domingo, março 14, 2010

Contributo para História de Portugal - 1



Peripécias do monge agostiniano Nicolau de Melo no Reino da Moscóvia

A impressionante extensão do Padroado Português do Oriente e os complexos interesses europeus nele interlaçados, por um lado, e o avanço do Império Russo a zonas tão longínquas como a Sibéria e o Extremo Oriente, por outro lado, abriram terreno a contactos mais intensos e significativos.
A presença de missionários portugueses na corte persa do xã Abbâs I no início do séc. XVII (sobretudo de agostinianos e carmelitas), os interesses portugueses no Golfo Pérsico e a perspectiva de evangelização dos vastos territórios da Pérsia, nos quais se incluiam então alguns povos há muito cristãos (Arménios, Georgianos), estimularam os contactos com a vizinha Moscóvia.
Por incumbência do monarca persa, da Santa Sé ou do seu rei, Filipe III de Espanha e Portugal, o agostiniano Nicolau de Melo e o franciscano Afonso Cordeiro e, mais tarde, o ex-jesuíta Francisco da Costa e o militar Diogo de Miranda Henriques e outros missionários passaram pela corte dos czares de Moscovo, desempenhando uma série de missões.
De entre todos estes portugueses, é de salientar a figura do frade agostiniano Nicolau de Melo, cuja passagem pelo Reino da Moscóvia está ligada às mais incríveis peripécias. Deve desde já assinalar-se que um dos principais factores que para isso contribuiu foi o facto de a Rússia viver, nessa época, o Smutnoe Vremia (Tempo de Convulsões), período de golpes palacianos e guerras que se estendeu desde a morte do Ivan o Terrível, em 1584, atè à eleição do czar Alexei Mikhailovitch, o primeiro da casa dos Romanov, em 1613.
No início do séc. XVII, Nicolau de Melo regressava a Portugal do Oriente, mas como perdera o barco que o deveria transportar de Goa para Lisboa, decidiu realizar a longa travessia através da Pérsia, Rússia e Europa, fazendo-se acompanhar de um outro Nicolau, um dos primeiros sacerdotes católicos japoneses.
A princípio, tudo correu bem a Nicolau de Melo e ao seu companheiro de viagem. Na Pérsia, foram recebidos com hospitalidade pelo xã Abbâs I, visto que os padres católicos lhe poderiam ser úteis na embaixada que pretendia enviar à Europa para encontrar aliados cristãos na luta contra os turcos. O padre Nicolau foi mesmo encarregado de levar uma carta para o rei de Espanha e Portugal .
Na embaixada participava também o inglês Anthony Sherley, que ocupava um lugar de relevo na corte persa e olhava com maus olhos para a concorrência do padre português, acusando-o de atitudes incorrectas e não escondendo as divergências com ele.
Juan da Pérsia, nome do embaixador persa depois de se ter convertido ao catolicismo e ficado em Espanha, dá outra explicação, nas suas memórias acima já citadas, para as divergências entre Nicolau Melo e o inglês: “o monge [Nicolau Melo] disse-nos que tinha emprestado a dom António [Sherley] mil tchervontsev (moeda russa) e 90 pequenos brilhantes e, quando exigiu a sua devolução, o último quis assassiná-lo”. (continua)

15 comentários:

Cronista-Mor disse...

Muito interessante. Mas mais interessante ainda são as Novissimas Cartas de uma Freira Portuguesa, acerca da Moscóvia e da Lissapona, com dedicatória ao Czar e censura do Regente. Um grande contributo histórico acerca das fraternas relações etre Portugal e a Rússia contendo descrição apurada da situação interna de ambas nações,obra magifica que poucos conhecem. Por enquanto.

Jose Milhazes disse...

Caro leitor, não conheço essa obra, mas gostaria de conhecê-la. Onde foi publicada a obra?

ALONE HUNTER disse...

Ora, vamos falar sério... Portugal foi um fracasso no período de colonização!!!

Este artigo aí foi mais patriótico do que devia! Portugal caiu, perdeu o Brasil, perdeu Moçambique, perdeu Guiné Bissau, perdeu a cidade de Macau... Mais isso depois de ter saqueado todos estes países... Estupraram indios, sequestraram negros na África para trabalhar igual boi, destruiram o meio ambiente, á troco de que?

Olhem para Portugal hoje? Qual a importância de Portugal no mundo hoje? Pra mim, sinceramente, estariamos muito melhor hoje em dia se tivessemos sido colonizados pelos espanhois!!!

É simplesmente por isso que nossos vizinhos aqui nos odeiam!!! Toda a América Latina fala espanhol, menos o Brasil!!!

Existe CNN em portugues? Existe algum ator ou cantor de expressão que cante em portugues?

