domingo, novembro 22, 2009

Presidente azeri ameaça iniciar nova guerra por Nagorno-Karabakh

O Presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, ameaçou recorrer à força para reaver o território de Nagorno-Karabakh caso não chegue a um acordo com o seu homólogo arménio num encontro marcado para Domingo.
“Se esse encontro terminar sem resultados, as nossas esperanças nas conversações esgotar-se-ão e, nesse caso, não nos resta outra via. E nós devemos estar prontos para isso”, declarou Aliev, citado pela agência Interfax.
“Claro que o trabalho feito no campo militar, nos últimos anos, tem o seu objectivo. Gastamos milhares de milhões, compramos novos armamentos, reforçamos as nossas posições na linha de contacto. Fazemos isso porque nunca excluímos essa possibilidade. Temos todo o direito de libertar o território por via militar. As leis internacionais dão-nos esse direito”, acrescentou.
O Presidente azeri assinalou que as conversações sobre Nagorno-Karabakh não deram resultado e, por isso, a cimeira de amanhã, que se irá realizar em Munique, deverá ser decisiva.
O conflito em torno de Nagorno-Karabakh, enclave em território azeri onde a maioria população é arménia, começou em 1998, quando os seus dirigentes declararam a saída da República Socialista Soviética do Azerbaijão e a adesão à Arménia. Essa decisão provocou uma guerra entre essas duas repúblicas da União Soviética.
A 10 de Dezembro de 1991, 99,89 por cento da população de Nagorno-Karabakh votou, num referendo especialmente preparado para o efeito, a favor da separação do Azerbaijão. Esse passo atiçou ainda mais o conflito, que terminou com a derrota das tropas azeris: os arménios de Nagorno-Karabakh passaram não só a controlar esse território, mas conquistaram um corredor que o liga à Arménia.
O conflito entre arménios e azeris, que foi congelado com a assinatura de um armistício em 1994, provocou mais de 15 mil mortos e cerca de um milhão de refugiados.
Este é um dos mais antigos conflitos provocados pela desintegração da URSS. Desde 1992 que o chamado Grupo de Minsk da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, constituído pelos Estados Unidos, Rússia e França, tem tentado conseguir um acordo entre o Azerbaijão e Arménia, mas sem êxito.
Baku insiste na libertação dos territórios ocupados pelos arménios e o regresso dos refugiados, deixando para depois disso a definição do estatuto de Nagorno-Karabakh. A Arménia, pelo seu lado, apoia as pretensões separatistas dos dirigentes dessa região.

24 comentários:

eleuterio disse...

O Caucaso em ebulição.
De onde vem, de repente, esta força do Azerbaijão?
De origem turca, muçulmanos, na proximdade de Dagestan, Ingucnetia e Irão, quem lhes dá força?
E quem está à altura da responsabilidade de um conflito na zona?
Falava-se muito de uma desestabilização do Caucaso norte este ultimo verão, implicando reactivação da actividade das milicias da tchetchnia e inguchetia, de forma a permitir e justificar a presença militar norte-americana e de forma a aproximá-los do irão pelo norte. Mas isso terá sido no tempo do Bush. E agora?

Jest nas Wielu disse...

Ao meu ver, a posição do Baku significa o enfraquecimento das posições russas na região, alias, como também na Ásia Central:

Na capital de Uzbequistão demoliram a igreja ortodoxa do século XIX:
http://www.gazeta.ru/news/lenta
/2009/11/22/n_1427399.shtml

e foi desmontado o parque militar das glórias soviéticas:
http://lenta.ru/news/2009/11/22/park

será que tudo foi por culpa e ao mando do Washington D.C.?

Anónimo disse...

Não do Irão, pois este até apoia a Arménia. A força do Azerbaijão provém do apoio recebido da Turquia, dos EUA, de Israel e, claro, da Ucrânia. Os dividendos do oleoduto Baku-Ceyan ajudam o Azerbeijão a ter um orçamento para a defesa muito superior ao do da Arménia.

Em compensação, a Arménia tem os russos instalados no seu território, e não seria do interesse destes deixar cair um seu aliado.

anderson caetano disse...

Estou num blog show, é maravilhoso também convido a participar do meu blog que e http://andersonoradialista.blogspot.com
Deixe o seu comentário. abraços

Pippo disse...

