um projeto do governo russo? (Que o sr. Milhazes me perdoa, mas e um belo exemplo do que eu tinha dito).

"O problema é que, na Rússia, o acesso aos meios de comunicação de todas as cores está extremamente limitado"

Primeiro que falar, faça o favor de estudar a imprença russa.

« (é notória a “inspecção” à publicação para expatriados “The Exile”, na altura extremamente crítica do Kremlin, que obrigou a cancelar a edição impressa, e que resultou na surpreendente operação de “vira casacas” do seu mentor, Mark Ames, que agora (pasme-se!) trabalha para o canal Russia Today a falar mal dos críticos do Kremlin).»


Nao ouvi nada disso, e admito que nem tudo pode ser tao tragico. Onde encontrou essa informaçao? No Washington Post?:)

"Para além do facto de apenas uma minoria de cidadãos terem acesso à internet e falarem outras línguas que não o russo. Muitos dos que conseguem estar online, fazem-no através de ligações de baixa qualidade."

Voce nao entende do que fala. Examine os numeros de utilizadores da Internet, primeiro (praticamente cada familia, a internet esta em cada escola tambem). Sobre as "ligaçoes de baixa qualidade" eu, no seu lugar, nem ousaria falar: o que sabe disso? Pode ficar tranquilo, hoje, acho, a qualidade nao e mais baixa que em Portugal.

"falarem outras línguas que não o russo."

Na internet russa tem dois grandes sites, dedicados a traduçao da imprensa estrangeira sobre a Russia. Foi exatamente de um destes sites que encontrei este blog exatamente para ver se nao havia realmente uma propaganda. Garanto-lhe: o que encontrei aqui, ultrapassou todas as minhas expectativas.

Oblonsky disse...


Não é uma questão de campanha de calúnia, mas existe de uma forma geral um tom negativo na imprensa ocidental em relação à Rússia.



Isto é evidente, é INEGÁVEL.

PortugueseMan disse...

Dos que fala, apenas posso comentar dois, a BBC costuma ser muito equilibrada, mas com o Guardian a coisa já não é assim.

Dado que você mostra tantos dados acerca da internet na Rússia, porque não faz referência ao facto de ser a Rússia que tem o maior crescimento na Europa nos últimos anos?

A Rússia não faz parte dos 47 países que tem metade da população ligada à net, mas quando tiver ficará em 1º no ranking europeu.

É certo de que em percentagens, os valores são baixos, mas se traduzir isso por número de pessoas, vamos ter um panorama diferente, quantos utilizadores de net temos na Rússia?

Se 4.9% fala inglês, estamos a falar de um universo de 7 milhões de pessoas. O que não são poucas e de certeza que está a aumentar, porque esse é uma das consequências do acesso à internet, e esta está em expansão acelerada na Rússia.

Entretanto não me explicou o que são ligações de baixa qualidade.

anonimo russo disse...

António Campos disse...
Estive agora a consultar outros meios de comunicação respeitados, tais como o Guardian, o Telegraph, a BBC, O Times of London e a Newsweek e na maioria dos casos, e exceptuando artigos de opinião, o que aparece são informações e análises de notícias. Tom negativo em relação “à Rússia” não encontrei absolutamente nenhum."

Nao me faça rir.

"Quanto à internet, de acordo com o site Internet World Stats (http://www.internetworldstats.com/europa2.htm), a taxa de penetração da internet na Rússia é de cerca de 27%, sendo a de banda larga cerca de 2,8%. A Rússia não faz parte dos 47 países em que pelo menos metade da população está ligada à net. Nesse top 47, temos países como a Bielorrússia, Eslovénia, Estónia, Bulgária, Roménia, e República Checa (http://www.internetworldstats.com/top25.htm"

Uns dados duvidosos, onde Portugal esta em frente a EUA:) e a Belorussia (com um nivel de vida ligeiramente inferior ao russo) tem um bom porcento ao nivel europeu.´´

"Relativamente à língua, existem estimativas, baseadas no Censo populacional da Rússia, efectuado em 2002 (http://www.perepis2002.ru/index.html?id=87), que indicam que cerca de 4,9% da população fala e entende inglês. Este número é comparável ao de países como o México, a Suazilândia, a Gâmbia, e o Bangladesh. Em contraste e a título de comparação, na Croácia, na Hungria e na República Checa, as percentagens são, respectivamente, de 49%, 23% e 24%."