Todas as glórias conquistadas por um país de lingua portuguesa foram conquistadas pelo Brasil!!!

O Brasil carrega na costa o fardo de falar portugues!!!

Cristina disse...

Leitor Alone Hunter
Quem é que tem culpa do seu complexo de inferioridade? Ter-lhe-ia acontecido alguma coisa na infância?

Olhe, eu estou orgulhosa de muitas coisas que os portugueses fizeram ao longo dos séculos (como todos os povos, também fizeram coisas menos boas).
Não lhe parece que isso dos portugueses terem sido maus colonizadores é um cliché? Talvez gostasse mais de viver na África do Sul, ou na Colômbia, países colonizados por outros europeus?
Depois de conviver com muitos estrangeiros, acho que os portugueses (e também os brasileiros, parcialmente seus herdeiros) não são dos povos piores do mundo, possuem duas características que agradam a quem nos visita: o humanismo (fraco militarismo), a tolerância étnica, religiosa, e a capacidade de adaptação a outras culturas.
Por isso, não desvalorize as suas raízes!
O orgulho de um povo (neste caso, o brasileiro) começa quando os cidadãos gostam do seu país! Acho que o Brasil tem muitas razões de estar orgulhoso do que construiu!

Anónimo disse...

Cronista-Mor, hoje vem no DN que vão ser leiloadas as cartas da mulher de Napoleão.Que coincidência!

Pippo disse...

Alone Hunter, já lhe dei uma ensaboadela da outra vez mas parece que o vc é duro de cabeça e ainda não entendeu.

Em primeiro lugar, aprenda História. Largue esses manuais escolares de favela que distribuem nas vossas escolas - e eu sei do que falo pois já os li! - e aprenda História A SÉRIO, com sentido crítico e sem ser com clichés (chavões) complexados de baixa categoria.

Quanto a isso de escravatura, pois fique sabendo que nós, os portugueses, increvemo-nos numa longuíssima lista de esclavagistas que incluem romanos, árabes (os principais escravizadores de negros, caso já se tenha esquecido), franceses, ingleses, etc. Mas Portugal deixou de deter o Brasil em 1822 e... quanto tempo mais é que vocês - vocês, não os portugueses! - precisaram para abolir a escravatura? 77 anos!!! Por isso, não venha deitar as culpas em cima de nós, pois vocês continuaram com a escravatura décadas depois de nós a termos abolido.

Depois de 1822, os brasileiros - os brasileiros, não os portugueses! - continuaram a matar índios e a destruir a Amazónia. Quem é que fez a Serra Pelada, esse atentado ecológico? Os brasileiros! Quem é que continua, hoje em dia, a reduzir a Amazónia, 47% da qual está sujeita a pressão humana e 17% da qual já dasapareceu? Quem é que quer aumentar em 150% o limite legal para desflorestamento nas fazendas da Amazónia? Quem é que destruiu o Mato Grosso para fazer monstruosas plantações de SOJA? Os brasileiros!
Quem aprende factos concretos, e não "fatos" do "diz-que-disse" de gente sem instrução, sabe destas coisas.

E se a si a língua portuguesa lhe é um fardo, então use o seu livre arbítrio, adopte outra língua e deixe de ser parvo, que é isso que vc demonstra ser!

MSantos disse...

Caro ALONE HUNTER

Poderá ter aqui alguns links de interesse e que poderão ajudá-lo a resolver o seu problema:

http://www.espanholgratis.net/

http://www.babelmundo.com.pt/
espanhol/cursos/index.html

http://www.espanholpod.com.br/web/
default1.asp

Estes foram só os que encontrei mas existem muitos mais.

Un saludo
Manuel Santos

Anónimo disse...

não, por favor, deixem o "Alone Hunter" falar, é um caso de estudo importante para quem duvida que o QI baixo e a miscigenação racial não têm relação directa.

Cristina, isso é falso, os Portuguêses não são tolerantes à mistura racial nem nunca foram, simplesmente o país não tinha população suficiente para povoar o Brasil e por isso ocorreu a mistura racial, devido a isso, o Brasil estará perpétuamente e irremediavelmente perdido como nação viável.

ao contrário do que vos ensinam nas escolas brasileiras, existem raças humanas com maior génio, e a diminuição do rácio da população branca do Brasil vai sair muito caro ao país.

Leia um livro de philip rushton sobre a relação entre raça/inteligência e vai perceber o que quero dizer

ALONE HUNTER disse...

Caros!!!!

Obrigado pelos elogios... Isso só reafirma que o que eu falo é a mais pura verdade!!!

Abraços á todos!

Pippo disse...

