quinta-feira, dezembro 08, 2011

Putin descobriu o autor dos males da Rússia


O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, criticou hoje Washington por se ter precipitado nas críticas às eleições russas e por incitar a oposição aos protestos.
“Eu vi a primeira reação dos nossos parceiros americanos. Primeiro, a secretária de Estado (Hillary Clinton, disse que as eleições não foram limpas e justas, embora ainda nem sequer tenha recebido os materiais do Bureau para Institutos Democráticos e Direitos do Homem da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa”, declarou ele numa reunião com dirigentes da Frente Popular Unida.
“Ela deu o tom a certos nossos ativistas no interior do país, deu um sinal. Eles ouviram o sinal e, com o apoio do Departamento de Estado dos EUA, começaram um trabalho ativo”, frisou.
Putin defendeu o aumento da responsabilidade daqueles que se ingerem nos assuntos internos por encomenda de Estados estrangeiros.
“Nós somos pessoas adultas e compreendemos que parte dos organizadores agem segundo um guião conhecido e colocam perante si objetivos políticos ativos”, considerou.
“Mas nós também sabemos que, no nosso país, as pessoas não querem o desenvolvimento da situação na Rússia como aconteceu no Quirguistão ou, num passado recente, na Ucrânia. Ninguém quer o caos”, acrescentou.
Ao comentar pela primeira vez as manifestações da oposição realizadas contra os resultados eleitorais, Putin considerou: “No que respeita às iniciativas de democracia de rua, a minha posição é a seguinte: se as pessoas agirem no quadro da lei, devem ter o direito de manifestar a opinião e não devemos limitar esses direitos cívicos”.
“Mas, se alguém viola a lei, os órgãos de poder e da ordem devem exigir o cumprimento da lei através de todos os meios legais”, frisou.
O primeiro-ministro russo concluiu afirmando que o poder, apoiando-se na esmagadora maioria da população do país, deve dialogar com as forças da oposição.
Os resultados do escrutínio estão a ser alvo de forte contestação por parte da oposição.
O Serviço Federal de Segurança da Rússia (ex-KGB) exige que a rede social Vkontakte bloqueie os grupos da oposição, revelou hoje Pavel Durov, criador do análogo russo do Facebook.
“Não sei como isto vai acabar para nós, mas resistimos”, declarou Durov aos microfones da rádio Eco de Moscovo, frisando que, não obstante as pressões dos serviços de segurança, não eram impedir o acesso da oposição a essa rede social.
“Vkontakte é uma empresa totalmente apolítica, não apoiamos nem o poder, nem a oposição, nem qualquer dos partidos”, precisou.
Porém, Durov acrescentou que irá bloquear os utilizadores e redes que apelem à violência física.
A oposição, através de redes como Vkontakte e Facebook, convocou uma manifestação para sábado no centro de Moscovo a fim de contestar os resultados eleitorais do escrutínio do passado domingo.
As autoridades permitiram a realização dessa manifestação, mas apenas com a participação de 300 pessoas.
Porém, várias dezenas de milhar de pessoas, através das redes sociais, já prometeram estar presente, o que é visto pelas autoridades como uma violação da lei.
“Os iniciadores do comício informaram atempadamente as autoridades de Moscovo da sua organização, assinalando que estariam presentes 300 pessoas e o facto de, na Internet, várias dezenas de milhar de pessoas terem anunciado a sua presença não significa que venham realmente”, comentou Vladimir Rijov, um dos líderes da oposição.
“Mas se vierem, é uma iniciativa delas com a qual os organizadores do comício nada têm a ver”, concluiu.
A manifestação, convocada por forças políticas que não puderam participar nas eleições, já recebeu o apoio do Partido Rússia Justa, que ficou em terceiro lugar no escrutínio, e do Partido Iabloko, que não superou a barreira dos 07 por cento e, por isso, não elegeu deputados.

22 comentários:

Anónimo disse...

Meu caro,
Estas a fazer o mesmo que o Correio da Manhã faz - o título não corresponde ao que dizes no corpo do artigo!

FM

Jose Milhazes disse...

Caro FM, a sério?

Wandard disse...

O título o qual li esta notícia é diferente:
"Rússia: Putin acusa os EUA de estimular protestos eleitorais"

Acredito que o título da postagem seja do próprio Sr. Milhazes

Pippo disse...

Para que não haja dúvidas relativamente à guerra de informação, aqui vai um artigo da Stratfor, directamente em inglês.
Chamo a atenção para os dois últimos parágrafos.

Perceptions Versus Reality in the Russian Elections

Senior Eurasia Analyst Lauren Goodrich examines the international and domestic reactions to Russia’s preliminary election results.

With votes still being counted, Russia’s Central Election Commission announced today that the ruling United Russia party is projected to take 49.54 percent of the vote—which means that the party, which is run by Premier Vladimir Putin, will still hold majority of seats when the parties that did not meet threshold fall away from consideration.

