terça-feira, junho 28, 2011

Da irmandade luso-brasileira em Moscovo (Moscou)

Antes de começar a escrever o texto, quero deixar claro que nunca pus em causa a irmandade luso-brasileira antes da sua escrita, como não porei depois. Para mim, isto é sagrado e ponto.
Mas regressemos à prosa. Alguns dias atrás, uma senhora russa de uma empresa organizadora de eventos telefonou-me e, depois, enviou-me um mail com um convite para participar na festa "Brazil is calling you", organizada pela Embaixada do Brasil em Moscovo (Moscou).
Fiquei surpreendido, porque nunca tinha sido convidado para um evento organizado pela Embaixada do país irmão, e mais surpreendido fiquei por me terem telefonado várias vezes a pedir confirmação. Talvez isso tenha acontecido (isto é apenas uma suposição) por a festa ter empresas portuguesas entre os patrocinadores.
Lá fui eu à procura do "Riz Carlson", restaurante com pretensões situado no centro da capital russa. Cheguei e fiquei muito surpreendido com as medidas de segurança à entrada. Antes de se entrar no elevador para chegar ao 14º andar, era preciso identificar-se, mas nem todos. Não entendi o critério que levava uns a entrarem sem controlo e outros depois do controlo, mas em Moscovo (Moscou) tudo pode acontecer.
Entrei no dito restaurante e dei com pessoas amontoadas à entrada e de pé por entre as mesas.  Acho que os organizadores da festa não estavam à espera de tanta gente.
Encontrei aí outros portugueses e decidimos encontrar uma mesa, mas foi-nos dito que nem todos os convidados tinham direito a cadeira e tentaram encaminhar-nos para uma varanda de onde se podia ver apenas os convidados VIP a jantar, o que, diga-se de passagem, não é lá muito agradável.
Recorremos à ajuda de Danilo, um funcionário da Embaixada brasileira que, depois de grandes esforços, nos conseguiu sentar a uma mesa, mas longe dos VIP's. Sentámo-nos e ficamos à espera de uma bebida que fora prometida no convite, mas apenas chegou a ementa do restaurante com preços pouco convidativos.
Perguntei, por curiosidade, ao empregado de mesa: mas será que não nos foi prometido uma bebida? 
O jovem ficou surpreendido, mas, depois de pensar um pouco, respondeu: cada convidado tem direito a uma caipirinha. Uma revelação destas é valiosa depois de uma hora de  busca, mas nem sequer isso bebemos, pois a disposição já estava estragada.
Mais tarde deveria atuar uma "brazilian diva" Gabriella, mas não fiquei. Peço aos irmãos brasileiros perdão pela minha ignorância, mas só conheço a Gabriela do Jorge Amado. Se convidaram a maior parte das pessoas apenas para ver o espetáculo, os organizadores podiam ter-nos convidado para mais tarde. 
Não é boa ideia pôr dezenas de pessoas a olharem para a mesa dos VIP's durante pelo menos mais de uma hora. Primeiro, os VIP's podiam sentir-se incomodados com a quantidade de olhos neles concentrados e, segundo, isso é altamente prejudicial para a saúde dos que estão a olhar.
Mas o mais curioso foi que, quando íamos a sair, uma das organizadoras do evento se aproximou de nós e pediu desculpa pela desorganização!
Não quero ingerir-me nos assuntos internos do país irmão, mas não ficaria mal uma maior atenção para com a imagem do Brasil. 
E por falar em imagem. Hoje, quando conversava com uma professora de língua portuguesa numa das universidades de Moscovo (Moscou), ela queixava-se que o Brasil não envia um leitor (professor) de português para a capital russa há mais de um ano, coisa que não acontecia mesmo nos períodos de forte crise económica no país-irmão. 
Embora vivendo uma pesada crise económica, Portugal (o Instituto Camões) vai mantendo o seu leitor de língua portuguesa em Moscovo, mas é claramente insuficiente para manter acesa a chama da lusofonia na Rússia. 
Irmãos brasileiros, vá lá, dêem uma ajudinha...

12 comentários:

Anónimo disse...

O Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores), referência histórica e de grande reputação para nós aqui, nos ultimos anos começou a decair na qualidade dos serviços prestados. Passaram a seguir uma política claramente ideológica, abrindo embaixadas em países insignificantes economica e politicamente e (a mando do governo no poder) cortejando países, digamos, pouco inclinados à civilização. Esse não é o Itamaraty do Barão do Rio Branco. É uma pena e uma vergonha que isso tenha acontecido com uma instituição de reputação tão consolidada. Tomara que outras oportunidades surjam para que o Sr. e outros amigos portugueses desfrutem de momentos agradáveis na Emabaixada do Brasil.