Francamente, nao sei onde voce busca essa "informaçao", mas, se nao sabe, posso ajudar: na Russia 99 porcento das crianças vai para escola, onde 90 porcento de alunos teem aulas de ingles durante uns anos. O nivel geral do ingles nao e muito alto e depende muito da pessoa concreta, mas entender e ler coisas elementares sao capazes muitos dos alunos. Ja nem falo de univercidades. Sim, em comparaçao a Europa, na Russia a populaçao domina ingles menos bem, mas muitos tem um bom nivel e o resto da populaçao pelo menos tem noçoes mais elementares.

Aconselho-o a vizitar a Russia e tentar conhecer o pais melhor. Se ja esteve aqui, entao, parece, nem tentou comunicar com as pesoas e, deve ser, passou uns dias num hotel no centro de moscovo.

Anónimo disse...

O "The Economist" não é propriamente uma fonte considerada imparcial.

anonimo russo disse...

António Campos

Caro, segundo os dados da CIA, em 2007 a Russia tinha 30 milhoes de utilizadores da internet. E a situaçao deve ter mudado muito desde entao.

https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/rs.html

Ja nao sei se se pode discutir a serio consigo.

António Campos disse...

Caro PortugueseMan, os números que indiquei serviram apenas para consubstanciar o facto de que a disseminação de informação independente não está facilitada na Rússia por esses motivos, e que o controlo dos meios de comunicação é fácil nestas circunstâncias. Não foram para entrar em discussões do tipo “a minha é maior que a tua”, para as quais sinceramente não tenho paciência.

Relativamente ao Guardian, tem piada que o mencione. Aqui há dias, um outro amável comentador, supostamente russo, teve a gentileza de me enviar um link de um artigo de opinião nesse jornal, que é muito interessante no contexto que refere. Aqui vai o link: http://www.guardian.co.uk/commentisfree/2009/sep/09/second-world-war-soviet-pact

Quanto à baixa qualidade, refiro-me à percentagem de utilizadores de banda larga, obviamente.

Na verdade, as minhas “estatísticas pessoais” relativamente a estes e muitos outros assuntos são bem piores do que as que aparecem nos censos. Para que não surjam dúvidas, posso dizer que razões pessoais e profissionais levam a que a minha segunda casa seja em Vitebsk, de onde giro a minha participação numa empresa de capitais maioritariamente russos e bielorrussos, o que me faz passar uma grande parte do ano em Smolensk e fazer umas visitas ocasionais a Moscovo. Daí que o meu interesse nestas matérias seja directo, ao contrário do diletantismo que vemos aparecer por aqui mais do que ocasionalmente. E se a Rússia ficar rapidamente no primeiro lugar do ranking europeu da internet, óptimo! Só vai facilitar a minha vida profissional e aumentar o meu mercado.

António Campos

anonimo russo disse...

Antonio campos

"Na verdade, as minhas “estatísticas pessoais” relativamente a estes e muitos outros assuntos são bem piores do que as que aparecem nos censos. Para que não surjam dúvidas, posso dizer que razões pessoais e profissionais levam a que a minha segunda casa seja em Vitebsk, de onde giro a minha participação numa empresa de capitais maioritariamente russos e bielorrussos, o que me faz passar uma grande parte do ano em Smolensk e fazer umas visitas ocasionais a Moscovo."

Se conhece a Russia, para que dizer bobagens, entao. Ou nao domina o idioma suficientemente bem para entender melhor a situaçao e comunicar mais com as pessoas?

Repito, CIA diz que em 2007 a Russia tinha 30 milhoes de usuarios da internet - uma parte significativa da populaçao. Em cada cidade grande a maioria utiliza a banda larga (nos ultimos 2-3 anos aconteceu uma verdadeira revoluçao no desenvolvimento deste tipo de serviços aqui).

Aprende o idioma e aprende a entender o que se passa nos paises onde as vezes esta. (Vitebsk e Belarussia?)

PortugueseMan disse...

Meu caro,

Eu não ando aqui a ver "quem é que tem a maior", pode ter a certeza disso.

Mas,

...Para além do facto de apenas uma minoria de cidadãos terem acesso à internet e falarem outras línguas que não o russo. Muitos dos que conseguem estar online, fazem-no através de ligações de baixa qualidade...