Desde a derrota na guerra do Alto Karabakh que o Azerbeijão tem vindo a rearmar-se. Os seus aliados parecem ser sempre aqueles que se opõe à Russia e, curiosamente, os mesmo que estiveram do lado da Geórgia: Turquia, Ucrânia e Israel, com uma mãozinha (inclusive política) dos EUA. Da parte turca isso está intimamente ligado à turcidade dos azeris; da parte de Israel, presumo que isso esteja ligado a um apoio por procuração dos EUA; e da parte da Ucrânia, penso que nem é preciso dizer nada.
Tudo isto, claro, ligado aos oleodutos e gasodutos que, contornando a Rússia, irão abastecer os "Ocidente" (leia-se, EUA).

O facto é que o orçamento de defeza azeri excede em muito o da Arménia, o seu equipamento também excede o arménio, e o seu nível de treino (com o apoio turco) tem melhorado imenso. O que pode não querer dizer nada numa guerra ofensiva em zona montanhosa contra um país com apoios russo in loco.

Anónimo disse...

Na boa Jest nas Wielu...

Desencana dessa paronia contra a Rússia.Tem coisas a criticar, tem, mas não ao ponto de como vc pinta.

Pippo disse...

É com pena que vejo noticiada a demolição da antiga igreja ortodoxa de Tashkent.
É certo que as autoridades movem uma perseguição às igrejas (sobretudo evangélicas) no país.
Neste caso, todavia, trata-se da demolição de um edifício histórico o qual foi dessacralizado na era soviética e passou a ser a sede de um banco após a independência do país.
Não obstante, a mim, enquanto cristão, causa-me angústia ver edifícios desses deixarem de ter a função para o qual foram construídos e, finalmente, serem arrasados. Penso que os ortodoxos do Uzbequistão deveriam ter pugnado por devolver a velha igreja à sua glória original.

Pippo disse...

Já agora, a notícia da destruição da igreja aqui:

http://www.uznews.net/news_single.php?lng=en&sub=usual&cid=8&nid=12097

Jest nas Wielu disse...

2 Anónimo 14:55

Não pinto nada, nem sequer sou pintor, proporcionei aos leitores deste blogue 2 links úteis sobre as matérias do interesse do nosso debate habitual. Caso sabe ler russo, leia, pfr, caso não sabe, poderá usar um tradutor automático.

O José Milhazes tocou o ponto central do assunto, quando os ucranianos & estónios demolem as glórias soviéticas, logo estamos ouvir o coro de uivos sobre “nazismo-fascismo”, “NATO às nossas portas”, “vamos –lhes cortar o gás” e por ai fora. Quando isso acontece na China ou na Ásia Central o Kremlin faz de conta que não aconteceu nada e os “cães de guarda” (nashistas, a “Jovem Guarda” e outros trintões putlerianos) ficam quietos, também não fazem nada.

Na URSS isso se chamava “vacilar, apenas consoante a linha geral do partido” lol

Francisco Castelo Branco disse...

Tenho pena dos Arménios.

Já sofreram demasiado na História.

E agora os Azeris...

Ainda por cima com um país tão grande...

Anónimo disse...

Quais foram, concretamente, as glórias soviéticas que os uzbeques e os chineses demoliram?

Constantino disse...

To Jest:

"proporcionei aos leitores deste blogue 2 links úteis sobre as matérias do interesse do nosso debate habitual." Quais links? Sobre a igreja (que já não o era desde os anos 20) e sobre as estátuas?

O que é que isso tem a ver com o tema "Presidente azeri ameaça iniciar nova guerra por Nagorno-Karabakh"?

Continuamos a ser o rei dos "off topic", não é?

Vamos directos à questão: qual é o interesse da Ucrânia em armar os azeris contra os arménios?

Jest nas Wielu disse...

2 Constantino

Como já disse vezes sem conta, este não é o seu blogue, como tal as regras são determinadas não por Constantino, mas pelo José Milhazes.

Directo ao assunto, a) não sou porta – voz da Ucrânia lol b) se é que refere algumas vendas do armamento, vendemos as armas à quem tem vontade de comprar & meios de pagar. Quem não tem, faz as perguntas directas lol

Anónimo disse...