Já agora, Alone Hunter, vamos lá ver umas quantas questões que você apontou que são interessantes:

"Pra mim (...) estariamos muito melhor hoje em dia se tivessemos sido colonizados pelos espanhois!!!"

Expllique-me lá porquê. Será porque a narco-Colômbia, o narco-México ou as bolivarianas Venezuela e Bolívia são melhor exemplo de colonização? São melhores países do que o Brasil? São mais desenvolvidos?

E já agora, que outros excelente exemplo de colonização não lusa temos por aí? O Zaire, talvez, colonizado pelos belgas? Ou a a Nigéria, colonizada pelos ingleses? Talvez o super desenvolvido Haiti, colonizado pelos franceses...

E é curioso que diga que os vossos "vizinhos aqui" vos "odeiam". Será que é mesmo por vocês não falarem espanhol? É interessante porque conheço muitos latino-americanos (incluindo argentinos) e nunca houvi da parte deles qualquer "piada de brasileiro". Mas de brasileiros já ouvi muita "piada de argentino" (e de português!). Portanto, se vos odeiam, se calhar é porque vocês não têm respeito pelos outros.

Mas olhe, tomando o conselho do MSantos, se tem tanta vontade em não ser odiado, de certeza que em Itaparinga Mirim deve haver um qualquer Instituto Cervantes. Vá lá, aprenda espanhol e torne-se um cidadão latino-americano de direito pleno. E aproveite e aprenda História, que sempre dá jeito.

Jest nas Wielu disse...

Até dá o puro prazer de ver como os adoradores europeus da Rússia “descascam” (e com toda a razão, tenho que reconhecer isso), o seu camarada latino – americano. Apenas uma questão, se o rapaz é tão inculto em questões da história Portugal – Brasil, como ele poder opinar sobre a Europa Central?

Ou para dizer mal da Geórgia / Ucrânia / Polónia qualquer um vale?

p.s.
Filipe, infelizmente, quando falas sobre a Ucrânia também usas muito esta táctica de "diz-que-disse" e “clichés (chavões) de baixa categoria”.

Pippo disse...

Nem por isso, Afric Dymon. Na verdade, até tenho informações em primeira mão proveniente de ucranianos, como bem sabes.

Jest nas Wielu disse...

2 Pippo – Filipe

Essa de “bem sabes” he-he, se encaixa perfeitamente no conceito de "diz-que-disse", obviamente que não sei, pois nunca vi na vida real, nem conversei pessoalmente com nenhum ucraniano(a) dos seus contactos. Lembro que mencionaste uma vez “uma moça de Ternopil”, como calculas isso é bastante vago.

Em Portugal existem duas associações centrais de ucranianos: www.spilka.pt e http://sobor.colocall.com/pt/holodomor/ucranianos/ e é para lá que podes dirigir-se para tirar as suas duvidas sobre a Ucrânia.
E na Assembleia Municipal de Lisboa (AML), ninguém é melhor para tirar as suas duvidas sobre a Ucrânia do que a deputada luso – ucraniana Aline Gallash Hall (PPM).

Pippo disse...

Aaaah, então para tirar dúvidas acerca da Ucrânia (quais, já agora?), tenho de ir a associações??? Ou tenho de falar com membros da Assembleia Municipal de Lisboa??? Que giro...
E porque não falar com as pessoas que eu conheço? Estão ali à mão.

E já agora, isto tem a ver com conhecimentos de português, o "diz-que-disse" é a expressão brasileira que significa "boato". O boato é uma "informação" com origem desconhecida, em terceiros, sem possibilidade de contraditório, o que não condiz minimamente com as que eu obtenho, as quais são em primeira mão.
Aliás, as informações que o Jest veicula, provenientes de blogs (e não se sites oficiais) também são boatos.
Não tenho culpa que não conheçamos as mesmas pessoas.

Por fim, a moça chama-se Aline GALLASCH Hall, tem 35 aninhos, nasceu no Brasil e mora na Póvoa de Santo Adrião. Temos amigos em comum (azarito! Ou como se diz por cá, "tarde piaste!") Quer o nº de telefone? Se pedir com jeitinho talvez de arranje... :O)

Aline disse...

Por acaso, não tenho 35 ainda...e "moça" não é forma de tratamento.
Não me parece, Pippo, seja lá você quem for, que deva dizer onde moro ou deixo de morar, onde nasci, o que faço ou deixo de fazer.
Sou portuguesa, de ascendência ucraniana, faço muito pela comunidade em Portugal, e no que puder ajudar e esclarecer, fá-lo-ei com gosto.
Quanto ao meu nº de telemóvel, provavelmente não terá o meu privado, mas sim o de trabalho. Porque, aqueles que têm o 1º, são pessoas de confiança e não andam a negocia-lo na internet...