sábado, abril 16, 2011

Vladimir Putin pede ao Partido Rússia Unida para não se deixar excitar com presidenciais de 2012


O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, pediu ao Partido Rússia Unida, que ele dirige, que não se deixe excitar com as eleições presidenciais de 2012 e se concentre nas parlamentares de 2011.
“No que respeita à campanha eleitoral para as presidenciais, peço que não falem disso, não se excitem com isso, elas serão só no próximo ano, todos devemos trabalhar nos nossos lugares”, declarou ele num encontro com dirigentes dessa força política.
Putin pediu-lhes para se concentrarem nas eleições parlamentares de dezembro deste ano.
“Qualquer força política deve querer vencer, mas não é menos importante o fato de a campanha eleitoral ser utilizada para criar condições para o desenvolvimento do país, para a solução dos problemas das pessoas”, acrescentou.
O primeiro-ministro russo tentou assim lançar “água na fervura” provocada pela declaração do Presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, de que tenciona recandidatar-se a esse cargo.
Vladimir Putin veio também dizer que não excluía essa possibilidade e os dirigentes do Partido Rússia Unida vieram afirmar publicamente que o apoiam enquanto seu dirigente.
“Nós colocaremos em primeiro lugar a sua candidatura ao apresentar um candidato do nosso partido nas eleições presidenciais. Putin é seu dirigente e é apoiado pela sociedade”, afirmou Iúri Chuvalov, membro do presidium da Rússia Unida.

Esta posição recebeu o apoio de outros conhecidos dirigentes desta força política.
O politógo Mark Urnov considera que será inevitável um conflito entre Putin e Medvedev na luta pelo Kremlin.
“O conflito já decorre debaixo do tapete. Para pôr fim a ele é necessária uma decisão interna do dueto sobre o candidato a presidente”, frisou.
“Considero que ambos os membros do dueto têm possibilidades semelhantes. Medvedev tem um pouco mais porque a elite pretende organizar as relações com o Ocidente. Deste ponto de vista, Medvedev é mais cómodo”, defende Avgueni Mintchenko, diretor do Instituto Internacional de Peritagem Política.
Porém, Serguei Mitrokhin, dirigente do partido liberal Iabloko, é da opinião que todas estas movimentação não passam de “uma forma de conservar a intriga”.
“A intriga é necessária ao poder vigente para aumentar o interesse dos eleitores para com o próximo ato eleitoral. Se as eleições decorrerem como em 2004, serão uma farsa claramente planeada e, infelizmente para o poder, não terá o devido nível de interesse entre a população”, precisou.
“O poder desempenha os seus papéis para manter na sociedade, na imprensa e no mundo, interesse para com as eleições, criando a ilusão de concorrência”, conclui Mitrokhin.

2 comentários:

Daniel disse...

Excitar? Hum...
No sentido de entusiasmar, deve ser....

Jose Milhazes disse...

Daniel, Putin disse em russo para não se excitarem, mas espero que tenho sido no sentido de não se entusiasmarem, embora não seja fácil fazer política sem entusiasmo.