Anónimo disse...

Com relação à "brazilian diva", nunca ouvi falar.


O Gilberto Múcio deve conhecer...

hehehehehe!



Ítalo

Ricardo disse...

Bem-vindo a realidade brasileira.

Eduardo disse...

Olá, Dr Milhazes,

Infelizmente, a embaixada brasileira em Moscou/Moscovo está muito abaixo do que deveria ser num país tão importante como a Rússia. Ainda mais agora que as relações entre os dois países estão num patamar alto.

No Brasil, há dois consulados da Rússia (um em São Paulo e outro no Rio), que funcionam muito bem. E na Rússia, infelizmente, nenhum consulado brasileiro além própria da embaixada.

Espero que o ministério das relações exteriores esteja sensível, pois o número de brasileiros a estudar na Rússia cresce a cada ano.


Cumprimentos !


Abraços a todos irmãos portugueses!

Zhirinovsky disse...

Não vai melhorar... Só vai piorar!

E eu estou pensando positivo.

Gilberto Mucio disse...

Não de se espantar essa desorganização.

A embaixada do Brasil na Rússia é tradicionalmente inepta e incompetente.

Não passa de um cabide de empregos para burocratas que não fazer porcaria nenhuma da vida.

Temos um Adido Cultural que é um inútil(na verdade nem sei quem é, mas todos o são)que organiza eventos culturais; não promove a imagem do Brasil; não promove a língua portuguesa; são faz nada.

(Do ponto de vista comercial também são zero à esquerda. Não sabem de nada, e são completamente inúteis)

Quando organiza eventos do tipo, são esdrúxulos, como esse narrado por você.

Burocratas de 5ª categoria.

Como brasileiro, peço desculpas por esse vexame.

O Danilo citado por você até que é boa gente, o conheço. Como também tem mais uns que certamente o são.

O problema está na "superestrutura" que é viciada.

Gilberto Mucio disse...

Errada

"Que NÃO organiza eventos culturais(...)"

Anónimo disse...

Faz-se aquilo que se pode. O "claramente insuficiente" significa que o leitor do IC nao da conta do recado?

Jose Milhazes disse...

Anónimo, o leitor do IC em Moscovo faz o que pode, deve e muito mais. O problema deverá ser falta de meios.

Anónimo disse...

"Não passa de um cabide de empregos para burocratas que não fazem porcaria nenhuma da vida."

Múcio, eu sou crítico da administração petista nas relações internacionais, mas dessa vez vc exagerou.

Tb n é assim, né?

hehehehe


Ítalo

Gilberto Mucio disse...

Essa inutilidade das representações brasileiras transcende a política, Ítalo.

Sempre foi assim.

Anónimo disse...

Caros todos,

Pois como disse o amigo português, fiz o que pude para sentá-lo à mesa, simplesmente apareceu muito mais gente do que esperado (prova da popularidade do Brasil) e a capacidade do lugar foi insuficiente.

Tivemos problemas com os donos do RIZ Karlton. Tivemos problemas de outra ordem, que não vale a pena citar aqui.

Mas desde abril trabalhamos diariamente nesse projeto, criamos página no facebook, no twitter e no livejournal, totalmente em russo e cheio de informações úteis. Colocamos vídeos do Brasil nos trens expressos Aeroexpress para Vnukovo, Sheremetevo e Domodedovo. Distribuímos 10 passagens para felizes russos, que ficaram super agradecidos e conhecerão as belezas do meu país, o Brasil. Nos esforçamos muito para fazer tudo de melhor.

Se no último momento faltou uma mera caipirinha a alguém (que foi tudo que prometemos no convite) e somos chamados de burocratas inúteis e incompetentes que não fazem nada, sinceramente fico muito triste e decepcionado.

Mas tudo que posso fazer é ficar triste e decepcionado. Agradeço as críticas construtivas dos que se manifestaram.

Se precisarem de minha ajuda, estarei diariamente no Setor de Promoção Comercial da Embaixada do Brasil em Moscou, como faço há 2 anos, respondendo a centenas de consultas diárias, organizando missões, entre outras muitas atividades que só um inútil pode fazer.

Abraços e perdão por decepcionar a alguns.

Danilo T. Costa
Segundo Secretário
Chefe do SECOM