segunda-feira, agosto 02, 2010

Polícia reprime manifestação da oposição ao Kremlin


A polícia de choque russa (OMON) impediu a realização de uma manifestação da oposição extra-parlamentar ao Kremlin na capital russa, tendo feito dezenas de detenções.
Serguei Udaltsov, dirigente da “Frente de Esquerda”, acompanhado de um grupo de militantes dessa organização, conseguiu estar na Praça do Triunfo cinco minutos, tendo-se algemado a uma grade.
A OMON, logo que eles começaram a gritar “”Demissão de Putin!”, “Liberdade!”, “Artigo Nº 31”, deteve-os, arrastando-os para uma das 30 camionetas prontas para transportar os manifestantes para várias esquadras da polícia.
Entre os detidos estava também Boris Nemtsov, antigo ministro do Governo do Presidente Boris Ieltsin e dirigente do movimento “Solidariedade”.
“Não obstante todas as barreiras, cerca de três mil manifestantes conseguiram entrar na praça”, declarou à Lusa Roman Dobrokhotov, dirigente da organização “Nós”.
Antes do início da manifestação, a polícia deu instruções aos jornalistas: “Peço aos meios de informação que cobrem estes acontecimentos para serem objetivos, para mostrarem o que se passa na realidade”, declarou Victor Biriukov, porta-voz da polícia de Moscovo.
Andrei Babuchkin, membro do Conselho Social junto da polícia de Moscovo, recomendou aos jornalistas a não ajudarem os agentes da OMON na detenção dos manifestantes.
“Independentemente das vossas ideias políticas, não façam isso. Se, por exemplo, vêem que o agente da OMON arrasta alguém e isso lhe é difícil, não é preciso ajudá-lo”, declarou Babuchkin.
Em todos os meses com 31 dias do ano, a oposição convoca para a Praça do Triunfo uma manifestação em defesa do Artigo Nº 31 da Constituição, que autoriza a liberdade de expressão na Rússia, mas as autoridades moscovitas proibem-na sempre, sob os mais variados pretextos.
Segundo os opositores de movimentos como “Frente de Esquerda”, “Outra Rússia”, “Solidariedade”, a Lei Suprema exige que os organizadores de manifestações apenas informem as autoridades, não sendo preciso pedir autorização.
Desta vez, as autorizadas deram prioridade a um espetáculo de automóveis de corrida. A 31 de Julho, foi organizado na Praça do Triunfo uma recolha de sangue.

32 comentários:

ALONE HUNTER disse...

Este tipo de gente é minoria na população. A grande maioria da população aprova com fervor os rumos que o país vem passando, implementadas por esta administração e iniciada pela anterior...

Façam um referendo fora de Moscow, vão para a Sibéria, e a verdade virá a tona. A Rússia atual é jovem, tem apenas 19 anos. Mais conquistas foram alcançadas nestes últimos 10 anos do que derrotas!!

Os russos sentirão falta desta administração e da anterior daqui á 50 anos!!!

Vai ficar para a história!

Francisco Lucrecio disse...

O que fazia lá esse vampiro do Nemtsov. Conheci esse canalha em Nizni Novgorod.
Na época que era governador da região, com os amigos roubaram a Borckii Stekolhnii Zavod, a maior fábrica de vidros para viaturas da URSS ( não foi só essa). Talvez pretenda restaurar a democracia dos anos 90?

Jest nas Wielu disse...

Este país todos os dias se levanta do chão com fervor! (só não se percebe porque Caçador e Francisco cospem na cara da mãe - pátria e não se levantam como todos os outros)…

Gilberto Mucio disse...

A Frente de Esquerda -- e a oposição de esquerda -- não devia andar de mãos dadas com esse mega-ladrão do Boris Nemtsov.

António disse...

Comentário interessante de um leitor russo de um blog político à explicação do seu autor para a repressão policial dos oposicionistas:

"Claramente porque [Putin et al estão receosos da natureza precária do seu reinado e receosos de uma revolução laranja, não se arriscando sequer a deixar passar qualquer protesto, por mais insignificante que seja], ainda que não seja exactamente paranóia. Estes rapazes aprenderam com os anos 80. Imaginemos que sou um trabalhador a viver numa cidade pequena em 1985. As condições de trabalho são miseráveis, o meu apartamento é frio, as ruas estão sujas e compro carne numa vez por mês. Nas notícias da TV, mais uma peça sobre o aumento da produção de carne, ou uma qualquer cidade a que foi atribuído o prémio da mais limpa na Rússia, ou uma fábrica que abriu com ar condicionado. Vou pensar: parece que as coisas não estão assim tão mal no país, mas por qualquer razão a minha cidade é uma pocilga. Então a glasnost torna-se política e subitamente vejo que o país inteiro é como a minha cidade e ouço críticos bem-falantes a dizer tudo o que eu andava a pensar. No dia a seguir sou um dos milhares a bater tachos na praça Manege.

As autoridades não querem que isto volte a acontecer. Assim, tiram os talk shows do ar, instituem uma lista negra para que nenhum dos "líderes da oposição" tenha tempo de antena e reprimem as manifestações (por falar nisso, a manifestação de sábado não foi mostrada por NENHUMA estação de TV, à excepção de uma pequena peça na REN TV). Deve dizer-se que houve manifestações nalgumas cidades e que nalguns locais (como Perm e Kaliningrad) as autoridades estão habituadas a lidar com grupos cívicos. Podes ser levado a pensar que isso é "prova" que o mundo não vai acabar (ou seja, que as autoridades não vão ser derrubadas) se houver uma manifestação ou se o governo trabalhar com as ONG. Mas Moscovo e S. Petersburgo são diferentes: manifestações nesses locais podem atrair milhares e, se fossem autorizadas, dariam um sinal de que "protestar é ok". Há muito de que protestar e os rapazes no topo sabem o que têm andado a fazer. Não querem arriscar. E também (especulação) acho que existe um elemento mundano de "macacos me mordam se vou deixar que essa ralé grite slogans a meu respeito! Como se atrevem a protestar? Dei-vos centros comerciais e Fords! Calem-se e sejam felizes!"

