domingo, fevereiro 13, 2011

Bailarina impedida de aparecer nos ecrãs por ter saído do Partido Rússia Unida



A bailarina clássica, Anastassia Volotchkova (na fotomontagem), acusa o Kremlin de ter impedido o seu acesso aos ecrãs televisivos por ter abandonado o Partido Rússia Unida, dirigido pelo primeiro-ministro, Vladimir Putin.
Na véspera, dois canais públicos de televisão: ORT e NTV, não exibiram programas com a participação da bailarina, que tinham sido anteriormente gravados e anunciados.
Anastassia Volotchkova acusa Vladislav Surkov, vice-chefe da Administração Presidencial da Rússia, de ter sido o autor das proibições.
“O meu diretor comunicou-me que o programa “Que falem”, dedicado ao meu aniversário, foi retirado da grelha por ordem pessoal de Vladislav Surkov... Esse programa era muito importante para mim, pois nele participaram a minha mãe, filha, os meus pares bailarinos Rinat Arifulin e Nikolai Tsiskaridzé, muitos amigos”, escreve a bairalina no seu blog.
“Trata-se de um golpe muito baixo”, sublinhou.
A bailarina escreve que, no final de um espetáculo seu em Togliatti, cidade do sul da Rússia, na sexta-feira, o público aplaudiu efusivamente quando ela anunciou a saída do Partido Rússia Unida e assobiou quando ela revelou a proibição dos programas televisivos com a sua participação.
“Estou convencida de que os espetadores me apoiam”, escreve ela.
Na NTV, Volotchoka participou num programa gravado sobre a relação entre a Igreja Ortodoxa e a sociedade civil, onde polemizou com o sacerdote Vselovod Chaplin, chefe do Departamento da Igreja Ortodoxa para relações com a sociedade civil. A bailarina fez duras críticas às tentativas do clero ortodoxo impor limitações à forma como as mulheres russas se vestem.
“Estou abalada. No país há tantos problemas, mas Surkov e os gatos anafados da Rússia Unida pensam em como manchar Volotchkova! Vergonha!”, comenta ela no seu blog.
Anastassia Volotchkova revelou que a Rússia Unida conseguiu, de forma enganosa, que ela assinasse uma carta a condenar Mikhail Khodorkovski, antigo patrão da petrolífera YUKOS, em 2005, sublinhando que essa foi uma das razões que a levou a bandonar o partido que detém a maioria absoluta no Parlamento.

6 comentários:

Daniel disse...

Ninguém tem nada a dizer sobre este tema? Ou ninguém gosta de bailarinas clássicas (mesmo na piscina)?

Já que ninguém comenta, faço eu as honras (em repetição do Facebbok, sorry)
........
Desde os tempos do PCUS que abandonar o partido governante significa trair. E as traições implicam sempre um castigo. Aliás, a bailarina não é a única. Muitos outros artistas russos que, de uma ou de outra forma criticaram o Governo viram-se impedidos de actuar na TV. Temos o caso do Zadornov, um humorista muito curioso, que deixou de ser convidado, temos o Andrei Danilko e muitos outros. Muitos deles emigraram para a Ucrânia onde prosseguiram a carreira. O mesmo se passou com alguns conhecidos jornalistas mais críticos.

Cristina disse...

Por lapso, o meu comentário anterior saiu com o autor trocado.

Cristina disse...

Condeno os métodos utilizados pelas autoridades, mas pensando bem, a bailarina não parece ter muitas preocupações quanto ao que os outros possam pensar da sua seriedade. Ora vejam:
http://style.rbc.ru/events/2011/01/12/143632.shtml

Josi Freitas disse...

Independente das fotos que ela fez, acredito que esse tipo de repressão que o partido faz com quem o abandona, é muito preocupante para os cidadãos em geral.

http://pius-primus.livejournal.com/ disse...

Um novo blog sobre a vida artistca da bailarina Anastassia Volotchkova em francês - http://volotchkova-fr.livejournal.com/

Anónimo disse...

Um novo blog sobre a vida artistca da bailarina Anastassia Volotchkova em francês - http://volotchkova-fr.livejournal.com/