sexta-feira, outubro 30, 2009

Forte aplauso para Dmitri Medvedev

Caros leitores, publico aqui o texto colocado num dos comentários pelo leitor Italo, pois acho-o de extrema importância. Finalmente, um dirigente russo, neste caso, o Presidente Medvedev, condena inequivocamente o estalinismo.
Devo sublinhar que se trata de declarações corajosas que Medvedev fez no seu blog, visto que essa ideia vai contra a opinião de grande, se não da maior parte da população russa.
Não seria mau se estas declarações fossem também difundidas pelos canais de televisão russos e internacionais.
Também hoje se volta a falar da possibilidade de a Rússia voltar a empregar a pena de morte como castigo, mas acredito que, se Medvedev for consequente, o Kremlin não dará tal passo, pois isso significará o afastamento do seu país da Europa.

"Presidente russo ataca tentativas de reabilitar Stalin

O presidente russo, Dmitry Medvedev, atacou aqueles que tentam reabilitar a memória do ex-líder soviético Joseph Stalin em um vídeo publicado no site do Kremlin nesta sexta-feira, 30 de outubro, dia nacional em homenagem aos mortos durante o regime stalinista (1924-1953).

"Estou convencido de que a memória das tragédias nacionais é tão sagrada quanto a das vitórias. Mesmo agora, você escuta que as grandes perdas teriam sido justificadas por algum tipo de objetivo superior do Estado", disse o presidente russo.

"O desenvolvimento de nenhuma nação, seu sucesso ou ambição não pode ser atingido ao preço de perdas humanas e sofrimento."

"O dia 30 de outubro é o dia que lembra milhões de vidas arruinadas, de pessoas mortas sem julgamento ou investigações, de pessoas enviadas a campos (de trabalhos forçados, os gulags) e ao exílio, despidas de seus direitos civis. Famílias inteiras foram rotuladas de 'inimigos do povo'", afirmou."

24 comentários:

Anónimo disse...

Até o Nikita Khrushchev condenou os actos do Staline. Depois de Estatine esses horrores desapareceram da URSS.
A URSS ganhou a gerra apesar do Staline. Se estivesses gente com outra envergadura moral (mesmo que comunistas) os nazis nunca tinham cercado Stalinegrado, nem nunca chegaria a por os olhos em Moscovo.
Os méritos da vitória são do Povo e de alguns génios militares e engeheiros.

Anónimo disse...

Também gostei das declarações do presidente Medvedev.
Só falta agora banir o partido comunista .

Ítalo Tavares disse...

"Os méritos da vitória são do Povo e de alguns génios militares e engeheiros."


Eu sempre acreditei nisso e nunca neguei o caráter heróico da vitória dos soviéticos sobre os nazistas. Só que sofreu foi o povão. E no fim, foi ele (o povo) quem realmente venceu os nazistas.

Medvedev é um indivíduo que me parece ter boas intenções e uma vontade de caminhar rumo ao desenvolvimento de uma sociedade civil na Rússia.


Declaração muito correta e surpreendente!

Cristina disse...

Também fiquei bastante bem impressionada com as declarações de Medvedev. O facto de ele as ter publicado no blogue poderá significar que não tem poder suficiente para as fazer publicar nos órgãos centrais (oficiais) de informação. O JM tem razão: a sua posição vai contra a tendência dominante nos últimos anos na sociedade russa, tendência que,na minha opinião não tem origem na população em si mas nas ideias de Putin (que depois, são "adequadamente disseminadas").
Compartilho convosco uma notícia da RIA Novosti (a tradução das declarações de Medvedev pode não coincidir, mas não é isso o importante)
DMITRY MEDVEDEV: REPRESSÕES ESTALINISTAS NÃO PODEM SER JUSTIFICADA

