domingo, dezembro 11, 2011

Milhares de pessoas exigiram novas eleições e demissão de Putin

 
 
Dezenas de milhares de pessoas, dos mais diversos quadrantes políticos, juntaram-se a algumas centenas de metros do Kremlin, para exigir a repetição das eleições parlamentares e a demissão de Vladimir Purin.
A Praça Bolotnaia foi pequena para albergar as mais de 50 mil pessoas , tendo os manifestantes ocupado as pontes nas proximidades, bem como a rua da outra margem do rio Moscovo.
Milhares de agentes da polícia (50 mil mil, segundo a imprensa russa) cortaram os acessos à Praça da Revolução, Praça Vermelha e Kremlin, a fim de não permitir manifestações no centro da capital russa, e formaram longos corredores para que os manifestantes não cortassem o movimento no centro de Moscovo.
Um sem número de autocarros e camiões com “astronautas”, como a oposição chama à polícia de choque devido aos capacetes e viseiras, estavam estacionados nas redondezas da Praça Bolotnaia.
Não obstante este aparelho policial, as pessoas dirigiam-se ordeiramente para a praça, tendo ela ficado completamente cheia. Há muitos anos que Moscovo não via uma manifestação da oposição com tão grandes dimensões.
Um helicóptero da polícia sublinhava a praça enquanto os dirigentes da oposição discursavam.
Bandeiras de todas as cores, vermelhas dos comunistas, cor de laranja do movimento liberal Solidariedade, tricolores da Rússia mostravam que são muitos os que em Moscovo não acreditam que o Partido Rússia Unida, de Vladimir Putin e Dmitri Medvedev, tenha vencido as eleições.
Mas a cor principal era o das fitas e balões brancos que portavam os manifestantes, que, segundo os organizadores, “é a cor da limpeza do acto eleitoral”.
O comício abrir com o grupo de rap Rabfak a interpretar uma canção muito popular na Internet: “A nossa casa de loucos vota em Putin, a nossa casa de loucos ficaria contente se ele viesse para cá”.
Grande parte dos manifestantes eram jovens que conheciam essa canção da Internet e cantavam em corro o refrão.
As justificações para a presença numa manifestação em Moscovo, num dia cinzento, frio e com neve, não eram muito diversas.
“Esrou aqui porque sou cidadã e quero ter uma palavra a dizer sobre os destinos do país”, declarou à Lusa uma aluna da Faculdade de Letras da Universidade de Moscovo.
As autoridades tinham “aconselhado” estudantes de universidades e escolas a pensarem no seu futuro e a não irem à manifestação, mas esse “conselho” parece ter tido um efeito contrário.
“Estamos fartos de ser enganados por Putin, apenas queremos dizer que existimos”, sublinha outro estudante universitário.
O conhecido escritos russo, Boris Akunin, usou a palavra no comício para apelar à junção de forças da oposição para exigir a realização de novas eleições “justas e transparentes”.
“Já pensei que não veria mais Moscovo assim, mas a minha cidade mudou”, acrescentou.
Leonid Parfionov, conhecido jornalista de televisão,  comentou com ironia: “Cada um de nós recebeu um sms de Hillary Clinton para virmos à manifestação”, palavras que foram acompanhadas de fortes assobiadelas e vaias.
O primeiro-ministro Vladimir Putin tinha acusado a secretária de Estado dos EUA de estar por incitar as manifestações em Moscovo”.
“Rússia sem Putin!”, “Vergonha!”, “Liderdade para os presos políticos!”, gritavam os manifestantes.


42 comentários:

Graça disse...

Ventos de mudança?!

Anónimo disse...

Isto é verdadeiramente cínico, sinceramente, é cinismo hipócrisante ao mais alto nível.

Quando na europa o PM da Grécia, o Papandreus é exonerado do cargo por ousar fazer um referendo para auscultar os Gregos quanto à saída do euro, e por isso é imediatamente exonerado do cargo e ameaçado, sendo substituído pelo Papademos, um boy da Goldman Sachs e da alta finança globalista.

Quando na Itália, o Berlusconi é também exonerado com outro golpe de estado dos mercados e substituído por outro senhor com a escola toda da Goldan Sachs e do clube Bilbenberg, o Monti.

Quando o ladrão do Draghi é colocado á frente do BCE.

Quando em Bruxelas e plutocratas europeus a cumprirem ordens da alta finança sionista sedeada em Washington se preparam á revelia dos povos europeus para aprovar alterações aos tratados que no fundo retiram a independência os paises da EU, tratados estes que nunca foram aprovados por ninguém, o que faz com este U E não tenha legitimidade democrática nenhuma.

Quando tudo isto se passa nesta europa facista controlada e pilotada desde os EUA pela alta finança sionista/neo-conservadores/neo-liberais de Washington, eu intrigo-me como é que é possível as pessoas viram criticar as eleições russas e o Putin, quando esta Europa é tudo menos democrática, sendo tanto aqui como na América uma farsa pegada.

Tomem lá este vídeo para vos abrir os olhos.

A democracia na Europa e na América é uma farsa.

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=tv4WyOQedj4

Mediante isto quem é a Hillary Clinton, essa agente Rotschilds para vir mandar postas de pescada sobre as eleições russas.

Quem são os americanos para falar de democracia?

Tanto na América como na Europa as democracias são uma fachada, no fundo isto é tudo uma farsa, a democracia europeia e americana é uma farsa, porque tudo esta controlado pelos mesmos interesses, na América chamam-lhe o bi-partidarismo sionista, ganhem republicanos ou democratas ambos os partidos são controlados pelos mesmos interesses.

Na Europa idem aspas, em Portugal o mesmo, os partidos com possibilidades de ganhar eleições em Portugal, sejam PS, PSD ou CDS estão controlados por Washington com os seus boys no burgo, respectivamente Soares, o homem da CIA em Paris, Balsemão o dj residente em Portugal do clube Bildenberg, e Paulo Portas outro operacional secreto a trabalhar para os states.

Por isso não falem de democracia na europa, nem critiquem os russos, porque isto é uma fachada medonha o que nos vivemos aqui em Portugal e na europa.

Nem que as eleições russas fossem fraudulentas as americanas são-no há mais tempo ainda, desde sempre que são forjadas, nesse pais esta instalado o chamado bipartidrismo sionista com o partido democrata e o republicano controlado pelo lobby liberalista/sionista.

