sexta-feira, setembro 16, 2011

Companhias russa e europeias assinam contrato sobre construção do gasoduto South Stream

A gasífera russa Gazprom, as companhias italiana Eni, francesa EdF e alemã Wuntershall assinaram hoje um acordo para realizar a construção do gasoduto South Stream, que irá ligar a Rússia à Europa através do Mar Negro.
O documento foi assinado no quadro do Fórum Económico de Sochi, cidade do sul da Rússia, e contou com a presença do primeiro-ministro russo Vladimir Putin.
O novo tubo terá uma capacidade de transporte de 15,74 mil milhões de metros cúbicos de metro por ano e deverá estar operacional em 2015.
O Presidente da Ucrânia, Victor Ianukovitch, propôs que esse gasoduto seja construído não pelo fundo do Mar Negro, mas através do território ucraniano, mas Moscovo recusou imediatamente dessa proposta, porque não quer que os seus fornecimentos de gás à Europa estejam dependentes de países transitários.
 O comissário europeu da Energia, Gunther Oettinger, criticou o South Stream, considerando-o uma tentativa de frustrar os planos europeus de construir o chamado gasoduto Corredor do Sul.
Oettinger criticou a utilização do gás como “instrumento político de pressão sobre o Turquemenistão e p Azerbaijão”, acusando Moscovo de fazer pressão sobre esses países para os obrigar a abandonar o projeto.
O Kremlin, por sua vez, acusou a União Europeia de pretender construir um gasoduto através do Cáspio sem o acordo de todos os países ribeirinhos.
P.S. Só não entendo uma coisa: como é que a União Europeia diz ter uma atitude única face aos problemas energéticos, mas empresas europeias de primeira linha participam no projeto South Dream? 

23 comentários:

Pippo disse...

"Só não entendo uma coisa: como é que a União Europeia diz ter uma atitude única face aos problemas energéticos, mas empresas europeias de primeira linha participam no projeto South Dream?"

Não entende? É porque na UE não existe dirigismo de mercado mas sim livre concorrência. As empresas são livres de assinar contratos e é isso que está a ser feito.

Não é a falta de liberdade económica que é criticada na Rússia? Então porquê criticar essa liberdade quando ela existe?

Da notícia, destaca-se a choraminguisse ridícula do comissário europeu. A UE tenta "lixar" a Rússia sob o ponto de vista económico, e isso é uma coisa bonita de se fazer; mas quando a Rússia contorna o problema (e contorna também o Turquemenistão, o Azerbaijão e a Ucrânia), aí de repente é um "Ai Jesus que o Bicho-papão vem aí!"

Ridículo!

Jose Milhazes disse...

Caro Pippo, mas acha que a Rússia tem direito a dar ordens sobre o que construir ou não através do Cáspio? A Rússia pode construir os gasodutos que quiser, mas a UE também tem o direito a procurar fontes e vias alternativas. Isto é que é concorrência.

Zhirinovsky Flanker disse...

A União Européia que construa gasodutos no Mar do Norte e no Mar Mediterrâneo. Nada de se intrometer em territórios que não estão sob seu teto. Fora União Européia!!!

Esse gasoduto construído sob o Mar Negro é a resposta perfeita da Rùssia para os traidores imundos de Kiev, que estão usando os gasodutos que passam sobre seu território para chantagear a Rússia! Agora sim eu quero ver qual é a saída para a Ucrânia. Se o gás russo não passar mais pelo território ucraniano, este país vai falir e sua população vai morrer congelada no inverno.

A Rússia sempre tem uma resposta para estas chantagens, e quem ficou na mão foi a Ucrânia agora. A Ucrânia mais uma vez foi passada para trás!

A Ucrânia é a Argentina do Leste Europeu, sempre em 2º lugar!!!

Pippo disse...

"acha que a Rússia tem direito a dar ordens sobre o que construir ou não através do Cáspio?"

Respondo-lhe com uma pergunta similar: acha que a UE tem o direito de dar ordens sobre o que se pode ou não construir através do Mar Negro?

Ou será que a a liberdade económica é só para alguns?