O presidente da Federação Russa, Dmitry Medvedev, tem a certeza de que a memória sobre as tragédias nacionais é tão sagrada como a memória sobre as vitórias e é inadmissível justificar as repressões estalinistas em nome da justiça histórica, diz-se num vídeo publicado no blogue do chefe de Estado, numa gravação dedicada ao Dia da Memória das Vítimas das Repressões Políticas, celebrado a 30 de Outubro.
“...Milhões de pessoas foram mortas em resultado do terror e de acusações falsas... Mas até hoje ouvimos dizer que estas numerosas vítimas se justificam com os altos interesses do Estado. Tenho a certeza de que nenhum desenvolvimento do país, nenhuns sucessos e ambições podem ser alcançados à custa da dor e perdas humanas. Nada pode ser posto acima do valor da vida humana. As repressões não podem ser justificadas”, declarou Medvedev.
“A memória das tragédias nacionais é tão sagrada como a memória das vitórias. É sobretudo importante que os jovens tenham não apenas conhecimentos históricos, mas também formação cívica e sejam capazes de compartilhar emocionalmente uma das maiores tragédias na história da Rússia. E aqui nem tudo é simples”, destacou o presidente.
Nas suas palavras, é muito preocupante o facto de a juventude russa conhecer mal os acontecimentos trágicos dos anos passados: “Há dois anos, de acordo com uma pesquisa sociológica, quase 90% dos nossos cidadãos, jovens de 18 a 24 anos de idade, não conseguiram referir nomes de personalidades conhecidas que sofreram ou morreram naqueles anos em resultado das repressões”.
“É importante não admitir, alegando a justiça histórica, a justificação daqueles que exterminaram o seu povo”, disse o presidente.
“Mas é verdade que os crimes de Estaline não podem desvalorizar as façanhas do povo que venceu na Grande Guerra Pátria, transformou o nosso país numa grande potência industrial e elevou a nossa indústria, ciência e cultura ao nível mundial”, considera o chefe de Estado.
Medvedev considera que a maturidade da posição cívica consiste na aceitação do seu passado tal como é, na superação da indiferença e do desejo de esquecer os seus lados trágicos.
“Fora da história complexa, da história no fundo contraditória do nosso Estado não é fácil entender as raízes dos nossos problemas, as dificuldades da Rússia de hoje”, disse o presidente destacando que “ninguém além de nós resolverá os nossos problemas, guardará a memória histórica e a transmitirá às novas gerações”.

Jose Milhazes disse...

Cara Cristina, obrigado pelo teu contributo, é sempre bemvindo

anónimo russo disse...

Não compreendo, porque isso é apresentado aqui como uma sensação. Esse discurso do presidente, deve ser, foi dedicado exclusivamente ao dia das vitimas do estalinismo. Seria um grande erro pensar que a maioria ou até uma parte significativa da população da Rússia não condena Stalin, à excepção dos apoiantes dos partidos comunistas, na sua esmagadora maioria já velhos aposentados. Enfim, não foi nada de especial. Muitos dos lideres russos, inclusive Putin , eu acho, já condenararm muitas vezes o estalinismo. Só que é preciso compreender que condenar o estalinismo e dizer que a União Sovietica foi culpada pela segunda Guerra Mundial são duas coisas muito diferentes.

anónimo russo disse...

As vezes tenho a impressão de que ou alguem neste blog não compreende muito bem o que se passa realmente na Rússia, ou pensa que leitores deste blog são tolos e podem engolir tudo o que lhes for apresentado.

anónimo russo disse...

Cristina disse...

"Também fiquei bastante bem impressionada com as declarações de Medvedev. O facto de ele as ter publicado no blogue poderá significar que não tem poder suficiente para as fazer publicar nos órgãos centrais (oficiais) de informação. O JM tem razão: a sua posição vai contra a tendência dominante nos últimos anos na sociedade russa, tendência que,na minha opinião não tem origem na população em si mas nas ideias de Putin (que depois, são "adequadamente disseminadas")."