Quero ver o que é que os paladinos da democracia vão fazer com o Putin.

Gostava de ver decretar uma "no-fly zone" para salvar os democratas financiados pela CIA e infiltrados na Rússia.

Havia de ser bonito.

A Rússia não é o Iraque, nem a Libia, nem a Sirio, nem o Irão, nem a China, a Rússia é a única potencia mundial capaz de fazer frente ao sionismo globalista e dai estes ataques a Putin, que eu vejo como um dos homens mais importantes do seu tempo, e o único homem no mundo capaz de impedir a instauração de um estado totalitário á escala global, que é isso que os “democratas humanitários” dos yankiees querem fazer.

Por isso estes ataques ao Putin, mas ele deve estar bem preocupado, sabe que a Russia e o seu povo está bem protegido com armas nucleares e os americanos não vão meter a pata lá dentro.

Só a bipolar idade nos pode salvar da tirania dos mercados e da alta finança globalista/SIONISTA, e só a Rússia e Putin o pode fazer.

Putin é um dos homens mais importantes do seu tempo, e vai ser ele que vai por isto na linha.

Por isso estejam calados e tenham vergonha na cara, agradeçam Putin, sem Putin na Rússia tínhamos ai um estado facista á escala planetária.

Anónimo disse...

Hoje em dia, não se trata de politicas nem religiões, mas sim de bom senso.

Há que lutar contra o sionismo globalista e o cinismo imperialista bancário.

Só Putin e a Russia o podem fazer, e não duvidem que nós europeus lhe devemos agradecer.

Anónimo disse...

Quando eu digo:

"Tenham vergonha na cara" estou-me a referir aos comentadores que nos post's anteriores tem falado de "democracia" e das eleições russas sem saber a farsa que se desenrola na europa, é a esses que em refiro.

Gilberto Mucio disse...

Bem...

Pelo menos postou como "Anônimo".

É um bom sinal. Quer dizer que está ficando com vergonha de expressar o esse fetiche e essa viadagem. Que bom.

------------

Sobre a manifestação, de fato, uma coisa impressionante.

Lá havia pessoas que nunca deram a mínima para política. Pessoas que pela primeira vez foram numa manifestação ou numa marcha. Pessoas totalmente indiferentes, e que inclusive antes, em eleições passadas, votavam na Rússia Unida(por inércia).

Para esse tipo de gente sair de casa num domingo com CHUVA e neve, o pior clima que existe, para ir protestar contra esse governo, é porque a coisa foi muito feia.

Mas não só, lá havia velhos, velhas, pais de família, estudantes.

A criatividade nos cartazes - feitos a mão, em casa e às pressas - era uma maravilha, com o característico e refinado humor russo.

Vi um que dizia:

«Eu não votei nesses filhos da PU...(símbolo da Rússia Unida)! Eu votei nesses filhos da PU...(símbolo dos outros partidos)! Quero meu voto!»

Uma coisa que venho batendo na tecla, para o pessoal do Brasil(e Portugal), é que os liberais não tem força política nenhuma. Zero, completamente zero.

É mais fácil o palhaço Tiririca(Brasil, deputado federal) se naturalizar russo e ganhar as eleições para presidente do que um Boris Nemtsov ser eleito.

As pessoas não engole esses liberais. Sabem que Nemtsov é Boris Yeltsin, e fez parte do governo mais corrupto da história da humanidade.

Estava distribuindo livros de Boris Nemtsov, de graça. Livro da mais alta qualidade gráfica e encadernamento, de custo caríssimo.

O povo pegava esse livro - como eu peguei - com um sorrisinho cínico no canto da boca, como quem pensa "que bandido, hein. Se aproveitando da situação... de onde vem o dinheiro desse livro?".

Os manifestantes da Bolotnaya era eleitores do Partido Comunista e da Rússia Justa(esquerda).

Quando um liberal pegava o microfone, só quem estava na frente do palco prestava um pouco de atenção.

E francamente, a verdade é que ninguém, ou quase ninguém deu a mínima para o palco. Queriam mesmo era protestar. Nessa, até neo-nazistas marcaram presença.

--

Ps.: Eu acho que já escrevi aqui, mas vou repetir e salientar. Eu não conheço ninguém que votou no Rússia Unida. Não é modo de dizer ou figura de retórica: É NINGUÉM mesmo. Alunos, colegas, estudantes, amigos em geral, etc. OU votaram no Partido Comunista ou no Rússia Justa. E conheço uns 3 que votaram no LDPR. Na RU não.

E PIOR, acreditem ou não: Eu não só não conheço ninguém que votou no RU, como não conheço ninguém que conhece alguém que votou no RU.

Português disse...

Ó Múrcio, eu até te respondia á letra, mas não vou baixar o nível, até me admira como é que o Dr. Milhazes deixou passar o teu comentário insultuoso, mas em Portugal diz-se pandeleiro, e no Brasil não falta disso, segundo dizem as Brazucas vem para cá brincar com os Portugueses.

Postar anónimo ou Gilberto das não sei quantas como pseudónimo de um qualquer Brasileiro mal educado é o mesmo.

O que eu gostava de te ver fazer era rebateres os meus argumentos.

Como não o consegues fazer partes para o insulto grátis, sendo esta a forma que tens para extravasar a tua raiva e frustração. Nada mais que o lado animal a sobrepor-se ao racional.

Para quem ainda tem duvidas qua a democracia seja nos EUA seja na Europa é uma fachada fica aqui este artigo esclarecedor.

http://octopedia.blogspot.com/2011/12/o-fim-programado-da-democracia.html

A democracia é uma farsa, e quanto a isso não haja dúvidas,e é-o na Europa e EUA, se o for na Russia nada podemos dizer, quem tem telhados de vidro não pode andar ás pedradas.

MSantos disse...

Esperemos pois que os russos tenham a sensatez que os ocidentais teimam em não ter, Gilberto.

No Ocidente, os correligionários e mentores desses ditos "liberais" continuam de pedra e cal até levarem tudo à ruína.

E o Tiririca ainda consegue valer mais do que eles pois não teve atrás de si ONGs, Think tanks, Economists, como diz o Pippo, a Dª Hilária e mais algumas agências que não me recorda agora o nome.

Cumpts
Manuel Santos

MSantos disse...

