segunda-feira, junho 28, 2010

Decreto sobre ocupação soviética divide coligação governamental na Moldávia


O decreto sobre a ocupação soviética, aprovado pelo Presidente interino da Moldávia, Mihai Ghimpu, está a provocar fortes discussões no país e pode conduzir à desintegração da coligação democrática e pró-europeia que governa esta antiga república da URSS.
Segundo esse decreto, 28 de Junho foi considerado o “dia da ocupação soviética”. Ele prevê, nomeadamente, a realização de cerimónias fúnebres em todo o país, a edificação de um monumento às vítimas da ocupação soviética no centro da capital moldava e a exigência da retirada das tropas russas do território da Moldávia, mais precisamente, da região separatista da Transdnístria.
O atual território da Moldávia formou-se após a assinatura do pacto germano-soviético de 1939, conhecido por Pacto Molotov-Ribbentrop, quando a União Soviética ocupou a Bessarábia, que pertencia à Roménia, e a juntou a uma faixa de território ucraniano que, hoje, constitui a Transdnístria.
A maioria das forças políticas que fazem parte da coligação governamental “Pela Integração Europeia”, constituída pelos partidos Liberal-Democrático e Democrático e pela aliança “Nossa Moldávia” manifestou-se contra a decisão do Presidente interino do país, mas, segundo a agência Novosti-Moldova, Ghimpu recusa-se a anular o decreto.
O decreto foi revogado de facto. Do ponto de vista formal, há duas formas de o revogar: ou Ghimpu faz isso, ou isso será feito pelo Tribunal Constitucional, onde os comunistas já entregaram um protesto”, declarou aos jornalistas Marian Lupu, dirigente do Partido Democrático da Moldávia.
Alguns analistas moldavos consideram que esta divergência é o primeiro sinal forte da desintegração da coligação governamental.
O Partido Comunista da Moldávia, a mais importante força da oposição, já exigiu a demissão de Ghimpu do cargo de Presidente interino.
Esse homem já mostrou várias vezes que não é capaz de dirigir o país. Ele viu-se acidentalmente no cargo de Presidente e envergonha o nosso país. Ele deve demitir-se imediatamente, porque as suas ações divergem da opinião da esmagadora maioria dos cidadãos do país”, disse aos jornalistas Vladimir Voronin, antigo Presidente da Moldóvia e dirigente comunista.
A situação poderá agudizar-se ainda mais à medida que se aproxima a data do referendo, marcado para o próximo mês de Setembro e que deverá decidir se o Presidente da República será eleito por voto direto ou pelo Parlamento, como tem acontecido até agora.

5 comentários:

Pippo disse...

Não têm mais nada para fazer? Desenvolver o país, por exemplo?

Jest nas Wielu disse...

Capelania Greco-Cátolica Ucraniana em Portugal:
http://www.ugcc.pt

ALONE HUNTER disse...

A Moldávia agora está cuspindo na cara da Rússia, assim como aqueles países do Báltico e a Geórgia!

Alias, a Moldávia é um país? Em 2009, houve uma guerra civíl no país, e quase que esse país foi anexado á Romenia. Cade a identidade da Moldávia? É um país perdido, sem destino! Seus políticos regem o país por oportunidade!

1/4 da população desse país vive com menos de US$ 2 por dia!!! É um país pobre, sem perspectivas, entregue ao próprio destino, com a maioria da população jovem migrando para a Romenia ou a Ucrania para trabalharem como garis!

Todo esse problema são resultados da ação de serviços secretos ocidentais, que estão tentando desestabilizar países da CIS em ordem para atrai-los para a OTAN, visando unica e exclusivamente desestabilizar a Terra Mãe!!!

O Ocidente quer a desintegração de toda a Rússia, e fazendo esse trabalho sujo em ex-repúblicas soviéticas, querem incentivar as OBLASTS e REPUBLICAS russas á praticarem o mesmo, em seus territórios.

E tem dedo sujo da Romenia nisso também, que está ajudando o processo em ordem para criar um novo país unificado! Ou então me expliquem como uma bandeira da Romenia e da União Européia foi parar em cima do Parlamento Moldavio??? Esse é o papel do Ocidente, demonizar o sucesso que foi a União Soviética.

Com relação á Transnistria, esse território, de maioria russa, quer ser independente da política ocidental da Moldávia, e deseja andar de mãos dadas com a Terra Mãe! Isso é fato, é só fazer um referendo naquela região!

E vocês sabem muito bem o que isso significa. Relembrem agosto de 2008!!!

Jest nas Wielu disse...

O nosso caçador solitário outra vez anda distraidíssimo das datas, a guerra que os separatistas impuseram à Moldova terminou com o cessar-fogo em … 1992 e não em 2009:
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Transn%C3%ADstria

Jorge Almeida disse...

Alone, quer a Transnístria como outro Kaliningrado?

Quanto é que isso custaria, em termos financeiros e políticos, para a Rússia?

Bandeira romena no parlamento moldavo? Não será a bandeira da Moldávia? É verdade que são bem parecidas. Senão, compare:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bandeira_da_Mold%C3%A1via

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bandeira_da_Rom%C3%A9nia