António disse...

Parte 2

No que toca ao ódio dos russos pelos liberais, acho que é uma espécie de mito: 1) uma grande pare da população culpa de facto os liberais dos anos 90 pelas várias desgraças (algumas coisas são justas, outras exageradas e tudo é propagandeado à décima potência); 2) Nemtsov e, em particular, Chubais, conduziram uma campanha ridícula da última vez que puderam e criaram a impressão de que estavam "alheios à realidade das massas"; 3) mesmo assim, Nemtsov é um tipo carismático com muitos seguidores que poderão atrair mais; 4) os oposicionistas não estão no ar nem têm estado nos últimos 5-8 anos. As pessoas não os vêem em talk shows e pensam "oh, ele é um idiota". As pessoas não os vêem de todo. O que ouvem são os políticos do Rússia Unida e outros a dizer que eles são traidores, bandidos, ladrões, russófobos, etc. E creio que as autoridades têm menos medo de Nemtsov do que de Kasyanov e Ryzhkov, que não estão associados aos anos 90 e que poderiam ser convincentes dados os seus currículos e a sua crítica às autoridades. Seja como for, o factor mais importante é o nº 4. Se os "liberais" aparecessem na TV, nos talk shows, se fossem autorizados a participar em eleições e se os seus discursos de campanha fossem mostrados na TV…não me parece que a sua popularidade fosse tão baixa. Não o posso provar, mas dado o blackout noticioso a seu respeito, ninguém pode provar que são impopulares com base nos seus próprios méritos.

A minha opinião é a de que prenderam Nemtsov (não os polícias, que cumprem ordens, mas alguém na administração oun outra agência) porque estão furiosos por causa do seu último relatório.

Uma amigo meu foi preso numa manifestação no sábado e disse-me que pensava que os polícias estavam assustados e enjoados com isto tudo, mas que estão entre a espada e a parede: têm ordens para prender gente, e os manifestantes estão lá sabendo que podem ser presos. Isto é interessante também porque nos anos 80 e 90 os polícias e o exército puseram-se do lado dos manifestantes, ou pelo menos recusaram-se a obedecer às autoridades. Parte da estratégia dessas mesmas autoridades tem sido atrair os polícias para o seu lado, dando-lhes rédea solta. Ou seja, é no interesse destes aplacar a ralé e manter as suas fontes de rendimentos. Mas uma coisa é dar uma cacetada num pobre diabo a troco de um suborno e outra é arrastar alguém para um autocarro enquanto se é filmado por todas as cadeias noticiosas ocidentais daqui até à lua (e em S. Petersburgo, aparentemente, sob o olhar de turistas estupefactos e horrorizados)."

António Campos

Jest nas Wielu disse...

Marcha dos discordantes em Moscovo, muitas fotografias, polícia de segurança pública em geral levava apenas os activistas (mas um cromo com a camisa pró – sérvia também foi detido). Os soldados eram mais agressivos, parece que sentiam muito calor com as suas botas. Nemtsov era defendido pelo povo, quando o colocaram no autocarro de polícia, as pessoas bloquearam o autocarro. O homem com a camisa cor-de-laranja e balde azul é um agente provocador, foi 2-3 vezes detido e cada vez solto do autocarro da polícia:
http://tapirr.livejournal.com/2533569.html

Anónimo disse...

Nemtzov é um nerd.

Um dócil que a América e a Europa gostariam muito de ver no Kremlin para repetirem a dose dos anos Ieltsin e saquearem as matérias primas russas ao desbarato.

Wandard disse...

"Um dócil que a América e a Europa gostariam muito de ver no Kremlin para repetirem a dose dos anos Ieltsin e saquearem as matérias primas russas ao desbarato."

Não sei se Nemtsov é um nerd, mas o que os integrantes da Otan realmente queriam era a farra dos anos 90, concordo com o leitor anônimo. Mas isto não mais ocorrerá, enquanto isso vamos assistindo a podridão revelada através dos documentos secretos divulgados pelo Wikileaks, que apesar do volume de informações trazidas a público, já vinham sendo denunciadas pelos jornalistas independentes e várias ong's desde o início da invasão.

António disse...

Mas porque é que esta gente continua a repetir a patacoada propagandística dos “monstros- da-NATO-a-lucrarem-com-o-deboche-russo-dos-anos-90”? É estranho que consistentemente ignorem o facto de terem sido insiders russos que, viciando o sistema, se apoderaram da esmagadora maioria dos activos estatais. Praticamente todos os bidders ocidentais ficaram de fora nos leilões viciados das privatizações. Outra coisa não seria de esperar.

E o mais fabuloso é que esses e novas ninhadas de insiders continuam a fazê-lo até hoje, facto que as mesmíssimas pessoas que continuam a papaguear este disparate preferem convenientemente ignorar.

A minha teoria para tal é que andam a seguir as passadas de Goebbels, a quem foi atribuída a frase: “Se repetirmos uma mentira um número suficiente de vezes, as pessoas acabam por acreditar nela”.

António Campos

Cristina disse...

Os que gostam de chamar nomes aos liberais na Rússia, não se esqueçam, como disse o comentador russo citando pelo António Campos, que se eles (os liberais) "aparecessem na TV, nos talk shows, se fossem autorizados a participar em eleições e se os seus discursos de campanha fossem mostrados na TV" a sua popularidades seria diferente. Assim, é fácil dizer que são "oposição marginal", quando não têm qualquer acesso aos meios de comunicação federais.
Já agora, para percebermos melhor o que foram os anos 90 na Rússia, recomendo o livro "Litvinenko - a Morte de um Dissidente", escrito por um russo de origem judia e pela viúva de Litvinenko, onde se relatam pormenorizadamente as manobras políticas durante a presidência de Ieltsin e a influência que os ocidentais tinham nos governos russos (afinal não era assim tanta como dizem!), o que vem corroborar o último comentário de António Campos.