A UE tentou fazer o seu jogo de fazer um bypass à Rússia; esta adiantou-se e lixou os planos da Comissão Europeia. Azarito!

Jose Milhazes disse...

Caro Pippo, a UE assina acordos com países do Cáspio (Turquemenistão, Azerbaijão e Cazaquistão). Por isso, não viola qualquer lei internacional. Concordo que se trata de uma competição geopolítica de dimensão, resta saber quem será capaz de retirar os frutos. Esta história dos gasodutos faz-me lembrar a corrida aos armamentos da guerra fria... Espero que haja gás para todos os tubos.

PortugueseMan disse...

...a UE assina acordos com países do Cáspio (Turquemenistão, Azerbaijão e Cazaquistão). Por isso, não viola qualquer lei internacional...

Não, mas dada a situação do Mar Cáspio, em que as nações não se entendem quanto à sua divisão, isto é deitar gasolina para a fogueira.

Interessante a posição da UE. Apesar de ter falhado a instalação da NATO na Geórgia o que teria aberto um corredor até ao Cáspio via Azerbeijão, os planos de acesso à energia do Cáspio, prosseguem com ou sem proteção militar.

Vai haver muita pressão por parte da Rússia e Irão.

Pippo disse...

Pois é, a UE assina acordos com os países do Cáspio, e a Gazprom assina acordos com empresas europeias.

O JM, que tanto critica o dirigismo económico na Rússia, vem agora criticar implicitamente as empresas europeias quando estas, num espírito de livre iniciativa, assinam acordos com empresas russas?

Se os Estados querem controlar as empresas, nacionalizem-nas ou tenham Golden Shares. Como a UE optou pela proibição dessas medidas, agora aguente-se!

Quanto à competição geopolítica, na minha opinião a UE pode já começar a arrumar a trouxa. Como não tem controle sobre as suas empresas e a sua economia (aliás, são as empresas quem manda nos Estados, e não o contrário), não tem qualquer hipótese de competir com a Rússia e com o seu braço económico que é a Gazprom.

A UE não quer ficar dependente da Rússia? Desenrasque-se!
Faça contratos com a nova Líbia; compita com o chineses e os norte-americanos na Nigéria e em Angola; fique dependente dos turcos - que parece que é o que a UE quer! - e do seu gasoduto Nabucco; ou então, desenvolva energias alternativas e não poluentes.

Até lá, ficará dependente do Northstream e do Southstream.

Jest nas Wielu disse...

É um exemplo típico do marxismo cultural que opera na União Europeia, a UE sabe que está abrir a sua própria cova e não faz nada, depois vai durante X anos “heroicamente” combater aqueilo que permitiu construir hoje...

p.s.
Mais uma dica sobre quem é que permite este tipo das coisas:
http://www.novayagazeta.ru/news/1594181.html

Wandard disse...

"a UE sabe que está abrir a sua própria cova e não faz nada, depois vai durante X anos “heroicamente” combater aqueilo que permitiu construir hoje"

Jest,


Combater heroicamente?

Pippo disse...

"a UE sabe que está abrir a sua própria cova e não faz nada"

Então não faz??? Permite-se ficar dependente dos turcos com o seu projecto Nabucco.

Depois queixe-se se os turcos lhes exigiram a "adesão imediata à UE, senão..."

Anónimo disse...

Eu concordo com Jest, se esse gasoduto for construído a UE estará cavando sua própria cova. Esse Putin é intligente, brilhante. Pena que isso seja usado para o mal. Esse gasoduto nada tem a ver com questões enérgicas, já há gasodutos cortanto os territórios de Ucrânia e Balarus, não há necesidade de novos gasdutos, os atuais são suficientes para atender o consumo Europeu, esse gasoduto tem motivações políticas, tais como:

1 - ser concorrente do gasoduto Nabuco, que trará gas do Turcomenistão e do Azerbaijão, dimiuindo, assim, a dependência do gas russo;

2 - oprimir e controlar ainda mais países como Ucrânia e Belarus que, sem a exlcusividade do trânsito do gas, ficarão ainda mais dependentes da Rússia. A Rússia que depauperar esses países, pra que eles vivam de mendicância da Rússia, assim a Rússia se apodera da soberania deles num futuro projeto de adesão. Os russos querem dominar a cena nesses países reeditar uma nova URSS;

3 - aumentar a influência da Rússia no Ocidente. A Rússia quer fazer chantagem com o gás com o Ocidente. Mas considero isso um erro de cálculo da pretensiosa estratégia russia. O Ocidente não é a Ucrânia ou Belarus e não vão ceder as chantagens da Rússia.

