domingo, maio 27, 2012

O genocídio cometido pelos nacionalistas ucranianos sobre a população polaca durante a Segunda Guerra Mundial


Texto traduzido e enviado pelo leitor Pippo:

"por Ryszard Szawlowski

Este artigo foi publicado originalmente na obra “Ludobojstwo dokonane przez nacjonalistow ukrainskich nd ludnosci polskiej Wolynia, 1939-1945” por Wladyslaw Siemaszko e Ewa Siemaszko (Varsóvia, 2000).
 No entanto, o seu conteúdo   também se aplica às outras voivodias da Polónia onde os nacionalistas ucranianos deixaram a sua marca assassina durante e após a 2 ª Guerra Mundial. O artigo é único e universal ao mesmo tempo para sua discussão de vários aspectos de uma atrocidade cometida pelo homem contra o homem chamada de GENOCÍDIO.


A obra monumental de Wladyslaw e Ewa Siemaszko (pai e filha) sobre o genocídio ucraniano na Volhynia durante a Segunda Guerra Mundial é como o tomo de alguns volumosos, ainda inexistente trabalho sobre a totalidade do genocídio cometido contra a população polaca durante as
 ano. Polacos foram submetidos a genocídio - em todas as suas formas e em diferentes escalas pelos alemães, os soviéticos, e os ucranianos. O genocídio alemão e soviético é relativamente bem conhecido e documentado. O genocídio perpetrado pelos ucranianos, por outro lado, é muito mais desconhecido até aos dias de hoje. Ele não se limitou ao território da Volhynia (e uma parte do sul da Polesie), mas foi alargado a toda a Galícia oriental e até mesmo parte do sudeste da Polónia, bem dentro das atuais fronteiras pós-Yalta. Mas é preciso lembrar que as terras de Volhynia foram palco da primeira manifestação de genocídio pelos ucranianos contra os polacos, resultando num número muito superior de vítimas de assassinato, como  foi o caso nos territórios dos antigos ducados [voivodia] do Leste da Galícia (os ducados de Tarnopol e Stanislawow e parte oriental da voivodia de Lwow). Por esta razão, os autores optaram correctamente por se concentrarem na Volhynia.

O conceito e o termo linguístico de genocídio, foram criados no início dos anos quarenta pelo advogado polaco Rafal (Rafael) Lemkin.
 Nascido em 1901, Lemkin passou os anos trinta como procurador-geral adjunto do Tribunal da Comarca de Brzezany (voivodia de Tarnopol), seguido pela ocupação de um posto de trabalho equivalente em Varsóvia, tornando-se mais tarde um advogado e professor na Universidade Livre Polaca. Já antes da guerra, ele estava interessado na questão do genocídio, denominado por ele na época como "atos de barbárie". Ele conseguiu chegar aos Estados Unidos em 1941 e lá publicou seu trabalho inovador - Domínio do Eixo na Europa ocupada - em 1944. Ele também foi instrumental na aprovação do tratado internacional fundamental em matéria de genocídio - A Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio, aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 9 de dezembro de 1948. Devido a isso, ele foi por duas vezes nomeado para o Prémio Nobel da Paz. As disposições da Convenção, que foi ratificada pela grande maioria dos Estados-nação, devem ser encaradas hoje como sendo “ius cogens”, em outras palavras, como algo que não pode ser anulado (em oposição ao “ius dispositivum”). Ao mesmo tempo, o crime de genocídio está escrito na maioria dos códigos penais nacionais.

De acordo com o artigo II da Convenção: ...genocídio significa qualquer dos seguintes actos cometidos com a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso, tais como ..., usando vários métodos: o primeiro sendo, é claro, "matar membros do grupo "(art.II, item a)).
 Isto é seguido por itens de b)  a  e):
b) causando sérios danos físicos ou mentais a membros do grupo;
c) a submissão deliberada do grupo a condições de vida calculadas para trazer a sua destruição física no todo ou em parte;
d) medidas destinadas a impedir nascimentos no seio do grupo;
e) transferência forçada de crianças do grupo para outro grupo.

Deve ser claramente dito aqui, que o genocídio ucraniano contra os polacos é caracterizada por várias circunstâncias agravantes.

Em primeiro lugar, abrangeu, em princípio, o extermínio físico (assassinato) o mais rápido possível, no local, de todos os polacos que podessem ser alcançados, independentemente da sua idade ou sexo. A este respeito, só é comparável ao genocídio alemão contra os judeus - e não o seu genocídio contra os polacos.
 A respeito dos judeus deve-se acrescentar que, no seu extermínio nas voivodias a sudeste da fronteira da República da Polónia, os ucranianos não só tomaram uma parte muito grande em todos os actos de genocídio, quer em conjunto com os alemães quer de forma independente sob supervisão alemã , mas também foram autores de actos semelhantes por conta própria. Isso já acontecera no verão de 1941, quando os exércitos alemães entraram no então território sob ocupação soviética. Mais tarde, depois de terem liquidado os guetos juntamente com os alemães, o que ocorreu principalmente após a segunda metade de 1942, os ucranianos continuaram a capturar e assassinar individualmente  os judeus que se haviam escondido. Todas essas "acções", deve ser tido em mente, estavam ligadas a pilhagem em grande escala de bens das vítimas.

Em segundo lugar, o genocídio ucraniano foi em geral caracterizado por actos de tortura de barbárie extrema.
 Estes actos lembravam as tradições dos cossacos dos séculos XVII e XVIII (a Revolta de Khmelnitsky, e o levantamento de 1768 chamado "kolistchyzna"), com os métodos em uso naquela época - cortar polacos e judeus à machadada, lançar vítimas feridas em poços , serrar pessoas vivas, ou arrastando-as a cavalo, tirar olhos, cortes de línguas, entre outras atrocidades. Esses actos de barbárie não eram, em regra, utilizados pelos alemães ou mesmo os soviéticos. Claro, houve frenquentes espancamentos e crueldades durante os interrogatórios ou em campos de concentração (onde estas exacções eram acompanhadas por fome e trabalhos forçados, e por vezes por criminosas experiências médicas em campos alemães, etc), mas não era usual que os assassinatos ocorridos nesses locais fossem combinados com o corte de partes do corpo, serrando-os, rasgando-se-lhes o estômago, estripando-os, e assim por diante.

Acrescentemos que à escala europeia, o genocídio cometido pelos ucranianos sobre os polacos é só comparável, em certa medida, ao genocídio da Croácia (pelo Ustashi de Ante Pavelic) contra os sérvios durante
 Segunda Guerra Mundial a partir da primavera de 1941. No entanto, o que também foi praticado lá em grande escala foram expulsões em massa, ou "conversão" ao catolicismo, o que significava que a grande maioria dos sérvios, que estavam dentro dos limites do estado croata formado em abril de 1941 (com a aceitação porparte da Alemanha e Itália) poderia sobreviver. Mas no caso do genocídio cometido pelos ucranianos, a prática era assassinar absolutamente todos os polacos que caíram nas suas mãos. O facto é que, apesar das fabricações dos ucranianos, não houve um "apelo para sair" da Volhynia dirigida aos polacos, ou simples "deportações". Isso é totalmente desmentida pelo trabalho dos Siemaszkos '. Muito pelo contrário, era muito frequente o caso em que polacos que queriam fugir antes que o genocídio que já estava sendo cometido em distritos vizinhos lhes batesse à porta, eram incentivados a permanecer, com "garantias" de que eles estariam seguros. Ou eles eram submetidos a ameaças de que sua fuga seria considerado como traição contra os ucranianos. Tudo isso teve como objetivo garantir que todos iriam ser mortos exactamente onde eles estavam. Este aspecto será discutido mais tarde.

Em terceiro lugar, os autores dos massacres cometidos por alemães e soviéticos eram diferentes.
 O genocídio alemão foi realizado inteiramente por formações criminosas "especializadas" em uniforme, em particular o chamado Einsatzgruppen der Sicherheitspolizei ou Sicherheitsdienst [SD], e os soviéticos utilizaram tropas do NKVD. Não foi assim com o genocídio ucraniano. Na Ucrânia, os crimes foram cometidos por dois elementos principais. Dominando a zona estavam o Exército Insurgente Ucraniano de Stepan Bandera e, na Volhynia, as forças concorrentes de Bulba e Melnik, bem como a polícia ucraniana criada pelos alemães na segunda metade de 1941 (que desertou no início de 1943). Mas nas operações principais de genocídio, também participaram milhares e milhares de camponeses ucranianos da zona, incluindo as chamadas Unidade de Auto-Defesa Kushchovy (Samooboronni Kushchovi Viddily), ostensivamente unidades de "auto-defesa" camponesas, que eram de facto usados ​​pelo Exército Insurgente Ucraniano para ajudar no genocídio contra os polacos. Agregados a estes grupos estavam bandos armados com machados, ancinhos, etc, muitas vezes compostas por vizinhos, que formaram uma espécie de leva em massa ucraniana. Como se isso não bastasse, esses bandos eram muitas vezes acompanhado por mulheres ucranianas, jovens e até crianças, que se ocupavam com a pilhagem, fogos postos em grande escala e o extermínio de polacos  que tinham sido feridos mas haviam sobrevivido. Isso ocorreu apesar de, às vezes, haver anos de suposta amizade mútua, ou vínculos de gratidão que existiam para com certos polacos.