Impressão minha ou os tamanhos aumentaram desde a última vez que apareceram?

http://www.dn.pt/galerias/fotos/?content_id=2175463&seccao=Globo

Cumpts
Manuel Santos

Zhirinovsky Iskander! disse...

Alguem tem que interromper os tentáculos draconianos da CIA e NSA, que ficam patrocinando a oposição em vários países para desestabilizar governos legítimos!!!

Anónimo disse...

Meu caro Zé:

Penso que o post do anónimo das 17.45 é uma pedrada no charco.

Como já escrevi antes, penso que Putin é o intermezzo para o regresso dos bolchevistas ao poder.

E quanto mais cedo, melhor.

Para já, uma forte votaçâo no Ziuganov.

Aposto que estás a arfar...

Edmundo Dantas

Anónimo disse...

Anonimo as 17:45

Texto nazista inflamado! Nada mais!

Gilberto Mucio disse...

Caro MSantos,

Mas não existe a mínima chance desses liberais da turma de Nemtsov vencerem eleições.

É uma coisa totalmente fora de cogitação.

Ninguém (com razão) dá a mínima para esse pessoal. os votos deles são esses mesmo 1%.

Não têm nem nunca terão a confiança da população.

---

Uma coisa que vale ressaltar - e Milhazes pode confirmar:

Ao contrário do que muita gente pensa no Ocidente, Putin nunca teve esse prestígio todo não.

Muita gente pensa que Putin era o líder adorado, venerado, o "novo Stalin", etc. isso é piada.

Nunca existiu isso.

Mesmo em seu auge de popularidade, entre 2003 e 2007~2008, o povo sempre votou em seu partido por exclusão.

Votavam sem empolgação nenhuma.

Votavam nele porque não tinha em quem votar - a situação do país melhorou(com a venda de petróleo-gás que se valorizaram) e a memória dos anos 90 ainda estava bem viva.

Fora a propaganda estatal, maciça, e o poderio econômico dos oligarcas aliados.

Passados 12 anos, e nenhuma mudança
estrutural e nenhum plano de país, nenhum plano estratégico para indústria, etc... o custo de vida aumentando, a inflação em 2 dígitos, e o fantasma do desemprego...

... o povo está chegando a conclusão de que foram anos perdidos.

Como dizia um cartaz na manifestação: "Putin é continuação de Yeltsin. Eu demorei para ver isso".

Nada, nada, nada. Nenhum avanço o país obteve. nem no econômico, nem no social.

O povo vai se cansando.

Essas manifestações de sábado foram emblemáticas.

Coisa impensável completamente 15 dias atrás.

É o que falei outro dia. O povo russo é passivo, passivo, apanha na cara... até que de uma hora para outra se levante e faz o mundo tremer.

Não digo que virá uma Revolução ou algo do tipo, até porque hoje o país carece de forças políticas decentes capaz de conduzi-la.

E é provável que Putin ganhe as eleições de 2012 - pois a coalizão "burocratas x oligarcas" que é o Rússia Unida é fortíssima.

Mas que o povo russo já está acordando isso estar.

O governo sofreu um baque.

Vai ter que baixar a bola, pois perdeu a confiança de uma parte considerável da população - principalmente a classe média de Moscou e Petersburgo, e de outras grandes cidades, classe média essa que "tradicionalmente" votava(por inércia) na em Putin e na Rússia Unida.

E depois que um russo perde a confiança, é impossível recuperá-la.
--------

Ps.: Lembram daquela vaia(assoviadela?) que Putin tomou na luda de Emelianenko?

Os russófilos torcedores de Fla x Flu estavam a encontrar desculpas. Não havia desculpa. Aquilo foi totalmente espontâneo.

Pois é... Ali eu vi que alguma coisa estava diferente no Reino da Dinamarca. :)

Gilberto Mucio disse...

Caro Edmundo Dantas,

O papel do Partido Comunista tem sido vergonhoso.

Foi o principal prejudicado com as fraudes.

Mas como, mesmo prejudicado pelas fraudes, quase que dobrou o número de cadeiras da Duma, não tem coragem de tomar uma atitude que se esperaria deles - que era não reconhecer a validade da eleição, e não mandar deputados para o Parlamento.

A Rússia Justa é pior ainda.

Tudo que querem é cargos.

Agora possuem um trunfo político que são os resultados expressivos e a insatisfação popular e vão usar esse trunfo como forma de barganha... por cargos e chefias.

Não espere muita coisa desse Partido Comunista. É um antro de velhos burocratas e covardes - já deram mostras dessa covardia e não foi só uma vez.

(Já os nacionalistas de circo do LDPR nem negam isso - que estão lá para barganhar - e falam abertamente)

Pippo disse...

Ahahah! Gilberto, gostei do seu comentário sobre o "fetiche" e a "viadagem"!

De facto, esse jovem manifesta claramente um forte fetiche homoerótico pelos (uuuuh) tenebroooosos sionistas. Ele deve gostar das coisas feitas às escondidas, e de preferência com um kipah na cabeça! :oP

Bom, fetichismos homossexuais com judeus à parte, a sua análise social está correctíssima, contudo persiste o problema de sempre, que já discuti aqui algures com o JM: Onde está a alternativa?

Os porcos liberais, apesar dos patrocínios que têm, estão fora do baralho. Um ou outro dos nossos semi-desaparecidos leitores deverão lamentar profundamente este facto. A maioria dos russos certamente rejubilará, e com razão;
"Nacionalistas" e afins aumentaram a votação, mas devem ter um programa político de bradar aos céus, como normalmente esses grupos têm;
Os comunistas... enfim, o meu estômago deu uma volta só de pensar que esses gajos poderiam voltar ao poleiro. São um partido anquilosado, reaccionário, passadista, enfim, demasiadamente mau para ser verdade;
E por fim temos... bem, temos o Rússia Unida. Tem o mesmo líder de sempre, que trouxe coisas boas para a Rússia mas que, no fim de contas, não tem conseguido acelerar as reformas que se pretendem para criar uma Rússia moderna, leia-se moderna para os cidadãos, que em termos de Estado a Rússia tem feito progressos notáveis desde o descalabro de há uma década atrás.

Portanto, no final ficamos com o problema: onde está a alternativa viável?

PEDRO disse...

"Portanto, no final ficamos com o problema: onde está a alternativa viável?"