Anónimo disse...

Há liberais e liberais

Francisco Lucrecio disse...

«««««««A minha teoria para tal é que andam a seguir as passadas de Goebbels, a quem foi atribuída a frase: “Se repetirmos uma mentira um número suficiente de vezes, as pessoas acabam por acreditar nela”.

António Campos»»»»»


Diz o roto ao nu, porque não te vestes tu.

É preciso ter lata! Depois de desferir campanhas verrinosas, com ataques grosseiros infundados, contra os dirigentes Russos e Bielorrussos, ainda ter o descaramento de citar Goebbels.
Se essas trapalhadas que tem escrito ultimamente a desacreditar e denegrir a imagem desses dirigentes não são extraídas dos ensinamentos da escola Goebbelsiana só podem ser do Duce.

Francisco Lucrecio disse...

««««««««que se eles (os liberais) "aparecessem na TV, nos talk shows, se fossem autorizados a participar em eleições e se os seus discursos de campanha fossem mostrados na TV" a sua popularidades seria diferente. Assim, é fácil dizer que são "oposição marginal", quando não têm qualquer acesso aos meios de comunicação federais.»»»»»»

Cristina porque razão se lembra apenas dos Liberais e exclui as outras forças politicas?
Há ! já sei; primeiro estão os nossos.


««««««« recomendo o livro "Litvinenko - a Morte de um Dissidente"»»»»»»

Eu recomendo-lhe que leia de David Satter “Madrugada Sombria” um jornalista Inglês amigo de Litvinenco que também andou a investigar a morte dele juntamente com outro jornalista Russo ( creio que com Anna Politovskaia). Para constatar melhor o que foi a libertinagem neo-liberal na Rússia dos anos 90.

«««««««««políticas durante a presidência de Ieltsin e a influência que os ocidentais tinham nos governos russos (afinal não era assim tanta como dizem!), o que vem corroborar o último comentário de António Campos»»»»»»».

Não eram nenhumas as influencias e ainda menos as interferências. Comportaram-se como simples espectadores a observar à distância aquilo que se estava a passar. É isso que pretende dizer?
George Soros entrava no Kremlin como estivesse em sua própria casa. Se lhe for possível consulte o Jornal Kommersant de 3/8/ 99 para desfazer essas duvidas todas sobre a promiscuidade que existia entre os políticos a banca Ocidental e o governo de Yeltsin. Onde foram parar as centenas de milhares de milhões de dólares concedidos em empréstimos à Rússia nesse tempo?
A Rússia em menos de uma década contraiu a maior divida externa do mundo. Eram concedidos esses empréstimos monstruosos sem concessões politicas ou contrapartidas económicas. É isso que pretende dizer? Ignora que mais de 50% das receitas geradas no país eram directamente depositadas em bancos estrangeiros?

Se vivesse-mos num sistema politico decente essa gente estava toda presa. Trata-se de bandidos que roubaram, ( e continuam) deixando milhões de pessoas na penúria.

António disse...

Só um completo idiota acharia que lá porque existiu uma maciça fuga de capitais da Rússia (que efectivamente houve: todos os lucros do gangsterismo económico e não só perpetrado nos anos 90 acabaram sifonados do país para fora, por razões que não são de todo difíceis de entender, até para gente como o senhor lucrécio), esses terão ido parar a mãos ocidentais. Para ajudar aqueles que por mais que tentem não conseguem entender coisas simples, em português corrente, chama-se “pôr o saque a salvo”.

Felizmente que as principais faces da gatunagem têm nomes que toda a gente conhece: Vladimir Potanin, Mikhail Fridman, Vagit Alekperov, Boris Berezovsky, Vitaly Malkin, Mikhail Khodorkovsky, Vladimir Gusinsky, Roman Abramovich, Oleg Deripaska, Lev Chernoi, Vladimir Lisin, Viktor Vekselberg, Alexei Mordashov, Leonid Nevzlin, Leonid Fedun, Sergei Popov, Igor Zyuzin, e a lista nunca mais acaba. A maioria continua riquinha da vida durante o reinado de Putin e o único que foi preso foi também o único que decidiu fazer frente ao novo Czar e teve tomates para não fugir do país a sete pés. Os crimes dos outros foram facilmente branqueados pelo novo regime.

A cereja em cima do bolo é a menção a David Satter, que obviamente não é inglês, mas sim americano e (regozijem-se os leitores desta paródia de “debate”) um conservador anticomunista ferrenho e acérrimo defensor da desregulamentação dos mercados. Concorde-se ou não com as posições económicas de Satter, a lucidez das suas reportagens sobre a antiga União Soviética, a que chamou coisas como “delírio” e “mundo de mentiras”, é inquestionável.

Satter descreve em pormenor a ascensão do estado criminoso russo e dos oligarcas nos anos 90 e documenta com precisão as razões que levaram a que o país tenha caído de novo no autoritarismo que conhecemos (Satter chama-lhe o “estado KGB”). Curiosamente, no livro referido, não existe menção a possíveis responsabilidades dos consultores ocidentais relativamente aos efeitos da terapia de choque, coisa que muita gente continua a debater até hoje. Satter detesta tanto Yeltsin como Putin (acha que os atentados em Moscovo e a morte de Litvinenko foram obra do FSB) e apura, correctamente, que a farra dos anos 90 deveu-se integralmente à corrupção fomentada no regime de Yeltsin.

