quinta-feira, dezembro 01, 2011

Assim até eu ganhava eleições!


Já estou habituado a campanhas eleitorais e eleições manhosas na Rússia, mas continuo a não entender o que leva o poder a não ser mais polido e inteligente na forma como tenta manipular os eleitores e os resultados eleitorais.
Devo reconhecer que, nesta campanha eleitoral, os partidos da oposição ao Kremlin tiveram maior acesso aos órgãos de informação estatais e conseguiram transmitir aquela que eles consideram a principal mensagem: "O Partido Rússia Unida é o partido dos vigaristas e ladrões".
Porém, devo acrescentar que o tempo de antena da oposição era transmito ou às 6 horas da manhã, ou às 11 horas da noite, o que não é muito recomendável para as pessoas que trabalham, ou seja, para os que votam.
Além disso, o tempo de antena concedido a Vladimir Putin e Dmitri Medvedev, ou seja, aos dirigentes do Partido Rússia Unida, é incomparavelmente maior do que o concedido à oposição. O espectador tem a oportunidade de ver os dirigentes russos  a fazerem promessas de manhã à noite. Bem, se todas elas forem cumpridas, não haverá gás e petróleo que pague tanta coisa. Ninguém ficou sem promessas: jovens e idosos, homens e mulheres, civis e militares, saudáveis e deficientes, altos e baixos, etc., etc.
Eles apenas não prometeram a igualdade de direitos às minorias sexuais. Isso não, talvez porque não considerem uma camada social importante do ponto de vista eleitoral.
Resumindo, parafraseando uma imagem criada pelo dirigente comunista russo Guennadi Ziuganov, acordo com Medvedev e deito-me com Putin! Um autêntico pesadelo que, por vezes, já provoca náuseas.
O diário Izvestia relata hoje como é que o comando militar russo decidiu contribuir para a vitória do Partido Rússia Unida, dirigido pelo Presidente e primeiro-ministro russos, Dmitri Medvedev e Vladimir Putin, mas de forma a “não violar a lei eleitoral”.
O diário Izvestia noticia hoje que a Direção Principal do Trabalho com os Militares do Ministério da Defesa da Rússia realizou, na véspera, reuniões fechadas com comandantes de cada região militar para explicar como é necessário organizar a votação.
No próximo domingo, a Rússia elege 450 deputados da Duma Estatal, câmara baixa do Parlamento Russo.
Nesse dia, os comandantes são aconselhados a despertar os soldados com “música agradável”, depois dar um “pequeno-almoço festivo” e enviá-los para a mesa de voto num “passo democrático”. É permitido um “pequeno descuido” nas vestes, mas terminantemente proibido irem a marchar.
Durante a campanha eleitoral, foram dadas instruções aos comandantes para não pronunciarem, nas conversas sobre eleições, designações de partidos políticos. Porém, eles organizaram para os soldados e oficiais informação política sobre a situação no país, os êxitos na reforma das Forças armadas, a aquisição de novos armamentos, o melhoramento das condições materiais dos militares.
Foi também recomendado evitar que os soldados assistissem a “programas políticos agudos” e “discussões sérias” nas televisões, devendo ocupá-los “com outras coisas”.
No entanto, foi considerado útil que os soldados não perdessem os noticiários dos canais televisivos oficiais.
Os comandantes receberam a ordem para não deixar entrar nos quartéis agitadores ou propaganda de nenhum partido político. 
Assim, até eu ganhava eleições! Mas se, depois de todo este esforço e da forma como irão ser contados os votos, o Rússia Unida não igualar os 64,3% dos votos conseguidos nas eleições parlamentares de 2007 e cair para cerca de 53%, como prevêem todas as sondagens, o Kremlin terá de parar e pensar no que realmente se passa no país.
Com uma situação tão volátil no mundo, é melhor tirar conclusões correctas atempadas. Os russos têm um provérbio equivalente ao português: "Só se lembram de Santa Bárbara, quando começa a trovejar". Não seria mau que os dirigentes russos o tivessem em conta: "O mujik (homem simples) só se benze quando começa a trovejar".
Dizem que a voz do povo é voz de Deus, e , aqui, estou plenamente com o povo.



9 comentários:

Cristina Mestre disse...

Muito bem! Assim é que é falar!

Miguel Loureiro disse...

Não é bem como por cá, mas lá chegaremos... Já faltou mais.

Pippo disse...

Huuummm, na verdade, cá é mais ou menos como lá: aproximam-se as eleições e eis que os governantes, assim de repente e só por acaso, começam a inaugurar estradas, pontes, centros de saúde,... mas tudo, bem entendido, na qualidade de governantes, não na qualidade de candidatos!
Resultado: têm muito mais tempo de antena do que os outros candidatos.

E depois temos outras discriminações: os partidos com assento parlamentar são cobertos pelos orgãos noticiosos; ou outros, sem assento, já têm sorte se forem "passados ao de leve".

E mesmo entre os partidos com assento parlamentar, PSD e PS têm maior cobertura do que PP, PCP e BE.

Ah, e ainda temos a tragicomédia da Madeira e do tio Alberto João.

Portanto, esta notícia não me choca nada.

PS - JM, propaganda à parte, a melhoria das condições materiais (instalações, fardamento, salários?) dos militares é verídica?

Jose Milhazes disse...

Caro Pippo, há melhorias inegáveis, embora alguns digam que elas estão longe de serem as indispensáveis. Como deve saber, a reforma militar é alvo de fortes críticas, mas não há dúvida que o poder tem canalizado mais meios para os militares.
Eu parece que já disse isto uma vez, mas vou repetir: não duvido que, por enquanto, a maioria dos russos apoiam Putin, mas se a política continuar a ser esta, a paciência pode rebentar.

Anónimo disse...

Meu caro Milhazes Putim é um interim até ao regresso dos bolcheviques ao poder, para teu desgosto.
E já não falta muito...


Edmuno Dantas

Gilberto Mucio disse...

O partido é infinitamente mais rico que os demais.

A propaganda nessas eleições parlamentares, está a mais forte que já vi aqui na Rússia, mais as outras que vi aqui, a presidencial e a outra parlamentar.

Parece que eles dessa vez estão com medo de perder a maioria absoluta na Duma.

Por isso estão a todo vapor.

os partidos de oposição são todos iguais ou piores que a Edinaya Rossia.

Mas seria bom se eles perdessem a maioria absoluta.

Jest nas Wielu disse...

Nos tempos da URSS, o exército votava 99% no PCUS, agora penso que Cáucaso os bate, pois Chechénia / Dagestão conseguem 101%-103% dos votos à favor da RUnida...

Europeísta disse...

Pelo que diz o texta as eleições na Rússia são bem parecidas com as de governador dos estados do Norte e Nordeste do Brasil.

Soturno disse...

Sul e sudeste do Brasil também!