A solução é pedir ao Fundo Mafioso Internacional, ou ao Burlador Central Europeu, ou ao Goldman Saques que mande um presidente para governar a Rússia.
Um tecnocrata liberal como os que enviaram para Itália e Grécia.

Assim é que a Rússia ia para a frente.
A Rússia necessita de medidas de austeridade para ser como os países democráticos do ocidente. Cortar salários, aumentar horas de trabalho, cortar feridos, aumentar impostos, é disso que eles necessitam.

PortugueseMan disse...

Um pouco fora deste tópico e para quem estiver interessado:

O sistema GLONASS está 100% operacional, com 24 satélites activos, desde dia o passado dia 8.

Além destes 24 que estão activos, estão mais 3 no espaço a aguardar passagem para o activo.

E até ao fim do ano está previsto serem enviados mais 2 satélites.

Como a longevidade dos satélites foi incrementada e a constelação está completa, as verbas necessárias para manter o sistema activo vai diminuir significativamente, agora é só manter o sistema.

Gilberto Mucio disse...

Caro, Pippo.

O diagnóstico eu dei. Agora você quer que eu passe o tratamento! Aí jé está querendo demais... rs hehe (Tô brincando)


Não confio em ninguém nem em nenhum dos atuais partidos.

É um pior do que o outro.

O que resta - e eu acho que esse primeiro passinho já foi dado no domingo(falo sem exagero) - é o povo tomar para si o protagonismo político.

E quando cai a ficha nas massas russas, e eles percebem que são fortes, ninguém segura, o mundo balança.

Para a partir daí surgir alguma coisa boa, gente nova, lideranças.

Do jeito que está é que não pode ficar o país - uma cleptocracia, governada por ladrões, oligarcas mafiosos e corruptos da pior espécie, que zombam da cara do povo - numa inércia vergonhosa.

Abraços

Europeísta disse...

"Portanto, no final ficamos com o problema: onde está a alternativa viável?"

Deem as mesmas chances de todos se apresetarem nas eleições e aí haverá altenativas. Com os meios de comunicação controlados pelo governo, há pouca chance de alguém diferente aparecer. Aí a turma do Putin pode usar esse desculpa de que "não há alternativas". Na verdade, é útil pra ele dar uma pequena exposição a grupos como os comunistas e nacionalista, pra poder dizer: "estão vendo, se não for eu vai ser eles".

Pippo disse...

"Dêem as mesmas chances" de todos se apresentarem nas eleições?

Meu caro, isso é o que acontece nas democracias ocidentais. E não vê os resultados? São sempre OS MESMOS a ganhar. De vez em quando há uns votos de protesto e umas formações mais à "esquerda" ou mais à "direita" têm mais uns quantos votos e "assustam" os partidos que costumam ganhar, mas não passa disso.

E acha que realmente todos têm acesso às mesmas coisas? Acha que todos têm acesso ao mesmo financiamento? Acha que todos têm acesso aos mesmos debates? Aqui em Portugal, nas últimas legislativas, só 5 líderes partidários tiveram direito a debate cruzado, os líderes dos outros 13 partidos chucharam no dedo.

Nem mesmo nas "democracias" há as mesmas "chances"...

Anónimo disse...

Dr. MIlhazes, agradecia que publica-se o meu post, acho que tenho direito á réplica.

PIPPO tu não enganas, nem nunca enganas-te ninguém, em relação aos insultos e conversas perversas de cariz fetichista, cada um só fala do que gosta, se é disso que gostas, faz-lhe bom proveito.

O comentário das 17.45 nada tem anti-judeus, o judaismo deve ser respeitado como região monoteísta tal como o povo judeu, e o estado de israel tem todo o direito a existir.

Agora o sionismo, é algo totalmente diferente e que deve ser denunciado e contrariado.

São os próprios judeus que o denunciam e criticam, basta ver este vídeo.

http://www.youtube.com/watch?v=uIv-IAaeH1Y

Enquanto esta gente não souber qual a diferença entre sionismo e judaismo, nada feito.

O sionismo deixou de ser uma ideologia que pretendia a criação do estado de Israel, para se tornar depois de 46 uma ideologia facista que luta pela instauração de um estado á escala global.

Eu como cristão nunca podia ser anti-judeus, porque os cristãos são criados na base da tradição judaico-cristã, não fosse o cristianismo um religião umbilicalmente ligada ao judaísmo.

Resta dizer que eu tanto condeno o sionismo como o nazismo.

Anónimo disse...

Obrigado pela publicação Dr. MIlhazes.

Venho quase todos os dias ao blog, mas raramente comento, mas depois de ver tantos post sobre as eleições russas, achei por bem dedicar um pouco do meu tempo e escrever um texto e postá-lo, na volta fui enxovalhado por senhores que pensam que são os donos do blog, não estou aqui para isso.

Feliz Natal para todos.

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, quem o insultou?

Anónimo disse...

Dr. Milhazes, o Múrcio primeiro, depois o PIPPO.

Basta ler o tópico, mas deixe lá isso está tudo bem, só que dá próxima simplemente venho ver o seu blog que muito aprecio, mas fico-me por aí mesmo, nada de comentar.

Cumprimts para si.

Anónimo disse...

Anónimo das 15:29,

"nunca enganas-te" ou "nunca enganaste"?
Á peçoas que talvez há-dem aprender a excrever... ;o)

O sionismo é um movimento político e filosófico que defende o direito à autodeterminação do povo judeu e à existência de um Estado judaico independente e soberano no território onde historicamente existiu o antigo Reino de Israel (Eretz Israel).

Querer transformar isto numa "ideologia facista que luta pela instauração de um estado á escala global" (!!!), e falar de sionismo em TODOS os "posts", revela um certo fetish :)

Mazeltov :D

Pippo disse...

Caro anónimo, gostei imenso do vídeo!

Não sei se sabe, mas aqueles camaradas são fundamentalistas religiosos. Eles rejeitam o sionismo político porque acham que Israel só poderá ser restaurado pelos Messias.

Já agora, não sei se também reparou (provavelmente não reparou), mas aquele jovem que está a falar para as câmaras tem um chapéu amarelo na cabeça, e no chapéu está o símbolo do HEZBOLLAH, que é uma organização muito idónea e caritativa. Os tipos do Hezbollah são muito generosos e adoram distribuir: distribuem TIROS aos soldados israelitas que estão EM ISRAEL; distribuem MÍSSEIS à população civil em Israel, e distribuem AMEAÇAS de utilização de força aos seus compadres libaneses, cristãos, druzos ou sunitas, que se lhes opõem na cena política nacional.