De maneira nenhuma posso concordar consigo. Se voces realmente pensam que as coisas são assim como voces escrevem, só posso ter pena de voces como de especialestas na Rússia. Digo-lhes mais: se Putin algum dia tivesse declarado o seu apoio ao estalinismo, perderia logo grande parte do apoio da população, eu acho. Uma das coisas por que Putin tinha tanta popularidade foi a sua capacidade de responder dum modo bastante original á hipocrisia de algumas forças politicas do estrangeiro que vinham com os seus moralismos hipocritas.
Quanto à declaração de Medvedev:
1. Não tenho a certeza de que não foi mostrada nos canais centrais televisivos (e aínda vai ser repetida nos programas de domingo)
2. Repito, não é nenhuma sensação na Rússia, onde o estalinismo já foi condenado e recondenado milhares de vezes.

António Campos disse...

Nos tempos mais recentes, temos assistido a uma série de “aberturas” da parte de Medvedev em matéria de sociedade civil, liberdades, direitos humanos e críticas ao actual sistema (do qual aliás ele tem sido parte integrante praticamente desde o seu início). No entanto, as suas acções não têm vindo a ser compatíveis com a sua retórica. Basta ouvirmos a sua posição relativa à maciça fraude eleitoral para termos sérias dúvidas quanto à sua sinceridade.

Até que se veja alguma coisa de concreto, será interessante seguir o desenrolar dos factos subjacentes a uma notícia que saiu no dia 26/10 no website EUObserver, segundo a qual a agência RIA Novosti terá contratado uma agência de Relações Públicas para montar uma série de campanhas destinadas a melhorar a imagem da Rússia, a justificar as suas ambições de grande potência e a melhorar internacionalmente a imagem do estalinismo antes e depois da segunda guerra mundial.

Segundo esta publicação, “Em Setembro, um agente da RJI Companies em Bruxelas contratou uma importante empresa de RP, dizendo que o objectivo do segundo contrato seria ajudar a retratar a Rússia como uma grande potência benigna, com o direito de negociar com entidades tais como os Estados Unidos, a China e a União Europeia em matéria de segurança global e energia.

O mesmo acrescentou que parte do esforço de RP seria o de projectar uma luz positiva sobre as acções da União Soviética antes e depois da Segunda Guerra Mundial, com vista a justificar a ideia de que a Rússia moderna deverá também impor a sua influência nos países vizinhos, para o bem do mundo.

Um executivo da empresa de RP recordou uma conversa em particular com o enviado da RJI Companies: “Perguntei-lhe: “Querem que digamos que o Estaline afinal não foi tão mau assim?” E ele respondeu: “Bem, sei que será difícil”. Eu então disse: “Portanto, pretendem reescrever a História?” E a sua resposta foi: “Sim, de certa forma”.

http://euobserver.com/?aid=28883

A agência RIA Novosti apressou-se a negar, no seu próprio website, as alegações do artigo em causa.

http://en.rian.ru/russia/20091030/156650177.html

António Campos

anónimo russo disse...

António Campos,

1. Só quem pouco conhece a mentalidade dos russos (inclusive dos lideres) pode inventar esse devaneio sobre o desejo de "reescrever a história" e melhorar a imagem do Stalin. Na Rússia desde a época de Khrushév não existe discussóes sobre este assunto: Stalin foi reconhecido um tirano e o assunto foi encerrado. Só uma pequena parte da população, na esmagadora maioria velhos aposentados, são estalinistas (mesmo nem todos os comunistas). Mas, como já disse, existe uma grande diferença entre a condenação do estalinismo e a equiparação da União Sovietica com Alemanhã nazi. Se não fosse o povo da União Sovietica, ainda não se sabe o que seria hoje da Europa e até do mundo. Para maioria dos russos tais comparações são um insulto e uma enorme hipocrisia. Cada um aqui tem antepassados que participaram na guerra, muitos morreram.