Concordo: Satter, juntamente com outros jornalistas tais como Chrysta Freeland, Andrew Meier e Paul Klebnikov, são excelentes fontes de conhecimento sobre o período. Mas convêm lê-los. Mesmo.

António Campos

Wandard disse...

"Já agora, para percebermos melhor o que foram os anos 90 na Rússia, recomendo o livro "Litvinenko - a Morte de um Dissidente", escrito por um russo de origem judia e pela viúva de Litvinenko, onde se relatam pormenorizadamente as manobras políticas durante a presidência de Ieltsin e a influência que os ocidentais tinham nos governos russos (afinal não era assim tanta como dizem!), o que vem corroborar o último comentário de "

Cara Cristina,

Esta é a versão constante no livro de Litvinenko, assim como existem várias outras cujo objetivo é esconder a realidade e a culpa e o oportunismo do ocidente durante o desmantelamento da União Soviética, e não descarto com isso que existam culpados do lado russo. A grande verdade é que o retorno da Rússia e a própria ascenção da atual cúpula que governa o país fez cair por terra tanto os planos dos Americanos e Aliados, bem como muita gente que ganhou muito com a falência russa e o regime permissivo e cambaleante de Ieltsin perderam seu lugar ao sol com o regime atual.

"Mas porque é que esta gente continua a repetir a patacoada propagandística dos “monstros- da-NATO-a-lucrarem-com-o-deboche-russo-dos-anos-90”? É estranho que consistentemente ignorem o facto de terem sido insiders russos que, viciando o sistema, se apoderaram da esmagadora maioria dos activos estatais. Praticamente todos os bidders ocidentais ficaram de fora nos leilões viciados das privatizações. Outra coisa não seria de esperar. '

Caro Antonio,

Com todo o respeito, não sei quais as informações que você possui, mas acredite que o que escrevi não está inserido em uma patacoada sobre a Otan, é uma realidade e pode fácilmente ser comprovada dependendo do interêsse de que estiver a buscar a verdade.

Abraço,

António disse...

Caro Wandard,

A informação está efectivamente disponível para quem a quiser obter. E obtê-la é muito fácil, garanto-lhe. Há quem diga que o Ocidente (especialmente os americanos) poderia ter feito muito mais para ajudar a Rússia a criar uma economia de mercado funcional e um sistema político pluralista, democrático e estável, especialmente quando estamos a falar de um país sem a mínima experiência na criação e gestão de uma sociedade civil. Houve aconselhamento e apoio político questionável? Certamente que sim. Estou a lembrar-me especialmente do apoio de Clinton a Yeltsin, baseado na ideia de que deixar o homem cair significaria automaticamente o retorno ao comunismo. Mas há limites no que respeita às formas como um estado pode influenciar outro. Tem que haver determinação política, honestidade e, especialmente, poder efectivo para implementar as necessárias reformas.

Coisa que não existiu. De todo. A deterioração das condições de vida da população, acompanhada pela desilusão popular generalizada quanto à resposta aos pedidos de assistência da Rússia fomentou um afastamento "ideológico" da visão atlanticista para o país, ganhando a versão nacionalista "eurasiática", a do "caminho especial da Rússia" e, pior que tudo, assistiu-se ao fomentar da teoria da conspiração que vocês gostam tanto de apregoar. Esse mito do ocidente a tentar enfraquecer e pilhar a Rússia, que surgiu por volta de 1993 e que perdura até hoje, foi ateado fundamentalmente pelo palhaço populista Jirinovski, que foi acompanhado no coro por Zyuganov. Tal como as histórias da arma "climática" e do escaravelho da batata na Polónia, esta fábula tem vindo a alimentar as estratégias populistas de muitos políticos russos que vivem à conta da invenção de inimigos externos para ocultar as suas próprias fraquezas.

O que os partidários da teoria da conspiração não gostam de mencionar, porque não lhes dá jeito nenhum, são os seguintes factos inquestionáveis: o ocidente torrou zilhões em ajuda, a que se juntaram as instituições tais como o FMI e o Banco Mundial. Para onde é que essa ajuda foi? Desapareceu no atoleiro dos clãs oligárquicos, do crime organizado e dos novos-banqueiros ligados ao poder, que se envolveram também num frenesim alucinado de contracção de empréstimos que ajudaram a levar a economia ao colapso.

António disse...

Parte 2

E pior ainda: numa altura em que a economia precisava desesperadamente de investimento em reformas, alimentado pelos tais mitos nacionalistas, o governo russo desata a queimar (literalmente) biliões dessa ajuda na aquisição de sistemas de armamento sofisticados OFENSIVOS, que incluíram um sistema de comando de última geração num bunker, um porta-aviões nuclear, um novo míssil balístico intercontinental e cruzadores nucleares. Para não falar na guerra na Chechénia, que foi basicamente financiada com dinheiro da ajuda ocidental. Porque é que ninguém fala nisto??

Fazer desenvolver a economia num clima de total bandalheira apadrinhado por Yeltsin é um caso perdido. Numa situação destas, e seja em que país for, os abutres (internos ou externos) surgem e os investidores honestos fogem a sete pés. Até o George Soros, goste-se ou não do homem, terá perdido 2 mil milhões de dólares nos seus negócios com a Rússia nessa altura.

O Ocidente errou? Certamente que sim. Mas não da forma como os comparsas do Jirinovski e os saudosistas ressabiados que infestam este blog gostam de apregoar. Os milhões perdidos na Rússia deveriam ter sido entregues condicionados à realização das necessárias reformas que Yeltsin sempre se recusou a implementar. Se Clinton não tivesse perdido tanto tempo a armar-se em "paladino da democracia", apoiando Yeltsin de forma inquestionável, talvez as coisas tivessem corrido de maneira diferente e Putin nunca teria tido oportunidade de se apoderar do país e trocar a classe antiga de ladrões por outra nova.