A melhor coisa que a UE tem a fazer é buscar alternativas ao gas russo. A Rússia já deu bastantes provas de não ser um fornecedor confiável já que utiliza o gás como arma política. Para a Rússia isso não é uma simples relação comercial. Ela é generosa com aliados e dura com inimigos. Isso não é uma condição economica mas de geopolítica. É uma questão mesquinha, política e diplomática que mais tem a ver com estratégias de poder e controle do que com interesses comerciais. Isso é motivo suficiente para barrar a entrada da Rússia na OMC.

Anónimo disse...

Turquemenistão, Azerbaijão e Cazaquistão não são países soberanos? Não tem direito de firmar acordos com quem quer que seja? O que a Rússia tem que se intrometer? Ela não é dona desses países. O Mar Negro não pertence a Rússia mas sim a outros 5 países.

Anónimo disse...

Isso não é bom, quando a Rússia se tornar a grande fornecedora de gás da Europa vai começar a fazer exigências na área política e diplomática, vai se tornar dependete da Rússia. Oh meu deus! Isso será o fim da Europa e do Ocidente!

Pippo disse...

"Esse gasoduto nada tem a ver com questões enérgicas, já há gasodutos cortanto os territórios de Ucrânia e Balarus, não há necesidade de novos gasdutos"

"A Rússia já deu bastantes provas de não ser um fornecedor confiável já que utiliza o gás como arma política."

"quando a Rússia se tornar a grande fornecedora de gás da Europa vai começar a fazer exigências na área política e diplomática, vai se tornar dependete da Rússia. Oh meu deus!"

AHAHAHA! É só rir!!!

A Europa andou dependente da Ucrânia e das suas guerrinhas com a Rússia, foi roubada descaradamente por Kiev, perdeu milhões de euros com isso e ainda passou frio, mas a Rússia é que não é "um fornecedor confiável";

A UE vai ficar dependente dos turcos e do seu belo Nabucco, turcos esses que, ainda sem serem parte da UE, já andam a fazer exigências sobre quem deve ou não presidir à União Europeia(http://www.publico.pt/Mundo/turquia-ameaca-congelar-relacoes-com-ue-por-causa-de-chipre_1512439);...

E andam uns tipos aqui preocupadíssimos a dizer que a Rússia é que é o bicho-papão! Tenham juízo! Se a Europa Ocidental estiver mesmo interessada em ter independência energética, que explore fontes de energia alternativas, que dê uso às suas céluas cinzentas e arranje formas de produzir a energia que consome.
Enquanto preferir o petróleo e o gaz que não tem... aguente-se!

Anónimo disse...

Pippo,

a Turquia é apenas o país de trânsito do gás, o verdadeiro fornecedor é o Afegaistão e acho que tb o Turcomenistão.

Outra, quais são as garantias que a Rússia dá de que não vai fazer uso político do gás? A UE não pode ficar a mercê da política externa russa.

MSantos disse...

A lamentar a desonestidade ideológica de quem defende a "economia de mercado" a todo o custo mesmo no seu mais desumano papel, e que a condena quando esta está do lado dos seus ódios obessessivos.

Cumpts
Manuel Santos

Pippo disse...

"a Turquia é apenas o país de trânsito do gás, o verdadeiro fornecedor é o Afegaistão e acho que tb o Turcomenistão."

A Ucrânia também era "apenas o país de trânsito do gás", e vejam-se os problemas que isso causou.

Ah, pois é, mas a Ucrânia não fez "uso político do gás". Sou eu que devo andar distraído.

PortugueseMan disse...

...a Turquia é apenas o país de trânsito do gás...