Isto para mim já é uma perspectiva negativa sobre o que se passa na Rússia e na minha opinião induz as pessoas a ter também uma errada perspectiva.

Um quarto da população russa tem acesso à net e é o país que mais cresce na Europa e se mantiver o nível de crescimento actual em 5 anos será o país com mais utlizadores na Europa.

Ligação de baixa qualidade para mim não é o mesmo que dizer que não têm acesso a banda larga. Para mim isso não é óbvio como você o diz. Para mim ligação de baixa qualidade é ter problemas na ligação, eu posso ter banda larga e ter uma ligação de má qualidade.

Portanto para quem lê o que você escreveu, (ou pelo menos eu interpreto assim e penso que muita gente também chega à mesma conclusão), que apenas um punhado de russos é que tem acesso à internet e desses poucos a maioria tem um acesso de baixa qualidade.

Para mim isto é errado.

António Campos disse...

Ok, então vamos à Rússia real, a que eu conheço. Pergunto-lhe uma coisa gira: sabe qual é a penetração da internet em Smolensk, uma cidade com uma população uma vez e meia maior do que o Porto? Pouco mais de 2%.

Numa cidade com mais de 320.000 habitantes, o número de ligações à internet é de 7.000, sendo aliás uma grande parte pertencente a empresas.

E sim, muidas destas ligações dial-up são, além de extremamente lentas, muito dadas a interrupções. Mas mesmo que tal não acontecesse, é óbvio que o que se pode fazer com a internet está directamente relacionado com a velocidade do acesso e com a possibilidade de estar sempre online. Nos meus tempos de dial-up, a internet dava-me para pouco mais do que fazer consultas ao email e visitar meia dúzia de páginas antes que a coisa se tornasse frustrante (e proibitivamente cara).

António Campos

PortugueseMan disse...

...Ok, então vamos à Rússia real, a que eu conheço...

A que você conhece é que é a Rússia real? então de que Rússia estou eu a falar? Você escolhe os dados estatísticos que mais lhe interessam? Os que referi não servem?

...sabe qual é a penetração da internet em Smolensk, uma cidade com uma população uma vez e meia maior do que o Porto? Pouco mais de 2%...

Afinal, sempre vamos entrar no concurso para ver "quem tem a maior?" Então vamos ver a coisa por outra perspectiva, o Porto é a 2º maior cidade de Portugal, dê-me também os dados da 2ª maior cidade da Rússia.

...
E sim, muidas destas ligações dial-up são, além de extremamente lentas, muito dadas a interrupções. Mas mesmo que tal não acontecesse, é óbvio que o que se pode fazer com a internet está directamente relacionado com a velocidade do acesso e com a possibilidade de estar sempre online.


São dadas a interrupções? mas você tinha dito anteriormente que "baixa qualidade" queria dizer obviamente que não eram de banda larga, agora já temos mesmo "baixa qualidade"?

As ligações dial-up são lentas, mas não quer dizer que sejam dadas a muitas interrupções, em que dados se baseia para falar da qualidade das ligações dial-up na Rússia?

O que se pode fazer com uma dial-up é o mesmo que em banda larga, acesso à informação.

...Nos meus tempos de dial-up, a internet dava-me para pouco mais do que fazer consultas ao email e visitar meia dúzia de páginas antes que a coisa se tornasse frustrante

Eu ainda há coisa de 6 anos tinha ligação dial-up e usava-a para obter informação, consultando vários órgãos de informação, e via os mails. Downloads? não os fazia. Mas a dial-up nunca me impediu de aceder ao que queria ler. Aliás tenho mais problemas agora com a internet móvel do que tinha com a dial-up.

Ítalo Tavares disse...

O Antônio Campos ainda tem muita paciência... hehehe!


Mesmo que Cristo desça à terra e mostre esses dados sobre a Rússia, eles não admitirão que estão errados, Antônio.


É perda de tempo.

Vc está correto. É isso aí mesmo;

António Campos disse...

Realmente, é precisa muita paciência. Quando referi o caso de Smolensk estava a fazer uma referência ao que anteriormente tinha dito, de que as minhas "estatísticas pessoais", as baseadas na minha experiência pessoal na Rússia, eram muito piores do que as baseadas em censos. Que já de si não são grande coisa.