Seja qual for a sua intenção (e não deve ser boa de certeza), muita gente irá certamente continuar a enterrar a cabeça na areia a fingir que estas coisas nunca aconteceram, e a culpar moinhos de vento ocidentais pelas desgraças russas dos anos 90. Mas a verdade é outra. Tal como disse uma vez o jornalista do New York Times A. M. Rosenthal , referindo-se a este descalabro, "a Rússia fez isto à Rússia".

António Campos

Cristina disse...

O comentário de António Campos é uma das melhores sínteses dos acontecimentos na Rússia nos anos 90 que li até hoje.
De facto, a confusão desses anos foi muito fruto das "belas cabeças pensadoras" russas que estavam no poder (ou próximas dele) nesses anos. Se virmos bem, era grande a ambição da elite da altura, maioritariamente de origem judia, deslumbrada pelo dinheiro fácil e aterrorizada com o possível regresso dos comunistas (que lhes nacionalizariam certamente as riquezas, caso tivessem conseguido voltar ao poder).
Compartilho convosco um excerto do livro que referi antes, sobre este período.
"A fama de George Soros fez dele um exemplo para a nova geração de capitalistas russos, mas o próprio George tinha dúvidas relativamente aos acontecimentos na Rússia. Lá, o seu principal interlocutor era Anatoly Chubais. Soros reagiu à explosão das privatizações de Chubais com um misto de admiração e desaprovação. Por um lado, não podia deixar de apreciar os grandiosos feitos de Chubais: em pouco mais de três anos, o jovem primeiro-ministro-adjunto invertera na sua essência a revolução dos bolcheviques, os quais, setenta anos antes, tinham derramado rios de sangue durante a expropriação da propriedade privada. Chubais devolveu muita da propriedade estatal a mãos privadas quase sem derrame de sangue (...)Contudo, na opinião de Soros, Chubais não estava a fazer as coisas exactamente da forma como o próprio Soros faria".
(continua)

Cristina disse...

"O arrogante e intransigente primeiro-ministro adjunto não era apenas um arqui-inimigo dos comunistas. Era um seguidor radical da teoria do mercado livre, que assumia que o Estado de direito se seguiria de algum modo à liberdade económica. Se a economia fosse aberta, as relações sociais resolver-se-iam por si próprias. Soros, por outro lado, estava horrorizado com as nefastas consequências do capitalismo desenfreado. A disputa entre os dois despontou em Janeiro de 1995, no Fórum Económico Mundial, na estância de esqui suíça de Davos, onde Chubais anunciou ao mundo que a privatização na Rússia criara uma nova classe de proprietários, pessoas que constituiriam a espinha dorsal da nova Rússia livre (...) O discurso de Chubais foi triunfante. Concluíra recentemente a primeira etapa da privatização maciça, em que haviam sido dados vales a todos os cidadãos russos, que podiam ser trocados por acções em empresas estatais. Muitos vales foram obviamente comprados por especuladores e "directores vermelhos", antigos líderes de fábricas soviéticas. A nossa reforma é irreversível! - proclamava Chubais. Em resposta, Soros, um guru largamente admirado em Davos, chamou aos novos capitalistas russos "barões ladrões".
Esperava ver uma transição ordeira para uma sociedade aberta, um sistema democrático orientado para o mercado baseado num Estado de direito - queixou-se - Essa tentativa falhou basicamente (...)
Com o passar dos anos, Soros e Chubais tiveram várias conversas, na sua maioria, durante as frequentes visitas de Soros a Moscovo relacionadas com as suas diversas iniciativas filantrópicas. Era um diálogo de surdos. Chubais era idólatra do mercado livre (...) Soros, por outro lado, um misto de keynesiano e socialista encapotado, acreditava que, em momentos de crise, a interferência do Estado era inevitável (...) Para além disso, com os comunistas a ganharem cada vez mais força, considerava a Rússia demasiado arriscada para os investidores"

MSantos disse...

Não sei onde foram buscar essa de George Soros fazer parte do movimento neoliberal.

Soros apesar de ter enriquecido à conta, foi sempre um crítico dos mercados desenfreados e da desregulação finaceira.

Provavelmente kohdorkovski terá sido o único oligarca a ser preso devido a ter procurado abrir a orgia do saque a não russos.

E para aqueles que o advgam como vítima e mártir do despotismo russo e de outras cruzadas pelos "direitos humanos", Kohdorkovski esteve tão ligado ao crime organizado, máfias, assassinatos de pessoas etc.

Como se poderá afirmar que o Estado Russo está a estorquir a sua riqueza quando essa mesma riqueza foi obtida através de actos de estorsão.

Se foi preso e despojado só pecou por ter sido o único.

Nenhum deles criou a riqueza que possuem.

Cumpts
Manuel Santos

António disse...

Então para o caro Manuel Santos, cotar uma empresa na bolsa e transformar um negócio chorudo mas escandalosamente mal gerido e abandonado na mais eficiente e transparente empresa russa (e uma das maiores contribuintes fiscais para o orçamento do estado, senão a maior) chama-se agora "abrir a orgia do saque a não russos"? Pensava que os apparatchiks soviéticos tinham a primazia da manipulação semântica, mas o caro Manuel Santos certamente não lhes fica atrás.

Pensando melhor, talvez haja alguma lógica no seu raciocínio. Não interessa que sejam bandidos, desde que sejam russos, certo? Ladrões sim, mas dos nossos. Só isso explica que a "orgia do saque" da Sibneft, que foi comprada ao estado por trocados (uns míseros 100 milhões de dólares) e revendida por Abramovich àquele por 13 mil milhões (ou seja, 130 vezes o valor da compra, o seu valor real de mercado), numa operação que teve que ser financiada por seis bancos de investimento estrangeiros e paga com o dinheiro dos contribuintes, não tenha aparentemente levantado as sobrancelhas a muita gente.