É interessante como a Guerra Fria continua e existir.
Sempre achei que as guerras nunca se travam por razões ideológicas ou religiosas. Apenas é só por recursos, por dominação económica. Nada Mais.
A Rússia tenta conter o ímpeto das elites ocidentais na região, mas está cada vez mais cercada. Mas atenção que um animal encurralado pode morder. E a Rússia já provou que que quando é para andar á porrada é a sério. Portanto esses Azeris que olhem para a Geórgia.

anónimo russo disse...

Arménia é membro da ODKB, organização militar para defeza da possivel agressão externa, terrorismo etc, criada pela Rússia, Belorússia, Kazaquistão e Arménia. È um pequeno análogo da NATO no espaço pos-sovietico. Por isso as palavras dos líderes azeri são apenas palavras. Seria interessante ver Azerbaijão num conflito contra um país, apoiado pela Rússia, inclusive militarmente.

anónimo russo disse...

Amigos, esse Jest é um ultra-nacionalista ucrãniano-ocidental, adorador de bandera e outros colaboradores da SS nazi. Por isso é escusado tentar conversar com ele como com uma pessoa razoavel. Mas o mais engraçado é que, pelos vistos, para o sr, Milhazes ele é sempre bem-vindo neste blog com os seus off-topics eternos.

Ítalo Tavares disse...

"Vamos directos à questão: qual é o interesse da Ucrânia em armar os azeris contra os arménios?"


Ora Constantino, isso é muito simples!


Proporcionar uma logística melhor para a futura invasão dos venusianos e marcianos!


Quem governará será Papai Noel, em coalião com Bandera!

Sérgio disse...

Lá está o anonimo Russo a armar-se, a tipica fanfarronice Russa!!! E ainda há deste lado quem defenda estes tipos!!!

Sérgio disse...

E quer coagir o sr. Milhazes a calar o Jest, ó caro anonimo Russo isto por aqui não é a Russia, não se cala ninguem só porque fere a susceptibilidade de um anonimo Russo. Mantenha-se ai na sua terrinha bem quietinho e caladinho ou não, olhe faça por aí o que lhe der na gana, não queira é mandar no resto do mundo.

Jest nas Wielu disse...

Obrigado Sérgio,

Mas os nossos oponentes são assim mesmo, após transformar o seu próprio país em uma prisão, tentam fazer do resto do mundo uma grande zona neo – estalinista.

2 Anónimo russo 12:26

Não sei da onde tirou a ideia do que gosto de Stalin, o homem que secretamente colaborou com o 3º Reich entre 1933 e 1939 e abertamente entre 1939 e 1941. Não conheço o maior colaborador dos nazis na Europa Central e do Leste! lol

anónimo russo disse...

Por sinal, depois de ver as notícias na televisão, não entendo a causa do barulho. O presidente azeri estava hoje na Rússia a inaugurar uma ponte estratégica junto com Medvedev. A ponte, que começou a ser construida depois do projeto ter sido aprovado pelo pai do atual presidente azeri Geidar Aliev que ocupava cargos importantes no governo da União Soviética (inclusive foi diretor do KGB do Azerbaijão) e depois se tornou o primeiro presidente do Azerbaijão. Enternecido (porque junto da ponte foi inaugurado o menumento em honra a Geidar Aliev), o atual presidente azeri agradecia Medvedev pelo convite etc. Não, Ilham Aliev não parece nada um devorador de gravatas (Saakaschvilli), por isso duvido muito que haja uma guerra.

anónimo russo disse...

Sérgio disse...

"E quer coagir o sr. Milhazes a calar o Jest, ó caro anonimo Russo isto por aqui não é a Russia, não se cala ninguem só porque fere a susceptibilidade de um anonimo Russo. Mantenha-se ai na sua terrinha bem quietinho e caladinho ou não, olhe faça por aí o que lhe der na gana, não queira é mandar no resto do mundo."



Um novo ataque de adolescentes desequilibrados que nem sequer estiveram uma vez na Rússia? Tome o seu remédio e vá para a cama. Ninguem pretende mandar no seu "resto do mundo", ou nos restos do seu internet-mundo inflamado.

Sérgio disse...

Pois é, agora é que o anonimo Russo me desacreditou, nunca estive na Russia diz autoritariamente. Olhe lá, mantem os velhos hábitos ou não, está com a sua cervejinha ao seu lado?

Anónimo disse...

Espero que se acontecer uma guerra, os armênios ganhem Nagono-Karabá para sempre.