É por esta razão que eu iria qualificar o genocídio na Volhynia durante a Segunda Guerra Mundial como um Genocídio claramente cometido pela população ucraniana, e não, por exemplo, como “genocídio cometido pelo Exército Insurgente Ucraniano”, “pelos bandos do Bandera”, “por nacionalistas ucranianos”, e assim por diante.
 Ao contrário do que muitas vezes é reivindicado por Wiktor Poliszczuk nas suas publicações (mais tarde ele será citado favorável no presente artigo), o genocídio na Volhynia - como é documentado pelo trabalho dos Siemaszkos - foi realizado por um amplo espectro de ucranianos daquela área e não só pelos "combatentes" do Exército Insurgente Ucraniano. Como já foi mencionado, dele tomaram parte milhares e milhares de camponeses comuns (muitas vezes forçados a isso pelo Exército Insurgente Ucraniano), incluindo, infelizmente, hordas de mulheres gananciosas, adolescentes e, às vezes, até crianças.

No entanto, deve ficar claro que:
1) Não se está a afirmar que a maioria dos ucranianos da Volhynia participou no genocídio e nos actos que o acompanharam, especialmente tendo em conta que o genocídio contra os polacos foi limitado, em geral, ao campo; no entanto, um segmento significativo dos ucranianos da Volhynia estaveve envolvido nestes acontecimentos. E assim os factos por si só, bem como a exigência de honestidade, requerem, ou pelo menos permitem, que falemos neste caso sobre os ucranianos como tal [como genocidas], assim como o presidente da Alemanha, Roman Herzog, citado mais adiante, não se restringiu a falar apenas dos crimes cometidos pelos nazis, etc, mas falou também dos crimes cometidos pelos alemães “tout court”.
2) Ao mesmo tempo, devemos expressar o nosso maior respeito por aqueles ucranianos que, como é bem atestada por inúmeros exemplos que podem ser encontrados no trabalho dos Siemaszkos ', auxiliaram os polacos, advertindo-os, escondendo-os rapidamente, ou transportado-os para
 as cidades mais próximas. Por causa de terem prestado este tipo de ajuda, os fanáticos do Exército Insurgente da Ucrânia e da Organização dos Nacionalistas Ucranianos (especialmente o notório Sluzhba Bezpeky OUN) muitas vezes castigaram os seus próprios compatriotas, assassinando-os. Mas toda a ajuda foi, infelizmente, apenas uma gota de água no oceano diante das dezenas de milhares de polacos assassinados naquela época.


Em quarto lugar, menção especial deve ser feita relativamente à postura violentamente criminosa tomada em casos de casamentos mistos polaco-ucranianos. Nestes casos, os assassinos ucranianos frequentemente assassinavam, sempre que possível, famílias inteiras, incluindo as crianças, ou, pelo menos, o parceiro polaco.
 Como se não bastasse, casos houve em que o marido ucraniano (ou mesmo a esposa) foi forçado a matar o parceiro polaco com suas próprias mãos. Tal barbárie nunca foi aplicada em casos semelhantes de casamentos mistos, pelos soviéticos, ou, no caso de casamentos mistos de alemão com judeu, pelos alemães. Entre estes últimos, apesar da erradicação [Ausrottung, no original] quase total dos judeus alemães, a maioria destes casais, embora severamente perseguidos e forçados à fome, conseguiu, no entanto, sobreviver à guerra.

Um exemplo característico disto seria o caso bem conhecido do professor Karl Jaspers, que foi casado com uma judia.
 O casal viveu durante os anos da guerra no estado trágico da Suizidbereitschaft (“prontidão para cometer suicídio”), mas mesmo assim sobreviveu. Ordenar a um homem ou uma mulher alemã que matasse o seu parceiro judeu era impensável.

Em quinto lugar, no caso do genocídios cometidos pelos alemães ou soviéticos contra os polacos, os crimes foram cometidos por uma força de ocupação - enquanto o genocídio cometido pelos ucranianos foi conduzido por ucranianos que eram cidadãos da Polónia, habitantes destas terras durante a II República Polaca, que
 não apresentaram a menor vestígio de lealdade. Mas, deixem-nos acrescentar, quando havia algo a canhar om isso, estes ucranianos continuavam a mencionar facilmente a sua cidadania polaca. Em muitos casos, usando documentos de identificação roubados de polacos assassinados, e usando os seus nomes, estes ucranianos foram "repatriados" para a Polónia ou mesmo para fora, para o Ocidente.

Em sexto lugar, o genocídio cometido pelos ucranianos foi geralmente acompanhado por uma bárbara política de terra queimada.
 Depois da sua propriedade e gado serem roubadas, as casas e outros edifícios dos polacos assassinados eram normalmente queimadas (por vezes até mesmo os seus pomares foram destruídos), e edifícios públicos, por exemplo escolas, também foram muitas vezes destruídas. Como parte disto, houve também a destruição total de um grande número de casas de campo históricas polacos, com seus edifícios agrícolas e jardins, bem como igrejas católicas e capelas. Esta forma de barbárie adicional não foi geralmente demonstrada quer por alemães, quer pelos soviéticos.

Em sétimo e último lugar , os alemães há muito tempo que admitiram os seus crimes, e pediram desculpas por eles publicamente.
 Para dar um exemplo, o presidente da República Federal da Alemanha, Roman Herzog, afirmou claramente no seu discurso em Varsóvia, em 01 de agosto de 1994 na cerimónia do 50 º aniversário do Levantamento de Varsóvia: ... “Eu curvo-me diante dos combatentes do Levantamento de Varsóvia, e diante de todas as vítimas de guerra polacas. Peço perdão pelo que os alemães fizeram.” .... O presidente russo, Boris Yeltsin também fez alguns gestos, como quando ele beijou o Monsenhor Zdzislaw Peszkowski na mão e sussurrou as palavras "Eu peço desculpas" por ocasião da homenagem às vítimas de Katyn em 25 de agosto de 1993, no Cemitério Powazki em Varsóvia. Naquela noite, toda a Polónia o viu na televisão. De igual modo, a imprensa e a literatura na Alemanha, e, nos últimos dez anos, na Rússia, discutem abertamente o genocídio cometido contra os polacos. O comportamento dos ucranianos, por outro lado, tem sido, em regra, completamente diferente - eles recorreram à negação, às mentiras e ao silêncio sem rodeios. Este aspecto será discutido abaixo.

Para resumir esta parte - o genocídio cometidos contra os polacos durante a Segunda Guerra Mundial pelos ucranianos superou o genocídio feitos por alemães e soviéticos em certos aspectos; ele foi marcado pela crueldade e barbárie extremas, e, após a sua conclusão, até os dias actuais, tem sido
 negado ou, na melhor das hipóteses, apresentado com lembretes de que tudo é "relativo" ou outros subterfúgios tais.



A antiga voivodia da Volhynia, que foi palco do genocídio cometido pelos ucraniano abordado pelos autores, era uma área que habitada antes de 1940 por cerca de 350 mil polacos, que formavam apenas 17 por cento da população.
 Esse percentagem foi reduzida por via das deportações em massa durante os anos 1940-1941 pelos soviéticos. A perda total de vidas entre os polacos às mãos dos ucranianos é estimada pelos autores entre 50 e 60 mil pessoas. Mas deve-se ressaltar, mais uma vez que, independentemente do genocídio contra os polacos, os ucranianos em todo o lado participaram, seja com os alemães ou sozinhos, no genocídio cometido contra cerca de 200.000 judeus da Volhynia, cidadãos da Polónia. Esta questão também foi levantada no presente livro, embora este assunto muito amplo não seja o seu tema principal.

O trabalho analisa metodicamente os territórios de todas as onze regiões da antiga voivodia da Volhynia - do rio Bug até à fronteira polaco-soviética de 1939.
 Dentro das regiões, é feita menção às comunidades rurais, 103 ao todo, bem como às comunas municipais, e, em seguida, a base fundamental - as cerca de 1720 aldeias, assentamentos, colónias, etc, onde foi possível comprovar, na maioria das vezes de maneira incompleta, que o genocídio foi cometido contra os polacos. Além disso, referencia é feita em relação às unidades administrativas (aldeias, colónias, assentamentos, etc), cerca de 1790, que faziam parte de cada município, onde também viveram polacos mas sobre o qual não foi possível obter qualquer informação. No entanto, como o genocídio ucraniano contra os polacos foi perpetrado de forma metódica e global em 1943, em todas as regiões da Volhynia, de leste a oeste, e foi claramente guiada pelos principais líderes da OUN e UPA, não há o menor espaço para ilusões de que os pontos em branco sobre os quais informações não puderam ser recolhidas pudessem ser algum tipo de áreas intocadas. Pelo contrário, deve ser tomado como um dado adquirido que, na maioria desses lugares, os polacos que não conseguiram escapar ou exercer uma resistência eficaz foram submetidos ao genocídio tal como os seus compatriotas em locais onde os actos de genocídio poderan ser documentados. E assim, os autores estavam correctos em dar estimativas cautelosas para essas áreas. Acrescentemos que não evitamram a questão delicada das raras represálias polacas contra os autores do genocídio na Ucrânia, quando os parentes emocionalmente devastados das vítimas brutalmente torturadas atacaram aldeias ucranianas. Como Tadeusz Piotrowski diz justamente sobre este assunto: ... “Na verdade, seria surpreendente se não houvessem essas medidas não retaliação”. ...E Wiktor Poliszczuk afirma: ... “embora houvesse actos de retaliação por parte dos polacos ..., o seu alcance era uma gota de água no oceano, em comparação com os assassinatos em massa de polacos que o OUN e UPA cometiam.” ...