De todos os barões ladrões, Khodorkovsky foi dos poucos que criaram valor com as suas aquisições. E foi logo esse que foi parar à cadeia enquanto os outros se andavam a passear no sul de França e a comprar clubes de futebol com o dinheiro dos russos?

O caro Manuel santos sabe tão bem como toda a gente que Khodorkvsky está na cadeia e foi despojado porque Putin tem pavor dele que se pela. Ou vai fingir que não sabe e continuar a dizer estas tonteiras?

António Campos

MSantos disse...

Extorsão

MSantos disse...

Ainda não compreendi se a leitura que faz da minha alegada relatividade moral é devida à sua obsessão em procurar motivos para me desacreditar ou simplesmente porque não se quer dar ao trabalho de tentar compreender visões diferentes da sua, António Campos.

Sinceramente também não será isso que me preocupa.

Aliás falando dessa mesma relatividade moral, pode-se matar (ou mandar que é a mesma coisa) ou roubar, mas desde "que criem valor com as suas aquisições" é estilo OMO, lava mais branco.

É exactamente esta hipocrisia das ditas pessoas "bem pensantes" que me escandaliza particularmente.

Rebato no que afirmei, kohdorkovski só peca em estar preso por ter sido o único, e claro também foi porque afrontou o poder vigente mas como isso é uma verdade tão evidente nem me preocupei em mencionar.

Cumpts
Manuel Santos

Wandard disse...

"A informação está efectivamente disponível para quem a quiser obter. E obtê-la é muito fácil, garanto-lhe."

Caro Antonio,

Ídem, para as informações que defendo. Porém este posicionamento que você mantém e afirma, só é reconhecido, e quando o é por cidadãos da União Européia e Estados Unidos ou por pessoas que não tem acesso às informações verdadeiras e terminam vendidas pelas informações tendenciosas e manipuladas pela mídia ocidental e principalmente por políticos, empresários e governos que perderam e continuam perdendo com o atual regime russo, desculpe-me a franqueza. Ocorreram erros do lado russo ocorreram, a começar do próprio Ieltsin que antes de tudo foi permissivo a tudo que a Otan exigiu, em segundo, sua própria permissividade e interêsse pessoal nos casos das privatizações de estatais e concessões de exploração de recursos naturais a vários ex-funcionários públicos e políticos locais de diversas regiões que dormiram como parcos assalariados públicos e acordaram como bilionários no crepúsculo da União Soviética e na aurora da Rússia dos anos 90.

"Seja qual for a sua intenção (e não deve ser boa de certeza), muita gente irá certamente continuar a enterrar a cabeça na areia a fingir que estas coisas nunca aconteceram, e a culpar moinhos de vento ocidentais pelas desgraças russas dos anos 90. Mas a verdade é outra".

Referiu-se à intenção de quem? Não entendi. Agradeceria se pudesse exclarecer.

Quanto a verdade, ela não é outra. Tenho as informações, conheço-as de perto. A Otan e os Estados Unidos não vão conseguir se eximir desta responsabilidade nem das demais que continuam sendo reveladas constantemente. Afinal os 90 mil documentos recentes não falam das ações da Rússia e sim das empoladas "Democracias Ocidentais" e todo e qualquer país que possuir soldados envolvidos estão envolvidos também.

Abraço,

Francisco Lucrecio disse...

Senhor Campos; o Lucrécio até pode ter todas essas ”qualidades” com que o brinda.
No entanto tem um defeito horrível, não pactua com bandidos , criminosos e ladrões que atiram milhões de seres humanos indefesos para a penúria. Compreende porque somos diferentes?

«««««««««todos os lucros do gangsterismo económico e não só perpetrado nos anos 90 acabaram sifonados do país para fora, por razões que não são de todo difíceis de entender »»»»»».

Até é muito fácil de entender para quem pretenda fazer uso da honestidade. Cá fora estava mais seguro e rendia mais. Esses gangsters não se ataviaram com rublos. Foi com moeda forte.

Os atentados e os assassinatos na Rússia no tempo de Yeltsin. Explicam-se resumidamente assim. Os bandos de mafiosos nesse tempo digladiavam-se na Rússia pela apropriação dos bens do Estado (da sociedade) tal como os gangsters se batiam nas ruas de Chicago nos anos 20. Não existe qualquer diferença. E um dia se um qualquer governo legitimamente eleito pelo povo da Rússia expropriar esses bandidos ou os seus descendentes não faz mais que repor a legalidade.
Putin ascendeu ao poder porque foi o bando dele o vencedor. Mas não deixa de ser um bandido igual àqueles que destronou. Porque atrás dele só estão bandidos.

««««««Felizmente que as principais faces da gatunagem têm nomes que toda a gente conhece»»»».

Estes que está a denunciar são os maus larápios? No seu entender esse tal Mikhail Khodorkovsky pertence ao grupo dos bons.
Explique-se como se distingue o bom do mau larápio? Deve ter coragem de dizer que este Khodorkovsky foi dirigente da Juventude Comunista (Komsomol) e que abarbatou todo o dinheiro pertencente a essa organização.

Francisco Lucrecio disse...

«««««««David Satter, que obviamente não é inglês, mas sim americano»»»»»»».

Até podia ter vindo do reino de Plutão. O que se está a discutir é o conteúdo do livro. Se não é Inglês viveu ou vive em Inglaterra.