As STRATFOR has said, United Russia’s hit has been orchestrated as part of a large smoke-and-mirrors campaign called “managed democracy” in which Russia’s election system and parliament look more democratic, while Putin still holds full control behind the curtain.

This theater continued to play out today where the Kremlin is possibly purging top United Russia figures – like State Duma Speaker Boris Gryzlov – from his position, in order to restructure United Russia after its slide from dominating Duma. Russian President Dmitri Medvedev came out and said that such a restructuring was normal for any democratic political party, who needs to constantly change in order to meet the needs of the people.

So the Kremlin is continuing to play out its intended perception of United Russia acting as a real democratic group, instead of the authoritarian party of the past.

But what is interesting is that despite United Russia still holding onto majority power, Western media has been calling these elections a major hit to Putin’s power. The West also came out against the elections in general, with US Secretary of State Hillary Clinton saying that she was “seriously concerned” how fair the elections were.

It is to be expected that the Russian elections most likely had some fraudulent practices – as is common in most Russian elections. However, even if United Russia garnered less vote than is being projected, Putin still has control and heavy influence over the other political parties projected to get into Duma —the Communist Party, Just Russia, and the Liberal Democratic Party. Even today, the leaders of Just Russia and the Communist Party said that they would work on many issues with United Russia—even using words like “coalition”, showing that they are not really opposition parties.

But what the West is trying to push is the idea that Putin is not as strong of a leader as he was in the past—true or not. The West (especially the US) has to push this idea because Putin is set to return to the Russian presidency in March. Putin’s return has set many countries on edge – particularly those that are on the frontline between Russia’s sphere of influence and the West’s, mainly Central Europe.

The US is looking to guarantee that it is still a strong partner to protect those countries – but with many physical guarantees (like missile defense) still years away, the US is currently looking to ensure that Russia isn’t as strong as may be perceived. And in order to do this, the US is hitting at the perception of Putin and his hold over his own country.

Manuel Goncalves disse...

Verdade , so se ele finalmente se descobriu a ele propio .

Anónimo disse...

Crê o ladrão que todos são da sua condição!

Jest nas Wielu disse...

Actriz russa Lia Akhedjakova sobre a situação no país:
http://www.youtube.com/watch?feature=
player_embedded&v=3pXnk9GgI0k

Wandard disse...

Fugindo ao tópico, vinte caminhões tanque da Otan ardem em chamas no terminal de Quetta no Paquistão, após um ataque por foguete.

Anónimo disse...

Pelos vistos a relação Rússia-Ocidente piorará ainda mais daqui para frente, virá um governo Putin mais linha dura e com mais propaganda anti-ocidente para o público interno.


Daniel Assumpção

Ricardo disse...

Olha só os que estão protestando e o ocidente está apoiando, que não se queixem depois!
http://www1.folha.uol.com.br/mundo/1018400-comunistas-russos-exigem-julgamento-de-responsaveis-pelo-fim-da-urss.shtml

Gilberto Mucio disse...

Claro que Putin iria aproveitar as declarações do Ocidente e usá-las a seu favor.

Não é bobo.

Qualquer político faria isso.

Jose Milhazes disse...

Gilberto, não sei é se isso joga a favor de Putin. Justificações de mau pagador, pois eu não duvido que os EUA apiam a oposição, mas também não tenho dúvidas que essa não é a essência do problema.

Gilberto Mucio disse...

Típico ativista do movimento juvenil pró governo, Nashi(Nossos):

http://www.youtube.com/watch?v=EB_hGRgANr4&feature=player_embedded

---------

Essa Lia, do vídeo que Jest postou, é uma bobona.

Fala um bocado de bobagens e trivialidades. Está latindo para árvore errada.

PEDRO disse...

O que mais me fez rir foi aquela da FOX News a mostrar imagens de confrontos na Grécia alegando tratar-se das manifestações em Moscovo.

PATÉTICO, IGNÓBIL.

E ainda temos gente a apoiar estes trauliteiros?

Gilberto Mucio disse...

O lamentável de tudo, é a canalhice do Partido Comunista(principal prejudicado com as fraudes) que está a negociar reconhecimento às eleições em troca da indicação de Melnikov para o cargo de "speaker" da Duma.

Mas uma coisa - liberais em geral:

Tirem o cavalinho da chuva.

O que vimos nessa eleição foi um claro crescimento à esquerda.

Aumento significativo do moralmente acovardado Partido Comunista Russo.

Crescimento significativo da Rússia Justa.

LDPR relegado à quarta força política.

O povo que está nas ruas nem dá ouvidos aos liberais como Nemtsov

A mídia mostra como se fossem eles - os liberais -- que estivessem à frente dos protestos... piada.

Quem está nas ruas são os eleitores do partido comunista(e Rússia Justa), que votaram neles mais por aversão ao governo do que por simpatia a esses partidos, e ainda que as lideranças desses partidos sejam covardes.