Como estamos obviamente a andar em círculo e daqui a bocado estamos a discutir a maria cachucha e não tenho tempo nem pachorra para isso, relembro apenas o ponto inicial: quer se queira quer não, o único meio de comunicação de alcance verdadeiramente nacional na Rússia é a televisão. Uma vez que agora a independência dos canais nacionais está comprometida, uma vez que estes papagueiam não mais do que as versões oficiais dos acontecimentos, manipular a opinião pública é a coisa mais fácil do mundo.

O meu jornalista russo favorito, Leonid Parfyonov, em tempos uma referência no meio jornalístico, foi corrido da NTV e praticamente desapareceu do mapa. É um excelente exemplo do que acontece a quem ousa usar a profissão para manifestar opiniões que não vêm no script oficial.

António Campos

Anónimo disse...

Caro JM,
O seu trabalho é demasiado sério para perder tempo com algumas pessoas,na minha terra diz-se ...pérolas para "porcos"...
Como sabe um Blog tem este contra mas a mais valia dos seus comentarios valem por tudo (sabe que nem sempre estou de acordo consigo).
Um desafio!um livro com o que este blog tem de melhor.
Um grande abraço de Paris

Anónimo disse...

"O meu jornalista russo favorito, Leonid Parfyonov, em tempos uma referência no meio jornalístico, foi corrido da NTV e praticamente desapareceu do mapa. É um excelente exemplo do que acontece a quem ousa usar a profissão para manifestar opiniões que não vêm no script oficial."

Faz-me lembrar o Carlos Santos Pereira

Anónimo disse...

O numero de internautas realmente é não é grande na Rússia. Creio que talvez seja caro o serviço de telefónia?

Pois nem sempre o numero de usuários estão ligados à renda.

Ranking de internautas e %

Dados - Jun 2009

1 People's Republic of China 298,000,000 22.4% 2009
2 United States 227,190,989 74.7% 2009
3 Japan 94,000,000 73.8% 2009
4 India 81,000,000 7.1% 2009
5 Brazil 67,510,400 34.4% 2009
6 Germany 55,221,183 67.0% 2009
7 United Kingdom 43,753,600 71.8% 2009
8 France 40,858,353 65.7% 2009
9 Russia 38,000,000 27.0% 2009
10 South Korea 36,794,800 76.1% 2009

50 Portugal 4,249,200 39.8% 2009

http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_number_of_Internet_users

PortugueseMan disse...

Concordo, é preciso muita paciência e eu também quero recordar o meu ponto inicial, que era ver esclarecida as suas declarações acerca da internet na Rússia.

Pela minha parte fiquei esclarecido.

Relativamente à televisão, é a primeira vez que o vejo a falar disso.

PortugueseMan disse...

Anónimo,

...O número de internautas realmente é não é grande na Rússia...

Repare com atenção na lista que colocou, pois só ajuda nos meus argumentos.

Em primeiro lugar no acesso à internet não é um país Ocidental nem democrático, temos a China.

Como é que a Rússia não tem muitos internautas e ao mesmo tempo consta na lista dos 10 maiores?

Os países mais desenvolvidos estão todos com uma taxa de 70%, o que significa que estão a atingir um patamar, e haverá um crescimento lento nos próximos anos.

Os BRIC estão todos na lista dos 10 mais e têm taxas baixas. o 1º lugar já é para um país BRIC.

Olhando para a Rússia, há dois anos nem estaria na lista dos 10 mais, se mantiver o crescimento actual daqui a 2 anos terá aproximadamente 60 milhões (A taxa actual nos últimos de crescimento na Rússia está acima dos 25%/ano).

Para estes valores, daqui a dois anos já terá ultrapassado certamente o Reino Unido e muito possivelmente a Alemanha, ficando em 6ª posição.

Depois de atingir a 6ª posição, continuará a subir em termos de nº de cibernautas, mas penso que não irá passar da 6ª posição, devido à sua densidade populacional.

Mas o que se verá claramente é que nos primeiros 6 lugares, 4 vão pertencer aos BRIC, a Rússia será o último dos BRIC devido ao facto que referi anteriormente, e o 1º lugar será para o país comunista e os EUA e Japão irão caminhar para baixar as suas posições, mas vai requerer ainda uns anos.

Com dados destes como é que se pode dizer que há pouco acesso à internet na Rússia?

António Campos disse...