Não vamos divagar com as preferências politicas do homem. Interessa o que está escrito.
««««««(Satter chama-lhe o “estado KGB”). Curiosamente, no livro referido, não existe menção a possíveis responsabilidades dos ocidentais.»»»»»»».
Não deturpe as coisas. Não mencionei que existia qualquer acusação no livro contra Instituições Ocidentais. Escrevi isto ! ________________Eu recomendo-lhe que leia de David Satter “Madrugada Sombria para constatar melhor o que foi a libertinagem neo-liberal na Rússia dos anos 90________
A alguns foge-lhe a boca para verdade, mas ao Sr. foge-lhe a verdade da boca, neste caso dos dedos com muita frequência.
Qual era a influencia do KGB nos anos 90? Não misture os factos por favor. O Sr. comporta-se como um reles manipulador desastrado ao serviço do capital, e deita a mão a todo o tipo de falsificações, para defender os seus interesses pessoais.

Nada o incomoda que vivam na miséria aqueles que produzem a riqueza , arduamente com o seu esforço.
Preocupa-o sim os seus interesses de classe.

Cristina disse...

Diga-me uma coisa caro Francisco Lucrécio:Nunca pensou onde foram educados os bandidos e mafiosos que você expropriaria de bom grado?
Pois, como deve saber, em 1991, tinham acabado de sair das escolas e universidades da "bela" URSS.Onde foi que aprenderam a roubar? Onde foi que construíram as suas referências morais? Onde foi que adquiriram princípios? Onde foi que receberam exemplos?

Chega desse discurso antiquado de "luta de classes"! Quando não há valores morais, não há sistema económico que resista.
Foi o comunismo e não o Ocidente que formou esses "larápios". Esses e os que continuam lá agora e, deixe que lhe diga, mesmo que um "qualquer governo legitimamente eleito pelo povo da Rússia" (coisa que neste país é praticamente impossível de acontecer) venha a expropriar esses bandidos, surgirão outros que farão o mesmo, porque 70 anos de ditadura não passam impunes.

Francisco Lucrecio disse...

Cristina ; começo por responder-lhe com uma opinião de Edgar Morin (conhece este homem?) sobre os acontecimentos na URSS, depois na Rússia dos anos 90.
( Os que antes oprimiam o povo, deitaram a mão ao que puderam e passaram-se serenamente para o outro lado).

Sabe o que isto quer dizer?
Acredita que algum deles hoje se considera comunista? Se souber um nome, indique-o por favor. Se nunca o foram é impossível serem-no agora.

Uma certeza lhe dou, todos veneram o sacrossanto mercado, que tão rasgados elogios recebe da sua parte.
Esta cambada de parasitas, infiltraram-se nas instancias do poder, minando-o e corroendo-o a partir de dentro, conseguiram mudar o sistema para sua conveniência, mas eles não mudaram nada, são hoje aquilo que sempre foram, um bando de oportunistas.

Também parece que ignora quem foram os seus professores (nas escolas e Universidades da “bela” URSS). As palavras são suas.

Ou não sabe que tudo foi feito usando a chancela do Socialismo, do Comunismo, retorno à pureza do Marxismo e aos ideais de Lenine?

Francisco Lucrecio disse...

Mais……………

É capaz de identificar quem teria pronunciado estas palavras nos finais dos anos 80?


««««««É claro que o progresso do meu país se tornou possível graças à Revolução. É o produto da Revolução o fruto do Socialismo, o novo sistema social, e o resultado da histórica escolha feita pelo nosso povo. Por trás dele encontramos os feitos dos nossos pais e avós e milhões de trabalhadores-operários, camponeses e intelectuais que setenta anos atrás assumiram a responsabilidade directa do nosso país.»»»»»»»»

«««««« Derrubando todas as barreiras erguidas por escolásticos e dogmáticos, surgiu um novo interesse pela herança de Lenine e uma sede de conhece-lo melhor no original»»»»»»».

«««««Se não fosse a colectivização não poderíamos hoje sequer pensar em produzir cereais num volume que ascende a 200 milhões de toneladas, para não falar já dos 250 milhões previstos para um futuro próximo »»»»»»».

«««««« Os Soviets da Rússia são um fenómeno único na politica mundial. São fruto da participação directa e criativa do povo trabalhador. Repreendi dirigentes sindicais por pactuarem com gestores, perguntei-lhes se não achavam que era tempo de assumirem um posição de principio e defenderem os direitos dos trabalhadores?»»»»»»»

««««« Seja o que for que pensem os opositores do Comunismo, este teve a sua origem e existe no interesse do homem e da sua libertação para defender os seus direitos genuínos e a justiça na terra.»»»»»»

««««««« No Ocidente, Lenine é citado com frequência como defensor dos métodos autoritários de administração. Esse é um sinal da total ignorância das ideias de Lenine e muito frequentemente, de uma distorção intencional. Na realidade, para Lenine , socialismo e democracia são indiviseis.»»»»»»»»

Mas a melhor reservei-a para o fim.

««««««« Foi particularmente um grave erro o rompimento de relações amigáveis da União Soviética, com a Republica Popular da China e a Albânia. De maneira geral as lições amargas foram numerosas. Mas os comunistas aprenderam com elas e ainda hoje continuam a aprender.»»»»»»»»»

São excertos de discursos de um “senhor” chamado Mikhail Sergueivicht Gorbachov quando era Secretário Geral do PCUS e dirigente máximo da URSS.

Agora fica a saber quem eram os professores dessas escolas e Universidades da “bela” URSS onde foram educados os bandidos e mafiosos. E quais foram os seus dirigentes.

A direita está petrificada nos seus dogmas ao acusar os comunistas de todas as vicissitudes, erros e desvios do socialismo. Ao ponto de fingir que não sabe, que os responsáveis desses desvarios, militam nos dias de hoje todos nas suas fileiras.

Ao passo que os verdadeiros Comunistas continuam pobres, firmemente a ocupar o lugar que lhes pertence na sociedade, defendendo os direitos do povo e da classe trabalhadora.

Se estou a faltar à verdade agradeço que me corrija!

Francisco Lucrecio disse...