2. Por mais que isso doa a alguns, a Rússia, sem nenhum RP, já é um pais sem o qual não podem ser resolvidos muitos dos assuntos na Eurásia e até no mundo. Seria uma ingenuidade engraçada pensar realmente que a Rússia precisa de alguma rp-campanha para poder conversar com alguns EUA ou China.

3. Não paro de admirar a russofobia de alguns senhores que vivem na Belorússia (sabem, que a Belorússia e Rússia são hoje paises diferentes?) e, pelos vistos, não sabem respeitar a terra para onde as vezes vão.

anónimo russo disse...

Por sinal, em nenhum dos filmes sobre aqueles anos (alem dos velhos filmes sovieticos) Stalin não é apresentado como uma personagem positiva, basta só ver a televisão russa de vez em quando. Tambem, produzem-se inúmeros documentários na nossa televisão, onde se investiga a história das repressóes e da vida em geral naqueles anos etc. Muitos deles de boa qualidade, na minha opinião.

Pippo disse...

E isso é de causar espanto, ACampos? Todos os Estados fazem o mesmo com a sua História.

Para nós, a época das Descobertas e do Império foi gloriosa, fantástica, "demos novos Mundos ao Mundo", e essa prosápia toda. Mas para os muçulmanos, nós éramos uns piratas assassinos (e infiéis). Para o brasileiro vulgar, nós fomos uns ladrões do ouro "brasileiro" (!) e uns violadores de índias inocentes.
Cada qual vê a História como quer ou como lhe interessa, não como ela foi.

Outros exemplos. Os nossos amigos norte-americanos também brincam com a sua História, a começar pela que fala dos primórdios da colonização e da Guerra da Independência.

Toda a gente já houviu falar da Pocahontas (até aparece nos desenhos animados) e do Dia de Acção de Graças (Thanksgiving Day), nos quais se retrata uma sociedade idílica, onde há paz e harmonia entre brancos e índios, etc. Já a Guerra do Rei Filipe (King Philip's War) não é muito referida... Estatísticamente, foi uma das guerras mais violentas a ter lugar na América do Norte, por isso não fica bem falar destas coisas.

Quanto à Guerra da Independência, a História oficial opõe os "patriotas" aos ingleses e seus mercenários hessianos. Nunca se diz que os "patriotas" não constituiam a maioria da população e que cerca de 1/5 apoiava os ingleses, ou que a revolução começou por questões de impostos, e não por questões de patriotismo ou de igualitarismos (igualitarismo esse que nunca foi extensível a índios e pretos, e só o era a católicos, judeus e afins, com certeza, muito a contra-gosto de boa parte da população puritana).

Mais perto da nossa era, lembram-se dos anos 90 da Jugoslávia e como os média ocidentais apresentavam invariavelmente os sérvios como um bando de assassinos nacionalista-comunista, e os croatas e bosníacos como gente pacífica que lutava pela liberdade e democracia? Pois bem, tudo isso foi feito através de agências de RP contratadas por potências ocidentais. Todas essas manobras de propaganda tiveram como objectivo alterar a verdade para nos apresentar as imagens e as informações que nós deveríamos ver, e não aquelas que eram a verdade.

Tudo isso feito pelos europeus e norte-americanos, conhecido, documentado e divulgado (por Carlos Santos Pereira, por exemplo).

Portanto, o que é que os russos têm assim de tão especial? Querem alterar a sua História? Na minha opinião (porque gosto da História), eles fazem mal, mas na verdade não estarão a fazer mais do que os outros todos.
Que se divirtam.

Anónimo disse...

"Joseph Stalin, the Secretary General of the Communist Party of the Soviet Union (1922-1953), was nominated for the Nobel Peace Prize in 1945 and 1948 for his efforts to end World War II."

Fonte: http://nobelprize.org/nobel_prizes/peace/shortfacts.html

E esta, hein?
Ana

Inácio Cristiano disse...

