segunda-feira, outubro 19, 2009

Campanha presidencial na Ucrânia vai ser suja


A campanha para as eleições presidenciais na Ucrânia iniciou hoje no meio de vários escândalos que poderão influir nos resultados do escrutínio.
A versão modificada da lei que rege as presidenciais na Ucrânia, recentemente aprovada, reduz de 120 para 90 dias a duração da campanha eleitoral. Os cidadãos ucranianos elegerão o novo Presidente a 17 de Janeiro de 2010.
Segundo o calendário aprovado pela Comissão Eleitoral Central, a apresentação de candidatos começará a 20 de Outubro e terminará a 06 de Novembro.
A autoridade eleitoral dará por concluído o processo de registo oficial de candidatos a 13 de Novembro e os jornais oficiais publicarão a lista de pretendentes até 18 de Novembro.
As últimas sondagens dão a vitória a Victor Ianukovitch, dirigente do Partido das Regiões, mas ela não será suficiente para vencer na primeira volta. Isto porque, além do grande número de candidatos (cerca de 30 políticos manifestaram vontade de se candidatar), 20 pc dos eleitores ainda estão indecisos.
Iúlia Timochenko aparece no segundo lugar, mas os analistas esperam uma campanha eleitoral “suja”, que pode prejudicar a popularidade da actual primeira-ministra ucraniana.
O Partido das Regiões acusou três deputados do Bloco de Iúlia Timochenko de estarem implicados num caso de pedofila e vai exigir, no Parlamento, a retirada da imunidade parlamentar aos acusados.
O Bloco de Iútili Timochenko deverá responder com a proposta de levantar a imunidade parlamentar a todos os deputados, medida contra a qual protesta o Partido das Regiões.
Quanto ao actual Presidente, Victor Iuschenko, ele já anunciou a intenção de se recandidatar, mas as sondagens dão-lhe apenas 02 por cento.

10 comentários:

Jest nas Wielu disse...

Concordo, a campanha não será nada “molhe”, pois BYUT já pediu a reabertura do caso, em que “proffessor” Yanukovich formou a quadrilha, que espancou e estuprou uma cidadã. Nos anos 60 – 80, Yanukovich era um marginal na sua cidade natal, apenas o apoio maciço do Kremlin, permitiu transforma-lo em político mais ou menos aceitável.

++
O filme sobre a guerra na Geórgia

O realizador americano – finlandês Renny Harlin (dirigiu Die Hard 2 e Cliffhanger), está a filmar a história sobre a guerra na Geórgia, ocorrida em Agosto do ano passado.

O filme conta a história do jornalista americano e o seu operador da câmara, que se encontraram no território georgiano quando a guerra começou. O realizador explica que o seu filme não será contra ninguém, apenas contra a guerra. No papel principal está o actor Andy Garcia, que faz do presidente Mikael Saakashvili.

O filme ainda não tem o título definitivo, neste momento é conhecido como “Projecto sem o título do Renny Harlin / a guerra russo – georgiana” (Untitled Renny Harlin/Georgia-Russia War Project).

Jest nas Wielu disse...

Como explica (e bem) Georgy Baramidze, o vice – primeiro-ministro georgiano, o ministro para a Integração Europeia e Euro – Atlântica, as forças ligadas ao Kremlin tentarão derrotar a Ucrânia, usando os elementos subversivos dentro da Ucrânia:

http://ru.tsn.ua/ukrayina/gruziya-predupredila-chto-rossiya-poprobuet-podorvat-ukrainu-
iznutri.html

Jest nas Wielu disse...

As filmagens do comício em Tbilisi, onde 6 presidentes discursaram em apoio a Geórgia, face a agressão russa (mais a entrevista com o realizador do futuro filme “Projecto sem o título do Renny Harlin / a guerra russo – georgiana”, Renny Harlin):

http://media.interpressnews.ge/
main.php?g2_itemId=1621

Ricardo disse...

Victor Iuschenko com 2% das intenções de voto? Nossa deve ser um novo record negativo, sua política anti-rússia só prejudicou ele mesmo e seus compatriotas

Ítalo Tavares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jest nas Wielu disse...

2 Ricardo

2% de intenções de voto não significa que tem apoio de apenas 2% dos eleitores. Mas para entender isso, é preciso perceber alguma coisa da política ucraniana.

2 Ítalo

Claro, que Yanukovich não será eleito, pois as intenções de voto em Yulia Timoshenko (centro – leste), mais Arseniy Yatsenyuk (intelectuais, citadinos), mais Oleh Tyahnybok (direita da zona Ocidental), mais Viktor Yushchenko vão permitir a vitória de Yulia Timoshenko. IMHO, claro

Anónimo disse...

Pobre Ucrânia, pobre leste europeu. Assim está a região, cheia de políticos sujos. Mas a situação da Ucrânia é a pior de toda a região. Hoje conheci-me com dois ucranianos, nota-se que muitos deles estão desesperançosos com a actual situação do país.

Anónimo disse...

"Claro, que Yanukovich não será eleito"


Torço muito por vcs!


Ítalo

Jest nas Wielu disse...

2 Anónimo 16:29

As pessoas que adoram empregar as palavras do tipo “sujo”, “podre”, etc., sempre me preocupavam, pois quem tem uma queda descomunal pelo “sujo” e “podre”, não deve ser lá uma “peça” muito saudável… lol lol

Off top
A mãe alternativa do Putin

Vera Putina, uma cidadã etnicamente russa, diz que é mãe biológica do primeiro – ministro russo, Vladimir Putin e deseja fazer o teste do ADN, para provar a veracidade das suas palavras:
http://www.anticompromat.org/putinav/osepash2008.html

A realizadora holandesa, Ineke Smits, até fez o filme sobre a Vera Putina, chamado “A mãe do Putin” (em holandês “Poetins Mama”), o filme poderá ser descarregado aqui:
http://torrents.ru/forum/viewtopic.php?t=1899443

Ano: 2003
País: Holanda
Tipo: Documental
Duração: 51´51´´
Realizador: Ineke Smits
Qualidade: DVDRip
Formato: AVI
Codex vídeo: DivX
Codex audio: MP3
Vídeo: DivX 4; 720 x 576 pic; 25.000 Fr/s; 3992 kbps;
Áudio: MPEG-1 Layer 3; 48000Hz 224 kb/s; Joint Stereo;

Jest nas Wielu disse...

2 Ítalo

Obrigado, a correlação das forças actuais na Ucrânia diz que a vitória do Yanukovich é pouco provável. Ele tem o seu eleitorado cativo, cerca de 32 – 35% e não tem nenhuma margem para o crescimento. Enquanto o BYUT (Timoshenko) neste momento tem cerca de 20% e irá absorver os votos dos outros candidatos do centro – direita, ou seja: Yatsenyuk – 8 – 10 %, Oleh Tiahnybok – 3 – 5% (o seu partido chegou até 30% nas eleições legislativas na província de Ternopil), etc.