Mais……………

É capaz de identificar quem teria pronunciado estas palavras nos finais dos anos 80?


««««««É claro que o progresso do meu país se tornou possível graças à Revolução. É o produto da Revolução o fruto do Socialismo, o novo sistema social, e o resultado da histórica escolha feita pelo nosso povo. Por trás dele encontramos os feitos dos nossos pais e avós e milhões de trabalhadores-operários, camponeses e intelectuais que setenta anos atrás assumiram a responsabilidade directa do nosso país.»»»»»»»»

«««««« Derrubando todas as barreiras erguidas por escolásticos e dogmáticos, surgiu um novo interesse pela herança de Lenine e uma sede de conhece-lo melhor no original»»»»»»».

«««««Se não fosse a colectivização não poderíamos hoje sequer pensar em produzir cereais num volume que ascende a 200 milhões de toneladas, para não falar já dos 250 milhões previstos para um futuro próximo »»»»»»».

«««««« Os Soviets da Rússia são um fenómeno único na politica mundial. São fruto da participação directa e criativa do povo trabalhador. Repreendi dirigentes sindicais por pactuarem com gestores, perguntei-lhes se não achavam que era tempo de assumirem um posição de principio e defenderem os direitos dos trabalhadores?»»»»»»»

««««« Seja o que for que pensem os opositores do Comunismo, este teve a sua origem e existe no interesse do homem e da sua libertação para defender os seus direitos genuínos e a justiça na terra.»»»»»»

««««««« No Ocidente, Lenine é citado com frequência como defensor dos métodos autoritários de administração. Esse é um sinal da total ignorância das ideias de Lenine e muito frequentemente, de uma distorção intencional. Na realidade, para Lenine , socialismo e democracia são indiviseis.»»»»»»»»

Mas a melhor reservei-a para o fim.

««««««« Foi particularmente um grave erro o rompimento de relações amigáveis da União Soviética, com a Republica Popular da China e a Albânia. De maneira geral as lições amargas foram numerosas. Mas os comunistas aprenderam com elas e ainda hoje continuam a aprender.»»»»»»»»»

São excertos de discursos de um “senhor” chamado Mikhail Sergueivicht Gorbachov quando era Secretário Geral do PCUS e dirigente máximo da URSS.

Agora fica a saber quem eram os professores dessas escolas e Universidades da “bela” URSS onde foram educados os bandidos e mafiosos. E quais foram os seus dirigentes.

A direita está petrificada nos seus dogmas ao acusar os comunistas de todas as vicissitudes, erros e desvios do socialismo. Ao ponto de fingir que não sabe, que os responsáveis desses desvarios, militam nos dias de hoje todos nas suas fileiras.

Ao passo que os verdadeiros Comunistas continuam pobres, firmemente a ocupar o lugar que lhes pertence na sociedade, defendendo os direitos do povo e da classe trabalhadora.

Se estou a faltar à verdade agradeço que me corrija!

Francisco Lucrecio disse...

Mais……………

É capaz de identificar quem teria pronunciado estas palavras nos finais dos anos 80?


««««««É claro que o progresso do meu país se tornou possível graças à Revolução. É o produto da Revolução o fruto do Socialismo, o novo sistema social, e o resultado da histórica escolha feita pelo nosso povo. Por trás dele encontramos os feitos dos nossos pais e avós e milhões de trabalhadores-operários, camponeses e intelectuais que setenta anos atrás assumiram a responsabilidade directa do nosso país.»»»»»»»»

«««««« Derrubando todas as barreiras erguidas por escolásticos e dogmáticos, surgiu um novo interesse pela herança de Lenine e uma sede de conhece-lo melhor no original»»»»»»».

«««««Se não fosse a colectivização não poderíamos hoje sequer pensar em produzir cereais num volume que ascende a 200 milhões de toneladas, para não falar já dos 250 milhões previstos para um futuro próximo »»»»»»».

«««««« Os Soviets da Rússia são um fenómeno único na politica mundial. São fruto da participação directa e criativa do povo trabalhador. Repreendi dirigentes sindicais por pactuarem com gestores, perguntei-lhes se não achavam que era tempo de assumirem um posição de principio e defenderem os direitos dos trabalhadores?»»»»»»»

««««« Seja o que for que pensem os opositores do Comunismo, este teve a sua origem e existe no interesse do homem e da sua libertação para defender os seus direitos genuínos e a justiça na terra.»»»»»»

««««««« No Ocidente, Lenine é citado com frequência como defensor dos métodos autoritários de administração. Esse é um sinal da total ignorância das ideias de Lenine e muito frequentemente, de uma distorção intencional. Na realidade, para Lenine , socialismo e democracia são indiviseis.»»»»»»»»

Mas a melhor reservei-a para o fim.

««««««« Foi particularmente um grave erro o rompimento de relações amigáveis da União Soviética, com a Republica Popular da China e a Albânia. De maneira geral as lições amargas foram numerosas. Mas os comunistas aprenderam com elas e ainda hoje continuam a aprender.»»»»»»»»»

São excertos de discursos de um “senhor” chamado Mikhail Sergueivicht Gorbachov quando era Secretário Geral do PCUS e dirigente máximo da URSS.

Agora fica a saber quem eram os professores dessas escolas e Universidades da “bela” URSS onde foram educados os bandidos e mafiosos. E quais foram os seus dirigentes.

A direita está petrificada nos seus dogmas ao acusar os comunistas de todas as vicissitudes, erros e desvios do socialismo. Ao ponto de fingir que não sabe, que os responsáveis desses desvarios, militam nos dias de hoje todos nas suas fileiras.

Ao passo que os verdadeiros Comunistas continuam pobres, firmemente a ocupar o lugar que lhes pertence na sociedade, defendendo os direitos do povo e da classe trabalhadora.

Se estou a faltar à verdade agradeço que me corrija!