sexta-feira, agosto 26, 2011

A vergonha não tem limites

Samuel E'to transferiu-se do Inter para o Anzhi de Makhatchkala e, a acreditar nas notícias dos jornais, irá receber anualmente 20 milhões de euros de salário, ou seja, irá ser o jogador mais bem pago do mundo, ultrapassando Cristiano Ronaldo, Messi, etc.
Poder-se-ia pensar que esse jogador africano vai alinhar nalgum clube com o nível financeiro e qualidade futebolística semelhante ao Real Madrid ou Barcelona, mas, por enquanto, o Anzhi ainda está a anos-luz dessas equipas, não obstante já ter adquirido Roberto Carlos e Zhirkov.
O Anzhi é uma equipa de Makhatchkala, capital do Daguestão, república russa do Cáucaso do Norte, uma das regiões mais pobres e esquecidas da Federação da Rússia. O post anterior descreve bem a situação social, económica e política nessa república.
Quando E'to se transferiu para o Anzhi foi escrito algures que ele iria continuar a viver em Milão e viria à Rússia apenas para jogar. Claro que as coisas não são assim, mas também não são muito normais. Os jogadores dessa equipa vivem e treinam em Moscovo e apenas vão a Makhatchkala disputar os jogos caseiros, pois poucos serão os jogadores que se disponham a ir para lá viver, mesmo a troco de salários chorudos.
Suliman Karimov, um multimilionário daguestanês, realiza assim um dos seus caprichos, enquanto milhares de pessoas continuam a viver na miséria. 
Começo cada vez mais a dar razão aos meus amigos russos que reconhecem que o seu país é muito bom para ganhar dinheiro (esta parte não me diz respeito), mas mau para viver. Pudera, com investimentos como aquele...
Nos últimos nove meses, a Rússia perdeu seis aparelhos espaciais que caíram ou desapareceram depois do lançamento. Na semana passada, perdeu o mais poderoso e moderno satélite de comunicações Ekspress-AM4.
Podem dizer-me que uma coisa não tem a ver com a outra. Eu não concordo.

18 comentários:

praianorte disse...

Vergonhoso e lastimavel o comportamento desse ditador, que merece ser corrido e preso pelos desvarios que comete em prejuízo do povo. Presumo que esse despota é um herdeiro da antiga U.sovietica.

Jest nas Wielu disse...

Não faz mal, pelo desde que o país produz as Ladas-Problemas e Bulavas-que-as-vezes-até-Voam!

p.s.
Parece que o mesmo clube também está em negociações com ucraniano Anatoliy Tymoshchuk (http://pt.wikipedia.org/wiki/Anatoliy_Tymoshchuk)

David J. Pereira disse...

Boas!

Devo dizer que gosto imenso deste blogue!

Podem adicionar os meus aos vossos links? Eu prometo que retribuo :p

http://davidjosepereira.blogspot.com/

Saudosos cumprimentos!

Pippo disse...

Por acaso, uma coisa não tem nada a ver com outra.

Comparar problemas de design ou de produção de foguetões com a compra de um jogador é o mesmo que associar o fim da Golden Share do Estado na EDP à compra do Roberto pelo Benfica.

Bom, mas pelo menos esta última tragédia já foi resolvida... :o)

Anónimo disse...

Eu achei isso asqueroso, mas tem mais, eles vão construir um estádio de luxo e milionário na cidade:
http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1349839
Dá pra acreditar?

Praça da República disse...

Boa malha, Zé Milhazes!

Zhirinovsky "The Bear" disse...

Isso acontece só na Rùssia? Vocês não tem idéia do que acontece no Brasil!!! Que bom que nossa realidade não é divulgada no exterior.

Pelo que eu sei, a Rússia não tem favelas, possui uma população 97% alfabetizada, tem uma economia forte, e o salário mínimo na Rússia é em torno de US$ 750 dolares!

Ainda não dá pra comparar a Rússia com os Estados Unidos ou França, mais comparem a Rússia com o Brasil, Ucrania, Polonia,México, Indonésia, Irã e a Índia!!!

O povo russo vive em melhores condições do que brasileiros,ucranianos, poloneses, indianos, chineses, turcos, gregos, iranianos, paquistaneses, tailandeses, indonésios, sul africanos, mexicanos e por aí vai... As universidades russas estão entre as melhores do mundo!

E no verão, os russos estão invadindo praias na Turquia, Itália e Espanha!

E pelo que eu conheço, não existe favela na Rússia...

O que acontece no Cáucaso Russo é algo normal e que será resolvido com o passar dos anos... Vão até uma área rural na China, e vocês verão miséria maior do que no Daguestão!

Ricardo disse...