Só para recordar aos inumeros anónimos russos que por aqui aparecem a louvar 'A Mãe Russia' que os opinantes portugueses, na sua totalidade não confundem a qualidade da matriz do glorioso povo russo com as consequências e politicas que decorreram das mentes desumanas dos acólitos e servos do 'Pai da URSS' ou seja dos títeres do execrável tirano Stalin.
Ao contrário da vocação do povo russo, o lugar de Stalin é no caixote do lixo da História Mundial.

anónimo russo disse...

Acabo de ver o noticiário final da semana no canal 1 da televisão russa, o programa "Vremia". As comemorações das vitimas das repressões foram o tema principal da primeira parte do pregrama, a primeira notícia. Foi mostrada a gravação do blog de Medvedev e repetidas as palavras dele. Uns 20 minutos no total foram dedicados a esse tema. Por isso quero pedir antes de opinar ou construir algumas teorías conspirológicas, pelo menos ver a televisão russa.

Pippo disse...

"Ao contrário da vocação do povo russo, o lugar de Stalin é no caixote do lixo da História Mundial."

Pelo contrário, Inácio, pelo contrário. É um dos personagens do qual nos deveremos lembrar sempre, a par de Hitler, Mao, Pol Pot e outros assassinos de alto nível.

Anónimo disse...

Santo de pau carunchoso este Medvedev. Quem não o conece que o compre. Que se confesse dos pecados que tem. Stalin, ao menos, não era hipócrita.

Anónimo disse...

Anónimo russo.
você ainda não entendeu que este blog é anti Putin e pro Medvedev?Se perceber isso,entende o que por aqui vai.

Jest nas Wielu disse...

Obviamente estamos perante a luta (ou se calhar, apenas a sua imitação) entre a linha do Putin (abertamente pró – estalinista) e a do Medvedev, um pouco mais soft.

anónimo russo disse...

Jest nas Wielu disse...

"Obviamente estamos perante a luta (ou se calhar, apenas a sua imitação) entre a linha do Putin (abertamente pró – estalinista) e a do Medvedev, um pouco mais soft."

Chega de mentiras, está bem? Não confunde pessoas normais. Vai levantar a Ucrània ocidental. Eu sei que é dificil superar os complexos, mas pelo menos tenta.

Gilberto Mucio disse...

Nao tem quem tire da minha cabeca que tudo isso nao passa de jogo de cena. Medvedev e Putin brincam de ''policial bom x policial mau''(good cop x bad cop), depois sentam juntos as gargalhadas. Gostaria de estar errado.

Anónimo disse...

A saber: sacrifício de vidas humanas resulta a um país futuro promissor. Exemplo, os USA, o Japão, a China, a Europa, Cuba, Russia, etc. Medvedev não quer relembrar o passado e muito menos apostar nele, mas terá como base o exemplo. Ok, meu caro JM? Abraço.

Jest nas Wielu disse...

2 Anónimo russo 17:16

Camarada, não sei qual é a sua necessidade de confundir “mentira” com a “opinião”? Tantos anos após a queda do murro e ainda querem olhar para a boca do Chefe para saber o que é hoje a “mentira” e o que é a “verdade” (pois a mentira de hoje poderá ser proclamada como a verdade de amanha e vice – versa).

Pfr, saltem o murro e aprendem assinar as suas “verdades”? lol

anónimo russo disse...

Jest nas Wielu disse...
2 Anónimo russo 17:16

"Camarada, não sei qual é a sua necessidade de confundir “mentira” com a “opinião”? Tantos anos após a queda do murro e ainda querem olhar para a boca do Chefe para saber o que é hoje a “mentira” e o que é a “verdade” (pois a mentira de hoje poderá ser proclamada como a verdade de amanha e vice – versa).

Pfr, saltem o murro e aprendem assinar as suas “verdades”? lol"

Nem tenho a vontade de responder.