domingo, dezembro 04, 2011

Vladimir Putin vota, enquanto se multiplicam acusações de falsificações

O  primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, votou hoje na sede da Academia de Ciências da Rússia, em Moscovo, e disse esperar um "bom resultado para a Rússia Unida", partido que dirige.
"No que respeita à afluência, ainda é cedo para falar. Tudo ficará claro após o almoço", afirmou.
Quando lhe perguntaram "Por quem inutilizou o boletim?", o primeiro-ministro russo respondeu com ar sério: "Eu não inutilizei" e abandonou a mesa de voto.
A oposição sem representação parlamentar tinha apelado aos eleitores para que inutilizassem o boletim de voto para mostrar a sua posição face ao poder vigente.
Também já votou Guennadi Ziuganov, secretário-geral do Partido Comunista da Federação da Rússia, que acusou o Partido Rússia  Unida de violações maciças da legislação eleitoral em numerosas regiões russas.
"À nossa sede já chegaram numerosos sinais sobre violações grosseiras, incluindo o lançamento em massa de boletins nas urnas", declarou depois de ter votado em Moscovo.
"Numa das mesas de voto, um observador nosso exigiu que antes da abertura da mesa fosse aberta a urna antes de ser lacrada e todos viram que lá já estava um monte de boletins", precisou.
O Partido Rússia Unida, dirigido pelo primeiro-ministro e Presidente, Vladimir Putin e Dmitri Medvedev, respetivamente, contra-atacou e acusou o Partido Comunista e o Partido Rússia Justa de liderarem o número de violações da lei eleitoral.
"A transgressão mais frequente foi a distribuição de propaganda durante a noite", declarou Vladimir Burmatov, dirigente do Rússia Unida.
"Esses partidos fazem tudo para, depois de perder a campanha eleitoral, falsificar de qualquer forma os resultados das eleições", concluiu.
A Comissão Eleitoral Central e o Ministério do Interior russos disseram que o escrutínio está decorrer normalmente.

3 comentários:

Ricardo disse...

Fraude em algum nível sempre acontece e isso em qualquer país do mundo. Mas o curioso é que os que denunciam na sua maioria são orgãos financiados por Whasigton e Londres, ou seja, traidores do país, já que a esses países não interessa uma Rússia forte e sim uma fraca e débil para que eles possam dar todas as cartas no mundo.

Anónimo disse...

Off topic

O jornal brasileiro "Folha de São paulo" trás uma série de reportagens e entrevistas feitas na Rússia sobre os 20 anos do fim da Urss.

São as primeiras de hoje (serão várias exibidas durante a semana).

Algumas, para quem quiser ler:


Uma Rússia que encolhe e olha para dentro
.
http://www1.folha.uol.com.br/mundo
/1016160-uma-russia-que-encolhe-
e-olha-para-dentro.shtml

Problemas da Otan com a Rússia persistem 20 anos após fim da URSS
.
http://www1.folha.uol.com.br/mundo
/1016019-problemas-da-otan-com-a-
russia-persistem-20-anos-apos-fim-
da-urss.shtml

Vinte anos após fim da URSS, Folha visita região e investiga legado do bloco
.
http://www1.folha.uol.com.br/mundo
/1016301-vinte-anos-apos-fim-da-
urss-folha-visita-regiao-
e-investiga-legado-do-bloco.shtml

População muçulmana cresce e se torna mais visível na Rússia
.
http://www1.folha.uol.com.br/mundo
/1016303-populacao-muculmana-
cresce-e-se-torna-mais-visivel-na-russia.shtml

Duas décadas após o fim URSS, região ainda possui conflitos
.
http://www1.folha.uol.com.br/mundo
/1016034-duas-decadas-apos-o-
fim-urss-regiao-ainda-possui-
conflitos.shtml

Anónimo disse...

Há denúncias de fraude sem contar o favoreciemento explícito do partido no poder. Apesar de tudo isso o partido não conseguiu maioria absoluta o que é uma certa "derrota". Em kaliningrado foi onde a Rússia Unida teve menos votos, justamente a parte mais ocidental e européia da Rússia, coincidência ou não!