sábado, agosto 07, 2010

Tragédia do fumo da minha janela



                                                 Moscovo, 7 de Agosto, 23.39 horas



7 comentários:

João Branco disse...

Realmente incrível. Não descurando a perigosidade dos incêndios, as alterações climáticas já se fazem sentir em Moscovo. Temperaturas a rondar os 35º graus nos meses de Julho e Agosto era um cenário climatérico inimaginável para a cidade (para o país) há poucas décadas atrás.

il gladiatore disse...

Um rapazinho a quem foi dada a possibilidade de se fazer homem no país dos sovietes.
Tiraram-no do norte obscuro e enviaram-no para a escola, para aprender e nunca lhe pediram nada em troca.
Por lá andou, estudou com aproveitamento, comeu e bebeu (sempre bebeu mais, que o diga a figadeira) com melhor regalo.
Mas algo lhe terá caído mal...
... e como não teve vergonha, continuou em casa dos convidados a viver à conta.
Um esquema aqui, um expediente acolá. Quem dá mais?
Hoje, meio órfão, vive das migalhas que a queda de URSS lhe deita aos pés e vai alimentado a gula do anti-comunismo requentado na fogueira da ignorância.

Mas nunca passará dum rapazinho a olhar o fumo pelo seu postigo...

Jose Milhazes disse...

Leitor Gladiatore, prosa bonita, mas vem de um anónimo, ou seja, um cobarde que receia dar a cara.
Muito ódio e talvez muita dor de cotovelo. Trata-se e vá trabalhar, faz muito bem à saúde física e mental.

Cristina disse...

Il gadiatore
Um bocadinho mais de respeito por uma pessoa que está numa situação de desastre natural, numa cidade quase em estado de guerra, não lhe ficava mal, especialmente porque estará provavelmente escrever numa qualquer confortável sala com ar condicionado.
A altura que escolheu para atacar o JM mostra o seu nível moral.

Jose Milhazes disse...

Cristina, esse foi um dos que estudou connosco na URSS, mas é dos cobardes, daqueles que se refugiam sob pseudónimos corajosos. Assim não vão longe, "camaradas"...

Jest nas Wielu disse...

Por falta de água (!) os bombeiros da província russa de Sverdlovsk apagam o fogo com os … excrementos humanos:
http://www.youtube.com/watch?v=
3n19MtuiPZw

Il Gladitore disse...

Felizmente não estudei "convosco" na União Soviética, mas sou um a quem as "vossas" patranhas não causam mossa.
Conheço um pouco mais do percurso do senhor das barbas para lhe ler as entrelinhas.
Quanto ao ódio que crê que eu sinto, não existe. Aliás recomendo que relei a as suas respoastas aos comentários e conte as vezes que usa essa palavra.
Manda-me trabalhar -será alguma ideia saída da sua literatura de cabeceira do tipo: o trabalho liberta? mas não me conhece.
Por si, em vez da inveja, sito um misto de desprezo e pena. Desprezo pelas suas ideias e pelo seu oportunismo, pena porque deve ser duro viver com esse dilema de tanto rancor a quem tanto lhe ofereceu sem pedir nada em troca.
Acusa-me de cobardia pelo mau anonimato. Não me diga que se soubesse "quem" sou me daria uma sova?!
A sua companheira de caminhada imagina-me numa sala com ar acondicionado... Enfim, uma reacção normal já que sobre a matéria de facto nem uma letra.
Não creio ter-lhe faltado ao respeito, nem usei sequer palavras ofensivas. E se agora sou mais duro é pelas respostas ressabiadas que o meu comentário objectivo provocou.
Passa mal!