Em suma, deu um tiro no pé.

Anónimo disse...

Pippo, não se desmultiplique em inúmeros personalidades e nick’s, disfarçar-se de maltezov, não fica bem, em relação ás palavras eu uso as que quero, ou não me diga que há palavras tabu.

O sionismo deixou de ser isso que você diz em 46, hoje não é nada disso, depois confundir sionismo com Israel ou com o povo judeu não tem nada a ver, aliás existem inúmeras pessoas ligadas ao movimento sionista que nem sequer são judeus.

Em relação ao vídeo é um dos muitos que andam pelo you tube que mostram que há muitos judeus anti-sionistas, não vi o vídeo todo nem me apercebi desse pormenor que fala.

Postei esse que foi o primeiro que apareceu, como poderia ter mostrado outros identicos que circulam na internet, apenas postei o video para mostrar que há duas visões da situação.

Estão aqui mais vídeos semelhantes.

http://www.youtube.com/watch?v=1n9yDI1wRTE&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=00DPOBIK2No&feature=related

Em relação ao Hezbolah é uma entidade terrorista quanto a isso não há dúvidas, que deve ser combatida, como já disse o estado de Israel tem todo o direito a existir, e condeno obviamente os disparos de rockets tanto desde o Líbano como desde a faixa de Gaza.

Em relação ao que eu disse no inicio deixo aqui 2 links que demonstram bem quem é que manda na Europa, é a América.

http://www.grifo.com.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=207&Itemid=1

Por fim, deixo-lhe outro artigo que mostra bem quem é que manda na América, foi a Helen Thomas que o disse.

http://www.nucleodenoticias.com.br/2010/12/04/helen-thomas-os-sionistas-controlam-a-politica-externa-dos-eua/

Tiros no pé dá você, porque é parcial, esta questão só se resolve com a instauração de dois estados, disso não haja dúvidas.

Anónimo disse...

Para quem ainda tiver dúvidas que a Alemanha não é soberana coisa nenhuma, e não passa de um estado vassalo dos americanos, fica aqui um video, e desta vez não é nenhum general alemão a afirmá-lo, é o próprio Wolfgang Schaube, Ministro da Finanças em exercício da Alemanha que afirma categoricamente que desde 1945 a Alemanha nunca mais foi soberana, foi no 12º Congresso Europeu de bancos, dia 18 de Novembro passado.

http://www.youtube.com/watch?v=GlU2HLeGNwQ

A lógica do tipo é, como nós não somos, então vamos destruir os países do sul da Europa para que eles não sejam também, assim não se riem de nós.

O problema é que os outros países da Europa não têm culpa nenhuma que a Alemanha tenha feito as patranhas que fez no último século.

Anónimo disse...

Manuel Alegre sem papas na língua, afirma que a Alemanha (não soberana e a cumprir ordens dos americanos) está a ser usada pelo especuladores ( alta finança globalista) para por os países da Europa de rastos e levá-los à força ao governo económico europeu e depois ao federalismo europeu.

http://noticias.sapo.pt/nacional/artigo/deu-se-mais-uma-machadada-na-dem_1826.html

No DN diz mais, Europa está a ser vitima de imperialismo.

http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=2128958

E tem toda a razão, visto esta União Europa ser uma testa de ponta com vista á criação de um estado á escala global, a Alemanha é um mero peão que está a ser usado para atingir esse objectivo.

Só os cegos é que não querem ver.

Pippo disse...

Caro anónimo das 17:59,
O sionismo é, e apenas é, o movimento nacionalista judaico de regresso à sua pátria de origem. Não é nem nunca foi uma ideologia de domínio global, como alguns querem dar a entender.
Tem razão quando diz que há inúmeros sionistas que nem sequer são judeus. Por exemplo, o Orde Wingate (o tipo que criou os Chindits), era sionista por razões religiosas, ou seja, era exactamente o contrário dos tipos que mostrou no vídeo (e que deveria ter visto).
Outros personagem curioso que se tornou sionista foi John Henry Patterson, um dos protagonistas da caça aos leões antropófagos de Tsavo (há um filme sobre isso com o Michael Douglas e o Val Kilmer).
Enfim, e outros mais houve e ainda os há.
Obviamente, temos outros que condenam o sionismo, quer seja por motivos religiosos, racistas, ideológicos (normalmente oriundos da “esquerda”), e que até há os que dizem que os israelitas deveriam abandonar a “Palestina” e regressar aos seus “lares”na Europa e EUA, como essa Helen Thomas... que se esquece do facto de que a pátria do povo judaico fica, precisamente, na “Palestina”! Trata-se de uma pessoa imparcial, portanto. Mais um tirito no pé...
Enfim, há várias visões sobre a questão. As minhas derivam de um aturado estudo da História, ao contrário de muitos que por aqui andam (e que às vezes até se atrevem a tentar dar lições!).
Mas o que importa esclarecer é que é errada essa ideia do “sionismo que tudo controla”, estilo Protocolos dos Sábios de Sião. Uma coisa é termos judeus – que até poderão ser sionistas, porque não? - que estão bem instalados na economia; outra coisa é dizermos que o sionismo é aquilo que não é.
Meu caro... é que já nem os skinheads mais lúcidos vão nessa conversa! Na verdade, eles até gozam com essa fobia ao judeu e ao “sionista” insidioso!

PS – eu não me desmultiplico em nicknames. Só escrevo sob o nome Pippo.
PS2 – Se já leu com atenção o que eu tenho escrito, já constatou que também eu considero que deve ser criado um Estado palestiniano, a viver paredes meias com um Estado judeu. Aliás, foi isso que foi proposto em 1947. Os judeus aceitaram; os palestinianos (e restantes árabes) não...

Anónimo disse...

Sim, sim, eu até acredito nessa que você assina sempre como PIPPO, antes do seu penúltimo comentário está lá outro de um tal Malzeltov que é obviamente seu, aliás espaçados por pouco tempo, em suma está a mentir.

O sionismo é um movimento nacionalista judaico afirma você, lá está chegou ao cerne da questão.