Os autores fizeram uso de uma gama impressionante de fontes.
 A lista inclui relatos escritos por testemunhas dos crimes (quase 1700), os arquivos de investigações dos crimes cometidos pelos nacionalistas ucranianos, decisões judiciais em acções para declarar as suas vítimas como falecidas, e entradas de registos de óbitos de paróquias  da Igreja Católica Romana. Vai ao ponto de incluir os documentos secretos do Governo Polaco na clandestinidade, abrangendo o período da ocupação alemã durante 1941-1944, documentos da União Soviética e dos nacionalistas ucranianos, e muito numerosas memórias e estudos escritos, incluindo os de ucranianos. Há também cerca de 80 relatos de testemunhas do genocídio e outros documentos, que estão incluídos, principalmente na íntegra, nos anexos e são de grande importância histórica. Tomado como um todo, este trabalho define um padrão que deve ser seguido por outras obras sobre o genocídio contra os polacos, no leste da Galiza, que também necessitam urgentemente de documentação.



Vejamos como é que este genocídio extremamente bárbaro dos ucranianos contra os polacos foi tratado nas declarações oficiais ucranias e polaco-ucranianas, e nos escritos de ucranianos e polacos.

A. Nós mencionamos as declarações feitas pelos presidentes da Alemanha e da Rússia relativamente aos genocídios de que os seus conterrâneos eram culpados.
 Os ucranianos ainda não fizeram qualquer gesto semelhante. A muito divulgada "declaração conjunta dos presidentes da Polónia e Ucrânia sobre o acordo de reconciliação", realizada em Kiev em 21 de maio de 1997, declara no seu preâmbulo, que ... “o futuro das relações entre a Polónia e a Ucrânia deve ser construída sobre a verdade e a justiça”. ... Ele menciona apenas em metade de uma frase os eventos em Volhynia: ... “não devemos esquecer o sangue polaco derramado na Volhynia, especialmente durante os anos 1942-1943” ... . Ele não faz nenhuma menção semelhante, à perda de vidas polacas no leste da Galícia, enquanto a sua referência à "Operação Vístula" de 1947 parece justapor situações que são completamente diferentes. Nessa operação, ditada por um estado de exigência nacional (a necessidade de privar a UPA de sua base logística, inteiramente suportada no seu dia-a-dia pela população local ucraniana, o que poderia garantir que a UPA seria fornecida durante vários anos com alojamentos, alimentos e recrutas), não havia elementos de genocídio. Estes camponeses ucranianos foram realojados em fazendas que estavam disponíveis nos novos territórios ex-alemães que a Polónia havia obtido com o Acordo de Potsdam de 1945, fazendas aliás muito melhores do que as que haviam deixado para trás. Resumindo, a declaração de 1997 não resolve a questão fundamental do reconhecimento por parte dos ucranianos de que o genocídio foi cometido, e não contém qualquer expressão de desculpas para com os polacos.

Quanto à postura adoptada pelos níveis superiores do clero da Igreja greco-católica, que tem tomado, nos dias de hoje, o nome bastante pretensioso e etnocêntrico de Igreja Bizantino-Ucraniana, basta citar o clérigo Stefan Dziubina de Przemysl.
 Na sua homilia na celebração em 11 de maio de 1997 em Jaworzno, ele falou do Exército Insurgente Ucraniano como "auto-defesa ucraniana contra os polacos", que, nas suas palavras, ... “cometeram assassinatos e incendiaram aldeias ucranianas na Volhynia, cedendo à agitação nazi, em face do qual os ucranianos se armaram e começaram a atacar tanto os alemães como os polacos”. .... Essa afirmação, que não poderia ter sido feito sem a aprovação do chefe da Igreja greco-católica na Polónia, foi feita na presença de, entre outros, os presidentes da Polónia e da Ucrânia. Este mesmo clérigo deu um sermão em 7 de julho de 2000, por ocasião do enterro de membros da UPA em Pikulice (mortos em ação em 1946), nos arredores de Przemysl, o qual era completamente mentiroso, calunioso e inflamatório. A opinião pública polaca foi despertada, mas nada foi feito. Como já escrevemos a este respeito há alguns anos atrás: ... “Consideramos que a falsificação pública de fundamentais verdades históricas, impregnadas de implicações morais, devem ser punidas no nosso país, assim como a chamada Auschwitzluege [Negação de Auschwitz] é punível de acordo com o código penal da República Federal da Alemanha.” ...

De entre os leigos polaco-ucranianos, um certo Roman Drozd veio a lume nos últimos anos com uma publicação sobre a UPA, que consiste principalmente em documentos "cuidadosamente selecionados" e introduções breves.
 O trabalho é extremamente falso, com passagens como: ...”O conflito polaco-ucraniano em 1942/43 transformou-se numa verdadeira guerra partizan polaca-ucraniana [!], Durando até 1947, deixou um rasto de dezenas de milhares de vítimas em ambos os lados.” ... Na minha opinião, os números de baixas sofridas por cada lado será muito aproximado. Nenhum outro ucraniano avançou até agora com tão suprema uma fabricação. É UPA-Luege (negação da UPA) por excelência.

Mais adiante, Drozd tentata distorcer os factos da seguinte forma: ...
 “É claro que é difícil, aqui, indicar qual foi a parte atacante, e qual que estava na defesa, dado que a um ataque se seguia outra ataque um assassinato era seguido por outro assassinato, um saque por mais saques, incêndios por mais fogo posto, e tudo isso se justifica por o argumento de que era uma operação de retaliação. Só pode ser dado como certo que o lado atacante era aquele cujas forças eram mais fortes, em qualquer área individual” ... . Os factos reais são diferentes. Como Drozd deve também estar ciente, a minoria polaca no campo em Volhynia era a mais fraca força em quase toda a parte – pelo que, de acordo com as suas palavras, devem ter sido os ucranianos que eram os atacantes. Mas mais do que isso, os polacos estavam totalmente despreparados para o ataque quando a UPA lançou os seus actos de genocídio. Isto é totalmente documentado na obra dos Siemaszko. Somente actos muito limitadas de auto-defesa poderia ter sido organizados, e os polacos poderiam retaliar apenas alguns poucos casos.

B. Quanto aos escritos históricos ucranianos, estes são, na grande maioria, firmes em não admitir que qualquer genocídio tenha sido cometido contra os polacos pelos ucranianos na Segunda Guerra Mundial.
 Este não é o caso com os alemães e com os russos. A falsificação total neste campo foi colocada em movimento imediatamente após a Segunda Guerra Mundial por Mykola Lebed, que era o principal instigador do genocídio ucraniano contra os polacos (como ele exerceu as responsabilidades de Stepan Bandera, encarcerados à época pelos alemães sob condições excepcionalmente boas no campo de concentração de Sachsenhausen). Ele escreveu um livro sobre a UPA, que foi publicado já em 1946. Lebed dá conta que foi um grande golpe para os alemães quando toda a força policial ucraniana, e os chamados “Schutzmen ucranianos”, uniram-se às forças da UPA no início de 1943 em toda a Volhynia e Polesia. Claro, ele esquece-se de mencionar que foi essa mesma polícia que levou a cabo uma grande parte no genocídio contra os judeus da Volhynia, ou que havia conseguido matar um grande número de polacos antes da deserção. Ele continou dizendo que:

...
 “Os alemães sugeriram aos polacos que eles formassem uma força de polícia polaca em seu lugar. Entre a população polaca de Volhynia havia muitos, que tinha um ódio cego, historicamente, para com o povo ucraniano, e que passou a servir os alemães.
... A partir dessas unidades polacas, os alemães formaram destacamentos policiais punitivos separados, que se distinguiram por cometer os maiores e mais brutais assassinatos e saques generalizados contra a população ucraniana.
... O histórico ódio polaco para com a nação ucraniana foi colhendo as suas vítimas.
... Instado pelos governos anteriores da Polónia para colonizar as terras da Ucrânia, e criados no espírito do chauvinismo e do ódio cego para com tudo o que era ucraniano, a população polaca da Volhynia e da Polesia foi mais uma vez com sucesso posta à prova. Também deve ser mencionado que formações partidárias bolcheviques estavam recebendo uma certa quantidade de ajuda e informação a partir de assentamentos polacos sobre o movimento de independência da Ucrânia.Portanto, não é surpreendente que as pessoas tenham perdido a paciência.
... Eles passaram à auto-defesa e pagaram de volta todas as queixas que se acumularam ao longo dos séculos.
... Para evitar actos de agressão anti-polacos espontâneos por parte das massas e evitar conflitos entre os ucranianos e os polacos, ... o Exército Insurgente Ucraniano esforçou-se para atrair os polacos para uma luta unida contra os alemães e os bolcheviques. No entanto, quando esta acção não conseguiu obter nenhum resultado, a UPA deu a ordem à população polaca para deixar as terras ucranianas na Volhynia e na Polesia.
... No verão de 1943, quase toda a Volhynia se encontrava sob o controle da UPA. Os polacos, que haviam recebido a ordem para abandonar o território, tinham geralmente realizado a ordem voluntariamente. A posse da sua propriedade fundiária foi conferida ao povo ucraniano. Isso trouxe um fim à existência dos assentamentos polacos criados depois de 1920, como todos os lugares com o nome de Sienkiewicz, ou algum Ludwik, etc