Pela última vez: o argumento da baixa penetração da internet (27% total e 2,8% banda larga) serviu para justificar que esta, ao contrário do que acontece na maioria dos países ditos “avançados” (no qual a este respeito incluo Portugal, que tem uma taxa de penetração de cerca de 75%) não é de todo um meio de comunicação de alcance nacional, tendo em conta que a base eleitoral estende-se, por definição, ao país inteiro.

Além disso, fora das grande metrópoles, a penetração da internet é, na melhor das hipóteses, residual, tanto pela inexistência de infra-estrutura adequada como pelo baixo poder de compra da generalidade da população.

Se adicionarmos isto ao virtual “isolamento” da população russa pelo facto de muito pouca gente (também percentualmente) falar apenas a língua local, bem como ao enviesamento dos meios de comunicação nacionais, controlados pelo estado, torna-se extremamente fácil manipular a opinião pública.

Neste contexto, falar de utilizadores da net em número absoluto é totalmente irrelevante.

Não é à toa que os principais membros da administração russa se recusam a participar em debates televisivos de alcance nacional. Com esta atitude, conseguem um duplo efeito: evitam ser confrontados (com visibilidade nacional) com os resultados das suas políticas e dificultam ainda mais à oposição o acesso a tempo de antena de âmbito nacional.

António Campos

PortugueseMan disse...

Então nesse seu contexto, podemos então constatar que o problema que você aponta está a ser corrigido rápidamente, de acordo com as taxas de crescimento nos ultimos anos certo?

À velocidade que eles estão a ir, a situação será corrigida ainda neste mandato de Medvedev.

Nesse seu contexto, parece-me que estão a caminhar muito positivamente, de modo a haver acesso à informação via web pela maioria das pessoas.

Neste contexto, falar de utilizadores da net em número absoluto é totalmente irrelevante.

Errado, torna-se irrelevante se quisermos fazer valer a nossa opinão onde certos dados não ajudam a fortalecer o nosso argumento.

O facto é que há três anos atrás tinham valores inferiores a 20 milhões e em apenas 3 anos duplicaram esse valor.

Irrelevante? a mim roça a desonestidade.

António Campos disse...

Não. Desonesto é afirmar que porque existe um número 5 vezes maior do que o de Portugal de ligações à net então esse meio tem cobertura nacional, ignorando que se trata de um país com 140 milhões de habitantes e Portugal tem 10. Mesmo com 37 milhões de utilizadores que não falam outras línguas, num país como a Rússia, politicamente a internet vale próximo de ZERO.

Pensando melhor, acho que tem toda a razão. Os números afinal são relevantes. Mas só quando inseridos no devido contexto. Senão, só servem para apoiar uma aldrabice.

Desonesto é fingir que não se leu e ignorar descaradamente o facto de que os jornalistas independentes são sistematicamente afastados dos meios de comunicação com cobertura nacional, sendo relegados para meios de terceira linha que as distribuidoras se recusam a distribuir e os anunciantes se recusam a usar, por receio de “inspecções”.

Desonesto é ignorar que a Câmara Pública , supostamente criada para “promover a democracia” e “reforçar a sociedade civil” acabou por ser uma palhaçada onde 1/3 dos membros são nomeados pela administração e os outros são eminências pardas com medo de abrir a boca. Ou seja, mais uma manobra para fingir que se está a construir uma sociedade civil.

Desonesto é fingir que não se leu e ignorar o argumento cretino de que Putin e Medvedev não realizam debates nacionais porque “não há candidatos à altura”.

António Campos

Anónimo disse...

Caro José, acho inacreditavel tudo o que se passa neste nosso espaço. Como leitor antigo deste espaço e reconhecendo o seu percurso de vida, (até como foi para a CCCP) sempre na defesa da verdade sou impelido a concordar que deveria suspender ou filtrar os comentários.
Lamento que as pessoas não respeitem as opiniões do autor sugiro aqueles que têm tanto a dizer criem o seu espaço, percam tempo a escrever, traduzir e investigar e depois orgulhem-se do resultado.
Caro Milhazes, força.
Forte Abraço TR
(tive de recorrer ao anonimato pq n consegui entrar com a conta google)

PortugueseMan disse...

Esqueceu-se de mais um desonesto mas eu ajudo:

Desonesto é afirmar que na Rússia apenas uma minoria tem acesso à internet e que a maioria tem um acesso de baixa qualidade, para reforçar os nossos argumentos.

