quarta-feira, maio 12, 2010

Crítica do meu livro "samora Machel: Atentado ou Acidente?"

Crítica ao meu livro escrita por António Botelho de Melo no blog "ma-schamba":


"Enquanto me encontro a ler o quase enciclopédico ANC: A view from Moscow, de Vladimir Shubin (Joanesburgo: Jacana Media, 2008), interrompi ontem por um serão para ler o mais ou menos bombasticamente intitulado Samora Machel – Atentado ou Acidente?, da autoria de José Milhazes (Lisboa: Alêtheia Editores) publicado há poucas semanas.
O livro de José Milhazes, um português que faz de Moscovo a sua casa aparentemente desde 1977, é, por comparação com a obra de Shubin, que é uma segunda edição revista da primeira, saída em 1999, quase uma brincadeira. Contém algumas citações interessantes relativamente aos grandes protagonistas das décadas entre 1960 e 1990 em Moçambique e na África Austral e o relacionamento dos soviéticos com estes.
Sendo relativamente breve e superficial (para encher o chouriço, começa com a revolução russa em 1917 e no fim até transcreve insuportáveis discursos de Samora a agradecer medalhas soviéticas e de Gorbachov a elogiá-lo à maneira dos tempos de então, com camarada para cima, camarada para baixo), ainda assim tem algumas coisas interessantes, se bem que destinadas a alimentar a guerrilha agora pela memória e pela História, do que foram esses anos.
A começar por Samora Machel, que, por contraste com Joaquim Chissano e Eduardo Mondlane, a acreditar nos testemunhos registados, era considerado quase um tótó pouco racional pelos soviéticos, que se torciam para o acomodar sem saber bem como. Por seu lado, subentendem-se as dificuldades da liderança moçambicana daquela altura em sobreviver e navegar as perigosíssimas águas da Guerra Fria na África Austral.
Pelo meio, José Milhazes aproveita para dar uma tacada a Jacinto Veloso, a Sérgio Vieira e ainda manda um inexplicado torpedo lateral ao actual presidente, sugerindo que não se foi mais longe na investigação das causas e circunstâncias da queda do avião em que Samora e a sua entourage pereceram em 1986, tenha que ver com o facto de Armando Guebuza estar no poder. Para quem como eu está completamente fora da trama, não se percebe a boca publicada, que sugere não sei bem o quê.
A julgar pelo título, o prato forte da obra (que me foi gentilmente oferecida, com rótulo de preço e tudo) seria a queda do avião presidencial em 1986. Mas na verdade é apenas uma parte da obra, em que Milhazes aproveita umas declarações mais ou menos conhecidas e junta a sua às milhentas teorias e conspirações que se vão lendo por aqui e por ali, sobre a queda do avião.
Mas não deixa de ter interesse, já que detalha, por exemplo, a dinâmica do processo, vista do lado soviético, o que não é de subestimar, já que o aparelho e a tripulação do malogrado avião eram soviéticos.
Mas quanto a se foi acidente ou atentado, objectivamente, fiquei na mesma. Aquilo para já é um mistério total, tirando que agora sabemos que a tripulação soviética veio todo o caminho a discutir como dividir entre si umas latas de Coca-Cola surripiadas não sei onde.
Mas o livro tem umas jóias dignas de se ler, como 1) a descrição da cena em que Samora supostamente manda (literalmente) à merda o embaixador russo em Moçambique, 2) a quase impossibilidade dos soviéticos em ajudarem a reforçar a segurança militar no território na face dos ataques das renamos, dos sul-africanos e dos rodesianos, 3) a fase de pastor de Mondlane em Gaza antes de se formar em Portugal (onde, como era de esperar, os tugas logo o trataram abaixo de cão, metendo-o no Aljube por coisa nenhuma), 4) a enigmática descrição dos eventos em redor do assassinato de Mondlane em 1969, contados à lupa como eu nunca lera antes, 5) o facto de Milhazes indicar que o ponto de viragem de toda a guerra com Portugal foi em Julho de 1970, quando o Papa Paulo VI recebe os líderes das guerrilhas africanas antes de uma importante conferência em Roma (pelo meio, morre o ditador Oliveira Salazar, o que Milhazes, curiosamente, omitiu).
E finalmente, uma interessante estatística, quase enterrada por acaso numa das páginas, que indicava que o suporte soviético dado à Frelimo no início dos anos setenta não chegava aos cem mil dólares, enquanto que, apenas poucos anos depois, o orçamento de defesa dos sul-africanos era de cerca de três mil milhões de dólares.
É caso para pensar como é que Samora, mesmo com a história, a razão e a moral do seu lado, pensava que se podia meter com os boers, especialmente num contexto em que a União Soviética se manifestava indisposta para financiar o conflito. E ainda mais curioso foi ficar a saber que, quando oito anos após a independência decidiu assinar o acordo em Komatipoort, em 1984, os amigos soviéticos souberam do tratado pelos jornais. Para eles deve ter sido um grande sapo para engolir.
De certo modo, fico com pena e algo expectante. Milhazes está baseado em Moscovo, e se há dados interessantes e relevantes sobre as perspectivas soviéticas e o seu envolvimento na fase que antecedeu e sucedeu a independência de Moçambique, presumo que certamente esses dados existam na actual Rússia. Assim, quer em termos absolutos, quer em termos relativos (se se comparar, por exemplo, com a profundidade da obra de Vladimir Shubin sobre o ANC, cuja capa reproduzo abaixo), este livro soube a pouco. Espero que esta seja apenas uma primeira tentativa e que Milhazes volte à carga um dia destes com uma versão de 400 páginas muito mais aprofundada sobre o papel soviético em Moçambique.
Entretanto, José Milhazes alimenta um excelente blogue chamado “Da Rússia“, que se recomenda."

