segunda-feira, agosto 02, 2010

Demissão da dirigente do Conselho presidencial para Direitos Humanos



Dmitri Medvedev aceitou o pedido de demissão de Ella Pamfilova do cargo de dirigente do Conselho para os Direitos Humanos e Desenvolvimento da Sociedade Civil junto do Presidente da Rússia, anunciou o Kremlin
Ella Pamfilova, , anunciára antes que apresentou a demissão desse cargo. Os defensores dos direitos humanos pedem-lhe para mudar de posição.
Pamfilova, que ocupa esse cargo desde 2004, recusou-se a falar das causas da sua demissão, assinalando apenas que planeia trabalhar “não na esfera da política, nem como funcionária pública”.
“Não tenho vergonha do que fizemos, conseguimos fazer mais do que o possível”, frisou, acrescentando que recomendou Alexandre Auzan para o cargo deixado vago.
Na véspera, Alexei Tchadaev, um dos ideológos do Rússia Unida, partido dirigido pelo primeiro-ministro Vladimir Putin, acusou Pamfilova de “politizar” o Conselho por ela dirigido e, no seu blog no Twitter, chamou-lhe “estrela da agitação”, “chefe histérica” e “vampira”.
A organização juvenil pro-Kremlin “Nachi” (Nossos)  já saudou a demissão de Pamfilova, pois era um dos principais alvos das suas críticas.
“Esses rapazaes poderão chegar ao poder dentro de alguns anos... Porque esses frutos de alguns tecnólogos políticos vendem a alma ao diabo. Eles queimaram livros...Qual será o próximo passo? Queimar pessoas?”, declarou recentemente Ella Pamfilova.
Os defensores dos direitos humanos no país consideram que Pamfilova foi obrigada a demitir-se e pedem ao Presidente Dmitri Medvedev que não aceite a demissão.
“Espero que o Presidente não aceite a demissão. Ela desempenha muito bem as suas funções, sacrifica-se muito”, considera Liudmila Alekseevna, dirigente do Grupo de Helsínquia.
“Considero que a decisão de Medvedev de aumentar os poderes do Sergviço Federal de Segurança (ex-KGB) da Rússia foi a gota de água que levou Pamfilova a demitir-se”, disse à Lusa um ativista dos direitos humanos.
Em virtude desta lei, assinada ontem,  qualquer pessoa ou empresa que obstrua o trabalho de um agente do FSB pode ser alvo de processo judicial, multas de 500 a 50.000 rublos (13 a 1.300 euros) ou prisão até 15 dias.

3 comentários:

ALONE HUNTER disse...

Direitos Humanos???

Para mim isso é anarquia. Eles querem o que? Casamento gay? Legalização do uso de drogas em praça-pública?

Todo país tem que manter controle sobre a sua população, senão as coisas viram uma bagunça! Essa Ella Pamfilova é uma JUNKIE, se ela pediu demissão, talvez foi devido á sua incompetencia de administrar o seu Conselho.

O que este tipo de gente quer é a ANARQUIA, estes jovens não tem compromisso com o trabalho e com o progresso. São um bando de drogados querendo destruir o país!!!

Anónimo disse...

POBRE PAÍS. AINDA SERÃO 50 ANOS PRA CHEGAREM AOS PÉS DA EUROPA OCIDENTAL EM TERMOS DE RESPEITO AO ESTADO DE DIREITO.

Jest nas Wielu disse...

O conceito dos Direitos Humanos só devem ser considerado como sinónimo de anarquia nos países “progressistas” do tipo Cuba, Coreia do Norte, Nicarágua, Rússia, Venezuela… Já nos países Ocidentais (no sentido abrangente), os Direitos Humanos é a conquista de todo um povo e da classe trabalhadora, nem menos.