Eu condeno todos os nacionalismos na Europa e no mundo, seja em que pais for e de género forem, porque considero que os homens são todos iguias na verdadeira ascenção da palavra, e condeno especialmente os nacionalismos arianos/nazis/skinheads.

Sendo coerente, e com as devidas diferenças é óbvio que condeno também o sionismo.

Mas aos poucos vai-me dando razão, e finalmente deixou de confundir sionismo com judaísmo, citando tal como eu disse exemplos de políticos sionistas que nem judeus são.

Em relação à sua definição de sionismo é obviamente diferente da minha, você mantêm-se fiel aos argumentos oficiais e ao Wikipédia, para mim o movimento sionista deixou de ser o que você afirma em 46, depois disso tornou-se em algo que se confunde com a alta finança internacional, composta por gente dos mais diversos quadrantes e religiões, gente esta que digamos arquitectou esta crise criado com o objectivo único de federalizar a Europa, rumo a uma governo á escala global.

Em relação à Helen Thomas você diz algo que você está a escamotear, e noticia não é o facto de ela dizer que os judeus devem regressar á Europa, a noticia é o facto de ela dizer que o lobby sionista controla a politica externa e interna dos EUA. Essa questão do regresso á Europa que ela referiu penso que terá a ver com os judeus Ashkenazi, que como deve saber são originários da Europa central, muitos deles depois rumaram aos EUA e em 46 convergiram de novo a Israel, eu não concordo com esta visão da senhora, penso que Israel por motivos históricos e religiosos é o lar de todos eles, visto que existem judeus árabes e judeus palestinianos.

O seu problema é que você julga-se um poço de sabedoria, e na volta enterra-se a toda a linha, a sua visão da história não é necessariamente a minha, e você não pode pensar que pode impingir aos outros a sua visão.

Pippo disse...

Se você acredita ou não se eu assino sempre Pippo, isso é problema seu. Se sou emulado, não me cabe essa responsabilidade.

O sionismo é um movimento nacionalista judaico (regresso a Sião). Esta não é a "minha" definição de sionismo, é "A" definição. Ponto final.
Se você reinventa o sionismo "a partir de 1946" e insiste nessa teoria conspirativa, dizendo que o "regresso a Sião" passou a ser uma ideologia de controlo financeiro com vista a "federalizar a Europa, rumo a uma governo à escala global", tipo "Protocolo dos Sábios do Sião", então nada a fazer, é sinal de que você (e não eu) confunde judeus (sionistas ou não) com sionismo (que é, tão somente, uma ideologia nacionalista).

Quanto à condenação de todos os nacionalismos, se eu fosse a si não seriam tão peremptório. As nações e os países existem graças ao nacionalismo. Ainda que todos os homens sejam "iguais", na verdade eles são diferentes pois pertencem a grupos (povos ou nações) diferentes, e as nações, por inerência, aspiram à independência. Se você tem uma país e uma nacionalidade, isso deve-se ao nacionalismo.

Em relação à Helen Thomas, eu não escamoteei nada, eu limitei-me a afirmar uma outra coisa, essa sim, que você escamoteou, que foi o facto dela partilhar da ideia de que os judeus (ashkenazes?) devem voltar à Europa! Presumo que essa senhora, que não me parece ser índia Lakota de gema, pretenda voltar à Alemanha ou Reino Unido, que é de onde os seus antepassados são originários!
Tudo isto serve para dizer que uma pessoa que tem essa ideia sobre os judeus não pode ser lá muito idónea. Em todo o caso, o lóbi sionista – o qual, como toda a actividade de lóbi nos EUA, é legislada e tem de ser feita às claras! - actua fortemente no país EM DEFESA de Israel, e não em defesa de um “Governo Mundial”.

Concluindo, não sendo um poço de sabedoria, tenho vindo a constatar (e mais uma vez constato) que sei mais sobre uma data de assuntos do que a maioria das pessoas. O facto de você dizer que me “enterro a toda a linha” manifesta apenas a sua incapacidade de argumentar, como aliás se tem visdo a comporvar pelos links que aqui coloca, com extremistas judeus aliados a extremistas xiitas, etc.

A História não tem uma “visão” minha ou de outrém; a História baseia-se em factos. Se as pessoas (e parece ser esse o seu caso) não os aceitam e inventam coisas para melhor se adequarem à sua linha de pensamento, isso é um problema que só pode ser resolvido com serenidade, cabeça fria e muito e bom estudo.

Anónimo disse...

PIPPO.

Não é preciso ser muito inteligente para ver que você usou diversos nick’s para reforçar a sua posição, o post onde usou o nome de Malzetov é disso exemplo, mas passando à frente.

Em relação ao seu texto, “ A definição" depende do entendimento de cada um, você tem a sua, eu tenho a minha, ponto final, já foram explanados os diferentes pontos de vista, a discussão está esgotada.

Em relação aos nacionalismos, eu condeno-os todos sem excepção, porque a cada um está inerente um “pedigree” próprio segundo os defensores, e tal como lhe disse para mim o ser humano para mim é todo igual na verdadeira ascensão da palavra.

Outra coisa é ser patriota, isso todos deve-mos ser, mas nacionalista já ponho as minhas interrogações, foram sempre os nacionalismos exacerbados que conduziram aos conflitos.

Em relação à Helen Thomas,” a noticia” foi o facto de ela afirmar que certa e determinado lobby e grupo de interesses dominava a América, esse pormenor que você refere é um apêndice à noticia, que como já disse não ficou bem à senhora.

Quem mostra e dificuldade em argumentar é você, visto que foi você que usou palavras como “tiros nos pés”, presumo eu que todos os que não concordem consigo dêem tiros nos pés, deve ser isso, isso denota falta de serenidade e cabeça quente. Se você pode usar essa expressão, eu também posso usar o “enterrar a toda a linha”, os direitos são iguais para todos, ou você é um privilegiado? O link que eu coloquei o que mostra é que há judeus anti-sionistas, e foi esse o motivo pelo que o coloquei, o resto são fedivers.

Em relação á história, cada um interpreta-a à sua maneira, e a interpretação desta muda de acordo com as datas, para além disso os factos históricos não são imutáveis, tanto é assim que de pais para pais, existem diversas versões do mesmo facto histórico.