Um país de trânsito pode bloquear o fluxo de energia, o que nesse caso implica uma maior dependência da Turquia.

o Afeganistão não é o fornecedor.

...quais são as garantias que a Rússia dá de que não vai fazer uso político do gás? A UE não pode ficar a mercê da política externa russa...

A Europa tem estado dependente do gás russo desde os tempos da URSS. Quantas vezes foi usada como arma política?

A política de energia europeia contempla a continuação do uso do gás russo e do seu aumento ao longo dos anos. Não existe maior fornecedor com capacidade de resposta às necessidades crescentes europeias.

Pippo disse...

"a Turquia é apenas o país de trânsito do gás"

Pois, a Ucrânia também era "apenas" o país de trânsito do gás... e a gente sabe no que isso deu.

"quais são as garantias que a Rússia (...) não vai fazer uso político do gás?"

A Ucrânia fez uso político do gás. E não tenha a mínima dúvida que a Turquia também o fará.

"A UE não pode ficar a mercê da política externa russa."

Ah, mas pode ficar à mercê da política externa ucraniana, que roubava gas para fazer chantagem sobre a UE e a Rússia!
Pode ficar à mercê da Pol. Ext. da Polónia, que fcou danada por o Nordstream não passar pelas suas águas territoriais (para poder assim emperrar o negócio entre russos e alemães)
E pode ainda ficar totalmente à mercê da política externa da Turquia! A Turquia, cuja política externa já diz que vai impedir, se necessário "manu militari", a exploração de gás no mar de Chipre por parte de israelitas e cipriotas. Chipre, esse país que é "apenas" um Estado soberano que tem uns 30% do seu território ilegalmente ocupados pela Turquia. A Turquia, que até já diz à UE que Chipre NÃO PODE presidir à União Europeia (e nós todos caladinhos que nem uns ratos, cheínhos de medo em contradizer o menino Erdogan).

Preocupa-o a Rússia? Há tanto com que se preocupar...

Wandard disse...

Pippo,

Como você disse é para rir. O mais espantoso de tudo é o volume de cabeças (idéias formatadas) que aqui se apresentam, e considerando que são poucas pessoas e presumidamente com um grau considerável de exclarecimento e cultura, mas que repete de forma irefreável a mema cantilena da Rússia, Europa refém, apodrecimento e etc....... E finalmente as ações criminosas da Otan são ações humanitárias, e tudo que a UE e EUA fazem é lícito e a Rússia é ilícito, conforme a expressão que o Sr. Milhazes usou em um de seus tópicos "um parlapié sem fim"

Pippo disse...

Wandard,

Eu não cesso de me espantar com certos personagens que por aqui militam.

Há alguns a quem eu até já dou desconto, como o ruteno-nazi tropical, que está entre o ignorante e o chauvinista bacoco, mas há outros que revelam até saber ler e escrever, mas depois só dizem asneirada.

É como se eles fossem mentalmente limitados, ou se lhes tivessem enfiado uma cartilha minimalista e maniqueísta, do tipo "Four legs good, two legs bad!".

Há aqui malta que tem de começar a ler, viver e pensar um pouco mais.

frances disse...

pippo

A polonia não está mais nem aí sobre esse gasoduto depois que eles descobriram as jazidas de gas de xisto. Esse mês, inclusive, começaram as primeiras captações com sucesso.
Se a Alemanha quer ser escrava, o problema é dela.

Pippo disse...

Errado, Frances, a Alemanha não quer é ser escrava nem da Polónia nem da Ucrânia.

Por um lado, o facto de, no passado, ter estado dependente desta última causou-lhe enormes problemas económicos.

Por outro lado, atendendo à russofobia de certos políticos polacos (vem-me à cabeça os gémeos Kaczynski, que eram os que mandavam no país ainda há puco tempo), se o Northstream passasse pela Polónia não há qualquer dúvida de que a qualquer momento os polacos poderiam "fechar a torneira", tramando simultâneamente a Rússia e a Europa Ocidental.

Portanto, o Northstream foi uma maneira hábil de retirar poder a Varsóvia e a Kiev, eliminando intermediários e aproximando directamente o consumidor ao produtor.