Vamos revisar, tão brevemente quanto possível, estas fabricações feitas por Lebed.
1) Fazer das " forças da polícia punitiva" polacas as responsáveis ​​pelos " maiores e brutais assassinatos " cometidos, ainda por cima,  mesmo antes do genocídio cometido pelos ucranianos (porque essa é a sequência de eventos apresentados por Lebed), vai totalmente contra as provas encontrado em trabalho como o dos Siemaszkos, e em outras obras sérias polacas.
2) Quanto aos polacos a serem criados num espírito de chauvinismo e ódio cego em relação a "tudo o que era ucraniano", a situação era completamente a oposta: o que é confirmado pelas centenas de relatos apresentadas no trabalho dos Siemaszkos, havia boas relações,
 às vezes levavam ao casamento, amizade, etc entre as populações polacas e ucranianas na Volhynia no período pré-guerra. Os dois grupos viviam em boas condições até que as relações foram totalmente arruinadas durante a Segunda Guerra Mundial pela campanha realizada em grande escala por agitadores, na sua maior maior parte membros da OUN e UPA da Galícia, que propagaram uma forma extrema de chauvinismo entre os ucranianos que era nada menos do que genocídio.
3) As invenções descritas acima foram, no entanto, essencial para Lebed , de modo a que ele pudesse lançar a sua inverdade cardinal: a saber, que foram os próprios polacos que trouxeram sobre si as ações sangrentas dos ucranianos. Em auto-defesa, provocado, segundo ele, por actos por parte dos polacos, o povo ucraniano só "pagou em espécie todas as injustiças contra ele se tinham acumulado ao longo dos séculos". A forma que esse "pagar em espécie" tomou não é especificado, mas é óbvio que esta é uma tentativa velada de "justificar" o genocídio ucraniano contra os polacos que estavam quase totalmente indefesos.
4) Mais adiante, um tanto inesperadamente e como se quisesse minimizar a extensão da "retribuição ucraniano para tudo", Lebed produz mais adiante a forma como a UPA tentou atrair os polacos para a luta comum contra os alemães e os bolcheviques, supostamente " a fim de evitar uma ação de massa espontânea contra os polacos ". Na realidade, não houve tais tentativas genuínas de fazer os polacos participar, além da traição de atraí-los a fim de matá-los.
5) Quanto à alegada "ordem dada pela UPA" para que a população polaca abandonasse o território da Volhynia, a mesma nunca foi dada - como é demonstrado no trabalho dos Siemaszko.
 Muito pelo contrário - os polacos foram perfidamente encorajados a ficar onde estavam, tendo-lhes até sido dado garantias por escrito, para que pudessem ser assassinados quando a altura fosse mais apropriada. O que é mais, qualquer "ordem" teria sido em um acto criminoso de ilegalidade.
6) A jactância de Lebed de que, alegadamente, "quase toda a Volhynia" estava nas mãos da UPA, no verão de 1943, é mais uma fabricação.
 O facto é que as cidades e a maioria das pequenas cidades de Volhynia estavam, então, ainda ocupada por guarnições alemãs (e também, em parte, pelos seus aliados húngaros), e foi justamente graças a isto que milhares de polacos conseguiram salvar-se refugiando-se lá. A informação "concreta" dado por Lebed em como as forças da UPA teriam supostamente conseguido capturar a cidade Horochow no sudoeste da Volhynia também é totalmente fabricada.
7) A alegação de Lebed de que os polacos, tendo recebido a "ordem" para abandonar o território", geralmente a teriam cumprido voluntariamente", é uma invenção completa.
 A realidade é que, como é mostrado mais uma vez pelo trabalho dos Siemaszkos, algumas pessoas procuraram segurança fugindo, nem sempre com sucesso, para as cidades pequenas quando a matança era uma ameaça iminente, e os ucranianos já estavam lá com suas balas, facas e machados.
8) A passagem da "propriedade fundiária” polaca para “as mãos do povo ucraniano ", que é mencionado por Lebed (para além do facto de que tal "nacionalização" por parte da UPA ser um acto totalmente ilegal)
 , tomou a forma de bárbaros incêndios de casas polacas e dependências pelos bandos da UPA, de modo que, em regra, tudo o que restou foi uma terra despida. Isso está documentado no trabalho dos Siemaszkos. Ao mesmo tempo, Lebed passa em silêncio toda a questão da enorme quantidade de outros bens de propriedade dos polacos que foi simplesmente pilhada por milhares de homens e mulheres ucranianos.Tudo isso, também, está bem documentada no presente trabalho.
9) Finalmente, há também uma falsificação calculada dos factos na observação de Lebed de que deixaram de existir "os assentamentos polacos criados depois de 1920, como todos os lugares com o nome de Sienkiewicz, ou algum Ludwik, etc" Esta formulação permite-lhe desviar a questão de todos os milhares de polacos assassinados e das propriedades queimadas e demolidas, para a dos assentamentos especificamente "polacos", que vieram a existir depois do Tratado de Riga de 1921. Mas o facto é que esses "assentamentos" basicamente só compunham uma pequena parte das residências polacas rurais que existiam na Volhynia há gerações. Mesmo a Ludwikowka mencionada por Lebed (Comuna de Mlynow no Distrito de Dubno) era um antigo povoado polaco deste tipo.

Para resumir este aspecto - quase imediatamente após o genocídio ucraniano em larga escala cometido sob a liderança de Lebed contra os polacos na Volhynia, este mesmo criminoso elaborou e publicou uma publicação altamente falaciosa, tentando negar que o genocídio jamais havia ocorrido. Estas mentiras, modificadas, em certa medida, ainda estão a ser utilizadas, pelo menos em alguns dos seus aspectos, pela maioria dos historiadores ucranianos, bem como pelo clérigo grego-católico mencionado acima, ou recentemente, por exemplo, pelo autor polaco, Ryszard Torzecki (ver abaixo). Acrescentemos que Lebed, um ex-estagiário da Gestapo, que após a rendição da Alemanha em 1945 se escondeu em Roma com a ajuda de, entre outros, alguns dignitários eclesiásticos greco-católicos do Vaticano, estabeleceu rapidamente uma cooperação com a CIA. Em 1949 ele foi admitido nos Estados Unidos como um "perito" da CIA com base no "no questions asked", onde viveu, absolutamente imperturbado, até sua morte em 1998, enquanto as suas acções tê-lo-iam classificado para uma sentença de morte no período imediato do pós-guerra.



Vamos agora dar uma olhadela na “História da Ucrânia” de Yaroslav Hrytsak, Director do Instituto de Pesquisa Histórica na Universidade Nacional Ivan Franko de Lviv, recém-publicada em uma tradução polaca.
 Hrytsak escreve, entre outras coisas, sobre o ... “Massacre da Volhynia ... a limpeza étnica mutuamente sangrenta em que milhares de habitantes pacíficos foram vítimas de ambos os lados“... .Continuamos a ler, entre outras coisas: ... “Este foi o choque sangrento de dois grupos nacionalistas, cada um abrigando uma longa lista de erros mútuos e ódios. Nenhum dos lados no conflito era totalmente inocente ou totalmente culpada”. É surpreendente que Hrytsak, ao escrever sobre os números de polacos assassinados, observa que ... “historiadores polacos profissionais estimam o número de vítimas do lado polaco entre 60 a cem mil pessoas (dos quais cerca de 50 mil vieram da Volhynia), e do lado ucraniano em cerca de três vezes menos. ... (o que andaria à volta dos 20-30.000!).E assim o genocídio ucraniano sobre os polacos foi apresentado como uma "limpeza étnica mutuamente sangrenta", uma espécie de "conflito fratricida", ou, como é chamado por alguns outros ucranianos - "uma guerra civil", ou mesmo uma "guerra polaco-ucraniano"(sic!). Poder-se-ia então igualmente falar, como tão acertadamente observa Piotrowski, da "Guerra não declarada judaico-alemã".

Atitudes semelhantes são tomadas, em maior ou menor grau, por vários estudiosos ucranianos que participaram nos seminários históricos polaco-ucraniano que se têm realizadas desde 1996 sobre o tema "relações polaco-ucranianas durante os anos da Segunda Guerra Mundial".
 Estes ucranianos (assim como o acima citado Yaroslav Hrytsak, que não participa nestes seminários) geralmente falam a uma só voz sobre um mútuo massacre polaco-ucraniano, afirmando ter suas dúvidas quanto aos seus instigadores, usam de inverdades, não apoiam as suas teses com provas, etc Uma crítica sistemática dos quatro primeiros seminários da série foi dada por Wiktor Poliszczuk. Comentando sobre as declaração de um dos oradores da Ucrânia, ele formulou as seguintes observações gerais:

...
 Quase todas as frases, todas as afirmações feitas não só por este orador, mas também pelos outros participantes ucranianos no seminário, exigiria uma polémica fundamental, saturados que estão com propaganda, mentiras e distorções.

Em certas publicações ucranianas aparecem, além disso, as exigências altamente provocatórias de uma revisão das actuais fronteiras com a Polónia, grosseiras e irresponsáveis acusações ​​e insultos contra os polacos, e assim por diante.

Uma excepção importante é encontrada no trabalho de 270 páginas do historiador ucraniano Vitalyi Maslowskyi, publicado em ucraniano, em Moscovo, intitulado “Com quem e contra quem os Nacionalistas Ucranianos lutaram nos anos da Segunda Guerra Mundial”.
 O autor baseia-se, em parte, em fontes arquivísticas, e em parte em outros escritos, principalmente ucranianos e polacos. No último capítulo da sua obra ele cita Poliszczuk (discutido abaixo), muitas vezes com a maior aprovação, e todo o capítulo recebeu, aliás, o título “A OUN e UPA, como visto através dos olhos do ucraniano Wiktor Poliszczuk”. Ele traz à luz e condena o genocídio cometido contra a população polaca na Volhynia e na Galícia Oriental. Ao mesmo tempo, ele condena as atividades perigosas dos nacionalistas pós-UPA, na atual Ucrânia, que têm lugar não só em Lvov, mas também em Kiev, o “fundamentalismo galício", e outros fenómenos tais. Também criticado por ele são a promoção da doutrina totalitária e genocida do ucraniano Dmytro Dontsov, a edificação de monumentos aos homens da 14a Divisão SS ucraniana "Galizien" ("Halychyna"), aos líderes do OUN e da UPA: Yevhen Konovalets e Andryi Melnyk, Stepan Bandera, Roman Shukhevych e outros, e a glorificação dos assassinos de polacos, judeus, russos e ucranianos como heróis nacionais da Ucrânia, após os quais ruas e praças são nomeados, despertando o espírito da era Dontsov e Bandera , tão odiada pelas pessoas.

