quinta-feira, abril 15, 2010

Presidente deposto refugia-se no Cazaquistão


Kurmambek Bakiev, Presidente do Quirguistão deposto por um movimento popular há duas semanas atrás, partiu no aeródromo militar de Jalal-Abad, no sul do país, para o Cazaquistão, informa a agência AKIpress.

“A partida de Bakiev foi realizada com êxito devido a esforços conjuntos do Presidente do Cazaquistão, Nussultan Nazarbaiev, do Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e do Presidentre da Rússia, Dmitri Medvedev, bem como dos esforços de intermediação ativos da OSCE, ONU e UE”, confirmou Kanat Saudabaev, atual presidente da Organização para a Cooperação e Segurança na Europa.

O diplomata do Cazaquistão, país que atualmente preside à OSCE, sublinhou que “a partida de Bakiev ajudará a evitar a guerra civil”.

“Semelhante desenrolar dos acontecimentos é o primeiro passo para a desestabilização da situação, para o seu regresso ao campo constitucional”, frisou.

Antes de partir, Bakiev anunciou, na sua terra natal, que o local da sua futura residência dependia de vários países, sublinhando ter sido pessoalmente convidado por Nussultan Nazarbaiev.

A agência Fergana.ru cita Bakiev que terá declarado que Nazarvaiev lhe propôs Astana, capital do Cazaquistão, como local de conversações com o Governo provisório do Quirguistão.

Bakiev disse ter também recebido um convite de Alexandre Lukachenko, Presidente da Bielorrússia, mas recusou-o.

As novas autoridades quirguizes voltaram a anunciar hoje que não aceitam conversações com Bakiev, tendo sido acusado por Rosa Otunbaieva, primeira ministria interina, de querer “empurrar o país para a guerra civil”.

“O limite de tempo esgotou-se, ele está ser alvo de pressões de todos os lados, incluindo da parte dos dirigentes das maiores potências mundiais”, frisou Otunbaieva.

“O fim desta situação está claro”, concluiu.

5 comentários:

Pippo disse...

As pretendidas negociações incidiriam sobre o quê, concretamente?
À partida, o governo interino já tem reconhecimento oficial (ou oficioso) por parte de toda a gente, e o ex-presidente certamente não será devolvido ao seu país para ser julgado, portanto só posso pressupor que estaremos a falar de negociações para que Bakiev abandone a política enquanto estiver no exílio em troca de uma qualquer pensão de sobrevivência, o que já não é mau.

Tem alguma informação mais que nos possa fornecer sobre o assunto?

Jose Milhazes disse...

caro Pippo, acho que encontraram uma via eufemista para afastar Bakiev do país. Assim, não se assemelha a uma fuga.

Jorge Almeida disse...

Doutor Milhazes,

essa é só uma parte da notícia.

Segundo a Euronews, Bakiev tentou falar aos seus apoiantes que estavam reunidos em Osh, a 2ª cidade quirguiz, no que foi impedido por apoiantes do governo interino e pela polícia.

No meio da confusão gerada, Bakiev tentou que os seus apoiantes não fugissem, mas estes fugiram na direcção da estação local de TV, que tentaram tomar, mas que não conseguiram porque a polícia não deixou.

Foi aí que a polícia pegou em Bakiev, tirou-o de cena, para ele assinar a carta de demissão, e zarpar para o Cazaquistão.

Mais pormenores em:

http://pt.euronews.net/2010/04/15/bakiev-assina-carta-de-demissao/

PS: Só podia ir mesmo para o regaço do seu amigo Nursultan Nazarbaev, outro que, em tempos, foi caracterizado, no Ocidente, como "amante da democracia", e, que, governa aquele enorme país (e as suas reservas de petróleo) como um ditador. É só ver os relatórios da Amnistia Internacional sobre o país ...

Pippo disse...

Certo. Mas e quanto ao futuro de Bakiev, já se vislumbra alguma coisa?

E mais importante que isso, e quanto ao futuro do país? Sabe de alguma coisa? Não tenho incidido sobre essa questão (outras prioridades), mas já que está aí mais perto e tens "contactos", pode ser que esteja melhor informado.

MSantos disse...

Bakiev foi deixado cair por todos inclusivé pelos EUA (não tinham outra opção) que já estão activamente em campo a tentar manter a sua influência e os seus interesses, em especial a base de Manas, naquela região.

Cumpts
Manuel Santos