P.S. Não vou fazer críticas às críticas, deixo os juízos aos leitores. Mas apenas queria explicar a António Botelho de Melo a propósito da sua seguinte passagem:"manda um inexplicado torpedo lateral ao actual presidente, sugerindo que não se foi mais longe na investigação das causas e circunstâncias da queda do avião em que Samora e a sua entourage pereceram em 1986, tenha que ver com o facto de Armando Guebuza estar no poder. Para quem como eu está completamente fora da trama, não se percebe a boca publicada, que sugere não sei bem o quê."
O actual Presidente de Moçambique participou, em representação da parte moçambicana, em várias comissões de investigação das razões da queda do avião presidencial e surpreende-me o facto de continuar a operar com termos como "acreditar", como se de fé se tratasse.
Se o António Botelho tivesse estado na sessão de lançamento do meu livro e tivesse ouvido o que disse o Sr. Armando Cró Braz, comandante das Linhas Aéreas de Moçambique até 1988, talvez compreendesse melhor este ponto.
Tive imensa pena em não ter conhecido essa pessoa antes, pois poderia dar um bom contributo para o meu livro. Fica para a próxima...

6 comentários:

JF disse...

Caro sr. Milhazes. À altura da morte de Samora Machel eu era comissário de bordo das LAM, viajei bastante com o Presidente dentro e fora de Moçambique e conhecia, como é óbvio, o sr. Cmte. Cró. Só não li o seu livro! Devo referir que no dia em que o acidente ocorreu em M'buzini, eu voava igualmente dentro do País em
Boeing 737 e tudo aconteceu por duas razões: primeiro, os pilotos (soviéticos!) embriagaram-se em serviço, como era habitual; em segundo lugar no regresso de Arusha a Maputo devia ter sido feita uma paragem técnica em Lusaka (Zâmbia) para reabastecer de combustível o avião, o que não aconteceu. E por isso não houve incêndio no acidente. As coordenadas foram mal introduzidas no computador de bordo (álcool a mais naquelas cabeças!) e quando se quiz voltar à rota normal não havia combustível. Aliás, houve um elemento do cockpit que se salvou e desse nunca se ouviram explicações. Estranho!
Depois vieram aquelas teorias todas de conspiração, traição, desvio do aparelho, etc., etc. Sejamos claros: foi um acidente provocado por bebedeira e mais nada. E disso o poder russo
"sacudiu a água do capote"! O sr. que está aí tão perto podia dizer com maior aferição o que se passou recentemente na Polónia! Atenciosamente. jfroisf@hotmail.com

Jose Milhazes disse...

Caro leitor JF, obrigado pelo seu comentário. É pena não ter lido o meu livro, nem eu o ter conhecido antes de o escrever.
A tese de que os pilotos russos estavam bebados não foi confirmada pelas análises clínicas, mas o Sr. tem razão quanto à falta de combustível.
Numa coisa estamos de acordo: não se tratou de um atentado, mas de erro humano.
Se o Sr. se dignar ler o meu livro, ficarei agradecido se me enviar as suas opiniões.
Apelo também a outras pessoas que estiveram ligadas ao processo que escrevam.

JF disse...

Sr. Milhazes. Tentarei por todos os possíveis ler o seu livro. Se as análises clínicas não revelaram nada ou se do engenheiro de voo, sobrevivente, pouco se soube, é porque os "deuses" não o permitiram! Enfim... pobres dos que se vão ingloriamente e coitados
dos que ficam a carpir as mágoas.
Um abraço e até breve.

Jose Milhazes disse...

Caro JF, esqueci-me de dizer-lhe que tentei procurar o tripulante russo sobrevivente, mas foi-me dito que ele tinha enlouquecido pouco tempo depois de chegar à URSS.

Anónimo disse...

"O sr. que está aí tão perto podia dizer com maior aferição o que se passou recentemente na Polónia!"

Já agora era interessante saber.

Jose Milhazes disse...

Mensagem enviada por mail por João Cabrita: "Caro José Milhazes

tentei colocar este comentário no seu blog, mas não consegui.

Um abraço

Joao Cabrita


Quanto à questão do combustível mencionada por jfroisf, no momento da colisão o Tu-134-A presidencial dispunha de combustível para atingir a Base Aérea de Hoedspruit ou a Aeroporto de Durban, ambos na África do Sul, caso a tripulação decidisse optar por esses aeródromos, segundo reza o relatório da comissão de inquérito sul-africana. O aeroporto alternante, determinado pelos tripulantes do Tu-134A, era o da Beira, mas neste caso o combustível era insuficiente.



Tal como refere José Milhazes, os tripulantes não estavam embriagados. A conversa sobre Coca-Cola não decorreu durante todo o voo, como afirma jfroisf, mas sim a cerca de 11 minutos antes da aterragem prevista. Além do mais, a gravação da conversa no interior da cabine de comando (Cockpit Voice Recorder ou CVR) refere-se apenas aos últimos 30 minutos de um voo com cerca de 3 horas de duração.



João Cabrita"