Deve-se aqui acrescentar que o professor Maslowskyi foi assassinado em Lvov em novembro de 1999 por autores supostamente desconhecidos, que eram na realidade claramente criminosos fanáticos pós-UPA, facto que é uma reminiscência de assassinatos semelhantes practicados pelo OUN no pré-guerra na Polónia, e pelo
 UPA em anos posteriores.

Também verdadeiros e valiosos são certos artigos publicados em duas revistas ucranianas na Volhynia nos anos noventa - o Dialoh (em Rovno) e Spravedlyvist (em Luck).
 Na primeira delas, por exemplo, (nº 49, dezembro de 1993), apareceu um artigo com um título que diz muito - A Tragédia de Volhynia: genocídio contra a população polaca. Estes documentos fazem testemunho.

Os escritos de ucranianos publicados no Ocidente, principalmente na América do Norte, são semelhantes, com pequenas excepções, aos publicador na Ucrânia por autores tais como Hrycak.
 Um exemplo de tais escritos embrenhados daquele espírito é a série Litopys UPA, publicada há muitos anos em Toronto. O historiador ucraniano Orest Subtelny, que trabalha nos Estados Unidos, escreve, por exemplo, da seguinte forma sobre o genocídio em Volhynia:

...
 Segundo fontes polacas, cerca de 60-80.000 homens, mulheres e crianças polacas foram massacrados pelos ucranianos na Volhynia nos 1943-44 anos.
... Os ucranianos afirmam que massacres de conterrâneos seus começaram antes disso, em 1942, quando os polacos aniquilou milhares de camponeses ucranianos nas regiões de Chelm (Khelm), habitada principalmente por polacos, e que continuou pelos anos 1944-45 contra a minoria indefesa ucraniana a oeste do San. É claro, em qualquer dos casos, que tanto os ucranianos como as unidades armadas polacas se envolveram na carnificina total, o culminar no apogeu sangrento de ódio que vinha crescendo entre ambas as nações há gerações.

A partir daí, poder-se-ia concluir de que foram os polacos quem começou os assassinatos em massa dos ucranianos, e que isso levou mais tarde a uma forma de guerra civil entre as unidades armadas de ambos os lados.~

Uma excepção digna do maior reconhecimento são as numerosas publicações de Wiktor Poliszczuk, bem conhecido na Polónia.
 Ele próprio é um ucraniano de Volhynia que viveu nos últimos vinte anos no Canadá. Ele é doutor em ciência política da Universidade de Wroclaw, e frequentemente visita a Polónia. Entre suas obras que nos interessam em particular, vamos observar o seguinte:
1) “A verdade amarga.
 O caráter criminoso do OUN-UPA”;
2) “Os historiadores polacos induzidos em erro”;
3) “Uma avaliação política e jurídica do OUN-UPA” (em três idiomas);
4) “A ideologia do nacionalismo ucraniano segundo Dmytro Dontsov”;
5) “O Nacionalismo Ucraniano Integralista como uma forma de fascismo”.

Mencione-se ainda as memórias de Danylo Shumuk, que serviu como um "politruk" na UPA e, posteriormente, passou muitos anos em campos soviéticos – “Life Sentence.
 Memórias de um prisioneiro político ucraniano” (Edmonton 1984), onde ele fala de forma crítica sobre o assassinato de polacos.

Quanto às obras polacas da década de noventa, têm aparecido algumas publicações menores que lidam com o genocídio contra os polacos na Volhynia.
 Estes são principalmente coleções de documentos (especialmente os relatos das testemunhas, o que representa valiosa documentação), ou trabalhos relacionados com o genocídio ucraniano em distritos específicos ou comunas na Volhynia. Nenhum deles, no entanto, se aproxima ainda do âmbito do trabalho dos Siemaszkos. Nenhum deles é tão complexo de carácter, ou apresenta a mesma profundidade da pesquisa e da riqueza de fontes como este trabalho, e nenhum deles pode ser visto como sendo definitivo. Este último aspecto é abordado no fim do presente Resumo. Há também uma revista, “Na Rubiezy”, publicada em Wroclaw, que desempenha um importante papel no fornecimento de documentação. Por outro lado, existem vários historiadores profissionais que oferecem meias-verdades ou mentiras, destinadas a passar em silêncio sobre factos  que pesam inequivocamente do lado ucraniano, ou tentando fornecer-lhe alguma forma de álibi. Estas obras encontraram sua inspiração, ao que parece, no espírito do mensal “Kultura” publicado em Paris por Giedroyc Jerzy. Outra influência seria o chamado “políticamente correcto” importado dos Estados Unidos, totalmente absurdo neste contexto, do qual resultam falsificações da verdade. A tese apregoada em Varsóvia a partir de 1990 sobre a Ucrânia ser uma "parceira estratégica" da Polónia (uma tese duvidosa que não pode ser discutido aqui por falta de espaço) não deve, todavia, impedir o desmascarar e condenar o genocídio ucraniano cometido mais de meio século atrás.

Devemos mencionar aqui, entre outras publicações, as de Wladyslaw Serczyk e Tadeusz Olszanski, e, de entre as mais recentes, as de Hanna Dylagowa, bem como o artigo mais recente de Ryszard Torzecki, que está cheio de puras fabricações no campo que nos interessa.
 É chocante, nesse texto, a seguinte passagem:

...
 “É comum ouvir que o confronto foi uma ação planeada pelos ucranianos, que desejavam livrar-se dos polacos através do assassinato, do qual não temos qualquer prova até hoje [!]. Os ucranianos tomaram a decisão de remover os polacos dos territórios disputados expulsando-os, e não assassinando-os [!]. Foi só quando o plano de expulsão não teve sucesso, e os polacos não quiseram deixar os territórios, que se recorreu à força [!].”

Será que realmente "não temos qualquer prova", como é reivindicado por Torzecki, de que os ucranianos tenham cuidadosamente planeado o genocídio cometido contra os polacos?Podemos referir, neste contexto, o trabalho coletivo, editado por Wladyslaw Filar, no qual ele se baseia num documento dos arquivos dos Serviços de Securança da Ucrânia na região da Volhynia, que contém uma directiva secreta do comando territorial UPA-Piwnicz, assinado por Klym Savur (Roman Klachkivskyi Dmytro).

O carácter iminentemente planeado dos crimes é definitivamente confirmado pelo trabalho dos Siemaszkos.
 O curso do genocídio sistemático que teve lugar na Volhynia no verão de 1943 está documentado em grande detalhe, mostrando que ele foi realizado de acordo com um e só plano de acção, e abarcou grandes áreas em intervalos de tempo regulares, com o resultado de que a "limpeza" dos polacos na Volhynia foi implementada mês a mês, em direcção ao oeste. Além disso, resta a questão, já levantada em conexão com as invenções por parte de Lebed, quanto à base legal e moral em que os ucranianos, alegadamente, "tomaram a decisão [!] de remover os polacos" da terra onde viviam, em sua maior parte, há gerações, "através da sua expulsão" (!). O ponto questionável é o alegado "ultimato" o qual, a ter sido proferido, teria sido totalmente contrário à lei, em torno do qual as mentiras estão sendo espalhadas pelo lado ucraniano até aos dias de hoje (no III seminário de História polaco-ucraniana de Luck, em 1998, por exemplo, o historiador ucraniano Roman Strilka alegou que:

...
 “Na Volhynia, a população polaca fora informada de que deveria dirigir-se para a outra margem do rio Bug dentro de 48 horas, caso contrário, estaria sujeita à aniquilação.”

Bem, jamais foi dado tal "ultimato" na Volhynia, como está documentado no trabalho dos Siemaszkos.
 Muito pelo contrário, o que  realmente aconteceu, como os Siemaszkos o provam, é que em grande número de casos, os ucranianos traiçoeiramente aconselharam os polacos não a fugir, sob a teoria de que "nada os ameaçava", e às vezes até lhes davam "garantias" por escrito (!). Houve casos em que lhes disseram que a fuga seria simplesmente tratada como traição (!), ou outros em que os polacos que tinham fugido, por exemplo, para lugares como Krzemieniec, foram atraídos a retornar para o campo, onde aqueles que voltaram em boa fé foram assassinados.

Finalmente, olhando para a afirmação de Torzecki de que era apenas quando "os polacos não queria deixar os territórios", que "a força era usada". Mesmo esta último ordem foi formulada de tal forma a dar a impressão de que isso poderia significar apenas expulsar pela força!
 A questão também se coloca, quanto às razões por que eles deveriam estabelecer um caminho de pobreza e maus-tratos na procura de bandidos? Onde eles foram concretamente ir sob a ocupação alemã? É desta forma vergonhosamente torcida que Torzecki escreveu e resumiu o genocídio de cinqüenta a sessenta milhares  de polacos da Volhynia.