Os próprios historiadores não poucas vezes divergem em relação aquilo que designa de "factos históricos", basta por 2 historiadores, um Espanhol e um Portugues frente a frente a falar sobre Aljubarrota, para que passado 5 minutos já estejam a discutir um com o outro em total desacordo, porque o Português diz que a vitória se deveu aos Portugueses, e o Espanhol considera que foram os Ingleses que ganharam a batalha.

Mas aqui o que está em causa, não é a história, é meramente opiniões contrárias na definição de um movimento/lobby, e tal como já disse isso depende do entendimento de cada um, você tem a sua defenição, eu tenho a minha, ponto final, já foram explanados os diferentes pontos de vista, a discussão está esgotada.

Pippo disse...

ANÓNIMO,

Você sustenta a sua tese de que o sionismo é uma ideologia insidiosa apresentando vídeos onde indivíduos, aliados ao Hezbollah ou que defendem o "regresso" dos judeus às suas "pátrias" (!), condenam o sionismo. Lamento mas há pessoas credíveis, e outras que não o são, e daí o “tiro no pé”, que é quando uma pessoa afirma algo e para o sustentar usa uma “prova” que funciona contra si. Se prefere, para a próxima usarei a expressão "saiu-lhe o tiro pela culatra".

Para além disso, das “provas” que apresentou, nenhuma sustenta a sua tese de que o "sionismo é uma ideologia ligada à alta finança internacional com o objectivo único de criar um governo á escala global”. O máximo que eles dizem é que há um lóbi sionista (grande descoberta!) que “controla a Pol Ext norte-americana”. Que a "controlem" (influenciem) relativamente à defesa dos interesses de Israel, não me espanta; que a controlem a ponto dos sionistas controlarem, por ex., as relações EUA-Coréia, enfim... nem com muita imaginação!

Por outro lado, você contradiz-se: condena o nacionalismo, mas simultaneamente, exalta o patriotismo.
Já se apercebeu que o patriotismo (amor à Pátria) só é possível após o nacionalismo, que é o que cria essa mesma Pátria?
O nacionalismo é a ideologia que exalta e protege a Nação, quer no campo político, quer (sobretudo, e originalmente), nos campos cultural, linguístico, etc.. Os povos tornam-se Nações, no sentido científico do termo, quando procuram adquirir autonomia política sobre um determinado território “nacional”, sendo que posteriormente se desenvolve um espírito de amor à Pátria e aos seus símbolos ("Terra", bandeira, hino, etc.). O nacionalismo precede o patriotismo; este não existe sem aquele.

Outra coisa desconcertante é que você condena o sionismo uma vez que condena "todos os nacionalismos". Mas depois diz que o sionismo é uma ideologia de domínio mundial, ou seja, o sionismo não é uma ideologia nacionalista. Em que é que ficamos? Condena o sionismo porque é nacionalista ou condena-o porque não é nacionalista?

Além disso, se você condena "todos os nacionalismos", então também tem de ser contra a ideia da existência dos Estados, sobretudo dos Estados-Nação (criados sob um qualquer nacionalismo e dos quais deriva o Patriotismo que você exalta).
O que implica que, das duas uma:
- ou você é a favor de uma espécie de anarquia (auto-governo), mediante o qual as povoações (ou bairros, ou até mesmo ruas, porque não?!) se governam a si mesmas, sem qualquer vínculo umas com as outras a não ser o do mero interesse pontual (nunca o cultural, que isso é nacionalismo!), pois essa entidades auto-governadas não pertencem à mesma entidade nacional/estatal (em suma, teremos um regresso ao feudalismo!);
- ou então é a favor de um Governo supra-nacional, um governo que governe todas as pessoas “por igual”, um governo Mundial, federalizante, “do mesmo tipo do que irá federalizar a Europa”. Nesse caso, ou é um governo não democrático, ou então teremos um governo eleito, garantidamente, sob uma base étnica (pois é assim que as coisas funcionam, tudo dentro do mais nobre “patriotismo”), ou seja, será um governo chinês com uns quantos indianos e muçulmanos (3/5 da população mundial). Um europeu será, na melhor das hipóteses, sub-secretário adjunto de um Ministro qualquer...
Em ambos os casos, rapidamente se verá que as pessoas, que “são iguais”, afinal não o são. Mas basta viajar para constatar esse facto.

Bom, nada mais havendo a acrescentar, por aqui me fico.

PS - Dois historiadores, se forem sérios, não podem divergir na opinião quando os factos de que dispõe são os mesmos. Se o historiador espanhol acha que a vitória se deveu aos ingleses, então é porque ele tem elementos que o justifiquem. Caso contrário, a sua "versão" da História é infundada e o que está em discussão não são factos mas sim egos, porventura “patrióticos”.

PS 2 – “fait divers” ou “faits divers” (factos diversos), e não “fediver".

Anónimo disse...

O vídeo apenas pretende demonstrar que há judeus anti-sionistas, só isso, o resto são fedivers.

Depois foi você que disse que o sionismo era um nacionalismo.

Eu condeno-os todos sem excepção como já disse.

Patriotismo é gostar dos nossos, nacionalismos já é mais achar que somos melhores que todos os outros, e eu acho que somos todos iguais.

Para mim e como já disse, o sionismo é uma ideologia que se confunde com a alta finança e composta por gente dos mais diversos quadrantes, países e religiões que tem uma agenda globalista, a federalização da Europa é um mero passo nesse sentido.

Pessoalmente sou contra o federalismo europeu.

Em sociedade há regras e por isso não pode haver anarquia.

Nada mais tenho a acrecentar.

Jest nas Wielu disse...

Pippo & nicks: por vezes o nosso bom Filipe escreve sob anonimato, principalmente quando quer ser grosseiro e acha que ser gorsseiro sob a sua alcunha habitual não é muito cool.

Uma personagem interessante para o vosso debate intelectual, uns tempos atrás Aljazeera English dedicou-lhe um filme documentário: http://www.normanfinkelstein.com

Anónimo disse...

Eu não sou Filipe nenhum.

Pela informação que vi deste tipo na internet ele acha que o Holocausto foi instrumentalizado por organizações judaicas, ideia que expressa em livro, e que eu considero totalmente absurda e obviamente condeno. As provas da existência do Holocausto nos moldes que o conhecemos são irrefutáveis e não deixam margens para dúvidas, e os 6 milhões que pereceram merecem-nos todo o respeito.

Em relação ao conflito israelo-palestiniano penso que só se resolve com a instauração de dois estados, ideia que acho que começa a ser consensual.

