segunda-feira, janeiro 16, 2012

Vladimir Putin desafia os cidadãos ao diálogo no programa eleitoral

 
O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, publicou hoje o seu programa eleitoral com vista ao regresso ao Kremlin nas eleições presidenciais de 04 de março.
O mais forte candidato à vitória começa por desafiar a sociedade a participar num amplo diálogo sobre as perspetivas de desenvolvimento do país.
“É necessário um amplo diálogo sobre o futuro, sobre as prioridades, sobre a opção a longo prazo, desenvolvimento nacional e perspetivas nacionais”, escreve Putin.
Segundo ele, “os problemas da Rússia que se repetem constantemente na história são o desejo de parte da sua elite de dar saltos, de optar pela revolução no lugar do desenvolvimento consequente. Porém, não só a experiência russa, mas também a mundial mostra o caráter funesto dos saltos históricos”.
“Sempre que podem, os “destronadores” transformam-se a olhos vistos em “senhores satisfeitos” que se opõem a quaisquer mudança e conservam ciumentamente o seu estatuto e privilégios”, frisou.
Putin saúda a vontade da sociedade russa de pretender viver com os mais altos padrões de democracia e de qualidade de vida.
“Nos finais dos anos 90, os mais prestigiados peritos e numerosos líderes internacionais concordavam no prognóstico sobre o futuro da Rússia: falência e desintegração”, recorda ele.
“A atual situação na Rússia, se analisada com um olhar dos anos de 1990, pareceria ficção científica super-otimisma. Mas esse “esquecimento” e a prontidão atual da sociedade de empregar na Rússia os mais altos padrões de qualidade de vida e democracia são o melhor testemunho do nosso êxito”, acrescenta.
Vladimir Putin escreve que o seu país está pronto para avançar mesmo nas condições económicas e políticas externas mais adversas e apresenta propostas para o futuro.
“A classe média deve continuar a aumentar, tornar-se a maioria na nossa sociedade. Será completada por aqueles que puxam para a frente o país: médicos, professores, engenheiros, operários qualificados”, considera.
“Gente mais culta significa mais longevidade, nível mais baixo de criminalidade, de comportamento associal, opção mais racional. Tudo isso, por si só, cria um fundo favorável para o nosso futuro”, assinalou.
O primeiro-ministro russo diz apostar na iniciativa dos cidadãos como base do crescimento da Rússia.
“Perderemos certamente se apostarmos apenas nas decisões dos burocratas e num círculo limitado de grandes investidores e companhias públicas. Perderemos certamente se nos apoiarmos na posição passiva da população”, opina ele.
“Antes de tudo, as pessoas devem sentir mudanças positivas e, em primeiro lugar, através do aumento das suas próprias possibilidades. Mas o motor do crescimento deve ser e será precisamente a iniciativa dos cidadãos”, conclui.
P.S. Qualquer pessoa sensata apoiaria este programa, pois faz lembrar os programas do Partido Comunista da União Soviética: mais um plano quinquenal e comunismo garantido!Mas deixo  aqui algumas perguntas: o que é que impediu Putin de realizar todas estas promessas durante os doze anos que se encontra ininterruptamente no poder? Não será a falta de confiança no seu futuro político que o obriga a fazer estas promessas?
Segundo revelou hoje um porta-voz de Putin, as ideias acima publicadas são apenas a introdução do seu programa presidencial, por isso ficamos à espera de mais de cem páginas de promessas para os russos e umas ameaças à oposição e aos "seus apoiantes estrangeiros".

4 comentários:

FAB-1980 disse...

Sr. José Milhazes...

Já deu para perceber que vc é a oposição. Mas qual candidato vc apontaria para assumir o Kremlim em 2012, entre todos os candidatos que estão concorrendo?

Sinceramente, não acredito que haja alguem mais preparado do que Putin, entre todos os candidatos que estão concorrendo.

E quem irá decidir isto é o povo russo, e ninguem mais. Não é possivel haver corrupção nos números, como os divulgados recentemente!

E não acho que os 2 mandatos passados de Putin foram ruíns, pois as estatísticas mostram que a qualidade de vida na Rússia melhorou muito depois que Putin deixou o seu governo para Medvedev, que basicamente só deu continuidade á que Putin implementou.Tanto é que Medvedev manteu Putin por perto, na sala do lado, no gabinete de Primeiro Ministro..

Mas, da forma como vc postou este artigo, talvez o sr. deveria citar qual dos candidatos seria mais apropriado para a Rússia... Qual a sua opinião?

Jose Milhazes disse...

Leitor FAB, se tivesse lido com atenção posts meus sobre este assunto, compreenderia a minha posição.
Neste momento, Putin não tem concorrentes porque o sistema por ele criado "democracia soberana" não permitiu o aparecimento de tais.
Eu nunca disse que Putin perderia eleições se estas fossem limpas e transparentes, mas sim que o seu apoio seria bem menor.
Claro que a vida dos russos, durante as presidências de Putin e Medvedev, melhorou, mas isso deve-se, significativamente, ao alto preço do petróleo e do gás nos mercados internacionais. Com os meus que o país dispôs nos últimos 12 anos, seria possível fazer muito mais.
Claro que é o povo russo que irá decidir, mas deve decidir em liberdade. Eu sou jornalista e historiador e autor deste blog, tenho o direito a uma opinião, que tento levar aos meus leitores, mas estes podem discordar.

PEDRO disse...

"Neste momento, Putin não tem concorrentes porque o sistema por ele criado "democracia soberana" não permitiu o aparecimento de tais."

Já ouvi isto várias vezes e continuo sem perceber isto. Como é que Putin impede que apareçam alternativas?
Que culpa ele tem que os Comunistas, os Liberais e os Ultra-Nacionalistas não tenham programas que agradem mais aos Russos?
E que alternativas Putin impediu de aparecerem?

E já agora pensem um pouco. Existem os clássicos defensores dos nossos sistemas políticos, chamando-lhe pomposamente "Alternância Democrática". Mas o que é que isso significa?

Para Aliens que nos visitassem e vissem como isto funciona acharia que existe alternância Democrática porque os nossos políticos são sucessivamente maus, e o povo nunca volta neles mais que um mandato ou dois.
Pela minha lógica (exceptuando situações de fraude eleitoral) um partido ou candidato que tivesse aceitação popular ganha as eleições mais que uma vez e por larga margem, e não vejo nisso falta de democracia.

Gilberto Mucio disse...

«Claro que a vida dos russos, durante as presidências de Putin e Medvedev, melhorou, mas isso deve-se, significativamente, ao alto preço do petróleo e do gás nos mercados internacionais.»

"Significativamente" não. Eu diria "única e exclusivamente".