Muitos autores deste grupo simplesmente propõem, a uma maior ou menor escala, e com pretensões de erudição, o pragmático postulado do ex-vice-presidente da Seym da Terceira República Polaca, Aleksander Malachowski. No Congresso de Ucranianos na
 Polónia em 1997, ele declarou: ... “Descobrir a verdade sobre a história é como a reabertura de antigas feridas, e devemos curar feridas” .... Tudo isso está ocorrendo num momento em que o genocídio ucraniano ainda é lembrado até hoje por muitos polacos a partir de sua terrível experiência pessoal.


Para resumir – o trabalho dos Siemaszkos documenta de uma forma excelente todo o curso do genocídio ucraniano contra os polacos da Volhynia durante os anos da Segunda Guerra Mundial.
 No seu campo, a obra constitui o que é chamado muitas vezes no mundo anglo-saxão como uma obra definitiva [definitive work] - um trabalho que é fundamental no seu completo, aprofundado e objectivo tratamento do assunto examinado. Certas adições suplementares naturalmente existirão no futuro, assim como haverá pequenas correcções em determinados sítios. Mas o assunto foi, em princípio, submetido a uma investigação exaustiva, e chegou-se a conclusões correctas.

Daí em diante, ninguém - com as exceções de notórios espalhadores de falsidade - será capaz de ter a menor dúvida sobre quem era o instigador do genocídio discutido aqui.
 Ninguém será capaz de continuar confeccionando as lendas sobre a forma como, na Volhynia, os ucranianos supostamente "apenas" exigiram em primeiro lugar que os polacos "voluntariamente" deixassem o território, e ninguém será capaz de ignorar a ilegalidade grosseiras que tais acções teriam representado. Não haverá espaço para grandes questionamentos acerca dos factos  por trás do premeditado e surpreendentemente bárbaro genocídio ucraniano perpetrado sobre os polacos da Volhynia, que compunham menos de 17 por cento da população, e estavam, aliás, quase totalmente indefesos. E, finalmente, nenhuma pessoa honesta irá continuar, mesmo por lapso, a apelidar os eventos da Volhynia que nos interessam aqui como uma "guerra civil", "conflito fratricida", "choque de dois nacionalismo", "guerra polaca-ucraniana", etc .

O trabalho dos Siemaszkos, que é o produto de mais de 10 anos de pesquisa, é um estudo abrangente e fundamental dentro do âmbito do assunto abordado, realizado a uma escala não ultrapassada até agora na Polónia dentro deste campo específico.
 Foi preenchido um vazio considerável na história da Polónia na época da Segunda Guerra Mundial, em geral, e na história do genocídio cometido contra os polacos, nesse período em particular.

Emerge um quadro que, tomado como um todo, é um de uma forma particularmente bestial de genocídio, o qual o lado culpado se recusa, até agora, a admitir.
 Os ucranianos não têm, até agora, seguido o exemplo dos alemães, ou mesmo dos russos, que admitiram oficialmente os genocídios que haviam perpetrado. Os ucranianos têm adotado, em vez disso, o "caminho turco", - porque os turcos, como é sabido, não querem admitir, até hoje, o genocídio cometido nos anos da I Guerra Mundial contra cerca de um milhão e meio de arménios . Fontes oficiais na Turquia têm mantido o seu silêncio sobre o assunto durante décadas. Foi só quando jovens arménios começaram a assassinar diplomatas turcos nos anos setenta e oitenta, (as vítimas eram, entre outros, os embaixadores em Viena, Paris, o Vaticano e em Belgrado, bem como os cônsules e outros) [desta ofensiva fez parte o assalto à Embaixada Turca em Portugal, na qual se estreou o Grupo de Operações Especiaia da PSP] que uma significativa "contra-ofensiva publicitária” turca nos média e na imprensa foi lançada. Os assassinatos aparentemente havia sido planeados ... “para lembrar o governo imperialista turco dos crimes cometidos contra o povo armênio”. A "contra-ofensiva publicitária " tentou apresentar os acontecimentos do ano de 1915 e os anos seguintes como uma "guerra civil" trágica, instigado, além disso, pela minoria arménia (uma estranha semelhança com as falsidades da Ucrânia em relação aos acontecimentos em Volhynia!) . Também são utiliadas expressões tais como: Nenhuma violência, nenhum terror no mundo vai fazer-nos pedir perdão por um crime que não foi cometido (!).

Hoje, a Arménia, recém-livre, não hesita em falar abertamente do genocídio cometido nesse momento.
 Trouxe o assunto, por exemplo, às Nações Unidas. Ela também apela à Turquia para conversações directas para resolver o problema. Além disso, o genocídio arménio foi condenado publicamente por vários parlamentos estrangeiros, em 8 de novembro de 2000, pelo Senado francês (em 1998 pela Assembleia Nacional francesa), e anteriormente pelo Parlamento grego, o Senado belga e, em 14 de abril de 1995, pela Duma russa. Mas os consecutivos governos da III República Polaca têm simplesmente medo de tocar no assunto do genocídio ucraniano - por razões da suporta "parceria estratégica” indicado acima.

Por fim, fica-se impressionado pela ausência de qualquer manifestação de uma atitude honesta com princípios para com o genocídio que estamos discutindo da parte de qualquer elite intelectual ucraniana, em particular os escritores ou os estudiosos.
 Lembremo-nos que o orgulho da literatura alemã, Prémio Nobel Thomas Mann, depois de mencionar no seu romance Doktor Faustus que um certo general "transatlântico" (ou seja, norte-americana) tinha ordenado, em 1945, que os habitantes de Weimar fizessem filas diante dos crematórios do campo de concentração local, escreveu, entre outras coisas: ... “É o sentimento de culpa muito mórbida que faz perguntar-se a questão de como é que a Alemanha, no que quer que venham a ser as suas manifestações futuras, poderá ter alguma vez a pretensão de abrir a boca nos assuntos humanos?”.

Ou vamos considerar o futuro alemão Prémio Nobel Gunter Grass, que já como um jovem, caiu sob a forte influência do trabalho publicado em 1951 pelo ilustre filósofo e sociólogo Theodor Adorno, e sempre condena veementemente o genocídio alemão cometidos durante
 Segunda Guerra Mundial. Chegou ao ponto em que, com o surgimento da questão da unificação da República Democrática Alemã e a República Federal da Alemanha, Grass saiu contra ele. Seus argumentos eram de que uma Alemanha unida (o Reich) havia organizado e conduzido o genocídio. Ele falou da experiência... “que os criminosos, como nós, bem como as nossas vítimas, tiveram com uma Alemanha unificada, e Auschwitz como ... um estigma permanente da nossa [isto é, História] alemã, etc Ele fez alusão a essas declarações novamente em 2000. Muitas vezes me deparei com posições semelhantes, mais ou menos fortemente articuladas em universidades na Alemanha. Não há nenhum vestígio de qualquer coisa semelhante a esta, por parte dos intelectuais ucranianos.

O trabalho dos Siemaszkos é, portanto, tudo o mais necessário e valioso.
 Ele é merecedor da mais ampla divulgação não apenas na Polónia, mas também na Ucrânia e na Europa Central em geral. Deve, também, desfrutar de ampla promoção no Ocidente, incluindo o seu uso cuidadoso na disciplina emergente de genocídio comparativo.

Quanto ao aspecto moral que está em causa, visto especialmente do ponto de vista polaco, não pode haver perdão para este genocídio, quer para aqueles que cometeram torturas e assassinatos perpetrados massa, ou para os ucranianos "eruditos" e até mesmo o clero, que
 mentiu sobre este assunto durante as décadas seguintes, e até o presente, e continuará a fazê-lo, ofereceu a todos os tipos de meias verdades, conscientemente confundindo os factos , afirmando que tudo é relativo ou fazer uma demonstração de manter o silêncio.

Mas no final a verdade deve sair, por parte dos ucranianos também - DUCUNT FACTA VOLENTEM, NOLENTEM TRAHUNT.
 Pura e simplesmente, não será possível falsificar esse genocídio.



27 comentários:

Europeísta disse...

Veja, pra mim, todo o escopo do envio desse texto não é nada além de uma tentativa de afrontar o usuário Jest. Isso é bem claro!

Pippo,

fale do gulags tb. De Katyn, holodomor,perseguiçoes políticas...

Pippo disse...

"Europeísta", não me diga que a verdade o ofende.

Se o Jest se sentir afrontado, azar o dele. Estes são factos ocorridos na ucrânia, estão largamente documentados, não há como o negar ou tentar escamotear.

Quanto a eu "ter de falar" sobre gulags, Katyn, holodomor, etc., isso já foi demasiadamente abordado aqui e você não disse que isso era "uma tentativa de afrontar o usuário X ou y".
Prefiro falar de coisas que aconteceram e que, pelos vistos, não devem ser abordadas "para não ofender".

Certamente você não terá problemas com isso, ou terá?

PEDRO LOPES disse...

Pippo,

Acho bem ter feito essa tradução e trazer aqui esses factos.
Deixo no entanto um reparo. O texto é demasiado extenso. Acho que pelo menos devia colocar um resumo no fim.Em todo o caso parabéns.

Por outro lado este espaço tem-se tornado demasiado politizado, em boa parte devida á insana persistência do Jest em assuntos tão esfarrapados e enviesado que tem enublado demasiado este blog.

Eu gosto de debater questões históricas, mas acho que tem havido excesso desse tipo de tópicos (Graças ao Senhor Jest).

Há que ir debatendo também os assuntos mais recentes, bem como outros aspectos não-políticos nem ideológicos sobre esse pais fantástico que é a Rússia.

Jest nas Wielu disse...