Anónimo disse...

O tipo afirma que o holocausto foi instrumentalizado com objectivos políticos, uma insanidade completa.

Mas o mais estranho neste Norman Finkelstein é que ele é judeu e filho de judeus que sobreviveram ao Holocausto.

Autor desconhecido disse...

''Em relação à Helen Thomas, eu não escamoteei nada, eu limitei-me a afirmar uma outra coisa, essa sim, que você escamoteou, que foi o facto dela partilhar da ideia de que os judeus (ashkenazes?) devem voltar à Europa! Presumo que essa senhora, que não me parece ser índia Lakota de gema, pretenda voltar à Alemanha ou Reino Unido, que é de onde os seus antepassados são originários!
Tudo isto serve para dizer que uma pessoa que tem essa ideia sobre os judeus não pode ser lá muito idónea. Em todo o caso, o lóbi sionista – o qual, como toda a actividade de lóbi nos EUA, é legislada e tem de ser feita às claras! - actua fortemente no país EM DEFESA de Israel, e não em defesa de um “Governo Mundial”.''

Sinceramente,
quem é vc pra saber mais sobre Casa Branca do que esta mulher???
Presunção DEMAIS para o meu gosto.
Basta procurar pelos nomes daqueles que estão nos cargos principais daquele país, basta procurar pelo poder econômico e político dos judeus e sua respectiva influência. Se esses FATOS não corroborarem para alguma constatação mais do que óbvia eu sugiro a vc um bom analista.

Aristóteles disse...

''Eu não sou Filipe nenhum.

Pela informação que vi deste tipo na internet ele acha que o Holocausto foi instrumentalizado por organizações judaicas, ideia que expressa em livro, e que eu considero totalmente absurda e obviamente condeno. As provas da existência do Holocausto nos moldes que o conhecemos são irrefutáveis e não deixam margens para dúvidas, e os 6 milhões que pereceram merecem-nos todo o respeito.

Em relação ao conflito israelo-palestiniano penso que só se resolve com a instauração de dois estados, ideia que acho que começa a ser consensual.
16:07
Anónimo disse...

O tipo afirma que o holocausto foi instrumentalizado com objectivos políticos, uma insanidade completa.

Mas o mais estranho neste Norman Finkelstein é que ele é judeu e filho de judeus que sobreviveram ao Holocausto.''


Claro que vc não é o Felipe anônimo, é somente um judeu infiltrado ou uma pessoa desprovida de instinto animal.

Autor desconhecido disse...

''O vídeo apenas pretende demonstrar que há judeus anti-sionistas, só isso, o resto são fedivers.''

Judeus anti-sionistas devem ser uma minoria assim como os muçulmanos moderados. Talvez um terço dos muçulmanos como um todo sejam moderados, já com relação aos judeus antissionistas?? Complicado, talvez dê para contar nos dedos. Pq um judeu médio lutaria contra seu próprio povo, prestes a instalar uma dominação em escala global sob a qual será altamente beneficiado??


Coisas interessantes a se perguntar, pq os judeus jamais conseguiram construir alguma civilização original, somente deles? Pq tirando negros e ciganos os judeus listam dentre os únicos povos que foram ''perseguidos'' em milênios de história??

''Patriotismo é gostar dos nossos, nacionalismos já é mais achar que somos melhores que todos os outros, e eu acho que somos todos iguais.''

Sua última frase foi a melhor coisa que escreveu, realmente não tem nada a acrescentar.

''Para mim e como já disse, o sionismo é uma ideologia que se confunde com a alta finança e composta por gente dos mais diversos quadrantes, países e religiões que tem uma agenda globalista, a federalização da Europa é um mero passo nesse sentido.''

Nesse caso concordo com vc em partes, infelizmente um grande número de traidores se fazem presentes e ativos na clara tentativa de destruir qualquer possibilidade de civilização, especialmente com fundo branco europeu.Aliás nao conheço outra tão singular quanto a ocidental.

''Em sociedade há regras e por isso não pode haver anarquia.''

Nas ditaduras funciona exatamente assim. No caso russo, ao menos o ditador é nacional e não um globalista como Rousseffis, Obamas e merkels da vida. Aliás, eu li que esta senhora era judia? Será possível??? No andar da carruagem não duvido de mais nada.

''Nada mais tenho a acrecentar''


PALAVRAS SÁBIAS, deveria mudar a frase para: ''Nada tenho a acrescentar

Aristóteles disse...

Assim como nos países do Oriente Médio as supostas revoluções ''democráticas'' as recentes ocorrências em solo russo foram implantadas por agentes globalistas do Ocidente que buscam seja por razões geopolíticas seja por razões econômicas (petróleo, gás natural etc) tomar todos os pontos de resistência visível. Khadaffi tinha o projeto de introduzir uma moeda comum no continente africano, nenhum bombardeio real foi observado sendo perpretado por ele contra a população civil líbia.
A diferença é que a Rússia é povoado por russos e isso significa muita coisa. Se a Rússia fosse um rincão salpicada de brasileiros já teria sido dominada a muitíssimo tempo.
O sionismo, segundo um livro didático mais próximo de sua casa (eu chamo de ''revival de contos de fadas e bruxas narigudas'') é um projeto político emergido no cenário político-cultural e social da Europa do final do século XIX e início do século XX, que baseava-se na criação de um estado judeu. Pergunta: o estado judeu já foi criado, pq todos judeus não se mudam pra lá??
Porém, talvez os protocolos de sião não seja um documento falsificado e de teor ''anti-semita''.

Aristóteles disse...

Pippo,
sugiro a vc que leia o blog Occidental Observer do professor Kevin Macdonald, vai ajudá-lo a formatar melhor suas opiniões se ler a outra versão dos ''fetichistas kosher''. Ao invés de atacar os seus opositores com psicologia freudilesca barata (será que sou apaixonado pela minha mãe?? duuurrr) deveria dizer pq acredita de pés juntos que os judeuzinhos POBRECITOS,perseguiiiidooos, não está enfiados até o útero (imaginário) na decadência ocidental e nas ''revoluções'' do oriente médio e tentativas de coisa parecida na Rússia???
Vamos lá, não ataque, somente me responda pq acredita tanto na inocência dos judeuzinhoooos (oooooooohh, também tenho fetiches por nariz de gancho, sombrancelhas arqueadas e orelhas de abano).