quarta-feira, dezembro 08, 2010

Kremlin sugere Julian Assange para Prémio Nobel, agências russas

As organizações não-governamentais devem pensar em apresentar a candidatura do fundador do Wikileaks, Julian Assange, ao Prémio Nobel, declarou às agências russas uma fonte do Kremlin.
“As organizações sociais e não governamentais devem pensar como ajudar-lhe. Talvez apresentar a sua candidatura ao Prémio Nobel”, revelou um funcionário anónimo da Presidência da Rússia.
Como é sabido, se as três grandes agências russas de informação publicam simultaneamente as declarações acima citadas é porque não se trata de um boato, mas de uma forma de fazer chegar à opinião pública uma posição do Kremlin sobre este ou aquele problema, mas, neste caso, de forma a "não sujar" ninguém, ois trata-se de uma posição cínica ou até mesmo asquerosa. 
Seriam importante saber que Prémio Nobel propõe o Kremlin para o criador do Wikileaks? O Prémio Nobel da Química para que o mundo não se esqueça de como pode ser empregue o polónio? O que aconteceria a Julian Assange se ele fosse cidadão russo e fizesse o que fez em relação aos serviços diplomáticos ou militares do seu país?  
Várias organizações não-governamentais russas manifestaram "espanto" face à proposta do Kremlin, considerando-a de mau gosto.


11 comentários:

MSantos disse...

Será justo considerar um funcionário anónimo como a voz do Kremlin?

Cumpts
Manuel Santos

Jose Milhazes disse...

Caro MSantos, este é dos casos em que não restam dúvidas. Acha coincidência que as três agências de informação russas dêem uma notícia dessas ao mesmo tempo? Na Rússia não há coincidências desse tipo. Trata-se de uma "fuga de informação" provocada.

Pippo disse...

Não percebo onde está a mensagem asquerosa. TRata-se de pura ironia, e como a Rússia acaba por não ser prejudicada com as famosas "fugas de informação", o seu Governo até pode brincar com isto.

Já os amigos norte-americanos é que querem julgar o Julain Assange, não percebi bem se por "traição" ou se apenas por "violação de mulheres" (neste caso, por procuração).

Gilberto Mucio disse...

Esse pessoal é "mala" demais. hehe

Wandard disse...

Se existisse um Prêmio Nobel pela coragem de expor a verdadeira face da política externa americana, este realmente deveria ir para Julian Assange. Somente estão realmente incomodados com as revelações, são os "aliados" que de certa forma tem o "rabo preso" com as ações do Estados Unidos.

Por enquanto a Rússia tem mais a se divertir com toda a situação, pois depois do que passaram nos anos 90, tem todo o direito de assistir de camarote seus algozes se enforcando com as próprias cordas.

Anónimo disse...

cito o texto, "O que aconteceria a Julian Assange se ele fosse cidadão russo e fizesse o que fez em relação aos serviços diplomáticos ou militares do seu país?" - Assange e australiano e não cidadão dos USA.

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, sabemos que ele é cidadão australiano, mas, neste caso, isso não tem a mínima importância para o caso. O facto de ele não ser norte-americano não altera nada do que foi aqui escrito.

Anónimo disse...

Sr. Milhazes, sim tem razao nao altera em nada o que foi dito mas juridicamente tira flexibilidade ao USA em julga-lo, talvez nao o fizesse se fosse cidadao norte americano, pois poderia ser julgado por traicao a patria.

MSantos disse...

Sempre me questionei sobre o amadorismo do FSB em eliminar alguém através de um isótopo radioactivo, logo mais facilmente traçável. Pode ser que esteja aqui a resposta:

http://www.publico.pt/Mundo/wikileaks-russia-seguia-alegados-assassinos-de-litvinenko-antes-da-sua-morte_1470585

Cumpts
Manuel Santos

Wandard disse...

Sempre me questionei sobre o amadorismo do FSB em eliminar alguém através de um isótopo radioactivo, logo mais facilmente traçável. Pode ser que esteja aqui a resposta"

Caro Manuel,

Você ainda acreditava na culpabilidade do governo russo?

Francisco Lucrecio disse...

Assange foi vitima de uma armadilha muito bem urdida. Que os Russos não são capazes de montar. Os serviços secretos Russos quando têm necessidade matam mesmo.

Os Americanos não querem criar mais mártires , aprenderam bem a lição com o exemplo de Che Guevara. Por isso consideram uma bala um objecto demasiado valioso para eliminar um inimigo. Usam o assassinato politico. É o que estão fazendo.

Uma das "senhoras" que acusa Assange é uma dissidente Cubana, de nome Ana Ardin, naturalizada Sueca, proprietária de um prostíbulo a outra é Sofia Tilden ou Wilden (aparece com os dois nomes), amiga dela.
Mas ambas ligadas a um Cubano de nome Carlos Alberto Montaner, dirigente da União Liberal Cubana organização sediada em Miami, que é procurado por as autoridades de Cuba pelas ligações que mantém com o terrorista Posada Carriles um agente da CIA.

A acusação que fazem contra Assange é a coisa mais nojenta que se possa imaginar.

É de espantar as autoridades Suecas alinharem num linchamento desta natureza? Hoje da Suécia já é de esperar tudo, desde que enviaram tropas para reprimir os Afegãos.

Vão-se aproximando da Islândia em velocidade de cruzeiro.