1) Artigo do teor propagandístico, que apresenta pouquíssimos dados concretos, muitas afirmações gratuítas e trata os historiadores polacos isentos,casos de Wladyslaw Serczyk, Tadeusz Olszanski, Hanna Dylagowa, Ryszard Torzecki como autores de “puras fabricações”.

2) Assassinato do professor Maslowskyi: os seus assassinos foram detidos?

3) Como se diz na Ucrânia, parece que a morte dos ucranianos assassinados pelos polacos da AK, Win, B. Hlopskie não conta, tal como aconteceu neste massacre: http://en.wikipedia.org/wiki/Paw%C5%82okoma_massacre

4) A realidade histórica realmente está próxima das palavras do Yaroslav Hrytsak (fortemente criticado por isso pelos nacionalistas ucranianos): “Massacre da Volhynia foi uma limpeza étnica mutuamente sangrenta em que milhares de habitantes pacíficos foram vítimas de ambos os lados“...

Europeísta disse...

simples provocação...

Wandard disse...

Os dados são concretos e conferem com o contexto histórico. Porém com era previsível se contrapõe aos interesses propagandísticos de algus e portanto já era esperado o revés.

No mais o teor dos textos publicados em sequência, con direcionamento político e propagandístico contra a Rússia é uma tendência do blog.


Quanto aos historiadores, infelizmente assim com os jornalistas existem os que são partidários de determinadas políticas e ideologias, mas estamos lutando para corrigir estes comportamentos.

Pippo, parabéns pelo artigo.

Anónimo disse...

Excelente texto. Vale a pena lê-lo ! Bom trabalho, Pippo !

Pippo disse...

Obrigado a todos.

De facto, achei necessário - extremamente necessário, diga-se de passagem! - traduzir e enviar este texto de forma a "agitar as águas" neste blog.

Há aqui participantes que têm usado este espaço para veicular a sua versão da História, na qual uns são sempre umas bestas (os russos, de preferência) e outros são sempre uns anjos absolutamente impolutos.

É um facto já sobejamente conhecido que os nacionalistas ucranianos, depois de terem colaborado com as agressões da Alemanha Nazi, encetaram várias acções "punitivas" contra populações, indefesas e absolutamente inocentes, mas que travavam os seus projectos de "purificação étnica" do território ucraniano.

É por isso uma aberração histórica dizer-se que houve um "massacre mútuo". Na verdade, o que houve foi uma sucessão de acções/reações, sendo que a sequência de eventos aponta claramente para um culpado, que é, lamentavelmente, o povo ucraniano.

Mas mais lamentável ainda é que, mercê de um nacionalismo chauvinista e/ou de uma russofobia irracional, ainda haja gente que se recusa a admitir a História do seu povo, no que ela tem de bom e de mau, e que em lugar de pedir sentidas desculpas aos povos vitimizados (da mesma forma que as exige quando é o seu povo a vítima), ainda tenha a enorme pouca vergonha de dizer que a chacina foi "perfeitamente justificada".

Jest nas Wielu disse...

É uma política do Kremlin de "dividir para reinar", as mesmas entidades que financiam filmes como "Taras Bulba" ("vejam lá, ucranianos, o que estes católicos polacos faziam com os cossacos ucranianos"), financiam este tipo de propaganda "vejam lá os polacos, o que estes ucranianos nacionalistas faziam convosco".

Assim o massacre soviético de Katyn fica do lado...

Europeísta disse...

Se nós somarmos os crimes dos aliados na segunda guerra mundial, veremos que as vitimas deles ultrapassaram e muito os supostos crimes que alegadamente são atribuídos aos alemães. Estaline viu na guerra uma oportunidade de se livrar de alguns "indesejados".

Europeísta disse...

Esse texto é ucraniafóbico! Se os ucranianos fossem completamente submissos aos russos eu duvido se se seriam contestados aqui.

Meus parabéns ao povo Ucraniano que não aceita arreios e não quer ver seu país transformado num mero "estado-tampão" pra sevir aos interesses geopolíticos da Rússia como querem muitos aqui.

Esses comunas fazem a melhor propaganda contra si mesmos.

Wandard disse...

" Europeísta disse...
Se nós somarmos os crimes dos aliados na segunda guerra mundial, veremos que as vitimas deles ultrapassaram e muito os supostos crimes que alegadamente são atribuídos aos alemães. Estaline viu na guerra uma oportunidade de se livrar de alguns "indesejados""

Definitivamente cabulou as aulas de história.

Lucas Cam disse...

Eu duvido que a intenção desse texto seja o de solidariedade com as vítimas e sim pura e simplesmente um jogo retórico.

Europeísta disse...

Tem gente que ver "genocídio" somente onde lhe é conveniente....

Pippo disse...

Ora diga-me lá, "Europeísta", em que é que o texto é ucraniafóbico?

Ele incita ao ódio contra os ucranianos? Ele enxovalha os ucranianos? Ele diz que os ucranianos são os culpados por tudo o que de mal acontece na Polónia?

O texto apenas faz três coisas: salienta factos que não são discutidos porque politicamente não interessa que o sejam; aponta claramente os culpados pelo sucedido; insta a que os culpados reconheçam a sua culpa.

Pelos vistos, isso incomoda-o de sobremaneira. Acho isso muito estranho...

Anónimo disse...

O leitor pseudo Europeísta (parece ser o Ítalo, que atormentava este blog no passado) além de não ter lido o texto (ou é analfabeto funcional) quer formular críticas numa técnica muito simplista de "culpa da Rússia/russos". A mesma técnica do Jest, que sempre deixa sua mensagem subliminar em todas mensagens/posts "eu odeio a Rússia, os russos e o seu produto, o comunismo".




Vasco

Pippo disse...

Lucas Cam,

A intenção do autor deste texto, como o constata caso o tenha lido, é o de expor uma verdade incómoda que não é abordada internacionalmente porque a Polónia considera a Ucrânia um "parceiro estratégico" que convém não incomodar.

Da minha parte, não sou sentimentalista nem um falso sentimentalista, como um ou outro personagem que por aqui escreve ( chora imenso as vítimas sempre que pode imputar as culpas aos russos, mas cala a boca ou diz que as vítimas morrerem e muito bem quando os carrascos são do seu povo). Resolvi traduzir e publicar o texto porque o considero importante, porque é um assunto que não é de todo abordado aqui (ao contrário do Holomodor e do Gulag, assuntos que já enojam de tantas vees que se bateu no ceguinho), e é, enfim, um texto em que, incrivelmente, os maus não são os russos mas sim outros.

E se calhar isso é que incomoda algumas pessoas, como aliás se vê.

Jest nas Wielu disse...

Sobre Vitaly Maslovskiy: após a sua morte, a sua viúva NUNCA chegou de abrir o processo criminal, portanto não foi feito o inquérito, nem a investigação criminal, mas isso não impede ao autor deste artigo AFIRMAR a) que houve crime, b) que os autores “eram … claramente criminosos fanáticos pós-UPA”. Creio que a jurisprudência ainda não decide na base das suspeitas e vontades, mas na base de provas e investigação.

Sobre Wiktor Poliszczuk: filho do pai ucraniano e da mãe polaca, trabalho na República Popular da Polônia (Polônia comunista) como procurador (facto que ele mais tarde negava). Não sei se preciso dizer, que o seu trabalho foi classificado como “não científico” por vários historiadores polacos. Biografia: http://web.archive.org/web/20080317152142/http://www.polonialife.ca/kto_poliszczuk.htm

Sobre ele: http://en.wikipedia.org/wiki/Wiktor_Poliszczuk

Pippo disse...

A Revolta de Khmelnytsky foi uma rebelião cossaca na Ucrânia entre os anos 1648-1657 que se transformou numa guerra de libertação da Ucrânia.

Sob o comando do Hetman Bohdan Khmelnytsky, os cossacos da Zaporozhia, aliados aos tártaros da Crimeia e ao campesinato local, travaram várias batalhas contra os exércitos da Comunidade Polaco-Lituana. O resultado foi uma erradicação do controle dos nobres polacos e dos seus intermediários judeus no território.

Segundo uma crónica contemporânea escrita por Nathan ben Moisés Hannover, "Onde quer que eles encontraram os nobres, funcionários reais ou judeus, eles [os cossacos] matavam-nos a todos, não poupando nem mulheres nem crianças. Eles saquearam as propriedades dos judeus e os nobres, queimaram igrejas e mataram os seus sacerdotes, não deixando nada em pé. Ele raro o indivíduo naqueles dias que não tinha as mãos encharcadas de sangue ..."

Estima-se que durante a revolta tenham sido massacrados entre 40.000 e 100.000 judeus e um número ainda superior de polacos.

http://en.wikipedia.org/wiki/Khmelnytsky_Uprising

Jest nas Wielu disse...

2 Pippo

No mesmo link podemos ler:
Most Jews lived outside Ukraine in the territories unaffected by the uprising, as the Jewish population of Ukraine of that period is estimated at about 50,000.[17]

Ukrainian-American historian Jarowlaw Pelenski narrows the number of Jewish deaths to between 6,000 and 14,000".[28]

O artigo também esclarece que os números de supostas vítimas polacas também são irrealistas...

Portanto, tal como escreveu O'Neill:
"O que realmente estamos presenciando na histeria sobre as atitudes da Ucrânia é a expressão de um preconceito contra as estranhas pessoas do Leste, disfarçado de um sentimento antirracista iluminado". No seu caso sentimento anti "genocídio" iluminado lol

Pippo disse...