"Nos últimos nove meses, a Rússia perdeu seis aparelhos espaciais que caíram ou desapareceram depois do lançamento"
E hoje foiu lançado com sucesso o novo míssel nuclear russo bulava, enfim nem tudo é fracasso. Os setalites Galileu também serão postos em órbita com foguetes russos, inclusive ele já está no Suriname de onde será lançado.
Sobre o caso Eto'o não sei qual o espanto, o capitalismo sempre produziu esse tipo de coisa, pessoas extremamente ricas e outras que mal tem o que comer, sempre foi assim. Na europa ocidental mesmo ou nos EUA tem pessoas extremamente ricas e ao mesmo tempo nas ruas tem mendingos que vivem com quase nada.

PortugueseMan disse...

Esta coisa dos satélites, temos muitas maneiras de ver a coisa.

Desde 2010, a Rússia efectuou 48 lançamentos e teve 4 que falharam. No mesmo periodo os Estados Unidos, o país que mais lançamentos faz a seguir à Rússia efectuou 29 lançamentos com uma falha. A Rússia efectuou em 2010 mais lançamentos (31) e teve uma falha. Os EUA precisaram de 29 para ter uma falha. Por acaso o lançamento que falhou levava apenas um satélite, mas existiu um lançamento que levava 9 satélites e poderia ter sido este a falhar.

No mesmo dia que o Express-AM4 falhou a China também falhou um lançamento, mas esse não é notícia.

A Rússia mantem a capacidade e a liderança de lançamentos para o espaço? sem dúvida. Basta ver os 44 lançamentos com sucesso (desde 2010) que colocaram 64 aparelhos espaciais no espaço.

Agora, estão a ter problemas? pelos vistos estão, mas é algo que será resolvido, com mais ou menos tempo.

É preciso ter em conta que a indústria espacial russa está sob grande pressão. Ainda não vi um artigo a falar sobre isto, mas na minha opinião é o problema principal. A pressão política. Os políticos querem mais, muito mais do sector espacial e estão a querer isso depressa demais. talvez porque para o ano temos eleições, porque o GLONASS dá grande visibilidade ao país, porque querem mostrar que são capazes de aguentar uma estação espacial sózinha e quem não tem capacidade para isso são os EUA (e nunca tiveram).

Seja por que razão fôr, o facto é que foi anunciado um aumento de lançamentos para 2011 de 50%, isto basicamente significa todos os lançamentos que efectuaram em 2010 mais os lançamentos que os EUA efectuaram no mesmo periodo. É um aumento muito grande para um curto espaço de tempo penso que seja este o problema, o sistema não aguenta,não está preparado para um aumento tão grande de uma só vez, penso que o provérbio "depressa e bem não há quem" se aplica muito bem neste contexto. A Rússia necessita de rever os procedimentos para um aumento de produção e a classe política tem que compreender que não basta apenas carregar no acelerador, tem que se ver se podem, se existe essa capacidade de resposta.

A indústrial espacial russia está sob grande pressão este ano, o sistema GLONASS necessita de estar activo este ano, os militares querem mais satélites no espaço, as encomendas civis estão à porta, está previsto para Outubro o primeiro lançamento na Guiana Francesa e que vai levar 2 satélites do sistema GPS europeu GALILEO, Os EUA perderam os shuttles e a responsabilidade de manter a estação espacial internacional está toda em cima da Rússia, e a estação recentemente duplicou a tripulação de 3 para 6 tripulantes, o que obrigou a Rússia a duplicar o nº de naves para ter 6 tripulantes em Órbita e não existe Shuttles para partilhar o envio de carga.

Para mim o problema é este, eles estão para além dos seus próprios limites, não conseguem dar resposta a tantas solicitações num tão curto espaço de tempo. Vão ter que assumir que será necessário andar mais devagar e que alguns lançamentos terão que ser adiados, aumento de produção sim, mas mais gradual de modo a manter a qualidade que têm tido até hoje.

Anónimo disse...

"Zhirinovsky"

Imigre à Rússia, vá viver num kvartira de 30-35/m2, assim vosso padrão de vida será óptimo !

PortugueseMan disse...

Relativamente ao GLONASS, este passa a ter um aliado peso pesado na indústria dos telemóveis:

GLONASS gets Nokia backing, aims to rival COMPASS

Russia has secured Nokia's backing of its GLONASS satellite navigation system, a major step forward for the country's technology toward securing the number two global position after GPS.

GLONASS, as well as European space program Galileo and China's Compass, are set to break over 20 years of unrivalled dominance of Global Positioning System (GPS) as countries seek to cut their reliance on the U.S. technology.

The world's largest phone maker by volume, Nokia aims to release its first cellphone supporting GLONASS as well as GPS next year...


http://news.yahoo.com/glonass-gets-nokia-backing-aims-rival-compass-151239783.html

Jose Milhazes disse...

Leitor PM, você tem razão quando escreve que os políticos pressionam, querem demais, mas isso tem explicação: demagogia política e incompetência.

PortugueseMan disse...