Não se pode chamar minoria a mais de um quarto da população e não se pode classificar de baixa qualidade a uma ligação de baixa velocidade.

Mesmo com 37 milhões de utilizadores que não falam outras línguas, num país como a Rússia, politicamente a internet vale próximo de ZERO.

37 milhões próximo de ZERO?! Sem comentários meu caro, sem comentários.

Anónimo disse...

Gosto desse blog, assim que posso, sempre dou uma passada aqui, continue e pode ser uma boa colocar moderador sei lá, mas funcionaria como uma censura, oque a gente não gostaria que acontecesse. um abraço------- Brasil acima de tudo.-----------------------também, não consegui entrar pelo google
Denilson, Campinas São Paulo 18/09/09---13:15

António Campos disse...

E a propósito do tema da manipulação da informação, o artigo “Fascismo Literário" de Boris Kagarlitsky, publicado recentemente no Moscow Times, dá algumas luzes sobre a disseminação de determinada informação na Rússia.

Kagarlitsky escreve a páginas tantas: "as nossas livrarias estão hoje cheias de literatura desse tipo – numerosos trabalhos sobre história da Rússia que nada têm em comum com investigações objectivas do passado, incluindo histórias intermináveis sobre conspirações contra a Rússia. Estes livros descrevem eventos internacionais como sucessões de esquemas que o mundo inteiro engendra contra a Rússia. Abundam retóricas místicas sobre a “alma russa” e a origem ariana do povo eslavo. E não interessa que os seus autores estejam constantemente a contradizer-se uns aos outros. O que torna a propaganda eficiente não é a lógica, mas a repetição frequente. Através da reiteração constante, uma ideia torna-se alojada na consciência do público, mesmo que não exista base lógica que a apoie.[…]

[…] da mesma forma que a Alemanha era descrita nos textos nacionalistas dos tempos da república de Weimar, esta literatura descreve a Rússia como um “país heróico” e um “estado vitimizado”. Este heroísmo é descrito não em termos de acções, mas como uma qualidade intrínseca do povo russo. O motivo condutor da “Rússia como vítima de forças externas” aparece constantemente sem quaisquer causas que substanciem a alegação. A sociedade russa está animada de heroísmo auto-suficiente sem necessidade de nada. O mundo exterior é retratado como um antro de intrigas e conspirações perigosas perpetradas sem qualquer justificação. O antagonismo do mundo exterior face à Rússia é motivado por uma qualquer lei natural, fazendo com que todos os que os russos consideram “estrangeiros” sejam inimigos por definição.”

Para quem já leu o Mein Kampf, isto não parece estranhamente familiar?

O link para o artigo é: http://www.themoscowtimes.com/opinion/article/383416.html.

Vale a pena ler.

António Campos

Ítalo Tavares disse...

Acho que deverão ser filtrados somente comentários de baixo nível e com palavrões, e os comentários feitos por anônimos SEM ASSINATURA no final.

Gilberto Mucio disse...

Assino em baixo de tudo que o Antonio Campos escreveu.

Vangelis D'Megara disse...

Milhares, posso ser considerando russofilo de carteirinha desde que aprendi a falar.....não pare seu bom trabalho,em nome dos brasileiros peço desculpas sinceras pela cota de mau educados que temos....não acho q seja parcial e compreendo que perde tempo precioso com algo que deveria ser hobby é frustraste, continue o bom trabalho.
quase todo dia posta algo novo e interessante, é sem sombra de duvida um trabalho maravilhoso, desentendimento entre portugueses e brasileiros é uma coisa natural, são pessoas e as pessoas são assim mesmo.....avante cossaco, avante.^^

cdpovoaminibasket disse...

O meus caros se não estão bem têm bom remédio deixem de passar por cá e deixem o trabalho dos outros em Paz.

Anónimos deixem de ser cobardes

Democrata disse...

.

Milu disse...

Oi, José,
Estou pasma com suas considerações!Adoro seu espaço, dedicado a um país que me fascina. Te respeito muito pelo trabalho que faz. As pessoas têm que aprender a respeitar diferenças de opiniões, senão a blogsfera deixa de servir para a democratização do conhecimento. Se eu não gosto de um site ou blog, não o acesso, coisa simples!
Não desanime, José, siga em frente! Abraços
Milu