Amanhã tem uma manifestação na Praça da Revolução, que promete.

Vamos ver no que vai dar.

Gilberto Mucio disse...

«Gilberto, não sei é se isso joga a favor de Putin.»

(agora que vi)

Eu também não sei se é efetivo.

Mas o que ele tiver na mão, a essa altura, ele vai arremessar.

Por puro instinto, e qualquer político nessa situação faria o mesmo.

Querer arranjar "inimigo externo" é muito velho em política. A coisa mais velha que tem.

---

É a primeira vez que sinto na Rússia uma atmosfera de efervescência política.

Muita gente, que politicamente eram completos idiotas e alienados, de repente "acordou".

É por isso que esse país é fascinante.

O povo no dia a dia é acomodado, apolítico, apanha calado, mas de uma hora para outra se levanta, e quando se levanta faz mundo tremer.

Os ideólogos ligados à burocracia, a nomeklatura palaciana sabe isso.
Estão com medo.

Morrendo de medo eu diria.

Não conheço praticamente ninguém pessoalmente que votou no partido da situação. Nem colegas, nem alunos, nem amigos, ninguém.

As fraudes foram escandalosas e o povo, pela primeira vez presencio, está se sentindo lesado.

Por isso a traição do Partido Comunista é um golpe no povo.

Se os comunistas(e o Rússia Unida) não reconhecessem os resultados das eleições, não indo à Duma, o que teríamos seria uma crise política de consequências avassaladoramente imprevisíveis para a Nomeklatura, e uma povo ainda mais atiçado nas ruas.

Em troca de carguinhos, vão se vender.

---

E mais uma vez: A força política dos liberais é rigorosamente NULA na política russa. O povo não vai com a cara deles e não tem jeito.

PEDRO disse...

"E mais uma vez: A força política dos liberais é rigorosamente NULA na política russa. O povo não vai com a cara deles e não tem jeito."

E ainda bem que assim é.
Com esses já não existia a Rússia.
Com esses as riquezas do pais já estavam em mãos de fundos de investimento com sede nalgum paraíso fiscal e sem rosto.

Eu não sou grande admirador do comunismo, nunca fui, mas poder ser positivo haver alguma influência deles no poder.

Uma coligação (ou entendimento) com o Rússia Unida poderia ser benéfico, virando um pouco á esquerda a politica russa. Eu não gosto de ver os magnatas russos cheios de massa, exibindo a sua fortuna em megalomanias fúteis, quando há muita gente sem trabalho e muita gente na pobreza.
E não é uma questão de inveja, é a questão de saber que mérito é que tiveram para formarem essa fortuna toda?

Gilberto Mucio disse...

ERRATA

«Se os comunistas(e o Rússia Unida) não reconhecessem(...)»

O correto seria: "Se os comunistas(e o Rússia JUSTA)não reconhecessem(...)"

Gilberto Mucio disse...

«Uma coligação (ou entendimento) com o Rússia Unida poderia ser benéfico, virando um pouco á esquerda a politica russa. Eu não gosto de ver os magnatas russos cheios de massa, exibindo a sua fortuna em megalomanias fúteis,»


Como assim "entendimento com a Rússia Unida", jovem?

E como assim não gosta de Oligarcas?

o partido Rússia Unida nada mais é co que um consórcio de Oligarcas.

Mais de 90% da lista da Forbes faz parte dele e estão muito satisfeito.

De Abramovichs a Deripaskas.

É justamente contra justamente o governo dos oligarcas e da cleptocracia que o povo está começando a ir às ruas.

Anónimo disse...

Viva a pimavera Russa! A revolução liberal finalmente chegou a Rússia!

Pippo disse...

"A revolução liberal finalmente chegou a Rússia!"

A revolução liberal?!? O segundo partido mais votado foi o reaccionário Partido Comunista. A "revolução liberal" vai "triunfar" tanto como triunfou na Tunísia, no Egipto e na Líbia.

Mas não liguem ao que eu escrevo, que eu não percebo nada disto...

Anónimo disse...

Os males da Russia são os mesmos dos males da europa, desde 91 que os mal no mundo são as politicas neo-conservadoras de Washington que só tem lançado guerras e patranha spelo mundo.

Os EUA sao um grande pais do mundo, mas não são os donos do mundo, e antes de mais os EUA tem que se libertar dos algozes e das amarras em que este pais está mergulhado.

Se calhar vai aocntecer mais rapido do que pensam, os EUA não estão livres de entrar em conflitos internos.

Há generais de alta patente americana que estãpo fartos do que estes palhaços andam afazer, mais, um deles é o MC Alister, que foi encostado pelo Obama, o outro é o Wesley Clark, mascomo diz o individuo que escreve antes de mim, não ligeum aos que eu escrevo, eu não percebo nada disto.