...demagogia política e incompetência.

"Virtudes" que qualquer político que se preze tem que ter.

Wandard disse...

"explicação: demagogia política e incompetência."

Que interessante: Estados Unidos, Espanha, Portugal,Grécia, Itália, Inglaterra, França.... estão vivendo uma tremenda crise financeira que parece não ter fim, parece que os atributos acima não faltaram aos políticos destes países.

Bem e já que o Sr. Milhazes gosta tanto de exemplificar e destacar falhas relativas à Rússia, segue um recorte de uma matéria do Los Angeles Times há algumas semanas atrás:

"Conforme a USAF (Força Aérea dos EUA) via mais oportunidades para mudar o projeto, mais o F-22 crescia em custos. Quando entrou em serviço em 2005, não demorou em os problemas aparecerem. Em 2006, um piloto ficou preso no avião por horas porque o canopi não abria. Ele teve que ser cortado para a retirada do piloto, e um canopi substiturto custa aproximadamente 71.000 dólares, segundo a Força Aérea.
Em 2007, um erro no programa do sistema de navegação fez com que 12 Raptors dessem meia volta em um vôo do Hawaii para Okinawa, no Japão. Seis dias depois, engenheiros corrigiram o problema a um custo que a USAF estimou entre 200.000 e 300.000 dólares.
No ano passado, os caças foram inspecionados em busca de corrosão devido ao “projeto ruim da drenagem no cockpit”, de acordo com um comitê da Câmara. Quatorze F-22 tiveram partes de seus cockpits com corrosão substituídos, segundo a USAF. A corrosão também tem sido um problema para a cobertura furtiva ao radar que, segundo o escritório de contabilidade do Governo dos EUA, “é difícil de lidar e de manter, necessitando de aproximadamente duas vezes mais pessoal de manutenção do que o planejado”.
O caça necessita de aproximadamente 3.000 pessoas para sua manutenção, segundo a USAF, que calcula um total de 45 horas de manutenção para cada hora de vôo. Há duas décadas, o Governo planejava comprar 648 Raptors por 139 milhões de dólares cada. O custo praticamente triplicou para os atuais 412 milhões de dólares, conforme o escritório de contabilidade do Governo dos EUA.
O ex-secretário de Defesa Robert M. Gates pôs um fim na compra do avião, para um total de 188 unidades, do qual resta uma pequena parte ainda em fabricação. O acréscimo de 273 milhões de dólares por aeronave pode ser traduzido em 51,3 bilhões perdidos em poder de compra para o programa F-22. Gates disse no Congresso, em 2008, que “a realidade é que estamos lutando duas guerras no Iraque e no Afeganistão, e o F-22 não realizou uma única missão em nenhum desses teatros de operações.”

Que colosso

Jose Milhazes disse...

Leitor Wandard, volto a repetir: este blog chama-se Darussia.

MSantos disse...

O que se poderá tornar numa má notícia para algumas pessoas.

http://www.spaceflightnow.com/news/n1108/30investigation/

Cumpts
Manuel Santos

Wandard disse...

Sr. Milhazes,

Tenho pleno conhecimento do nome do blog bem com todos os que o acompanham e de forma extemporânea ou frequente, aqui postam seus comentários. A minha postagem foi bem específica e acredito que, com um sentido denotativo devidamente perceptível; que era apenas exemplificar que o blog costuma trazer matérias sempre com o destaque de falhas em diversas esferas na estrutura Russa como se todas as ocorrências fossem exclusividade desta nação, e demais nações, principalmente as componentes da Aliança Atlântica, não sofressem dos mesmos problemas quee em alguns casos, são bem mais gritantes. Por se tratarem de nações detentoras de fortes economias "desenvolvidas", "primeiro mundo" como no caso da pérola da colonização européia. Detentora da maior economia do mundo e baluarte em tecnologia, sempre gastando somas exorbitantes no desenvolvimento de seus projetos e acumulando um rastro de acidentes e falhas, como o exemplificado na minha postagem anterior. Apesar do blog tratar de assuntos relativos à Rússia e países adjacentes, a Rússia é um dos 5 membros permanentes do Conselho de Segurança da Onu, é membro do G8 e também o único país que se reune com a Otan do outro lado da mesa, pelo menos até o momento. Na minha humilde opinião, um comparativo como o postado por mim anteriormente, não modifica o contexto do blog.

Pippo disse...

Caro Wandard,

Tenho de concordar consigo quando faz comparações com outros "países desenvolvidos". Apesar do blog se chamar DaRússia, o autor também tece várias comparações entre a Rússia e outros países, normalmente pondo em evidência os podres da Rússia e comparando-os com o "bom" dos países desenvolvidos.

Não será também natural que os leitores teçam as suas comparações? No seu caso - azar! - referiu um problema que "não deveria existir" no país-farol do desenvolvimento.