2 Jest,

Pois é, os histpriados UCRANIANO-americano diz que "só" foram massacrados entre 6.000 e 14.000 judeus mas:

"Although many modern sources still give estimates of Jews killed in the uprising at 100,000[24] or more,[25] others put the numbers killed at between 40,000 and 100,000."
e ainda

"A 2003 study by Israeli demographer Shaul Stampfer of Hebrew University dedicated solely to the issue of Jewish casualties in the uprising concludes that 18,000-20,000".

Portanto, credivelmente teremos, no mínimo, 20.000 judeus mortos, ou seja, metade da população.

Relativamente aos polacos, "Poles were targeted by Cossacks as much as Jews; there were also many more Poles in the Commonwealth - and in Ukraine - than Jews, therefore Polish casualties were also very high."

E agora, só resta dizer-me, nesse seu tom jocoso, que "a violência contra os polacos era perfeitamente justificável". Eu sei que para o Jest, quando um ucraniano parte uma unha, isso é uma tragédia, mas quando o ucraniano esventra uma polaca grávida, isso "é justificável".

E ainda se ofende quando eu o chamo de rutenazi...

Jest nas Wielu disse...

2 Pippo

Mas é claro, não podemos acreditar no historiador ucraniano-americano, mas devemos acreditar nos historiadores polacos, estes é que nunca erram e raramente se enganam lol

Se no território viveram cerca de 50.000 judeus, como seria possível matar 100.000? Ok, Dr. Shaul diz que não foram 100.000, mas foram apenas 18,000-20,000.

Ou seja entre os 18.000 do Dr. Shaul e 14.000 do Dr. Jarowlaw Pelenski não há uma diferença abismal. Ou há?

Vos estais enganado, Filipe, eu não me ofendo quando V. Excia usa o termo rutenazi para mim "humilhar" (pois já disse que é essa a sua intenção), apenas acho que é um sinal claro da sua xenofobia, chauvinismo e convicções claramente anti-ucranianos. Eu pelo contrário, gosto quando me confundem com galiciano, significa que faço um bom trabalho lol lol bj bj

Já agora, eis o que os diversos partidos polacos defendiam em relação à questão ucraniana, dá pare ver quem é que era o opressor:
http://www.ji.lviv.ua/n28texts/raport-ak.htm

Pippo disse...

2 Jest

"entre os 18.000 do Dr. Shaul e 14.000 do Dr. Jarowlaw Pelenski não há uma diferença abismal. Ou há?"

Claro que não! Ambas indicam que, "na hipótese da população judaica ser de 40.000 almas", METADE foi exterminada pelos ucranianos.
Claro que se fossem ucranianos a terem sido exterminados, isso seria a tragédia, mas como foram os ucranianos a matar, "era bem merecido", era "justificável"...

Meu caro Jest, sugiro-te que aprendas o significado das palavras "xenofobia" e "chauvinismo". O único aqui que é xenófobo e chauvinista és tu, como já te deves ter apercebido (bem, não deves, mas isso é por outros motivos).

Quanto às "convicções claramente anti-ucranians", lolada total!!! Tu, que és o xenófobo mais anti-russo que eu já conheci, vires acusar outros, e logo a mim, de ser anti-ucraniano!!! Ahahah! Não te enxergas mesmo, pá! :oD

Olha, gostei do link. Fiquei a saber que os diversos partidos polacos defendiam coisas "opressoras" tais como:

"Ukrainian Language rights must be provided for use in the Ukrainian population policy should be no deviations from the iron consistency. Schooling should be Ukrainian [...] School programs should provide inmates adequate acquaintance with the Polish language and culture."

"Sword and Plough [Miecz i Piug] because it represents the nationalist-imperialist direction, in its ideological declaration declares on Slavic minorities (except the Germans and Hebrews), and therefore of Ukrainian, the principle of civil equality on the basis of "equal rights and obligations 'Parliamentary Liaison."

"other loyal national minorities (in which TVP in this case understand all the rest, except the Germans and Hebrews) will be provided the conditions for cultural and religious development, on the principle of equal rights and duties. (...) Our attitude to these lands [Ucrânia] for centuries is based not on conquest, and oppression, but cooperation and coexistence of free-free, equal to equal. So it should remain in the future."

"the state's attitude to ethnic minorities also regulated the April Constitution". Hence, this group, honoring our crucial terms in this constitutional principle of "equality of all citizens before the law, without regard to nationality and religion," is entirely on a democratic platform."

Portanto, foi por causa desta "opressão", como a chamas, que os ucranianos cometeram o Genocídio dos Polacos na Ucrânia Ocidental.
'Tá bem, foi... "justificado", não é assim que o designas?

E ainda te ofendes quando eu te chamo de rutenazi...

Jest nas Wielu disse...

2 Pippo

Se eu sou “o xenófobo mais anti-russo”, como devemos classificar as posições do Filipe? Só se for do extremismo anti-ucraniano.

E se citas a posição do Miecz i Piug, também podes citar a posição do «Partido Nacional», «Szaniec» e «Konfederacja Narodu»;
“Negação de qualquer problema ucraniano, deportação dos ucranianos para Ucrânia ou a sua dispersão dentro da Polônia”;

Ou a posição do já citado «Partido Nacional» que dizia que os ucranianos (“rutenos”) não são politicamente maduros, o jornal clandestino «Wielka Polska» (Grande Polónia) escrevia no edital de 19 de junho de 1943:

“Os alemães inventaram o povo ucraniano nos meados do século passado (século XIX) para as suas necessidades e agora estão a criar este povo… Ucrânia é uma enganação alemã” [Archiwum Państwowy, Lublin, UPA-Zachód, VI Okręg Wojskowy, kryptonim «San», teczka nr 69, karta 9-11. Veja Siwicki Mikolaj, Dzieje konfliktów polsko-ukraińskich, Volume III, Warszawa, 1994, pp. 159, 160].

Pippo disse...

Sou "extremista anti-ucraniano"??? Ai que não sabia!!! :0D

E então diz-me lá em que é que eu sou anti-ucraniano?

Já sei, eu passo a vida a editar acusações à Ucrânia! Ou passo a vida a dizer que os ucranianos são umas bestas, ou que são uns assassinos, ou que são os responsáveis por massacres ou "genocídios" que não cometeram...


Quanto às afirmações desses quatro partidos polacos, não estou a ver bem qual é o problema em dizer que "não existe qualquer problema ucraniano". Também me parece que ter uma política de deportação dos ucranianos de volta para a Ucrânia é assim a modos que "ligeiramente diferente" de massacra-los a todos, como os ucranianos tentaram fazer aos polacos.

E também me parece que afirmar que os ucranianos são uma "enganação alemã" não é "justificação" para chacinar crianças polacas, serrando-as ao meio, arrancando-lhes os olhos, esquartejando-as...

... Ah, mas esqueci-me: para ti é justificação suficiente!

É este tipo de coisas que dá para ver a craveira moral da malta que segue a tua ideologia...

Jest nas Wielu disse...

Filipe, já que gostas tanto julgar os acontecimentos do século XVII pelas regras atuais, podes escrever o que achas destes acontecimentos:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Tr%C3%A1fico_negreiro

"Os portugueses já usavam o negro como escravo antes da colonização do Brasil, nas ilhas da Madeira, Açores e Cabo Verde. O tráfico para o Brasil, embora ilegal a partir de 1830, somente cessou em torno de 1850"

No século XVIII, o número do tráfico chegaria a 1.600 mil, exigidos pela mineração e pela lavoura de exportação (algodão e açúcar) e que dobraria na primeira metade do século XIX, com a lavoura cafeeira. Segundo Roberto Simonsen, até 1850, quando foi extinto o tráfico negreiro, foram trazidos para o Brasil, aproximadamente, 3.300 mil africanos.

Nas viagens, a bordo dos navios negreiros "perdiam-se" aproximadamente 40% do total de "peças" embarcadas. Em alguns casos, chegavam a mais de 60%.

Faz as contas aritméticas para saber quantos africanos foram mortos nessas viagens:
http://www.coladaweb.com/historia-do-brasil/trafico-negreiro

Pippo disse...

Estamos a falar de tráfico de escravos ou do massacre dos polacos pelos ucranianos no séc. XVII? :0)

Jovem, tu bem que tentas desviar o assunto, mas o tema desta discussão é "O genocídio cometido pelos nacionalistas ucranianos sobre a população polaca durante a Segunda Guerra Mundial". O genocídio dos polacos no séc. XVII é um assunto conexo.

Os assuntos africanizantes que tu gostas tanto serão para um outro tópico.
Envia ao JM um texto sobre o tráfico de pretos feito pelos portugueses no séc XVII (fazendo questão de dizer, em abono da verdade, que toda essa gente era capturada por outros pretos). Pode ser que ele o publique no blog "Da África", ahahah!

Olha, já que estás com a mão na massa (e porque não és racista), faz também um texto sobre o tráfico de escravos portugueses nos portos berberescos.

Olha, e já agora faz também um texto sobre o tráfico dos escravos eslavos e judeus capturados pelos tártaros da Crimeia, aliados do ucraniano Khmelnytsky.

De resto, é como eu disse, tu bem que tentas desviar o assunto para outros temas mas não te safas.

O facto inegável é que os teus compatriotas, imbuídos de um espírito xenófobo, chauvinista e revanchista, sem que tivessem sido vítimas de qualquer massacre anterior, lançaram-se selvaticamente ao assalto de povoações indefesas, chachinando com a mais brutal selvejaria homens, mulheres e crianças, sem poupar ninguém.

E tu achas que isso era "justificado" porque os polacos "proibiam o uso da língua ucraniana". Essa tua posição é desumana e intolerável.
Deverias ter vergonha na cara!